Total de visualizações de página

quinta-feira, abril 14, 2016

Reunião entre Governo e Servidores Públicos será na próxima terça-feira







Reunião entre governo e servidores públicos será na próxima terça-feira
O Governo do Estado informa que, em face da necessidade de se concluir a avaliação orçamentária e financeira do período, foi adiada para a próxima terça-feira, dia 19, às 15h, na sede da Secretaria de Estado de Administração (Sead), a reunião que se realizaria nesta quinta-feira, 14, no mesmo horário, com diversas entidades representativas dos servidores públicos do Estado.

Texto:
Luciana Benicio


Carros e motocicletas são leiloados em Marituba
Cento e quarenta e nove lotes, divididos entre carros e motocicletas, estão sendo leiloados pela Secretaria de Estado de Administração (Sead), nesta quinta-feira (14). Os veículos disponibilizados não atendem mais as necessidades diárias do estado, pois ou estão sucateados ou suas manutenções correspondem a 50% do valor de um veículo novo. Para não deixá-los abandonados, viu-se no leilão uma oportunidade de vendê-los e, consequentemente, arrecadar verba para a conta única do Estado. “As pessoas que procuram estes tipos de carro, geralmente vendem suas peças ou os reformam para vender por um preço maior”, explica Bruno Magalhães, presidente da comissão de leilões da Sead.
Este é o segundo leilão de carros oficiais realizado pela Secretaria este ano. Pela avaliação inicial dos veículos, a expectativa é que pelo menos R$ 165.850,00 sejam arrecadados com as vendas. “A gente estima que esse valor dobre no final do dia”, pontua Bruno. No leilão do ano passado, 136 lotes foram negociados e a arrecadação ficou em torno de R$700 mil. Um terceiro leilão está programado para o segundo semestre deste ano.
A venda é feita a quem oferecer o maior lance nos veículos. Qualquer pessoa, acima de 18 anos, pode participar, seja física ou jurídica, desde que esteja devidamente inscrita no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ). Os lances podem ser feitos presencialmente, no galpão de uma empresa de leilões em Marituba, na Região Metropolitana de Belém, ou pela internet, através do site. O leilão começou às 10h da manhã e segue até acabarem os lotes.
O comerciante Jaime Cavalcante é frequentador assíduo deste tipo de evento. Ele aproveita estas oportunidades para comprar carros que possam lhe render um dinheiro a mais no fim do mês. “A gente compra mais barato, dá uma reforma e vende mais caro”, conta. Só no leilão de hoje ele já havia arrematado dois carros.  
Já o mecânico Daivid Filho esperava uma boa oportunidade de compra enquanto observava o movimento das vendas. “Às vezes, a gente encontra um carro que vale a pena, vai lá e investe”, diz. Para o mecânico, leilões como este são importantes e até necessários, uma vez que evitam o desperdício de um bem público.

Texto:
Bianca Teixeira


Sinfônica do Theatro da Paz e Centro de Danças Ana Unger apresentam "Depois da Chuva"
A Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP), que neste ano completa 20 anos de fundação, tem recebido convidados em suas apresentações mensais, como a pianista Maria Helena Elias e a maestrina Cibelle Donza, primeira mulher que regeu a OSTP. Para dar continuidade a estas apresentações que, desde já, celebram as duas décadas da Orquestra, o palco do Theatro da Paz vai receber também o Centro de Danças Ana Unger, no espetáculo “Depois da Chuva”, que será apresentado no sábado, 16, às 20h, com entrada Franca.
Para celebrar Belém em seus 400 anos, o “Depois da Chuva” revive o cenário da fundação da cidade desde 1616, passando pelas lutas travadas entre os índios Tupinambá e colonizadores; movimentos populares, como a Cabanagem; fé e religiosidade do povo; imigrantes; belle époque, e a trajetória de Anna Pavlova, bailarina russa que se apresentou no Theatro da Paz em 1918 e representou um momento de grande efervescência cultural na cidade.
A bailarina Ana Unger comenta que este é um espetáculo de muitas homenagens, com repertório extenso, apresentando composições locais que trazem ao público grandes nomes da música paraense, como Luiz Pardal, Wilson Fonseca e Waldemar Henrique e também composições internacionais, como La vie parisienne, de Jacques Offenbach e Le Cygne, de Saint-Saëns.
“Um dos compositores a serem homenageados é Araújo Pinheiro, um compositor importante para a nossa história, mas ainda esquecido. Também fazemos uma homenagem aos compositores contemporâneos como Salomão Habib, que pontua o espetáculo com sua música em cenas que mostram a fé e a imigração em Belém”, comenta a bailarina Ana Unger.
Como solistas estarão presentes Adriana Azulay, Salomão Habib, Ana Maria Adade e Alexandre Negrão. Para Miguel Campos Neto, esta parceria com o Centro de Danças Ana Unger contribui para o intercâmbio entre música e dança e soma experiência para ambos. “Quando vimos a primeira vez este espetáculo, ficamos imaginando como seria esta parceria e hoje estamos realizando. Espero que seja bem bonito e aclamado pelo público”, comenta o maestro. O próximo concerto da OSTP será no dia 28 de abril, às 20h, no Theatro da Paz. 
Serviço: 
Espetáculo “Depois da chuva”, com Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP) e Centro de Dança Ana Unger. Dia 16, às 20h. Local: Theatro da Paz (Avenida da Paz, s/n – Campina). Informações:
(91) 4009-8766/8754. Entrada franca, com distribuição de ingressos a partir das 9h do dia do evento.

Texto:
Camille Nascimento


Políticas de desenvolvimento urbano ganham destaque no Pará
O Governo do Pará vai lançar oficialmente, nesta sexta-feira, 15, em Belém, a 6ª Conferência Estadual das Cidades, que terá como tema central “A Função social das cidades e da propriedade - cidades inclusivas, participativas e socialmente justas”. O objetivo é construir uma política de desenvolvimento urbano, pensada e formulada com a participação social, e focada em cinco áreas: saneamento, habitação, transporte, mobilidade e acessibilidade.
Além de organizar os preparativos para a realização da conferência estadual, o Governo, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop), também é responsável por orientar e mobilizar os municípios na realização de suas conferências municipais, que devem ser realizadas até o dia 5 de julho deste ano.
O assunto foi discutido na manhã desta quinta-feira (14), no auditório da Cosanpa, durante a 6ª Reunião Ordinária do Conselho das Cidades do Pará (ConCidades). Cerca de 70 conselheiros, representando as três esferas de governo - municipal, estadual e federal - e ainda representantes de trabalhadores, empresários e da sociedade civil organizada, participaram da reunião.
Criado em 2004 pelo Ministério das Cidades, o Conselho das Cidades tem como principal objetivo articular a construção de políticas públicas urbanas para melhorar as condições de vida dos habitantes das cidades. A criação dos conselhos locais, nos estados e municípios, é importante para efetivação da política urbana e do controle social. No Pará, O ConCidades foi criado em 2008. O calendário de atividades prevê quatro reuniões ordinárias anualmente e a eleição de representantes a cada dois anos.
“Se queremos construir cidades democráticas e inclusivas, esse é o caminho. Os problemas e propostas são discutidos primeiro nos municípios, depois precisam ser referendados na conferência estadual e por último na Conferência Nacional das Cidades, que será realizada entre 5 e 9 de julho de 2017”, explicou Bernadete Cruz, secretária executiva do ConCidades/Pará.
Bernadete também ressaltou que o Pará saiu na frente ao realizar a primeira Conferência Municipal de 2016 no país, em Concórdia do Pará, região nordeste do Estado.
Serviço:
Lançamento da 6ª Conferência Estadual das Cidades com a participação da secretária Noêmia Jacob e representantes dos 144 municípios paraenses
Dia: 15/04 (sexta-feira)
Hora: 14h às 17h
Local: auditório da Cosanpa – São Brás

Texto:
Marlicy Bemerguy


Chefe da Casa Civil recebe representantes da CBDV
A equipe técnica da Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV), que realiza em Belém as disputas da Regional Centro-Norte, desta quinta-feira, 14, a domingo, 17, foi recebida no Palácio do Governo por representantes dos órgãos estaduais que apoiam a competição.
Participaram do encontro o chefe da Casa Civil, José Megale; a diretora geral do Núcleo de Articulação e Cidadania, Daniele Khayat; a secretária de Esporte e Lazer, Renilce Nicodemos; e a secretária de Educação, Cládia Hage. “O Pará é um celeiro de atletas paralímpicos e estava precisando de um evento como esse. Em novembro também vamos realizar um grande evento aqui, que vai reunir os principais judocas do país no Grand Prix Infraero de Judô para Cegos”, informou Helder Araújo, vice-presidente da CBDV.
Durante o encontro, José Megale agradeceu a presença de todos em nome do governador Simão Jatene e disse que ficou muito feliz quando o Pará foi escolhido para a realização do campeonato. “Nós não medimos esforços para realizar um evento maravilhoso para todos os atletas do Pará e de outros estados que estão aqui. Queremos que vocês aproveitem a estadia e possam levar as coisas boas do Pará. Esse campeonato é o exemplo de que o estado apoia o esporte e os atletas que possuem uma grande capacidade de serem referência para a sociedade”, disse Megale.
O presidente da CBDV, Sandro Laina, também agradeceu a recepção e a valorização do esporte. “Eu sempre digo que o esporte te leva do fundo do poço ao topo do pódio. São inúmeras as histórias de famílias humildes que hoje são sustentadas pelos filhos atletas. O goalball e qualquer outro esporte é sempre uma superação”, contou.
Já o presidente da Associação de e para Cegos do Pará (Ascepa), Raimundo Sales, fez questão de agradecer ao Governo o apoio incondicional. “A Ascepa sempre foi muito bem tratada pelo governador, que nunca deixou de nos atender. Como organização da sociedade civil, eu me sinto muito orgulhoso em poder fazer parte de mais esse passo importante para o esporte e para as pessoas com deficiencia no Pará”, relatou.
As obras do Ginásio Poliesportivo, o Mangueirinho, localizado no entorno do Complexo Poliesportivo Mangueirão, também foram citadas durante a reunião. A obra está orçada em R$ 94 milhões, com financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “O ginásio segue os padrões internacionais de infraestrutura. Tem capacidade para receber cerca de 12 mil pessoas com acessibilidade, como por exemplo banheiros adaptados para deficientes, vestiários e espaço para 240 cadeirantes”, explicou Renilce Nicodemos.
“Estamos muito felizes em poder realizar esse campeonato, que é histórico para o Pará, e ver que o Estado apoia a causa. Vale lembrar que o evento faz parte do Plano Estadual de Ações Integradas às Pessoas com Deficiência, o Plano Existir, que trabalha eixos como saúde, educação, acessibilidade e inclusão social; agregando programas, projetos e ações das diversas políticas públicas, visando garantia de cidadania, inclusão e maior autonomia das pessoas com deficiência no Estado do Pará”, explicou Daniele Khayat.
Ao final do encontro, os presentes assinaram o Termo de Cooperação da realização do evento no Pará. A abertura da Regional Centro-Norte será nesta quinta-feira, 14, a partir das 15 horas, no Ginásio da Escola de Educação Física da Universidade do Estado do Pará (Uepa), na Avenida João Paulo II, e segue até o dia 17 de abril. O evento é aberto ao público e a entrada é franca.

Texto:
Erika Torres


Aferição de novos radares em Belém continua nesta quinta-feira
Na noite desta quinta-feira (14), a partir das 23h, o Instituto de Metrologia do Estado do Pará (Imetropará) dará continuidade a aferição dos novos radares instalados, em Belém. Desta vez, todos ao longo da avenida José Malcher com os seguintes cruzamentos: avenida Alcindo Cacela, travessa 14 de Março, avenida Generalíssimo Deodoro e travessa Quintino Bocaiúva.
Os radares visam combater o excesso de velocidade nas vias públicas. Com este objetivo, a Prefeitura de Belém instalou 12 novos radares em pontos críticos da cidade. Durante a aferição, as vias precisarão ser interditadas para que o carro do Imetropará equipado com tacógrafo passe em cada uma das faixas monitoradas pelo menos 10 vezes, em velocidades que variam de 30 a 100 km/h.
Antes de iniciarem a fiscalização eletrônica nas vias, os radares precisam passar pela aferição do Imetropará. “O nosso compromisso é garantir a conformidade dos equipamentos, contribuindo para a justa atuação do poder público, especialmente numa área delicada como a mobilidade urbana”, ressalta o presidente do Imetropará, Jorge Rezende.
A próxima etapa, depois dos testes, é a liberação do laudo que será emitido pelo Imetropará. Somente após a emissão desse laudo e publicação da relação dos radares que foram aferidos no Diário Oficial do Município, que estes já estarão aptos a funcionar.

Texto:
Ana Caroline


Inscrição para o Prêmio de Experimentação, Pesquisa e Difusão Artística encerra na segunda-fei
Artistas e profissionais das áreas de Artes Visuais, Cênica, Musical, Multmidía, Design e Artes Literárias têm até a segunda-feira, 18, para confirmar participação no Prêmio de Experimentação, Pesquisa e Difusão Artística da Fundação Cultural do Pará (FCP).
O edital, que integra o programa Seiva, irá premiar até 30 projetos inéditos de experimentação, pesquisa e difusão em diversas linguagens, promovendo ainda acompanhamento e aperfeiçoamento dos artistas. Cada projeto contemplado com o edital receberá uma quantia de R$ 20 mil, divididos em parcelas durante a pesquisa realizada.
A inscrição deve ser feita no protocolo do edifício-sede da Fundação Cultural do Pará, que fica localizada na avenida Gentil Bittencourt, nº 650, no horário de 8h às 17h30, de segunda a sexta-feira.
Prêmios
São ofertadas nove premiações para Linguagem Visual; sete para Linguagem Cênica e também para Linguagem Musical; três para Multimídia; duas voltadas para Design e duas para Artes Literárias.
Pelas regras do concurso, qualquer pessoa pode participar, desde que não esteja enquadrada nas vedações do edital, como por exemplo pessoas jurídicas ou coletivos de artistas, que deverão se inscrever individualmente. É vedada também a participação de servidores da FCP e órgãos vinculados e artistas que tiveram projetos contemplados em outros editais de premiação publicados pela FCP no ano passado.
O edital e os anexos para a produção do projeto de pesquisa estão disponíveis no site oficial da Fundação Cultural do Pará pelo endereço www.fcp.pa.gov.br. Informações pelo telefone 4006-2926.

Texto:
Andreza Gomes


Uepa realiza final do III Festival de Música nesta quinta
Das composições originais apresentadas na semifinal do III Festival de Música Popular da Universidade do Estado do Pará (Femuepa), realizada na noite desta quarta-feira, 13, 12 foram classificadas para a final, que ocorre na noite desta quinta-feira, 14, a partir das 18h, no Auditório Paulo Freire, do Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE), na travessa Djalma Dutra, s/n, Telégrafo. A entrada é franca.
Na semifinal, o primeiro da noite a se apresentar foi Roni Sales Neves, com a canção intitulada Minha Flor. Como uma declaração apaixonante, a música retratou a busca por quem se ama. Em seguida, Fábio Fonseca cantou duas músicas, Amor Eterno e Amar Você. Segundo o músico, a primeira canção foi especial por ser uma dedicatória ao filho.
O candidato Plínio Maziero Junior optou em homenagear os 400 anos de Belém, ao destacar os pontos turísticos da capital e as características da cidade e do povo. Com a música Mal Nenhum Não Há, o candidato Marco Antonio Vieira de Souza e banda levantaram o público com um samba afro-religioso.
O músico Pedro Viana, 40 anos, interpretou a composição de autoria de Eduardo Neves, chamada Contra Veneno. Pedro conta ter participado da primeira edição do Festival, quando foi chamado por Eduardo Neves para interpretar uma das composições. O novo convite veio e ele decidiu aceitar mais uma vez o desafio. “Ele me chamou de novo para interpretar. E essa música fala das contradições do amor. Acredito que as pessoas vão se identificar”, enfatiza Pedro.
A acadêmica do 5º semestre de Licenciatura em Letras - Língua Portuguesa da Uepa, Luana Mesquita, 20 anos, tinha em mãos o CD de Jorge Andrade, um dos últimos a se apresentar no Festival. Ela e as amigas de sala foram conferir a programação e torcer pelo músico. “Ele consegue unir poesia e música. A gente conversava muito sobre isso e as composições dele são poemas cantados. Estou torcendo por ele”, disse.
Seis jurados avaliaram as apresentações. Foram eles: Amilcar Pimenta Gomes, professor do Instituto Estadual Carlos Gomes e regente da Banda Sinfônica do Conservatório Carlos Gomes; Livia Negrão, professora da Uepa, mestra e doutora em Antropologia; Alcir Guimarães, músico consagrado nacionalmente e professor universitário; Ana Maria de Castro Souza, mestra e doutora em Educação Musical e regente do Madrigal da Uepa; Paulo José Campos de Melo, superintendente do Carlos Gomes e pianista de renome internacional; e Ziza Padilha, vencedor dos três últimos Festivais de Música Popular Paraense, e professor de Tecnologia Aplicada à Música.
Os jurados avaliaram todo o conjunto das apresentações, desde a letra das composições, interpretações, até a afinidade da banda com o cantor. “A letra tem que estar de acordo com a música. Avaliamos o cuidado de compor com a forma, se o cantor está afinado, se a banda está afinada. A interpretação também é importante”, ressalta Ziza Padilha.
O Femuepa é idealizado pelo Núcleo de Arte e Cultura da Pró-Reitoria de Extensão (NAC/Proex). Para a coordenadora do NAC, Ana Telma Sousa, há necessidade de programações que incentivem a cultura. “Há carência de festivais de música. A Universidade faz um elo com a sociedade, e a arte, que é fundamental para fundir esse processo educacional e cultural”, destaca.
O Femuepa teve 45 inscritos, que enviaram letra e composição musical originais, avaliadas por uma comissão interna. Vinte e quatro composições foram selecionadas e concorreram na semifinal.
Nesta quinta, os jurados avaliarão a partir de critérios técnicos e artísticos. O gênero das canções é variado e passa por rock, MPB e misturas de música popular com ritmos regionais. O objetivo do Festival é incentivar a produção artística autoral em âmbito local, dando oportunidade aos compositores e intérpretes oriundos não só da instituição, mas da comunidade em geral.
Os prêmios serão: um teclado, para o primeiro lugar; um violão elétrico, para o segundo e uma câmera fotográfica, para o terceiro. Todos os premiados terão a música gravada em estúdio e receberão certificado da Uepa. Os premiados com título de Melhor Intérprete e de Melhor Arranjo receberão uma premiação e certificação da universidade.
Serviço:
III Festival de Música da Uepa - Final
Data/Local do evento: 14 de abril de 2016, às 18h, Auditório Paulo Freire, Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE), na travessa Djalma Dutra, s/n, Telégrafo

Texto:
Renata P.


Aprovada Semana de Conscientização e Motivação Literária no Pará
Nesta terça-feira (12/04), a Assembleia Legislativa do Pará aprovou o projeto que institui a Semana Estadual para conscientizar e motivar a leitura, através da arrecadação de livros novos e usados, nas escolas e universidades do Estado. Os livros doados serão para aumentar o acervo de cada instituição e, assim, despertar nos estudantes, o interesse pelas obras. O projeto de autoria do líder do Governo, deputado Eliel Faustino (DEM), foi aprovado em 1º, 2º turnos e deputaredação final.
Os livros têm valor inestimável para a cultura, mas muitos estudantes não conseguem adquirir devido aos seus poucos recursos econômicos. "Vejo este projeto como fundamental, mas é preciso que a ação não seja isolada em um cidadão, ela deve ser colaborativa da sociedade, tendo o Estado como protagonista, com sua estrutura para movimentar a doação de livros e promover a conscientização literária. Vamos conhecer mais nossos autores paraenses, os nacionais e a literatura estrangeira e assim formar nosso caráter, adquirir cultura e multiplicar conhecimento”, afirmou o líder governista.
PROJETO -  O evento erá realizada na segunda semana do mês de outubro, com arrecadação de livros novos ou usados, em bom estado de conservação, para contribuir com as bibliotecas de cada instituição. Fica a cargo de cada instituição o planejamento, as ações publicitárias e a estruturação das atividades.
EXEMPLOS - O Mágico de OZ, o Pequeno Príncipe, Memórias de Emília, Chapeuzinho Vermelho, gibis da Turma da Mônica e histórias de princesas. Estes são alguns dos exemplares da vasta biblioteca de Lis Passos, de apenas 8 anos. A estudante da 3ª série descobriu o mundo da literatura bem novinha, quando seus pais liam historinhas antes dela dormir.
 Aos quatro anos, Lis aprendeu a ler e não parou mais. Ela divide o tempo entre a escola e o mundo encantado da literatura. Durante a semana, lê pelo menos um livro e diversos gibis por dia. O resultado disso são as excelentes notas no colégio, o vocabulário rico e a imaginação fértil. “Quando meu pai era criança, ele ia às bancas de revistas e ficava admirado com as histórias e os desenhos da Turma da Mônica. Quando nós nascemos (ela e o irmão), ele nos incentivava a ler essas historinhas e até hoje eu leio”, comentou Lis sobre sua predileção pela obra de Maurício de Souza. O fruto mais recente da aptidão literária foi a premiação por uma história em quadrinhos escrita por ela e pelo pai sobre os 400 anos de Belém.
O gosto pela literatura também foi herdado por Ian Passos, irmão de Lis, de 13 anos. O menino começou lendo gibis de super-heróis, entre eles o Superman e o Batman, e hoje ampliou o leque para livros juvenis como a saga Percy Jackson, o detetive Sherlock Holmes e a revista Mundo Estranho. Ian destaca o que aprendeu com o universo dos livros “Melhorou minha dicção, meu vocabulário e minha escrita. Aprendi novas palavras, como escrevê-las e desenvolvi muito mais a minha mente do que era antes”, contou.
A leitura é a maneira mais eficiente para contribuir com o desenvolvimento do intelecto e também o caminho mais curto para adquirir conhecimento. Diante disso, é importante buscar o incentivo da leitura através de políticas ou projetos que viabilizem este objetivo.

Texto:
Sâmia Maffra


Belém recebe intercâmbio de Capoeira com a presença do Mestre João Grande
O mestre da Capoeira Angola, João Grande, é o destaque da programação do “Intercâmbio Internacional de Capoeira”, realizado a partir desta quinta-feira, 14, até o domingo, 17, em Belém. Em uma roda de Capoeira jogada em pleno Ver-o-Peso, na manhã desta quarta-feira, 13, o mestre mostrou como essa arte é capaz de atrair as pessoas e refletir a cultura brasileira, e serviu como um chamado para a programação desta semana.
Nos espaços da Fundação Cultural do Pará (FCP/Centur), serão realizados dois dias de oficinas de musicalidade da Capoeira, além de Capoeira Infantil e Feminina, palestras e um encontro de rodas de Capoeira e Carimbó, às 20h30, após a solenidade de abertura do evento.
“Eu digo para fazerem bonito porque assim as pessoas gostam, se interessam”, recomendou João Grande durante a apresentação no Ver-o-Peso, que atraiu diversas pessoas.
O mestre baiano mora em Nova Iorque, onde tem ensinado, há mais de 25 anos, na Academia Capoeira Angola Center of Mestre João Grande. Ele também continua viajando pelo mundo dando aulas de Capoeira de Angola. Em Belém, vai ministrar uma oficina nesta sexta-feira, 15, às 19h30, no Hall Ismael Nery, do Centur.
No sábado, 16, às 14h30, no Parque dos Igarapés, o tema é o Maculelê, manifestação cultural oriunda da cidade de Santo Amaro da Purificação, na Bahia, berço também da Capoeira. “Eu sei tocar os três tipos e a dança no ritmo do atabaque. Tem uma com a cana, que você bate uma sobre a outra, tem com facão e outra com bastões, sendo que cada um fica com dois”, conta.
Segundo o mestre João Grande, as danças de matriz africana vêm perdendo sua essência ao longo dos anos. O intercâmbio será uma oportunidade do paraense conhecer o Maculelê original.
A programação do Parque dos Igarapés terá, além de conversa com João Grande, uma trilha ecológica às 8h30. O mestre, de mais de 80 anos, tem uma memória afiada e pode compartilhar com o público como foi aprender a Capoeira de Angola. No domingo, 17, ainda haverá um aulão e uma roda de encerramento com outro convidado especial, o Mestre Kall, vindo do Distrito Federal.
O “Intercambio Internacional de Capoeira” é uma realização do Governo do Pará, por meio da Fundação Cultural do Pará (FCP), em parceria com a Associação de Capoeira Berimbau Brasil.
Serviço:
Intercâmbio Internacional de Capoeira
Quando: Dias 14 e 15, a partir das 9h, no Centur; e Dias 16 e 17, a partir das 8h30, no Parque dos Igarapés

Texto:
Andreza Gomes


Ophir Loyola recebe visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima
O Ophir Loyola e o Núcleo de Acolhimento ao Enfermo Egresso do hospital recebem, nesta sexta-feira, 15, a imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima. A visita integra a programação do Santuário de Nossa Senhora de Fátima, que esse ano traz o tema “Da Belém de Judá - casa do Pão - à Belém da Amazônia: Maria, partilha conosco o Pão da Vida e da Eucaristia".
A programação é realizada há seis anos na instituição que busca atender as necessidades biopsicossociais dos enfermos e está aberta a qualquer manifestação religiosa. Esse momento de fé e devoção é muito esperado pelos pacientes e acompanhantes.

Texto:
Leila Cruz


Cooperação técnica vai fortalecer integração da região Metropolitana de Santarém
A assinatura de um Termo de Cooperação Técnica, no final da tarde desta quarta-feira (13), entre o Governo do Estado e os municípios de Belterra, Mojuí dos Campos e Santarém, vai fortalecer a integração econômica, política, cultural e administrativa entre os envolvidos. As três cidades compõem a Região Metropolitana de Santarém, criada por meio de Lei Estadual no ano de 2012.
A assinatura foi realizada no auditório do Centro Municipal e Educação Ambiental de Santarém (Ciam) e contou com a presença da secretária Noêmia Jacob, titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop) e dos prefeitos Alexandre Von (Santarém) e Jailson Costa (Mojuí dos Campos). A prefeita Dilma Serrão, de Belterra, não pode participar da cerimônia. O evento teve, ainda, a apresentação dos resultados preliminares do Estatuto de Delimitação da Região Metropolitana.
A secretária Noêmia Jacob disse que este é o primeiro passo para a construção do Estatuto da Metrópole. “Nós fizemos hoje o evento que marca a cooperação entre estado e os três municípios. Para que a gente possa construir os instrumentos previstos no Estatuto da Metrópole, que vai tornar real essa região. Vamos começar a pensar as coisas que afetam os três municípios. Coisas de interesse comum que precisam ser organizadas e planificadas com relação à gestão”, explicou Jacob.
Os municípios brasileiros têm até janeiro de 2018 para concluir seus Planos de Desenvolvimento Integrado. É quando também deverá ser concluído o Estatuto da Região Metropolitana de Santarém. “O prazo, por lei, vai até janeiro de 2018. Já fixamos a delimitação territorial dessa região. Cada cidade tem seu Plano Diretor, de Mobilidade e de Saneamento, por exemplo. Agora, nós vamos olhar para os três juntos e saber em quais pontos eles estão integrados. Teremos outras etapas, que passam pelo controle social e aprovação por lei”, explicou a titular da Sedop.
As três cidades possuem interligação territorial e dependem uma das outras em vários aspectos. Baseado nessa realidade, o prefeito Alexandre Von avalia que a concretização do Estatuto irá ajudar no desenvolvimento da região e melhorar a qualidade de vida da população.
“Todos vão ser beneficiados a partir do Termo de Cooperação. Vamos construir o desenvolvimento integrado. Por exemplo, um projeto que é possível para atender os três municípios é um aterro sanitário; unidades de abastecimento, plano de mobilidade; ações na área de educação e saúde. Não há limite para identificar projetos e ações. Responsabilidades também serão divididas”, explica o prefeito de Santarém.
O prefeito de Mojuí dos Campos, Jailson Costa, afirma que aguardava ansioso a regulamentação da Região Metropolitana. “Com certeza. Desde 2012, quando foi criada a Lei na Assembleia Legislativa, estávamos aguardando a regulamentação para que a situação pudesse ajudar os três municípios. Temos várias áreas de interesse comum. Muito bom esse acordo, que também servirá para que possamos buscar recursos no governo federal para melhorar a situação das cidades”, argumentou Costa.
A partir da efetivação da Região Metropolitana, os municípios poderão ter acesso a recursos que são destinados especificamente às metrópoles. A Região Metropolitana de Santarém foi criada através da Lei Complementar número 079, de 17 de janeiro de 2012, sancionada pelo governador Simão Jatene.

Texto:
Alailson Muniz


Governo lança editais no valor de R$ 18 milhões para incentivo à pesquisa











O Governo do Estado, por meio da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa) e da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (Sectet), lança um conjunto de editais e de ações de fomento e amparo à pesquisa científica, transferência de tecnologias e à inovação, para fins de desenvolvimento socioeconômico e ambiental.
Compõem esse “pacote” de investimentos os editais de apoio a redes de pesquisa, os de concessão de bolsas e auxílio à pesquisa e o de apoio à realização de eventos. A programação será realizada nesta sexta-feira, 15, às 9h, no Palácio do Governo, com a presença do governador do Estado do Pará, Simão Jatene, reitores e pró-reitores das universidades locais, representantes de centros de pesquisa e gestores públicos.
Os editais são direcionados à estudantes de graduação, pós-graduação e à pesquisadores de institutos de pesquisa localizados no Estado do Pará. Os interessados poderão acessar o site da Fapespa (www.fapespa.pa.gov.br) para submissão de propostas aos editais abertos a partir do dia 15 de abril, sendo que neste ano, pela primeira vez, serão lançados editais regionalizados.
Os editais visam contribuir para o desenvolvimento e consolidação de cadeias produtivas nas Regiões de Integração do Estado do Pará, por meio do apoio às atividades integradas de pesquisa científica, tecnológica e de inovação, promovendo, desta forma, Redes de Pesquisa nos polos das regiões do Baixo Amazonas, Carajás e Araguaia, Xingu e Tapajós e Lago de Tucuruí, denominados Editais Interpará, no valor total de R$ 5 milhões. 
Além dos editais regionalizados, a Fapespa traz o edital de Apoio à Realização de Eventos Científicos, Tecnológicos e de Inovação, que tem o objetivo de gerar oportunidades de discussão sobre temas relevantes para a sociedade, seja na forma de congressos, simpósios, seminários, workshops ou de oficinas com abrangência local, regional, nacional e internacional, buscando interação e produção de material relevante, tanto para a comunidade científica como para a sociedade. O total do investimento é de R$ 1 milhão.
 A Fapespa irá aportar, ainda, mais de R$ 11 milhões em bolsas e auxílio à pesquisa, por meio dos editiais de bolsas de Iniciação Científica, e de Mestrado e Doutorado acadêmicos.
Ainda na área científica, a Fapespa e a Universidade do Estado do Pará (UEPA) firmam, no dia do evento, o Termo de Cooperção Técnica e Financeira, no valor de R$ 1 milhão, com o objetivo de dar apoio financeiro ao desenvolvimento de insumos de inovação em projetos de pesquisa e de atividades de pós-graduação.
Juntos, estes investimentos chegam a R$ 18 milhões, reforçando o compromisso do Governo do Estado, mesmo diante de um cenário de crise para a economia brasileira, em garantir o incentivo ao desenvolvimento da pesquisa científica, a partir da valorização de estudos e da interação entre pesquisadores, Instituições de Ensino e Pesquisa e a sociedade civil no Estado do Pará.
Este ano também será lançado pela Sectet, Fapespa e Prodepa o edital do programa Inovatec Pará, cujo objetivo é selecionar empresas startups paraenses voltadas ao desenvolvimento de produtos e processos inovadores, em diversas áreas estratégicas de interesse do estado.

Texto:
Helen Barata


Arcon e Setran criam grupo de trabalho visando melhorias no sistema de transporte no Estado
A Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon-PA) recebeu na tarde desta quarta-feira, 13, o secretário estadual de Transportes, Kleber Menezes, e representantes da secretaria, para definir uma política de transportes e otimizar esses serviços no Estado, por meio da criação de um grupo de trabalho.
Estiveram em pauta as competências de ambos os órgãos e o alinhamento das ideias, para que não haja a sobreposição das obrigações e, com isso, a otimização do trabalho.
Na ocasião, foi sugerida a criação de um grupo de trabalho, composto com membros tanto da Secretaria de Estado de Transportes (Setran), como da Arcon, para diagnosticar as necessidades e especificações dos serviços de transportes, bem como pensar as medidas para solucionar as necessidades apontadas. O grupo de trabalho irá tratar das demandas referentes ao transporte como um todo no Estado, tanto no modal rodoviário, como no hidroviário.
Segundo o diretor geral da Arcon, Bruno Guedes, o objetivo é que servidores da Setran e Arcon discutam melhorias e avanços para o transporte no Estado. "Procurando, dentro da competência da Arcon, enquanto agência reguladora e fiscalizadora, assim como da Setran, enquanto poder concedente, tornar viável a implantação desses projetos”.
Para dar prosseguimento ao diálogo, foi agendada uma próxima reunião para o dia 2 de maio. “A ideia dos encontros é para que haja uma periodicidade, numa espécie de conclusões das etapas, independente das atividades que cada órgão já cumpre dentro do Estado. Temos a intenção de convocar outros órgãos que tenham como competência a questão, seja estrutural, ou de viabilidade do transporte, para também fazer parte, pontualmente, das discussões”, esclareceu Guedes.

Texto:
Vanessa Pinheiro


Publicom Redenção qualifica profissionais da comunicação no sul do Pará
A troca de conhecimento que proporciona capacitação profissional e garante à população informação de qualidade. Esse foi o mote do Publicom – Encontro de Comunicação Pública, que a Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) promoveu em Redenção, no sul do Pará, nos últimos dias 11 e 12. O evento reuniu 206 profissionais da região, entre assessores, jornalistas e estudantes, num debate sobre os desafios de ser comunicador na Amazônia.
“Trocamos muito conhecimento com essa equipe profissional. Existe um clamor dos comunicadores nessa região, por estarmos distante dos centros administrativos e políticos, e iniciativas como essa nos trazem novos horizontes”, disse o jornalista Waldir Silva, 65 anos, de Parauapebas, no sudeste paraense, que tem mais de 30 anos de profissão, muitos deles dedicados à assessoria da Câmara de Vereadores da cidade.
O número de inscritos em Redenção foi recorde. “O Publicom está crescendo a cada edição. Já fizemos três fora de Belém. É uma ação pública do Governo do Estado que transcende qualquer tipo de caráter político e partidário, e a gente se sente muito feliz em participar, pois estamos aprimorando a comunicação no Estado, e quem sabe no futuro, poderemos construir uma rede pública de comunicação que atenda a todos os profissionais paraenses”, disse o diretor de Jornalismo da Secom, Paulo Silber.
Na manhã de terça-feira (12), a jornalista Priscilla Amaral, repórter e apresentadora da TV Record Belém, compartilhou experiências profissionais com o público. “Fazer jornalismo nessa região é difícil, seja por ideologias, seja por limitações geográficas. O Publicom é uma forma de mobilizar e integrar a classe. Todo mundo precisa de comunicação, mas na hora de valorizar, nem todo mundo valoriza, e conhecimento, seja qual for, é sempre importante em qualquer lugar”, enfatizou.
Correspondente do jornal “A Notícia”, de Santa Maria das Barreiras, Domingos Ribeiro aprendeu novas técnicas nas oficinas de Assessoria de imprensa e Comunicação Digital. “Isso é uma escola de conhecimentos para a nossa área. A gente só ganhou formas para aprimorar e melhorar o que já sabemos fazer. Parabenizar a equipe do Publicom, que nos trouxe essa preciosidade para o município de Redenção”, afirmou.
O social media Vinicius Monteiro ministrou a oficina Comunicação Digital, que foi uma das mais procuradas. “Foi uma satisfação enorme participar da organização do Publicom, e principalmente poder ministrar uma oficina dentro da programação do evento. Fiquei surpreso e muito feliz em ver a sala cheia nos dois dias em que a oficina foi ofertada. Foi incrível poder passar um pouco da experiência que adquiri trabalhando esses três anos com as redes sociais do governo. Tenho certeza que a troca de conhecimento vai mudar um pouco a vida de cada umas das pessoas que tiveram a oportunidade de participar do Publicom Redenção”.
Essa é a segunda vez que um município do sul do Estado recebe o Publicom. Em abril de 2015, Xinguara foi sede do primeiro encontro. Dois meses depois, aproximadamente 130 profissionais e estudantes de Bragança, na Região do Caetés, tiveram a troca de experiências. Na primeira edição, em setembro de 2013, o Publicom reuniu mais de 160 assessores de imprensa em Belém e teve a participação de especialistas nacionais. O próximo encontro será na capital, nos dias 2 e 3 de maio.

Texto:
Tatiane Dias


Seaster e gestores discutem regionalização dos serviços socioassistenciais
O desafio de regionalizar os serviços da assistência social foi um dos temas mais discutidos durante a 1ª reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), promovida pela Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), nesta quarta-feira (13), e que reuniu em Belém gestores da assistência social de onze municípios do Estado, membros da CIB e representantes de dois municípios.
A regionalização, conforme resolução do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), engloba a oferta dos Serviços de Proteção Social Especial de Média – com a implantação dos Centros de Referência Especializado de Assistência Social – e de Alta Complexidade, que é o acolhimento para pessoas e famílias em situação de ameaça ou violação de direitos, como as vítimas de violência física, psicológica, abuso ou exploração sexual, pessoas em situação de rua, trabalho infantil e abandono, entre outras.
O titular da Seaster, Heitor Pinheiro, falou sobre os avanços do Sistema Único de Assistência Social (Suas) no Pará, destacando a necessidade de discutir mais o fator amazônico. “Avançamos muito no que diz respeito à consolidação do Suas no Pará, porém sabemos que precisamos avançar nas discussões em relação ao fator amazônico e suas complexidades para implantação dos serviços socioassistenciais nos municípios, e como isso afeta na implantação do plano de regionalização”, destacou.
O diretor de Assistência Social da Seaster, Charles Tuma, explicou como foi elaborado o plano de regionalização e a importância de rever a implantação desse serviço. “O momento em que elaboramos o plano não é o mesmo em que estamos agora, de crise, por isso precisamos rever com os municípios alguns parâmetros, no sentido de verificar quais vão conseguir implantar a regionalização, principalmente os serviços de alta complexidade que demandam mais custos”, explicou.
A secretária de Assistência Social do município de Barcarena, Juliena Soares, ressaltou a importância de se discutir antes de implantar esse serviço regionalizado. “Os municípios devem se unir para discutir e relatar a realidade da região amazônica, que não tem condições de implantar um serviço regionalizado dentro dos critérios e com um recurso pequeno, pois o serviço de acolhimento, por exemplo, tem um custo muito alto”, argumentou.
Para a secretária de Assistência Social de Abaetetuba, Rita Fagundes, “é necessário discutir o custo da implantação da regionalização, pois já foi verificado em reuniões nacionais que até os municípios da região sul, que não possuem especificidades como a Amazônia, estão com dificuldade de implantação”.
A presidente da Fundação Papa João XXIII (Funpapa) e do Colegiado Estadual de Gestores Municipais da Assistência Social (Coegemas), Adriana Azevedo, disse que é fundamental rever alguns pontos do plano de regionalização. “Precisamos criar uma câmara técnica para fazer os ajustes e, principalmente, realizar uma reunião com os prefeitos para explicar como funciona a regionalização dos serviços da assistência social”, completou.
Outros assuntos tratados durante a reunião foram: o cofinanciamento estadual das proteções; a pactuação das vagas do CapacitaSuas; o prazo de preenchimento do Plano de Ação e do demonstrativo Físico-financeiro; a situação do emprego e do trabalho infantil no Pará e as reuniões descentralizadas.
A Comissão Intergestores Bipartite da Assistência Social do Pará (CIB) é uma instância colegiada de negociação, pactuação e consenso entre os representantes da Seaster e gestores municipais de assistência social. Tem como objetivo viabilizar a implementação da Política Nacional de Assistência Social, quanto aos aspectos operacionais da gestão do Sistema Único da Assistência Social, a fim de qualificá-la para que possa ofertar ou referenciar serviços de qualidade ao usuário no âmbito do Estado.
A CIB é constituída por representantes indicados pelo órgão gestor estadual da Política de Assistência Social e por gestores municipais indicados pelo Colegiado Estadual de Gestores Municipais da Assistência Social (Coegemas).

Texto:
Inara Soares


Uepa divulga nova repescagem nesta quinta-feira
A Universidade do Estado do Pará (Uepa) divulgará nesta quinta-feira, 14, a relação dos candidatos convocados na Quinta Chamada Subsequente (Repescagem) do Processo Seletivo 2016 (Prosel). A lista estará disponível no Diário Oficial do Estado (DOE) e no site http://paginas.uepa.br/priseeprosel.  
Serão chamados também candidatos do Programa de Ingresso Seriado (Prise). Em virtude de não existir mais candidatos classificados para o preenchimento de vaga no Prise em algumas localidades e cursos, estas foram remanejadas para o Prosel, obedecendo à ordem de classificação do referido Concurso. O preenchimento de vagas para Chamada Subsequente segue à ordem decrescente da nota final obtida pelos candidatos não classificados, de acordo com as modalidades: Vagas Reservadas (VR) ou Vagas Universais (VU).  

Texto:
Ize Sena


Segup lança operação Ananindeua Segura











Na manhã desta quinta-feira (14), a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), juntamente com a Prefeitura de Ananindeua, lança, na Praça da Bíblia, a primeira fase da Operação Ananindeua Segura. O trabalho integrado das Polícias Militar e Civil, ao lado dos órgãos de segurança do município, vai atacar áreas críticas apontadas pelo Programa de Redução da Criminalidade (Prec) desenvolvido pela Segup.
A operação objetiva combater as principais ocorrências relacionadas à criminalidade, entre elas o homicídio e o roubo. Segundo a Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal da Segup, em janeiro de 2016, a 2ª Região Integrada de Segurança Pública, que abrange as cidades de Ananindeua e Marituba, registrou nos três primeiros meses deste ano 128 casos de homicídio. Dos assassinatos ocorridos no primeiro trimestre deste ano, 91 foram em Ananindeua. Até 11 abril deste ano, a cidade contabilizou sete homicídios. No mesmo período, não se registrou qualquer latrocínio, que é o roubo seguido de morte.
Segundo a Segup, os indicadores do Prec, em Ananindeua, mostram, entre outros dados, horários de atuação dos bandidos e as principais ocorrências com destaque para o roubo. As paradas de ônibus aparecem como uma das preferências dos assaltantes. Estão previstas grandes ações de policiamento juntamente com a guarda municipal de Ananindeua. Militares estarão atuando com barreiras e monitoramento setorizado com o apoio operacional do Grupamento Aéreo (Graesp).

Texto:
Governo do E. do Pará


Novo horário de lojas da Cosanpa vale a partir da próxima segunda-feira
Começa a vigorar a partir da próxima segunda-feira (18) o novo horário de atendimento em três lojas da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) em Belém, na unidade de negócios da Avenida Augusto Montenegro, em Ananindeua e Icoaraci. O público poderá procurar os serviços, de segunda a sexta-feira, entre 8h e 14h, e não mais das 8h às 17h.
A mudança não afetará o atendimento na maior loja da Cosanpa, que funciona na Avenida José Bonifácio, em São Brás, onde o atendimento permanece no horário de 8h às 17h. Na Estação Cidadania do Jurunas e em Marituba, o horário também continua o mesmo: 8h às 14h.
Segundo o diretor de Mercado da Cosanpa, João Barral, a mudança foi ocasionada pela redução de demanda no horário da tarde. “A previsão na Lei do Consumidor é que haja o serviço com presteza e em ambiente devidamente preparado à recepção e atendimento do cliente. Não prevê quantidade, mas que haja durante o horário de funcionamento da Cosanpa loja para atendimento presencial. Além disso, o serviço diário de call Center, de 6h às 20h, continua, assim como o recebimento de denúncias de vazamento via aplicativo e informações de reparos de paradas de fornecimento de água pelas redes sociais”, explica. Ainda segundo João Barral, já está em estudo a ampliação dos serviços de atendimento ao cliente no site da Cosanpa, com a implantação da loja virtual.
Lojas de atendimento da Cosanpa:
São Brás
Avenida José Bonifácio, s/n
Telefones: (91) 3202-8505/ 3202-8400
Estação Cidadania
Rua São Silvestre, 1.300, esquina com a Rua dos Tupinambás, Jurunas
Telefone: 
(91) 3224-3790
Ananindeua
Travessa WE-13, 332, Cidade Nova II
Telefone: 
(91) 3235-9500
Augusto Montenegro
Passagem Santo Antônio, s/n, entre Augusto Montenegro e Passagem Lameira Bittencourt, Bengui (atrás da Churrascaria Rodeio)
Telefone: 
(91) 3248-5626
Icoaraci
Travessa Souza Franco, 1.229, esquina da Travessa Dois de Dezembro (loja do extinto Saaeb)

Texto:
Andrea Cunha


Projeto da Sejudh usa o cinema para falar de direitos humanos na escola
O projeto Direitos Humanos em Cena, desenvolvido pela Coordenadoria de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e ao Trabalho Escravo, da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), foi apresentado nesta quarta-feira (13) aos pais e responsáveis de alunos do nono ano da escola Helena Guilhon, localizada no bairro Satélite, em Belém.
A iniciativa, que busca disseminar informações para o enfrentamento das violações de direitos humanos a partir do debate de obras cinematográficas, foi recebida com entusiasmo durante o encontro de apresentação do projeto, que promover, ao longo deste ano, sessões de cinema e oficinas. Para Jurema Franco, avó do adolescente Duan Coelho, 15 anos, o projeto é apropriado, “inovador, louvável e bem vindo à comunidade. Chegou na hora certa para nos ajudar na formação cidadã de nossos filhos, e espero que alcance muito mais gente”, disse.
O projeto também agradou os professores e a diretoria da escola Helena Guilhon. Segundo a professora e coordenadora pedagógica, Silvia Oliveira, a iniciativa vai contribuir com o “esclarecimento dos alunos e, a partir disso, a prevenção e a disseminação de informações sobre o assunto. Tudo que chega para somar com a escola é motivo de satisfação”, destacou.
A coordenadora de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e ao Trabalho Escravo da Sejudh, Leila Silva, comemorou o resultado da reunião com os pais e responsáveis dos alunos. “A recepção foi muito boa. Eles aderiram ao projeto e deram depoimento de que a área do entorno da escola está precisando desse tipo de discussão, pois é um local onde ainda ocorrem muitas violações aos direitos humanos”. O projeto também será desenvolvido com os alunos do nono ano do ensino fundamental – público-alvo dessa iniciativa – das escolas Benjamin Constant (Reduto) e Zulima Vergulino Dias (na Cidade Nova II, em Ananindeua).
Expansão - Ao longo de 2016, o projeto será desenvolvido de forma experimental. Segundo o secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Michel Durans, a escolha de três escolas é apenas para iniciar as atividades. “Depois da efetivação desse piloto, vamos expandir o projeto para escolas de outros municípios e regiões do Pará”, garantiu o secretário. O cronograma de atividades será desenvolvido de abril a dezembro deste ano em sete oficinas, com a discussão de temas como conceito de direitos humanos, violência intrafamiliar, abuso e exploração sexual, diversidade de gênero, trabalho infantil e escravo e tráfico de pessoas.
O projeto tem o objetivo de discutir os direitos humanos a partir da linguagem cinematográfica. Após a exibição de filmes como “Anjos do sol”, “As vantagens de ser invisível” e “O caçador de pipas”, os estudantes participarão de exposições orais, escreverão redações e farão desenhos sobre os temas debatidos nas rodas de conversas promovidas após cada sessão. Eles também serão incentivados a difundir o conhecimento adquirido nas etapas do projeto nos lugares onde vivem. 
A iniciativa da Sejudh tem a parceria da Defensoria Pública do Estado, Fundação Pro Paz, Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), polícias Civil e Federal, Ordem dos Advogados do Brasil, seção Pará (OAB-PA) e Universidade Federal do Pará (UFPA).

Texto:
Leba Peixoto


Cohab faz 51 anos com entrega de Cheque Moradia e títulos fundiários
A Companhia de Habitação do Pará (Cohab) completou nesta quarta-feira (13) 51 anos de atuação em prol da política habitacional do Estado. Para festejar a data, o cônego Ronaldo Menezes, da Paróquia de São Geraldo Magela, esteve pela manhã na sede da companhia e deu a bênção a todos os servidores. Em seguida foram cantados os parabéns, com direito a bolo e o lançamento do novo site da instituição.
À tarde foi a vez de 80 famílias da região metropolitana receberem o benefício do Cheque Moradia, no auditório da Cohab. O programa habitacional do Governo do Estado, em doze anos, já beneficiou mais de 63 mil famílias em todo o Pará. Só este ano já foram contempladas 1,2 mil famílias, que puderam comprar material de construção para viabilizar a nova construção, melhorias e ampliações da casa.
A presidente da Cohab, Lene Farinha, disse que o governo determinou as prioridades de atendimento no Cheque Moradia. "Hoje estamos priorizando o atendimento de famílias inscritas entre os anos de 2012 e 2014, pois precisamos zerar essa demanda inscrita há mais tempo. Por outro lado, as novas inscrições também só serão feitas para casos prioritários, como pessoas com doenças degenerativas, casas com risco de desabamento, com laudo da Defesa Civil, deficientes, idosos e vítimas de incêndio. Esse são os nossos perfis prioritários de atendimento", enfatizou.
"Esse é um projeto maravilhoso, que garante a construção da nossa casa, onde podemos nos aconchegar e ser felizes", declarou a diretora do Cheque Moradia, Ana Célia Cruz, às famílias que compareceram à companhia para receber o recurso. "Temos nos esforçado para melhorar a cada dia esse programa, e temos que ter zelo na aplicação, já que ele representa recurso público", reforçou a diretora.
A dona de casa Lindalva Nazaré de Souza Silva, 68 anos, foi uma das contempladas pelo Cheque Moradia. A casa dela de madeira, localizada no bairro de Carananduba, em Mosqueiro, estava para desabar. "Uma vez deu uma ventania que levantou o telhado e fiquei com medo, pois estava sozinha. Quando recebi o Cheque Moradia, agradeci muito à Cohab e ao governo, que tem ajudado muitas famílias como a minha". Com o recurso, ela já iniciou a construção da nova casa.
Todas as orientações sobre o uso correto do cheque, tanto na fase de compra de material como na de construção da casa, foram dadas pelo engenheiro da Cohab José Ribamar Santos, que tirou as dúvidas dos atendidos. A Cohab fez ainda a entrega de títulos de regularização fundiária para sete famílias da comunidade Providentinos, de Castanhal, em complementação à entrega feita no mês passado para 91 famílias.

Texto:
Rosa Borges
Fone:(91) 3214-8400


Seduc fará obra emergencial na escola José Maria Machado, em Barcarena
A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) entregou nesta quarta-feira (13) um bebedouro e quatro computadores para a Escola Estadual Professor José Maria Machado, que fica em Barcarena, após reunião com representantes da comunidade escolar, que foram recebidos pela secretária Adjunta de Logística, Beatriz Padovani.
Durante o encontro o poder público e a comunidade definiram também um calendário de reforma emergencial, que começa no próximo dia 19. As obras vão recuperar o telhado, banheiros e as instalações elétricas da escola. “Será feito imediatamente esse trabalho emergencial, mas daremos prioridade para a elaboração do projeto de reforma total da escola. Após a conclusão do projeto, a reforma da escola entrará no cronograma de obras de 2017 das escolas da rede púbica estadual em todo o Estado”, disse Beatriz Padovani.
A secretária também informou que a Seduc vai encaminhar para a escola serviço de vigilância terceirizada para reforçar a segurança do prédio público no horário noturno. “Estamos também definindo um projeto de vigilância eletrônica para as escolas públicas estaduais, mas paralelo a isso, a direção precisa também começar a trazer mais a comunidade para dentro da escola, resgatando o sentimento de que a instituição de ensino é a extensão da casa do aluno”, orientou.
“Estamos voltando para casa mais esperançosos de que o problema da nossa escola seja resolvido de forma definitiva”, disse o estudante Luciano Lima, que representou os alunos na reunião com a Seduc.

Texto:
Kátia Aguiar


Parceria vai garantir a instalação de seções eleitorais em unidades prisionais e socioeducativas
Um termo de cooperação técnica assinado na última terça-feira (12), pelo Tribunal Regional Eleitoral do Estado (TRE/PA), Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe) e Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa) vai garantir, pela primeira vez, a instalação de seções eleitorais especiais em unidades prisionais e socioeducativas do estado nas eleições municipais deste ano. A parceria vai viabilizar o voto de presos provisórios e adolescentes privados de liberdade no dia 2 de outubro, data das eleições para prefeito e vereador.
A expectativa do presidente do TRE/PA, Raimundo Holanda Reis, é que com a parceria o direito ao voto seja levado ao número máximo de pessoas. “Esperamos realmente conseguir colocar seções nesses lugares para dar mais cidadania. Dessa maneira, o TRE faz a sua parte, com a colaboração das instituições. Sabemos da árdua missão na tentativa de que no dia 2 de outubro, estejamos prontos e possamos chegar a todos os lugares e levar a eleição a lugares que nunca chegamos antes”, diz.
O presidente da Fasepa, Simão Bastos, celebrou a parceria que, segundo ele, vai destacar o Pará como um dos primeiros estados a garantir o direito ao voto para adolescentes e jovens em cumprimento de medida socioeducativa. “Essa iniciativa talvez seja pioneira no âmbito da socioeducação e nos sentimos gratificados porque se trata de mais um exercício de cidadania junto com os socioeducandos e certamente será um acontecimento inédito no Pará e no Brasil. A gente agradece esse olhar do TRE e vamos fazer de tudo para que dê certo”, declara.
A ação será inédita também nas unidades prisionais da Susipe que, de acordo com dados do mês de fevereiro, conta com cerca de 6.300 presos custodiados provisoriamente. O Superintendente da Susipe, Cel André Cunha, declarou que vai buscar em parceria com o TRE/PA, instalar seções eleitorais no maior número possível de unidades prisionais. “O voto para o preso provisório não é proibido, todavia a condição de encarceramento dificulta a possibilidade de instalação de seções eleitorais dentro das penitenciárias pela exigência de um número mínimo de eleitores para que a seção seja efetivada. Nem sempre isso é alcançado dentro das casas penais devido à diversidade de presos e até mesmo a falta de documentação de muitos deles. Levar o direito do voto para essas pessoas não é uma tarefa fácil, mas nós estamos avançando na direção de conseguir implantar as seções no máximo de unidades prisionais possíveis tanto na capital, quanto no interior. Onde houver possibilidade nós vamos tentar junto com o TRE/PA. Esse é um desafio que vale a pena ser enfrentado", ressalta.
O Defensor Público Geral, Luis Carlos de Aguiar Portela, parabenizou o TRE-PA pela proposta e comentou que está sendo garantida, com o termo, a preservação dos direitos de cidadania. “Espero que a parceria sirva de exemplo de política de inserção de menores. Para isso, a Defensoria Pública do Estado se coloca à disposição nos esforços para efetivação da instalação das seções”, declarou o defensor geral.
Também participaram da assinatura do termo, o procurador geral de justiça do Ministério Público do Estado, Marcos Antônio Ferreira das Neves; e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil-PA, Antônio de Albuquerque Campos.
(com informações da Ascom Susipe e Defensoria Pública do Estado)

Texto:
Tiago Furtado


Hospitais recebem livros doados pela Imprensa Oficial do Estado
A Imprensa Oficial do Estado (IOE) começou nesta quarta-feira (13), uma série de entregas de livros para os hospitais parceiros do projeto de incentivo à leitura, Livro Solidário, coordenado pela IOE e ligado ao Núcleo Articulação e Cidadania (NAC), do governo do Estado. Ao todo, oito hospitais vão receber o acervo que tem como objetivo incentivar a programação relativa ao Dia Nacional do Livro Infantil que ocorre na próxima segunda-feira (18).
A programação de entrega iniciou pelos hospitais Oncológico-Infantil Octávio Lobo, Ophir Loyola e Casa Ronaldo McDonald. Os próximos a serem atendidos com a doação são: Hospital Jean Bitar, Santa Casa de Misericórdia, Núcleo de Atendimento ao Enfermo Egresso, Hospital Galileu e o Hospital de Clínicas Gaspar Vianna. Ao todo, cerca de 1.500 livros serão entregues até sexta-feira (15).
Segundo a coordenadora do projeto Livro Solidário, Carmen Palheta, a finalidade das doações é aumentar e renovar o acervo de livros nos Carrinhos de Leitura e nas brinquedotecas das instituições de saúde que desenvolvem a terapia da leitura. “Essa é uma atividade que está sendo aplicada em vários hospitais como alternativa para abrandar o tempo de espera ou internação dos pacientes e parentes, além de estimular o hábito da leitura”, relatou.
O primeiro hospital visitado pela equipe do Livro Solidário foi o Oncológico Infantil Octávio Lobo. A equipe foi recebida pela diretora geral da instituição, Alba Muniz, que agradeceu a doação e disse que os livros vão compor o acervo da biblioteca que está sendo montada no hospital e  proporcionar o desenvolvimento da criança internada para tratamento. “A leitura faz o ser se tornar pensante, crítico, produtivo; e o livro é um parceiro nesse desenvolvimento. É também um momento lúdico de passar o tempo dentro do hospital”, informou Muniz.
Dia Nacional do Livro - Na próxima segunda-feira, o Hospital Oncológico Infantil irá comemorar o Dia Nacional do Livro Infantil em uma programação que contará com a presença dos Doutores da Alegria e uma contação de história.
A pedagoga e coordenadora do Setor de Humanização do hospital Ophir Loyola, Maria Laídes Barros, informou que o acervo doado pela Imprensa Oficial será colocado à disposição das crianças e adolescentes nos Carrinhos de Leitura que percorrem diversos espaços do hospital oferecendo a leitura, tanto para os pacientes, como para os acompanhantes. “O tratamento oncológico é longo e o paciente passa muito tempo dentro do hospital; e o livro facilita esse momento de enfrentamento dessa realidade, trazendo uma realidade diferente do que ele vivencia aqui”, disse Laídes Barros.
A presidente da Casa Ronaldo McDonal, Rachel Gribel, acompanhada pela  equipe formada pela diretora da Casa, Raquel Furtado e pela assistente social, Maria de Lourdes Silva, reforçou que os livros vão compor o acervo da futura biblioteca que será instalada na Casa, além das ações de leituras desenvolvidas pelos voluntários que atendem as crianças internadas. “Os livros serão muito bem-vindos e serão de extrema importância, pois as crianças que chegam aqui vêm do interior do Estado e muitas delas vão ter pela primeira o contato com livro aqui na Casa”, contou.

Texto:
Ronaldo Quadros


Sefa apreende carga de manganês e madeira no sul do Estado
Os auditores e fiscais de receitas estaduais que atuam na Unidade Fazendária da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), localizada no Km 09 da rodovia Transamazônica, apreenderam, nos dias 11 e 12 deste mês, 32 toneladas de manganês e 800 estacas de madeira sem nota fiscal. Os dois produtos viajavam sem documento fiscal e a devida autorização do órgãos de controle ambiental.
A apreensão da carreta contendo manganês aconteceu no dia 11. O condutor passou pela barreira de fiscalização sem parar, e foi reconduzido por uma viatura da Sefa ao posto, onde foi constatado que a mercadoria estava sem nota fiscal e foi lavrado Termo de Apreensão no valor de R$ 1.667,57. O motorista foi indiciado como responsável pela carga, pois não quis revelar a origem do produto nem o destinatário. “Por se tratar de minério em situação irregular o caminhão foi encaminhado à Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Marabá”, informou o coordenador da unidade de Carajás, auditor Amadeu Fadul.
Na terça-feira, 12, um caminhão passou sem parar pela unidade de fiscalização e, após ser reconduzido ao posto, apresentou nota fiscal de 16 metros cúbicos de pó de serra, vinda de Tailândia com destino a São Geraldo do Araguaia. Os fiscais desconfiaram do volume da carga e resolveram abrir o caminhão para verificar o produto. No interior do veículo foram encontradas 800 estacas de madeira, escondidas no meio do pó, o que resultou na lavratura de um Termo de Apreensão no valor R$ 1.537,64. A carga foi encaminhada para a Secretaria de Meio Ambiente do município.
Fronteiras
A Secretaria da Fazenda possui oito unidades de controle de mercadorias em trânsito. Duas delas funcionam na capital: a Coordenação de Belém, responsável pela gerência das ações de trânsito, e a Coordenação de Portos e Aeroportos, que controla o comércio exterior.
A coordenação do Itinga está localizada no quilômetro 1481 da Rodovia BR-010, à altura de Dom Elizeu; e a do Araguaia no quilômetro 15 da PA 447, em Conceição do Araguaia. As outras unidades são a Base Candiru, em Óbidos; Serra do Cachimbo, no Km 785 da BR-163, em Novo Progresso; Gurupi, no Km 280 da BR-316, em Nova Esperança do Piriá; e Carajás, na Rodovia Transamazônica, em Marabá.

Texto:
Ana M. Pantoja


Cine Estação exibe "Meu Amigo Hindu", de Hector Babenco


O Cine Estação das Docas exibe, em formato digital, a “Meu Amigo Hindu”, dirigido por Hector Babenco, com Willem Dafoe, Maria Fernanda Cândido e Barbara Paz no elenco. O filme estreia no dia 13 (quarta-feira) e fica em cartaz até o final de abril.
Argentino de nascimento, Hector Babenco se notabilizou como um dos maiores realizadores do cinema brasileiro, conhecido por filmes polêmicos (Pixote – a lei do mais fraco, Lucio Flavio – o passageiro da agonia, Carandiru) e coproduções internacionais (Brincando nos Campos do Senhor, Ironweed e O Beijo da Mulher Aranha).
Na trama, Diego (Willem Dafoe) é um cineasta diagnosticado com câncer terminal, cuja única chance de sobrevivência é se submeter a um transplante de medula óssea experimental, realizado apenas nos Estados Unidos. Antes, decide se casar e se despedir dos amigos. Já no hospital, ele conhece um menino hindu de apenas oito anos, que também está internado. Logo, o homem passa a vivenciar com ele aventuras fantasiosas, inspiradas no cinema, que ajudam a suportar a dura realidade.
Selecionado para abrir a última edição da Mostra internacional de Cinema de São Paulo, “Meu Amigo Hindu” marca a parceria de Babenco com o ator Willen Dafoe. “Há pessoas com quem a gente se identifica e imagina: 'esse cara sou eu’. Mas há outros personagens que desafiam o ‘sou eu’. Acho que os dois tipos de papel são lindamente interessantes e de alguma forma nos elevam. É sempre bom poder ir para um lugar além”, declarou o ator durante o lançamento de “Meu Amigo Hindu” no Brasil.
Dafoe deixou sua marca em diversos personagens no cinema, como o sargento Elias de “Platoon”, de Oliver Stone; Jesus em “A Última Tentação de Cristo”, de Martin Scorsese; e o perturbado terapeuta de “Anticristo”, de Lars von Trier. “Meu Amigo Hindu” ainda conta com as participações de Ary Fontoura, Dalton Vigh, Dan Stulbach, Guilherme Weber, Maitê Proença, Reynaldo Gianecchini e Selton Mello.
Serviço: "Meu Amigo Hindu", estréia nesta quarta-feira, 13, na sala do Cine Estação, da Estação das Docas. Direção: Hector Babenco. 124 min. Cor. 14 anos.
Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=Lf9u3rs1RXc
Datas e horários:
13/04 (quarta), às 18h e 20h30
14/04 (quinta), às 18h e 20h30
17/04 (domingo), às 10h, 16h, 18h e 20h30
18/04 (segunda-feira), às 18h e 20h30
19/04 (terça-feira), às 18h e 20h30
21/04 (quinta-feira), às 18h e 20h30
22/04 (sexta-feira), às 18h e 20h30
24/04 (domingo), às 10h, 16h, 18h e 20h30
27/04 (quarta), às 18h e 20h30
29/04 (sexta-feira), às 18h e 20h30

Realização: Governo do Estado, Secult e Os Pará 2000.
Ingressos: R$ 12, 00 (com meia para estudantes).

Texto:
Fernanda Scaramuzzini


Licenciamento sem multa para veículos com placas de finais 72 a 92 encerra nesta sexta
O Departamento de Trânsito do Pará (Detran) informa que nesta sexta-feira, 15 de abril, termina o prazo para o pagamento, sem multa, do licenciamento de veículos com placas de finais 72, 82 e 92. O Detran lembra que transitar com o licenciamento em atraso é infração gravíssima prevista no artigo 230 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Se flagrado nessas condições, o condutor pode ser multado, ter o veículo removido, além de ter sete pontos registrados na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).
O licenciamento anual pode ser pago em qualquer agência bancária e os proprietários de veículos que ainda não receberam o boleto podem emitir a guia para pagamento no endereço www.detran.pa.gov.br, que também oferece diversas informações e serviços, reduzindo a necessidade de deslocamento do usuário a uma das unidades do órgão.
No portal do órgão podem ser acessados serviços relacionados a veículos, como a impressão do boleto do licenciamento anual. O site também permite o agendamento de exames biométricos, médicos e psicotécnicos, tanto para a obtenção da primeira habilitação quanto renovação, além dos exames práticos.
Os próximos finais de placa referentes ao licenciamento anual 2016, de final 3, serão:
03,13, 23, 33 – Vencimento em 29 de Abril
43, 53, 63 – Vencimento em 6 de Maio
73, 83, 93 – Vencimento em 13 de Maio

Texto:
Aldirene Gama


Escolas de música de Marapanim recebem instrumentos para a musicalização de crianças
Jovens de cinco vilas do município de Marapanim, no nordeste paraense, foram beneficiados com a entrega de instrumentos musicais por meio do Projeto de Interiorização da Fundação Carlos Gomes. As doações foram feitas no início deste mês e auxiliarão nas aulas de musicalização de crianças e jovens das comunidades de Vila Matapiquara, Vila Marudazinho, Vila Maú, Vila Silva e Vila Camará. Cada uma dessas localidades possui uma escola de música que faz parte da Associação Comunitária Escola Musical Santa Cecília, conveniada com a FCG, e recebeu cinqüenta flautas doces.
O projeto de Interiorização da Fundação Carlos Gomes tem como objetivo o desenvolvimento da Educação Musical em municípios do interior do Estado. Por meio de parcerias com prefeituras e organizações sociais, a FCG realiza convênios que possibilitam a criação e manutenção de escolas e bandas de música em localidades de difícil acesso.



Texto:
Rosa Cardoso


Projeto "Esse rio é minha rua" convida a um passeio pelas Ilhas de Belém
No ano em que comemora seu quarto centenário de fundação, Belém entra no foco de uma extensa programação cultural, de lazer e de turismo levada a diversos pontos da cidade. No próximo sábado, 16, a Prefeitura de Belém, com o apoio da Organização Social Pará 2000, promovem o passeio fluvial do projeto “Esse rio é minha rua”, que sairá do Terminal Fluvial da Estação das Docas às 11h, com destino à ilha de Cotijuba, passando por alguns dos principais cartões-postais da capital, como o mercado do Ver-o-Peso, o Complexo Feliz Lusitânia e o Portal da Amazônia.
“A iniciativa do passeio fluvial pelas ilhas de Belém é louvável, pois valoriza a tradição náutica da Amazônia e da própria capital, além de mostrar as belezas da nossa baía e rios que nela se encontram e que tanto encantam os visitantes. Desejamos que este passeio desperte nos participantes o interesse em desbravar e conhecer um pouco mais as ilhas que cercam a nossa cidade”, destaca Alano Pinheiro, presidente da OS Pará 2000, que administra a Estação das Docas.
As embarcações que integrarão o passeio, aberto ao público em geral, farão um roteiro pelos rios Guamá e Pará e também pela Baía do Guajará. A caravana chegará à ilha de Cotijuba, uma das 42 que fazem parte da chamada região das ilhas da capital.
Para participar do evento os interessados devem se inscrever em umas das quatorze marinas envolvidas na programação (consultar a lista ao final da matéria), bastando, para isso, apresentar a documentação da embarcação e do condutor, além de entregar dois quilos de alimentos não perecíveis. Todos os participantes receberão duas camisas exclusivas do evento. Os alimentos arrecadados serão doados aos moradores da ilha de Cotijuba, ponto final do passeio náutico.
A expecativa da organização é que cerca de mil pessoas participem do passeio ocupando 150 embarcações (lanchas e barcos) e 180 jet skys, além dos praticantes de stand up paddle e de caiaque, que já estarão aguardando a caravana em Cotijuba. Ao final da programação haverá um grande show de carimbó e apresentação de capoeira.
Além de valorizar as “estradas naturais da Amazônia”, com o são vistos os rios, o projeto “Esse rio é minha rua” visa fomentar o turismo náutico e valorizar as comunidades ribeirinhas. O evento tem apoio do Governo do Pará - por meio do Corpo de Bombeiros Militar, Estação das Docas/OS Pará 2000/Secult, Secretaria de Estado de Turismo (Setur) -, da Marinha do Brasil, TV Liberal. A iniciativa conta com a participação das seguintes empresas: Blue Marina, Marina B&B, Norte Marine Lanchas e Acessórios Náuticos, Amazônia Náutica, Píer 300, Náutica Motos, Clube do Jet, Pará Ship, Marina Porto Seguro, Direct Jet Náutica, Marina Píer Maguari, Espaço Náutico e Premium Náutica.
Serviço: Projeto Esse Rio é minha rua – Passeio Fluvial pelas ilhas de Belém. Dia 16 de abril (sábado), a partir das 8h, com largada às 11h do Terminal Fluvial da Estação das Docas. Inscrições e informações pelo telefone (91) 3084-0715.

Texto:
Fernanda Scaramuzzini


Passeio pelas Ilhas de Belém começa na Estação das Docas
No ano em que Belém comemora 400 anos de fundação, uma extensa programação cultural, de lazer e de turismo ocorre em diversos pontos da cidade. No próximo sábado (16), a orla da Estação das Docas sedia o passeio fluvial do projeto “Esse rio é minha rua”, realizado pela Prefeitura Municipal de Belém, com apoio do Governo do Estado do Pará, por meio da Organização Social Pará 2000/Secult que administra o complexo turístico.
O evento é um marco para o turismo náutico, e a Estação das Docas como principal ponto turístico da cidade, não poderia ficar de fora deste grande evento. “A iniciativa do passeio fluvial pelas ilhas de Belém é louvável, pois valoriza a tradição náutica que temos. E, é claro mostra os nossos rios que encantam os visitantes por sua imensidão. Os turistas que frequentam a Estação das Docas ficam encantados com a Baia do Guajará e as praias de rio que possuímos. Desejamos que este passeio desperte o interesse em desbravar e conhecer um pouco mais as ilhas que cercam a nossa cidade” destaca Alano Pinheiro, presidente da OS Pará 2000 que administra a Estação das Docas.
O passeio, que será aberto ao público em geral, terá início às 8 horas no Terminal Fluvial da Estação das Docas. As embarcações que participarão, farão um roteiro pelos rios Guamá e Pará e pela Baía do Guajará, contemplando-se os pontos turísticos da orla: Ver-o-Peso, Complexo Feliz Lusitânia, Portal da Amazônia, Universidade Federal do Pará. A caravana chegará a Cotijuba – uma das 42 ilhas que integram o município da capital, correspondendo a 65% do seu território.
Para participar do evento é preciso fazer inscrição em umas das marinas envolvidas na programação, basta levar dois quilos de alimentos, documentação da embarcação e do condutor. Todos os participantes receberão duas camisas exclusivas do evento.  Os alimentos arrecadados serão doados aos moradores da ilha de Cotijuba - local onde se encerrará o passeio náutico.
Estima-se que mil pessoas participação, ocupando 150 embarcações (lanchas e barcos) e 180 jet sky, além dos praticantes de stand up paddle (grande prancha utilizada com auxilio de um remo) e caiaque que já estarão em Cotijuba para participar de um grande show de carimbó e apresentação de capoeira.
Além de valorizar as “estradas naturais da Amazônia” - os rios -, “Esse rio é minha rua” visa fomentar o turismo náutico e valorizar as comunidades ribeirinha.. O evento tem apoio do Governo do Pará através do Corpo de Bombeiros Militar do Pará, Estação das Docas/OS Pará 2000/Secult, Secretaria de Estado de Turismo (Setur), da Marinha do Brasil, TV Liberal e Prefeitura de Belém – Projeto 400 anos. A realização do projeto conta com a participação das seguintes empresas: Blue Marina, Marina B&B, Norte Marine Lanchas e Acessórios Náuticos, Amazônia Náutica, Píer 300, Náutica Motos, Clube do Jet, Pará Ship, Marina Porto Seguro, Direct Jet Náutica, Marina Píer Maguari, Espaço Náutico, Premium Náutica.
Serviço:
Projeto Esse Rio é minha rua – Passeio Fluvial pelas ilhas de Belém
Data: 16 de abril de 2016 (sábado)
Horário: A partir das 8h, largada às 11h
Local de saída: Terminal Fluvial – Estação das Docas
Inscrições e informações pelo telefone (91) 3084-0715


Texto:
Fernanda Scaramuzzini
Fone:(91) 3344-0127


NAC apresenta projeto Mulheres da Luz a organizações sociais
A diretoria do Núcleo de Articulação e Cidadania (NAC), vinculado à Casa Civil da Governadoria, reuniu representantes de 25 organizações da sociedade civil que atuam na capital para apresentar o projeto Mulheres da Luz, que vai captar mão de obra feminina junto a essas entidades para a confecção de cerca de 60 mil castiçais que serão usados durante o XVII Congresso Eucarístico Nacional, previsto para o mês de agosto, em Belém. O encontro foi realizado na sala de reuniões do Palácio do Governo.
“Queremos fechar com 40 organizações, desde que cada uma tenha pelo menos 10 pessoas envolvidas na produção dos utensílios. Ao final deste mês, as lideranças farão o curso Mulher Empreendedora do Sebrae-PA e, em seguida, um de confecção de castiçais para padronizar a confecção desses itens. Temos até julho para entregar tudo”, contou Maristela Mousinho, responsável pela Diretoria de Desenvolvimento Comunitário (Didesc) do NAC, que desenvolveu o projeto.
As peças serão vendidas e o dinheiro repassado às organizações. Rosa Valente é integrante da Associação do Conjunto Eduardo Angelim, no bairro Parque Guajará, em Belém, que desenvolve um trabalho de educação musical para cerca de 50 crianças e adolescentes e mais de 20 adultos de baixa renda. Ela conta que ficou sabendo do projeto por meio de uma amiga que integra outra associação. "Vim para a reunião em busca de parcerias e saio daqui cheia de esperanças. Com o projeto Mulheres da Luz poderemos envolver as mães das crianças e jovens que atendemos em alguma atividade, além de poder trocar experiências e informações com integrantes de outras organizações”, disse Rosa.
Maria Isabel Chaves, presidente da Fundação das Mulheres Independentes do Estado do Pará, também aprovou a iniciativa e acredita que ela trará benefícios às mulheres assistidas pela entidade no bairro Tenoné. “Estamos sempre em busca de melhorias e capacitação para as mulheres carentes do bairro. Será uma excelente maneira de aprenderem coisas novas e também de fortalecer ainda mais a nossa comunidade", explicou a mulher.
A diretora geral do NAC, Daniele Khayat, participou do encontro e incentivou as mulheres a participar do projeto. “Esse é o momento de unir forças e arregimentar pessoas que não fazem parte das associações para que se engajem nessa frente de atuação. Vamos exercitar a cidadania e a oportunidade de trocar conhecimentos. Nesse momento, em que muitos brasileiros lutam para sobreviver à crise, não adianta cruzar os braços e reclamar. Somente se cada um fizer sua parte, conseguiremos vencer esse desafio”, finalizou.

Texto:
Erika Torres


Segup esclarece caso de agressão contra estudante de Medicina
Sobre o caso da agressão sofrida pela estudante de Medicina Myriam Ruth da Silva Magalhães, a Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social esclarece:
A Polícia Civil já apura o caso de denúncia de agressão sofrida pela estudante Myriam Ruth da Silva Magalhães, de 22 anos, ocorrida no último domingo, 10, no "Toca Restô Bar", localizado na avenida Braz de Aguiar. A apuração será em duas frentes: uma com a instauração de inquérito para investigar a violência sofrida, e a outra, desenvolvida pela Corregedoria Geral da PC, a fim de esclarecer o não atendimento à ocorrência pela delegada de plantão da Divisão Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM). 
A Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis, da Delegacia Geral de Polícia Civil, determinou na manhã desta quarta-feira, 13, que a DEAM apure o caso por se tratar de violência de gênero, independentemente do local onde a vítima sofreu a violência. A jovem foi contatada pela direção da DEAM, que já toma providências no âmbito de Polícia Judiciária para apurar o crime. 
Da mesma forma, a Polícia Militar também apura a postura da guarnição que esteve no estabelecimento comercial na noite do episódio, e que supostamente não atendeu à ocorrência de agressão. 
A Fundação Pro Paz já entrou em contato com a vítima para inseri-la prontamente na rede na rede de atendimento psicossocial disponibilizada pelo Estado para as mulheres vítimas de violência.

Texto:
Sérgio Chêne


Bombeiros da Cremação contêm incêndio em casarão abandonado
Na manhã desta quarta-feira, 13, por volta das 6h30, homens do 1º Grupamento de Bombeiros Militar foram acionados para atender uma ocorrência de incêndio em um casarão abandonado, localizado na Avenida Generalíssimo Deodoro, entre José Malcher e Nazaré. Cinco bombeiros atuaram no combate ao incêndio no interior do casarão, considerado de pequena proporção. As chamas consumiram todo o piso e forro da construção, que eram de madeira. durante a ação foi feito o isolamento da área, para garantir a segurança de pedestres, veículos e prédios próximos.
Segundo o tenente Alex Lacerda, que comandou a equipe durante a ocorrência, o principal problema encontrado foi justamente o de acesso ao interior do casarão, que estava com as portas e janelas fechadas com travas de madeira. A ação durou 20 minutos e de acordo com a avaliação preliminar não houve comprometimento da estrutura do prédio. Entretanto, será necessária a realização de uma nova avaliação por profissional da área de engenharia. A  partir de agora a estrutura poderá sofrer maior impacto das intempéries, o que pode apressar a degradação, aumentando o risco de desabamento.

Texto:
Roclane Damasceno


Programação especial comemora os 115 anos do Arquivo Público
Cartas, escrituras, inquéritos, iconografias produzidos a partir do século XVII em solo amazônico e que contam grande parte da história da região estão guardados no acervo do Arquivo Público do Estado do Pará (Apep). Ao todo são mais de quatro milhões de documentos abrigados no prédio neoclássico, do final do século XIX, erguido na Travessa Campos Salles, no bairro do Comércio, e que completa nesta quinta-feira, 14, 115 anos de fundação.
Para celebrar a data, o Governo do Estado Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), em parceria com a Universidade da Amazônia (Unama), Universidade Federal do Pará (UFPA) e Imprensa Oficial do Estado (IOE), promovem o “V Encontro de História & Arquivos”, com o tema “Apep 115 anos na Belém 400 anos”, nos dias 14 e 15, das 8h às 12h e das 14h às 18h.
A programação será composta por uma conferência de abertura; três mesas redondas e quatro oficinas. Uma dessas oficinas será ministrada no espaço do Museu do Forte do Presépio. “Será destinada aos alunos da educação básica e tem como objetivo experiências etnográficas, fundamentadas em conceitos da História, Museologia e Arqueologia”, explica o diretor do Apep, Agenor Sarraf Pacheco.
Para ele, celebrar o aniversário de 115 nos do Arquivo é importante para divulgar as pesquisas realizadas no local. “Recebemos pesquisadores do mundo inteiro. Aqui são realizados estudos sobre a Amazônia nacional e a internacional”, diz ele, enfatizando que o Apep também é essencial na memória da “Belém Quatrocentona”.
Reforma
A sede do Apep atualmente está fechada para reforma, por conta de problemas estruturais que vinham comprometendo a integridade física do espaço, como infiltrações e mau funcionamento da parte elétrica. A previsão é de que o prédio restaurado seja entregue em junho de 2016.
A revitalização inclui a pintura e implantação de áreas destinadas à acessibilidade, a fim de que todas as pessoas tenham livre acesso ao acervo. Afonso Carvalho é o mestre de obras que está à frente da equipe. Há oito anos que ele trabalha com a reforma de casarões antigos em Belém e diz se sentir lisonjeado em participar de uma das etapas de conservação da história do Pará através do seu trabalho. “Para mim é gratificante estar aqui, tudo é diferente. Ver como as obras eram feitas é impressionante”, fala Afonso.
Enquanto a reforma não é concluída, o acervo do Apep está disponível ao público em um prédio cedido pela Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), que funciona na Travessa São Félix Rocque, 262, no bairro da Cidade Velha. “Continuamos recebendo o público por meio de nossas pesquisas agendadas, que consiste em fazer um agendamento prévio sobre a pesquisa desejada para que possamos disponibilizar o material”, detalha Agenor. As pesquisas agendas funcionam de segunda a sexta-feira, das 9h às 14h, com agendamento pelo e-mail: pesquisaagendada@yahoo.com.br
Digitalização
Uma das conquistas do Apep nos últimos anos foi a possibilidade de digitalizar parte de seus arquivos. Os documentos que datam do período colonial, por exemplo, estão sendo digitalizados e disponibilizados para consulta. “Quando tivermos o nosso site, vamos disponibilizar estes acervos digitalizados, para que seja mais acessível aos pesquisadores”, adianta Agenor. 
Foi graças aos documentos existentes no Arquivo que a historiadora e professora Shirley Nogueira conseguiu finalizar seu mestrado e doutorado. “Desde 1994 que eu visito o espaço para fazer pesquisas. Os meus estudos todos foram feitos com os arquivos expostos aqui. Cheguei a ver documentos sobre a época da escravidão no Brasil”, surpreende-se a professora de História.
O Apep acolhe diversos pesquisadores brasileiros e estrangeiros interessados em rastrear, analisar e redigir textos acadêmicos ou não sobre os mais diferentes e complexos temas. O seu patrimônio documental não abrange somente a história do Pará, mas da Amazônia e suas fronteiras nacionais e internacionais. Ele está separado em três grandes divisões documentais: judiciário, legislativo e executivo. 
Serviço:
V Encontro de História & Arquivos, com o tema “Apep 115 anos na Belém 400 anos”. Dias 14 e 15 de abril, das 8h às 12h e das 14h às 18h. Local: Universidade da Amazônia (Unama) – Campus Senador Lemos. Informações: (91) 3213-4475. Inscrições até esta quarta-feira, 13, no Apep e na Coordenação do Curso de História da Unama, Campus Alcindo Cacela. E nos dias do evento, no local de realização. Investimento: R$ 15.
Programação completa:
Dia 14 (Quinta-feira)
Local: Campus Unama (Senador Lemos)
Manhã:
7h30 – Credenciamento
8h30 - Mesa de Abertura
9h30 - Conferência de Abertura: “A Maurília Amazônica: A Cidade de Belém nos Cartões Postais” - Profª Drª Maria de Nazaré Sarges (PPHIST/UFPA)
10h30 - Mesa Redonda: Amazônia Colonial: Por dentro dos 400 anos
1. Servindo a Deus e ao Rei: Escravidão Velada, Liberdade Tutelada (Grão-Pará e Maranhão em meados do séc. XVIII) - Profª Drª Ângela Sanchez Leão (Dphac).
2. As Missões da “Banda Norte”: o cotidiano dos aldeamentos dos Capuchos da Piedade (Séc. XVIII) - Prof. Msc. Frederik Luizi Andrade de Matos (Unama/PPHIST/ UFPA).
3. Manuscritos na Época Moderna: o livro de Compromissos das Irmandades do Pará - Prof. Msc. Diego Pereira Santos (Unama).
Local: Forte do Presépio

Oficinas
9h às 12h - Oficina 1: Expedições Etnográficas pelos 400 Anos: Encontros de Acervos do Museu do Forte do Presépio e Arquivo Público do Pará - Técnicos do Museu do Forte Técnicos do Apep - Público Específico: Alunos da Educação Básica.
Local: Campus Unama (Senador Lemos)
14h às 18h
Oficina 1 (Sala 1): Manuseio e Leitura de Documentos Manuscritos dos séc. XVIII e XIX - Profª Msc. Letícia Barriga (APEP/Unama); Profª Msc. Wania Alexandrino (Unama/PPHIST/UFPA).
Oficina 2 (Sala 2): Gestão Documental e Arquivos Municipais - Prof. Esp. Leonardo Torii (Apep/PPHIST/UFPA/Seduc); Profª.Esp. Marilene Guerreiro (Apep/UFPA); Cristian Mayko Carvalho da Costa (UFPA).
Oficina 3 (Sala 3): Patrimônio Documental da Escravidão no Pará: Caminhos Iniciais - Profª Drª Ângela Sanchez Leão (Dphac); Prof. Esp. Éderson Pinho (Apep/PPHIST/UFPA).

Dia 15 (Sexta-feira)
Local: Campus Unama (Senador Lemos)
Manhã
8h - Mesa Redonda II: Descrição, Acesso e Preservação Arquivística: desdobramentos recentes - Prof. Dr. Thiago Barros (UFPA); Prof. Dr. Roberto Lopes (UFPA); Prof. Dr. Hamilton Vieira de Oliveira (UFPA). Mediador: Prof. Esp. Leonardo Torii (APEP/PPHIST/UFPA/Seduc).
10h30 – Mesa Redonda III: O APEP no séc. XIX: Experiências Metodológicas da Pesquisa Histórica.
1. Os Cabanos nos cartórios e tribunais de Belém: notas sobre a documentação cartorial e notarial do Apep sobre o Movimento Cabano (1835-1840) - Profª Drª Magda Ricci (PPHIST/UFPA)
2. Papéis antigos, novos olhares: o protagonismo indígena na história a partir da documentação do APEP - Prof. Dr. Márcio Couto Henrique (PPHIST/UFPA).
3. Uma cicatriz na “Rainha do Amazonas: os projetos de aformoseamento do porto de Belém” (1852-1897) - Profª Msc. Luciana Furtado (Seduc) Mediação: Prof. Dr. Agenor Sarraf Pacheco (Apep/PPHIST/UFPA).
Local: Campus Unama (Senador Lemos)
Tarde
14h às 17h – Oficinas
Oficina 1 (Sala 1): Manuseio e Leitura de Documentos Manuscritos dos séc. XVIII e XIX - Profª Msc. Letícia Barriga (Apep/Unama); Profª Msc. Wania Alexandrino (Unama/PPHIST/UFPA)
Oficina 2 (Sala 2): Gestão Documental e Arquivos Municipais Prof. Esp. Leonardo Torii (Apep/PPHIST/UFPA/Seduc) - Profª. Esp. Marilene Guerreiro (Apep/UFPA); Cristian Mayko Carvalho da Costa (UFPA).
Oficina 3 (Sala 3): Patrimônio Documental da Escravidão no Pará: Caminhos Iniciais - Profª Drª Ângela Sanchez Leão (Dphac); Prof. Esp. Éderson Pinho (Apep/PPHIST/UFPA)
17h15 – Lançamento do livro digital – Textos e Fontes do Arquivo Público – Vol. III – Organização: Agenor Sarraf Pacheco, André da Silva Lima, Éderson Pinho; Letícia Barriga e Tarcísio Silva Tomaz.
Coquetel de Encerramento

* Colaborou: Bianca Teixeira - Secom

Texto:
Camille Nascimento


Produtores paraenses discutem modelo de assistência técnica para o campo
A proposta de um novo modelo de assistência técnica para o campo começa a ser discutida em Belém para compor uma política nacional de atendimento aos produtores rurais. A Conferência Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ceater) foi aberta nesta terça-feira, 12, com o objetivo de definir proposições que contemplem as particularidades específicas do Pará.
Um documento com 30 proposições será elaborado até esta quinta-feira, 14, para ser levado pela delegação paraense à Conferência Nacional de ATER (Cnater), que acontecerá em Brasília, de 31 de maio a 3 de junho. Sob o tema ATER, Agroecologia e Alimentos Saudáveis, a conferência pretende criar uma nova política de assistência técnica e extensão rural que atenda a todos os produtores do país.
A programação estadual é resultado das 12 conferências territoriais realizadas no ano passado, nas quais 800 produtores apontaram o que melhor atende as necessidades de cada região. A responsabilidade, agora, é dos 250 delegados, convidados e observadores que vão sintetizar as proposições para a conferência nacional, em continuidade ao compromisso das três esferas de governo em prol do melhor sistema de ATER à comunidade rural.
O secretário de Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Nejacson Vidal, considera que a assistência técnica deve ser massificada para toda a sociedade, não só aos agricultores, porque vai além da cerca e das porteiras das propriedades rurais. “É preciso aproveitar os recursos disponíveis para ampliar o atendimento à população”, declarou.
Rosival Possidônio, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), considera que as proposições devem priorizar a formação de extensionistas nas universidades e maior investimento em ATER no Pará. Já o deputado estadual Airton Faleiro (PT) pediu aplauso para a revogação do decreto presidencial que havia retirado o extensionista da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), transformando-a em órgão de pesquisa.
Pela Federação dos Trabalhadores da Agricultura (Fetagri), Francisco de Assis pediu a garantia da qualidade e continuidade dos serviços de ATER para avançar a produção de alimentos, o processo de reforma agrária e o direito à terra. Lurdes Almeida, do Movimento de Mulheres do Campo e Cidades, comemorou a paridade entre homens, mulheres e jovens nas conferências.
Ao declarar aberta a II Conferência Estadual de ATER, a secretária adjunta de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), Eliana Zacca, falou que o governo prioriza a produção familiar em programas como o do açaí, mandioca e cacau, importantes culturas do estado, com objetivo de desenvolver o setor agrícola e de quem faz agricultura no Pará. “Desejo que todos tenham sabedoria e capacidade de síntese na priorização do que é mais importante para a ATER no Pará. Um novo modelo é necessário, assim como também o financiamento para pô-lo em prática, para que se melhore a produtividade e a renda do trabalhador rural”, concluiu.

Texto:
Leni Sampaio


Governador apresenta projeto de verticalização da produção a empresários em São Paulo
A sala de reuniões de uma casa de eventos no Morumbi, em São Paulo, ficou lotada nesta terça-feira, 12. Frente a frente, o governador Simão Jatene e empresários exportadores de várias partes do Brasil com projetos e empreendimentos no estado do Pará. "Nem tudo que vem para a Amazônia é bom, assim como nem tudo que vem é para explorar ou depredar", disse o governador, abrindo a exposição.
"O que nós queremos, hoje, aqui, com os senhores, é inaugurar uma nova fase, um novo padrão para implantar novos e grandes projetos na Amazônia, a partir do estado do Pará, sem impôr ideias, mas encontrando soluções, juntos, para que as empresas lucrem sem penalizar a população e o meio-ambiente, com garantias concretas de segurança social para todos", afirmou Simão Jatene.
Esta é a segunda reunião entre o Governo do Estado e os empresários ligados à  Associação dos Terminais Portuários e Estações de Transbordo de Cargas da Hidrovia do Tapajós (ATAP), visando a implantação de um programa de verticalização da produção no Estado, a maior de todas as condicionantes para a concessão da licença ambiental dos portos. O Pará não quer ser apenas um corredor por onde deve passar a produção agrícola de outros estados, até a chegada aos portos do oeste paraense.
Benefícios
A estimativa é de que só com a soja do Mato Grosso os produtores ganhem entre US$ 20 e US$ 30 por tonelada no custo logístico, se o produto for escoado pelo Norte e não pelos portos do Sul-Sudeste do país. "O Pará precisa ganhar com esse escoamento, não ficando apenas com a degradação ambiental", disse o governador aos empresários. "Todos devem ganhar e o estado e sua população não podem perder", completou.
Sob o tema "Desenvolvimento Harmônico Sustentável em Regiões Impactadas por Grandes Empreendimentos", a reunião em São Paulo teve a participação, além do governador, do secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Estado, Adnan Demachki, e de Liane Freire, da organização ONU-Habitat (Dialog), que expôs aos empresários o projeto que vem sendo desenvolvido com o estado.
“Estamos abrindo o debate com os exportadores, que são muito bem-vindos ao Estado. Queremos contribuir para que eles exportem, mas parte dessa soja precisa ser processada aqui no nosso Estado, gerando óleo e, sobretudo, proteína animal – frangos e suínos, para gerar empregos e riqueza no Estado", afirmou Adnan Demachki.
Segundo Adnan, o Governo quer contribuir com a mobilidade da produção de soja nacional, mas o Estado precisa, também, partilhar dessa riqueza. “Não podemos colocar essas 30 milhões de toneladas de soja dentro de navios e mandarmos ‘in natura’ essa valiosa matéria-prima. Essa conta não pode ser só nossa”.
Adnan disse, ainda, que o governo está lançando mão de todos os instrumentos para que o Pará seja cada vez menos extrativista e a verticalização é o foco principal da nova legislação de incentivos fiscais do Estado.
Demachki observa que a cada 1 milhão de toneladas de soja transformadas em óleo e em ração para suínos e aves são gerados 7.500 empregos. “Verticalizar é gerar mais emprego e renda no Pará e os melhores empregos estão na segunda e terceira etapa da cadeia, justamente aquela que produz produtos com valor agregado”, reforçou  o secretário.
Apoio
Atentos, CEOs e representantes de empresas como Bunge Brasil, Cargill Agrícola, Hidrovias do Brasil, Hydro-ALunorte, Mineração Buritirama, Termogás, Odebrecht Transport e Votorantin Metais, fizeram várias perguntas ao governador e expuseram algumas dificuldades enfrentadas em seus projetos em solo paraense. Tiveram do governador a garantia de que, a partir do encontro de São Paulo, reuniões particulares com técnicos do estado serão realizadas para que cada caso seja estudado e que o projeto de verticalização tenha andamento e se transforme em medida prática.
"O  desenvolvimento sustentável e harmônico tem que ser mais que um conjunto de palavras e sim uma nova experiência real", disse o governador. Alguns empresários perguntaram se os prefeitos estão engajados no projeto para que ele efetivamente seja concretizado. "Mais que os prefeitos, as prefeituras", afirmou Simão Jatene. Já estamos conversando com o poder público municipal das cidades envolvidas ou atingidas pelos projetos, explicando a proposta, para que cada um se engaje no processo", disse o governador.
A repercussão da reunião foi a melhor possível. André Miranda, diretor de Relações Governamentais para a América do Sul da ADM/Glencore, que opera há três anos na área portuária de Barcarena, disse que o projeto, de antemão, terá todo o apoio da empresa. "Quem dera outros estados fizessem o mesmo", disse André. "Se a proposta for realmente implantada, outros estados devem copiar, fazendo do Pará um exemplo", concluiu. Rodrigo Veloso, diretor de investimentos da Odebrecht Transport, também elogiou a iniciativa e disse que quer iniciar os contatos imediatamente para participar do processo.
"Vamos mudar essa relação entre poder público e iniciativa privada", afirmou o governador Simão Jatene. "O que está se inaugurando aqui é uma nova forma de pensar a relação entre essas duas partes e o Pará não está do lado contrário da mesa porque a mesa agora é redonda, num espaço onde todos ouvem e são ouvidos, trazendo benefícios futuros para toda a população paraense", concluiu o governador.

Texto:
Pascoal Gemaque


Conferência discute estratégias para promover a assistência técnica e extensão rural no Pará
Duzentos e cinquenta participantes, entre delegados, convidados e observadores, constituídos em sua maioria por técnicos e agricultores, estiveram reunidos na noite desta terça-feira, 12, no Hotel Beira-Rio, em Belém, na cerimônia de abertura da 2ª Conferência Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (2ª Ceater).
O evento, que irá até esta quinta-feira, 14, tem como tema central “Ater, agroecologia e alimentos saudáveis", com discussões sobre diversas questões estratégicas para a promoção da assistência técnica e extensão rural aos agricultores familiares, considerando a realidade de 12 áreas territoriais no estado (Sul, Sudeste, Transamazônica, Nordeste, Baixo-Amazonas, BR-163, Marajó, Baixo-Tocantins, Salgado, Nordeste I, Metropolitana e Entorno de Tucuruí).
A comissão organizadora do evento, através de Mensagem aos Participantes, destacou na cerimônia de abertura a cobertura de 100% do território paraense com a realização de conferências territoriais, com cerca de 600 organizações da sociedade civil e governamentais, e mais de 800 pessoas do campo e da cidade envolvidas.
O evento culminará com a aprovação de 30 proposições a serem levadas por 22 delegados estaduais eleitos, que representarão o Pará na Conferência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (2ª Cenater).
A realização da 2ª Ceater é de responsabilidade conjunta do Governo do Pará, por meio da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), e da Delegacia Federal do Desenvolvimento Agrário (DFDA/Pa), sob a coordenação do Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável (CEDRS/Pa), com apoio da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-Pará).
Entre os parceiros do evento estão, ainda, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), a Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira (Ceplac) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Pará (Fetagri). Entre as autoridades que fizeram parte da mesa de honra, o diretor-técnico da Emater, Rosival Possidônio, e a secretária-adjunta da Sedap, Eliana Zacca.



Texto:
Edna Moura






Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...