Total de visualizações de página

segunda-feira, outubro 06, 2014

Marina diz que povo quer mudança e sinaliza apoio a Aécio





Candidata Marina Silva disse que o povo sinalizou querer mudança 
Foto: Thiago Bernardes / Frame
Candidata Marina Silva e seu vice, Beto Albuquerque, se manifestou
 após ficar na 3ª colocação no primeiro turno das eleições

Foto: Thiago Bernardes / Futirinhas

Derrotada na disputa pela Presidência da República, Marina Silva (PSB) disse neste domingo que os partidos de sua coligação - além da Rede Sustentabilidade – irão se reunir para definir quem vão apoiar no segundo turno do pleito, mas sinalizou que deverá escolher o candidato do PSDB, Aécio Neves, que disputará com a candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT).
Segundo a candidata, "o Brasil sinalizou claramente que não concorda com que o que está aí" e, "desde 2010, vem dando sustentação a uma mudança que seja qualificada".
"Nós vamos fazer a discussão, e estatisticamente, a sociedade mostra isso. Não há que tergiversar com o sentimento do eleitor. 70% fez esse movimento”, disse Marina, referindo-se ao fato de pesquisas terem apontado que 70% dos eleitores querem mudança.
Questionada se adotaria uma posição neutra no segundo turno, como ocorreu em 2010  - quando se candidatou pelo PV e ficou em terceiro lugar -, Marina indicou que, desta vez, deverá ter atitude diferente.
"Minha postura, quando não foi feito o registro da Rede (Sustentabilidade), de não me recolher em uma anticandidatura, pode ser uma tendência. Eu assumi com um compromisso com a mudança. O que determinou o compromisso em apoiar Eduardo Campos foi o programa. Mas não é um compromisso que tem que ser vão, tem que ser coerente. Coerente não só com o discurso, mas com as trajetórias", afirmou, indicando que será fundamental que o candidato que eventualmente venha a apoiar mostre compromisso com seu programa de governo.
“Eu faço parte de um partido, ainda que seja um partido clandestino, mas é um partido. Temos uma aliança com vários partidos. O que decidimos é que queremos tomar uma posição conjunta, mantendo aquilo que nos uniu, que é o nosso programa", afirmou.
A ex-senadora, que não conseguiu criar seu partido, a Rede, assumiu a cabeça de chapa da candidatura do PSB após a morte de Eduardo Campos. Neste domingo, Marina falou como liderança da Rede.
Marina criticou duramente as “agressões” que sofreu do PT quando começou a se mostrar uma ameaça à reeleição da presidente Dilma, disse que não se arrepende de ter feito uma campanha “limpa” e afirmou que, se é o caso, prefere “perder ganhando”.
Um dos ataques mais fortes que recebeu da campanha petista dizia respeito à sua proposta de autonomia ao Banco Central e, ainda, à sua relação com a herdeira do banco Itaú Neca Setúbal, uma das coordenadoras de sua campanha. Antes da coletiva de Marina, Neca já havia sinalizado um possível apoio a Aécio ao dizer, assim como Marina, que o brasileiro quer “mudança”.
"Jamais me arrependerei da decisão que tomamos, de que nós não iríamos fazer qualquer coisa para ganhar a eleição a qualquer custo e a qualquer preço. Nossa determinação foi e será sempre de ganhar ganhando e, quando não for possível ganhar ganhando, nós iremos perder ganhando."


 

Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...