Total de visualizações de página

domingo, março 08, 2015

FELIZ DIA DA MULHER!



ACABEI DE CHEGAR AGORINHA DA PLANTAÇÃO DE ROSAS ESPIRITUAL E EIS QUE MANDARAM PARA ESTAS MULHERES DESTE PLANETA:
FELIZ DIA DA MULHER!

Homenagens,
Associação Espírita CASA DO CAMINHO


e Revista




Pará tem mais de 50 mil mulheres no serviço público estadual
Presentes em todos os órgãos da administração estadual, desempenhando as mais variadas funções, as mulheres somam 54 mil servidoras públicas no Estado do Pará. Em 30 órgãos elas têm cargos de chefia, como secretárias de Estado, secretárias adjuntas, diretoras ou presidentes. As áreas de educação, saúde e segurança concentram o maior número de servidoras.
Quando começou a trabalhar na Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), em 1990, a fiscal de receitas estaduais Edna Farage atuava em ações de fiscalização na então Delegacia da Fazenda, no Distrito de Icoaraci, em Belém. Recém-formada em Economia, a servidora datilografava os documentos em máquina de escrever. Os arquivos exigiam armários. Um cenário bem diferente do atual. Ela trabalhou na seção de cadastro; no Grupo de Estudos Tributários, hoje Diretoria de Tributação; no extinto Conselho de Recursos Fiscais; na Divisão de Controle de Documentos Fiscais e no Grupo de Trabalho do Boletim de Preços.
Hoje, 25 anos depois, ela ainda atua no local onde teve seu primeiro emprego e exerce, há oito anos, a função de diretora de Arrecadação e Informações Fazendárias. Como servidora pública, Edna assistiu ao desenvolvimento da administração fazendária, que nos últimos anos informatizou boa parte dos procedimentos. Os arquivos sobre a arrecadação do Estado agora são armazenados em computadores e os relatórios são gerados em sistema eletrônico.
"Quando comecei a trabalhar o empresário pedia autorização por escrito para imprimir os blocos de notas fiscais. E o processo tinha todo um trâmite. Hoje está aí a Nota Fiscal Eletrônica. O contribuinte acessa o sistema e emite, ele mesmo, o documento”, ressalta a servidora.
A equipe da Diretoria de Arrecadação tem 61 pessoas. Além de monitorar diariamente a arrecadação, faz os estudos anuais para a definição das cotas partes do ICMS para os municípios, gerencia o cadastro de contribuintes e elabora boletim de preços de alguns produtos. Edna valoriza o trabalho em equipe. “As decisões são tomadas de forma compartilhada, enfatizando a importância de cada um no trabalho”, conta.
“Acho o trabalho prazeroso, mas, como toda mulher, tenho que dar conta da jornada dupla, no trabalho e em casa. A atividade da Fazenda é muito desafiadora, principalmente na arrecadação, porque temos que trabalhar com as informações em tempo real, e há a responsabilidade muito grande de garantir os recursos necessários ao desenvolvimento das políticas públicas”, informa.
Reconhecimento profissional - Iêda Lúcia Pereira de Carvalho, que atualmente é secretária geral da Junta Comercial do Pará (Jucepa), já trabalhou em diversos setores, como atendimento ao usuário, unidade regional, cadastro e assessoria técnica (analista). O empenho gerou o reconhecimento profissional. "Comecei a trabalhar na Jucepa como estagiária do Projeto Rondon. Posteriormente fui contratada pela Jucepa como estagiária. Depois fui contratada como agente administrativo e, em seguida, convidada para assumir a Coordenadoria de Castanhal", conta Iêda, que também assumiu a Diretoria do Registro Mercantil e, atualmente, ocupa o cargo de secretária geral da Jucepa.
Quem também concilia trabalho, família e outras atividades inerentes à vida feminina é Cilene de Castro Pereira, 45 anos, dos quais 16 dedicados à Fundação Hemopa, como técnica de enfermagem. Ela conta que seguiu os passos do pai, Carlos Pereira, que era técnico de hemoterapia no hemocentro. Além de coletar as doações de sangue dos voluntários, a servidora também é doadora de sangue há 16 anos. "A maioria dos servidores do Hemopa é de mulheres. É gratificante fazer parte desta equipe”, destaca.
Saúde - Apesar da rotina estressante, as mulheres encontram tempo para os cuidados com a saúde e a aparência. Servidora estadual há 25 anos, Nezilda Cunha, lotada na Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), se sente mais motivada a praticar atividades físicas com o programa "Servidor na Academia", uma parceria da Secretaria de Estado de Administração (Sead) com várias academias de ginástica. “A parceria foi um incentivo a sair da vida sedentária e praticar atividade física, não apenas pela estética. É uma valorização da nossa qualidade de vida, e isso reflete na qualidade do nosso trabalho”, salienta.
Para a psicóloga Sandra Henderson, a liderança das mulheres no mercado de trabalho é resultado de lutas antigas. "O Dia Internacional da Mulher é uma merecida homenagem ao gênero feminino e reflete o espírito aguerrido manifestado pelas operárias, que em 1857 lutaram e se manifestaram para obter condições de trabalho e equiparação salarial com os homens, já que realizavam as mesmas atividades laborais", ressalta.
A psicóloga se referiu ao fato que deu origem ao Dia Internacional da Mulher. "Infelizmente, aquelas operárias tiveram um triste final, já que foram presas e carbonizadas na fábrica, mas o propósito da luta colhemos até hoje. Muitas conquistas temos a celebrar, como o direito ao voto, ao divórcio, à redução das discriminações e, recentemente, o Brasil anunciou que a pena para os casos de assassinatos de mulheres também será maior, o que reflete aos poucos que passamos a ser vistas com o crédito que merecemos. Para as mulheres que ocupam cargos de liderança, com reconhecimento e bem sucedidas, há a responsabilidade de proteger, lutar e construir medidas que auxiliem e façam um mundo melhor para as mulheres", finaliza.
Texto:
Luciana Benicio



Mulheres investem em capacitação para competir no mercado de trabalho
No conjunto residencial Maguari, em Belém, uma costureira realizou o sonho de ter o próprio ateliê. Ela desenha e costura vestidos que vêm conquistando, cada vez mais, o gosto das clientes, e já foram destaque em desfiles de moda no Estado. No distrito de Murinim, município de Benevides, na Região Metropolitana de Belém, um grupo de 20 mulheres contribui com a geração de emprego e renda a partir de um empreendimento de quase quatro décadas: uma plantação de flores. Nos dois exemplos destacam-se histórias de mulheres que perseguiram seus sonhos, e hoje, com os empreendimentos consolidados, investem em capacitação para se manterem ativas e em constante evolução.
As mulheres paraenses estão empreendendo e ocupando mais vagas em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo. O dado consta de um relatório divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese-PA), feito em parceria com a Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), sobre o Balanço do Emprego Feminino no Pará. O documento mostra que as mulheres vêm ampliando sua participação no mercado de trabalho. Só em 2014, foram mais de 100 mil novas vagas ocupadas por mulheres.
Entre as áreas que apresentaram maior crescimento da participação feminina estão comércio, serviços e construção civil. De acordo com a Seaster, um dos principais motivos que justificam esse aumento é a melhoria da qualificação profissional. “Quando olhamos especificamente para o segmento feminino no mercado paraense percebemos que, nos últimos cinco anos, ele foi o que apresentou a maior evolução. Neste período, a participação da mulher no mercado dobrou, e hoje elas representam 40% da mão de obra do Estado. Apesar de parecer pouco, mostra que o crescimento vem acontecendo de forma gradativa. Hoje não temos um setor em que a mulher não entre, e isso acontece porque elas começaram a investir muito mais na sua qualificação e educação. Elas estão mais empreendedoras, engajadas e buscando a melhoria da renda”, explica o secretário adjunto da Seaster, Everson Costa.
No Pará, diversos órgãos do governo acompanham a demanda do mercado e dos trabalhadores que desejam se qualificar, seja como empreendedor ou integrante de alguma empresa. A Sedeme (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Mineração e Energia) há dois anos faz a intermediação com o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) e Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) para ajudar a promover cursos de capacitação na Região Metropolitana de Belém e no interior do Estado.
Profissionalização - Um destes exemplos é o da costureira Márcia Cristina de Matos Almeida, 42 anos, que há cinco anos começou a investir na profissionalização. Em meio a tecidos, manequins e maquinário, a empreendedora conta que começou a costurar em escala industrial e as dificuldades para se tornar uma microempresária.
“Eu era funcionário pública e me afastei, pois queria ter o meu trabalho próprio. Eu já tinha algumas máquinas e me veio a ideia de costurar. Chamei outra moça para trabalhar comigo, e estamos há sete anos neste trabalho. Foi aí que comecei a fazer os cursos do Sebrae, e hoje estou fazendo um curso no Senac. Todo este processo foi despertando o que faltava, pois foram nos ensinando e capacitando. No primeiro momento, quando não tínhamos experiência, e cada vez que a gente fazia algo maior, sem planejamento, era um trabalho imenso”, diz a costureira, que agora é dona do ateliê.
“Antes dos cursos, eu tinha o sonho de fazer minha empresa, mas não tinha uma visão de como seria. Hoje, já consigo ver. Eu pretendo fazer a minha casa ao lado do ateliê e tornar este espaço de trabalho a minha indústria de confecção, além das lojas lá fora”, acrescenta.
Flores - Há cerca de 40 quilômetros do Conjunto Maguari, outro exemplo da determinação feminina cresce cuidadosamente no quintal da casa de Doraci Borralho, 71 anos, em Benevides. Ela e mais 20 mulheres do Distrito de Murinim são responsáveis pela Afloraben (Associação de Flores de Benevides). A entidade funciona como uma cooperativa de mulheres dedicadas à floricultura.
“A gente faz esse trabalho desde 1961. Eu comecei tudo, mas era na área de hortaliça. Fui descobrindo o plantio das flores. A gente se organiza, se ajuda e vai trabalhando para manter o negócio. Já somos 20 mulheres trabalhando, e o que a gente ganha já ajuda em casa. Fizemos vários cursos e participamos de várias exposições com as nossas flores e arranjos”, conta Doraci.
O trabalho das produtoras de flores é acompanhado pela Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará), que há mais de 10 anos promove a capacitação das integrantes da Associação. “A Emater foi implantada no município de Benevides em 2006, e desde essa época nós fazemos um acompanhamento específico em relação à floricultura. Antes disso já havia o acompanhamento do nosso escritório de Ananindeua. Desde 2011 estamos fazendo também um trabalho mais direcionado para a organização produtiva e a comercialização da produção da floricultura no município”, informa Soraya Araújo, engenheira agrônoma da Emater.
Leide Iracema Oliveira, 69 anos, há cinco anos trocou a aposentadoria pela paixão que sempre dedicou aos seus jardins. “Eu sempre gostei de planta, mas plantava só para mim. Depois que conheci o trabalho da Associação e a Doraci fui me interessando. Eu queria ficar só no meu plantio, mas aí a cabeça mudou e eu passei a gostar destas plantas que não conhecia. Hoje, é uma satisfação enorme trabalhar aqui. Eu amo o que faço, e ainda tenho a companhia das minhas amigas. É um trabalho de muita dedicação e amor”, afirma Leide, que já conseguiu construir a própria estufa com a renda obtida na venda dos arranjos.
“A Associação já é autossuficiente na produção de flores tropicas e plantas envasadas. Mas no meio rural tudo é dinâmico. Dentro da área ‘floricultura’ você precisa estar sempre inovando com capacitações, treinamentos etc., para que elas possam buscar novas espécies de plantas, aprender nova técnicas e diversificar a produção, pois é isso que fortalece este ramo”, ressalta Soraya Araújo.
Texto:
Diego Andrade


Governo investe na qualidade dos serviços de saúde para a mulher
A ampliação do acesso aos meios e serviços de promoção, prevenção e recuperação da saúde é a meta permanente da Política de Atenção Integral à Saúde da Mulher desenvolvida pelo Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), em todas as regiões. Voltada à atenção ginecológica e obstétrica, a atenção à mulher inclui a assistência humanizada para prevenção e controle de Doenças Sexualmente Transmissíveis/HIV, o estímulo ao planejamento reprodutivo, atenção ao climatério, promoção da atenção às mulheres e adolescentes em situação de violência doméstica e sexual e ações para redução dos casos de mulheres que desenvolvem o câncer e dos óbitos causados pela doença.
As Unidades Básicas de Saúde (UBSs) localizadas nos bairros da Pedreira e do Marco, em Belém, oferecem à mulher diversos serviços, como consultas, pré-natal, planejamento reprodutivo, realização de preventivo e outros exames. Na média e alta complexidade, a Unidade de Referência Materno Infantil e Adolescente (Uremia) oferece pré-natal para grávidas de alto risco, exames, PCCU (preventivo do colo do útero), mamografia, planejamento reprodutivo e atendimentos ao recém-nascido de risco.
Desde 2013, a Sespa realiza no Centro Hospitalar Jean Bitar, em Belém, mutirões para retirada de nódulos em mamas, para tratamento de lesões benignas e diagnóstico precoce de câncer. O serviço já beneficiou 320 mulheres, a maioria residente em municípios do interior. O Estado também já promoveu, no Hospital Ophir Loyola, mutirão de cirurgias de alta frequência de colo de útero.
Odinéa dos Santos, 23 anos, que mora em Breves, é uma das beneficiadas pelo diagnóstico precoce. “Descobri um pequeno nódulo de mama aos 17 anos. O diagnóstico precoce me deu a chance de fazer tratamento ainda cedo, para evitar possíveis complicações”, contou.
Qualificação – Os serviços de prevenção ao câncer foram ampliados em dezembro do ano passado com a inauguração do Centro de Qualificação de Ginecologista, que visa capacitar profissionais que atuam no interior do Estado para realização de colposcopia, biópsia e exérese (retirada de órgão ou tecido) da zona de transformação do colo uterino, a fim de promover o diagnóstico precoce e tratamento das lesões que podem evoluir para o câncer de colo do útero.
O Centro dispõe de duas salas com novos equipamentos colposcópicos. Segundo a diretora da Uremia, Nazaré Falcão, o serviço é a continuação do que a unidade já vem fazendo ao longo dos últimos anos. Os ginecologistas serão encaminhados pela secretarias municipais de Saúde, de acordo com os critérios da Unidade.
Na Uremia são realizados a cada mês cerca de 180 exames ginecológicos e, por dia, 40 mamografias. Nazaré Falcão informou que há um grande número de mulheres com lesão de alto grau no útero. Por ano, a Uremia realiza em média 320 procedimentos de exérese da zona de transformação do colo uterino. “A maioria dessas mulheres vem do interior do Pará. Os resultados positivos de lesão de alto grau são encaminhados para a Uremia, onde são feitos exames complementares e o tratamento das lesões benignas. Caso o resultado seja positivo para câncer, elas são encaminhadas para o Ophir Loyola”, explicou.
Aos 36 anos, a agente administrativa Márcia Miranda, que tratou um câncer no colo do útero descoberto há nove anos, faz questão de reiterar a importância do exame preventivo. “Após o tratamento, fiquei oito anos sem fazer o exame. Sempre achava que ia dar alguma coisa, e costumava dizer que não tinha tempo para ficar doente. Mas, hoje, se estou bem é porque consegui detectar logo e tratar. Por isso, sempre digo às mulheres que não criem barreiras e façam seus preventivos”, ressaltou.
Qualidade laboratorial – Na Região Norte o Pará é pioneiro nos investimentos em qualidade do exame e do diagnóstico das lesões uterinas. Neste ano, o Laboratório Central do Estado (Lacen) implantou um processo automatizado para realização de exames preventivos, tornando-se o primeiro laboratório público a dispor de equipamento completo para o exame – um investimento de quase R$ 500 mil, que permitiu à rede estadual de saúde, entre outros avanços, melhorar a qualidade das amostras coletadas e agilizar os resultados dos exames.
Antes do processo automatizado, o processo de coleta de material no interior do Estado era comprometido. “A lâmina era mal colhida, fixada e com uma coloração ruim. Chegava aqui e não conseguíamos ver praticamente nada. E esse é um processo invasivo, não dava para simplesmente refazer. No processo pelo meio líquido, ao invés de passar na lâmina, o material é colocado em uma solução líquida, que faz o arrasto completo de todas as células. Com isso, além de ganhar tempo, ganhamos na qualidade do diagnóstico”, explicou o diretor do Lacen, Licínio Lira.
De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), em 2014 a estimativa no Brasil era o diagnóstico de 57.120 novos casos de câncer de mama, dos quais 830 no Pará – sendo 360 em Belém. Em 2013, o Hospital Ophir Loyola realizou mais de 5 mil consultas e atendeu 554 casos de câncer de mama. O diagnóstico precoce e os avanços tecnológicos permitem cirurgias cada vez menos invasivas e mutiladoras. No Pará, há 41 mamógrafos para pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). 
Referência - Na área de assistência, A Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará atua na atenção à saúde da criança, da mulher e do adulto, oferecendo serviços ambulatoriais e internação. A instituição é referência na atenção à gestante e ao recém-nascido de alto risco, no atendimento às vítimas de escalpelamento, às vítimas de violência sexual, na atenção ao paciente portador de doença hepática, na prática de aborto legal e com os serviços do Banco de Leite Humano.
A maternidade atende usuárias em regime de urgência e emergência, nas áreas de ginecologia e obstetrícia. Até novembro de 2014 foram realizados 35.500 atendimentos no setor de triagem obstétrica. O atendimento de urgência é feito de forma ininterrupta, em plantões de 24 horas durante toda a semana, para usuárias que chegam referenciadas ou espontaneamente, e podem resultar em orientação, consultas, observação clínica de até 12 horas ou internação (hospitalar ou hospital/dia). 
A Fundação mantém ainda o Programa de Atendimento às Vítimas de Escalpelamento (Paives), referência para o atendimento de pessoas – a maioria mulheres - que tiveram o couro cabeludo (total ou parcialmente) arrancado por motores de embarcações. Até outubro de 2014 foram atendidas 10 vítimas, com acompanhamento psicológico pós-cirurgia, classe hospitalar (com apoio da Secretaria de Estado de Educação – Seduc) e os serviços do Espaço Acolher.
A Sespa, por meio da Coordenação Estadual de Educação em Saúde e Mobilização Social, elabora ações para a prevenção do escalpelamento nos rios do Pará.
Texto:
Edna Lima


Caminhada abre comemorações do governo pelo Dia das Mulheres
Uma grande mobilização no centro de Belém deu início na manhã deste sábado (7) à campanha “Mulheres do Pará: Feminização Geracional no Mundo do Trabalho”, promovida pelo Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), para comemorar o Dia Internacional da Mulher – 8 de Março. Realizada pela Coordenadoria de Integração de Políticas para Mulheres (CEIPM), em parceria com outras secretarias estaduais e entidades sociais, a campanha reuniu representantes de vários municípios na Praça do Relógio, na área do Ver-o-Peso. Centenas de mulheres saíram em caminhada, animadas por um trio elétrico, até a Praça da República.
O secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Michell Durans, acompanhou todo o trajeto e ressaltou a importância dos avanços na erradicação da violência doméstica contra a mulher em todo o Estado. “O Pará tem caminhado a passos largos nas conquistas de políticas de enfrentamento à violência doméstica. A Coordenadoria de Integração de Polícias para Mulheres, por meio dos conselhos municipais, é ativa em cada canto do Estado, orientando e sensibilizando mulheres, junto com o trabalho desenvolvido pelo Pro Paz Mulher, que também é bastante eficaz na causa”, frisou Michell Durans.
O secretário ressaltou a necessidade de as mulheres denunciarem os agressores. “A Sejudh tem o serviço Disque Denúncia, que é o 180, o segundo mais discado do país, onde as mulheres podem ligar, buscar informações e quebrar o silêncio”, disse Durans.
O Pro Paz Mulher, que funciona na Travessa Mauriti, em Belém, atende mulheres vítimas de violência em diversas regiões do Estado. Até abril de 2014, o Pro Paz Integrado já fez 17.032 atendimentos, dos quais 44,8% são de casos de violência contra a mulher. A investigadora da Polícia Civil, Ana Cláudia Duarte, informou que as denúncias estão aumentando por conta da resposta que a Justiça está dando para quem age com violência contra a mulher.
“Uma caminhada comemorativa”, definiu Maria Trindade, coordenadora do evento e responsável pela Coordenadoria de Integração de Políticas para Mulheres. Segundo a coordenadora, o tema da campanha deste ano é um reconhecimento às mulheres nas funções que vêm desenvolvendo. “Os dados do Sistema Nacional de Informações de Gênero apontam que, mesmo com o predomínio de homens na população ocupada, as mulheres tendem a passar mais tempo em ocupações diversas, inclusive após a jornada de trabalho no espaço público”, explicou Maria Trindade.
Animação e cidadania - Alegria não faltou na caminhada. Ângela Costa, animadora de festas infantis, disse que comemorava as conquistas femininas, pois já viu de perto a violência doméstica. “Tive uma parente que se submetia à violência, mas graças às políticas e às formas protetivas ela não se submete mais, e é por isso que eu me alegro”, reiterou Ângela.
Na Praça da República, o Projeto Cidadania, desenvolvido pela Sejudh, emitiu carteira de identidade e carteira de trabalho, beneficiando mais de 300 pessoas. Clebia Barros, que estava há um ano sem RG, soube da emissão do documento e não perdeu a oportunidade. “Eu fiquei sabendo que teria uma mobilização pelo Dia das Mulheres aqui e resolvi vir tirar meu documento”, contou Clebia.
A unidade móvel do Procon também esteve na Praça da República dando orientações sobre os direitos do consumidor. A professora Patrícia Barata buscou informações sobre a cobrança abusiva de uma instituição de ensino. “Nós trabalhamos durante a semana e não temos tempo de ir atrás de informações. Essa iniciativa foi ótima, e serviu para tirar minhas dúvidas sobre uma cobrança. Agora estou por dentro dos meus direitos enquanto consumidora”, disse a professora.
A programação alusiva ao Dia Internacional da Mulher continua neste domingo (8), com agentes de saúde e profissionais da área de beleza atendendo ao público, a partir de 8 horas, na Praça da República.
Texto:
Leba Peixoto


Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...