Total de visualizações de página

terça-feira, julho 07, 2015

UTILIDADE PÚBLICA: Parece que a água vai chegar...


Agora irmãos, vamos valorizar o líquido precioso. 


Sistema da Estação do Bolonha já está em funcionamento e setores começaram a ser abastecidos
A Companhia de Saneamento do Pará, Cosanpa, informa que foi normalizado o sistema elétrico da Estação do Bolonha. Os testes com o novo transformador foram positivos e a captação e o tratamento da água começaram a funcionar. O próximo avanço nesse processo é o abastecimento dos setores para a liberação da água na rede.
Para a zona de expansão que contempla os bairros da Marambaia até a Cidade Nova, as bombas estão em funcionamento. Para a zona central o bombeamento já teve início.
A Cosanpa esclarece que agora é necessário aguardar o processo de pressurização da rede que é concluído, em pelo menos 3 horas, para que a água chegue aos bairros prejudicados por conta de um incêndio na estação elétrica do Bolonha, ocorrido no último domingo, 5.
Texto:
Andrea Cunha


FHCGV abre novos turnos para hemodiálises
A Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna (FHCGV) informa que, considerando a falta de água de qualidade para a realização de diálise no Centro de Hemodiálise Monteiro Leite (CHML), os pacientes atendidos no local estão sendo remanejados para outras clinicas e para a própria sede da FHCGV, que abriu o 4º e 5º turnos para atender os pacientes até que se restabeleça o abastecimento por parte da Cosanpa.
Texto:
Felipe Gillet


Hemopa convoca doadores para manter estoque de sangue no veraneio
O veraneio chegou e com ele os desafios para manter o estoque estratégico da Fundação Hemopa Hemopa, que nesse período do ano costuma enfrentar, normalmente, uma redução de aproximadamente 50% da média diária de 250 doações, por conta do veraneio, quando boa parte da população se desloca para outras localidades paraenses ou para fora do Estado.
Em julho do ano passado o hemocentro registrou 7.226 comparecimentos e 5.688 coletas, muitas delas impulsionadas pela composição de parcerias. A exemplo de 2014, a Gerência de Captação de Doadores (Gecad), está acionando instituições públicas e privadas que estão programando campanhas internas na sede do hemocentro e na Unidade de Coleta Hemopa Castanheira, aos sábados.
De acordo com a titular da Gecad, assistente social Juciara Farias, no último sábado passado, 4, a sede do hemocentro recebeu 338 doadores encaminhados por instituições parceiras, o que resultou em 239 coletas. “Estamos transformando o sábado em um programa de final de semana solidário, de responsabilidade social. Recebemos grupos dos mais diversos segmentos da sociedade e agradecemos a cada um deles”, comentou, reforçando o convite para o próximo sábado, 11.
Para quem vai curtir as férias no interior do Estado, a Fundação Hemopa possui unidades em Castanhal, Marabá, Santarém, Abaetetuba, Altamira, Tucuruí, Capanema e Redenção. Além disso, aos veranistas que sairão de Belém por estrada, Juciara lembra que ainda é possível fazer uma paradinha para colaborar com o hemocentro. "O Hemopa está literalmente no caminho das férias, com uma unidade instalada no térreo do Pórtico Metrópole, no quilômetro 1 da BR-316”.
Quanto aos possíveis impedimentos existentes para a doação de sangue, ela ressalta que eles são poucos. "Para doar sangue, o candidato deve estar bem alimentado e não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 24h. “Você pode doar sangue e depois se divertir, mas como tudo na vida, com moderação”, observou, ressaltando a importância do ato solidário: "Com apenas uma bolsa coleta é possível salvar várias vidas".
O casal Graça e José Resque, naturais do município de Tucuruí, sudeste paraense, aproveitaram a viagem de férias a Belém para fazer sua primeira doação, na sede do Hemopa. Eles se solidarizaram com o apelo de uma amiga cuja mãe necessita de transfusão e aproveitaram a oportunidade para unir o útil ao agradável. “Essa era uma vontade antiga, mas nunca conseguíamos, e como sabemos que a necessidade é maior nesse período, então decidimos vir e isso nos fez muito bem.”
O aeroviário Admilson dos Santos Nogueira, 44, morador do bairro do Una, em Ananindeua, também foi ao hemocentro fazer sua primeira doação nesta terça-feira, 7, atendendo ao pedido de uma vizinha que está com um familiar hospitalizado. Mas, consciente de seu dever como cidadão, garantiu que esta foi a primeira de muitas doações. “Me sinto muito feliz em fazer o bem, ajudando os outros a gente vive mais e melhor.”
Quem pode doar sangue - Candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 69 anos, e peso acima de 50 kg. Menores de 18 anos podem doar somente com autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum, ao contrário, recomenda-se uma boa alimentação antes da doação. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três.
Serviço: A Fundação Hemopa fica na Travessa Padre Eutíquio, 2109, e realiza coleta de segunda-feira a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 16h. A Estação de Coleta Hemopa-Castanheira fica no térreo da passarela Pórtico Metrópole, que dá acesso ao Castanheira Shopping, e funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 16h (sendo que este horário de funcionamento para os sábados funcionará somente em julho. Mais informações pelo Alô Hemopa: 0800 280 8118.
Texto:
Vera Rojas


PM reforça policiamento na capital e dá dicas de segurança
O mês de julho é conhecido por deixar Belém vazia. Famílias inteiras se encaminham para os balneários do interior do Estado. A Operação Verão da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) já está em andamento, mas para quem prefere a tranquilidade da cidade nesse período, a Polícia Militar garante o policiamento ostensivo na capital, com 400 homens atuando, por turno, na região Metropolitana de Belém.
“Continuamos com o policamento ordinário, e nos fins de semana damos ênfase para os distritos de Mosqueiro e Icoaraci, com reforço da Cavalaria e da Rotam”, diz o subcomandante do Policiamento da Capital, tenente-coronel Mário Jorge Zagalo, frisando que o efetivo vai aumentar. “Teremos reforço dos cadetes da PM, em estágio supervisionado. São mais 14 em cada batalhão. Continuamos fazendo as barreiras. A cada hora elas mudam de lugar. As abordagens são de acordo com as incidências de ocorrências, parando vans, ônibus e motocicletas”, explica.
Para quem vai deixar a casa vazia, algumas precauções são necessárias. “Manter a casa bem trancada e instalar sistemas de alarmes são medidas importantes. Existem opções mais baratas movidas a bateria. Ter o contato dos vizinhos também é fundamental em casos de emergência”, comenta o militar, orientando também o cidadão a colocar trincos e travas de segurança nas portas e janelas, com correntes e cadeados.
“Isso deve ser feito de preferência pela parte de dentro do imóvel, nos pontos mais vulneráveis como balancins e instalações para aparelhos de ar-condicionado. Cuidado extra com as dependências localizadas na parte de trás da residência. A maioria dos arrombamentos ocorre pelos acessos dos fundos”, aconselha.
Desligar a campainha também é uma forma de despistar a ação de bandidos. “O ideal é evitar comentar com estranhos ou postar nos sites de relacionamento a intenção sobre viagens ou ausências de casa, e deixar lampadas acesas de noite e desligadas de dia. Na hora que levar as bagagens para o carro, fazer isso em horários de menor exposição”, conclui o tenente-coronel Mário Jorge Zagalo.
Dicas para os veranistas
- Evite ostentar dinheiro, objetos e jóias quando estiver na rua. Mantenha-se sóbrio, consciente e calmo em todas as situações. Seja educado e respeite o espaço e os direitos alheios;
- Não admita o ingresso de estranhos em casa. As credenciais de carteiro, leitores de hidrômetro, entregadores de gás, funcionários das companhias de telefone e de energia elétrica devem ser devidamente examinadas e, em caso de dúvida, devem ser confirmadas por telefone;
- Lembre-se de que janelas, portões e portas abertas chamam a atenção, principalmente se não há pessoas da casa por perto;
- Mantenha sempre a mão os telefones de emergência das polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros, serviços de emergência e de trânsito. Conheça a localização dos órgãos de segurança e instrua familiares e empregados de como proceder em caso de perigo iminente ou de observação de suspeitos nas imediações;
- Evite caminhar ou passear em horários demasiado cedo ou tarde demais em locais que você desconheça. Zele pela segurança;
- Evite causar transtornos a você e aos outros. Seja educado e paciente no trânsito, na praia, nas compras e na rua;
- Não esqueça que espaço público não pode ser privatizado, como é o caso de calçadas, áreas de entrada e saída de veículos e rampas de acesso;
- Evite deixar objetos, sacolas, bolsas e outros materiais que possam chamar a atenção dentro do carro. Coloque-os no chão do carro ou na mala e verifique se você trancou as portas e janelas do veículo;
- Evite estacionar em locais sem iluminação e de pouco movimento e quando voltar para o carro tenha a chave a mão e saia com o veículo logo em seguida. Evite procurar chaves e celular, maquiar-se, escolher rádio ou música ou ler dentro de veículos quando estiver sozinho;
- Se algum desconhecido informar que seu carro foi batido ou avariado, vá acompanhado de outras pessoas para checar a situação e, se for o caso, avise o órgão responsável;
- Evite bloquear áreas de garagem e de passeio público. Observe se há marcação de estacionamento ou área privativa para pessoas com deficiência;
- Não baixe todo o vidro do carro. Se puder, use o ar-condicionado e trave portas no deslocamento, evitando as faixas próximas às laterais da via e dirigindo com atenção, mantendo a distância de segurança do carro à frente e respeitando a sinalização;
- Evite distrair-se ao dirigir, conversar e ouvir som alto que possa comprometer a atenção e segurança;
- A Polícia Militar está presente, junto com o Detran e órgãos municipais de trânsito, na fiscalização e monitoramento das vias estaduais, atuando para coibir excessos e comportamentos que comprometam a segurança das pessoas. Seja vivo.
Texto:
Gabriela Azevedo


Sespa alerta para casos de dengue mesmo no verão
Apesar do início da estação mais quente do ano na região amazônica, a ocorrência das chuvas ainda é permanente. E por conta disso, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) alerta a população para que tome alguns cuidados ao deixar as residências vazias durante as férias escolares, para evitar acúmulos indevidos de água. A orientação serve também para quem aproveita essa época do ano para reformar ou construir, pois determinados materiais que ficam depositados em quintais, como vasilhas e latas de tintas, podem acumular a água das chuvas e virar criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.
Com base nessa orientação, a Sespa divulgou nesta segunda-feira, 6, o sétimo Informe Epidemiológico sobre a situação da dengue no Pará, que confirma 2.774 casos confirmados da doença este ano em todo o Estado, até o dia 2 de julho. No mesmo período do ano passado, foram 2.311 ocorrências.
Os municípios com maior incidência de casos confirmados este ano são: Belém (813), Parauapebas (239), Altamira (234), Senador José Porfírio (159), Canaã dos Carajás (94) e Ananindeua (71). Três mortes por dengue foram confirmadas este ano, duas na capital paraense e uma vítima de Rurópolis, sudoeste do estado. A Sespa orienta que as Secretarias Municipais de Saúde informem em um período de 24 horas a ocorrência de casos graves e mortes suspeitas.
Para a confirmação de óbitos é necessária a investigação epidemiológica com aplicação do Protocolo de Investigação de Óbito do Ministério da Saúde, que prevê exames específicos em laboratórios credenciados do Estado, como o Laboratório Central (Lacen) e o Instituto Evandro Chagas (IEC) – que são preconizados pelo Programa Nacional de Controle da Dengue – para o correto encerramento de casos graves e óbitos no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).
Paralelamente, a Sespa faz o monitoramento dos 144 municípios que receberam o incentivo do Ministério da Saúde para vigilância, prevenção e controle da dengue, e distribui às prefeituras inseticidas (larvicidas e adulticidas) para o controle. A Secretaria também faz visitas técnicas aos municípios para assessoramento das ações do programa da dengue, além de apoiar a capacitação sobre a febre chikungunya.
Quando há necessidade, a Sespa ainda faz o controle vetorial, como bloqueio de transmissão viral nas localidades, e articula ações com órgãos municipais de saneamento e limpeza urbana, tendo em vista a melhoria da coleta e destinação adequada de resíduos sólidos. Também fazem parte das ações atividades de educação e mobilização, visando a participação da população no controle da dengue.
Chikungunya – O vírus da febre chikungunya também está controlado, e não há registros de transmissões ocorridas dentro do Estado. Em 2015, cinco casos importados da doença foram confirmados no Pará por critério laboratorial adotado pelo Instituto Evandro Chagas, em Belém.
Os vírus da dengue, chikungunya e zika são transmitidos pelo mesmo vetor, o Aedes aegypti, e levam a sintomas parecidos, como febre e dores musculares. Mas as doenças têm gravidades diferentes, sendo a dengue a mais perigosa. A dengue, que pode ser provocada por quatro sorotipos diferentes do vírus, é caracterizada por febre repentina, dores musculares, falta de ar e moleza. A forma mais grave da doença é caracterizada por hemorragias e pode levar à morte.
O chikungunya caracteriza-se principalmente pelas intensas dores nas articulações. Os sintomas duram entre 10 e 15 dias, mas as dores articulares podem permanecer por meses e até anos. Complicações sérias e morte são muito raras. Já a febre por zika vírus leva a sintomas que se limitam a no máximo 7 dias e não deixa sequelas. Não há registro de casos de morte provocados pela doença.
A Sespa também deixa claro que a preocupação com a zika segue os mesmos procedimentos em relação à dengue e à chikungunya. Logo, o Estado está preparado para seguir com o esquema já adotado. O tratamento é apenas paliativo, de suporte e de correção de sequelas. Assim, é preciso diminuir a incidência do mosquito transmissor.
Serviço: Mais informações sobre dengue e febre chikungunya são fornecidas pelas Secretarias Municipais de Saúde.
Ananindeua: (91) 3073-2220
Marabá: (94) 3324-4904
Marituba: (91) 3256-8395
Santarém: (94) 3524-3555
Tucuruí: (94) 3778-8378
Em Belém, além dos telefones (91) 3344-2475, 3344-2459 e 3277-2485, estão disponíveis os telefones dos Distritos Administrativos da Prefeitura: Daben (3297-3275), Daent (3276-6371), Dagua (3274-1691), Daico (3297-7059), Damos (3771-3344), Daout (3267-2859), Dasac (3244-0271) e Dabel (3277-2485).

Texto:
Mozart Lira



Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...