Total de visualizações de página

domingo, junho 01, 2014

Comunidade da Nação Jurunense em ‘Noite de Gala’













Mais de trinta jovens da Nação Jurunense e adjacências ganharam de presente do Rancho e do Conselho Comunitário e amigos, um belo Baile das Debutantes. Foi na noite deste sábado, dia 31 de maio, na sede do Racho, no Jurunas.
As jovens tiveram uma grande noite de gale, com apresentações das mesmas ensaiadas pela professora Poty, desfiles individuais e com seus príncipes. Os parabéns junto com seus pais e demais familiares em cada mesa e pra finalizar, um show com a Banda Amazonas.







Jango Vidal, presidente do Rancho em companhia de sua esposa, Teresa Vidal abriu as portas da Escola, pela décima vez, e todos foram recebidos com fidalguia. Jango foi enaltecido como um autêntico líder Jurunense, e praticamente todas as debutantes fizeram questão de tirar uma foto de lembrança com o presidente da Escola.
O Conselho Comunitário do Jurunas, que organiza o evento, o fez de modo exemplar e brilhante. A sede estava muito bem decorada.




Ex-goleiro do Santos, filho de Pelé é condenado a 33 anos de prisão

Decisão foi tomada por juíza da 1ª Var


Ex-goleiro do Santos, filho de Pelé é condenado a 33 anos de prisão (Foto: Divulgação/Santos Futebol Clube)

O ex-goleiro do Santos Futebol Clube Edson Cholbi do Nascimento, o Edinho, filho de Pelé, foi condenado pela Justiça por crime de lavagem de dinheiro, proveniente do tráfico de drogas, pela juíza Suzana Pereira da Silva, auxiliar da 1ª Vara Criminal de Praia Grande, no litoral de São Paulo. A decisão foi tomada nesta sexta-feira (30). O ex-jogador, que faz parte da comissão técnica do clube paulista, ainda pode recorrer.
Edinho foi condenado a cumprir 33 anos de detenção. Além do filho de Pelé, Clóvis Ribeiro, o "Nai"; Maurício Louzada Ghelardi, o "Soldado"; Nicolau Aun Júnior, o "Véio"; e Ronaldo Duarte Barsotti, o "Naldinho", também foram condenadas pela mesma prática.
Com a possibilidade de terem suas prisões preventivas decretadas, Edinho, "Soldado" e "Véio" devem entregar seus passaportes no cartório do 1º Ofício Criminal de Praia Grande em, no máximo, cinco dias a partir da data em que forem intimados com a sentença da Justiça. A medida visa evitar que algum dos condenados fuja e não possa ser localizado posteriormente. "Naldinho" está sumido há mais de cinco anos e, portanto, é considerado foragido. Já "Nai" teve a sua prisão preventiva decretada no transcorrer do processo e está detido.
De acordo com as investigações, "Naldinho" era o líder da organização criminosa, que tinha sua base em Santos e possuía ligação com o Comando Vermelho, no Rio de Janeiro. Além dos réus condenados, outras pessoas também integram o grupo, descoberto pelo Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) por meio da Operação Indra, em 2005.
Outro lado
A equipe do G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa do Santos Futebol Clube, que preferiu não se pronunciar, por ser um problema particular do ex-jogador. Também tentou contato com o advogado de Edinho, mas até a publicação dessa reportagem não obteve resposta.
O caso
O ex-goleiro foi preso em junho de 2005 em Santos acusado de ter ligações com Ronaldo Duarte Barsotti, o "Naldinho", que é apontado pela polícia como um dos principais traficantes da região. Na ocasião, Edinho negou as acusações e declarou ser apenas dependente de drogas.

Em 17 de dezembro de 2005, Edinho foi solto ao obter um habeas corpus no Superior Tribunal Federal (STF). Porém, em fevereiro de 2006, o Ministério Público denunciou o ex-goleiro por lavagem de dinheiro, o que resultou em uma nova prisão, 47 dias após conseguir a liberdade. Depois disso, a Justiça vinha negando com frequência os pedidos de liberdade feitas por Edinho.

No dia 21 de dezembro de 2006, a ministra Ellen Gracie havia negado pedido de habeas corpus feito pela defesa do ex-jogador mas, sete dias depois, os advogados pediram reconsideração da decisão. Edinho saiu da Penitenciária de Tremembé no dia seguinte.
Fonte: G-1





Detran tem trabalho científico aprovado em congresso brasileiro de epidemiologia
A Coordenadoria do Núcleo de Planejamento do Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran) teve o trabalho científico “Comportamentos de risco no trânsito entre jovens universitários: um inquérito entre acadêmicos de Medicina no município de Santarém, Pará, Brasil, em 2011” aceito no IX Congresso Brasileiro de Epidemiologia, que será realizado em setembro no município de Vitória, capital do Espírito Santo.
É a segunda vez que esta pesquisa é selecionada para ser apresentada em congressos de âmbito nacional. Na primeira foi exposta em congresso realizado no Paraná pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), que reuniu profissionais de diversas importantes instituições do Brasil.
Na ocasião, o Detran ficou em segundo lugar, atrás apenas de pesquisa apresentada pela Universidade de São Paulo (USP). “Isso mostra a excelência dos profissionais de estatística do Detran. Este trabalho terá desdobramentos, como uma publicação e ações práticas a se realizarem no município”, pontua Carlos Valente, coordenador de Planejamento da autarquia.
O evento é realizado no intuito de contribuir para o desenvolvimento da saúde coletiva brasileira, tendo como tema central este ano "As fronteiras da epidemiologia contemporânea: do conhecimento científico à ação".
Pesquisa
A metodologia da pesquisa realizada pelo Detran utilizou-se de um questionário contendo perguntas respondidas de maneira anônima por um grupo de 65 alunos matriculados no curso de Medicina da Universidade do Estado do Pará (Uepa). Verificou-se uma predominância masculina nesta comunidade acadêmica, com média de idade de 21 anos, solteiros e com renda familiar acima de quatro salários mínimos. No que tange ao comportamento no trânsito, verificou-se que 63% destes não ingerem bebida alcoólica e 36,9% vão a pé para a universidade, porém 90% relataram o hábito de dirigir, sendo que 47% destes assumiram não ter habilitação.
Entre outros dados, a pesquisa verificou também que apenas 14% utilizam o cinto de segurança como passageiro no banco de trás, 22% não utilizam capacete na condição de condutor e 33% já se envolveram em algum tipo de acidente de trânsito.
Este levantamento, além do cunho acadêmico, possibilita a criação e aprimoramento de estratégias que podem reduzir a ocorrência, gravidade e consequências de acidentes de trânsito, já que os resultados indicam a necessidade de intervenções visando a redução dos fatores que favorecem a ocorrência de acidentes de trânsito entre esses universitários.
O trabalho foi desenvolvido pelos servidores Mário Diego Valente, estatístico; Carmen Lúcia de Oliveira, estatística; Fabrício Santos, economista e Carlos Valente, psicólogo.

Texto:
Edson Matoso



Jucepa promove o VII Encontro do Registro Mercantil com as Unidades do interior
A Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa) realiza o VII Encontro do Registro Mercantil com as Unidades Desconcentradas e Avaliação da Gestão, no período de 2 a 6 deste mês, no auditório da sede da Junta Comercial do Estado do Pará. O Encontro é uma iniciativa da Diretoria do Registro Mercantil (DRM), por meio da Assessoria Regional (ASR), e demais setores. 
Na programação, palestras sobre a recente tecnologia do Sistema Integrador Regin, que está em fase de implantação na Jucepa, além de debates sobre: nome empresarial; cooperativa; cadastro, dinâmica de grupo, ferramentas de coach para a liderança, entre outras.
A Jucepa possui 14 Unidades Desconcentradas (UD´s) e mais três em fase de implantação. Através desse projeto de interiorização, a Junta tem se aproximado cada vez mais dos usuários. O interior do estado contribuiu com 69,56% de todas as constituições de empresas feitas pela Jucepa neste primeiro trimestre de 2014. Em todo o ano de 2013, foi responsável por 68,80% de todos os registros de empresas realizados no Pará. Neste ano, o total de constituições de empresas até o mês de abril de 2014 foi de 2.416 somente nas UD´s.
Além da sede, a Jucepa possui Coordenadorias Regionais em diversos municípios polos, como Abaetetuba, Altamira, Ananindeua, Capanema, Castanhal, Itaituba, Marabá, Novo Progresso, Paragominas, Parauapebas, Redenção, Santarém, Tucuruí e Xinguara. Entre os municípios que possuem Unidades da Junta que mais têm constituído empresas estão, respectivamente, Marabá, Santarém, Castanhal, Redenção, Parauapebas, Capanema e Tucuruí.
Entre os temas que serão abordados no encontro está o Sistema Integrador Regin. A Junta Comercial do Pará iniciou, no final de março, a primeira etapa de implantação do sistema, que tem como meta simplificar, desburocratizar e reduzir o prazo dos processos de abertura e alteração de empresas.
A implantação do sistema, que cumpre a Lei federal do Redesim nº11.598/07, é um avanço nas ações do Registro Mercantil, porque integrará, em breve, todos os órgãos públicos ligados ao Registro Mercantil, nas esferas municipal, estadual e federal.
No momento, os serviços de Viabilidade e Requerimento Eletrônico já estão disponíveis aos usuários no site da Junta (www.jucepa.pa.gov.br). O Sistema Regin, que está sendo implantado na Jucepa, já opera com sucesso em outros estados, como Santa Catarina, Espírito Santo, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e Mato Grosso. No Encontro, os servidores das Unidades do interior terão diversas oportunidades de discutir e treinar todos os aspectos do Regin.
Confira a Programação do VII Encontro do Registro Mercantil com as Unidades Desconcentradas:
Dia 2/06/14 (segunda- feira)
9h às 10h - Pronunciamentos:
Assessor da ASR - Marcello Sá Pantoja; diretora da DRM - Adriana de Barros Moura; secretária Geral - Iêda Lúcia Pereira de Carvalho; presidente - Paulo Sérgio Pinto Marques Pinheiro
10h às 11h30 - Palestra: NRT
Tema: Regin
Palestrante: Gustavo Eduardo Gomes / ProSolution
12h30 às 15h
Palestra: NRT
Tema: Regin
Palestrante: Gustavo Eduardo Gomes / ProSolution
Dia 3/06/14 (terça- feira)
9h às 10h30 - Participação em Plenária
10h30 às 11h30 - Treinamento - Regin
Responsável: Gustavo Eduardo Gomes / ProSolution
12h30 às 15h - Treinamento - Regin
Responsável: Gustavo Eduardo Gomes / ProSolution
Dia 4/06/14 (quarta- feira)
9h às 10h30 - Palestra: DRM
Tema: Nome Empresarial
Palestrante: Orlando Christiano Pereira Paes
10h30 às 11h30 - Palestra: Coach
Tema: As Ferramentas de Coach para um Líder de Alta Performance
Responsável: Patric Souza
12h30 às 14h - Mesa Redonda - DAF / GFC / GGP / ADM
Responsáveis: Rutiane Azancot / Leila Carneiro e Álvaro Matos / Alexandra Martins / Socorro Gomes
Dia 5/06/14 (quinta- feira)
9h às 10h30 - Mesa Redonda - Cadastro
Responsável: Socorro Porto
10h30 às 11h30 - Psicossocial
Tema: Dinâmica de grupo
Responsável: Ana Lúcia Corrêa / Cintia Raiol
12h30 às 14h - Mesa Redonda - Cooperativa
Responsável: Adair Sarges
Dia 6/06/14 (sexta- feira) - Encerramento
9h às 11:30 - Avaliação da gestão
Responsável: Diretora da DRM - Adriana de Barros Moura
12h30 às 14h - Pronunciamentos:
Assessor da ASR - Marcello Sá Pantoja, diretora da DRM - Adriana de Barros Moura; secretária Geral - Iêda Lúcia Pereira de Carvalho; presidente - Paulo Sérgio Pinto Marques Pinheiro

Texto:
Diane Maués


Imprensa Oficial lança livro que mostra as belezas do Pará
Em uma concorrida sessão de autógrafos, o fotógrafo Fernando Sette lançou o livro "Espia o Pará" que mostra um mosaico das belezas naturais e da população paraense. O lançamento correu na noite deste sábado (31), no estande da Imprensa Oficial do Estado (IOE), que editou a obra com cerca de 700 fotografias, na XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro.
O governador Simão Jatene, acompanhado da primeira dama do Estado Ana Jatene; do secretário de Cultura Paulo Chaves Fernandes; da secretária de Administração, Alice Viana; e do secretário de Comunicação Daniel Nardim, prestigiou o lançamento e foi agraciado com um exemplar da obra.
Fernando Sette disse que o lançamento do livro é a realização de um sonho de muito tempo. “Fico muito feliz ao ver o meu trabalho editado em um livro, pois têm muitos fotógrafos que não têm essa oportunidade”, disse, acrescentando que esse é o primeiro de uma série que ele pretende lançar. “Vamos dar mais algumas espiadas nesse estado maravilhoso”, pontuou.
A estudante de Direito Luiza Brilhante, que é fotógrafa amadora, adquiriu um exemplar e ficou encantada com a diversidade de tipos e paisagens contidas na obra. “O livro é mais um incentivo pra aprofundar as minhas pesquisas no ramo da fotografia”, disse. Se ver retratada no livro foi uma experiência diferente para a estudante Maria Monteiro Pereira, que encarna a personagem Iara na obra. “Foi muito interessante fazer essa releitura moderna proposta pelo Fernando de uma personagem tradicional do nosso imaginário amazônico”, contou.
“Eu desconhecia essa sensibilidade do Fernando. Vendo as fotografias, a gente percebe um enfoque diferente nas belezas que a gente vê e nos passa despercebido”, observou Paulo Sette Câmara, pai do fotógrafo. Segundo o presidente da Imprensa Oficial do Estado, Cláudio Rocha, o lançamento de obras como o "Espia o Pará" é uma forma de incentivar a produção literária paraense. “O livro do Fernando não é escrito com palavras, mas podemos fazer uma leitura visual das nossas belezas”, apontou.

Texto:
Ronaldo Quadros


Semana Estadual do Meio Ambiente terá debates sobre agricultura familiar e educação ambiental
Com o tema “Agricultura Familiar no contexto da Educação Ambiental e Segurança Alimentar”, será realizada nos dias 3 e 4 de junho, a Semana Estadual de Meio Ambiente. O evento é uma realização da Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental (Ciepa), composta por diversas instituições estaduais e coordenada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) compõe a Comissão Organizadora da Semana e ajuda a compor a programação.
A palestra “A importância do fortalecimento da governança das cadeias e arranjos produtivos locais para a Agricultura Familiar” é uma das atrações promovidas pela Secti e será ministrada pelo coordenador de APL e Sistemas de Tecnologias Sociais, Marcial Maciel de Oliveira, no dia 4 de junho, das 10h às 11h.
O objetivo é abordar a importância da articulação entre empresas e instituições públicas e privadas, com vistas a promover maior competitividade dos produtos gerados pelos produtores familiares. “Esperamos que os participantes possam incorporar os conceitos da cooperação na busca de soluções para os seus desafios”, explica o coordenador. Podem participar da palestra pequenos produtores rurais envolvidos em todas as cadeias produtivas, como farinha, cacau, açaí, leite, agentes que articulam essas cadeias e outros interessados.
Ainda no dia 4, das 14h às 17h, o diretor de Tecnologias Sociais da Secti, Evandro Ladislau, apresentará o painel “Tecnologias Sociais ligadas à agricultura familiar”.  Na ocasião, o diretor abordará a Rede de Tecnologias Sociais (RTS) e falará sobre algumas experiências em Tecnologias Sociais do estado do Pará, com destaque para o Projeto Encauchados de Vegetais da Amazônia, e para iniciativas focadas na captação de águas da chuva e dos rios. “Pretendemos mostrar como a Política Estadual de Ciência e Tecnologia, em especial os programas ligados às Tecnologias Sociais, podem contribuir para a boa gestão dos recursos naturais, desdobrando-se em melhorias das condições sociais”, resume Evandro Ladislau.
Serviço:
A Semana Estadual de Meio Ambiente será realizada na Universidade do Estado do Pará (Uepa), unidade do Telégrafo - Rua do Una, nº 156 , entre Municipalidade e Djalma Dutra. Para conferir a programação e saber mais informações, acesse:  www.semanameioambiente.pa.gov.br

Texto:
Ana C. Pimenta


Seduc usa do encanto das lendas à tecnologia digital em seu estande na Feira do Livro
Numa janela da programação do estande temático da Secretaria de Estado de Educação na XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, voltado para os desafios do Pacto pela Educação, mais de 50 atividades se mesclam para atender ao público visitante da XVIII Feira da Pan-Amazônica do Livro, que acontece no Hangar Centro de Convenções, em Belém, até o próximo domingo, dia 8 de junho.
Para gente pequena que marca o ritmo com as mãos e os pés, o estande da Seduc na Feira do Livro recebeu Marluce Caetano e Cláudia Borges, da Secretaria Municipal de Marabá. Chegadas de lá com seu baú de guardados literários e poéticos, elas narraram histórias e abriram a sessão com música indígena.
As duas realizam um trabalho em parceria com a Seduc, com o Movimento de Contadores de Histórias da Amazônia e falaram sobre “uma história de amor com a leitura” e o projeto que desenvolvem denominado “Marabá Leitora”. A iniciativa trabalha a ideia da biblioteca viva e se apoia em parcerias com o Pro Ler, do Ministério da Educação, e com a recém criada Universidade Federal do Sul do Pará (Unifesspa).
Entre as atividades literárias do estande da Seduc neste primeiro final de semana, a pedagoga Nazaré de Mello lançou dois livros sobre os mitos da região. A autora começou a escrever como forma de valorizar as lendas e mitos da Amazônia aproximando, principalmente, as crianças dos poderes da Matinta Perera e da Cobra Grande, por exemplo. Nazaré é pedagoga e vice-diretora para Educação de Jovens e Adultos (EJA) na Escola Estadual de Ensino Fundamental José Veríssimo, em Belém.
Em “Vamos conhecer melhor nossas lendas: Aventuras com os Mitos” e “Lendas Amazônicas para crianças", já em sua 5ª. edição, Nazaré conduz seus leitores pelas “mil e uma noites” da Amazônia, como diz o poeta João de Jesus Paes Loureiro, em prefácio à obra de Nazaré. Segundo ele é no “imaginário fragmentado em lendas” que há “uma constelação de narrativas que vão tecendo essa rede fina que distingue o real do sonho, o cotidiano do imaginário”
Tecnologia
Nem só de arte literária vive a escola e a comunidade acadêmica sabe disso e procura novos recursos a cada dia. Aderilton Parente, do Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE) da Seduc, em Belém, orientou um público de professores, durante a programação do Espaço Educação, coordenado pela Seduc na Feira do Livro, a usar a lousa digital. Lançando mão de uma caneta que funciona como mouse sobre uma tela projetada na parede, Aderilton apresenta a tecnologia como potencial substituto do quadro e do giz tradicionais, hoje, para muitos, quase um desconhecido.
A lousa digital funciona através de um programa de computador onde o conteúdo da aula registrado na tela de texto e desenhos se transforma em arquivo digital reutilizável. Assim, os professores podem organizar suas aulas à medida em que as ministram. A ferramenta requer atenção para que se evitem episódios, chamados, segundo Aderilton, de “ burrice do operador”. Por sua semelhança a outros recursos como o celular ou o tablet, os ícones utilizados lembram imagens conhecidas de muitos e podem ser de nível auto-explicativo.
Calibrar tela, escolher panos de fundo - seja papel pautado, de pauta de música, de fundo quadriculado, as opções se prestam igualmente ao português, à música, à matemática, mas também acomoda opções próprias trazidas em pen drive, que acoplado ao datashow permite escolha.

Texto:
Jimena Beltrão


Escola tradicional de São Sebastião da Boa Vista ganha reforma e ampliação
Uma das instituições de ensino mais respeitadas do arquipélago do Marajó, a Escola Estadual João XXIII, localizada no município de São Sebastião da Boa Vista, tem muitos motivos para comemorar em 2014. Além dos 50 anos de fundação recém-completados, a entidade passa, nesse momento, por uma reforma que, há tempos, era aguardada ansiosamente pela comunidade escolar. A revitalização inclui reestruturação das salas de aula e sistema elétrico, revestimento, piso e cobertura novos.
De acordo com o diretor da escola, Jeferson Patrick Ferreira, a João XXIII é pioneira em muitos sentidos no Marajó: foi a primeira do arquipélago a ter o Ensino Médio secundário e a ser polo do Enem, em 2011. “Começamos com 600, e, no ano passado, tivemos quase 2.000 inscritos. Além disso, vem crescendo não só o nosso resultado no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), como no próprio Enem. Neste ano, conseguimos entre 20 e 25 alunos aprovados na UFPA (Universidade Federal do Pará)”, destaca.
Segundo ele, atualmente, a instituição reúne cerca de 1.500 alunos em diferentes modalidades de Ensino Médio, como o regular; a Educação de Jovens e Adultos (EJA) médio presencial; a EJA médio semi-presencial, conhecida como Ensino Médio personalizado, e sistema modular de ensino no interior.
O diretor diz que a reforma agora realizada na escola é um desejo antigo da comunidade, pois, entre 2007 e 2008, ela chegou a ser iniciada, mas não teve continuidade, o que gerou muita frustração por parte dos estudantes. “A reforma começou entre 2007 e 2008, mas a empresa responsável saiu sem terminar a obra, o que trouxe muitos transtornos, pois ficamos com muita poeira, salas não pintadas, forro não feito. No ano passado, fomos contemplados com essa nova reforma, que vai resolver um dos nossos principais problemas, a questão elétrica”, conta.
Ampliação
Para Jeferson, o futuro da João XXIII deve ser ainda melhor, pois, além da intervenção realizada agora, a instituição receberá, em breve, uma ampliação, prevista no programa Pacto pela Educação do Pará, o que vai permitir o aumento no número de salas de aula e de alunos. “Além disso, também vamos ganhar um ginásio de esportes, outro anseio antigo, pois a escola tem sido campeã em modalidades como futsal masculino e feminino nos Jogos Estudantis do Marajó, o que demonstra a força dos nossos atletas”, ressalta.
A jovem Elyandra Magno, de 17 anos, é aluna do terceiro ano do Ensino Médio e se prepara para prestar os próximos vestibulares. Ela lembra, com tristeza, do período em que a escola estava em péssimas condições, o que trazia muitos prejuízos a todos. “Principalmente para quem estudava à tarde, a dificuldade era muito grande, em função do grande calor. Toda hora tínhamos que sair para beber água, o que dificultava o aprendizado. Como as janelas ficavam abertas, já que não tínhamos refrigeração, o barulho que vinha da rua também atrapalhava bastante. Agora não, ganhamos aparelhos de ar condicionado, paredes pintadas, piso bom e salas sem barulho”, comemora.
Como Elyandra, o professor Benedito Freitas, servidor da educação há 37 anos, acompanhou bem de perto essas mudanças. Ele acredita que a melhoria da infraestrutura é fundamental para que os estudantes possam ter um melhor desempenho. “Na época em que a escola estava em uma situação precária, realizamos uma semana pedagógica e verificamos que o índice de evasão, de alunos que tinham cancelado as matrículas, era assustador. Agora, com a escola melhor, aos poucos estamos retomando a qualidade que sonhávamos ter, porque estamos oferecendo um ambiente melhor para os alunos”, enfatiza.
Dados da obra:
Início da obra: Agosto de 2013
Previsão de conclusão: Junho de 2013
Valor atual: R$ 330.151,65
Empresa responsável: Serve Obras de Engenharia Ltda EPP
Secretarias envolvidas: Secretaria de Estado de Educação do Pará (Seduc)

Texto:
Elck Oliveira


Revoada dos Pássaros abre quadra junina no IAP
No próximo dia 7 de junho, o Instituto de Artes do Pará (IAP) realiza, pelo segundo ano consecutivo, a Revoada dos Pássaros. Com 18 grupos envolvidos, o cortejo saíra às 18h, do Centro Arquitetônico de Nazaré, e culminará com apresentação no anfiteatro do IAP.
Mais de 40 anos depois dos célebres momentos em que os grupos de pássaros e cordões de bichos juninos desfilaram em Belém, a manifestação voltou às principais ruas do centro da cidade. No próximo dia 7 de junho, 18 grupos de pássaros e bichos juninos sairão em cortejo dando vida à Revoada dos Pássaros 2014, que sairá do Centro Arquitetônico de Nazaré em direção às avenidas Genaralíssimo Deodoro, Gentil Bittencourt, Travessa 14 de Março e finalizando no anfiteatro do Instituto de Artes do Pará, na Praça Justo Chermont.
Com 18 grupos no total, três a mais do que em 2013, a Revoada terá a presença dos pássaros e bichos: Tem Tem, Ararajuba, Tucano, Sabiá, Papagaio Real, Rouxinol, Uirapuru, Bem-Te-Vi da Sacramenta, Colibri, Oncinha, Pipira, Bigodinho, Bem-Te-Vi de Outeiro, Jaquinha, Rouxinol, Beija-Flor e Bacu.
Reconhecidos como uma tradição folclórica que nasceu em Belém, os grupos de pássaros e bichos são consideradas genuínas operetas, realizadas por brincantes da cultura popular. Por saber desta importância, o IAP vem buscando resgatar a manifestação e, desde 2012, trabalha com os grupos em oficinas, que culminaram com a revoada.
Nascida na Belle Époque por volta do ano 1900, a manifestação dos Pássaros Juninos surgiu através dos grandes espetáculos de ópera, dentro do próprio Teatro da Paz, à época de sua imponência. Segundo Tito Barata, organizador da Revoada no IAP, “foram os camareiros do Teatro que de tanto vestir as estrelas da ópera e ver trechos das encenações das coxias, resolveram eles mesmos montar suas óperas nos bairros onde moravam, ali para os seus pares”, explica.
A manifestação folclórica é considerada a única tipicamente de Belém. Os cordões de Pássaros Juninos viveram anos de grande apogeu, mas nas quatro últimas décadas perderam incentivo e principalmente o local onde se apresentavam: o Teatro São Cristóvão.
De acordo com Tito Barata, a função do IAP é exatamente a de resgatar o brilho e importância dos cordões de pássaros e bichos juninos. Assim, desde 2012 o instituto vem dando apoio e promovendo cursos e oficinas de aperfeiçoamento aos artistas de Pássaros Juninos.
Em 2013 a Revoada dos Pássaros, idealizada pelo professor João de Jesus Paes Loureiro, retornou às ruas do centro de Belém através da iniciativa do Instituto de Artes do Pará. Na ocasião, 15 grupos saíram em cortejo pelas avenidas Nazaré e Gentil Bittencourt, culminando com apresentação no anfiteatro do IAP. A partir daí a Revoada dos Pássaros abriu oficialmente a quadra junina para se firmar no calendário da cidade.
Serviço:
Revoada dos Pássaros 2014
Saída: 18h do Centro Arquitetônico de Nazaré
Chegada: Anfiteatro dos Instituto de Artes do Pará

Texto:
Danielle Franco


Jornalista Miriam Leitão faz roteiro expresso no Mangal
Aproveitando a sua vinda a Belém para participar da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, realizada no Hangar de 30 de maio a 8 de junho, a jornalista e apresentadora Miriam Leitão visitou o Parque Zoobotânico Mangal das Garças, na manhã deste sábado (31), a convite da presidente da OS Pará 2000, Gabriela Landé.
A visita teve início no Armazém do Tempo, que abriga neste mês duas exposições simultâneas: “Guarás e Garças, uma Revoada no Armazém do Tempo” e “Memórias do Barro”. O diretor do parque, Igor Seligmann, e o encarregado do criatório, Lélio Mota, conduziram o Roteiro Expresso, visita guiada com duração de 30 minutos.
Após conhecer de perto a reprodução das borboletas e das aves, como os guarás, Miriam Leitão afirma estar encantada com o Mangal das Garças. “Revi alguns pássaros, como o colhereiro, e pude conhecer novos como o Mutum Cavalo, ou até mesmo entender mais sobre as borboletas. Achei tudo muito encantador, aprendi muito hoje aqui. Me encantou também a vista ao farol, porque eu revivi o que eu mais amo em Belém, que é o fato de ter uma cidade voltada para a baía. Eu gosto muito de Belém e hoje eu tive a oportunidade de conhecer um pedacinho precioso”, frisou.
A jornalista aproveita a Feira do Livro para lançar o seu livro “A perigosa vida dos passarinhos pequenos”, que é ricamente ilustrado pelo artista plástico Rubens Matuk, outro apaixonado por ecologia. O livro conta a história de uma rebelião iniciada por pássaros pequenos contra a falta de árvores na região em que viviam. Uma fábula ecológica cativante para leitores de todas as idades.

Texto:
Fernanda Scaramuzzini


Emater promove a Exposição de Flores e Plantas Ornamentais de Benevides
Sete mil pessoas devem passar pela Exposição de Flores Tropicais e Plantas Ornamentais de Benevides (Expofloben), promovida pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) até domingo, 1º de junho. O evento é uma parceria com a Associação dos Floricultores de Benevides (Aflorben), prefeitura e Câmara Municipal.
Flores, rizomas, envasados, folhagens, cachepôs fabricados em madeira reciclada, além de peças artesanais, estão em exposição na Praça da Alimentação de Benevides, na Avenida Joaquim Pereira de Queiróz. O horário de visitação é das 9h às 18h e a entrada é franca. Para o técnico de segurança do trabalho e morador de Benevides Willemon Miranda, a exposição está muito boa e ajuda a divulgar a cultura da região e ainda a valorização do meio ambiente. “Vim com a minha família e estamos levando a flor Chuva de Prata e ainda recebemos orientação de como cuidar, com adubação correta, para a manutenção”, disse.
Para a artesã e comerciante do município marajoara de Soure Dette Freitas, a exposição é uma oportunidade de ver a beleza das flores e plantas que deixam qualquer ambiente mais acolhedor. “Estou levando daqui angélicas e helicônias, que irão decorar meu restaurante em Soure”, contou.
Segundo a engenheira agrônoma da Emater Soraia Araujo, da coordenação da Expoflorben, neste segundo dia já foram comercializados cerca de 30% da produção exposta. “Nossa expectativa é ultrapassar os quase R$ 10 mil em vendas diretas obtidos na edição passada, mas o objetivo é possibilitar novos negócios para o segmento”, afirma.
Benevides responde pela maior produção de flores tropicais do Pará. Segundo a Emater, são mais de 30 produtores que cultivam desde tropicais até plantas para paisagismo. A produção do município gira em torno de 300 mil hastes de flores tropicais de corte, 280 mil unidades de plantas envasadas e 100 mil unidades de flores temperadas (sorriso de Maria, angélica e celósia).

Texto:
Paula Portilho


Susipe contesta avaliação do Conselho Federal da OAB sobre situação dos presídios do Pará
Uma comissão representada por onze advogados de vários Estados, incluindo o Pará, fez, na manhã deste sábado (31), uma vistoria na Central de Triagem da Cremação, em Belém. A ação é promovida pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), atendendo a uma solicitação da Coordenação Nacional de Acompanhamento do Sistema Carcerário para saber o diagnóstico do sistema prisional de todo o país e cobrar melhorias na assistência aos detentos junto ao poder público.
Segundo o presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento Carcerário da OAB, Adilson Rocha, o objetivo principal é acompanhar a atual situação dos presídios e dos detentos no Estado, com o intuito de auxiliar as administrações das casas de detenção. “Nossa proposta é mostrar para as autoridades competentes a situação em que se encontra o sistema prisional para que possamos encontrar soluções beneficiando quem precisa. A partir dessa vistoria, precisamos promover com urgência um mutirão carcerário para rever toda a situação jurídica da unidade, alterar a situação do sistema prisional para profissionalizar essas pessoas, barateando os custos até para a sociedade, tratar o preso com dignidade e diminuir a reincidência criminal”, disse.
Na última sexta-feira (30), as vistorias ocorreram na Central de Triagem Metropolitano I, no Presídio Estadual Metropolitano I (PEM I) e no Centro de Recuperação Prisional do Pará. As visitas vão subsidiar um relatório que será encaminhado à OAB nacional com o diagnóstico do sistema prisional do Estado. “Queremos soluções imediatas. Os internos desse Estado não podem continuar nessas condições. É uma situação extremamente preocupante, principalmente, nessa unidade, devido ao excedente prisional. O sistema penal precisa tomar providências para garantir condições adequadas no cárcere a esses internos”, afirmou o representante da comissão no Pará, Eduardo Imbiriba.
Hoje, o Pará custodia 12.472 presos, mas só tem vagas para 7.522. Para o titular da Superintendência do Sistema Penal do Pará (Susipe), esta situação decorre, principalmente, do baixo investimento feito pela gestão anterior do governo do Estado no setor prisional paraense. “Até o fim de 2010, apenas 410 vagas foram geradas, e a população carcerária continuou aumentando. Não há vagas para todos. Esse quadro de superlotação é uma realidade de todo o Brasil. Não se resolve essa questão apenas mudando a personalidade jurídica do órgão gestor. A Susipe nunca negou que o sistema prisional do Pará tem problemas. A superlotação é o principal deles, e todos nós sabemos disso, inclusive a OAB”, asseverou.
Outra questão apontada na avaliação do Conselho Federal da OAB é referente aos investimentos da União no sistema prisional do Pará. “Dizer que a União tem R$ 1,4 bilhão à disposição para gastos é uma informação completamente equivocada. De fato, o Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) tem hoje em conta esse valor estimado em recursos, mas o montante está contingenciado pelo governo federal, portanto, é inviável de ser destinado aos Estados. Hoje, o Funpen é um fundo de transferência voluntária. É necessário mudar essa natureza. Essa situação já foi colocada para o Conselho Federal da OAB, em reunião este ano, em Brasília, e ao que parece nada foi feito em relação a isso”, continua o superintendente.
Ampliação – André Cunha destacou ainda os investimentos do Estado na área prisional. “Já entregamos duas novas unidades prisionais nesta gestão: o Centro de Progressão Penitenciário de Belém e o Centro de Recuperação de Breves, no Marajó. Estamos construindo ainda novos alojamentos na Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel, o que totaliza mais de 600 vagas. Com a geração total de seis mil novas vagas prevista nesse governo, o Pará vai contratar uma quantidade equivalente ao que o Brasil inteiro produziu de vagas prisionais entre 2012 e 2013”, garante o superintendente.
No Pará hoje 47% da população carcerária são presos provisórios. Uma das soluções propostas pelo Conselho Federal da OAB em relação à superlotação carcerária nas unidades prisionais da Região Metropolitana de Belém (RMB) foi à interdição dos centros de detenção. “Interditar um centro de detenção é transferir o problema de um lugar para outro. Enquanto as novas unidades prisionais não ficarem prontas e a relação preso e vaga não for equalizada, o problema persiste. Sabemos que o problema da superlotação não se resolverá só com novos presídios. É preciso se investir na maior eficácia do sistema de justiça criminal para resolvermos a situação dos presos provisórios”,analisou o titular da Susipe.
O governo do Estado está investindo mais de R$ 100 milhões na construção de 20 novos centros de detenção no Pará. Até o fim deste ano, a meta é criar cerca de três mil novas vagas no sistema prisional paraense. Atualmente, 14 novas unidades prisionais já estão em construção nos municípios de Bragança, Marabá, Parauapebas, Santarém, Santa Izabel do Pará, São Félix do Xingu, Tomé-Açu e Vitória do Xingu. No total, seis mil novas vagas serão contratadas até 2015.

Texto:
Timoteo Lopes


Sepaq apoia o VI Torneio de Pesca Esportiva de Tucuruí
Começou neste sábado (31), em Tucuruí, no sudeste do Estado, o VI Torneio de Pesca Esportiva. A competição ocorre até domingo (1º de junho), no Lago da Hidrelétrica de Tucuruí, com apoio da Secretaria de Estado de Pesca e Aquicultura (Sepaq).
A programação começou com atividades educativas e de consciência ambiental para 100 crianças que participam do torneio. Eles também receberam brinquedos de presente, que foram ofertados pela Sepaq. As crianças são de comunidades ribeirinhas que vivem no entorno do lago.
O torneio principal tem a participação de 75 duplas de adultos. Elas começaram a pescar neste sábado, das 9h às 18h. No domingo, a pescaria é no mesmo horário. Ganha a competição a dupla que pegar o maior e mais pesado tucunaré. A regra mais importante do torneio é que o peixe seja devolvido para lago imediatamente, após ser pesado, medido e fotografado. Existe uma equipe de apoio cuidando de tudo isso.
A Sepaq  forneceu todos os kits esportivos que estão sendo usados pelos participantes e pela equipe de apoio. São camisetas, camisas de manga longa, bonés e uma bolsa. Uma equipe da secretaria está no município prestando apoio logístico para o evento, entre eles, a secretária adjunta, Lucia Miranda, o diretor de Pesca, Romildo Moraes, e a diretora de Administração e Finanças, Elizabeth Lima.
Segundo a Associação dos Pescadores Esportivos do Lago de Tucuruí, o torneio tem a presença de competidores que vieram de outros países.  “Os vencedores do torneio serão conhecidos na noite deste domingo“, diz a presidente da entidade, Mariana Bogéa. O torneio também tem o apoio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Prefeitura de Tucuruí, Eletronorte e diversas empresas locais.

Texto:
Christian Emanoel


Banda Sinfônica da Fundação Carlos Gomes abrirá o Festival Internacional de Música
A Banda Sinfônica da Fundação Carlos Gomes faz um dos concertos de abertura do XXVII Festival Internacional de Música do Pará, neste domingo, 1 de junho, no Theatro da Paz. Sob a regência de Amílcar Gomes, a banda foi criada em 1998 e participou recentemente do Música das Américas, festival voltado para as bandas sinfônicas que ocorreu no mês passado, em Belém. A apresentação deste domingo começa às 11 horas e tem entrada franca.
“No Música das Américas, mostramos composições de vários músicos americanos, e agora vamos mesclar com criações de compositores renomados, tanto nacional como internacionalmente”, diz Amílcar Gomes, destacando, no repertório, o paraense Luiz Pardal, Hudson Nogueira e Vitoriano Valença.
A Banda Sinfônica da Fundação Carlos Gomes tem 50 integrantes, entre alunos, professores e ex-alunos.  Amílcar Gomes, que é professor do Instituto Estadual Carlos Gomes, está à frente do grupo desde 2011. “Faremos uma mostra do que está sendo feito no instituto, tendo como ponto de partida a vocação nata do Estado para as bandas de música”, diz o regente, sobre a apresentação de domingo.
Outros grupos artísticos da Fundação Carlos Gomes se apresentam durante o festival, em vários espaços da cidade. Entre eles, estão o Muiraquitã Jazz, Trio de Música Antiga, Qauternura , Orquestra Jovem da Fundação Carlos Gomes e Orquestra de Choro Uirapuru.
O Festival Internacional de Música do Pará segue até o dia 8, com a participação de grandes nomes da música erudita nacional, como o Quinteto Villa-Lobos, Quarteto Radamés Gnatali, Grupo Ânima, Quarteto de Cordas Guanabara e Quinteto de Cordas Catarinense. O evento traz ainda a Belém atrações internacionais de renome, como Valerius Ensemble, Rostock e Pampa Brass. A pauta de concertos populares terá Renato Borghetti, Hamilton de Holanda e a cubana Yusa, entre outros. As noites do jazz que ocorrerão no Camarin Cultural.
O festival deste ano presta homenagem aos professores Lícia Arantes, Aline Onace e Paulo Keuffer, pela contribuição com o ensino musical no Pará.O evento foi um dos 25 projetos culturais selecionados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em todo o país e está entre os oito eventos musicais contemplados com patrocínio do banco em cinco regiões brasileiras.
A seleção teve um total de 658 inscrições válidas, feitas pelo site do BNDES de 13 a 18 de dezembro de 2013. A escolha levou em conta as características e o mérito de cada projeto, além da distribuição regional e temporal dos eventos, de modo a evitar concentração excessiva em um determinado local ou mês do ano.
Serviço: XXVII Festival Internacional de Música do Pará. De 1 a 8 de junho, no Theatro da Paz, Sala Ettore Bosio, Teatro Waldemar Henrique, Anfiteatro São Pedro Nolasco (Estação das Docas), Catedral de Belém, Igreja de Santo Alexandre e Camarin Cultural. Concertos de abertura, no Theatro da Paz, neste domingo, 1º, às 11h, com a Banda Sinfônica da Fundação Carlos Gomes, e às 20h30, com a Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz. Toda a programação tem entrada franca.

Texto:
Rosa Cardoso
 
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...