Total de visualizações de página

sexta-feira, agosto 22, 2014

Abertas inscrições para oficina de Libras na Uepa











VII Salão do Livro em Santarém atrai apaixonados pela leitura
O público que chega a todo instante é bastante diversificado. São crianças, jovens e adultos encantados pelas mais de 30 mil obras em exposição no sétimo Salão do Livro da Região do Baixo Amazonas, da XVIII Feira Pan-Amazônica do Livro, realizado no Espaço Pérola do Tapajós, do Parque da Cidade de Santarém, pela Secretaria de Estado de Cultura (Secult). Ao todo, 42 estandes, com títulos de 200 editoras, estão divididos pelos 3.600 metros quadrados de um atraente universo da leitura.
Aos 6 anos, Bruno da Silva, que mal sabe soletrar o nome, visitou o espaço e folheou com gosto livretos de histórias infantis. O bichinho em alto relevo na capa atraiu a curiosidade do menino, que nem soube contar do que se tratava a obra. Mas soube justificar a atração. “Eu tava olhando as figurinhas. Só!”, confessou.
Já a estudante, Ingrid Lourido, 17 anos, mostrou com satisfação a sacola cheia de livros. Para ela, o salão é uma grande oportunidade para colocar a leitura em dia. “Para quem gosta de ler, a feira é um excelente lugar. Este é o segundo ano que venho aqui e fico cada vez mais feliz. Até porque os preços são bem acessíveis”, lembrou.
Com os três filhos à tira colo, a pedagoga Maila Aguiar, foi uma das visitantes do salão. Comprou dicionários de vários idiomas para seguir os estudos do mestrado. Só lamentou não ter essa oportunidade mais vezes no ano. “A feira deveria acontecer pelo menos duas vezes a cada ano. Aqui, nós temos muitas opções a nossa disposição e isso é bom para quem está estudando. Sem falar que é fato que esse evento gera emprego e renda movimentando a economia local”, salientou.
Para este ano, são aguardados 115 mil visitantes. Público que pode encontrar livros a partir de 1 real. A estimativa da coordenação do evento é movimentar cerca de R$ 2 milhões em dez dias de programação. “O salão está incorporado ao calendário de eventos da região. E as pessoas vêm mesmo atraídas pela possibilidade de encontrar uma boa literatura com preços acessíveis. O que significa que o salão vem cumprindo o papel de aproximar o livro do seu público. Inclusive, viabilizando a formação de novos públicos”, disse Ana Catarina Brito, diretora de Cultura da Secult.
Para a edição 2014, o país celebrado é o Qatar e o escritor homenageado é o amazonense Milton Hatoum. O salão, que integra a programação anual da Feira Pan-Amazônica do Livro traz ao público da região uma programação voltada para atividades culturais em geral, com música, cinema, teatro e, especialmente, voltada para a literatura local e nacional.
Assim como nos anos anteriores, no VII Salão do Livro, os servidores da área de educação da região também terão à disposição o Credlivro – bônus de 200 reais para aquisição de livros. Com o objetivo de melhorar a qualidade do ensino mediante a promoção de incentivos à capacitação de servidores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), o projeto recebeu este ano um investimento total de R$ 4 milhões. Especificamente, na região do Baixo Amazonas, serão contemplados 2135 servidores, com um total de 427 mil reais.
Neste sábado (23), às 18h30, o Grupo Batuque (Ufopa) se apresentou para o público que gosta de música, na tenda que fica do lado de fora do Espaço Pérola. Às 20h30, o show fica por conta da cantora Priscila Castro. Neste domingo (24), às 18h30, a apresentação é de Priscila Moreira e Adrio Denner. Já às 20h30 é a vez da Orquestra Jovem Wilson Fonseca.
Serviço:
O VII Salão do Livro da Região do Baixo Amazonas acontece aos sábados e domingos, de 15h às 22h, e de segunda a sexta, de 9h às 22h. O Espaço Pérola do Tapajós, no Parque da Cidade, fica na avenida Bartolomeu de Gusmão, s/n.

Texto:
Mayron Gouvêa


Projeto Rádio Escola ganha destaque durante o Dia do Pacto pela Educação no Pará
Este sábado, 23 de agosto, foi um dia especial para a educação do Pará. A data foi escolhida, este ano, como um marco para o debate e atividades voltadas para a área da educação nas escolas públicas estaduais. O Pacto pela Educação é um esforço integrado de diferentes setores do Governo, da iniciativa privada, da sociedade civil, e de organismos internacionais, liderados pelo Governo do Estado do Pará.
A intenção é a de promover a melhoria na qualidade da educação e fazer do estado uma referência nacional na transformação da qualidade do ensino público. Vinte unidades Seduc na Escola (USEs) da Região Metropolitana, 18 Unidades Regionais de Educação (UREs) e parceiros do projeto participaram do evento, organizado pelas escolas com apoio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc).
A Escola Estadual Costa e Silva, no bairro do Sousa, foi uma das que, além das diversas atividades pedagógicas, contou com a inauguração da nova Rádio Escola, feita exclusivamente por alunos. O secretário de Estado de Comunicação, Daniel Nadim, esteve presente e foi o primeiro entrevistado oficial da rádio estudantil. “A comunicação pode e deve ser um importante instrumento na educação da comunidade. Penso que estes jovens poderiam estar em pleno sábado de manhã descansando, jogando futebol mas, decidiram estar aqui e colaborar com a escola. Isto é um sinal de que estamos indo no caminho certo da parceria entre escola e o Governo do Estado”, fala.
Audrey de Oliveira, professora da Escola Costa e Silva, relata o orgulho de ter um projeto educacional voltado para a comunicação. “Tentávamos há um tempo fazer esse projeto da rádio, mas era muito difícil. Até que um dos nossos professores propôs a história da rádio e ele foi conquistando os nossos alunos. Hoje em dia temos uma excelente visibilidade na escola e queremos ter também fora dela”, diz a professora.
Para a diretora da Escola Presidente Costa e Silva, Ana Cristina Godinho, as ações estimuladas pelo Pacto pela Educação mostram a afirmação da união da escola e da comunidade escolar. “Estamos justamente trabalhando a qualidade do ensino na nossa escola. Então, é um momento feliz pra gente, estar podendo contribuir com dia maravilhoso para nossos alunos e funcionários”, conta.
Entre os oito alunos que compõem a equipe da rádio, a alegria de poder dar visibilidade ao projeto era visível. Para Gabriel Pedro Amorim e Felipe Lucas Favacho, de 16 e 17 anos, respectivamente, o sentimento era de satisfação em fazer algo de diferente dentro de seu colégio. “É uma excelente ideia. Alunos e professores vão poder interagir mais com música e informação e ficar cada vez mais envolvidos com a comunidade escolar”, diz Lucas.
Outras histórias
Na Escola Estadual Ulysses Guimarães, atividades pedagógicas, lúdicas e de serviço à comunidade foram desenvolvidas em uma intensa programação. Foram realizados ciclos de palestras, debates, feira de exposições, uma gincana esportiva, além da exibição de documentários envolvendo os 1.500 alunos matriculados.
Para a diretora da instituição, Ângela da Silva, este sábado foi um momento muito importante, reflexo de um trabalho duro realizado ao longo de todo ano. “Tudo que a gente faz na escola é para o aluno. Então quando a gente vê ele chegar num sábado, às sete e meia da manhã, antes mesmo da escola abrir, e participar das atividades, significa que ele está trabalhando este sentido de pertencimento da escola dele. Do outro lado está o professor, cada vez mais se conscientizando de que ele é um agente fundamental deste pacto, desta parceria para a melhora efetiva da educação”, comenta. 
A coordenadora pedagógica da instituição de ensino, Márcia Bragança, reafirmou a importância do envolvimento da comunidade escolar para a melhora da educação do estado. “A proposta do Pacto pela Educação é realmente uma proposta diferenciada, para que alunos e professores percebam que eles estão seguindo um caminho de formação como cidadãos. Eles já perceberam que estes são momentos de socialização, de todo um trabalho que a escola faz, no empenho realmente de uma qualidade nesse ensino”, explica.
Entre os alunos da Ulysses Guimarães o clima era de empolgação com um sábado diferente, totalmente dedicado ao estudo. “Essas atividades aqui no colégio são muito legais. A gente interage melhor e assim, aprende muito mais”, afirma Marinara Araújo, de 16 anos, e estudante do convênio.
O jovem Atailson Barbosa, de 16 anos, comemorou também as melhoras na estrutura física do prédio. “Temos que aproveitar esse momento único. Temos o privilégio agora de uma boa estrutura do nosso colégio, depois da reforma, e acredito que temos que levar adiante este momento muito proveitoso”, fala.
Na Escola Estadual Deodoro de Mendonça o dia também foi de debates, reflexões, esporte e dança. A vice-diretora, Graciete Aviz, comemorou junto aos alunos a inauguração de diversas instalações e, mais especialmente, a entrega da reforma completa do auditório. “Estamos hoje inaugurando um espaço que estava há bastante tempo improdutivo, desativado. A entrega deste auditório vai facilitar o trabalho desenvolvido dentro de um projeto da escola que acontece há 20 anos, o Encontro com o Vestibulando, que tem como meta, preparar nossos alunos para entrar na universidade”, diz.
Há sete anos lecionando na Deodoro de Mendonça, o professor de filosofia José Carlos Lima, destacou que o projeto é um estímulo extra ao professor e ao aluno. “Temos muita preocupação pedagógica aqui na escola e a melhora de nossas instalações possibilita que o professor desenvolva melhor, junto aos alunos o seu trabalho e o seu aprendizado”, relata.
A estudante Rafaela Gomes, de 16 anos, participou de diversas atividades no dia, entre elas o futsal. “Tá super legal, com várias apresentações e ainda depois dessa reforma, com mais conforto. Dá mais vontade de vir pra cá”, conta.
Para o secretário de Estado de Educação, José Seixas Lourenço, o Dia do Pacto pela Educação incentiva o diálogo da escola com seu entorno, composto por alunos, professores, servidores de forma geral, pais e comunidade. “É um projeto liderado pelo Governo do Estado, mas também é, na realidade, uma grande aliança entre vários atores sociais, inclusive privados. Por exemplo, abraçaram essa causa o Fórum Pará das Entidades Empresariais, o Fórum das Instituições de Ensino Superior, igrejas e outros. De tal maneira, que estamos todos conscientes de que a melhoria da educação básica vai depender dessa aliança. É um grande investimento, e verdadeiramente, um pacto com a sociedade”.

Texto:
Ana P. Bezerra


Escolas estaduais mostram para a comunidade os seus principais projetos
As Escolas Estaduais do distrito de Icoaraci, Outeiro e dos bairros de Parque Verde, Tenoné, Bengui e Maguari promoveram várias programações pedagógicas, esportivas e culturais no Dia do Pacto pela Educação na Escola, neste sábado, 23. As instituições de ensino receberam pais, alunos e professores, em um dia especial destinado à consolidação de uma educação de qualidade e compromisso em melhorar cada vez mais o ensino no estado do Pará.
A Escola Raimundo Martins Viana realizou um “aulão” com o objetivo de preparar os alunos para as provas de vestibular de 2014. O salão da escola ficou lotado e os estudantes puderam tirar todas as suas dúvidas com os professores de várias disciplinas do curso.
Na Escola Ruth dos Santos os alunos organizaram várias programações culturais e esportivas. como roda de carimbó e apresentação e competição de judô. Já os alunos da Escola Maria Estelita Barbosa da Silva organizaram um evento voltado para a questão da culinária e artesanato feito a partir da palmeira e do fruto do açaí. 
Houve degustação de pratos regionais e apresentação de danças e pesquisas sobre o assunto. O alunos Gabriel Lima, do 5 ano, expôs o trabalho “Aproveitando o Açai”, e mostrou para a comunidade como o caroço do fruto pode ser reutilizado e beneficiar todos. “É muito legal poder participar de um trabalho desses, conhecer mais e repassar esse conhecimento para as pessoas, principalmente, porque é um fruto muito importante para os paraenses”, afirmou ele.
Muitas palestras fizeram parte do Dia do Pacto na Escola do Tenoné. A que chamou mais a atenção dos alunos foi a palestra sobre primeiros socorros. Os alunos ficaram atentos, curiosos e impressionados em saber que tendo importantes conhecimentos sobre o assunto podem ajudar a salvar a vida de pessoas que estão passando por algum tipo de acidente do cotidiano, como um afogamento, através da respiração boca a boca.
“Estou achando maravilhoso esse dia, estou aprendendo muitas coisas importantes com essa palestra, pois sabemos que a qualquer momento pode acontecer alguma coisa e vamos estar preparados para ajudar quem precisa”, enfatizou a aluna Fernanda Valença, do 3o ano do Ensino Médio.
A Rádio Escola da instituição de ensino Jorge Lopes Raposo não deixou nada passar em branco na programação da escola no Dia do Pacto. Os alunos davam os melhores detalhes do que estava acontecendo e deixavam todos bem informados. “A nossa rádio funciona em todos os nossos eventos e procuramos preparar bem os nossos alunos para isso. É um projeto idealizado e desenvolvido pela sala de informática e tem trazido muitos resultados positivos para a escola”, disse a professora Helioneth Lisboa, uma das coordenadoras do projeto.
Além disso, professores e alunos participaram de um torneio de futsal, que aconteceu na quadra da escola. Segundo a vice-diretora da Jorge Lopes Raposo, Marcia Magina, o Dia do Pacto é importante porque traz os pais para dentro da escola e isso é muito bom para conhecerem como a instituição funciona, além de aproximar mais a família da escola. “Os pais precisam conhecer os professores e saber como o seu filho vai nos estudos, acompanhar o desempenho deles”, declarou ela.
Na escola Fé em Deus, atividades esportivas não faltaram, como corrida de saco, futebol solidário, corrida de cadeiras, salto à distância e corrida de obstáculos. A escola também desenvolveu atividades pedagógicas e lúdicas que contribuem para o desenvolvimento do aluno, como competição de poesias, xadrez, dama e maratona de matemática.

Texto:
Eliane Cardoso


Moradores da Sacramenta participam de programação especial contra o sedentarismo no polo do Pro Paz
Os moradores que vivem na área de influência do polo do Pro Paz Sacramenta participaram, neste sábado, 23, do Movimento pela Paz, que disponibilizou atividades físicas à população, além de realizar um processo de revitalização da Praça Dorothy Stang, durante a programação realizada pelo Pro Paz, Instituto de Artes do Pará (IAP), Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) e Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), em parceria com a Prefeitura de Belém e o grupo “Movimenta Pará Contra o Sedentarismo”.
O evento, que contou com grande participação da população, teve atividades variadas que incluíram ginástica aeróbica para adultos e idosos, técnicas de Slackline (uma fita elástica esticada entre dois pontos fixos, o que permite ao praticante andar e fazer manobras por cima) para os jovens, além de atividades de esporte e lazer para os participantes nas quadras e na pista de skate do espaço.
Um dos eventos mais movimentados durante a programação foi o de ginástica aeróbica, que contou com a participação de várias pessoas, que aprovaram a programação desenvolvida no polo do Pro Paz Sacramenta, como o aposentado Fenelon da Costa Alves, de 79 anos, que participou das atividades e que é aluno das aulas de dança de salão desenvolvidas no polo do Pro Paz.
Para Fenelon, a programação ajuda a melhorar o condicionamento físico, além de garantir uma atividade especial para todos os moradores gratuitamente. “Essa programação é importante principalmente para a nossa saúde, os exercícios físicos garantem uma vida tranquila e prolongada para todos nós. Quanto mais atividades fazemos, mais anos de vida a gente tem”, diz.
Revitalização
A prefeitura de Belém foi responsável por realizar um trabalho de revitalização da Praça Dorothy Stang, com poda de gramado, pintura e nova iluminação do local, ação decidida durante o Fórum de Segurança Pública ocorrido no início deste mês e que teve a participação de órgãos que integram a Segup e representantes do bairro.
A restauração do espaço foi uma das solicitações da comunidade atendida no Movimento pela Paz. Durante a programação, crianças atendidas pelo polo Pro Paz Sacramenta participaram das atividades de plantação de palmeiras doadas pela Cosanpa.
Para a dona de casa Regina Cruz, de 62 anos, com o espaço revitalizado a população pode participar cada vez mais de atividades na Praça Dorothy Stang, com um lugar que garanta lazer para os moradores do bairro da Sacramenta. “Achei excelente toda a programação no nosso bairro porque afasta os criminosos daqui e oferece mais atividades para todos. Aqui é um lugar para fazer novas amizades, principalmente com o Pro Paz, que funciona e integra as pessoas de várias idades”, afirma.
De acordo com o coordenador Geral do Pro Paz, Simão Bastos, o Movimento pela Paz serve principalmente como mobilização da comunidade, para que utilize os espaços que estão disponíveis no local, em parceria com o poder público e projetos sociais.
Segundo Simão, outras atividades semelhantes serão desenvolvidas nos outros polos do projeto Pro Paz nos Bairros. “Esse é mais um dos movimentos que fazemos para que a comunidade atue em parceria com o Pro Paz e com os órgãos de segurança pública. Tudo começou há cerca de duas semanas, com o Fórum de Segurança Pública, que ouviu os problemas das comunidades da Sacramenta e que deu início ao planejamento do evento realizado hoje. Esperamos realizar mais atividades como esta, sempre em parceria com a população e também com o apoio do projeto Movimenta Pará”, declara.
As atividades físicas e de Slackline foram desenvolvidas pela equipe do projeto “Movimenta Pará Contra o Sedentarismo” que tem como uma das idealizadoras, a professora Ana de Sá, que organiza ações que promovem a prática do exercício físico como hábito cotidiano das pessoas, visando a melhoria de aptidão física e, consequente, o desenvolvimento da qualidade de vida.
Para Ana, a parceria com o Pro Paz teve como objetivo levar informações para os participantes de como realizar exercícios físicos em sua própria casa, por meio de uma mobilização social para passar os conhecimentos das atividades desenvolvidas para a população. “Temos como foco o combate ao sedentarismo. Sempre com o apoio de diversos parceiros, como o Pro Paz, tentamos combater a falta de exercícios físicos de diversas formas, levando para a população atividades que eles querem fazer, sempre cuidando da saúde, já que o sedentarismo é uma das principais causas de mortes no mundo”, observa.

Texto:
Tiago Furtado


No Júlia Seffer, leitura ganha destaque em programação diversificada
No dia do Pacto pela Educação na Escola, realizado neste sábado (23) pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc) nas escolas públicas estaduais do Pará, a menina Bibi e seu porquinho Ocofre compareceram à Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Júlia Seffer, no conjunto Júlia Seffer, em Ananindeua. Bibi participou do Pacto convidando os estudantes ao mundo da leitura, em programação cênica montada por técnicos da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, na área de entrada da escola. Bibi e Ocofre são personagens (bonecos fantoches) com uma relação singular: Bibi usa Ocofre, o cofrinho dela em forma de porco, para guardar não moedas, mas palavras.
No espetáculo, Bibi (interpretado por Adriana Costa) nome dado pelos pais dela a partir da biblioteca que costumam frequentar) alimenta Ocofre (Adriana Serrão) com palavras, cuja grafia é comunicada a ela pelos estudantes, mediante convite feito por uma professora (Luana Moura) pela cantora e compositora Iva Rothe, coordenadora da ação da Tancredo Neves. O amigo leitor de Bibi, o Arturzinho (Débora Ruivo) repassa novas palavras para ela. O argumento da peça é de Iva Rothe e os personagens, de Semias Araújo.
As crianças aceitaram o convite para interagir com Bibi e responderam a grafia correta de palavras como cochicho, cochilo, ornitorrinco, ortodoxo e coxia. Cada palavra nova, Ocofre agradecia e queria mais. Uma foi especial: educação. “É importante a educação porque ela ensina a gente a ler e escrever”, declarou o estudante Emerson Dias Soares, dez anos, 5ª série, ao lado dos amigos e colegas de sala Davi Silva Dias, 11 anos, e Luan Pereira Cruz, 10 anos. Depois de interagir com o grupo cênico, os estudantes foram para o ônibus-biblioteca, onde fizeram a festa com os livros e revistas, na ótima companhia de Ocofre, que se “deliciou” no ambiente das letras, e tiraram muitas fotos.
Oportunidade
Os estudantes, Bibi e Ocofre conferiram as atrações educativas, esportivas e culturais e prestação de serviços na Escola Júlia Seffer dentro da programação do Pacto pela Educação na Escola. Eles participaram da abertura da programação, com direito à execução do Hino Nacional e à mensagem de estudantes do Atendimento Educacional Especializado (AEE), coordenados pelas professoras Benigna Conceição e Ângela Barros, aos participantes do evento: “Crianças são como borboletas ao vento, algumas voam rápido, algumas voam pausadamente. Mas todas voam do seu melhor jeito. Cada uma é diferente, cada uma é linda e cada uma é especial”.
Para o estudante e carateca da escola, William Dário Santos, 13 anos, da 5a série, “a escola é muito legal, porque a gente aprende aqui o que precisa saber e eu sigo os passos da minha mãe, que estudou na mesma escola”. Junto com William também estuda na Júlia Seffer o irmão dele, Leandro Dayson, 12 anos, 5ª série.
Vinte estudantes formaram a banda marcial da escola, sob a regência dos professores Simon Nascimento e Mariane Santos. “Esse dia do Pacto na Escola é importante para os alunos interagirem com os outros sobre os estudos e atividades na escola”, destacou a dona de casa Hélia Ramos, 32 anos, mãe da estudante Carla Cristina Alves, 11 anos, do 5º ano.
A Escola Júlia Seffer atende 1.410 estudantes com 45 professores no Ensino Fundamental I e II e Médio regular, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e educação especial. “Estamos em uma área de risco, mas desenvolvemos o ensino regular e mais o Programa Mais Educação, envolvendo atividades que estão no Pacto da Educação na Escola, como letramento, cursinho pré-vestibular, atividades esportivas e musicais e horta escolar”, destacou a diretora da escola, Lígia Cristina Figueiredo.
Lígia contou que 80% dos estudantes são filhos de mães empregadas domésticas. “Essas mães e pais não tiveram, em geral, a chance de estudar, mas seus filhos estão tendo. Metade dos alunos aproveita o ensino e outra metade precisa ser incentivada, porque muitas vezes as famílias não participam da educação. Mas aí é que entra o Pacto, com projetos estratégicos, para mobilizar as pessoas pela educação”, concluiu a diretora Lígia, com o aval pleno dos personagens Bibi e Ocofre.

Texto:
Eduardo Rocha


Empresa promove reforço no estoque de sangue do Hemopa
Cerca de 50 funcionários da empresa de instalações e manutenções elétricas Dínamo foram à Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa), na manhã deste sábado, 23, para doar sangue em mais uma parceria entre as duas instituições. Esta é a segunda campanha de doações de sangue da empresa este ano na Fundação. A ação faz parte do cronograma de responsabilidade social e qualidade de vida da Dínamo, que dará suporte ao estoque de sangue do hemocentro, que sofre baixa de 30%.
Desde a primeira edição, as ações realizadas pela empresa já contabilizaram mais de 200 doações, o que poderia possibilitar até mais de 600 pacientes atendidos. O eletricista João Paulo Ferreira da Silva, 30, portador do tipo sanguíneo B positivo, doou sangue pela terceira vez, todas em campanhas da Dínamo ‘’Me tornei doador quando entrei na empresa. Desenvolvi esta consciência lá. Doar sangue é simples e, quem pode, deveria. Salva vidas’’, diz o doador, que explica que a vontade de doar sangue já existia antes de ser funcionário da parceira do Hemopa. ‘’Sou de Itaituba e nunca consegui doar sangue lá. Quando vim para Belém, doar foi uma das primeiras coisas que fiz’’.
Walber Silva Novais trabalha há três meses como técnico em segurança do trabalho na empresa e coordenou as doações. “É um ato importante e que faz bem para todos. Eu mesmo já doei uma vez e pretendo voltar se for possível. Entre os nossos funcionários a ideia é bem aceita. Desse grupo a maioria já é doador. Esperamos colaborar para que a situação mude”, diz.
"As parcerias que o Hemopa tem são vitais. São empresas, faculdades, igrejas, clubes e outras instituições da sociedade. Para quem não tem tempo de vir ao hemocentro durante a semana, o sábado é uma ótima pedida’’, fala Rosicleide Teodózio, assistente social da Gerência de Captação de Doadores do Hemopa.
Qualquer pessoa com boa saúde, que tenha entre 16 e 69 anos e pese acima de 50 quilos, pode doar sangue. É necessário portar documento de identidade original e com foto e não precisa estar em jejum – ao contrário, deve estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três. Menores de 16 a 17 anos só podem doar com a autorização dos pais ou representante legal. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Serviço:
O Hemopa funciona para coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. E-mail: captacao@hemopa.pa.gov.br. Alô Hemopa: 0800 280 8118. O calendário das próximas campanhas está disponível no site www.hemopa.pa.gov.br.

Texto:
Sérgio Moraes


Noite de homenagem ao jazz no XIII Festival de Ópera do Teatro da Paz
Nesta sexta-feira, 22, o público que foi ao Theatro da Paz pode conferir de perto uma noite muito especial voltada para o jazz, com o ballet “Um americano em Paris”, e a ópera “Blue Monday”. A programação foi em homenagem ao compositor norte americano George Gershwin, responsável por introduzir o jazz às obras sinfônicas. Ambas as montagens tiveram a direção coreográfica de Kika Sampaio e direção de Glaucivan Gurgel.
Apresentada pela primeira vez em um programa de variedades, em 1922, em Nova York, a ópera curta, de apenas um ato, que se passa no Harlem, bairro novaiorquino, foi apresentada apenas por cantores e atores negros. Na atual montagem, um total de 120 pessoas trabalhou intensamente para esta noite de espetáculo que, teve o tenor Jean William, a soprano Marly Montoni, o barítono David Marcondes, o baixo Raimundo Mira, o barítono Andrey Mira, o tenor Tiago Costa e o pianista Daniel Gonçalves.
O compositor norte americano ganhou outra citação no festival, com a encenação de um ballet dirigido e coreografado pela paulista Kika Sampaio, para o seu famoso poema intitulado “Um Americano em Paris”. O espetáculo teve, ainda, a participação de bailarinos paulistas e paraenses da Cia Ana Unger. O maestro Miguel Campos Neto regeu a Orquestra Jovem Vale Música, com 76 músicos.
Para a diretora coreográfica paulista Kika Sampaio, a experiência de montar o espetáculo em Belém foi desafiadora. “Vim no começo de julho, montei a coreografia com os bailarinos daqui durante três dias, aí voltei para São Paulo e continuei trabalhando com os protagonistas lá, o casal, à parte. Quando chegamos aqui em agosto juntamos tudo. Só que o criador, idealizador, muda muito ao longo do processo criativo. Então foi uma grande novidade. O que posso te afirmar é que os bailarinos trabalharam muito para fazer isso tudo acontecer em tão pouco tempo. Estou muito feliz, pra mim foi muito gratificante”, disse.
De acordo com o diretor de “Blue Monday”, Glaucivan Gurgel, a ansiedade e o prazer de dirigir o espetáculo foram imensos. “Nunca tinha dirigido uma ópera. Tá sendo uma experiência fantástica e colocamos como tema central o compositor George Gershwin. É um desafio delicioso, neste teatro lindo e extremamente bem gerido por pessoas que adoram ópera, que adoram arte. As pessoas do teatro e de Belém são muito amáveis e interessadas em fazer o trabalho. É um desafio, mas um desafio muito bem acompanhado de excelentes profissionais”, contou.
Entre os cantores de fora do estado estavam a soprano Marly Montoni, que pela primeira vez veio a Belém, tendo ainda a oportunidade de se apresentar no Theatro da Paz. “Pra mim tem sido uma experiência única. Gostei muito da cidade, fui muito bem recebida, o teatro é maravilhoso. No domingo tive a oportunidade de fazer um passeio de barco e ver um pouco da música e da dança e é totalmente diferente do que vejo em São Paulo. Além disso, o elenco é também maravilhoso, então a amizade que se fez nesse trabalho foi muito bacana. Está sendo uma excelente experiência, explicou a cantora.
Entre os artistas locais, um dos mais solicitados era o maestro da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, Miguel Campos Neto. Este é o quarto ano que o artista participa do festival como regente e ressaltou a grande particularidade da noite. “De todos os anos que participei e mais os anos que acompanhei através de vídeos, não tenho o conhecimento de uma noite inteira dedicada a obras e gêneros diferentes de um compositor. E ainda reunidos com uma orquestra sinfônica, uma ópera e um balé fazendo uma homenagem a Gershwin.
Para o diretor geral e artístico do festival, Gilberto Chaves, a noite teve o diferencial de congregar vários artistas de diferentes lugares do Brasil, com um ritmo muito conhecido do público em geral. “Uma coisa que me chamou a atenção foi que este espetáculo teve ingressos logo esgotados, atribuo isso à popularidade do jazz. É como se as pessoas já esperassem essa época do ano para entrar nesse clima. Outra coisa importante é a quantidade de jovens entre o público. Quando o festival começou, em 2002, a maioria era de pessoas de mais idade. Hoje é impressionante, há uma contingência enorme de jovens. Isso quer dizer que se formou uma plateia, se formou uma educação para esse tipo de espetáculo”, afirmou.
O Secretário de Estado de Cultura, Paulo Chaves, também conferiu a montagem da noite e falou do sucesso entre o público. “A cada ano a gente procura ter espetáculos diversificados, para agradar os mais diferentes públicos, com óperas clássicas tradicionais, a experiência de compositores da Amazônia e hoje, essa obra do americano Gershwin. A música dele é muito moderna, um verdadeiro gênio. E ainda temos hoje um apelo muito interessante, que é o balé, muito apreciado aqui no Pará. Estas são algumas das razões para este espetáculo ter os ingressos rapidamente esgotados”, falou o secretário.
Entre o público estavam turistas, artistas, pessoas da capital e do interior do estado. Foi o caso da funcionária pública Rosália Barroso. Ela veio especialmente de Moju para conferir o festival. “Vim direto do trabalho, em Moju, pra cá. Venho todos os anos e acho uma oportunidade maravilhosa de conhecer coisas novas”, contou.
Mariucha Ponte é turista e aproveitou a visita à cidade para prestigiar o evento. “Já vi óperas antes em outros lugares, mas parece que aqui em Belém elas são mais acessíveis ao público”, disse.
O fotógrafo Otávio Cardoso também foi assistir a obra e levou o filho. “Acho que hoje o perfil do espetáculo estará mais acessível ao meu filho, que é criança. Mas a verdade é que sempre venho porque admiro muito música boa”.
Já o guia de turismo Guilherme Martins, ressaltou a beleza e organização do evento. “Tenho a oportunidade de viajar para vários lugares, países, e posso afirmar que essa é uma programação de qualidade, que tem tudo a ver com esse lugar construído em um período glamouroso de nossa cidade”, finaliza.
Serviço:
Os ingressos para as apresentações em homenagem a George Gershwin já se esgotaram, mas ainda será realizado no dia 24 de agosto um recital lírico com o tenor paraense Atalla Ayan, no Theatro da Paz. Os ingressos encontram-se à venda na bilheteria do teatro e custam R$20. Mais informações: (91) 4009.8758

Texto:
Ana P. Bezerra


Dia do Folclore é comemorado na Estação das Docas
Um belo pôr do sol foi o cenário para o primeiro dia do Projeto Música na Orla, da Estação das Docas, nesta sexta-feira, 22, que teve uma apresentação especial em comemoração ao Dia do Folclore.
Os tradicionais grupos Raiz de Cafezal e Paranativo comandaram a festa no palco montado no Anfiteatro São Pedro Nolasco, que reuniu mais de 400 pessoas.
A administradora Carla Falcão, de 36 anos, aproveitou a programação ao lado de sua família.“Sempre acompanho os festivais que a Estação promove e hoje consegui trazer minhas filhas e meu marido, foi muito bom poder prestigiar a nossa cultura e dançar um pouco”, frisou.
O menino Jorge Silva, de 12 anos, não parava de dançar. "Eu gosto muito de dançar e essa música é contagiante. Estou até cansado de tanto que eu dancei, foi muito bacana”, contou.
O Projeto Música na Orla chega à sua terceira edição na Estação das Docas, levando a produção musical paraense à orla do complexo de forma gratuita. O projeto é uma realização do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), em parceria com a Organização Social Pará 2000. Neste mês de agosto a coletânea apresenta a produção local da música folclórica, samba e choro, até o próximo dia 24 de agosto.
Serviço:
Projeto Música na Orla Samba e Choro
Data: 23 e 24 de Agosto
Local: Anfiteatro São Pedro Nolasco
Coletânea Samba e Choro
Dia 23/08 (sábado)
18h - Grupo de Choro Choramingando
19h – Helinho Rubens
20h – Karen Tavares e Banda
Dia 24/08 (domingo)
18h – Charme do  Choro
19h – Yasmhin Friaça
20h – Grupo Samba do Bilão
Informações: (91) 3212.5525
Entrada gratuita

Texto:
Fernanda Scaramuzzini


VII Salão do Livro do Baixo Amazonas terá mais de 30 mil títulos e 200 editoras
O VIII Salão do Livro iniciou oficialmente no início da noite desta sexta-feira (22), em Santarém, no oeste paraense, com expectativa de público de 115 mil visitantes. Serão expostos por 200 editoras representadas, mais de 30 mil títulos. O maior evento literário da região do Baixo Amazonas prossegue até o dia 31 com uma vasta programação literária e cultural.
A cerimônia de abertura foi marcada pela participação musical do "Quarteto de Cordas" da Orquestra Filarmônica de Santarém Maestro Wilson Fonseca. Este ano, o país homenageado será o Qatar e o escritor, o amazonense Milton Hatoum. O Salão, que integra a programação anual da Feira Pan-Amazônica do Livro, levará ao público da região uma programação voltada para atividades culturais em geral, com música, cinema, teatro e, especialmente, voltada para a literatura local e nacional.
Participaram da cerimônia de abertura Maria José Maia, prefeita em exercício de Santarém; Ana Catarina Peixoto de Brito, dIretora de Cultura da Secretaria de Estado de Cultura (Secult); Andressa Malcher, coordenadora da Feira Pan-Amazônica do Livro; Nato Aguiar, secretário Municipal de Cultura de Santarém; João Magalhães, representante da Secretaria Municipal de Educação; Arilene Piedade, coordenadora do Sistema Estadual de Biblioteca da Secretaria de Estado de Educação (Seduc); e Dirceu Amoedo, diretor da 5ª URE/Seduc.
Segundo Ana Catarina Brito, o evento já se tornou tradicional no oeste paraense e sempre é bem recebido. "Ele alcança o objetivo de promover ações de incentivo à leitura, fomentar a produção e difusão cultural e o intercâmbio entre escritores, professores, literatos, estudantes e o público em geral", explicou Brito.
A prefeita em exercício de Santarém, Maria José Maia, deu as boas vindas aos visitantes e organizadores do Salão e disse que o espaço literário é uma oportunidade que não deve ser "perdida" pelos estudantes e professores da região.
"Temos uma oferta muito grande de material para qualificar professores e alunos. Não se deve perder essa oportunidade. Não é todo ano que temos um evento desse tamanho", disse Maria Maia, que é professora. Ela destacou, ainda, o Credlivro como opção de apoio à aquisição de livros por parte dos professores. "O Credlivro aumentou. O estado tem o dele e nós temos o nosso. Oferecemos R$ 150 por professor. Esse ano a quantidade aumentou porque aumentou o número de professores efetivos e estamos muito felizes com esse investimento", disse.
O VIII Salão do Livro oferece ao público visitante editoras, livrarias e distribuidores de livros com o melhor da literatura nacional e internacional, além de uma vasta programação, composta por encontros literários com escritores regionais e nacionais, lançamentos de livros. "Temos o Papo Cabeça, onde discutimos temas de interesse da juventude, espaço infantil, oficinas, palestras, entre outras oportunidades de contato com o livro e com o autor", explica Andressa Malcher, que coordena o Salão.
Programação
Nesta sexta-feira, também teve início, no Espaço Infantil Lúdico Educacional (área interna), das 19h às 22h, a programação da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e Ciranda de Artes e SEMC/Biblioteca Municipal, além disso, teve início a Exposição de Fotografias de Alunos da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa).
Neste sábado, o Salão abrirá às 10h, já com uma ampla programação. À disposição desses visitantes, uma área total de 3.600 metros quadrados, ocupada, entre outras coisas, por 42 estandes, sendo 29 do Pará e 13 de outros estados, com 200 editoras representadas e 30 mil títulos expostos.
O Salão terá uma mostra de filmes paraenses, que inicia nesta segunda, 25, e segue até o dia 29, na Tenda Espaço de Leitura e Cinema, sempre a partir das 18h30. No mesmo espaço, também será feita Leitura de Cordel, pelo Colégio Batista, sempre pela parte da manhã, entre os dias 23 e 31.
A Biblioteca da Escola Parque vai abrigar seminários e palestras sobre os mais variados temas, a partir das 15h. No dia 25, será apresentada a palestra “Um certo Milton Hatoum”, com o escritor Pedro Galvão (PA). No dia seguinte, “Qatar: uma janela para o mundo árabe”, com palestra de Flávio Nassar (PA) e Sarau Literário com textos poéticos da literatura árabe, com Lilia Chaves (PA) e intervenção artística da Cia do Sarau, além de “Ler no século XXI”, com palestra de Lilia Chaves e do promotor de leitura Maurício Leite (DF) e Sandra Printes (Oriximiná).
No dia 28, será a vez da Mesa Redonda “Santarém, terra, água, mulheres & cuias”, com Antônio Santos (Museu Emílio Goeldi), Luciana Gonçalves (Ufopa) e mediação de Itamar Paulino. E para encerrar, o tema será “O Dudunar da Sapoipema: Arte Literária da Amazônia”, com Odenildo Queiroz.
O tradicional Encontro Literário, que busca aproximar o público de escritores locais e nacionais, terá início na segunda-feira (25), sempre às 19h30, na Sala Pará (Espaço Multiuso), com os escritores paraenses convidados Vicente Cecim (Belém), Sidney Canto (Santarém) e Domingo Diniz (Oriximiná).
No dia 26, o Encontro será com o escritor e poeta Thiago de Mello (AM). Já no dia 27, Márcia Kambeba (PA) e Floriano Cunha (Santarém). Na quinta-feira (28), será a vez do escritor e poeta Antônio Cícero (RJ). O encerramento do Encontro Literário, na sexta-feira (29), será com os escritores Alfredo Garcia (Belém), Edith Carvalho (Óbidos) e Sérgio Andrade (Óbidos). Todos os encontros terão a mediação do escritor Daniel Leite.
CredLivro
Assim como nos anos anteriores, nesta edição do Salão do Livro, os servidores da área de educação da região também terão à disposição o Credlivro – bônus de 200 reais para aquisição de livros. Com o objetivo de melhorar a qualidade do ensino mediante a promoção de incentivos à capacitação de servidores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), o projeto recebeu este ano um investimento total de R$ 4 milhões. Especificamente, na região do Baixo Amazonas serão contemplados 2123 servidores, com um total de 427 mil reais.

Texto:
Alailson Muniz


Caps Marajoara promove atividade cultural com participação de pacientes
Com objetivo de socializar usuários, familiares e profissionais de saúde, o Centro de Atenção Psicossocial Marajoara (Capsad III), na Marambaia, fez nesta sexta-feira (22) uma programação variada na “I Tarde Cultural”, que teve apresentação de danças, teatro, músicas, recitais e exposições de artes. O coral Nossa Voz, formado por usuários do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) Grão Pará, também esteve presente. Segundo a diretora do Centro, Zélia Simões, o evento faz parte do calendário de atividades elaborado para promover a reinserção social dos pacientes.
Durante o evento, os participantes ouviram depoimentos de ex-usuários de álcool e outras drogas e assistiram a uma apresentação de dança de carimbó. “A ideia é integrar os usuários de forma diversificada e valorizá-los como cidadãos. A peça teatral é encenada pelos próprios pacientes, assim como as músicas interpretadas. Isso faz com que eles se sintam importantes”, afirmou a diretora.
Vinculado à Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), o Caps Marajoara oferece atenção integral e contínua a pessoas com necessidades relacionadas ao consumo de álcool, crack e outras drogas. O centro funciona 24 horas e dispõe de doze leitos de observação e internação, para desintoxicação e repouso por 14 dias, conforme preconizado pelo Ministério da saúde.
O atendimento é feito nas modalidades intensivo, semi-intensivo e não intensivo, com uma equipe multidisciplinar composta por médicos, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais e educador físico. “Após serem acolhidos e depois de receberem o primeiro atendimento, os pacientes são avaliados pela equipe e, conforme a gravidade do caso, os profissionais decidem a melhor forma de assistir cada um”, explicou Zélia.
O Caps Marajoara atende pacientes da Região Metropolitana de Belém e também de outros municípios do Estado, com faixa etária a partir dos 12 anos. O Centro realiza em média 300 atendimentos e tem cerca de 6 mil pacientes cadastrados, sendo 2 mil efetivos. Entre os serviços oferecidos estão, assistência farmacêutica, avaliação nutricional, visitas domiciliares, além das atividades educativas e recreativas, como oficinas, palestras, passeios festas temáticas e atividades físicas (como jogos e torneios).

Texto:
Edna Sidou


Governo e quilombolas discutem políticas públicas com a Fundação Ford
Representantes do governo do Estado, de associações de comunidades remanescentes quilombolas e da Fundação Ford – que desenvolve trabalhos no enfrentamento das desigualdades sociais enfrentadas por grupos marginalizados – se reuniram na tarde desta sexta-feira (22), no Centro Integrado de Governo (CIG). O vice-presidente da fundação, Xavier Briggs, o diretor, David Kainowitz, e o assessor do programa sênior no Brasil, Aurélio Vianna Junior, vieram ao Estado com a finalidade de conhecer a realidade dos quilombolas e as políticas públicas desenvolvidas na melhoria das condições de vida destas populações.
Xavier Brigs disse que a presença da Fundação Ford no Pará e na região amazônica tem como objetivo auxiliar a sociedade brasileira a alcançar um modelo de desenvolvimento justo, inclusivo e sustentável. Ele também destacou que, com a visita, a entidade quer conhecer a realidade das comunidades tradicionais no contexto do Estado.
David Kainowitz explicou que a Fundação Ford tem o interesse de conhecer o andamento das políticas públicas voltadas para as comunidades remanescentes de quilombos. “A população negra rural tem uma cultura e tradição muito ricas. Temos grandes parcerias com o governo estadual e com a sociedade civil para aliar justiça social, desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente”, explicou.
A presidente do Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp), Adelina Braglia, lembrou que o Idesp desenvolve um trabalho de apoio sustentável das comunidades remanescentes quilombolas e faz parte da Comissão Estadual de Políticas para as Comunidades Quilombolas do Pará, que tem o apoio da Fundação Ford. “Esta é um visita de cordialidade que prestigia também o trabalho desenvolvido pelo Idesp. A fundação também apoia o Idesp na realização do Atlas das Comunidades Quilombolas, do qual estamos fechando a primeira parte agora no mês de setembro”, comentou.
O Atlas é uma das ações dentro do projeto de fortalecimento da comissão estadual, financiado pela Fundação Ford, a qual atua com o objetivo de fortalecer os valores democráticos, além de buscar a redução da pobreza e das injustiças, promovendo a cooperação internacional.
A Comissão Estadual de Políticas para as Comunidades Quilombolas do Pará é formada por secretarias estaduais, como a de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Cultura (Secult) e Educação (Seduc), entre outros órgãos, como o Instituto de Terras do Pará (Iterpa), Casa Civil da Governadoria do Estado, além do Idesp e da Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos do Pará (Malungu), e faz parte da Política Estadual para as Comunidades Remanescentes de Quilombos no Estado do Pará, instituída em 22 de novembro de 2011, pelo Decreto Estadual 261.
A política estadual prevê um conjunto de planos, ações sistemáticas e articulação entre os órgãos de governo e as comunidades quilombolas voltadas às comunidades de acordo com suas demandas políticas, territoriais, culturais, econômicas e sociais. Aurélio Borges, da comunidade quilombola de Santa Izabel do Pará e representante da Malungu, ressaltou que a Fundação Ford oferece um grande apoio aos movimentos sociais e iniciativas no Pará voltadas às comunidades quilombolas. “A fundação é nossa grande parceira, assim como os governos estadual e federal nas políticas voltadas às comunidades”, concluiu.

Texto:
Márcio Flexa


Espaço São José Liberto recebe Circuito Tela Verde
Sensibilizar a sociedade sobre a importância da sustentabilidade ambiental e preservação dos recursos naturais como patrimônio de toda a humanidade. Esse é o objetivo da quinta edição da mostra “Circuito Tela Verde”, que ocorre nesta sexta-feira (22) e sábado (23), no Museu Emilio Goeldi e no Espaço São José Liberto – Polo Joalheiro do Pará. A mostra é uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente e a Associação Cultural Nhandeara, que em suas ações visa à preservação da cultura e melhorias na educação, promovendo, desde 2003, a cultura regional na Itália.
Composta pela exibição de filmes e documentários, a iniciativa destaca a sustentabilidade e a preservação da fauna e flora local, voltada para o público infanto-juvenil e adulto. Foram selecionados pelo Ministério do Meio Ambiente, com o apoio do Ministério da Cultura (MinC), 39 filmes produzidos especialmente para a mostra por organizações não governamentais (ONGs), escolas e associações comunitárias. Toda a produção audiovisual trata de temas como preservação da fauna, consumo sustentável, biodiversidade, comunidades tradicionais, uso de resíduos sólidos, implantação da agricultura familiar e desmatamento zero, entre outros temas.
A parceria entre a Associação Cultural Nhandeara e o Ministério do Meio Ambiente tem rendido bons resultados. Ao longo desta edição, em ato inédito, a associação propôs a execução da mostra em outros países, começando pela Itália, como forma de ampliar a divulgação de temas sobre a conservação ambiental – nesse caso, com o apoio do governo italiano.
Além da mostra, a Associação Nhandeara e o Studio Amerighi, escritório de consultoria de economia internacional em Florença, propuseram a iniciativa "Árvores Gêmeas Toscana-Amazônia", ideia que consiste em plantar uma árvore na Toscana, Itália, a cada árvore plantada na região amazônica. Junto com o cultivo de novas árvores, a iniciativa promove ainda o intercâmbio cultural entre países distantes geograficamente, mas que se tornam um na busca por um planeta melhor.
Segundo Luca Amerighi, titular do Studio Amerighi, idealizador da iniciativa, a ideia de criação de um projeto de conscientização ambiental envolvendo, paralelamente, países de continentes distintos nasceu pelo fato do Brasil e Itália deterem áreas consideradas patrimônio da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). A Região da Toscana, na Itália, tem vários sítios considerados patrimônios da humanidade. Outra motivação para a criação do projeto foi histórica, pois o primeiro navegador que descobriu a região da Amazônia, em particular o Pará, foi o fiorentino Américo Vespúcio.
Essa é a primeira vez que o Studio Amerighi participa do Circuito Tela Verde. Luca Amerighi falou sobre o projeto e, em seguida, tratou sobre a temática ambiental. “Como economista do ambiente e do território, acredito que a tutela do meio ambiente não deve ser considerada um problema, mas uma grande oportunidade, do ponto de vista econômico e de trabalho. Os recursos ambientais são um tesouro que não podem ser desfrutados até a destruição, mas, sim, com o uso responsável, aproveitando os benefícios para as gerações no presente e no futuro”, ressaltou.
Programação – O Circuito Tela Verde visa divulgar e estimular atividades de educação ambiental, bem como a participação e mobilização social por meio da produção audiovisual independente, além de atender a demanda de espaços de educação por materiais pedagógicos multimídia. Na programação desta sexta-feira, no circuito no Museu Emílio Goeldi, foram apresentadas as palestras “Árvores Gêmeas Toscana-Amazônia”, por Luca Amerighi, e “Natureza amazônica: biodiversidade e impactos”, por Inocêncio Gorayeb, com participações de Nilson Gabas, do Museu Emilio Goeldi, e Márcia Vieira, presidente da Associação Cultural Nhandeara.
Em seguida, foi plantado o primeiro exemplar de árvore, marcando a aliança cultural entre Brasil e Itália. Ainda na programação do Goeldi foram transmitidos os primeiros documentários para alunos do ensino fundamental e médio de escolas públicas da capital paraense.
A programação segue neste sábado (23), no auditório da Casa do Artesão, do Espaço São José Liberto, com a projeção de filmes e documentários para estudantes. Com entrada gratuita, serão mostradas vinhetas e animações, feitas com filmadoras, câmeras de celular e câmeras digitais, além de outros equipamentos que capturam imagem e som. Em dezembro de 2012, o São José Liberto também foi parceiro da iniciativa.
Márcia Vieira explica que a iniciativa da Nhandeara pretende difundir o projeto do Ministério do Meio Ambiente para suscitar a necessidade de responsabilidade perante o patrimônio, tentando proteger, discutir, educar e sensibilizar não só a população, mas, sobretudo, as autoridades, que devem ser os maiores educadores do território. “A ideia de levar o projeto para o exterior nasce da vontade de mudar o estereótipo do Brasil lá fora, pois o nosso trabalho mostra que nós, enquanto brasileiros, também pensamos em solucionar as maiores causas da degradação ambiental. Portanto, unimos forças com a Itália em um objetivo comum, por um mundo melhor”, asseverou.
Na opinião da diretora executiva do Espaço São José Liberto, Rosa Helena Neves, a parceria é uma oportunidade para crianças e adolescentes entrarem em contato com temas de extrema importância para o presente, como também para estimular a reflexão sobre os bens naturais, como a água, terra, ar, flora e fauna. “Poder receber esse público neste evento que trabalha temas ambientais e sustentáveis por meio de recursos audiovisuais atrativos é satisfatório. O espaço é um território criativo que tem missão educacional que abrange e fomenta diversas áreas de conhecimento intersetorial”, afirmou.
A expectativa é que cerca de 200 crianças e jovens participem da edição de 2014 do Circuito Tela Verde. A iniciativa tem o apoio do Museu Emílio Goeldi e do Espaço São José Liberto, por meio da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama).

Texto:
Luciane Fiuza


Empresa inglesa de mineração conclui estudo de viabilidade de projeto no Pará
Em março deste ano, a empresa de origem inglesa Horizonte Minerals, a primeira atuante na área mineral a receber o Selo de Prioridade – criado pela Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) para dar celeridade aos trâmites processuais de implantação –, completou um estudo de viabilidade no Pará. O projeto é elaborado em conformidade com o padrão de qualidade NI 43-101, ao qual projetos vinculados à negociação de ações na bolsa de valores internacional são submetidos para que possam ser divulgados tecnicamente.
Segundo a empresa, o projeto demonstra a robustez econômica da operação de ferro-níquel no Araguaia, usando a testada e comprovada tecnologia Rotary Kiln, forno elétrico. Nesta sexta-feira (22), na sede da Seicom, a equipe das Diretorias de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, Desenvolvimento da Indústria e Atração de Investimentos da Seicom atendeu o administrador geral da empresa no Pará, Daniel Amaral, e o gerente de projetos, Valério da Silva, que detalharam as fases em que o projeto Araguaia Níquel está. Eles também destacaram a importância do Selo de Prioridade nesse período de busca das licenças necessárias, entre outros documentos, junto às entidades públicas estaduais.
A Horizonte Minerals está focada em desenvolver o projeto Araguaia de níquel no Brasil, e a produção inicial projetada é de 18 mil toneladas por ano de níquel contido em ligas de ferroníquel. A estimativa de investimento total chegará a mais de US$ 600 milhões, e a previsão é gerar de 800 a mil empregos, entre direitos e indiretos. A empresa tem um acionista estratégico de mineração, a Teck Resources Limited, grupo liderado por um conselho e equipe de gestão, que detém larga experiência na área na América do Sul e no mundo.
O Selo de Prioridade é uma iniciativa da Diretoria de Atração de Investimentos e Desenvolvimento da Indústria da Seicom, que tem o intuito de estabelecer critérios simples e objetivos na concessão do reconhecimento às empresas. Para obtê-lo, os empreendimentos devem atender, cumulativamente ou não, os seguintes critérios: estar em municípios com taxa de pobreza acima de 40,05% – índice divulgado anualmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); agregar valor à produção por meio da verticalização do insumo local; e promover atividades econômicas de bens e serviços ainda não existentes no Estado.

Texto:
Juliana Pinheiro


Extrativistas trarão produtos com couro ecológico para feiras de artesanato
Extrativistas que habitam a Floresta Nacional do Tapajós (Flona) em Belterra, município do oeste paraense, atendidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), vão expor e comercializar suas produções na Feira do Artesanato Mundial (FAM) e na III Feira do Artesanato Paraense (Fesarte), que acontecerão a partir deste sábado (23) até domingo (31). Os eventos são promovidos pela Secretaria de Estado de Trabalho Emprego e Renda (Seter) e pela a Charph Eventos. Os extrativistas trazem para as feiras pelo menos 20 variedades de produtos confeccionados com couro ecológico.
O produto, feito a partir do tecido de algodão cru e látex de seringueira, é seco ao sol, sem a utilização do fogo, o que evita agressão ao meio ambiente. Para o público das feiras estarão disponíveis mais de 20 variedades de produtos ecologicamente corretos.
Segundo Arimar Feitosa da Silva, um dos expositores, dentro da Flona o trabalho de capacitação para a fabricação dos produtos tem o apoio da Emater, que oferece oficinas e orientações técnicas para a manutenção da floresta, de onde é extraída a matéria prima usada na fabricação de bolsas, tambores, bolas e colares. “Já industrializamos os nossos produtos dentro da Flona. Nossa expectativa com a feira é vender pelo menos 80% do produto que estará em exposição”, disse Feitosa.
As feiras também serão espaço para a produção indígena Tembé, de Santa Luzia do Pará, município do nordeste paraense. Os Tembé mostrarão a produção artesanal com sementes, palha e madeira, além da produção de mel. Os indígenas também farão pinturas corporais à base de jenipapo.
A Emater trará ainda para as feiras artesãos de São Sebastião da Boa Vista, no Arquipélago do Marajó, e de Itaituba, no oeste paraense, para a exposição e comercialização de produtos feitos com banana, como bolo, licor, farinha e doces.
As feiras estarão abertas para o público a partir das 15 às 22 h, com entrada a R$ 6,00, e R$ 3,00 a meia-entrada.

Texto:
Iolanda Lopes


Unidade especializada de Icoaraci promove a educação inclusiva há 40 anos
A Unidade de Atendimento Educacional Especializado de Icoaraci (Utees) completou 40 anos de historia, em programação que teve como tema “40 anos de crescimento e superação”. Participaram do evento comemorativo representantes de escolas, professores, alunos e pais que são atendidos pela unidade. O evento ocorreu na Escola Estadual Avertano Rocha, nesta sexta-feira (22), e teve como principal objetivo compartilhar com a comunidade escolar as ações e projetos desenvolvidos pela unidade.
Pais presentes no encontro falaram sobre a importância da Utees e como o  atendimento educacional especializado mudou a vida de seus filhos e contribuiu para o desenvolvimento de cada um. Mãe de aluno, Dailgisa César disse que o filho recebe atendimento há 19 anos. “A unidade sempre nos apoiou em tudo, dando assistência e atenção. Contribuiu para que pudéssemos ter uma vida mais tranquila e saudável”, afirmou.
Outra mãe de aluno, Ailza Simão falou sobre a mudança de comportamento da filha depois que ela começou o tratamento na Utees. “Ela ficou mais animada para ir à escola e fazer outras atividades. Com a equoterapia, conheceu novas possibilidades. Está muito mais tranquila, e acompanhamento só vai trazer melhorias para a vida dela”, disse.
A Utees de Icoaraci foi criada no ano de 1974, com um trabalho fundamentado no princípio da normalização e conceito de integração com classes especiais que funcionavam em diversas escolas do distrito. Com o avanço desses estudos, houve um crescimento do acesso das pessoas com deficiência às escolas, então, em 1998, tornou-se necessária a reestruturação do trabalho marcado pelo redimensionamento das classes especiais com dimensões pautadas no princípio da diversidade e na perspectiva na inclusão social.
Dessa forma, o processo de educação inclusiva em Icoaraci foi reorganizado e garantiu o acesso e permanência de todos os alunos, respeitando a diversidade. Atualmente, a unidade atende 984 alunos de faixas etárias e níveis de escolaridade variados, com a finalidade de oferecer suporte às escolas estaduais de Icoaraci, Conjunto Maguari, Tenoné e Ilhas de Outeiro e Cotijuba, no processo inclusivo dos educandos com deficiência.
A Unidade de Atendimento Especializado oferece os seguintes serviços: avaliação educacional, letramento, psicomotricidade, equoterapia, atividades aquáticas, ginástica adaptada, práticas corporais e artes, escola de família, formação continuada para professores e ensino da Língua Brasileira de Sinais (Libras) para alunos, professores e comunidade. O trabalho é feito por uma equipe multifuncional composta de pedagogos, professores de educação física, professores intérpretes de Libras, psicólogo, assistente social e funcionários de apoio.
Segundo a coordenadora da Utees de Icoaraci, Ivone Saraiva, a educação especial passou por muitas transformações, sempre com o objetivo de atender melhor os alunos e as pessoas com necessidades especiais. “Tanto os alunos quanto os pais perceberam o quanto a educação especial melhorou. Sentimos o desejo que os alunos têm de voltar para a escola. Com isso todos passaram a dar maior crédito para o atendimento especializado”, assegura.

Texto:
Eliane Cardoso


Cultura quilombola é uma das atrações da Feira do Artesanato Paraense
A cultura mantida em comunidades remanescentes de quilombos está presente na terceira edição da Feira do Artesanato Paraense (Fesarte Pará), que acontece entre os dias 23 a 31 de agosto, no Centro de Convenções da Amazônia (Hangar), com o tema “Do tradicional ao contemporâneo: O artesanato está no dia a dia”.
Aluísio Moraes, artesão e quilombola, diz ter orgulho de suas raízes. “Fui criado na área quilombola, em Laranjetuba, localizada em Abaetetuba. Trabalho com artesanato de cozinha, e recebi os ensinamentos de minha família. É a primeira vez que participo da feira e tenho grandes expectativas de lucro”, disse ele.
Além da decoração exótica, nesta edição da feira as Ilhas Quilombolas retratarão o cotidiano das diversas comunidades presentes no evento, destacando elementos tradicionais (como artesanato, canto, danças e artes), e produtos da economia local, para que possam ser comercializados durante a feira.
Para Eurídice Santos, arquiteta e artesã quilombola, o artesanato está no sangue do seu povo, que sobrevivia graças à caça, à pesca, à coleta de frutas (como manga, jaca e abacate) e à agricultura (com as culturas de feijão, milho, mandioca, banana, laranja e cana de açúcar). Os quilombolas também desenvolveram trabalhos artesanais com palhas, tecidos e cerâmica, e ainda com metalurgia. “A feira é mais uma abertura para a nossa cultura, que acompanhou a evolução social. Hoje fazemos parte do contexto global”, afirmou.
Cerca de 70 estandes e 1.200 artesãos comercializarão 44.100 peças, que serão vistas por um público estimado em 85 mil visitantes, oriundos de 60 municípios, 20 Estados brasileiros e 23 países. O volume de vendas esperado gira em torno de R$ 882 mil.
Integração - “Apesar dos nossos direitos instituídos, ainda hoje a cultura quilombola sofre muito preconceito. A participação de diversos quilombolas em eventos como este mostra que somos todos iguais. A decoração não é só exótica, como também uma janela para o conhecimento e a integração social”, completou Eurídice Santos.
“Minha raça possui um grande valor, e a feira vem nos oferecer a oportunidade de acreditar ainda mais em nós mesmos e mostrar isso ao mundo. Tenho o privilégio de ser quilombola. Sou de Abacatal, em Ananindeua (município da Região Metropolitana de Belém). No estande irei trabalhar com garrafas de vidros decorativos, que contam a nossa história. Abacatal já existia antes de Ananindeua. A entrada era por meio do Porto da Palha e do Caminho das Pedras”, contou Ana Lúcia Silva, artesã e produtora rural.
Para resgatar a história da comunidade, há um ano um grupo de mulheres começou a organizar o Festival Cultural do Licor, uma festa ancestral da comunidade, que terá sua primeira edição. Atualmente, existem cerca de 1.436 comunidades remanescentes de quilombos no Brasil, que abrigam cerca de 1,3 milhão brasileiros, em dados recentes da Fundação Palmares.
Indígenas – Os visitantes também encontrarão produtos tradicionais das etnias Tembé, Munduruku e Wai-Wai. A comercialização dos produtos artesanais será realizada diretamente pelos indígenas presentes na feira.
“A feira possibilitará aos visitantes um espaço de socialização, valorização e integração cultural de diversas expressões da cultura amazônica, representada pelos trabalhos dos artesãos paraenses”, ressaltou Rodivan Nogueira, titular da Secretaria de Estado de Trabalho Emprego e Renda (Seter), que organiza a coordena o Programa de Artesanato no Estado. Só neste ano foram capacitados cerca de 1.600 artesãos pela Seter.
O Pará possui 3.200 artesãos cadastrados no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (Sicab), vinculado ao Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), da Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República. Do total de Artesãos Cadastrados, 22% são homens e 78%, mulheres. Desses, 61% possuem renda familiar abaixo de um salário mínimo; 33% possuem renda de 1 a 3 salários mínimos, e para 6% a renda familiar está acima de 3 salários mínimos.
Além de uma vasta programação com desfiles, danças e música, haverá palestras, degustações, brinquedoteca e oficinas abertas ao público. O evento valoriza a geração de emprego e renda, e a cultura local, e promove uma maior participação dos municípios na comercialização entre os Estados e o exterior, fomentando novos negócios. (Com a colaboração da Ascom/Seter).

Texto:
Governo do E. do Pará


Funcionários de empresa se unem para doar sangue no Hemopa
Neste sábado (23), a Fundação Centro de Hemoterapia e Hematologia do Pará (Hemopa) recebe a parceira Dínamo, que trabalha com instalação e manutenção de rede elétrica, para o reforço do estoque estratégico de sangue, que sofre queda de 30%. Um grupo de 50 doadores voluntários, funcionários da empresa, localizada no bairro Tapanã, em Belém, vai dar sua contribuição, de 7h30 ao meio-dia. É a segunda ação de doação de sangue que a Dínamo organiza com o Hemopa esse ano, sempre com expressiva participação dos colaboradores.
Walber Silva Novais trabalha há três meses como técnico em segurança do trabalho na empresa e diz que a doação faz parte das atividades do cronograma de responsabilidade social e qualidade de vida. “É um ato importante e que faz bem para todos. Eu mesmo já doei uma vez e pretendo voltar se for possível. Entre os nossos funcionários a ideia é bem aceita. Desse grupo a maioria já é doador. Esperamos colaborar para que a situação mude”, diz.
Ciente do momento pelo qual o hemocentro passa e atendendo aos chamados, a vendedora Deusamir Lima de Oliveira, 37, moradora de Icoaraci, fez sua primeira doação de sangue. Ela está com o pai hospitalizado, precisando de uma bolsa de sangue do tipo A Negativo. Tocada pela situação dele e de outros pacientes, conseguiu mobilizar mais de 30 doadores voluntários.
“Sempre tive vontade de doar, mas não conseguia por estar abaixo do peso. Fiz campanha no quartel da Guarda Municipal de Belém, entre amigos e parentes. Onde encontro alguém falo sobre a doação de sangue. No hospital vejo os pacientes e penso que preciso ajudar de alguma forma. A doação de sangue é uma grande demonstração de amor”, frisa a vendedora, acompanhada do marido e do pastor da igreja da qual faz parte, que também doaram sangue.
Segundo a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, Juciara Farias, a ampliação dos serviços de saúde, a criação de novos leitos no Estado, bem como o aumento no número de acidentes, fazem aumentar a necessidade por hemocomponentes. “Para que possamos atender essa demanda, contamos com a responsabilidade e solidariedade de todos. Só passamos a existir enquanto organização quando temos doadores estendendo o braço aqui, por isso a participação do corpo clínico dos hospitais, no estímulo à doação de parentes e amigos de pacientes, é importante”, destaca.
A gerente lembra ainda que as pessoas também podem doar em qualquer uma das unidades da rede paraense, situadas em Castanhal, Marabá, Santarém, Altamira, Capanema, Redenção, Tucuruí e Abaetetuba. Em Belém, o candidato à doação deve se dirigir à Fundação Hemopa, na Travessa Padre Eutíquio, bairro Batista Campos, fazer uma ficha cadastral e passar na triagem clínica. Se for considerado apto, pode fazer a sua doação imediatamente.
Qualquer pessoa com boa saúde, que tenha entre 16 e 69 anos e pese acima de 50 quilos pode doar sangue. É necessário portar documento de identidade original e com foto e não precisa estar em jejum – ao contrário, deve estar bem alimentado. O homem pode doar a cada dois meses, e a mulher a cada três. Menores de 16 a 17 anos só podem doar com a autorização dos pais ou representante legal. Para fazer o cadastro de doadores de medula óssea, o candidato deve estar bem de saúde, ter entre 18 e 55 anos e portar documento de identidade original e com foto.
Serviço: o Hemopa funciona para coleta de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. E-mail: captacao@hemopa.pa.gov.br. Alô Hemopa: 0800 280 8118. O calendário das próximas campanhas está disponível no site www.hemopa.pa.gov.br.

Texto:
Mário Costa


Médicos e alunos da Uepa participam de curso prático de microcirurgia
Nesta sexta-feira (22) começa a terceira edição do Curso Prático e Teórico para Microcirurgia Experimental no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), da Universidade do Estado do Pará (Uepa). O curso, iniciado às 18 h, será realizado ao longo deste sábado (23), no Laboratório de Cirurgia Experimental (LCE), com 12 participantes, entre médicos e alunos.
“Vamos tentar mostrar a importância das microcirurgias, principalmente para o uso no Sistema Único de Saúde (SUS), que é carente de profissionais qualificados com estas habilidades”, informou Renan Teixeira, aluno do curso de Medicina e integrante da coordenação do evento.
O participante irá aprimorar técnicas. “Caso alguém se acidente e corte um pedaço do dedo, a pessoa vai procurar a urgência e emergência e o médico irá cuidar da parte que restou, descartando o pedaço extraído. Com a qualificação, o médico irá obter habilidades para recolocar a parte do dedo que foi arrancada”, ressaltou o estudante.
Ele frisou ainda a importância do curso, pois as técnicas apresentadas não integram a grade curricular do curso de Medicina. O curso prático tem o apoio da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia do Pará, e é voltado para várias especialidades médicas, nas quais o profissional precisa ter este tipo de prática.

Texto:
Cacau Bastos


Preso homem que usou farda da PM para assaltar restaurante em Belém
A Seccional Urbana do Paar prendeu nesta sexta-feira (22) Sidnei Carlos Teixeira das Virgens, que assaltou o restaurante Spazzio Verdi, em Belém, usando fardamento da Polícia Militar. Ele foi preso em flagrante por tráfico de drogas, com 62 petecas de pasta de cocaína, no conjunto Paar, em Ananindeua, região metropolitana de Belém.
A delegada Rosalina Arraes, diretora da Seccional, explica que uma ligação feita ao Disque Denúncia, pelo telefone 181, levou a equipe policial até o local onde o acusado estava escondido. Com ele foram apreendidos o fardamento da PM e as drogas.
Em depoimento, o preso disse que o comparsa dele no assalto, de apelido Pit Bull, que foi morto no mês passado, teria lhe dado o fardamento. Sidnei foi autuado em flagrante por tráfico de drogas, e vai responder ao inquérito policial pelo assalto ao restaurante, instaurado na Seccional Urbana de São Braz.

Texto:
Walrimar Santos


Preso homem que usou farda da PM para assaltar restaurante em Belém
A Seccional Urbana do Paar prendeu nesta sexta-feira (22) Sidnei Carlos Teixeira das Virgens, que assaltou o restaurante Spazzio Verdi, em Belém, usando fardamento da Polícia Militar. Ele foi preso em flagrante por tráfico de drogas, com 62 petecas de pasta de cocaína, no conjunto Paar, em Ananindeua, região metropolitana de Belém.
A delegada Rosalina Arraes, diretora da Seccional, explica que uma ligação feita ao Disque Denúncia, pelo telefone 181, levou a equipe policial até o local onde o acusado estava escondido. Com ele foram apreendidos o fardamento da PM e as drogas.
Em depoimento, o preso disse que o comparsa dele no assalto, de apelido Pit Bull, que foi morto no mês passado, teria lhe dado o fardamento. Sidnei foi autuado em flagrante por tráfico de drogas, e vai responder ao inquérito policial pelo assalto ao restaurante, instaurado na Seccional Urbana de São Braz.

Texto:
Walrimar Santos


Emater acompanha produção de famílias assentadas em Ulianópolis
A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) em Ulianópolis, no sudeste paraense, cumpre na próxima semana uma agenda de visitas a 20 propriedades familiares que receberam crédito rural para incentivo ao cultivo do paricá e à criação de gado leiteiro. O objetivo é fazer o acompanhamento técnico das atividades e garantir o cumprimento das metas de produção.
As famílias pertencem aos projetos de assentamento Floresta Gurupi, Rossi Gabriel, Paragominas Faiscão e Águia, e foram contempladas com recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) da ordem de R$ 21,5 mil, nos anos de 2012 e 2103. Os projetos técnicos foram elaborados pela Emater e liberados pelo Banco da Amazônia
Segundo o engenheiro agrônomo e chefe do escritório da Emater em Ulianopolis, José Francisco Seixas, com relação ao plantio de paricá o objetivo é a diversificação da produção. “Essa cultura entra como forma de alternativa de renda para as famílias”, explica. Com relação à pecuária leiteira, a intenção é aumentar em 30% a produção de leite. No município, o escritório local da Emater assiste 80 famílias de agricultores familiares.

Texto:
Paula Portilho


Pro Paz e parceiros incentivam a prática hábitos saudáveis na Sacramenta
Neste sábado (23), às 8h, no polo do Pro Paz Sacramenta, localizado na Praça Dorothy Stang, próximo ao elevado Daniel Berg, os moradores do bairro e áreas adjacentes recebem o Movimento pela Paz, cujo objetivo é fomentar práticas de atividades físicas e revitalizar o local. O movimento foi criado em parceria do Pro Paz, Instituto de Artes do Pará (IAP), Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) e Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), com a Prefeitura de Belém e o grupo “Movimenta Pará Contra o Sedentarismo”.
O evento terá uma variada programação, que inclui ginástica aeróbica para adultos e idosos, técnicas de Slackline para os jovens, além de atividades de esporte e lazer para os participantes nas quadras e pista de skate do espaço. Além dos representantes do “Movimenta Pará contra o Sedentarismo”, as atividades também contarão com a participação dos professores do polo do Pro Paz nos Bairros e Coordenadoria de Ação Social da Cosanpa.
Segundo o coordenador geral do Pro Paz, Simão Bastos, o Movimento pela Paz foi pensado para incentivar a pratica de atividades físicas nos polos do Pro Paz, além de disseminar a importância na melhoria da qualidade de vida das pessoas. “Estamos apoiando as atividades do Movimenta Pará com vistas no combate ao sedentarismo, já que é uma ação transformadora de relações humanas. Nossos polos têm crianças, jovens, adultos e idosos que se exercitam diariamente”, diz.
“Unimos forças para que mais pessoas sejam alcançadas e que suas vidas possam ser melhoradas por meio de atividades físicas e de lazer. A ideia é levarmos este modelo de atividade a outros polos e futuramente a outras unidades. Especificamente para este dia, contamos com o apoio da Segup, IAP, Cosanpa, Prefeitura de Belém e principalmente da comunidade do bairro, que terá não só benefícios de saúde, mas também estruturais”, detalha o coordenador do Pro Paz.
Um diferencial do Movimento pela Paz é a integração entre poder público e a comunidade. A prefeitura fará um trabalho de revitalização da Praça Dorothy Stang, com poda de gramado, plantação de palmeiras doadas pela Cosanpa, pintura e nova iluminação do local, ação decidida durante o Fórum de Segurança Pública ocorrido no início deste mês e que teve a participação de órgãos que integram a Segup e representantes do bairro. A revitalização do espaço foi uma das solicitações da comunidade, atendida no Movimento pela Paz.
Programa – O Pro Paz nos Bairros foi criado em 2011, para garantir a redução dos índices de violência e disseminar a cultura de paz por meio do trabalho de prevenção que atende crianças e adolescentes que moram em áreas de risco. Com a parceria do IAP, o projeto é um serviço de complementação escolar. Nos espaços ocorrem atividades esportivas, como basquete, vôlei de quadra e de areia, futebol, handebol, tênis de mesa e natação, além de aulas de informática, educação ambiental, iniciação musical, encenação teatral, biblioteca volante com história em quadrinhos, incentivo à leitura e desenho e aulas circenses.
Atualmente, existem cinco polos do projeto, localizados na Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), Estádio Olímpico do Mangueirão, Instituto de Ensino de Segurança Pública do Pará (Iesp) e Praça Dorothy Stang, na Sacramenta. O projeto já beneficiou mais de 2,7 mil pessoas só este ano.
O projeto Movimenta Pará, idealizado pelas profissionais de saúde Ana de Sá e Juliana Moraes, tem como objetivo organizar ações que promovam a prática do exercício físico como hábito cotidiano das pessoas, visando melhoria de aptidão física e, consequente, o desenvolvimento da qualidade de vida. Recentemente, o projeto firmou compromisso com o Move Brasil, campanha aberta para aumentar o número de brasileiros praticantes de atividades físicas até 2016.
A partir de então, a ação prevê um evento mensal, com parcerias de diversos segmentos sociais para suas ações e campanhas, a fim de consolidar uma rede de parceiros na cidade de Belém e levar o movimento para toda a população.

Texto:
Nil Muniz


Sefa acompanha testes de emissão da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica em Tucuruí
Uma palestra sobre a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e) realizada na quinta-feira (21), na Associação Comercial e Industrial de Tucuruí  (Acit), no sudeste do Pará, esclareceu dúvidas dos empresários daquela cidade sobre o novo documento fiscal. O auditor de receitas estaduais José Guilherme Koury, coordenador da Célula de Automação Fiscal, da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), e líder do projeto no Pará, apresentou o piloto do projeto de implantação e mostrou as funcionalidades da NFC-e. Ele esteve em Tucuruí para acompanhar os testes de emissão da NFC-e, que começam na próxima semana, no supermercado Supernorte.
As emissões de Nota de Consumidor Eletrônica no Pará começaram no dia último 5 de agosto, e 2.600 documentos já foram emitidos por duas empresas da Região Metropolitana de Belém. A NFC-e é um documento eletrônico para o consumidor final, que substituirá os documentos fiscais em papel - o cupom fiscal emitido por ECF e a nota fiscal modelo 2 de venda ao consumidor.
As sete empresas contribuintes de ICMS aderiram voluntariamente ao projeto, e estão credenciadas à emissão da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica, modelo 65, de agosto a dezembro.
A partir de 2015, a emissão de NFC-e passará a ser obrigatória, com a definição de um calendário para enquadramento das empresas, de acordo com as faixas de faturamento. “A partir de setembro, a Sefa vai permitir novas adesões ao projeto, para dar oportunidade às empresas de participarem do piloto no nosso Estado”, explicou José Guilherme Koury. 
Até dezembro deste ano, os estabelecimentos que se credenciarem poderão trabalhar simultaneamente com as emissões de cupons fiscais, utilizando tanto o equipamento emissor de cupom fiscal (ECF), quanto a NFC-e. “A partir de janeiro será dado um prazo aos estabelecimentos credenciados para a cessação de uso dos ECF. Este prazo ainda não foi definido, mas estamos avaliando um período entre seis meses e dois anos, para que a transição seja finalizada”, ressaltou o auditor de receitas.

Texto:
Ana M. Pantoja


Navegapará terá mais cinco infocentros no nordeste paraense
O Diário Oficial do Estado (DOE) divulgou nesta sexta-feira (22) os nomes das cinco instituições selecionadas pelos editais para implantação de novos infocentros do Programa Navegapará, lançados em 2013 pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e pela Empresa de Processamento de Dados do Pará (Prodepa). A partir de parcerias com as prefeituras, os municípios de Santo Antônio do Tauá e São Caetano de Odivelas, na região nordeste, passarão a contar com mais cinco espaços de inclusão digital com acesso gratuito à internet.
As prefeituras selecionadas terão acesso à internet pela rede do Programa Navegapará, treinamento para os monitores indicados pelas entidades, material didático para cursos de informática básica e um “Kit Cliente”, contendo materiais de informática para viabilizar a conexão no local do infocentro.
A Secti enviará às instituições selecionadas os acordos de cooperação técnica para que possam ser assinados e, em seguida, junto com a Prodepa, instalará os links de internet. Os novos infocentros devem ser inaugurados até o final deste ano. No site www.secti.pa.gov.br está a relação das instituições que serão beneficiadas pelos programa.

Texto:
Ana C. Pimenta


Doze infocentros do Programa Navegapará terão novos bolsistas em setembro
A partir de setembro, 12 infocentros do Programa Navegapará, coordenado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), com apoio da Empresa de Processamento de Dados (Prodepa), passarão a contar com novos monitores bolsistas para atendimento à comunidade. Três deles foram selecionados por meio do Edital nº 9/2013, divulgado pela Secti e pela Fundação Amazônia Paraense (Fapespa). O restante é resultado do edital nº 01/ 2014, parceria entre Secti e Banco do Estado do Pará (Banpará).
Os candidatos selecionados receberão bolsas mensais no valor de R$ 350,00, com duração de 12 meses. Aqueles que foram selecionados por meio da parceria com a Fapespa atuarão nos infocentros vinculados ao Núcleo Pro Paz UFPA (Universidade Federal do Pará), ao Centro Comunitário do Pantanal e à Associação de Moradores da Radional II, todos em Belém. Já os selecionados via edital Secti/Banpará atuarão em nove infocentros situados nas cidades de Ananindeua, Belém, Curuçá, Marabá, Nova Timboteua, São Miguel do Guamá e Tailândia.
Além do atendimento ao público no espaço do infocentro, os novos monitores deverão incentivar o uso efetivo das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), ministrar cursos e oficinas de informática básica em software livre, entre outras atividades que ajudam a promover inclusão digital nas comunidades.
Inscrições abertas – As inscrições para seleção de monitores de infocentros do Programa Navegapará seguem abertas. Pelo edital Secti/ Fapespa há 10 vagas para serem preenchidas nos municípios de Altamira, Belém, Itaituba, Rurópolis, São Miguel do Guamá e Santarém. As inscrições para este edital terminam no dia 1º de novembro de 2014.
Pelo edital Secti/Banpará restam 63 vagas, distribuídas por infocentros situados nos municípios de Ananindeua, Augusto Corrêa, Belém, Benevides, Bonito, Bragança, Bujaru, Capitão Poço, Curuçá, Eldorado do Carajás, Inhangapi, Irituia, Itaituba, Jacundá, Marabá, Marapanim, Marituba, Mãe do Rio, Paragominas, Peixe-Boi, Rondon do Pará, Rurópolis, Santa Bárbara do Pará, Santa Izabel do Pará, Santarém, São Domingos do Capim, São João de Pirabas, Terra Alta, Tracuateua e Vigia de Nazaré, com inscrições abertas até 30 de setembro de 2014.
Mais informações pelo e-mail: navegapara@secti.pa.gov.br ou pelos telefones: 4009-2504 ou 4009-2567. A lista dos selecionados está disponível no site www.secti.pa.gov.br.

Texto:
Ana C. Pimenta


Castelo dos Sonhos já está sendo atendido pelas Ciretrans de Itaituba e Novo Progresso
O distrito de Castelo dos Sonhos, no município de Altamira, desde esta sexta-feira (22) está sendo atendido pelas Circunscrições Regionais de Trânsito (Ciretrans) de Itaituba e Novo Progresso, municípios do oeste paraense, com os serviços de habilitação de condutores. Considerando a localização geográfica e a melhor operacionalização no atendimento à população local, esta medida visa garantir acesso e comodidade na procura dos serviços do Departamento de Trânsito do Estado (Detran).
Localizado a 950 km da sede de Altamira, Castelo dos Sonhos passará a ser atendido administrativamente por estas Ciretrans pela melhor facilidade geográfica e acessibilidade da população às sedes dos dois municípios. Serviços itinerantes dentro do distrito também serão realizados pela região de trânsito de Itaituba.
Por meio da Portaria 2409/2014, que determina esta mudança, somente os serviços de habilitação de condutores, como emissão da primeira Carteira de Habilitação, segunda via de CNH e outros serviços relacionados poderão ser realizados nas Ciretrans dos dois municípios.
Segundo a diretora geral do Detran, Glaura Brito, a determinação tem como objetivo principal facilitar o atendimento das demandas da população. “Nossa prioridade é assegurar a execução da Política Nacional de Trânsito no Pará, de forma articulada e integrada com os demais agentes sociais, zelando pelo cumprimento da lei, com vistas à preservação e valorização da vida e do bem estar da sociedade”, ressaltou.

Texto:
Edson Matoso


Fundação Curro Velho participa da Feira Mundial de Artesanato
A Fundação Curro Velho levará os produtos resultantes das oficinas do Núcleo de Prática de Ofício e Produção à 12ª Feira Mundial do Artesanato, que acontece no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, de 23 a 31 de agosto. O evento, que serve como vitrine para o artesanato de todo o mundo, possibilita a interação entre artesãos e o público.
Os produtos serão expostos no estande do programa Articulação e Cidadania, onde serão apresentados trabalhos de cerâmica, cestaria, cartonagem, tecelagem, marcenaria, camisas serigrafadas, reciclagem de resíduos e papel reciclado. A feira será aberta à visitação pública no horário de 16h as 21h.
Oficinas - Um dos produtos que estará à venda na Feira do Artesanato é o papel reciclado, resultado da oficina ministrada por André Teixeira. Durante o processo, os alunos aprendem a reciclar todo tipo de papel, bem como transformar fibras naturais em papel. Fibras que normalmente iriam parar no lixo, como de casca de pupunha, cacho de abacaxi, folha de bambu e muitos outros materiais orgânicos são transformados em papel. Os papeis reutilizados e transformados em novos são utilizados em trabalhos como revestimentos de materiais, cartonagem e muitos outros.
”No processo eles selecionam o papel que vai ser reaproveitado, colocam de molho por um dia, depois batem no triturador e, nessa parte, misturam as fibras ao papel. Em alguns casos é preciso cozinhar as fibras, como as do cacho de abacaxi, para que se possa ter uma boa mistura com o papel. Depois de batido, o material é misturado com cola e posto para secar. Alguns papeis são prensados para que possam ser utilizados em impressão, os outros são mantidos com uma textura mais grossa para que sejam utilizados em outros trabalhos”, explica André Teixeira, sobre o processo de confecção do papel.
No Núcleo de Prática de Ofício e Produção, os alunos da Fundação Curro Velho são profissionalizados para o mercado de trabalho.

Texto:
Andreza Gomes


Índignenas paraenses expõem produtos na Feira de Artesanato
Colares, cocares, flechas, pulseiras, bodurnas, cerâmicas e outros utensílios feitos de sementes e penas nativas representarão, durante as Feiras do Artesanato Mundial (FAM) e do Artesanato Paraense (Fesarte), toda a diversidade da etnia Munduruku, a partir deste sábado, 23, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, em Belém. Quatro indígenas dos municípios de Jacareacanga e Itaituba, assistidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e que representam as diversas famílias indígenas atendidas pelo órgão nos dois municípios do sudoeste paraense, estão em Belém para expor e comercializar o material na Feira.
Com o tema “Do tradicional ao contemporâneo: o artesanato está no dia a dia”, até o próximo domingo, 31, o evento congrega cerca de 70 estandes e 1.200 artesãos em um mix cultural, onde serão comercializadas 44.100 peças. A expectativa da Secretaria de Estado de Trabalho, Emprego e Renda (Seter), organizadora do evento e coordenadora do artesanato no Estado, é que 85 mil visitantes passem pelo Hangar nos nove dias da programação. Ao todo, 60 municípios de 20 estados brasileiros, apoiados pelo Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), e outros 23 países terão a sua produção cultural exposta na Feira. O volume de vendas esperado gira em torno de R$ 882 mil.
O líder do grupo, Everaldo Manhuary Munduruku, 40 anos, conta que a expectativa para o evento é positiva. “Nas outras feiras conseguimos uma ótima aceitação dos nossos produtos, tanto que tivemos que aumentar a produção para conseguirmos trazer uma boa quantidade para cá. Para nós, as feiras são sempre uma janela para mostrarmos nossa cultura e nosso trabalho. E a capacitação que recebemos nos ajudou muito a diversificar a produção e, assim, aumentar nossa renda”, comenta Everaldo, da aldeia Missão Cururu, em Jacareacanga. Ele, que há 14 anos trabalha com cerâmica, contabiliza um aumento de 80% na sua produção.
O incremento é resultado de uma capacitação realizada em agosto do ano passado, pela Emater e a Seter, em parceria com a Secretaria de Assuntos Indígenas de Jacarecanga. Segundo o titular da pasta municipal, Ivânio Alenquer, que acompanha os indígenas em Belém, a capacitação mudou a vida das famílias, que agora contam com bom complemento na renda. “Muitas já trabalhavam na área, mas com o treinamento isso ampliou. Quando eles levam para expor, a saída é excelente por ser tudo natural. O retorno de cada chega a ser de R$ 500 a R$ 800, dependendo da produção que o índio levar”, afirma.
De acordo com o coordenador do escritório da Emater em Jacareacanga, Raimundo Delival Batista, cerca de 30 famílias participaram da capacitação. O principal objetivo do trabalho foi diversificar e ampliar a produção, além de oferecer aos indígenas alternativas sustentáveis para se trabalhar a partir de produtos naturais, sem agredir a natureza. Um exemplo disso é que antes os indígenas derrubavam as árvores para pegar as sementes e, agora, eles apenas colhem. Além disso, os materiais produzidos passaram a ter ainda mais qualidade no acabamento com uma máquina para lapidação das peças que foi doada às famílias.
Capacitação
Durante as Feiras de Artesanato, que este ao chega a sua terceira edição, cerca de 400 artesãos paraenses capacitados irão comercializar seus produtos. O diferencial é que todos os artesãos são capacitados pela Seter. Somente no ano passado, cerca de 1.500 trabalhadores foram beneficiados. Este ano, outros 1.800 já receberam treinamento. “Isso é fruto de um programa voltado para o artesão. Mensalmente, a equipe técnica da secretaria vai até o interior fazer o cadastro dessas pessoas e, através desse cadastro, fazemos um planejamento para capacitarmos todos para que a produção possa ter uma qualidade ainda maior”, destaca o secretário Rodivan Nogueira.
Em 2013, cerca de R$ 6 milhões foram destinados pelo Governo do Estado para diversas capacitações, para atender os mais diversos públicos do Estado. Este ano, já no início do quarto bimestre, mais R$ 5 milhões foram aplicados. “Nossa expectativa é de que, até o final de 2014, vamos ter investido cerca de R$ 8 milhões na capacitação da população”, informa Rodivan Nogueira. Para isto, a secretaria conta com diversos parceiros, muitos deles, órgãos do próprio governo, com o Pro Paz, que é o maior parceiro quanto à capacitação e geração de emprego para jovens, e a Emater, em atividades relativas ao campo.
Serviço:
A III Feira do Artesanato Paraense e a III as Feira do Artesanato Mundial (FAM), organizada pela Secretaria de Trabalho Emprego e Renda (Seter) e pela Charp Eventos, ocorre de 23 a 31 de agosto, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, em Belém. A abertura, neste sábado, 23, será às 17 horas. 

Texto:
Amanda Engelke


Abertas inscrições para oficina de Libras na Uepa
A Universidade do Estado do Pará (Uepa) recebe até o dia 24 de agosto inscrições para oficina de Língua Brasileira de Sinais (Libras). Serão formadas duas turmas com 25 alunos cada. A atividade é voltada a alunos e professores da Uepa e de escolas públicas.
As inscrições são gratuitas e podem ser feitas por meio do site do Centro de Ciências Sociais e Educação (http://ccse.uepa.br/ccse/). As turmas funcionarão em dias diferentes: a turma A terá início no dia 26 de agosto (terça-feira), das 18h às 21h, e a turma B, no dia 28 de agosto (quinta-feira), das 15h às 18h.
A oficina faz parte do projeto de extensão "Um olhar sobre a Libras: oficinas de trabalho em foco", coordenado pelas professoras Rita Souza Bentes e Raquel Gomes da Silva. As atividades serão ministradas pelos alunos da Universidade. Mais informações pelo e-mail: oficinalibras2014@gmail.com.

Texto:
Janine Bargas


Programa Uepa nas Comunidades chega a Barcarena
A população da Vila de Itupanema, no município de Barcarena, nordeste paraense, receberá, neste domingo (24), o Programa de Extensão Uepa nas Comunidades. A população poderá usufruir de atendimento médico, testes rápidos de doenças como HIV, hepatites B e C e sífilis, além de vacinação, brinquedoteca Joana D’Arc e minicursos de manipulação e reaproveitamento de alimentos.
As atividades da área da saúde serão realizadas no posto de atendimento médico e as demais ações na escola Presidente Dutra. O horário de atendimento é das 8h às 15h. Professores, alunos e técnicos da Universidade do Estado do Pará (Uepa) estarão envolvidos nas atividades. O objetivo do programa é desenvolver projetos de caráter interdisciplinar, integrando grupos de áreas distintas do conhecimento com ações que visam à interação entre a universidade e sociedade com orientação e prestação de serviços.
“Queremos atender à população com serviços diretos e básicos, agregando ações dos vários centros e campi desta, numa missão integrada, e retribuir à comunidade, com a aplicação da teoria acumulada cientificamente dentro da Academia”, ressalta a pró-reitora de extensão da Uepa, Marize Duarte. O Programa Uepa nas Comunidades receberá, em Barcarena, o apoio da Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa) e da Prefeitura municipal.
Serviço:
Programa Uepa nas Comunidades – Barcarena
Data: 24/08/2014
Local: Vila de Itupanema (posto de saúde e escola Presidente Dutra)
Hora: das 8h às 15h

Texto:
Janine Bargas


Alunos participam de pesquisa artística na Vila da Barca
Cerca de 30 alunos da Fundação Curro Velho das oficinas pintura e adereços em miriti tiveram a oportunidade de ir à Vila da Barca fazer uma pesquisa de imagens, que serve como um suporte para os cursos. As “Crias” fizeram um passeio no interior da comunidade, onde realizaram a captação de imagens por meio do desenho e da fotografia.
Durante o passeio, realizado na última quinta-feira, 21, os alunos observaram a estrutura das casas da Vila da Barca para produzir trabalhos sobre esse cenário. A partir das imagens captadas durante a visita, os alunos de pintura farão desenhos que serão transformados em telas. Já os de adereços em miriti produzirão maquetes das casas na oficina de adereços.
Gilvan Tavares, instrutor da oficina de pintura comenta como vai ser feito o trabalho em sala de aula. “O objetivo é realizar um trabalho coletivo. Este mês trabalharemos essas imagens ribeirinhas,e não há lugar melhor para a captação dessas imagens do que a Vila da Barca. Por isso as visitas são tão importantes, pois trabalham o olhar deles, aprimorando cada vez mais a sensibilidade”, afirma o instrutor.
A experiência foi gratificante para todos os alunos até mesmo os que já moram na Vila da Barca, como o artesão Edvaldo Santos, da oficina de adereços em miriti. “Foi ótima essa experiência. Eu já tenho um conhecimento da Vila da Barca, sou nascido e criado lá, mas os outros alunos não, por isso a visita acabou sendo tão interessante. Nossa ideia é montar três casas a partir de um trabalho feito em grupo”, relata o aluno.
Raimunda Lima, 72, aposentada, foi à Vila da Barca pela primeira vez e diz que adorou a experiência. “Eu gostei muito do passeio, a convivência com o pessoal de lá foi ótima, eles são muito simpáticos. Além disso é ótimo tanto para a oficina de pintura como de miriti”, observa a aluna.
O instrutor do curso de adereços em miriti, João Gomes, explica como foi a experiência dos alunos na pesquisa. “Neste processo de observação percebemos que cada um tem um olhar diferenciado. Pude observar a interação da minha turma com as pessoas da comunidade; alguns alunos nunca tinham entrado na Vila da Barca, outros que não sabiam nem o que era uma palafita. Sei que eles não só poderão tirar algo de bom de lá, como também mostrar ao público o que tem belo na comunidade”, comemora o instrutor.
As oficinas de arte e ofício da Fundação Curro Velho vão até o dia 05 de setembro.

Texto:
Andreza Gomes


Detentas da Susipe participam de Feiras de Artesanato no Hangar
Detentas custodiadas pela Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) que integram a Cooperativa de Trabalho Arte Feminina Empreendedora (Coostafe) participarão da Feira do Artesanato Mundial (FAM) e III Feira Estadual do Artesanato paraense (Fesarte), que acontecem de 23 a 31 deste mês, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia. Promovidas pela Charph Eventos e Secretaria de Estado de Trabalho, Emprego e Renda (Seter), as feiras terão a participação de 400 artesãos de 23 países.
No estande da Coostafe o público encontrará acessórios como chinelos e chaveiros, puffs feitos com pneus, luminárias de crochê, almofadas, além de vasos, bonecas de pano, panos de prato, tapetes e canetas personalizadas, entre outras peças. “Estamos capacitando as internas, que já tem uma produção mais diversificada. Agora elas já estão fazendo produtos para decoração, mantendo sempre a linha do reaproveitamento de materiais”, explica a diretora do Centro de Recuperação Feminino, Carmem Botelho.
A cooperativa surgiu quando a direção da unidade percebeu que havia uma grande quantidade de mão de obra feminina ociosa. Com base nas habilidades de cada uma, as detentas foram chamadas a ministrar cursos para outras mulheres. Nas aulas elas ensinam técnicas de crochê, fuxico e outros tipos de artesanato. O sucesso da iniciativa deu origem à formação da Coostafe.
Inovação - A Cooperativa de Trabalho Arte Feminina Empreendedora (Coostafe) é a primeira do Brasil formada exclusivamente por detentas. O registro foi feito há pouco mais de um mês na Junta Comercial do Estado (Jucepa). A iniciativa da Susipe conta com 21 cooperadas. O Centro de Recuperação Feminino abriga cerca de 600 presas, a maioria na faixa de 40 anos.
Também estarão à mostra na FAM e Fesarte plantas ornamentais de diversas variedades, tamanhos e cores, cuidadas por detentos e egressos do sistema penal dentro do projeto Cultivando Flores e Vidas, que integra o programa Articulação e Cidadania em parceria com a Susipe e Emater.
Os egressos são capacitados em um espaço na Central de Abastecimento do Pará (Ceasa), que também é parceira do projeto. Além do conhecimento prático, eles têm acesso a informações sobre mercado, inserção social e cidadania, com técnicas de empreendedorismo, práticas associativistas, terceiro setor e reaproveitamento de materiais recicláveis.
A estimativa é que os eventos movimentem em torno de R$ 300 mil em vendas diretas e R$ 2 milhões em negócios futuros. Na programação, voltada para o fomento e promoção do segmento como estratégia de valorização cultural e geração de renda, estão oficinas de artesanato, rodada de negócios e apresentação cultural.
Colaboração: Ascom Susipe

Texto:
Governo do E. do Pará


Companhia de Habitação do Pará recebe Medalha Brasão D'Armas da CMB
A mais alta comenda municipal, a medalha Brasão D’Armas, foi entregue na manhã desta quinta-feira, 21, ao presidente em exercício da Companhia de Habitação do Pará-Cohab, Walber Milhomem, durante sessão solene na Câmara Municipal de Belém (CMB).
A comenda recebida, fruto de proposição do vereador Rildo Pessoa (PDT), representa o reconhecimento da instituição pelos seus 49 anos de atuação no desenvolvimento da Política Pública de Habitação em todo o Estado do Pará, propiciando à população mais carente o acesso à habitação e moradia digna, com a responsabilidade de executar e coordenar programas voltados à área visando a diminuição do déficit habitacional.
A honraria, instituída pela Resolução 19, de 12 de abril de 2005, é a mais alta condecoração concedida pelo Poder Legislativo. Sua concessão, de competência exclusiva do presidente da CMB, é dedicada às autoridades civis, militares, públicas e eclesiásticas que tenham se destacado nos setores culturais, intelectuais, artísticos e sociais em favor do município de Belém.
A Cohab é uma Empresa Estadual de Economia Mista, criada pela Lei Estadual Nº 3.282, de 13 de abril de 1965, com a finalidade de integrar a estrutura do Banco Nacional de Habitação(BNH), e constitui-se no órgão executor da política habitacional no Estado do Pará, atuando nas áreas de Habitação, Infraestrutura e Serviços Urbanos. Nestes 49 anos de atuação, a Cohab atendeu mais de 75 mil famílias com novas moradias, melhorias habitacionais, lotes urbanizados e regularização fundiária.



Texto:
Rosa Borges







Estácio-FAP é parceria da Seel nos IV Jogos Tradicionais Indígenas
A Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) continua fechando parcerias para os IV Jogos Tradicionais Indígenas do Pará, que ocorrem no período de 4 a 10 de setembro deste ano, na praia de Marudá e outros distritos do município de Marapanim, no nordeste do Estado. A faculdade Estácio-FAP é mais um desses parceiros.
A professora Viviane Menna e equipe estiveram no lançamento do evento no distrito de Marudá. Ela conversou com os irmãos Marcos e Carlos Terena, líderes indígenas do Comitê Intertribal Memória e Ciência Indígena, parceiro da Seel no evento, e trouxe para Belém as informações necessárias para o bom desenvolvimento do trabalho dos alunos junto à comunidade indígena.
A conexão intertribal e global será muito importante para os futuros comunicadores por se tratar de um dos eventos mais emblemáticos da cultura, e alunos da Estácio-FAP de diversas áreas vão participar do evento como voluntários. “Houve uma grande procura dos alunos”, relatou a professora Viviane Menna. “Infelizmente, só podermos levar um grupo de dez estudantes, divididos entre as turmas de jornalismo, publicidade e direito”, relatou.
A seleção dos alunos ocorrerá após duas reuniões que ocorrerão na faculdade. Dessa seleção serão retirados sete alunos que serão atachées – que podem ser alunos de qualquer período – e três de jornalismo, do último período. Os atachées são as pessoas que acompanharão os indígenas nas suas mais diversas atividades, servindo com elo entre eles e a equipe de produção dos jogos. Cada aluno vai produzir o diário de viagem, a partir de suas vivências. Com base nos sete dias do evento, eles vão montar um material cartográfico que servirá de material de estudo.
Em parceria com o projeto Cartografias Amazônicas, os alunos terão a hospedagem solidária em Marudá, fazendo com que, por meio dessa parceria e troca de experiência e com o olhar diferenciado, surja um resultado final, fruto do trabalho em equipe, que resultará em um material de audiovisual.
Os professores responsáveis pelos alunos são Viviane Menna, Laércio Esteves e Denise Adirão. A professora Viviane ressalta que os IV Jogos Indígenas são uma oportunidade gratificante. “Ao sermos lembrados pela secretaria, nesse momento, encontramos o verdadeiro significado da relação entre universidade e pesquisa”, avaliou Menna.

Texto:
Dedé Mesquita


Famílias produtoras de leite em Bannach têm acesso à tecnologia
Produtores do município de Bannach, no sul do Pará, começaram a adotar tecnologia para melhorar a produção leiteira, substituindo o trabalho manual. Com orientação da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), três famílias receberam financiamentos, por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), linha Mais Alimentos, para melhorar a infraestrutura dos espaços de coleta de leite.
Nas propriedades foram construídos currais novos, com barracão e ordenha mecânica. A expectativa da Emater é, em pouco tempo, aumentar em 20% a produção leiteira na propriedade dos agricultores João Adriano e Adão Adriano, moradores da comunidade Pista Branca, e Manoel Faria, da comunidade Pintolândia. As propriedades agora têm as primeiras ordenhadeiras mecânicas do município.
Segundo Paulo Henrique Ribeiro, técnico da Emater, mais um agricultor será beneficiado com recursos do Pronaf, para melhorar o manejo técnico da produção. A ação é resultado da chamada pública do leite, executada pela Emater em Bannach, para atender 60 famílias em diversas comunidades rurais, priorizando principalmente a capacitação dos agricultores para a produção, dentro de padrões de higiene, a melhoria do rebanho bovino, o aumento da produtividade por animal (com a valorização do litro de leite) e a melhoria da qualidade de vidas das famílias. “Queremos mudar a realidade nos currais. No inverno, principalmente, a qualidade do produto pode ser comprometida por conta de os currais funcionarem a céu aberto, passivos de contaminação”, ressaltou o técnico.
A Emater também trabalha com os agricultores visando a melhoria da alimentação do rebanho, incentivando os produtores a plantarem cana de açúcar para ser oferecida aos animais, com a adição de ureia, principalmente durante o verão, quando os campos ficam secos e a oferta de alimento natural para o gado diminui. “Com essas atividades, o incentivo e as capacitações, queremos elevar em pelo menos em 60% a produtividade do rebanho leiteiro em Bannach, nos próximos três anos. As novas tecnologias são importantes, mas não podemos esquecer a melhoria do plantel, que é um de nossos focos”, finalizou Paulo Henrique Ribeiro.

Texto:
Iolanda Lopes


Uepa participa do Fórum Paraense de Educação do Campo
Nesta quinta-feira (21), a Universidade do Estado do Pará (Uepa) recebeu a plenária do Fórum Paraense de Educação do Campo, com a presença de representantes de movimentos sociais, estudantes de graduação, professores e pesquisadores de diversas instituições de ensino e pesquisa do Estado. A reunião, que ocorreu na Sala de Recitais do Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE), teve como pauta os encaminhamentos dados na reunião do Fórum Nacional de Educação e o planejamento de ação para o segundo semestre deste ano.
Para a professora Zanete Gusmão, coordenadora do curso de pedagogia e participante do fórum há oito anos, a plenária na instituição marca o fortalecimento da participação da Uepa nas discussões sobre o desenvolvimento de ações educacionais no ambiente rural. “Para mim, é um momento histórico receber o fórum, que saiu de sua casa inicial, que é a UFPA e que tem como coordenador o professor Salomão Hage, e veio até nós porque quer a nossa participação”, afirma.

Entre os temas discutidos estão a adequação às realidades camponesas de programas federais de educação, como o Pronatec Campo, Procampo e outros; as dificuldades de trabalhadores camponeses para chegarem à escola; e os impactos da ação de agentes do agronegócio na educação do campo, que têm incorporado, por meio de fundações privadas, as escolas públicas.

O representante da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri) do município de Moju, no nordeste Paraense, Manoel Libório, destacou a importância da mobilização dos movimentos sociais e dos agricultores para o fomento de ações eficazes. Para Libório, “por conta de nossas dificuldades com a agricultura, nós ficamos dormentes para a questão da educação. Agora, estamos fazendo esse esforço para sair dessa dormência. Nós precisamos elevar a nossa escolarização”.

Para 2015, a Uepa planeja o segundo Encontro de Educação do Campo da instituição, que terá o apoio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação (MEC) e dos fóruns de educação, além do início dos trâmites para a aprovação do curso de licenciatura em educação do campo.

Texto:
Janine Bargas


Pará é destaque em caderno de turismo do Jornal “O Estado de Minas”
O Pará foi destaque em um caderno do jornal o “Estado de Minas”, importante veículo de comunicação mineiro, no último dia 13 de agosto. Ao todo, foram cinco páginas dedicadas às belezas geográficas e cultura, com destaque maior para a gastronomia e o povo paraense. “O Estado de Minas” é um dos mais importantes jornais do país, com 84 mil assinantes e venda diária em bancas de oito mil exemplares.
O Caderno Turismo, que é semanal, apresenta destinos nacionais e internacionais, com informações sobre passeios, hospedagem, atrações e preços, serviços e notícias do trade turístico relacionadas a viagens. O jornalista Alfredo Durães, autor do conteúdo, esteve no Pará pela terceira vez produzindo reportagens para o veículo. Para esta última reportagem, o jornalista passou quatro dias no Estado, no início do mês. “O Pará é um Estado culturalmente rico. Sempre tem coisas novas para se descobrir”, comentou.
Para o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Goes, “matérias em jornais de circulação em outras regiões do país e até mesmo fora do país são importantes para a divulgação e promoção do turismo paraense, pois agregam valor à comercialização do produto e, desta forma, incrementam ainda mais o fluxo de turistas em nosso Estado”.
Na semana anterior, o Pará foi destaque no maior jornal brasileiro, a “Folha de S. Paulo” que publicou material sobre a Praia de Alter do Chão, no oeste paraense, destacando as belezas do local e oferecendo dicas de como chegar, onde se hospedar e opções de passeios.

Texto:
Márcio Flexa


Sema prepara índios para atuarem como agentes ambientais
A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), por meio do Programa Pará Rural, financiado pelo Banco Mundial, contratou a organização não governamental (ONG) Equipe de Conservação da Amazônia para fazer a formação e treinamento de 30 indígenas da etnia Tembé, para atuarem em atividades de vigilância, proteção e gestão ambiental e territorial.
A primeira fase do curso para formação de agentes ambientais indígenas da Terra Indígena Alto Rio Guamá começou iniciou na última terça-feira (19), no município de Capitão Poço, região de integração Rio Capim, e continua até o dia 29 deste mês. A fase prática ocorrerá em uma aldeia indígena do rio Gurupi, de 4 a 14 de setembro.
O curso também apresenta parcerias com diversos órgãos, como Ministério Público, Museu Paraense Emílio Goeldi, secretarias municipais, Batalhão de Polícia Ambiental e Corpo de Bombeiros, entre outros, que estarão encarregados de passar conteúdos programáticos aos indígenas.
Após a formação dos agentes ambientais indígenas, a Sema, em parceria com os órgãos de governo responsáveis pela proteção da terra indígena, lideranças indígenas e agentes ambientais formados participarão de uma oficina para elaboração do Plano de Proteção Ambiental e Territorial da Terra Indígena Alto Rio Guamá, que ocorrerá no período de 20 a 23 de setembro.
“A meta é o combate à exploração ilegal de madeira que ocorre há décadas na Terra Indígena Alto Rio Guamá”, diz a antropóloga Cláudia Kahwage, titular da Gerência de Povos e Comunidades Tradicionais da Sema. Essa Terra Indígena aloja um dos últimos fragmentos de floresta primária do nordeste paraense e é refúgio da maioria das espécies ameaçadas de extinção do Estado.
As ações estão relacionadas à execução do Projeto Conservação da Biodiversidade das Terras Indígenas do Pará, executado pela Gerência de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais da Diretoria de Áreas Protegidas, da Sema.

Texto:
Káthia Oliveira


Lábia Cultural apresenta espetáculo teatral na Estação das Docas
Com o objetivo de promover a conscientização ambiental, o grupo Lábia Cultural apresenta neste domingo (24), às 17h30, na Estação das Docas, o espetáculo “Mr. Oco e a Consciência Perdida”. A peça será encenada neste domingo (24), no projeto Teatro ao Pôr do Sol. A apresentação, voltada para toda a família, é gratuita e ocorre às 17h30, no Anfiteatro São Pedro Nolasco.
A história mostra a rotina do palhaço Mr. Oco, que, no dia a dia, tem atitudes como desperdiçar água, jogar lixo no chão e poluir a natureza. A sua própria consciência se materializa em outro palhaço para lhe dar lições de preservação do meio ambiente e cuidados com a natureza. Mr. Oco vai precisar, porém, passar por outra experiência não muito agradável para poder entender o verdadeiro sentido da consciência ecológica.
Encenado pelos palhaços Gilberto Ganashi e Mário Eurípedes, com sonoplastia de Breno Wendel e Priscila Cavalcante, o espetáculo é totalmente autoral e cheio de recursos para divertir o público. “É um espetáculo que usa a mímica e o clown, com toda a alegria e teatralidade dos palhaços”, destaca Mário.

Pela primeira vez na Estação das Docas, o Lábia Cultural é um projeto que começou entre amigos, há três anos. Desde então, o grupo desenvolve diversos trabalhos sociais voluntários em hospitais, escolas e comunidades carentes na capital paraense. “Nosso grupo não é apenas teatral. Também desenvolvemos projetos de música e do audiovisual, dentre outros segmentos”, explica Mário.

Texto:
Camila Barros


Empresa de tecnologia em produtos químicos quer se instalar no Pará
Representantes da empresa Produquímica, que pretende investir no Pará na área de tecnologia e produtos químicos, estiveram nesta quinta-feira (21) na Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom). O gerente regional Norte, Jader Leite, e o diretor Norte, Nicolaus Specht, foram recebidos pela equipe interdisciplinar das diretorias de Atração de Investimentos, Desenvolvimento Industrial e Política de Incentivos da Seicom, que fazem um trabalho de apoio ao empresariado local, nacional e estrangeiro para maximizar os investimentos e novos negócios no Estado.
Na reunião, os representantes da empresa apresentaram o projeto de instalação, elaborado a partir de estudos de viabilidade técnica do grupo. A área estudada fica próxima do Terminal Petroquímico de Belém, no bairro Miramar, às margens da Baía do Guajará. “O Estado está vivendo um momento ímpar na economia, e a instalação da empresa aqui favorecerá esse ambiente de negócios por causa do segmento de atuação”, afirmou a titular da Seicom, Maria Amélia Enríquez.
A Produquímica tem o foco no desenvolvimento, fabricação e comercialização de tecnologias e soluções nutricionais para aumento da produtividade agrícola e produtos para tratamento de águas e insumos químicos para processos industriais. Com mais de 45 anos de atuação no Brasil e respeito ao meio ambiente, a empresa anualmente produz milhares de toneladas de produtos em dez parques fabris espalhados pelo país. A empresa, fundada em 1965, tem presença ativa em vários segmentos de negócios na área agrícola e no setor de tratamento de águas e insumos químicos para processos industriais.

Texto:
Juliana Pinheiro


Emater e Banco do Brasil viabilizam crédito para pequenos pecuaristas de Altamira e Anapu
Dez famílias criadoras de gado de corte, residentes nos municípios de Altamira e Anapu, localizados na região da Transamazônica, serão beneficiadas com crédito rural. Na manhã desta quinta-feira (21), a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) viabilizou a contratação de crédito rural, que ultrapassa R$ 450 mil, com o Banco do Brasil, por meio da linha Mais Alimentos, do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).
Os recursos serão investidos em melhoramento genético dos rebanhos das três famílias de Anapu e sete da área do Projeto Assentamento Gleba Assurini, em Altamira. Cada uma terá direito a um financiamento de cerca de R$ 49 mil. Os projetos desenvolvidos pelos técnicos da Emater são destinados à aquisição de matrizes melhoradas e a obras de infraestrutura, como a construção de curral e cercas.
Segundo o técnico em Agropecuária Josué Cavalcante, de Altamira, a necessidade do melhoramento genético é uma demanda do mercado local. Os pequenos produtores abastecem com bezerros os grandes produtores, que os engordam e enviam para o abate, quando atingem dois anos. “Com o bezerro melhorado, a probabilidade é que o animal chegue ao ponto de abate mais rapidamente. O mais positivo nesta atividade é que ela se paga rapidamente, evitando a inadimplência”, afirmou o técnico.

Texto:
Kenny Teixeira


Programa Balcão de Direitos leva benefícios a moradores da Condor
O Programa Balcão de Direitos, desenvolvido pela Defensoria Pública do Pará, promoverá ações de cidadania neste sábado (23), no bairro da Condor. O atendimento acontecerá na Escola Estadual Antônia Paes da Silva, localizada na Travessa Padre Eutíquio, n° 2.700, das 8 às 16 h. No local, o cidadão terá acesso aos principais serviços do programa, principalmente emissão de documentos, como Carteira de Identidade, Cadastro de Pessoa Física (CPF) e Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS). O Balcão também oferecerá fotografia 3x4 para a retirada da documentação, e encaminhamento para cartório, que dá direito ao registro de nascimento.
A população terá ainda à disposição orientação jurídica, com esclarecimentos sobre divórcio, guarda e pensão alimentícia, e informações sobre o atendimento e agendamento desses serviços na Defensoria Pública. O coordenador do programa, Jucemir Siqueira, informa que a expectativa é atender pelo menos 1.200 pessoas.

Texto:
Micheline Ferreira


Governo do Pará decreta luto oficial pela morte do desembargador Cláudio Montalvão
O vice-presidente do Tribunal de Justiça do Pará, Cláudio Augusto Montalvão das Neves, faleceu na manhã desta quinta-feira (21), aos 63 anos. Natural de Belém, o desembargador atuou na magistratura paraense durante 29 anos. Ele deixa a viúva, Rosa Neves, dois filhos e netos. O sepultamento acontecerá nesta sexta-feira, às 10h30, no cemitério Recanto da Saudade, em Ananindeua. O Governo do Pará, ao reconhecer a importância de Cláudio Montalvão para a magistratura paraense, lamenta seu falecimento e decreta luto oficial por três dias.
Graduado em Direito pela Universidade Federal do Pará (UFPA), em 1977, Cláudio Montalvão concluiu, em 1982, o Curso de Formação de Magistrados pela Escola de Magistratura do Estado do Pará, onde foi professor em 2003.
Ingressou na magistratura em 1985, ao assumir o cargo de juiz de 1ª Entrância na Comarca de Chaves, no Arquipélago do Marajó. Também atuou nas Comarcas de Paragominas, Santarém e Caapanema, nas duas últimas já como juiz de 2ª Entrância. Em 1993 foi promovido a juiz de 3ª Entrância, lotado na 2ª Vara Penal do Distrito de Icoaraci, de onde saiu para assumir a Comarca da Capital. Entre 1999 e 2003, Cláudio Montalvão integrou a Turma Recursal dos Juízes Especiais. De 1985 a 2002 também atuou como juiz eleitoral no interior e em Belém.
O desembargador foi membro do Conselho da Magistratura, e esteve à frente de julgamentos de acusados em crimes de grande repercussão, como os assassinatos do deputado estadual João Batista, do sindicalista Expedito Ribeiro e da missionária norte-americana Dorothy Stang, este ocorrido em Anapu, município à margem da Rodovia Transamazônica. Já como vice-presidente do TJE, presidiu as Câmaras Cíveis e Criminais Reunidas.
NOTA DE PESAR
O Governo do Estado do Pará, através do chefe do Poder Executivo estadual, governador Simão Jatene, lamenta e se solidariza com o Poder Judiciário e familiares pelo falecimento do vice-presidente do Tribunal de Justiça do Pará, desembargador Cláudio Augusto Montalvão das Neves, ocorrido nesta quinta-feira (21).  O Governo do Estado decretou luto oficial de três dias, determinando que as secretarias e órgãos das Administrações Direta e Indireta devem manter as bandeiras a meio mastro durante esse período.
Com quase 30 anos de atuação na magistratura paraense, o desembargador Cláudio Montalvão das Neves foi um exemplo de dedicação ativa por uma sociedade mais justa e igual para todos os paraenses. Pela magistratura, atuou nas Comarcas de Chaves, Paragominas, Santarém, Capanema e Belém. O desembargador também exerceu a presidência da Associação dos Magistrados do Estado do Pará (AMEPA) por dois mandatos consecutivos (1996-1999) e foi vice-presidente da Associação dos Magistrados do Brasil no período de 2002 a 2004.

Texto:
Governo do E. do Pará


Uepa promove palestra sobre inclusão escolar
Professores e demais funcionários da Secretaria Municipal de Educação Belém, alunos da área de educação e interessados em debates sobre inclusão escolar podem participar da palestra “Educação inclusiva, corpo e escola”, na próxima quarta-feira (27), às 11h, na Sala de Recitais do Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE) da Universidade do Estado do Pará (Uepa). A atividade é promovida pelo Programa de Pós-Graduação em Educação do CCSE e pelo Grupo de Pesquisa de Ressignificar. O objetivo é discutir acerca do trabalho de inclusão de alunos especiais nas redes pública e privada de ensino. A palestra será ministrada pelo professor doutor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) José Pereira de Melo, que vai abordar assuntos baseados nas questões nacionais e internacionais do panorama educacional. Os participantes ganharão certificado. Mais informações: (91) 3213-5782.

Texto:
Ize Sena


Navegapará divulga resultado preliminar da seleção de bolsistas
O Diário Oficial do Estado divulgou nesta quinta-feira (21) o quinto resultado preliminar da seleção de bolsistas para monitores dos infocentros do Programa Navegapará, referente ao Edital nº 9/ 2013. Os candidatos foram selecionados para vagas nos infocentros localizados no Núcleo Pro Paz UFPA, Centro Comunitário do Pantanal e Associação de Moradores da Radional II. Os Infocentros são centros públicos de inclusão digital onde a população tem acesso gratuito à internet e à capacitação em informática básica. Com o Navegapará, o Estado busca democratizar o alcance das tecnologias de informação e comunicação. Mais informações sobre o resultado preliminar podem ser obtidas na Diretoria Científica da Fundação Amazônia Paraense de Amparo à Pesquisa (Fapespa), pelo telefone (91) 3323-2564 ou pelo e-mail dicet@fapespa.pa.gov.br.

Texto:
Simone de Campos


Espaço São José Liberto recebe jornalista colaborador da 'Carta Capital'
O jornalista e crítico de cinema Orlando Margarido, colaborador da revista “Carta Capital”, visitou nesta quinta feira (21) o Espaço São José Liberto. "Achei uma iniciativa muito diferente, que pega uma riqueza do Estado que não vem de imediato à cabeça de todo mundo. A gente pensa mais na questão da natureza, da floresta, de toda a fauna e flora da região, mas é esse lado das pedras, das minas, uma grande tradição do Estado, que moveu a economia em outros momentos", observou o jornalista, que também assina um blog de crítica de cinema. Orlando achou interessante ter um local onde é possível encontrar diversos exemplares minerais. "O museu é maravilhoso, nunca vi tantas pedras preciosas juntas no mesmo lugar", afirmou ele, referindo-se ao Museu de Gemas do Pará.

Texto:
Luiz A. P. L. Viana


Emater participa da mostra de ciência da Secti em Redenção
A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) participa da Mostra de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Regional, que ocorre nesta quinta (21) e sexta-feira (22), em Redenção, sul do Estado, com promoção da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Pará (Sebrae). O objetivo do evento é promover o empreendedorismo no âmbito estadual com a disseminação de técnicas, tecnologias e práticas inovadoras. Durante a programação, no Parque de Exposição Pantaleão Lourenço Ferreira, técnicos da Emater estão mostrando ao público experiências exitosas para o desenvolvimento no meio rural. “Mostramos tecnologias aplicadas e que deram certo na agricultura familiar, e a expectativa é tornar essas práticas conhecidas para que sejam aplicadas em outros locais”, diz a supervisora adjunta da Emater em Conceição do Araguaia, Elizamar Pupio.

Texto:
Paula Portilho


Ações de combate ao escalpelamento serão discutidas em seminário promovido pela Sespa
Com o tema “Atenção integral às vítimas de escalpelamento no Pará: práticas de educação e saúde”, o Seminário Estadual de Prevenção aos Acidentes com Escalpelamento no Transporte Fluvial debaterá, pelo quinto ano consecutivo, as causas e consequências desse acidente, que ainda faz vítimas no norte do Brasil, apesar de o número de ocorrências estar em queda no Estado. Em 2012 foram registrados 12 casos, e oito em 2013. Neste ano, ocorreram quatro casos, com uma morte.
Realizado no auditório David Muffarrej, da Universidade da Amazônia (Unama), em Belém, nos próximos dias 27 e 28, o Seminário terá ainda três momentos: o I Colóquio de Atendimento Escolar Hospitalar do Espaço Acolher, o II Seminário de Educação Popular e Saúde e a Mostra Pedagógica de Escolas e Comunidades Ribeirinhas. O principal objetivo dessas iniciativas é contribuir para erradicar esse tipo de acidente no Pará, informa Socorro Silva, coordenadora estadual de Mobilização Social, da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).
Estarão em pauta a importância da mudança de hábitos, principalmente entre as populações ribeirinhas, e a aproximação dos profissionais que já estão engajados em programas de atenção integral às vítimas de escalpelamento, executados pelo Estado em parceria com algumas instituições, como a Marinha do Brasil. “Com isso, queremos contribuir com as discussões e políticas de combate e prevenção ao acidente e intensificar a rede de apoio às vítimas e familiares, com práticas inclusivas de educação e saúde, visando assegurar o pleno desenvolvimento dessas mulheres e acompanhantes”, explica Socorro Silva.
A Mostra Pedagógica de Escolas e Comunidades Ribeirinhas acontecerá no hall do auditório, com o objetivo de divulgar os trabalhos de educação e saúde desenvolvidos em diversos municípios paraenses.
Minicurso - Socorro Silva ressalta que também haverá uma roda de conversa com os mestres carpinteiros da Amazônia e um minicurso para profissionais da área da saúde, com o objetivo de prestar orientações sobre os primeiros atendimentos às vítimas.
O escalpelamento é um acidente que pode levar à morte. Os cabelos de passageiros ficam presos no eixo do motor das embarcações, arrancando o couro cabeludo e, às vezes, até a orelha. A maioria das vítimas é formada por mulheres e crianças, que ficam com graves sequelas físicas e psicológicas. Grande parte das vítimas é oriunda dos municípios do Arquipélago do Marajó e do oeste paraense. De 1982 até julho deste ano foram registrados 403 acidentes com escalpelamento no Pará.
Desde 2009, por meio de lei federal, a instalação da proteção no eixo se tornou obrigatória. A Marinha do Brasil já realizou mutirões para a instalação gratuita da cobertura e, desde então, 3.179 embarcações receberam proteção nos eixos. A instalação não tem custo para o dono da embarcação, porque é patrocinada por empresas privadas.
A parceria também já promoveu outras campanhas de prevenção e mutirões, inclusive no interior do Estado, durante as atividades da Caravana Pro Paz, quando foram reforçados os compromissos com 36 comitês municipais de combate a esse tipo de acidente.
Em vésperas de datas especiais, como Carnaval, Círio de Nazaré e Natal, a Sespa distribui cartazes e material informativo em portos, com o objetivo de conscientizar turistas e ribeirinhos sobre o problema. Também são divulgadas informações sobre o atendimento às vítimas, que hoje é oferecido pelo Programa de Atenção Integral às Vítimas de Escalpelamento (Paives), realizado na Santa Casa do Pará, em Belém, e sobre o acesso ao Tratamento Fora de Domicílio (TFD), um benefício fornecido pelos municípios aos pacientes que precisam cuidar das sequelas fora da cidade de origem.
Esses e outros temas serão enfatizados na programação do Seminário, realizado pela Diretoria de Políticas de Atenção Integral à Saúde e Coordenação Estadual de Mobilização Social da Sespa, com apoio da Fundação Santa Casa de Misericórdia e Comissão Estadual de Erradicação de Acidentes com Escalpelamento (CEEAE), e pelos profissionais da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) que atuam na Classe Hospitalar da Escola Barão do Rio Branco, além de instituições de Ensino Superior parceiras.
Serviço: I Seminário Estadual de Prevenção aos Acidentes com Escalpelamento no Transporte Fluvial. Dias 27 e 28 de agosto (quarta e quinta-feira), a partir das 8 h, no auditório David Muffarrej, da Unama, em Belém. Mais informações pelo fone (91) 4006-4329.

Texto:
Mozart Lira


Seter promove a terceira edição da Fesarte Pará
Passear pelo universo da criação artesanal reproduzido em um ambiente exótico, onde é possível conhecer a diversidade da cultura paraense, brasileira e de países como Turquia, Coréia e Japão. Essa é a proposta da terceira edição da Feira do Artesanato Paraense (Fesarte Pará), que acontece entre os dias 23 e 31 de agosto, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, com o tema “Do tradicional ao contemporâneo: O artesanato está no dia a dia”.
O evento congrega cerca de 70 estandes e 1.200 artesãos em um mix cultural, onde serão comercializadas 44.100 peças. A expectativa da Secretaria de Estado de Trabalho Emprego e Renda (Seter), organizadora do evento e coordenadora do artesanato no estado, é que 85 mil visitantes passem pelo Hangar nos nove dias da programação. Ao todo, 60 municípios de 20 estados brasileiros, apoiados pelo Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), e outros 23 países terão a sua produção cultural exposta na Feira. O volume de vendas esperado gira em torno de R$ 882 mil.
“A feira possibilitará aos visitantes um espaço de socialização, valorização e integração de diversas expressões da cultura Amazônica, representada por meio dos trabalhos dos artesãos paraenses”, explica o secretário Rodivan Nogueira, da Seter. 
Rodada – Para incrementar o evento, os artesãos envolvidos terão a oportunidade de participar da Rodada de Negócios, que possibilitará o contato direto de artesãos com 12 lojistas nacionais para o desenvolvimento de novos negócios.
Após participar da Rodada de Negócios nas últimas edições da feira, o artesão Magno Nascimento deu uma guinada nos negócios. “A Fesarte é uma porta que me abriu diversas oportunidades de negócios. Através dela fiz negociações com lojistas de São Paulo e Manaus. A dica é investir na visualização do produto, pois a feira é uma vitrine”, disse o administrador quilombola e artesão.
Além de uma vasta programação com desfiles, danças e muita música, também haverá palestras e oficinas abertas ao público. Uma das programações aguardadas é o Workshop “Do tradicional ao contemporâneo”, voltada à qualificação continuada do artesão e do trabalhador manual.
O evento valoriza uma geração de trabalho, emprego, renda, cultura e comercialização. Também inclui uma participação maior dos municípios e a comercialização entre os estados e o exterior do país, formando uma nova geração de negócios. Além da Feira Estadual, acontecem no decorrer do ano, diversas feiras artesanais em datas comemorativas, em órgãos e praças.
Os visitantes terão contato com a matéria-prima, os instrumentos do trabalho artesanal e o produto finalizado, que destacam as tipologias da balata, cerâmica, cuias pintadas, fibras, cheiro do Pará, madeira machetada, miriti e instrumentos musicais artesanais.
Quilombolas – Além da decoração, nesta edição haverá as Ilhas Quilombolas, instalações que reproduzem o cotidiano das diversas comunidades quilombolas presentes no evento, destacando elementos da cultura e tradição remanescente negra, assim como produtos de sua economia (artesanato, canto, danças e artes), para que possam ser comercializados ao longo do evento. A ilha possui o apoio da Secretaria de Promoção e Igualdade Racial (Sepir).
Indígenas – O visitante também encontrará Ilhas com os produtos tradicionais da biodiversidade dos povos indígenas das etnias Tembé, Munduruku e Wai Wai. A comercialização dos produtos artesanais será feita diretamente com os povos indígenas presentes na feira. A participação das comunidades indígenas tem o apoio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado (Emater).
Apartamento - O diferencial do evento é o Apartamento Funcional, outro tipo de instalação decorada com peças exóticas que podem ser utilizadas no dia a dia. O local disponibilizará quatro ambientes de 3m² cada, com destaque para a associação do artesanato contemporâneo a uma decoração utilitária, conceitual e lúdica.
Outro destaque são os estandes de Economia Solidária, que tem como finalidade a produção e comercialização de artesanato em conjunto com vários grupos de empreendedores. Acontece como uma espécie de participação colaborativa na produção e venda de uma peça artesanal.
Brinquedoteca – As crianças também terão um espaço reservado, com brinquedos pedagógicos produzidos artesanalmente, com destaque para os de tradição quilombola.
Serviço – E como forma de garantir o apoio ao artesão paraense, a Seter manterá um equipe técnica para garantir os serviços do Balcão de Informações, cadastramento de artesãos e trabalhadores manuais, atualização no Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (SICAB) e expedição da Carteira Nacional do Artesão.
Degustação - Ainda nesta edição, os visitantes terão oportunidade de conhecer e degustar diversos pratos da gastronomia paraense, por meio da parceria com o Instituto Paulo Martins. A comercialização de pratos tradicionais e autorais estará disponível em cinco barracas, diariamente, no período de funcionamento da feira.
Colaboração: Carla Fischer

Texto:
Governo do E. do Pará


Curso de Gestão em Restaurantes certifica 40 profissionais para o mercado de trabalho
A Secretaria de Estado de Turismo (Setur), a Faculdade Maurício de Nassau e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-Pará) entregam, na tarde desta sexta-feira, 22, às 16h, os certificados dos 40 concluintes do Curso Gestão de Restaurantes. A solenidade, que ocorrerá na Faculdade Maurício de Nassau, contará com a presença do presidente da Abrasel/Pa, Fábio Cecília, da diretora geral da instituição de ensino superior, Betânia Fidalgo Arruyo e também do secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes.
O curso teve como público-alvo funcionários, gerentes e proprietários de estabelecimentos do setor de gastronomia local. No conteúdo programático do curso estiveram temas e disciplinas como Gestão de Pessoas e Qualidade de Atendimento, Gestão da Logística e Cadeia de Suprimento para Restaurantes, Controle de Qualidade e Boas Práticas de Manipulação de Alimentos, Gestão de eventos em Restaurantes, Fundamentos para Gestão de Restaurantes e Processos Operacionais em Restaurantes.
“Essa foi a primeira etapa, do futuro curso de Gastronomia que a Faculdade Maurício de Nassau pretende iniciar já em 2015, que se encaixa perfeitamente no nosso Plano Estratégico de Turismo e passa pela compreensão do Estado do turismo como uma atividade econômica. O primeiro ponto é que o mercado de trabalho necessita de mão de obra qualificada e esta é a chance de aprimoramento e também de abrir novas oportunidades. O segundo ponto significativo é a competitividade do mercado de trabalho. Quem não entender isso será ultrapassado pela concorrência”, afirma o secretário de Estado de Turismo, Adenauer Góes.
Após a entrega de certificados será oferecido um coquetel aos convidados.

Texto:
Israel Pegado


Aulas de piano e clarineta reúnem estudantes e professores de música
Alunos de várias instituições de ensino musical de Belém participaram na manhã desta quinta-feira, 21, de um masterclass de piano ministrado pela lituana Rasa Vitkauskaite, professora do Conservatório de Concord, nos Estados Unidos. As aulas foram realizadas na sala Ettore Bosio, no Instituto Estadual Carlos Gomes (IECG).
Os estudantes aproveitaram a oportunidade para aprimorar o conhecimento musical e entrar em contato com a artista, que já participou e venceu alguns dos mais importantes concursos de piano realizados no mundo. ‘É muito importante e enriquecedor para nossa formação poder receber essas dicas e orientações. Ela nos mostrou obras de compositores de vários períodos da história da música e fez um apanhado geral dessa produção’, disse o aluno Jessé Pinon, estudante do IECG.
Ainda na tarde desta quinta-feira será realizado o masterclass de clarineta com o norte-americano Jonathan Cohler, que é considerado um mestre nesse instrumento. Professor do Conservatório de Boston, nos Estados Unidos, ele tem vários CDs gravados e participa como convidado de festivais de música no mundo inteiro. Admirador da música brasileira, Cohler declarou que tinha grande vontade de vir a Amazônia.
Jonathan Cohler e Rasa Vitkauskaite estão em turnê pelo Brasil e desde o início do mês já se apresentaram em Brasília, Goiânia, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. As apresentações no país terminam na capital paraense com um recital nesta sexta-feira, 22, às 20h, na sala de concertos da Fundação Carlos Gomes.
A vinda de músicos de alto nível técnico para se apresentar em Belém e ministrar aulas para os estudantes paraenses faz parte do trabalho desenvolvido pelo Instituto Estadual Carlos Gomes em prol da educação musical no estado. ‘É uma forma de inserir o IECG no circuito de masterclass comuns em academias importantes de música’, destaca Claudio Trindade, diretor de Ensino do IECG.
Atualmente, 132 alunos de piano e 74 de clarinete estão matriculados no IECG. Além dos estudantes de música, professores desses instrumentos também estão participando das aulas para se reciclar.

Texto:
Rosa Cardoso


Balcão de Direitos vai ao bairro da Condor
O programa Balcão de Direitos, da Defensoria Pública do Estado, estará no bairro da Condor neste sábado, 23, com serviços de cidadania à população da área. O atendimento será realizado na Escola Estadual Antônia Paes Silva, localizada na Travessa Padre Eutíquio, n° 2.700, no horário de 8h às 16 horas. No local, o cidadão terá acesso aos principais serviços do programa, como emissão de documentos como Registro Geral (RG), Cadastro de Pessoa Física (CPF), Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), fotografia 3x4, além do encaminhamento para cartório que dá direito ao registro civil de nascimento.
A população também terá à disposição a orientação jurídica, basicamente esclarecimentos sobre divórcio, guarda, pensão alimentícia e como funciona o atendimento e agendamento desses serviços na Defensoria Pública. O coordenador do programa, Jucemir Siqueira, informou que a expectativa é de atender pelo menos 1.200 pessoas no bairro da Condor.


Texto:
Micheline Ferreira


Reunião descentralizada discute avanços e desafios dos Conselhos de Assistência Social
Começou nesta quinta-feira, 21, a primeira reunião descentralizada da região Norte, promovida pelos Conselho Nacional (CNAS) e Estadual de Assistência Social (CEAS/PA) com o objetivo de fortalecer o controle social do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Com o tema “Principais avanços e desafios enfrentado pelos Conselhos de Assistência Social na participação e controle social do SUAS”, o encontro reúne no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia conselheiros nacionais e estaduais dos sete estados da região Norte.
A cerimônia de abertura contou com a presença do presidente do CNAS, Edivaldo Ramos, do presidente do CEAS/PA e secretário estadual de Assistência Social, Heitor Pinheiro, e da vice-presidente do CEAS/PA, Antônia Trindade. Para Heitor Pinheiro, presidente do CEAS/PA, “a realização de uma reunião do conselho nacional em um estado do Norte do país será de fundamental importância para a discussão e exposição das peculiaridades dessa região, que é um desafio para o construção do SUAS”.
O presidente do CNAS destacou o principal objetivo das reuniões descentralizadas do conselho. “Esse é o momento de aproximar o Conselho Nacional dos Ceas para conhecer a realidade, avanços e dificuldades dos estados brasileiros. Ir até a região Norte é conhecer as especificidades da Amazônia e deliberar políticas de acordo com essas exposições das reuniões descentralizadas”, ressaltou Edivaldo.
Durante a manhã ocorreu o relato das principais dificuldades e avanços dos CEAS, considerando as especificidades e particularidades regionais. O CEAS de Roraima fez uma exposição sobre o assunto. Ao final da participaçação dos estados será realizado um debate ampliado sobre o tema.
O CNAS, instituído pela Lei Orgânica da Assistência Social (Loas), é um órgão superior de deliberação colegiada, vinculado ao MDS. Entre as competências da entidade estão a aprovação da Política Nacional de Assistência Social, a normatização das ações e regulamentação da prestação de serviços de natureza pública e privada no campo da assistência social e a apreciação e aprovação da proposta orçamentária da Assistência Social.

Texto:
Inara Soares


Oficina de fotografia ensina alunos a produzirem câmeras
Os alunos da Fundação Curro Velho terão a oportunidade de aprender a construir câmeras fotográficas a partir de qualquer material, durante a oficina de pinhole II ministrada por Joyce Nabiça. Segundo ela, a proposta é que os alunos construam um projeto de câmera pinhole e que possam, todos juntos, construir um pensamento fotográfico no decorrer do processo.
“No curso, o aluno vai poder construir uma câmera pinhole de qualquer objeto que ele achar que seja possível. Claro, que esse objeto vai ter que preencher alguns requisitos. É estimulante, pois vamos pensar num projeto e iremos executá-lo, para que esse objeto se torne uma câmera pinhole. Vamos construir a fotografia desde o pensamento fotográfico até a câmera pinhole ou da câmera pinhole até o pensamento fotográfico”.
A pinhole, também conhecida como câmera fotográfica sem lente, é produzida artesanalmente num compartimento fechado onde não existe luz e possui apenas um furo em uma das extremidades, por onde será possível a entrada da luz para ser registrada a imagem. Por isso o nome pinhole, que pode ser traduzido como “buraco de agulha”.
Para participar da oficina de Pinhole II, que ainda tem vagas disponíveis, o aluno deve já ter feito uma oficina de pinhole, para que o processo tenha um bom andamento. “A partir do conhecimento adquirido em uma oficina anterior de fotografia pinhole, o aluno tem que ter tido contato com a fotografia pinhole, saber ao menos como funciona”, relata a instrutora.
Para se inscrever nesta oficina de fotografia, o interessado deve comparecer até esta sexta-feira, 22, na sede da Fundação Curro Velho. A oficina é realizada no horário de 8h30 às 10h30, até o dia 5 de setembro. O aluno da rede pública é isento da taxa de inscrição e os demais pagam uma taxa única de 20 reais. Informações pelo 3184-9127.

Texto:
Andreza Gomes


Cametá recebe Mutirão Carcerário
A Defensoria Pública em Cametá irá realizar um mutirão carcerário na área de Execução Penal nos dias 28 e 29 de agosto. A defensora pública Flávia Christina Maranhão Gomes informou que o mutirão pretende avaliar a situação de processos de 150 detentos. A análise pretende identificar se os presos possuem direitos a benefícios como progressão de regime, por exemplo.
O mutirão em Cametá terá a participação do juiz Cláudio Rendeiro, de representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e advogados da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe). Na Região Metropolitana de Belém, o Mutirão Carcerário do CNJ também está em plena atividades até o dia 29 deste mês.

Texto:
Thaiana Amorim


Caravana Mostra Pará Breu Branco leva diversão e conhecimento para crianças e adultos
Breu Branco foi o segundo município do sudeste paraense a receber as exibições dos filmes da Caravana Mostra Pará, do Núcleo de Produção Digital (NPD) do Instituto de Artes do Pará (IAP). Nesta quarta-feira, 20, cerca de 350 espectadores, entre crianças e adultos, assistiram gratuitamente às produções audiovisuais.
A mostra foi exibida na quadra de esportes da Praça da Bíblia, no Complexo Administrativo da cidade. Ponto central do município, a praça reúne sempre uma grande quantidade de moradores ao final da tarde, como Gil de Souza, que utiliza o espaço para treinar coreografias de street dance. Gil também esteve presente na sessão e falou da importância destes incentivos culturais para a população. “Eu nunca vi esse tipo de acontecimento por aqui e isso é importante para a cidade. Espero que a mostra venha mais vezes em Breu Branco”, acrescentou.
Também foram realizadas sessões especiais para crianças da Escola Municipal Origem do Saber. Curtas de animação como “A Onda”, de Cássio Tavernad e “O Menino Urubu” de Roberto Ribeiro foram alguns dos destaques das sessões. Suely Maria, coordenadora pedagógica, diz que trazer o cinema pra dentro do ambiente escolar contribui para o conhecimento do aluno. “É a oportunidade das crianças conhecerem um pouco deste universo do folclore regional”, incentiva.
Com uma vasta programação, a seleção de filmes da Caravana Mostra Pará inclui ficções, documentários e animações, em gêneros como drama e comédia, totalmente produzidos em solo paraense. O próximo destino é o município de Goianésia do Pará, onde a sessão será realizada na próxima sexta-feira, 22.
Serviço:
Caravana Mostra Pará nos municípios do sudeste do Estado
Data: 17 de agosto a 19 de setembro
Horário: 19h
Entrada franca
Datas da Caravana
Goianésia do Pará – 22/8/14
Marabá –  24/8/14
Parauapebas – 27 e 28/8/14
Sapucaia – 30 e 31/8/14
Xinguara - 3/9/14
Rio Maria – 5/9/14
Redenção – 7 e 8/9/14
Conceição do Araguaia – 10/9/14
Abel Figueiredo – 14/9/14
Rondon do Pará – 17/9/14
Dom Eliseu – 19/9/14

Texto:
Danielle Franco


Feiras do Pescado vão acontecer nos bairros da Cremação e Pedreira, em Belém, neste sábado, dia 23
Variedade e preços baixos. São essas as principais vantagens de quem compra nas Feiras do Pescado realizadas pela Secretaria Estadual de Pesca e Aquicultura (Sepaq). Neste final de semana dois locais da capital servirão como pontos de venda: o primeiro é a Aldeia Cabana, no bairro da Pedreira, e o segundo é o Centrão da Paróquia de Santo Antônio de Lisboa, no bairro da Cremação. Em ambos as feiras funcionarão das 8h às 14h.
Na feira da Aldeia Amazônia serão ofertadas cerca de quatro toneladas de peixes. Entre as espécies colocadas à venda estão o Curimatã, que será vendido a R$ 4,99, o quilo; e o tambaqui, que poderá ser comprado a R$ 6,99, o quilo. Outras sete espécies de peixes também estarão expostas, assim como o camarão e o bacalhau. Este último, que será vendido em filé, teve o preço reduzido para R$ 30,00 o quilo. Haverá promoção no preço da Sarda, que será vendida a R$ 1,99 o quilo, e a sardinha a R$ 6,00.
Na feira do Centrão da Paróquia Santo Antonio de Lisboa serão ofertadas oito toneladas de pescado. Entre as espécies mais baratas está o Xaréu, com preço de R$ 4,00, o quilo, e a Sarda inteira, que sairá a R$ 6,00, o quilo. Serão disponibilizados cinco tipos de filé de peixe, além de bacalhau, camarão rosa e ingredientes para Paella e cauda de lagosta.
Para o secretário Estadual de Pesca e Aquicultura do Pará, André Pontes, as feiras movimentam a economia do setor e ajudam a reduzir o preço do pescado nos outros pontos de venda da cidade. “O fato de nós vendermos a preços até 50% mais barato acaba fazendo em com que em outras feiras e supermercados da capital o preço também caia. E quem ganha com isso é  população”, diz André.
Serviço:
FEIRAS DO PESCADO
Aldeia Cabana - Av. Pedro Miranda, bairro da Pedreira
Centrão da Paróquia Santo Antônio de Lisboa - Rua São Miguel, 943, entre Padre Eutíquio e Dr. Moraes, bairro da Cremação
Horário: 7h às 13h

Texto:
Christian Emanoel


Corregedoria da Polícia Militar realiza operação Katrina
A Corregedoria Geral da Polícia Militar deflagrou na manhã desta quinta-feira, 21, a Operação Katrina, que resultou do Inquérito Policial Militar iniciado no dia 20 de fevereiro deste ano e que teve como objetivo investigar irregularidades na área do 2º Batalhão PM. Na operação, 20 policiais militares, sendo três femininos, foram presos em cumprimento a mandados de prisão, sendo um aspirante a oficial PM, um sargento, 12 cabos e seis soldados, acusados de envolvimento em delitos diversos.
O corregedor Geral da PM, coronel Vicente Braga, afirma que, com a operação, a Corregedoria da PM demonstra o empenho em detectar e agir com rigor contra qualquer tipo de prática delituosa por parte de policiais militares. "A corporação, quase bicentenária, jamais tolerará o crime nem qualquer desvio de conduta que possa macular o trabalho da grande maioria de seu efetivo que, diuturnamente, age com probidade e profissionalismo para proteger e servir a sociedade paraense. Retirar do seio da tropa e aplicar as medidas punitivas legais que cada caso requer é um dever que temos", afirmou.
Durante a investigação, que levou aos pedidos de prisão preventiva deferidos pela Justiça Militar, foram executadas medidas cautelares, o que confirmou as suspeitas da participação dos mesmos em crimes como: concussão, corrupção ativa e passiva, violação do dever funcional com o fim de auferir lucro, condescendência criminosa, inobservância da lei, regulamento ou instrução e extorsão mediante sequestro. 
A operação resultou de seis meses de investigação, na qual foram juntadas provas diversas, incluindo documentos e imagens de câmeras do Ciop e outras que ajudaram na comprovação do envolvimento dos militares com ações ilícitas. Além das prisões, foram cumpridos mandados de busca e apreensão de veículos, os quais foram utilizados na prática dos crimes.

Texto:
Leno Carmo


Seduc anuncia escolas premiadas em concurso de vídeo
Com nove ganhadores nos municípios e oito na Região Metropolitana, a Secretaria de Estado de Educação do Pará (Seduc), anuncia os vencedores do Concurso de Vídeo do Dia do Pacto pela Educação na Escola de 2013. Abaetetuba, Bragança, Cametá, Capanema, Capitão Poço, Castanhal, Tucuruí e Belém são os municípios que sediam as escolas premiadas.
Com direito a empate técnico entre o 16º e o 17º lugares, dos inicialmente previstos 16, acabaram por ser 17 os vídeos mais acessados no YouTube. As escolas das equipes autoras dos vídeos de 2013 ganham cada uma filmadora Sony modelo Handycam, HDR-CX240 e também um presente extra: um vídeo editado com os melhores momentos de cada uma das produções vencedoras.
Elaborado pelo Núcleo de Tecnologia Educacional (NTE) da Seduc em Bragança, a compilação está disponível no You Tube no link: https://www.youtube.com/watch?v=ra471ocZARY&feature=youtu.be. Os vencedores receberão a premiação durante uma cerimônia no Teatro Margarida Schivazappa, do Centur, em Belém, às 9 horas do dia 5 de setembro.
Confira a classificação das escolas premiadas:
01 - EEEFM Prof. Jorge Lopes Raposo- USE 12 (ICoaraci)
02 - EEEFM Salesiana do Trabalho – USE  02 (Pedreira)
03 - ERC EFM Ministro Alcides Carneiro - USE 16 (Coqueiro)
04 - EEEM Julia Passarinho – URE 02 (Cametá)
05 - EEEFM DR. Ulysses Guimaraes - USE 05 (Nazaré)
06 - EEEFM José Alves Maia - USE 02 (Telégrafo)
07 - EEEFM Severiano Benedito de Souza -URE 08 (Santa Maria do Pará)
08 - EEEFM Visconde de Souza Franco - USE 09 (Marco)
09 - EEEFM Belina Campos Coutinho - URE17 (Capitão Poço)
10 - EEEF Benedito Chaves Mendes Seara - USE 03 (Jurunas)
11 - EEEM Lameira Bittencourt - URE 08 (Castanhal)
12 - EEEF Padre Sales - URE14 (Capanema)
13 - EEEM Dep. Raimundo Ribeiro de Souza - URE16 (Tucuruí)
14 - EEEIF São Pedro - USE 12 (Icoaraci)
15 - EEEFM Terezinha de Jesus F Lima URE 03 (Abaetetuba)
16 - EEEFM 28 de Janeiro -URE 08 (Castanhal)
17 - EEEF Prof. Yolanda Chaves - URE 01 (Bragança)

Texto:
Jimena F. Beltrão
Fone:(91) 8162-3603



Talento, criatividade e temas como cultura, meio ambiente, esporte, lazer, cidadania e valores como a solidariedade fazem parte da programação do Dia do Pacto pela Educação na Escola, que será realizado neste sábado, 23. Educação no trânsito, violência na escola, uso de drogas estão entre os outros assuntos da agenda das escolas da rede pública estadual. Corpo de Bombeiros, Hemopa, Detran, Pro Paz, Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, Secretaria de Estado de Comunicação (Secom), Museu Emilio Goeldi e Unama são algumas das instituições parceiras na realização do Dia do Pacto.
“A educação é um desafio, mas o Pará tem motivos de sobra para comemorar a adesão de tantos parceiros ao Pacto pela Educação, que tem um dia inteiro de atividades pedagógicas e de entretenimento, neste 23 de agosto”, diz o secretário de Estado de Educação, José Seixas Lourenço. Escolas como Jarbas Passarinho, Duque de Caxias e Astério de Campos, por exemplo, recebem a equipe da Secom para a oficina de grafitagem.
Várias unidades de ensino farão do Dia do Pacto pela Educação, a oportunidade de celebrar datas como o Dia do Folclore, comemorado nesta sexta-feira, 22, o Dia da Família na Escola e o Dia do Estudante, como é o caso da ”Lourenço Filho”. E a cultura local tem lugar cativo na programação da escola estadual Maria Estelita Barbosa. Com o tema “Respeito às diversidades étnicas, culturais e ambientais do nosso povo”, a escola explora o açaí como tópico para valorizar as raízes locais. Vai ter dança, apresentação de fantoches, preparo e degustação de receitas, mas os estudantes também vão discutir os principais benefícios do açaí para a saúde e apresentar artesanato utilizando a fruta como matéria prima.
Desenvolver uma programação temática será também a opção da unidade Dr. Antonio Teixeira Gueiros, que centrará suas atividades em discussões sobre higiene e saúde, numa campanha contra as drogas, incluindo o cigarro e as bebidas alcoólicas. E para falar de política, a escola E.R.C. Centro Comunitário Bira Barbosa propõe o desafio com a pergunta: o que você faria se você fosse presidente da República?
Incentivo à leitura
O Pacto pela Educação do Pará tem entre os seus programas, o reforço e recuperação de conteúdos e também de aceleração de aprendizagem, onde a Língua Portuguesa e a Matemática são pontos centrais. Atividades de contação de histórias como a que a “Barão do Rio Branco” promove e de gincana da língua portuguesa e matemática, como a que a "Anibal Duarte" realiza, com a presença do poeta Juraci Siqueira, são demonstrativos de sintonia. Recentemente reformada, a Barão do Rio Branco também realizará oficina de produção de brinquedos com material alternativo.
Na “Rodolfo Tourinho”, material literário, contação de histórias, rodas de leitura, atividades escritas e lúdicas envolvendo a leitura comporão o sarau de literatura, com poesia, contos e literatura de cordel. O cotidiano da escola também é tema de atividade pedagógica na programação da escola de ensino fundamental Colônia do Fidélis, com contação de histórias no tema “Vivendo e revivendo a História do Fidélis através de seus encantos e desencantos”. Um dos programas do Pacto pela Educação, o Mais Educação também tem lugar cativo na programação deste sábado na escola Profª. Ruth dos Santos Almeida.

Texto:
Jimena F. Beltrão


Delegacia do Idoso apura denúncias e garante atenção domiciliar em casos de maus-tratos
Sancionado em 1º de outubro de 2003, o Estatuto do Idoso define medidas de proteção aos indivíduos a partir de 60 anos. O texto regulamenta os direitos, determina obrigações das entidades assistenciais e estabelece penalidades para uma série de situações de desrespeito aos idosos. No entanto, o desrespeito ainda é a situação mais recorrente na vida de muitos deles. Prova disso são os números crescentes de casos de abusos e maus-tratos registrados junto à Delegacia de Proteção Integral ao Idoso (DPID), que é vinculada à Divisão Especializada de Combate aos Crimes Discriminatórios (DECD) da Polícia Civil do Pará.
De janeiro a julho deste ano, quase 800 casos foram levados à DPID contra pouco mais de 500 registros, de todo o ano passado. As denúncias, geralmente, são espontâneas (feitas diretamente na delegacia) ou chegam de forma anônima por meio dos serviços 181 e 100 e, muitas vezes, precisam ser averiguadas in loco.
Nesta quarta-feira, 20, profissionais da Delegacia do Idoso estiveram na casa da aposentada Maria de Lourdes Botelho da Silva, 88 anos, no bairro da Cremação. O filho mais velho da idosa, Valter Botelho, acusou os próprios irmãos, que moram com ela, de maus-tratos. Mas no contato direto com a senhora, que sofre de hipertensão e já apresenta sintomas do Mal de Alzheimer, a assistente social descartou qualquer tipo de negligência. “Não procede a denúncia. Ela é alimentada, medicada e não tem sinais de violência pelo corpo”, declarou Sara Pontes,. A investigação apontou que o denunciante, de 70 anos, é adepto de jogos de azar, dependente do álcool e ainda possui alguns distúrbios mentais.
Durante a visita, a assistente social conferiu os alimentos na dispensa, na geladeira e o que estava sendo preparado para o almoço da idosa. Viu de perto o local onde ela dorme e vasculhou toda a residência - que está sendo reformada por dois dos três filhos que moram com a aposentada. Autônoma, Vera Lúcia Botelho, 57 anos, filha de Maria de Lourdes, desabafou: “Eu deixe de viver. Até me separei do marido para cuidar dela. Ser acusada de estar maltratando minha própria mãe dói muito”.
Ser esboçar nenhuma emoção, mas também bastante indignado com o irmão-acusador, Carlos Alberto Botelho, comerciário, 53 anos, diz que faz o que pode para cuidar da mãe. “A gente se organiza aqui para levá-la ao médico, dar alimentação, oferecer o melhor para ela, que é cheia de vontades. Eu pouco saio de casa porque não gosto, porém, mesmo que gostasse não daria porque com todos esses cuidados não é possível ter vida social nenhuma. Somos nós que fazemos de tudo por ela, porque queremos que ela fique conosco por mais tempo”, disse.
E mesmo se expressando com poucas palavras, dona Maria de Lourdes Botelho confessou ter bons filhos. “Eu sou muito bem cuidada. Como bem, e muito bem!”, comemorou. Mas, ao ser questionada da necessidade da presença do filho mais velho em casa, a aposentada confessou que não o queria por perto. Valter Botelho será chamado na Delegacia do Idoso para que seja orientado a se afastar da residência, cordialmente. Em caso de descumprimento, ele poderá cumprir Medida Protetiva de afastamento obrigatório.
Delegacia do Idoso - Na Delegacia de Proteção Integral ao Idoso só podem ser registrados os casos de crimes previstos no Estatuto do Idoso, como violência física, psicológica, sexual, abuso financeiro e econômico, conflito familiar e vicinal, além de negligência, maus-tratos, conflito conjugal, calúnia, difamação e injúria. “Qualquer um pode denunciar para que seja iniciada uma investigação. Mas é muito importante que esse idoso se reconheça como pessoa útil, como pessoa importante dentro do seio da família. E não se sinta culpado porque, hoje em dia, alguém precisa ter um cuidado maior com ele. Essa conscientização é fundamental para que, uma vez sendo vítima de humilhação, de destratos, de maus-tratos, esse idoso tenha coragem e queira denunciar essas pessoas”, relatou Sandra Veiga, titular da Delegacia do Idoso.
Entretanto, é preciso estar atento aos crimes e abusos praticado contra idosos. Em alguns casos, o cidadão deve procurar primeiro a Delegacia de Polícia mais próxima de casa e em seguida o Ministério Público ou, ainda, as entidades de defesa dos direitos humanos, já que a DPID só atende os crimes estabelecidos no Estatuto do Idoso. A Delegacia do Idoso fica na Rua Avertano Rocha, 417, e está aberta ao público das 8 às 18 horas. Mais informações pelo fone (91) 3222-7564.

Texto:
Mayron Gouvêa


Santa Casa vai dar prioridade a casos de transfusão de urgência e emergência
Em função do baixo estoque de sangue disponível, a Agência Transfusional da Santa Casa de Misericórdia do Pará priorizará casos de transfusão de urgência e emergência. As reservas de cirurgias eletivas, que são marcadas com antecedência, estão temporariamente suspensas. A Agência Transfusional é abastecida pelo estoque de sangue do Hemopa. Como o número de doações está baixo, não há como atender a demanda neste momento.
 

Texto:
Nilson Cortinhas


Sistema Integrado de Segurança Pública deslancha operação Minerva Total 3 nesta quinta-feira
O Sistema Integrado de Segurança Pública do Pará deslancha, a partir desta quinta-feira, 21, a Operação “Minerva Total 3”, nos bairros da Pratinha, Cabanagem e Bengui e nos distritos de Icoaraci e Outeiro, em Belém, e em 18 municípios do interior do Pará. Em Belém, a concentração dos policiais envolvidos na operação acontece durante toda a manhã na sede do 24º Batalhão da PM, situado na Avenida Independência com a travessa Sargento Frazão, no Bengui. A ação se estenderá ao longo do fim de semana.
A operação tem por objetivo realizar ações policiais preventivas e repressivas, em conjunto com outros órgãos da Segurança Pública, visando cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão, além de fazer fiscalização em feiras; combater a venda de mídias “piratas”; identificar crianças e adolescentes em situação de risco para combater a exploração sexual infantil e fiscalizar bares, boates e postos de combustível. Para tanto, os policiais poderão montar barreiras de fiscalização no trânsito; fazer incursões a pé por vias públicas e abordar pessoas para revista.
A operação conta com a participação de agentes da Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal (Siac), das Polícias Civil e Militar; da Superintendência do Sistema Penitenciário; do Corpo de Bombeiros Militar do Pará; do Departamento Estadual de Trânsito (Detran); do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. Na capital, estarão em atuação órgãos do município de Belém, como Secretaria Municipal de Economia e Vigilância Sanitária.

Texto:
Walrimar Santos


Coletiva apresenta programação do Salão do Livro em Santarém
A sétima edição do Salão do Livro do Baixo Amazonas será realizado entre os dias 22 e 31 deste mês, no Parque da Cidade Pérola do Tapajós, no bairro Santa Clara, no município de Santarém. Nesta quinta-feira, 21, a programação do evento será apresentada à imprensa local pela organização do evento na Sala Multiuso, na Escola do Parque, também no Parque da Cidade Pérola do Tapajós, às 11h.
Este ano, o país homenageado será o Qatar e o escritor será o amazonense Milton Hatoum. O salão, que integra a programação anual da Feira Pan-Amazônica do Livro, promovida pela Secretaria de Cultura do Estado (Secult), levará ao público da região uma programação voltada para atividades culturais em geral, com música, cinema, teatro e, especialmente, voltada para a literatura local e nacional.
A abertura oficial do evento será às 19h da sexta-feira, 22, com a apresentação do Quarteto de Cordas, da Escola de Música Wilson Fonseca, na Tenda Principal, logo na entrada. Neste dia, também terá início, no Espaço Infantil Lúdico Educacional (área interna), das 19h às 22h, a programação da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Ciranda de Artes e SEMC/Biblioteca Municipal. Além disso, tem início a exposição de fotografias de alunos da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), às 19h.
O tradicional Encontro Literário, que busca aproximar o público de escritores locais e nacionais, terá início na segunda-feira (25), sempre às 19h30, na Sala Pará (Espaço Multiuso), com os escritores paraenses convidados Vicente Cecim (Belém), Sidney Canto (Santarém) e Domingo Diniz (Oriximiná). No dia 26, o Encontro será com o escritor e poeta Thiago de Mello (AM). Já no dia 27 terá Márcia Kambeba (PA) e Floriano Cunha (Santarém). Na quinta-feira (28), será a vez do escritor e poeta Antônio Cícero (RJ). O encerramento do Encontro Literário, na sexta-feira (29), será com os escritores Alfredo Garcia (Belém), Edith Carvalho (Óbidos) e Sérgio Andrade (Óbidos). Todos os encontros terão a mediação do escritor Daniel Leite.
Assim como nos anos anteriores, nesta edição do Salão do Livro, os servidores da área de educação da região também terão à disposição o Credlivro – bônus de 200 reais para aquisição de livros. Com o objetivo de melhorar a qualidade do ensino mediante a promoção de incentivos à capacitação de servidores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), o projeto recebeu este ano um investimento total de R$ 4 milhões. Especificamente, na região do Baixo Amazonas, serão contemplados 2123 servidores, com um total de 427 mil reais.
Sugestão de entrevista durante a coletiva:
- Coordenadora da Feira do Livro: Andressa Malcher
- Representante da Associação Brasileira de Difusão de Livros (ABDL), Robério Silva
- Secretário de Cultura do município de Santarém, Nato Aguiar

Texto:
Alailson Muniz

Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...