Total de visualizações de página

quinta-feira, junho 05, 2014

Governador anuncia para este mês a ordem de serviço do Hospital Regional de Castanhal




Público lota o Theatro da Paz para encontro da Amazônia Jazz Band com o músico Proveta
O público lotou o Theatro da Paz, na noite desta quinta-feira, 5, para assistir ao encontro da Amazônia Jazz Band, velha conhecida das mais variadas plateias paraenses, com um dos músicos mais aclamados da atualidade, Nailor Azevedo, ou simplesmente o “Proveta”, como é conhecido na cena musical. “É a primeira vez que tocamos juntos, mas sinto como se sempre tivesse tocado com eles. Para mim, a experiência tem sido uma grande festa, porque a música é para ser comemorada exatamente como eles fazem. Então estou em casa”, declarou Proveta.
O músico, que já acompanhou muitos dos principais artistas brasileiros, entre eles Milton Nascimento, Gal Costa, Edu Lobo, Raul Seixas, Guing e Yamadú Costa, além dos internacionais Joe Wiiliams, Anita O’Day, Benny Cater e Natalie Cole, se juntou a Amazônia Jazz Band durante “Incompatibilidade de gênios”, composição de João Bosco e Aldir Blanc, executada com arranjo do mastro Nelson Faria, titular da banda e responsável pelo convite a Nailor.
À essa altura, o público já havia sido aquecido com a performance da swingada “Watermelon Man”, do norte-americano Herbie Hancock. Entrosados e sem poupar energia, os músicos caíram no gosto do público, que vibrou a cada término das obras escolhidas para a apresentação. No programa, que teve como proposta o encontro da música brasileira com o jazz, e do popular com o erudito, houve espaço para “Summertime”, um dos maiores clássicos jazzísticos, composto por George Gershwin e imortalizado pelas vozes de Billie Holiday e Ella Fitzgerald.
Entre as obras brasileiras, “Choro”, de Noel Rosa, “Aqui ó”, de Toninho Horta, e “1 x 0”, de Pixinginha, receberam arranjos de Proveta. Entre o público, a apresentação foi só elogios. Antes mesmo do início do concerto muitos fizeram questão de se declarar fãs da Amazônia Jazz Band. “Acompanho sempre porque adoro essa mistura que eles fazem, sempre dando uma pegada mais jazzística para tudo quanto é música. Lembro de um concerto em que eles fizeram isso com clássicos eruditos, em 2012. Isso me marcou e até hoje é meu concerto preferido. Sou fã de carteirinha”, disse a arquiteta Rebeca Nunes, 24, que foi ao Theatro da Paz acompanhada do irmão Gabriel, 19.
O concerto da Amazônia Jazz Band fez parte do XXVII Festival Internacional de Música, promovido pelo Governo do Pará, por meio da Fundação Carlos Gomes. Por isso, além da apresentação, o casal Rose Ferreira, 42, e Mário Prazeres, 39, elogiou a iniciativa como um todo. “Vejo um momento importante para a divulgação da cultura, da música. Sempre que posso participo porque a gente tem a oportunidade de conhecer grandes nomes da música através do festival, além de poder prestigiar aqueles que já conhecemos, como é o caso da Amazônia Jazz Band. E é sempre um prazer”, disse Rose.
Variedade
Além do Theatro da Paz, o público teve diversas opções musicais durante a noite de quinta-feira. No anfiteatro Pedro Nolasco, da Estação das Docas, quem se apresentou foi o grupo de choro Clave da Lua, formado pelos músicos Danny Lúcio (violão de seis cordas), Thiago Amaral (clarinete) e Bruno Miranda (percussão). Durante a apresentação, o grupo tocou músicas de Waldir Azevedo, Jacob do Bandolim, Paulinho Nogueira, Sereno Araújo, Pixinguinha e Baden Powell. “Participamos do festival desde 2009 e sempre é muito positivo pra nós”, disse Thiago.
Na Igreja de Santo Alexandre houve a apresentação do Quarteto da Guanabara e na Catedral Metropolitana do Duo Art Verum - Vadim Klokoff (fogote) e Anna Frank (órgão). Já no Teatro Waldemar Henrique quem se apresentou foi Paulo Moura e a Orquestra de Choro. No CamarIN Cultural, a cantora e compositora cubana Yusa, reconhecida mundialmente, inclusive com nomeações para a prestigiada premiação da BBC Radio 3, o World Music Awards, fez parceria com o contrabaixista paraense Nei Conceição.
Nesta sexta-feira, 6, às 13h, ocorre a apresentação das oficinas musicais realizadas durante esta semana de festival, na Sala Éttore Bósio, da Fundação Carlos Gomes. Às 18h, o grupo Uirapuru se apresenta no anfiteatro da Estação das Docas. Às 19h ocorre a apresentação do Quinteto de Cordas Catarinense, no Teatro Waldemar Henrique, e da peça “A ocasião faz o ladrão”, no Teatro Cuíra. Às 20h30 tem o Percussion Project Rostock & String Quartet no Theatro da Paz. A programação se encerra com a Gigi Furtado, no CamarIN Clutural, a partir das 22h30.

Texto:
Amanda Engelke




Uepa apresenta títulos e projetos na Feira Pan-Amazônica do Livro
A Universidade do Estado do Pará (Uepa) está presente em diversos espaços e momentos da programação da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, que ocorre, em Belém, até o próximo domingo (8). Quem visitar a feira poderá conferir as publicações da Editora da Uepa (Eduepa), a produção de professores e a participação de alunos em debates sobre literatura.
No estande da Associação Brasileira de Editoras Universitárias (Abeu), que reúne 19 editoras de instituições públicas e privadas, a Eduepa apresenta os trabalhos resultantes da produção acadêmica de alunos e professores da Instituição e obras de autores paraenses, entre elas, "Primeira Manhã", de Dalcídio Jurandir e, a mais recente publicação, "Cenas da Vida Amazônica"de José Veríssimo.
Para o coordenador da Eduepa, Paulo Murilo Guerreiro, a reunião das várias obras que levam o selo das instituições acadêmicas garante a variedade dos títulos ao visitante, a legitimidade e a qualidade das produções. "A Uepa sente-se lisonjeada em receber o convite da Abeu para expor em estande coletivo, tanto pela honraria de dividir espaço com associadas de prestígio quanto pela visibilidade diferenciada que a Eduepa tem enquanto integrante de uma Associação sólida que congrega 120 sócios de todas as regiões do Brasil", ressalta o coordenador.
Aluna do curso de direito, Bianca Von Grapp Diniz foi ao estande em busca de referências bibliográficas para seus estudos. “Esse estande contribui nas áreas específicas, da literatura à engenharia. Aqui podemos ver as produções de nossos professores, o que nos aproxima da bibliografia. As produções da Uepa serão muito importantes para meus primos e amigos que prestarão vestibular. Além disso, os autores editados pela Uepa possibilitam a nós, paraenses, conhecermos a nossa própria história”, destacou a universitária.
Os visitantes da feira também podem conhecer a Tabuada Colorida, fruto do trabalho desenvolvido entre professores de matemática e docentes da Uepa e da Universidade Federal do Pará (UFPA). O material, que procura aproximar o ensino da matemática dos estudantes com uma metodologia lúdica, por meio da diferenciação das cores, está sendo distribuído a alunos de escolas públicas por meio do projeto Mano da MatemáticaNessa iniciativa, 15 escolas foram selecionadas para receber 100 kits, cada um contendo uma tabuada, um CD-Rom e um jogo educativo.

Texto:
Janine Bargas


HGT oferece palestra sobre ergonomia
Nos dias 10, 11, 12 e 13 deste mês, o Serviço Especializado em Engenharia de Segurança de Medicina do Trabalho do Hospital Geral de Tailândia (HGT) oferece palestra sobre Ergonomia, especificamente abordando a Norma regulamentadora 17 (NR 17) que estabelece parâmetros que permitem a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, visando proporcionar o máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente dos colaboradores. A ação faz parte do conjunto de ações previstas no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA).

Texto:
Vera Rojas


Fundação Tancredo Neves leva ônibus-biblioteca para a Feira do Livro
O ônibus-biblioteca da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves estará até domingo (8) no estacionamento do Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, como parte da programação da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro. Parte da equipe de técnicos em gestão cultural que atua na biblioteca está ainda no estande da Secretaria de Estado Educação (Seduc), promovendo diversas atividades voltadas para o público infanto-juvenil.
À convite da Seduc, o ônibus-biblioteca leva técnicos e dezenas de livros para atender ao público da Feira Pan-Amazônica, promovendo a leitura e esclarecendo sobre a importância da preservação do acervo de bibliotecas. No estande da Seduc, a programação é mais extensa, com sarau de histórias (como o clássico “Ali Babá e os 40 Ladrões”), rodas de leitura, oficinas de confecção de livros artesanais, jogos literários e teatro com fantoches (com as peças “Dona Baratinha” e “Menina Bonita do Laço de Fita”).
“Boa parte dessa programação, como as rodas de leitura, os jogos e o sarau literário, é voltada para a temática da Feira do Livro: o Qatar. Queremos aproveitar para repassar às crianças, de forma lúdica, um pouco sobre esse país e sua cultura maravilhosa, cheia de contos, histórias e cores”, destaca a gerente de Promoção da Leitura da Fundação Tancredo Neves, Paula Sena. Ao todo, seis técnicos em gestão cultural e artes da fundação atuam na programação. Mais Informações: (91) 3202-4394.

Texto:
Luiz Flávio


Encontro com Roberto DaMatta e debates sobre bullying e história são destaque nesta sexta-feira
A programação desta sexta-feira (6) da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro tem como convidado do Encontro Literário um dos grandes nomes das ciências sociais brasileiras: Roberto DaMatta. Autor de diversas obras de referência na antropologia, sociologia e ciência política, como “Carnavais, Malandros e Heróis” e a “A casa e a rua”, ele participa do evento no auditório Dalcídio Jurandir, às 19 horas, e, logo em seguida, às 20h30, autografa obras no Ponto do Autor.
No Encontro Literário Paraense, o tema será “Jornalismo e literatura: entre o real e o ficcional”. A partir das 17h30, no auditório Dalcídio Jurandir, os jornalistas e escritores Ronald Junqueiro, Ruth Rendeiro e Walter Pinto debatem o assunto. Às 15h30, no mesmo local, o Papo Cabeça vai discutir um assunto muito atual: “Violência escolar, bullying e responsabilidade civil”. Quem fala sobre o tema é a pesquisadora paraense Nariman Muzaffar.
A programação do Seminário da Pan-Amazônia também segue nesta sexta-feira (6). Pela manhã, às 10h30, Nírvia Ravena (PA), Sabine Reiter (Alemanha) e Willi Bolle (Alemanha), com mediação de Rosane Oliveira (PA), participam da mesa “Polissemia da fronteira”. A partir das 14h30, Agenor Sarraf, Maria Stella Guimarães e Marinilce Coelho, com mediação de Raimundo Diniz, falam sobre “Narrativas, autores e protagonistas”. O seminário ocorre no auditório Eneida de Moraes.
História - A feira também vai lembrar uma data importante para a história brasileira, com o seminário “Os 70 Anos do Dia D e o Brasil na II Guerra Mundial”, que começa às 15 horas. O evento terá uma mesa redonda que vai discutir os seguintes temas: “O cenário da II Guerra” e “Os 70 anos do dia D: A invasão da Normandia”, com José Alves Júnior, e “O afundamento de navios brasileiros na II Guerra”, com Marcelo Monteiro (RJ). Às 17 horas, Raimundo Castro (PA) ministra a palestra “Os Pracinhas do Pará na II Guerra”. O evento será na sala Marajó.
Nesta sexta, o musical “Era uma vez... Grimm” terá duas sessões, às 16 horas, com a versão infantil, e às 20 horas, com o espetáculo adulto. O musical de José Mauro Brant tem canções compostas pelo maestro Tim Rescala e comemora os 200 anos da edição do primeiro volume de contos dos Irmãos Grimm.
Informação é a principal arma contra o bullying, diz advogada
Para a advogada Nairam Muzzaffar, que conversa com o público jovem a partir das 15h30 desta sexta-feira (6), na Feira do Livro, sobre “Violência escolar, bullying e responsabilidade civil”, o bullying deve ser enfrentado com informação e o combate à cultura de impunidade, que vê a violência como algo normal e geralmente também vivenciada em um ambiente familiar hostil. A advogada afirma que a mídia tem um papel essencial para inibir esse problema, mas acaba criando distorções.
“A minha metodologia busca apresentar propostas de uma forma didática de situações de convivência em conflito, a partir de relatos de adolescentes que tive oportunidade de ouvir na minha pesquisa, para que estudantes se identifiquem com a situação e façam uma autocrítica sobre esse tipo de conduta”, defende.
O assunto foi o tema da monografia de Nairam, que resultou em um livro chamado “Violência Escolar: Bullying e Responsabilidade Civil”, lançado em março deste ano pela Editora Mentes. A publicação pode ser adquirida em estandes da feira e estará disponível no local do evento. ”Ao contrário do que a gente pensa, o bullying existe em maior nível em escolas particulares. Justamente por esse equívoco há a noção que a pessoa rica, quando pratica algum roubo é cleptomaníaca, mas quando é a pessoa pobre, acaba sendo presa por dez anos”, aponta.
Outra questão que surge na mídia quando se fala em jovens infratores é a redução da maioridade penal. “Acredito que a redução da maioridade apenas aumentará o problema, porque não há eficácia na questão punitiva, e isso não vai fazer com que a juventude tenha consciência que essa prática de violência é errada”, analisa. O Papo Cabeça com a advogada Nairam Muzzafar será transmitido ao vivo pelo site da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, cuja programação completa pode ser conferida no site www.feiradolivro.pa.gov.br.

Texto:
Sonia Ferro


Governador anuncia para este mês a ordem de serviço do Hospital Regional de Castanhal
A ordem de serviço para a construção do Hospital Regional de Castanhal, no nordeste do Pará, será assinada até o fim deste mês. A notícia foi dada pelo governador Simão Jatene durante participação, nesta quinta-feira (5), do Seminário de Integração para o Desenvolvimento Sustentável de Castanhal e Região, no Parque de Exposição do município.
A notícia era esperada pela população de Castanhal, e foi festejada pelos presentes. Simão Jatene destacou que, por fazer parte de uma região importante economicamente para o Estado, Castanhal é um município que faz parte do projeto estratégico pensado para a região. “Temos previstas para cá a reconstrução de rodovias e a ponte sobre o rio Capim, entre outras obras importantes para alavancar o desenvolvimento”, ressaltou, lembrando ainda sua ligação emocional com a cidade em que passou a infância.
Para o governador, o Brasil começa a perceber a necessidade de encontrar uma rota para o Norte, e o Pará passa a ser fundamental para o país. A localização privilegiada dessa região, no sentido da logística, permite a implantação de portos, que devem ser não apenas pontos de saída de produtos primários, mas também porta de entrada de produtos. “É essa preocupação que temos ao projetarmos a plataforma logística do Guamá, que está na fase final de projeto, para começar as obras de engenharia.  É uma obra de integração entre Estado e iniciativa privada”, explicou.
Simão Jatene disse ainda que, a exemplo do que foi feito nos hospitais regionais de Santarém e Marabá, o governo do Estado vai transformar o regional de Castanhal em um centro de estudos de medicina, com a implantação do curso no município. “Tenho certeza que isso vai possibilitar muitas oportunidades para os jovens, que não vão precisar sair daqui para continuar os estudos”, afiançou.
O vice-governador Helenilson Pontes também destacou a importância econômica da região para o Estado. “É muito bom ver que a sociedade local está preocupada com o desenvolvimento de Castanhal e da região, ao promover um evento que debate a implantação de projetos de logística, sem esquecer o desenvolvimento sustentável”, afirmou.

Texto:
Janise Abud


Operação Minerva reforça a segurança em Belém até o fim de semana
O Sistema Integrado de Segurança Pública do Pará deu início nesta quinta-feira (5) à Operação Minerva, nas bairros de abrangência das seccionais urbanas do Guamá, Cremação e São Braz, em Belém. A operação conta com barreiras de fiscalização no trânsito, feitas por homens da Polícia Militar e agentes de trânsito do Departamento de Trânsito do Pará (Detran) e da Secretaria Executiva de Mobilidade Urbana (Semob), da Prefeitura de Belém, além de outras ações ostensivas e repressivas ao crime, como incursões, abordagens, ações de saturação e cumprimento de mandados de prisão.
A meta da operação é reduzir os índices de ocorrências registrados nessas áreas e manter a ordem pública, o respeito ao ordenamento jurídico, com ações preventivas e repressivas, visando garantir a proteção do patrimônio e aumentar a sensação de segurança da sociedade belenense. A operação se estende por todo o fim de semana.
Pela manhã, cerca de 1,5 mil mídias piratas foram apreendidas em duas feiras no bairro da Terra Firme. A apreensão foi feita em conjunto por policiais militares, guardas municipais e agentes da Secretaria Municipal de Economia (Secon). Ainda no primeiro dia da operação, em duas barreiras policiais de fiscalização de trânsito, montadas nas Avenidas José Bonifácio e Bernardo Sayão, no Guamá, 72 condutores de motos foram abordados, e 13 deles autuados por irregularidades.
Ao todo, 51 mototaxistas foram abordados, dos quais oito foram autuados. Houve duas remoções de um total de 45 carros de passeio fiscalizados. Dois motoristas foram autuados. As barreiras também abordaram, com fiscalizações, sete caminhões, 27 vans, 20 ônibus, doze condutores de bicicletas e 331 pessoas em via pública.
O posto de comando integrado da operação está montado em frente à Seccional Urbana do Guamá, que funciona como apoio e contato direto com todos os órgãos. Participam da operação integrantes da Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal, Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe), Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe) e seccionais de Polícia, Corpo de Bombeiros, Programa Pro Paz, Conselho Tutelar, Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, Guarda Municipal de Belém e secretarias municipais de Economia (Secon), Saúde (Sesma), Meio Ambiente (Semma) e Juventude, Esporte e Lazer (Sejel).

Texto:
Walrimar Santos





Adiada reinauguração do Teatro Margarida Schivasappa, que recebe Pássaros Juninos nesta sexta
A apresentação dos grupos de Pássaros Juninos no Teatro Margarida Schivasappa será, juntamente com a apresentação das quadrilhas juninas da capital e do interior, a grande atração desta sexta-feira dentro do “Arraial de Todos os Santos”, que integra o “São João do Pará: Tem Festa em Todo Lugar” na Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (FCPTN).
A reabertura oficial do Margarida Schivasappa não ocorrerá nesta sexta-feira, mas a programação junina será mantida no espaço. “Por compromissos já assumidos anteriormente, o governador não poderá estar na fundação amanhã. Como ele faz questão absoluta de estar presente nessa reinauguração, decidimos adiá-la para daqui a alguns dias, com a presença de Simão Jatene. Mas toda a agenda junina já acertada permanece inalterada no teatro”, destaca Nilson Chaves, presidente da Fundação.
Nesta sexta a primeira apresentação será às 19h, com o Pássaro Junino Tem Tem. Logo em seguida, às 20h, sobe ao palco do Margarida o Grupo Parafolclórico BFAM. A programação de pássaros ainda terá continuidade nos dias 8, 10, 11, 13 e 14 de Junho. No sábado (7), o MargaridaSchivasappa recebe o show musical com Yuri Guedelha e Banda em homenagem aos 100 anos de Luiz Gonzaga, o rei do Baião.
Serviço:
Programação no Teatro Margarida Schivasappa
Dia 6/06 (sexta-feira)
19h – Pássaro Junino Tem Tem;
20h – Grupo Parafolclorico BFAM
Dia 7/06 (sábado)
20h - Show musical com Yuri Guedelha e Banda em homenagem aos 100 anos de Luiz Gonzaga

Texto:
Luiz Flávio


Igarapé-Açu, no nordeste do Pará, recebe obras de infraestrutura e segurança
O governador Simão Jatene assinou nesta quinta-feira (5) ordem de serviço e convênios que preveem investimentos de R$ 3,7 milhões no município de Igarapé-Açu, região nordeste paraense. Em visita ao município, Jatene vistoriou as obras de construção da ponte do rio Livramento e o asfaltamento da rodovia PA-242, no trecho Igarapé-Açú/ Livramento/ Nova Timboteua, que deverão ser entregues à população no fim deste mês.
A ponte está sendo totalmente recuperada pela Secretaria de Estado de Transportes (Setran), com recursos estaduais no valor global de R$ 3,1 milhões. Segundo o titular da Setran, Eduardo Carneiro, além da ponte, a caixa d’água que fica próxima também será reformada, e outra ponte será construída no Livramento para permitir a via dupla de veículos. “O governo já asfaltou 28 quilômetros do trecho que liga Nova Timboteua a Peixe-Boi, e vai entregar o novo trecho, que corresponde a 23 quilômetros”, afirmou, informando que os investimentos totais na pavimentação asfáltica chegam a R$ 41 milhões.
Em Igarapé-Açu, Simão Jatene inaugurou a Unidade Integrada Pro Paz (UIPP) e uma agência do Instituto de Assistência aos Servidores do Pará (Iasep). A UIPP de Igarapé-Açu é a primeira a ser entregue com o Departamento de Trânsito do Estado (Detran) integrado aos serviços das polícias Militar e Civil. Segundo o secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Luiz Fernandes, até o fim deste ano, o governo deverá entregar 40 unidades em todas as regiões do Estado. “Esta é a 19ª a ser inaugurada, e até o fim deste semestre mais oito deverão ser entregues”, informou.
O Iasep também está descentralizando os serviços no interior do Estado. A presidente do instituto, Iris Gama, informou que a agência entregue no município é a 12ª a ser inaugurada. “Mais 17 estão sendo construídas”, frisou, revelando que o Iasep tem 247 mil segurados em todo o Estado.
Avanço – Ao vistoriar as obras, o governador destacou a importância delas para o desenvolvimento da região. “A retirada da estrada de ferro foi um impacto negativo muito grande para essa região. Reconstruir essa ponte é o resgate da história e da memória, além de zerar uma dívida com o município que já foi o maior produtor de pimenta do reino do Estado”, destacou Jatene.
A estrada, segundo o governador, também devolverá a autoestima aos moradores do município, porque garantirá um futuro digno a toda a população. Quanto à ordem de serviço e os convênios assinados, Jatene lembrou que o governo é apenas a ferramenta ao investir em obras e serviços, pois “é o povo que paga as obras com os impostos”.
Com a ordem de serviço e os convênios, Igarapé-Açu ganhará um ginásio poliesportivo com investimentos de R$ 1 milhão; asfalto de oito quilômetros na cidade, no valor de R$ 2,3 milhões, e uma praça de alimentação de R$ 362 mil. Ainda no município, Simão Jatene entregou Cred Cidadão – programa de microcrédito do governo que dá oportunidade a microempreendedores – a onze mototaxistas.
A prefeita de Igarapé-Açu, Sandra Uesugi, agradeceu ao governador pelos benefícios entregues à população, informando que as obras representam o desenvolvimento e os serviços, mais dignidade para os moradores do município. Participaram da programação o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Márcio Miranda; o vice-governador Helenilson Pontes; os deputados estaduais José Megale e Junior Hage; o deputado federal Zequinha Marinho, e os prefeitos de Bujaru, Magalhães Barata, Santa Luzia do Pará, Maracanã, Ourém, São Francisco do Pará, Nova Timboteua e Santa Maria do Pará.

Texto:
Janise Abud


Mestrado em educação da Uepa divulga resultado da terceira fase
A Universidade do Estado do Pará (Uepa) divulgou nesta quinta-feira (5) o resultado da terceira fase da seleção para o mestrado em educação, que consistiu na análise das propostas de pesquisa de cada candidato. A próxima etapa, que são as entrevistas, ocorre no período de 9 a 18 deste mês. O resultado e a agenda de entrevistas estão no site da Uepa, www.uepa.br.
É possível interpor recursos entre as fases da seleção, no prazo de um dia útil, tendo como termo inicial o primeiro dia útil subsequente à data de divulgação do resultado que se quer contestar. Ao todo, são ofertadas 30 vagas, sendo 16 para a linha de pesquisa Formação de Professores, voltada à compreensão dos processos de constituição dos educadores, com aprofundamento teórico-metodológico sobre a construção de projetos alternativos.
Outras 14 vagas são destinadas para a linha Saberes Culturais e Educação na Amazônia, que propõe uma investigação sobre temas educacionais relacionados a saberes, representações, conhecimentos e imaginários próprios das realidades regionais e nacionais. As atividades do Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado são desenvolvidas em tempo integral. Mais informações sobre as linhas de pesquisas e sobre os docentes podem ser obtidas no site www.uepa.br/mestradoeducacao. O início das aulas está previsto para o segundo semestre deste ano. O cronograma completo da seleção e todos os detalhes estão disponíveis no edital.

Texto:
Ize Sena


Técnicos discutem os desafios de controlar as DST/ Aids e hepatites na região Norte
Até sexta-feira (6), coordenadores de Programas de DST/ Aids e Hepatites Virais da região Norte estarão reunidos no auditório da Aldeia Cabana, em Belém, para discutir assuntos pertinentes à política de DST, HIV/ Aids e hepatites virais nos Estados da Amazônia. Trata-se da 13º Macro Norte, que está sendo conduzida por uma equipe técnica destacada pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.
No Pará, foram registrados mais de 600 casos novos de hepatites virais ao longo de 2013, segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde. Em grande parte, esse aumento da notificação se deu pelo esforço da Coordenação Estadual de Hepatites Virais em prol da busca ativa de pacientes ainda sem sintomas, o que favorece o desempenho do tratamento disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Segundo o Ministério da Saúde, os cinco tipos de hepatites virais (A,B,C, D e E) já atingiram, desde 1999, quase 400 mil pessoas no país.
Esses são os casos confirmados da doença, com pacientes que apresentaram sintomas, mas o grande desafio para os especialistas é o grande número de pessoas que sequer sabem que estão com hepatites, sobretudo a do tipo C, conforme elucidou a coordenadora geral de Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Elisa Cattapan, presente na abertura do encontro.
Ela explica que encontros como esses fortecelem a articulação política para que o Brasil continue tendo fôlego para avançar no controle das hepatites, tal como ainda faz na luta contra a Aids, cujo acesso universal pelo SUS tem sido um ícone em se tratando de assistência em saúde para o mundo. Além de Eliza, o secretário de Estado de Saúde Pública, Helio Franco, também fez um panorama de outras doenças igualmente preocupantes quando relacionadas à Aids, como os impactos causados pela hepatite C na população e, sobretudo, aos que já foram infectados pelo HIV e a transmissão vertical da sífilis, ou seja, da mãe para o bebê – fatos que poderiam ser evitados se a Atenção Primária no Pará estivesse, de fato, empenhada.
Também presente no seminário, a coordenora estadual de Hepatites Virais, Cisalpina Cantão, resssaltou a expectiva por uma maior troca de ideias entre os técnicos participantes, no que diz respeito às linhas de cuidado e do fortalecimento da vigilância, sobretudo no protagonismo dos municípios no junto à população. “Estes encontros macrorregionais servem para aprimorar as experiências em favor do controle dessas doenças”, explicou.
Diálogo – A coordenadora estadual de DST/ Aids, Deborah Crespo, destacou ainda que o governo estadual continua empenhado nas ações de prevenção e que, aliado à nova modalidade de videoconferência semanal feita a partir da Telessaúde, em Belém, poderá dialogar com técnicos de localidades mais distantes do Pará a fim de orientá-los sobre as mais diversas orientações sobre a Aids e as doenças sexualmente transmissíveis.
Ela também recomendou aos participantes empenho especial em favor das mais recentes recomendações do ministério, que orienta o tratamento imediato de pessoas que vivem com o HIV, que até então era feito apenas em pacientes que já estavam com Aids. Com isso, as notificações compulsórias vão continuar aumentando, pois não serão feitas somente com base em pacientes com Aids, crianças expostas e grávidas. 
Nesse caso, o Pará dispõe de 61 Centros de Testagem e Acolhimento (CTA) e 19 unidades de Serviço Ambulatorial Especializado em DST/Aids. tualmente, mais de 4,5 mil pessoas recebem medicamentos retrovirais. Já os testes rápidos de hepatites estão disponíveis, por enquanto, em Abaetetuba, Altamira, Ananindeua, Barcarena, Belém (na Uredipe e na Casa Dia), Bragança, Cametá, Castanhal, Capanema, Itaituba, Marabá, Parauapebas, Redenção, Santarém e Tucuruí.
Nesta sexta-feira (6), serão abordadas durante o Encontro as perspectivas alusivas à Portaria 3.276, de 26 de dezembro de 2013, que regulamentou o incentivo financeiro de custeio às ações de vigilância, prevenção e controle das DST/ Aids e Hepatites Virais, junto aos municípios tidos como prioritários. Outros tópicos vão abordar a estruturação da rede de atenção às hepatites virais, o protocolo clínico de diretrizes terapêuticas para o manejo dessas doenças na Atenção Básica e o sistema de informação e notificação de casos.
Após o almoço será elaborado um documento intitulado “Carta do Pará”, que deve trazer uma exposição clara de intenções e propostas a serem implementadas pelas coordenações presentes com a visibilidade dos representantes das organizações da sociedade civil que estiverem participando das atividades. O final das atividades será marcado pela escolha do Estado que sediará a próxima Macronorte, em 2015, e pela análise da Carta de Princípios do Macrorregional de 2014.
Serviço: O 13º Encontro Macrorregional de Coordenadores e Coordenadoras de Programas de DST/ Aids e Hepatites Virais da Região Norte segue até 6 de junho, de 8 às 17 horas, no auditório da Aldeia Cabana, em Belém. Informações pelo telefone (91) 4006-4306.

Texto:
Mozart Lira


Caravana da Leitura leva leitura e informação à Feira do Livro
Numa parceria entre a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e a Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, a Caravana da Leitura brindará os visitantes da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, até domingo (8), quando se encerra o evento, com exposições, dramatizações, teatro de fantoches e sessões de contação de histórias que só a magia e o poder da literatura são capazes de proporcionar.
Em um evento como a Feira do Livro há uma série de oportunidades para que a população se aproxime de boas histórias e de textos bem escritos que fazem jus à beleza da língua portuguesa. A Seduc levou este ano para o evento um espaço temático voltado para o desafio de melhorar a qualidade do ensino, meta principal do Pacto pela Educação do Pará.
O projeto Caravana da Leitura oferece atividades de fomento à leitura e à informação para municípios de todas as regiões de integração do Pará. O Ônibus Biblioteca é uma das principais ferramentas que levam a contação de histórias, gincanas, bingos culturais, teatro de fantoches e consulta ao acervo móvel. Além das atividades do ônibus, o projeto desenvolve um importante trabalho de capacitação de mediadores de leitura e treinamento para assistentes administrativos lotados em bibliotecas ou salas de leituras por meio de oficinas.
O Sistema de Bibliotecas da Seduc é responsável pela participação da Caravana da Leitura da Biblioteca Estadual Arthur Vianna, estacionada na área externa do Hangar Convenções e Feiras da Amazônia. O Credlivro é outra forma encontrada para estimular não só a formação de um acervo literário entre os professores do Estado, mas, também, de proporcionar aos estudantes mestres com ainda mais informação a oferecer.
Segundo a coordenadora do Sistema de Bibliotecas Escolares do Estado, Arilene Piedade, os recursos envolvidos são da ordem de R$ 4 milhões, que alimentam o movimento de vendas na feira e também os conteúdos em sala de aula. São R$ 3 milhões para 20 mil professores do Estado e R$ 1 milhão para três mil do município.  "Além de qualificar o professor com o que há de mais atual no mercado editorial com literatura corrente em todas as áreas do conhecimento, a participação de professores na Feira do Livro desperta para a importância da leitura, que proporciona acesso à informação e ao conhecimento”, diz Arilene.

Texto:
Jimena F. Beltrão


Mutirão carcerário avalia processos de presos recapturados
O Tribunal de Justiça do Estado (TJE), em parceria com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), começou a avaliar processos penais de internos foragidos que foram recapturados pela polícia e estão custodiados nas Centrais de Triagem da Região Metropolitana de Belém (RMB). A ação foi um pedido da Susipe ao Judiciário com o objetivo de regularizar a situação dos detentos e diminuir a superlotação. Nesta quinta-feira (5), o trabalho foi feito na Cidade Nova, em Ananindeua.
O interno Benedito Ribeiro, 38 anos, foi um dos ouvidos em audiência pelo juiz da 1ª Vara de Execuções Penais da Capital, Cláudio Rendeiro, no Fórum Criminal de Belém. Ele contou que fugiu da Colônia Agrícola Penal de Santa Isabel no dia 10 de maio deste ano, mas depois decidiu se apresentar no Centro de Recuperação do Coqueiro, em Belém. “Tive medo de morrer na colônia, pois estava sendo ameaçado, e por isso decidi fugir. Depois de nove dias foragido, vi que não era a melhor opção e decidi me apresentar para terminar de cumprir minha pena”, disse.
Ao saber que seria beneficiado com a progressão de regime do semiaberto para o domiciliar, ele comemorou a nova chance. “Fui condenado há mais de 20 anos de prisão e já cumpri 14 anos. É uma oportunidade de me reintegrar à sociedade, pois uma nova vida é possível quando se tem vontade. Já tenho um emprego garantido, e em dezembro vou casar com a minha companheira, mãe dos meus dois filhos”, contou.
Além de Benedito, outros onze internos da Central de Triagem da Cidade Nova participaram das audiências. No total, a Justiça concedeu um livramento condicional, um restabelecimento para o regime semiaberto e nove prisões domiciliares, além de ter feito uma audiência.
O juiz Cláudio Rendeiro explicou que a intenção do mutirão é desafogar as unidades que custodiam presos provisórios ou beneficiar aqueles já têm direto a algum beneficio de progressão da pena. “São nas centrais de triagem que encontramos casos de detentos que, depois de fugirem, acabaram recapturados e estão aguardado apenas uma audiência de justificação. Aqui, eu defino se o interno vai regredir de regime ou se será restabelecido o regime que cumpria antes da fuga, que pode ser o aberto, semiaberto ou fechado”, explicou.
Na última segunda-feira (2), 36 internos da Central de Triagem da Cremação foram ouvidos, 17 deles progrediram para o regime domiciliar e receberam livramento condicional e outros quatro retornaram para o semiaberto. “O mutirão carcerário é um mecanismo de controle da assistência jurídica e da população carcerária do Pará. No ano passado fizemos esse mesmo mutirão e foi um sucesso. No segundo semestre, vamos programar mais ações como estas para diminuir a superlotação nas centrais de triagem da Região Metropolitana de Belém”, disse a gerente da Divisão de Presos Sentenciados do Núcleo de Execução Criminal da Susipe, Waléria Albuquer.
Em 2013, o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário, formado pela Susipe, em parceria com o TJE, Ministério Público, Defensoria Pública e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), fez mutirões carcerários em 41 unidades prisionais do Pará. O grupo visitou presídios do interior e região metropolitana, incluindo as centrais de triagem. Mais de dois mil processos foram analisados.

Texto:
Timoteo Lopes


Emater implanta hortas escolares em comunidades rurais de Monte Alegre
Duzentos e vinte alunos da rede pública de ensino de Monte Alegre, na região do Baixo Amazonas, serão beneficiados com a implantação de cinco hortas agroecológicas nas comunidades de Lages, Ererê, Maxirazinho, Santana e Paytuna, zona rural do município. A iniciativa é do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), em parceria com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), dentro do projeto “Horta Escolar”.
O objetivo do projeto, coordenado pela Sema, é sensibilizar a comunidade escolar para as questões ambientais, promover a segurança alimentar e nutricional, além de servir como instrumento pedagógico para diferentes disciplinas. “Trabalhamos a questão de preservação do meio ambiente, pois na construção dos canteiros utilizamos materiais reciclados como garrafas pet e pneus”, explica o técnico em agropecuária da Emater, Orcinei Garcia.
As hortaliças produzidas - cebolinha, coentro, couve, alface e chicória - irão incrementar a merenda escolar e estimular o hábito de consumo desses vegetais por parte dos alunos. “Em aproximadamente 30 dias as hortaliças já poderão ser colhidas para compor a alimentação dos alunos”, enfatiza Garcia. Já está prevista a implantação de mais cinco hortas escolares no município até o final do ano.

Texto:
Paula Portilho


Asfalto impulsionará desenvolvimento no Araguaia
Fruto de um investimento de mais R$ 40 milhões do governo estadual, a pavimentação da vicinal do Bambu – Rodovia PA-449, no trecho entre Floresta do Araguaia e a BR-155, no sul do Pará, já atinge 27 dos 42 quilômetros de extensão da estrada, um importante eixo de integração entre os municípios da região do Araguaia, e fundamental para o escoamento da produção de Floresta, município que detém a maior produção de abacaxi no país. Depois de concluída, a vicinal deverá impulsar ainda mais a economia da região, também com grande potencial para a pecuária de corte.
Com sete metros de largura, a nova pista substituirá a antiga estrada de piçarra, que impunha uma série de dificuldades para o acesso ao município e, consequentemente, para o escoamento da produção. Somente de Floresta do Araguaia saem, diariamente, cerca de 70 caminhões carregados de abacaxi, e boa parte dessa produção é transportada pela PA-449 até a BR-155. Segundo os produtores locais, devido as condições da pista, muitos caminhões chegavam a tombar na vicinal, sobretudo em épocas de chuva, o que acarretava grandes prejuízos aos produtores.
Pioneiro no transporte do fruto de Floresta para o Brasil, o produtor Miguel Francisco dos Santos, 62, se recorda das dificuldades que encontrou na época em que mandou os primeiros caminhões carregados de abacaxi para a cidade de Belo Horizonte (MG), depois de ouvir uma pessoa que a fruta, naquele período, traria lucro, pois era escassa em várias regiões do país. “O povo começou a comentar que eu estava ficando doido, e quando comecei a quebrar pedras para jogar nos buracos que tinham na estrada para que o caminhão não atolasse, aí mesmo que o povo teve certeza, porque era praticamente impossível atravessar caminhão ali”, lembra.
Entretanto, Miguelino, como é conhecido na cidade, persistiu com a ideia e, hoje em dia, mais de 20 anos depois, conseguiu transformar a vida da família e escrever um capítulo essencial na história do município. “Depois, aquele mesmo pessoal que disse eu estava doido, enlouqueceu junto comigo. Foi todo mundo junto, inclusive meus filhos”. Segundo ele, três dos quatro filhos decidiram embarcar no negócio e hoje em dia também vivem da produção de abacaxi, ajudando a movimentar a economia do município. Juntos, eles produzem mais de três milhões de fruto por ano.
Da primeira plantação de cinco alqueires, em 1991, para a última, de 55 em 2013, Miguelino conta que muita coisa mudou e que a pavimentação da vicinal era um sonho antigo que agora finalmente se tornou realidade. “Sempre acreditei que isso fosse acontecer. Pelas dificuldades enfrentadas, todos nós ansiávamos por isso. Agora, com o asfalto chegando aqui, até os caminhões que saiam pelo Tocantins estão optando por trafegar pela PA-449 para pegar a BR-155. Uns 90% já fazem isso”, contabiliza.
Produção
A iniciativa de exportar a produção local de abacaxi, aposta feita por Miguelino e outros agricultores, atualmente movimenta cerca 170 milhões na economia de Floresta do Araguaia. De acordo com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado (Emater), de dezembro de 2012 a junho de 2013, o município produziu em torno de 200 milhões de frutos, em 13 mil hectares de áreas plantadas. “Há 25 anos a população daqui andava de bicicleta – o próprio Miguelino era uma dessas pessoas. E agora, graças a essa produção, o município tem condições de oferecer uma estrutura digna”, afirma o prefeito Alsério Kazimirski.
Segundo o secretário municipal de Agricultura, Wilker Lopes, com 17 anos de emancipação, Floresta do Araguaia concentra 80% da produção de abacaxi no Pará, fazendo que o estado seja o segundo maior produtor brasileiro do fruto, ficando atrás apenas da Paraíba. Impulsionada pela pavimentação, a previsão para este ano é colher 230 milhões de frutos, 10% a mais que o gerado na safra de 2013.
“Há muitos anos vínhamos tendo problemas com a estrada ruim e enfrentando dificuldades de nos locomovermos daqui para outros municípios. A pavimentação que está sendo finalizada este ano vem para resolver de uma vez por todas esses problemas. A importância dessa obra é enorme. Os caminhões que seguem pela PA-449 transportam muito mais que frutos, eles carregam a economia de todo um município”, diz Wilker.
Desenvolvimento
Assim como os produtores rurais, empresas como a Flora, que produz e exporta suco concentrado de abacaxi e cuja fábrica está instalada há 14 anos na PA-449, também serão diretamente beneficiadas com a pavimentação da estrada. Segundo o gerente administrativo da empresa, Eduardo Genuíno, a obra está sendo vista com bastante entusiasmo na região. “Hoje em dia, com a metade da pista asfaltada, já houve uma melhora considerável. Quando a pavimentação for concluída será ainda melhor e vai agilizar muito esse transporte, além de desenvolver mais a região”, opina.
Atualmente, segundo Genuíno, a empresa transporta 15 mil toneladas de concentrado em cinco caminhões por semana, até o Porto de Santos (SP), de onde o produto segue para países da Europa e do Mercosul. Cerca de 20% da produção abastece o mercado nacional, sendo utilizado por diversas empresas na fabricação dos sucos vendidos em caixa. “Sempre utilizamos a vicinal e já tivemos perdas por causa das condições da estrada. Quando acontecia de um caminhão tombar, a perda era total por se tratar de um produto perecível. Agora se isso acontecer, dificilmente será por conta das condições da estrada”, afirma.
De acordo com o engenheiro responsável pelas obras da PA-449, Gilson Silveira, devido ao intenso tráfego carretas e caminhões, a nova pista está sendo executada com uma base de 20 cm de laterita, uma sub-base de 15 cm e um revestimento asfáltico em CBUQ (Concreto Betuminoso Usinado a Quente) com três centímetros de espessura. “Isso atende ao volume médio de tráfego diário que tem na rodovia na época do pico da safra do abacaxi, que é entre os meses de janeiro a junho, suportando bem esse movimento”, assegura.
Sob o contrato inicial, orçado em R$ 33,8 mi, que previa a pavimentação de 44 km de estrada, o Estado realizou um aditivo de R$ 6 mi nas obras, como forma de contemplar um pedido da população, de que fosse feito um desvio de 3 km, evitando de que os caminhões trafeguem dentro da cidade. Por isso, ao todo, serão 45 km de asfalto. A pavimentação dos quilômetros aditivos será executada ainda este ano, logo após a conclusão da pavimentação da estrada prevista inicialmente pela Secretaria de Estado de Transportes (Setran).
Detalhamento da obra:
Pavimentação da Rodovia PA-449 (vicinal do Bambu), no trecho entre Floresta do Araguaia e a BR-155
Início da obra: Novembro de 2012
Previsão de Conclusão: Novembro de 2014
Valor: R$ 40.021.508,11
Andamento: 60%
Empresa Responsável: CONSTRUFOX
Secretaria Responsável: Secretaria de Estado de Transportes (Setran)

Texto:
Amanda Engelke


Encerra nesta sexta-feira o VII Encontro do Registro Mercantil com as Unidades da Jucepa
A Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa) promoveu ao longo de toda esta semana o VII Encontro do Registro Mercantil com as Unidades Desconcentradas e Avaliação da Gestão. A programação encerra nesta sexta-feira, 6, no auditório da sede da Junta Comercial do Estado do Pará, e conta com palestras sobre a tecnologia do Sistema Integrador Regin, em implantação na Junta Comercial, além de debates sobre cadastro, nome empresarial e cooperativa, entre outros temas.
Além da sede, a Jucepa possui Coordenadorias Regionais em diversos municípios como Abaetetuba, Altamira, Ananindeua, Capanema, Castanhal, Itaituba, Marabá, Novo Progresso, Paragominas, Parauapebas, Redenção, Santarém, Tucuruí e Xinguara. Entre os municípios que possuem Unidades da Junta que mais têm formalizado empresas estão, respectivamente, Marabá, Santarém, Castanhal, Redenção, Parauapebas, Capanema e Tucuruí.
Mônica Salomão, da Unidade Descentralizada no município de Tucuruí, acredita que o grande número de constituições no interior se dá em razão da formalização das atividades que antes eram praticadas de modo informal. “Está havendo também uma maior percepção por parte daqueles que atuam no mercado informal dos benefícios da formalização de uma empresa. Importante também garantir a celeridade, simplificação e desburocratização do processo de abertura de uma empresa, uma vez que o empresário já sai da Jucepa com o registro da empresa e CNPJ”.
Por meio do projeto de interiorização, a Junta tem se aproximado cada vez mais dos usuários. A Jucepa conta com 14 Unidades Desconcentradas (UD´s) e mais três em fase de implantação. O interior do estado contribuiu com 69,56% de todas as constituições de empresas feitas pela Jucepa neste primeiro trimestre de 2014. Em todo o ano de 2013, foi responsável por 68,80% de todos os registros de empresas realizados no Pará. Neste ano, o total de constituições de empresas até o mês de abril foi de 2.416 somente nas UD´s.
O Sistema Integrador Regin está entre os temas abordados no encontro. A Junta Comercial do Pará iniciou, no final de março, a primeira etapa de implantação do sistema, que tem como meta simplificar, desburocratizar e reduzir o prazo dos processos de abertura e alteração de empresas. A mudança atende a Lei federal do Redesim nº11.598/07 e busca modernizar as ações do Registro Mercantil, passando, em breve, a integrar todos os órgãos públicos envolvidos no registro de empresas, nas esferas municipal, estadual e federal. Atualmente, por meio do Regin, estão disponíveis aos usuários no site da Junta (www.jucepa.pa.gov.br) os serviços de Viabilidade e Requerimento Eletrônico.
Uma das deliberações feitas já neste encontro é que a partir de agora ele ocorrerá duas vezes no ano. "As Unidades Desconcentradas precisam de toda atenção e apoio, pois no interior as dificuldades são muito maiores. Todavia, é onde o Pará mais cresce, pois mais de 65% dos registros são feitos no interior. Então precisamos avançar, romper paradigmas. A era digital chegou e hoje o sistema Regin que atende a Lei federal do Redesim já é uma realidade na Jucepa, portanto vamos aproveitar o que pudermos dessa ferramenta, que veio para facilitar os processos e beneficiar o cidadão”, explica o presidente da Jucepa, Paulo Sérgio Pinheiro.

Texto:
Diane Maués


Oficina da Fundação Curro Velho desenvolve o conhecimento artístico do aluno
Nesta sexta-feira, 6 de junho, está programada a Mostra de Encerramento do segundo módulo de oficinas do primeiro semestre de 2014 da Fundação Curro Velho. Serão apresentados números de teatro, dança de rua, dança contemporânea, dança de salão, canto coral, violão, percussão e cavaquinho, entre outros. As apresentações são realizadas no teatro da Fundação Curro Velho, em dois horários, pela manhã, às 10h, e de tarde, às 15h. Toda a programação tem entrada franca.
Um dos resultados que será apresentado é a oficina de dança e teatro que foi ministrada pelo instrutor Milton Aires, que atua no meio artístico de Belém desde 1999, com trabalhos que unem as várias linguagens artísticas, dança, teatro, produção cultural. “Existem várias maneiras de repassar uma técnica. Eu acho uma maneira muito mais humana, trabalhar com o que o outro te oferece, então não planejei literalmente uma aula. Eu chegava, passava alguns exercícios e eles iam se desenvolvendo por si só”, comenta.
Durante as aulas, os alunos puderam aprender como desenvolver um trabalho cênico, a partir de estímulos bem particulares, como a improvisação. O instrutor utilizou as particularidades de cada aluno como sua referência artística. A partir desse ponto foi montado o que vai ser apresentado na culminância. “Fui unindo no percurso da oficina vários trabalhos de cena e assim foi montada uma estrutura cênica que é o resultado”, diz o instrutor.
No próximo dia 10 começa o último módulo de oficinas da Fundação Curro Velho. O instrutor Milton Aires vai ministrar uma oficina de teatro direcionada para quem tem experiência na área. As inscrições podem ser feitas até a próxima segunda-feira, 9, na sede da Fundação Curro Velho.

Texto:
Andreza Gomes


Oficina da Fundação Curro Velho desenvolve o conhecimento artístico do aluno
Nesta sexta-feira, 6 de junho, está programada a Mostra de Encerramento do segundo módulo de oficinas do primeiro semestre de 2014 da Fundação Curro Velho. Serão apresentados números de teatro, dança de rua, dança contemporânea, dança de salão, canto coral, violão, percussão e cavaquinho, entre outros. As apresentações são realizadas no teatro da Fundação Curro Velho, em dois horários, pela manhã, às 10h, e de tarde, às 15h. Toda a programação tem entrada franca.
Um dos resultados que será apresentado é a oficina de dança e teatro que foi ministrada pelo instrutor Milton Aires, que atua no meio artístico de Belém desde 1999, com trabalhos que unem as várias linguagens artísticas, dança, teatro, produção cultural. “Existem várias maneiras de repassar uma técnica. Eu acho uma maneira muito mais humana, trabalhar com o que o outro te oferece, então não planejei literalmente uma aula. Eu chegava, passava alguns exercícios e eles iam se desenvolvendo por si só”, comenta.
Durante as aulas, os alunos puderam aprender como desenvolver um trabalho cênico, a partir de estímulos bem particulares, como a improvisação. O instrutor utilizou as particularidades de cada aluno como sua referência artística. A partir desse ponto foi montado o que vai ser apresentado na culminância. “Fui unindo no percurso da oficina vários trabalhos de cena e assim foi montada uma estrutura cênica que é o resultado”, diz o instrutor.
No próximo dia 10 começa o último módulo de oficinas da Fundação Curro Velho. O instrutor Milton Aires vai ministrar uma oficina de teatro direcionada para quem tem experiência na área. As inscrições podem ser feitas até a próxima segunda-feira, 9, na sede da Fundação Curro Velho.

Texto:
Andreza Gomes


Emater avança com emissão de Cadastro Ambiental Rural na área da BR-163
Agricultores familiares de Aveiro, Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso, Placas, Ruropólis e Trairão, na área de influência da BR-163 (rodovia Santarém-Cuiabá), detentores de áreas com até quatro módulos fiscais, ou seja, 300 hectares de terra, podem procurar o escritório da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) em seu respectivo município, para fazer o Cadastramento Ambiental Rural (CAR) das propriedades. O serviço é gratuito e dá direito ao documento, que é obrigatório, de acordo com as novas normas do Código Florestal Brasileiro.
Segundo o engenheiro ambiental da Emater, Rodrigo dos Santos Lima, os agricultores estão sendo informados sobre a obrigatoriedade da apresentação do CAR, para a emissão da Guia de Transporte Animal – GTA, de acordo com o decreto nº 1052 de 16/05/2014. “Estamos esclarecendo sobre essa obrigatoriedade e mostrando a importância do cadastro. O agricultor procura o escritório da Emater, levando seus documentos pessoais e da propriedade e a equipe faz uma visita técnica para posterior elaboração do CAR. Esse processo leva em média cerca de 30 dias”, explica.
A Emater é a instituição que mais avançou na elaboração do documento, alcançando a marca de 15 mil CAR´s emitidos em todo o estado. Os sete municípios da área de influência da BR-163 são atendidos por meio do convênio 001/2013, firmado entre Emater e Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), que tem como meta atingir o número de 2.500 cadastros emitidos até o final do ano.
O CAR é o passo inicial para a regularização ambiental. O produtor só pode regularizar a propriedade dele se tiver o documento que ainda se constitui em instrumento de conservação do meio ambiente, na medida em que contribui para o combate ao desmatamento. Além disso, o produtor sem CAR não pode comercializar seus produtos, não participa dos programas de Aquisição de Alimentos (PAA), Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), Nacional de Habitação Rural (PNHR) e de Fortalecimento a Agricultura Familiar (Pronaf).
Com o objetivo de proporcionar a integração de dados e sistemas do CAR, elaborado pela equipe técnica em campo da instituição, a Emater lançou no neste primeiro semestre o Sistema de Informações Geográficas e Ambientais (SIGA), uma ferramenta para a promoção e gestão da regularização ambiental das Unidades de Produção Familiar (UPF). O SIGA, que foi desenvolvido sob a orientação do Laboratório de Geotecnologia da empresa, é inédito no Pará.

Texto:
Paula Portilho


Teatro Margarida Schivasappa reabre oficialmente no dia 10
O Teatro Margarida Schivasappa (TMS), parte da história e do cenário cultural do Pará há mais de 25 anos, será reaberto oficialmente nesta terça-feira, 10, às 18h, após quase dois anos de reformas. Mais conforto e acessibilidade, maior número de assentos, camarins ampliados, entre outras melhorias chegam para dar ainda mais destaque à cena cultural paraense. A abertura contará com a presença de Nilson Chaves, presidente da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (FCPTN/Centur), artistas e autoridades convidadas.
“O Margarida é um teatro que, acima de tudo, é amado por todos os artistas e também pelo público. É um teatro que sempre possibilitou, por conta de sua caixa italiana, uma grande variação de montagens, tanto teatrais quanto musicais. Já passaram pelo palco desde shows intimistas, a orquestras e Festivais de dança e de Teatro. Com essa reforma a qualidade que oferecíamos aos artistas e à plateia será ainda maior”, declara Lucinha Bastos, Diretora de Interação Cultural da FCPTN.
A última atividade artística realizada no teatro foi em março de 2012, em comemoração ao aniversário da Biblioteca Pública Arthur Vianna. E a reforma começou logo na segunda quinzena de junho de 2012. Todas as modificações solicitadas foram pensadas por uma equipe técnica da casa. No espaço superior (mezanino), onde funcionava uma área exclusivamente técnica, foram criados mais trinta lugares para acomodar o público, bem como uma área técnica menor, para acomodar canhões de luz seguidores e uma vara frontal para refletores.
Além disso, acima da plateia, foi criada uma passarela para prover iluminação frontal no proscênio, para facilitar o trânsito dos técnicos de luz, com maior segurança. Existe ainda uma área destinada a portadores de necessidades especiais, na qual foram acrescentadas poltronas adaptadas.
Houve, ainda, acréscimo de dois camarins e o palco foi reformado. Foram instalados equipamentos modernos de iluminação e sonorização. A parte hidráulica, elétrica e de refrigeração passou por reformas, assim como o maquinário. E foram criadas mais duas varas (laterais) de iluminação. A vestimenta cênica foi renovada (inclusive a cortina nobre). Foram adquiridos modernos praticáveis (Plataformas Rosco) e foi criada uma sala climatizada, para guarda e conservação dos pianos.
História
Localizado no andar térreo da Fundação Tancredo Neves, o Teatro Margarida Schivasappa foi inaugurado em 26 de fevereiro de 1987. Destinado a programações culturais de dança, música e artes cênicas, ele ainda abriga projetos de ação com o objetivo de ampliar a visibilidade da cultura artística.
O nome do teatro faz referência à filha do comerciante italiano Henrique Schivasappa e da soprano Carina da Costa Schivasappa. Margarida Schivasappa nasceu no dia 10 de novembro de 1895, em Belém do Pará. Cantora, professora e folclorista, Margarida estudou no Instituto Carlos Gomes, diplomando-se posteriormente pelo Conservatório Nacional de Canto Orfeônico.
Além de sua contribuição para a difusão do canto no Estado, Schivasappa movimentou a vida cultural da cidade com a criação do Teatro do Estudante do Pará, o Norte Teatro Escola do Pará e o grupo Experimental de Teatro do Pará. A artista também realizou concentrações de corais com até 1500 vozes, no Teatro da Paz e em espaços públicos, como campos de futebol. Margarida foi membro da Comissão Paraense de Folclore, tendo publicado alguns trabalhos sobre essa matéria e faleceu em 1968.
Programação
A abertura oficial será no dia 10 de junho, mas o Margarida já recebe a programação do“Arraial de Todos os Santos”, que acontece em diversos espaços da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (FCPTN). Nesta sexta-feira, 6, será realizada no espaço a apresentação do Pássaro Junino Tem Tem, às 19h. Logo em seguida, às 20h, sobe ao palco do Margarida o Grupo Parafolclórico BFAM. A programação de pássaros ainda terá continuidade nos dias 8, 10, 11, 13 e 14 de Junho. No sábado, dia 7, o teatro recebe o show musical com Yuri Guedelha e Banda em homenagem aos 100 anos de Luiz Gonzaga, o rei do Baião.
Dia 6/06 (sexta-feira)
19h – Pássaro Junino Tem Tem;
20h – Grupo Parafolclorico BFAM
Dia 7/06 (sábado)
20h - Show musical com Yuri Guedelha e Banda em homenagem aos 100 anos de Luiz Gonzaga
Dia 10/06 (terça-feira)
18h - Reabertura oficial do Teatro Margarida Schivasappa

Texto:
Luiz Flávio


Tickets de estacionamento do Mangueirão para o Re X Pa já estão à venda
Os ingressos do estacionamento para o próximo clássico entre Clube do Remo e Paysandu, no domingo, 8, que vai decidir o Campeonato Paraense de Futebol 2014, já estão sendo vendidos na administração do estádio Mangueirão (entrada pelo portão B1, acesso pela rodovia Transmangueirão). As vendas, que começaram nesta quinta-feira, 5, vão até sábado, dia 7, no horário das 8 às 16 horas. O valor é R$ 10,00. A partir desta sexta-feira, os tickets do estacionamento também serão vendidos nos estádios Baenão e Curuzu, no bairro do Marco. Não será vendida entrada do estacionamento no dia do jogo.

Texto:
Dedé Mesquita


Helenilson Pontes defende criação de área de livre comércio no Pará
O vice-governador Helenilson Pontes defendeu a criação de áreas de livre comércio no estado do Pará para corrigir o que ele chamou de injustiça contra o Estado em benefício dos estados vizinhos da região. A defesa ocorreu durante a posse da nova diretoria da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Pará (Fecomércio-Pa), na noite desta quarta-feira (4), no Centro Cultural Sesc Boulevard. Também foram empossados os novos membros titulares e diretores que foram eleitos no mês de maio.
Segundo Helenilson, somente no ano passado a União abriu mão de R$ 25 bilhões em renúncia fiscal para as áreas de livre comércio nos estados vizinhos, o que não beneficou o Pará. "No momento em que se discute no País a prorrogação das isenções tributárias das áreas de livre comércio é importante que o setor produtivo, iniciativa privada e Governo do Estado estejam juntos na correção desta injustiça cometida contra o Pará", defendeu. 
A área de livre comércio constitui um regime fiscal diferenciado que desonera grande parte dos tributos incidentes sobre a produção e o consumo de bens. O vice-governador explicou, ainda, que a redução de ICMS trazida pela área de livre comércio, na realidade, não atinge as finanças do Estado onde ela está localizada, mas os cofres dos Estados produtores, de onde as mercadorias são enviadas.
Nesta quarta-feira a Câmara dos deputados aprovou o substitutivo que prorroga também, até 31 de dezembro de 2050, as isenções tributárias das áreas de livre comércio. A decisão irá beneficiar a ALC de Tabatinga (AM), cuja vigência acaba em 2014; Guajará-Mirim (RO) e Boa Vista (RR), com vigência até 2016; Macapá e Santana (AP), que termina em 2017; e Cruzeiro do Sul (AC), que foi criada em 1994 e depende de regulamentação.
Nova diretoria
A  Federação do Comércio do Estado do Pará é a representante legal dos empresários do setor de Comércio e Serviços do Estado do Pará. Na noite de quarta, assumiu a presidência, no lugar de Fernando Yamada, Sebastão de Oliveiras Campos, 64, que é presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Material de Construção e similares de Belém e Ananindeua (Sindmaco). Nascido em Fortaleza, vive há 27 anos no Pará onde iniciou e mantém até hoje sua vida empresarial no comércio de materias de construção.
O mandato de Campos vai de junho de 2014 a junho de 2018. Para Campos um dos pricipais objetivos é trazer para a Federação sindicatos de região do Pará que são representativos no setor comércio e que não fazem parte do quadro. O setor do comércio representa dois terços do Produto Interno Bruto do Estado do Pará.

Texto:
Márcio Flexa


Galeria Theodoro Braga faz homenagem a Mestre Nato
Nascido e criado no Guamá, Raimundo Nonato Silva, o Mestre Nato, representou fabulosamente a cultura popular e foi mestre de muitos jovens artistas. Falecido no último dia 23 de maio, ele agora recebe uma bela homenagem no espaço onde desejava um dia ter o seu trabalho aberto ao público: a Galeria Theodoro Braga.
Aberta à visitação pública de 06 a 27 de junho, a exposição “Um Mestre Nato” reunirá diversas linguagens para mostrar a vida e obra do artista. “O foco da mostra será a mente inquieta e criativa de Mestre Nato, sua forma de trabalhar, a pluralidade ao agregar diversas linguagens como a cenografia, o figurino, o desenho, a pintura e a costura”, afirma Eliane Moura, gerente da Galeria Theodoro Braga, da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves.
A colaboração para montagem será de Natacha Barro, Alexandre Nogueira (sobrinho do Mestre Nato) e João Cirilo. “Uma semana antes de falecer, Mestre Nato esteve aqui na Galeria e manifestou seu desejo de um dia poder expor suas obras no espaço. Como ele não teve tempo para isso, decidimos então convidar o Alexandre e a Natacha para montar essa exposição, que fala de Mestre Nato em todos os sentidos”, explica Eliane Moura.
Adornos, estandartes, monotipia, desenhos, pinturas e figurinos são alguns dos objetos produzidos por Mestre Nato que estarão à mostra. Além disso, o ateliê utilizado pelo artista será reproduzido no espaço da Galeria, com as ferramentas e objetos de uso pessoal, livros, fotografias e móveis de Mestre Nato. Um vídeo produzido pela Universidade da Amazônia (Unama) com imagens da carreira do artista, contando um pouco de sua história de vida, também será exibido.
Depoimentos
“No trabalho era super sério e pensativo, onde andava via a possibilidade de trabalho. Era bom em tudo o que se propunha a fazer e, pra mim, ele é imortal. Costumava dizer que eu era a pupila dele, era a vontade dele que eu me tornasse uma grande profissional - e o serei –, além de continuar o trabalho que estávamos fazendo juntos”, contou Marcele Engelke, 22, assistente de Mestre Nato em seu ateliê.
“Profissional muito generoso com sua arte, gostava de repassar de seus conhecimentos. Perpassava por todas as artes, da visual até a cênica, e o Guamá era um referencial para ele, tudo ali o inspirava”, conta Jorge Cunha, gerente de artes cênicas, ator e colega de trabalho de Mestre Nato na Fundação Curro Velho.
O artista
Nascido em 25 de fevereiro de 1952, Raimundo Nonato Silva, o Mestre Nato, era conhecido por seu trabalho com costura, pintura, desenho e cenografia. Faleceu no dia 23 de maio deste ano. Era responsável pela confecção dos estandartes de santos juninos do Arraial do Pavulagem e instrutor de artes na Fundação Curro Velho.
Serviço: Exposição “Um Mestre Nato”. Galeria Theodoro Braga, de 06 a 27 de junho. Entrada Franca. Mais Informações: (91) 3202-4313

Texto:
Luiz Flávio


Programação do NGTM incentiva a preservação ambiental
Em alusão ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado em 5 de junho, o Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM) realiza, em parceria com a contratada Camargo Corrêa, uma programação especial durante esta semana, de 2 a 6 de junho, com atividades de preservação ambiental. Com o Tema “Ações locais, mudanças globais” estão sendo realizadas palestras, exposições fotográficas e ações socioambientais com o objetivo de conscientizar e incentivar pessoas para práticas de preservação do Meio Ambiente.
As atividades estão sendo realizadas no entorno da obra de prolongamento da avenida João Paulo II, em escolas e canteiro de obras, e têm como público os moradores da área. A programação conta com a parceria de profissionais do Parque do Utinga e do Museu Paraense Emílio Goeldi. “Temos, com essas ações, o propósito de despertar nas pessoas uma consciência para as práticas ambientalmente corretas, assim como incentivá-las com iniciativas. Trata-se de um olhar compromissado do governo para a temática do Meio Ambiente”, sintetiza o diretor geral do NGTM, Cesar Meira.
A I semana do Meio Ambiente conta com exposição fotográfica itinerante de animais silvestres, que é uma das formas de interagir com o público infanto-juvenil, um dos alvos desta conscientização. A mostra é do fotógrafo Augusto Jarthe e tem como tema “Fauna do Parque do Utinga”.
“A população deve conhecer a fauna e a flora para ter um despertar de hábitos de cuidados com o meio ambiente. Assim, a sociedade passa a ter mais atenção, por exemplo, com os animais peçonhentos e aí passa a saber como deve ser o seu reposicionamento na fauna. A partir desse conhecimento também, quem sabe, daqui a dez anos, elas é que vão repassar quais são os devidos cuidados que se deve ter com esses animais”, explica Vitor Almeida, biólogo da construtora Camargo Corrêa, contratada do governo para a execução do projeto da João Paulo II.
Na manhã desta quinta-feira, 5, foi realizada a palestra “A importância dos animais do Parque do Utinga”, para alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental Lúcia Vanderley, localizada às proximidades da obra. Na oportunidade, crianças puderam ver de perto animais como sapo, cobra e uma coruja empalhada e saber mais sobre as espécies, levadas por profissionais do Museu Paraense Emílio Goeldi e legalizadas pelo Ibama.
“A interatividade é algo que o bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi tenta desenvolver a cada oficina e palestra que é realizada com os alunos, pois dessa forma, são repassadas informações de forma lúdica, mais facilmente absorvidas pelo público. O contato dessas crianças também é importante, pois muitas vezes esses animais são vítimas de preconceito e esse tipo de ação, além de desmistificar a ideia que se tem desses animais, ainda contribui para saber como proceder com eles no caso de haver algum contato dos moradores aqui da área”, detalha o biólogo.
Para a diretora executiva do NGTM, Marilena Mácola, esse tipo de ação é importante, pois fortalece a proposta de proteção ao Parque Ambiental, um dos princípios de concepção do traçado do prolongamento da Av. João Paulo II. “Pois não basta implantarmos um empreendimento com todo o cuidado com o meio ambiente se esse cuidado não for estendido e perpetuado pela população, principalmente pela comunidade que habita no entorno do Parque Ambiental do Utinga. Dessa forma, durante todo o período da obra, vamos trabalhar com essas pessoas, direcionando esta atividade, principalmente para os jovens e crianças”, informou Mácola.
Programação desta quinta-feira, 5:
- 9h, palestras: Recursos Hídricos – uso consciente da água; A importância dos animais do Parque do Utinga; Parque do Utinga e sua importância para as cidades de Belém e Ananindeua
Local: Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Ramiro Olavo - passagem São José, n 574.
- 16h, palestra: Reciclando ideias - instituição: ONG no Olhar
Local: Canteiro Central Rua Pedreirinha
Programação de sexta-feira
- 9h - atividade: Exposição - Fauna do Parque do Utinga Diversidade e Impactos
Local: no Canteiro Central Rua Pedreirinha
Programação de 11 de junho
- 9h - palestras: Recursos Hídricos – Uso consciente da água; A importância dos animais do Parque do Utinga; Parque do Utinga e sua importância para as cidades de Belém e Ananindeua
Local: Escola Estadual de Ensino Fundamental Tancredo Neves - Rua José de Alencar

Texto:
Manu Viana


Sema avança nas negociações com banco alemão para investimento no Pará
Terminou na última quarta-feira, 4, a série de reuniões entre representantes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) do Pará e do Banco Alemão KfW. As negociações, iniciadas na segunda-feira, 2, tiveram como objetivo avançar no desenvolvimento do Projeto de Cooperação Financeira destinado a tornar mais eficiente a Gestão Ambiental do Pará, a partir da execução de ações estruturantes no âmbito da Sema.
O órgão estadual vem promovendo esforços no sentido de captar recursos para avançar em temas prioritários na Gestão Ambiental do Estado. No final do mês de abril, um anteprojeto, elaborado pela Sema obteve aprovação do Banco KfW para doação de 12,5 milhões de euros. "A visita de representantes do KfW (a Belém) confirma não somente a aprovação do nosso pré-projeto, como indica que a cooperação é viável e de extremo interesse para ambas as partes", explica o assessor técnico da Sema, Wendell Andrade.
Durante os três dias do encontro foram discutidos temas como o fortalecimento do Monitoramento e da Fiscalização, aprimoramento dos Sistemas de Informação voltados para a gestão ambiental e melhoria dos procedimentos e fluxos lógicos dentro da Secretaria, sobretudo voltados para o melhor desempenho dos setores de Licenciamento Ambiental.
"O fortalecimento institucional da Sema é importante, inclusive, para fazer com que as ações governamentais cheguem de forma mais efetiva aos municípios", reiterou o titular da Sema, José Alberto Colares, reforçando que a descentralização da gestão ambiental também terá impactos positivos a partir da cooperação.
A reunião destas quarta contou, ainda, com a presença de representantes do Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado (Ideflor), Programa Municípios Verdes (PMV), Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom), Assessoria de Relações Internacionais da Casa Civil do Governo do Estado e Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio).
No final do dia, o secretário reuniu com gestores das Diretorias da Sema para iniciar as discussões sobre as prioridades do projeto, que serão estabelecidas ainda neste semestre. A Sema constituirá uma comissão envolvendo todos os setores do órgão para que, juntos, elaborem o projeto, que deve ser consolidado até o final deste ano. A expectativa é de que as obras comecem a ser executadas em 2015.
O Banco Alemão de Desenvolvimento é uma instituição fundada em 1948, inicialmente voltada para a reconstrução da Alemanha no pós-2ª Guerra Mundial. Atualmente, é uma das instituições financeiras mais sólidas do mundo (classificação 'AAA') e, desde 1963, coopera com projetos voltados para o Desenvolvimento Sustentável em todo o mundo.

Texto:
Káthia Oliveira


Seduc alerta para golpe de venda de vagas
A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) foi surpreendida na manhã desta quinta-feira, 5, por uma fila de mais de 500 pessoas, que esperavam atendimento para assinatura de contrato de trabalho e entrega de currículos para supostas vagas. Pessoas que se fazem passar por servidores da Secretaria teriam ligado para os pleiteantes à vaga, informando sobre a possibilidade de contratação mediante pagamento de taxa que variou de R$ 200,00 até R$ 1.000,00, de acordo com o tipo de contrato: temporário ou efetivo.
A situação configura golpe e, como tal, devem as vítimas lavrar boletim de ocorrência policial. Representantes da Assessoria Jurídica da secretaria, que atenderam algumas dessas pessoas, obtiveram relatos de que umas apresentaram currículo e outras alegaram já o ter entregue e teriam sido convocadas para, hoje, assinar contrato.
Há dificuldade em identificar os responsáveis pelo golpe, já que utilizaram número de telefone confidencial e intermediários no recebimento dos valores que seriam referentes à taxa de inscrição. A identificação dos golpistas se deu através de pré-nomes e de apelidos. Houve ainda informação de que há mais pessoas com agendamento feito pelos golpistas e que se apresentariam nesta sexta-feira, 6, na sede da Seduc, na rodovia Augusto Montenegro, em Belém. A Seduc  alerta que não solicitou a apresentação de currículo e não tem previsão de contratações. A Secretaria também já iniciou investigação e tomará as medidas cabíveis à situação.

Texto:
Jimena F. Beltrão


Seduc alerta para golpe de venda de vagas
A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) foi surpreendida na manhã desta quinta-feira, 5, por uma fila de mais de 500 pessoas, que esperavam atendimento para assinatura de contrato de trabalho e entrega de currículos para supostas vagas. Pessoas que se fazem passar por servidores da Secretaria teriam ligado para os pleiteantes à vaga, informando sobre a possibilidade de contratação mediante pagamento de taxa que variou de R$ 200,00 até R$ 1.000,00, de acordo com o tipo de contrato: temporário ou efetivo.
A situação configura golpe e, como tal, devem as vítimas lavrar boletim de ocorrência policial. Representantes da Assessoria Jurídica da secretaria, que atenderam algumas dessas pessoas, obtiveram relatos de que umas apresentaram currículo e outras alegaram já o ter entregue e teriam sido convocadas para, hoje, assinar contrato.
Há dificuldade em identificar os responsáveis pelo golpe, já que utilizaram número de telefone confidencial e intermediários no recebimento dos valores que seriam referentes à taxa de inscrição. A identificação dos golpistas se deu através de pré-nomes e de apelidos. Houve ainda informação de que há mais pessoas com agendamento feito pelos golpistas e que se apresentariam nesta sexta-feira, 6, na sede da Seduc, na rodovia Augusto Montenegro, em Belém. A Seduc  alerta que não solicitou a apresentação de currículo e não tem previsão de contratações. A Secretaria também já iniciou investigação e tomará as medidas cabíveis à situação.

Texto:
Jimena F. Beltrão


Orquestra Choro do Pará participa da programação do Festival Internacional de Música do Pará
Nesta quinta-feira, 5, às 19h, no teatro Waldemar Henrique, a Orquestra Choro do Pará, formada por alunos da Fundação Curro Velho, irá encantar o público do XXVII Festival Internacional de Música Pará. Serão cerca de 40 músicos que vão mostrar as belas composições feitas com o estilo do Choro, que tem como grande expoente no Brasil Pixinguinha.
No repertório os músicos também irão apresentar composições de Waldir Azevedo, Jacob do Bandolim, Sivuca, entre outras. “Participar deste festival é uma grande oportunidade para eles que estão começando, eu mesmo que sou músico profissional participei apenas duas vezes do festival”, comenta Maurício Panzera, técnico em gestão cultural da Fundação Curro Velho.
O Festival Internacional de Música do Pará é uma realização do Governo do Pará, por meio da  Fundação Carlos Gomes, uma programação cultural que irá até o próximo domingo, 8 de junho, com mais de 30 concertos que são realizados em lugares como o Theatro da Paz e a Estação das Docas. Serão artistas locais, nacionais e internacionais, que além de encantar o público terão uma ótima oportunidade para a troca de conhecimentos.
Além da apresentação desta quinta, a Orquestra Choro do Pará participa nesta sexta-feira, 6, às 11 horas, da programação XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, com uma mostra do repertório de Chorinho. A apresentação será na Arena de Artes no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, com entrada franca.

Texto:
Andreza Gomes


Orquestra Choro do Pará participa da programação do Festival Internacional de Música do Pará
Nesta quinta-feira, 5, às 19h, no teatro Waldemar Henrique, a Orquestra Choro do Pará, formada por alunos da Fundação Curro Velho, irá encantar o público do XXVII Festival Internacional de Música Pará. Serão cerca de 40 músicos que vão mostrar as belas composições feitas com o estilo do Choro, que tem como grande expoente no Brasil Pixinguinha.
No repertório os músicos também irão apresentar composições de Waldir Azevedo, Jacob do Bandolim, Sivuca, entre outras. “Participar deste festival é uma grande oportunidade para eles que estão começando, eu mesmo que sou músico profissional participei apenas duas vezes do festival”, comenta Maurício Panzera, técnico em gestão cultural da Fundação Curro Velho.
O Festival Internacional de Música do Pará é uma realização do Governo do Pará, por meio da  Fundação Carlos Gomes, uma programação cultural que irá até o próximo domingo, 8 de junho, com mais de 30 concertos que são realizados em lugares como o Theatro da Paz e a Estação das Docas. Serão artistas locais, nacionais e internacionais, que além de encantar o público terão uma ótima oportunidade para a troca de conhecimentos.
Além da apresentação desta quinta, a Orquestra Choro do Pará participa nesta sexta-feira, 6, às 11 horas, da programação XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, com uma mostra do repertório de Chorinho. A apresentação será na Arena de Artes no Hangar Centro de Convenções da Amazônia, com entrada franca.

Texto:
Andreza Gomes


Atrações internacionais e nacionais marcam noite de música em Belém
O conjunto holandês Valerius Ensemble subiu ao palco no Theatro da Paz, em Belém, na noite desta quarta-feira, 4, e apresentou ao público paraense um repertório diversificado, interpretando compositores da música romântica à música moderna. O concerto marcou o quarto dia de programação do XXVII Festival de Música do Pará, que ainda teve outras duas atrações nacionais de renome, o premiado Quarteto Radamés Gnattali e o Frank Herzberg Trio, além de apresentações da “casa”, o Quaternura e os grupos de Saxofones e Percussão da Fundação Carlos Gomes.
A noite musical iniciou um pouco depois do previsto, por volta das 19 horas, no anfiteatro Pedro Nolasco, da Estação das Docas. Lá, o público acompanhou a diversidade de repertório, arranjos e interpretação do Quaternura, fazendo um grande passeio pela Música Popular Brasileira. O músico Márcio Carvalho, 28, integrante da Orquestra Sinfônica do Theatro do Paz, foi um dos que prestigiaram a apresentação. “Conheci o grupo através do Claudinor (Amaral), que faz parte do grupo e é meu parceiro de clarinete na Orquestra. Admiro o trabalho e sempre que posso venho prestigiar os amigos”, disse.
Na Catedral, a enfermeira Áurea Silva, 50, acompanhou a apresentação do Grupo de Saxofones da Fundação Carlos Gomes e aprovou a performance do quinteto formado por Elias Coutinho, Gláucio Nascimento, Enokleson Bezerra, Alexandre Pinheiro e Harley Sousa. “É como se eu tivesse lavado a alma, porque a música funciona assim para mim, como uma limpeza, uma forma de me desligar dos pensamentos do dia a dia. Infelizmente só soube pela minha filha que o festival já tinha começado, mas dei uma olhada na programação e pretendo vir outras vezes”, comentou.
Ao mesmo tempo ocorreriam duas outras apresentações. Uma delas, a poucos metros, na Igreja de Santo Alexandre. Lá, o público permaneceu concentrado durante toda a apresentação do Quarteto Radamés Gnattali. Além de executar obras do compositor brasileiro que dá nome ao grupo, Carla Rincón (violino), Estevan Reis (viola), Hugo Pilger (violoncelo) e Andrea Carizzi (violino) também brindaram a plateia com composições de Cláudio Santoro, César Guerra-Peixe e Ricardo Tacuchian. No Teatro Waldemar Henrique, a atração foi o Grupo de Percussão do Carlos Gomes.       
No Theatro da Paz, a apresentação do Valerius Ensemble foi acompanhada pelo pianista e superintende da Fundação Carlos Gomes, Paulo José Campos de Melo. “Para mim, particularmente, é um dos grupos camerísticos mais perfeitos do mundo, porque além deles serem minimalistas no estilo, na forma e na técnica, diferente da maioria dos grupos europeus, eles equilibram muito bem a parte ‘mecânica’ com a parte emotiva. Por isso, a reação sobre a música deles é muito positiva, tanto na Europa, onde já tive a oportunidade de participar de alguns eventos com eles, quanto aqui, durante o festival, que eles já tiveram outras vezes. É sempre um dos pontos altos da programação”, elogiou.
Quem encerrou a noite foi o Frank Herzberg Trio, no CamarIN Cultural, com a sua tradicional mistura de jazz contemporâneo com a energia da música brasileira. Composto por Frank Herzberg no contrabaixo, Zé Eduardo Nazário na bateria e Alexandre Zamith ao piano, o grupo não poupou na apresentação. Além das composições próprias, que espelham a cultura diversificada dos três músicos, a música indiana, a europeia, o blues e o jazz tiveram o seu lugar no repertório do trio.
Nesta quinta-feira, 5, o Festival de Música apresenta o concerto da Amazônia Jazz Band, a partir das 20h30, no Theatro da Paz. Em seguida, às 22h30, a cubana Yusa, acompanhada de Nei Conceição, sobe ao palco do CamarIN Cultural. Antes, abrindo a noite, às 18h, ocorre a apresentação do Latin Jazz, na Estação das Docas. Às 19h, se apresentam: Paulo Moura e a Orquestra de Choros, no Waldemar Henrique, o Quarteto de Cordas Guanabara, na Catedral, e o Duo Art Verum, em Santo Alexandre. 

Texto:
Amanda Engelke


Seduc faz processo seletivo interno para Articulador de Projetos na Escola
A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) está com processo seletivo interno aberto para servidores efetivos, Especialistas em Educação e/ou Professores Readaptados, que queiram atuar na articulação e no monitoramento dos projetos e programas desenvolvidos nas escolas públicas da rede estadual. Iniciativa do Pacto pela Educação do Pará, o processo seletivo se dá por avaliação curricular, com caráter eliminatório e classificatório. As inscriçõesestão abertas no Portal da Seduc.
Poderão concorrer, prioritariamente, os Especialistas em Educação e Professores Readaptados, respectivamente. Os candidatos deverão comprovar as competências para ocupação do cargo, de acordo com os requisitos exigidos no edital. Os Articuladores de Projetos na Escola selecionados serão lotados com jornada de até 40 horas semanais (200h/mês) nas Unidades Regionais de Educação (UREs), Unidades Seduc na Escola (USEs) ou Escola Sede. Os selecionados realizarão o acompanhamento presencial contemplando todos os turnos de funcionamento das escolas sob sua responsabilidade, com número máximo de 8 unidades de ensino. O resultado da seleção será divulgado no Portal da Seduc.

Texto:
Jimena F. Beltrão


Imetropará
Membros do Instituto de Metrologia do Estado do Pará (Imetropará) visitam a Universidade Federal do Pará (Ufopa), entre os dias 5 e 6, com o objetivo de estabelecer um acordo de cooperação técnica. O acordo pretende promover o intercâmbio de informações, embasar estudos acadêmicos e técnicos, disseminar a metrologia nas empresas públicas e privadas e a instalação de um centro tecnológico dentro da área da universidade.
Na ocasião, o presidente do Imetropará, Fabrizio Guaglianone, também se reúne com os sindicatos e a Associação Comercial e Empresarial de Santarém (Aces) para verificar as demandas de qualificação e discutir os benefícios da metrologia para o setor, as barreiras técnicas e competitividade empresarial.

Texto:
Ana Caroline


Xinguara sedia nova etapa dos Jogos Estudantis Paraenses
A cidade de Xinguara sedia a etapa regional dos LVI Jogos Estudantis Paraenses (Jep’s), da qual participam atletas dos municípios de Abel Figueiredo, Conceição do Araguaia, Ourilândia do Norte, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu, São Geraldo do Araguaia, Tucumã e Xinguara. A abertura dos Jogos aconteceu no ginásio de esportes da cidade, nesta quarta-feira, 4, às 20h, com muitas apresentações culturais. Os jogos têm como objetivo integrar, difundir e valorizar as práticas desportivas dos atletas das escolas públicas e privadas do estado do Pará, visando novos valores no cenário esportivo estadual.
O evento é promovido pelo Núcleo de Esporte e Lazer da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), em parceria com a prefeitura local. Os JEP's têm como finalidade proporcionar uma educação integral, desenvolver o intercâmbio social desportivo entre os estudantes, fomentar as boas relações entre os professores e alunos, estabelecer uma união segura entre a classe estudantil e estimular a prática desportiva como instrumento imprescindível à superação do indivíduo.
Além disso, os jogos contribuem para a formação da personalidade, revelam novos valores no cenário desportivo educacional, selecionam alunos para representar o Pará nos Jogos Escolares da Juventude, fase nacional e amplia a participação em atividades esportivas a todos os estabelecimentos de ensino das redes federal, estadual, municipal e particular do Pará.
A atleta de futsal que carregou a tocha olímpica, Fernanda Araújo, falou da emoção de participar dos jogos. “Estou muito feliz por estar representando minha escola e minha cidade. Adoro jogar futsal e isso faz parte da minha vida, carregar essa tocha é muito importante para mim, a emoção que estou sentindo é imensa”, afirmou ela. 
Mais de 100 municípios participam das etapas regionais dos Jep’s realizadas nos municípios de Abaetetuba, Castanhal, Ipixuna do Pará, Portel, Marapanim, Maracanã, Região Metropolitana de Belém, Irituia, Santa Isabel e Xinguara. Na etapa de Xinguara participam cerca de 450 atletas nas modalidades de futsal, vôlei, handebol, tênis de mesa, xadrez e basquete, nas categorias A, de 12 a 14 anos, e B, de 15 a 17.
Para o prefeito Osvaldo Assunção, a satisfação de sediar pela primeira vez a etapa regional dos Jep´s é muito grande. “Estamos recebendo os atletas com toda alegria e esse momento é de grande importância para o município, pois mostra que damos o total apoio à educação e ao esporte e sabemos o quanto isso é importante para as crianças e adolescentes que irão participar dos jogos. Desejo boa sorte a todos e que possam competir de forma amigável e sem nenhum tipo de desentendimento”, declarou ele.
De acordo com Rui Baeta, coordenador da etapa regional de Xinguara e professor do NEL, as regionais servem para aproximar os alunos e integrá-los às diferentes culturas que o estado possui. “Já estamos atingindo o sul do Pará e esse é o nosso objetivo, despertar o senso crítico dos nossos alunos sobre as diferentes expressões culturais que o nosso estado possui, pois cada região tem uma característica peculiar e isso é muito importante para os nossos atletas, nossos alunos”, afirmou o coordenador.

Texto:
Eliane Cardoso
Imprensa Oficial lança livro com relato de mulher que venceu o câncer
O livro “Eu venci o Câncer”, da escritora Rosa Martins, editado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE), foi lançado na noite desta quarta-feira (4) na XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, que ocorre até domingo (8) no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia. Rosa Martins descobriu a doença em 2011 e, depois de uma longa batalha, conseguiu se curar do câncer.
Segundo a autora, o relato em formato de diário foi escolhido para mostrar como são a doença, as etapas do tratamento e as dificuldades de lidar com o câncer. “Quis mostrar que, apesar de todas as crises que a gente passa durante a descoberta e o tratamento, é possível vencer a doença, apesar da dor, do sofrimento que atinge não só a pessoa que está com a doença, mas toda a família”, contou.
“São informações que deixam um relato de incentivo à superação”, disse a nutricionista Socorro Barbosa, que esteve presente ao lançamento. Para a analista ambiental Daniela Cardoso, que passou pelo mesmo drama da escritora quando descobriu o câncer de mama, em 2012, o livro serve como uma troca de experiência. “Esse relato da Rosa Martins nos ajuda a pensar que não estamos sozinhas. É uma forma de incentivo à superação, de saber que podemos vencer a doença. Ainda nos traz esperanças de cura”, pontuou.
Alcideli Diniz descobriu a doença ano passado, e ainda faz tratamento, agora com medicação, que deve durar cinco anos. Ela contou que é possível superar os medos e a angústia que vem a reboque com a doença. “Acreditando muito em Deus e tendo muita fé, a gente pode ficar boa. Essa experiência por que a Rosa passou é a história de muitas mulheres que sofrem com a doença. Temos que acreditar que, como ela, também podemos vencer o câncer”, acredita.

Texto:
Ronaldo Quadros


Alunos de escolas públicas recebem prêmio da Olimpíada de Matemática
Os alunos mais bem colocados no Estado na 9ª Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), ocorrida no ano passado, receberam, na tarde desta quarta-feira (4), no auditório do Instituto Federal do Pará (IFPA), em Belém, a premiação, composta por medalhas de ouro, prata e bronze e certificados de participação no evento. Secretarias municipais de educação, escolas e professores destacados também foram contemplados com distinções, como certificados, kits de materiais didáticos e assinaturas de publicações especializadas no ensino da matemática.
O coordenador regional da Obmep, José Fernandes, fez uma breve apresentação sobre a olimpíada, considerada, hoje, como o maior evento mundial do gênero. “Há uma ideia geral de que os alunos, normalmente, não gostam de matemática, mas não estamos preocupados em saber por que os estudantes não gostam, e sim o que podemos fazer para que eles gostem mais de matemática”, ressaltou.
Em 2014, a Obmep chega à décima edição. A primeira etapa do evento ocorreu no último dia 27 de maio e contou, apenas no Pará, com a participação de 949 mil alunos de 2,4 mil escolas espalhadas por todos os 144 municípios do Estado. Numa perspectiva nacional, o Pará foi o quarto Estado com o maior número de inscritos, ficando à frente de Rio de Janeiro e Bahia, por exemplo.


Literatura indígena e musical são destaque da programação desta quinta-feira
Nesta quinta-feira (5), a programação da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro destaca a literatura indígena. As escritoras Márcia Kambeba, da etnia Omágua/ Kambeba, e Murué Surui, da etnia Aikewára, são as convidadas do Encontro Literário Paraense, que começa às 17h30, no auditório Dalcídio Jurandir. Márcia vai lançar o livro de poesias “Kakyri Tama Eu Moro na Cidade”, e Murué, “Histórias dos índios Aikewára”. Logo em seguida, às 19 horas, elas estarão no Ponto do Autor para uma sessão de autógrafos.
O Encontro Literário será com o escritor francês Roger Chartier, especialista em leitura e um dos mais reconhecidos historiadores da atualidade. Ele participou do seminário “Ler no século XXI” nesta quarta-feira (4) e foi prestigiado por uma plateia que lotou a sala Marajó, onde o debate ocorreu. O encontro desta quinta será às 19 horas, também no auditório Dalcídio Jurandir.
Ainda na quinta, começa o Seminário da Pan-Amazônica, espaço para debater literatura e antropologia, que terá como convidado da Conferência de Abertura o doutor em antropologia social e coordenador do projeto Nova Cartografia Social da Amazônia, Alfredo Wagner Berno de Almeida. A conferência, às 10h15, será no auditório Eneida de Moraes. A partir das 14h30, a programação do seminário segue com os professores Aldrin Figueiredo, Ernani Chaves e João de Jesus Paes Loureiro debatendo “Literatura e Antropologia”.
O Papo Cabeça terá como tema “A viagem de viver sem droga”. Os especialistas Marupiara Guerra, Luiz Walter e Luiz Veiga debatem o assunto no auditório Dalcídio Jurandir, a partir das 15h30.
Musical – Nesta quinta-feira, às 20 horas, no auditório Benedito Nunes, entra em cartaz na programação cultural da feira o musical “Era uma vez... Grimm”, da Belazarte Realizações Artísticas (RJ). Sucesso de crítica e público, o musical de José Mauro Brant comemora os 200 anos da edição do primeiro volume de contos dos Irmãos Grimm. Bonecos, projeções, jogos de sombras e maquetes ajudam a contar as estórias, em que os próprios irmãos Grimm participam. Eles entram em cena para contar e viver os contos “Chapeuzinho Vermelho”, “O Junípero” e “Cinderela”.
Para o espetáculo, as versões originais foram adaptadas para uma linguagem musical que remete à ópera. Dividindo a direção com Sueli Guerra, Brant é autor do texto e das letras das músicas, que serão executadas ao vivo. As canções foram especialmente compostas pelo maestro Tim Rescala. Em Belém, a apresentação vai contar com a presença de cinco músicos paraenses: Sóstenes Siqueira (trompa), Jonathan Guimarães (flauta), Bruno Valente (violoncelo), Herson Amorin (clarinete) e Rodrigo Santana (viola). “Sempre que viajamos, selecionamos músicos locais para compor o grupo, é uma forma de compor um intercâmbio musical”, revela o produtor do espetáculo, Fabrício Polido.
Na Feira do Livro, o musical será apresentado em duas versões: infantil e adulto (versão mais completa). O musical adulto será apresentado quinta e sexta-feira, às 20 horas, e no sábado, às 16h. Já a versão infantil será na sexta-feira, às 16 horas, e sábado, às 11 horas. A programação completa da XVIII Feira do Livro está no site www.feiradolivro.pa.gov.br.

Texto:
Sonia Ferro


Hospital Regional do Marajó salva vida de paciente com graves ferimentos
Ainda está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional Público do Marajó a paciente Maria Augusta Brasão de Carvalho, 40 anos, moradora de Portel, que foi internada no último dia 31 de maio vítima de graves ferimentos causados por arma branca. O atendimento de urgência feito no hospital foi fundamental para salvar a mulher, cujo estado de saúde agora é estável, depois que ela passou por intervenções cirúrgicas.
Os ferimentos causaram em Maria Augusta a amputação traumática do antebraço direito, múltiplos ferimentos no braço direito com fratura exposta e vários ferimentos graves na cabeça e na parte superior das costas. Para a mãe da paciente, a doméstica Maria Cristina Justina Brasão de Carvalho, 57, a filha não teria resistido se tivesse ficado em Portel.
“Primeiramente agradeço a Deus e depois ao atendimento médico que ela teve aqui neste hospital”, diz Maria Cristina, revelando o medo que sentiu ao imaginar que a filha não fosse sobreviver à agressão. “Aqui não falta nada, nem assistência médica, nem medicamentos. Isso sem contar com o atendimento carinhoso de todos”, ressaltou a mãe de Maria Augusta, claramente aliviada pela evolução do quadro de saúde da filha.
Durante o atendimento médico, Maria Augusta recebeu transfusão de duas unidades de concentrado de hemácias, em função da elevada perda de sangue causada pelos graves ferimentos. O atendimento foi feito pela própria agência transfusional do hospital. Segundo o diretor clínico, André Noronha, ela sobreviveu aos ferimentos graças ao atendimento de alta complexidade oferecido no local.
“A vítima deu entrada em estado grave, com ferimentos, inclusive, no crânio. Certamente ela não sobreviveria se tivesse que enfrentar várias horas de barco de Portel até Belém”, comentou o médico, informando que Maria Augusta, apesar de não ter sofrido sequelas neurológicas, não deverá recuperar o movimento do braço que lhe restou.
Ainda segundo o médico, o Hospital Regional do Marajó apresenta estrutura com um centro cirúrgico equipado com UTI adulto, infantil e neonatal. O corpo clínico é preparado para receber os usuários com tecnologia de ponta, assegurando maior qualidade no atendimento à população dos municípios vinculados ao 8° Centro Regional de Saúde (CRS), que é composto pelos municípios de Bagre, Curralinho, Anajás, Portel, Melgaço e Gurupá.
A população atendida pelo hospital tem à disposição 67 leitos – dos quais 17 em UTIs –, clínicas integradas com as especialidades de obstetrícia, cirurgia, ortopedia, oftalmologia, cardiologia, clínica médica, além de exames laboratoriais, por imagem e métodos gráficos. O hospital oferece também centro cirúrgico e obstétrico com três salas cirúrgicas (uma para reanimação), um ambiente de pós-operatório e uma sala pré-operatório. O usuário ainda dispõe de uma unidade de ambulatório com cinco consultórios, o que agiliza o atendimento.
O Hospital Regional do Marajó (que fica na Avenida Rio Branco, 1.266, Centro de Breves) garante atendimento ambulatorial de segunda a sexta-feira, das 7 às 18 horas. Mais informações pelos telefones (91) 3783-2140 e 3783-3783.

Texto:
Vera Rojas


Projeto da Imprensa Oficial incentiva a leitura entre crianças da Condor
Estudantes de escolas do bairro Condor, em Belém, participaram da Ação Leitura, promovida pelo projeto voluntário Livro Solidário, coordenado pela Imprensa Oficial do Estado (IOE), na tarde desta quarta-feira, 4. A programação ocorreu no Centro Comunitário São Lourenço, ligado à Paróquia de Santo Antônio de Lisboa, onde funciona o projeto de reforço escolar Divina Providência, mantido por voluntários.
Cerca de 50 crianças, com idades entre 6 e 10 anos, ouviram histórias, participaram de truques de mágica e apresentaram números musicais, além de receberem kits de colorir e cerca de 200 livros da temática infanto-juvenil, resultado de doação da comunidade ao projeto Livro Solidário.
Segundo a coordenadora do projeto Divina Providência, Deusarina de Almeida, essa foi a forma que eles encontraram de aproximar as crianças da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, que ocorre até domingo (8), no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia. Ela contou que as crianças perguntavam quando iam visitar a Feira do Livro, “mas como não temos condições de fretar um ônibus para leva-las até o Hangar, resolvemos fazer essa programação literária para aproximá-las do universo da leitura”, disse.
Deusarina contou que as crianças que frequentam o centro comunitário têm dificuldades no aprendizado na sala de aula. “Aqui, além do reforço na leitura, eles participam de outras atividades ligadas ao esporte e arte”, reforçou a coordenadora. A animação era evidente nos rostos das crianças. Paulo do Rosário Peixoto, de 6 anos, foi chamado para ser “assistente de palco” do mágico, que participou voluntariamente da Ação Leitura. Ele ficou encantado com os truques apresentados, assim como as outras crianças.
Clarissa Xavier Furtado, 10 anos, contou que gosta muito de histórias em quadrinhos, principalmente as da personagem Mônica, de Maurício de Souza. Ela disse que gosta muito de ler e que a leitura a ajuda com “as lições de casa”. “A gente compreende melhor o que a professora pede”, comentou. Segundo a técnica do Livro Solidário Lucila Girão, os livros doados vão reforçar a biblioteca do Centro Comunitário São Lourenço e contribuir para que as crianças tenham mais estímulo na hora da leitura.
“Aqui elas têm um espaço em que, na hora do recreio, podem aproveitar para pegar um livro e ler. Elas também vão poder levar esses livros para casa emprestados, com a orientação dos voluntários do centro”, pontuou. “É gratificante contribuir para o incentiva à leitura dessas crianças, e é também uma forma de fazer com que elas participem, mesmo simbolicamente, da Feira Pan-Amazônica do Livro”, finalizou a técnica.

Texto:
Ronaldo Quadros


Seduc premiará vencedores do concurso de redação
A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) premia neste domingo (8), às 16 horas, na XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, os vencedores do quarto concurso de redação, promovido entre estudantes de escolas públicas da Região Metropolitana de Belém como forma de fomentar a criatividade, a originalidade e o raciocínio na produção de textos. A premiação terá a presença do titular da Seduc, José Seixas Lourenço.
O concurso é destinado aos alunos dos ensinos fundamental e médio. No ensino fundamental, que teve a participação de 16 estudantes, o tema foi "Escola: espaço de construção de amizade"; no ensino médio, que teve 52 participantes, o tema foi “Nem, nem: nem estuda nem trabalha”.
No ensino fundamental, ficou em primeiro lugar Clayane Valéria Lavareda, aluna da Escola Estadual Fernanda Souza Oliveira. O segundo lugar foi Melissa Pereira Ferraz, e o terceiro, Sarah Marinete Alves de Brito – ambas são estudantes da Escola Estadual Professora Poranga Jucá. No ensino médio, a primeira colocada foi Jéssica Mendes Miranda, da Escola Estadual Magalhães Barata. O segundo lugar ficou para Danyelle Torres Silva, da Escola Estadual Avertano Rocha, e o terceiro lugar foi para Nayana Cristina da Silva Santos, da Escola Doutor Justo Chermont.
Os estudantes que participaram do concurso foram previamente inscritos pelos professores a partir de formulário disponível no site da Seduc, no período de 23 a 30 de maio deste ano. O aluno podia participar com apenas uma redação. Os textos foram avaliados por uma comissão composta por, no mínimo, três e, no máximo, cinco professores, previamente escolhidos pela Seduc, para cada uma das subcategorias.
A escolha dos primeiros colocados do concurso levou em consideração os seguintes critérios: criatividade e originalidade do texto; adequação obrigatória ao tema e ao gênero; presença de ideia central e ideias secundárias, com argumentação consistente, pertinência, suficiência e relevância; propriedade e variedade de vocabulário; clareza de ideias e coesão; correção ortográfica, sintática e pontuação, e higiene e organização do trabalho, legibilidade, margens regulares, parágrafos e ausência de rasuras.

Texto:
Silvia Leão



Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...