Total de visualizações de página

domingo, abril 28, 2013

Quadrinhos atraem pessoas de todas as idades à Feira do Livro



Com um estilo único de narrativa, as histórias em quadrinhos agradam pessoas de todas as idades. Durante a programação da Feira Pan-Amazônica do Livro, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, não é diferente. Os estandes dedicados aos quadrinhos têm atraído, desde a abertura da feira, no sábado, 27, centenas de pessoas ao Pavilhão Infantil, onde estão reunidos 37 estandes de literatura infantil. Neste domingo, 28, o espaço foi um dos mais visitados da feira.
Um dos estandes mais procurados do pavilhão é o da Comix, livraria especializada em quadrinhos e mangás, com sede em São Paulo. Anualmente, a livraria promove a maior feira de quadrinhos da América Latina, a Fest Comix. Segundo o gerente comercial da Comix, Ricardo Jorge, o estande oferece ao público paraense cerca de 20 mil exemplares. “É a primeira vez que participamos da feira e a procura está grande”, comemorou o gerente.
A estudante Danielle Bentes, 17, que visitava o estande, ficou feliz por ter encontrado exemplares de uma série de mangás que faltavam em sua coleção. “É que acompanho desde pequena, mas também já vi que tem várias outras séries que gosto”, explicou a estudante. Em meio a tantas opções, Danielle estava indecisa. “Tem muita coisa, com certeza vou acabar voltando nos outros dias”, afirmou. Segundo ela, a paixão pelos quadrinhos vem desde pequena. “Meu pai colecionava, então vivi meio que rodeada desde criança”.
Já os irmãos Murilo, 18, e Maurício Alberto, 13, procuravam revistas do cartunista brasileiro Maurício de Souza, criador da Mônica e de personagens como Cebolinha, Chico Bento, Cascão, Magali, Horácio, Bidu e Franjinha. “Meu personagem preferido é o cebolinha”, disse Murilo. “O meu é o Chico Bento”, rebateu, logo em seguida, Maurício. “Viemos mais em busca dos quadrinhos. Lembro que lia desde pequeno e até hoje sempre acompanhamos”, completou.
Quem pensa que quadrinhos são coisa de criança, se engana. Os adultos, segundo o gerente comercial da Comix, formam um público fiel. “No caso dos mangás, por exemplo, é bem variado. O interesse, na maioria das vezes, começa cedo, mas depois o interesse continua”, observa. É o caso do advogado Marcos Paes Barreto, 24. “Lembro-me de desenhos como o Jaspion e o Jiraya, que marcaram minha infância, daí começou o interesse pela cultura japonesa. Depois vieram os animes e os mangás”, afirmou o advogado, que levou para casa dez exemplares.

Texto:
Amanda Engelke-Secom
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...