Total de visualizações de página

terça-feira, outubro 25, 2016

Abrigo Estadual é porto seguro de mulheres vítimas de violência no Pará




Com nova estrutura, Divisão Estadual de Narcóticos fortalece o combate ao tráfico
A estrutura de prevenção e repressão ao tráfico e ao consumo de entorpecentes no Estado ganhou mais um reforço na tarde desta terça-feira (25), com a entrega, pelo governador Simão Jatene, das novas instalações da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), localizada no Bairro do Telégrafo, em Belém. A unidade policial conta com dois pavimentos, salas de atendimento ao público, recepção, auditório, estacionamento, depósito de apreensões, sala de Chefia de Operações e outros ambientes.
Na solenidade, o governador destacou que o tráfico de drogas está na raiz da maioria dos atos de violência que afetam a sociedade atual, daí a importância de um espaço como a nova Denarc. “Todos nós sabemos que, lamentavelmente, a questão do narcotráfico ocupa cada vez mais espaço na sociedade, principalmente entre os jovens. E isso é um desafio para a construção de uma sociedade sadia. A nossa expectativa, esperança e, mais do que isso, a nossa certeza, é que esse espaço vem elevar a autoestima dos nossos policiais e contribuir para que eles, melhor equipados, possam enfrentar esse grande drama da sociedade moderna, que é a questão das drogas”, ressaltou Simão Jatene.
Segundo o delegado Hennison Jacob, diretor da Denarc, essa é a primeira unidade policial da Região Norte voltada para a prevenção e combate às drogas com esse tipo de gestão e estrutura, para atender demandas da capital e do interior do Estado. “Já participei de vários encontros com diretores de Denarc de todo o país, e no Norte não tem uma delegacia com essa estrutura, com esse padrão”, garantiu o delegado.
O Sistema de Segurança Pública do Pará já contava com uma Delegacia de Repressão a Entorpecentes. Agora, a DRE (que ganha a denominação de Delegacia de Repressão às Drogas), será uma das unidades da Denarc, com efetivo e estrutura maiores, novas diretrizes na coleta de informações e com uma visão mais qualificada nas ações de repressão.
“Antigamente, era só a DRE que fazia o papel de repressão e prevenção. Hoje, ela vai fazer só o papel de repressão, tanto no tráfico doméstico, como no tráfico do crime organizado”, explicou o delegado Hennison Jacob. Com a Denarc será fortalecida uma linha de atuação voltada ao chamado tráfico de varejo, que envolve os traficantes que atuam nos bairros.
Mapeamento - “Este é um grande ganho não só para a segurança pública, mas para o Estado do Pará. O tráfico de drogas é a mola propulsora da violência e da criminalidade. Então, as polícias Militar e Civil, juntas, vão combatê-lo, e assim melhorar os índices de violência em Belém e em todo o Pará. Essa Divisão vai ficar responsável por ter uma leitura dos municípios, de como está sendo feita a divisão, distribuição da droga, quem são os traficantes que estão coordenando tudo isso. Vamos poder mapear e ver como devemos agir diariamente nas ruas, e assim o policial terá condições de identificar e prender aquele criminoso”, disse o coronel Roberto Campos, comandante-geral da PM.
Rilmar Firmino, delegado-geral de Polícia Civil, também enfatizou a importância da Denarc no combate ao narcotráfico. “Hoje, no sistema penal, 17% dos presos foram envolvidos com tráfico de drogas. E quando a gente passa para o campo feminino esse número sobre para 60%. Quem trabalha com investigação policial, quem trabalha com repressão sabe da importância desse espaço estruturado e especializado para enfrentar o tráfico de entorpecentes”, afirmou.
Investimentos – O governo do Estado vem ampliando os investimentos em obras e equipamentos para melhorar o trabalho das polícias Civil e Militar, a fim de garantir mais segurança para toda a população. As obras da Denarc representam um investimento superior a R$ 1 milhão. “Combater as drogas deve ser, necessariamente, uma prioridade para todos nós. Na verdade, reduzir pobreza e desigualdade é outro elemento importante para que a gente possa enfrentar esse problema, que marca as sociedades ricas e pobres. A questão das drogas é, sem dúvida, um dos maiores desafios da civilização nesses tempos, e tudo o que se puder fazer para que o Estado e sociedade estejam mais equipados para vencer essa luta, tem de ser feito”, declarou o governador Simão Jatene.
Desde 2011, o enfrentamento ao narcotráfico se tornou uma das prioridades do Sistema de Segurança Pública do Pará, que registrou um aumento significativo no volume de apreensões e prisões ligadas a esse tipo de crime. Em 2015, foram realizadas 958 operações de combate ao tráfico de drogas no Pará, com apreensão de 1.626 quilos de maconha e 326 quilos de cocaína. Essas operações resultaram em 4.996 prisões – o equivalente a 416 prisões por mês, ou 14 traficantes presos por dia no Pará durante todo o ano.
Somente no primeiro semestre de 2016 foram apreendidas quase 200 toneladas de maconha e derivados, o equivalente a mais de mil quilos por dia, além de 46 prisões efetuadas e 235 denúncias de tráfico de drogas recebidas pelo disque-denúncia e atendidas pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes.
A cerimônia de inauguração da Denarc contou com a apresentação do grupo de percussão formado por crianças atendidas pelo Programa Pro Paz. Também participaram da solenidade de inauguração o secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Jeannot Jansen; o chefe da Casa Civil da Governadoria, José Megale; o promotor de Justiça Gilberto Valente Martins; os deputados estaduais Cássio Andrade e Coronel Neil, este representando o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Márcio Miranda; o titular da Superintendência do Sistema Penitenciário, André Cunha; o comandante do Corpo de Bombeiros Militar, coronel Zanelli Nascimento, e outras autoridades.
A Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) fica na Travessa Coronel Luís Bentes, próximo à Avenida Pedro Álvares Cabral, Bairro do Telégrafo.
Texto:
Lidiane Sousa

Instituto Confúcio na Uepa é apresentado com exibição da milenar cultura chinesa
A apresentação do Instituto Confúcio, que funcionará em Belém vinculado à Universidade do Estado do Pará (Uepa), ocorreu nesta terça-feira (25), em cerimônia que reuniu gestores da Uepa, do Instituto e da Shandong Normal University (SDNU). A iniciativa é resultado de um convênio destinado a estreitar relações entre o Estado do Pará e a República Popular da China. Além do reitor da Uepa, Juarez Quaresma, participaram do evento o diretor do Instituto Confúcio na instituição, Antonio Braga Silva; o diretor do Instituto Confúcio na China, Pang Hui, e o reitor da Shandong Normal University, Tang Bo.
A cerimônia - realizada na sede do Instituto, na Travessa Dom Pedro I -, contou com apresentações culturais e de artes marciais, além de visita aos espaços onde serão oferecidos o ensino de mandarim (idioma chinês) e de outras atividades culturais, destinadas à comunidade acadêmica da Uepa e também a pessoas interessadas no aprendizado e na vivência da milenar cultura chinesa. Os cursos serão livres e gratuitos, sobre temas como a sociedade chinesa, leitura, ortografia, conversação e compreensão oral do idioma.
O processo iniciado com essa parceria é um esforço rumo à internacionalização da educação no Pará e na Amazônia, que abre horizontes para a Uepa. Segundo o diretor do Instituto Confúcio na Uepa, Antônio Braga Silva, "a relevância nessa cooperação é que a China e o Brasil possuem grandes relações no âmbito comercial. Além disso, há a experiência de uma universidade chinesa com mais de 100 anos, e como universidade, a Uepa é jovem e tem muito a aprender com a Shandong. Também há essa integração entre os dois povos, entendendo a cultura e compreendendo um ao outro".
Pioneirismo regional - A Uepa terá o primeiro Instituto Confúcio do norte do Brasil. Por isso, a inauguração também marca a integração dos dois países, a aproximação na economia e na produção de conhecimento, áreas estratégicas no âmbito dos BRICS (grupo de países emergentes), que coloca Brasil e China no cenário econômico internacional.
De acordo com o reitor Juarez Quaresma, atividades como essa são relevantes para as instituições de ensino na Amazônia, cujos interesses já prevalecem no domínio comercial e sinalizam possibilidades de enriquecimento cultural.  "Essa parceria já vem sendo planejada há mais de três anos.  Ela não só engrandece a Uepa, uma vez que abre o leque na formação  de jovens na área do ensino de mandarim e da cultura chinesa,  como também contribui para o Estado, para a aproximação comercial entre o Pará e a China. Vale relembrar que já temos acordos comerciais com a China, e essa parceria só vem reforçar essa articulação", informou o reitor.
Conteúdo acadêmico - Há mais de 600 sedes do Instituto Confúcio nos cinco continentes. A SDNU, que lidera o projeto do Instituto, é localizada na Província de Shandong, e conta com 24 faculdades, 79 cursos de graduação, oito centros de estudos de pós-doutoramento, 86 programas de doutorado e 194 programas de mestrado.
No Brasil, há sedes do Instituto Confúcio na Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade de Pernambuco (UPE), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade de Brasília (UnB), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Universidade de Campinas (Unicamp) e Universidade Federal do Ceará (UFC).
Texto:
Fernanda Martins

Seminário na Unacon de Tucuruí aborda estratégias de combate ao câncer de mama
Nesta quarta-feira (26), a partir das 09 h, a Unidade de Alta Complexidade Dr. Vítor Moutinho (Unacon), em Tucuruí, município do sudeste paraense, promoverá o I Seminário do Outubro Rosa, com o tema “Espalhe amor por onde for”, em combate ao câncer de mama. O objetivo é oferecer à população informações para compreender, planejar e avaliar as ações de controle desse tipo de câncer, abrangendo a atenção integral à saúde da mulher e a Estratégia Saúde da Família.
Durante o evento, que será realizado no Cine Roxy, na Vila Permanente, os especialistas da unidade repassarão informações sobre os serviços oferecidos pela Unacon aos usuários que dependem da assistência oncológica do Sistema Único de Saúde (SUS) na região, que concentra mais de 1,8 milhão de habitantes.
O seminário será aberto pela Coordenação Estadual de Atenção Oncológica, com palestra da médica Patrícia Martins. Em seguida, o diretor executivo da Unacon, Thiarle Dassi, informará as atividades oferecidas pela unidade, e um especialista da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) abordará a Política Nacional de Atenção Oncológica. A programação da manhã será encerrada pela oncologista Ana Paula Borges, da Unacon.
Humanização - As atividades serão retomadas às 14 h, com palestra da enfermeira Ângela Barbosa e da assistente social Dóris Damasceno, sobre humanização no atendimento da Unacon. O tema seguinte, “Núcleo de Apoio à Gestão na Atenção à Mulher”, será abordado na palestra da médica Nazaré Falcão.
A partir das 16 h, representantes do grupo “Amigas do Peito” farão relatos de suas vivências e experiências com o câncer de mama, encerrando o seminário.
A programação do Outubro Rosa na Unacon prossegue até sexta-feira (28), com palestras para colaboradores, pacientes e acompanhantes na sede da unidade, no período da tarde, sendo encerrada com a palestra da médica Andrea Lopes para funcionários da empresa Eletronorte. A programação é uma parceria do Instituto Nacional de Desenvolvimento Social e Humano (INDSH) e Sespa.
Serviço: A Unacon Tucuruí funciona em frente ao Hospital Regional, na Vila Permanente. Mais informações pelos fones: (94) 3778-4928/4599.
Texto:
Vera Rojas

Codec articula a criação do Polo Gastronômico de Doces de Alter do Chão
A Companhia de Desenvolvimento Econômico (Codec), em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), faz na próxima quarta-feira (26), no Hotel Mirante, um encontro com as doceiras de Alter do Chão, em Santarém, oeste do Pará. O evento, que terá a participação de cerca de 40 pessoas, visa iniciar o diálogo para o projeto de criação do Polo Gastronômico de Doces de Alter do Chão, iniciativa que envolve o Governo do Estado, por meio da Codec, Câmara e Prefeitura de Santarém e Sebrae.
Texto:
Helena Saria

Exposição 'A Cidade' abre a Mostra Seiva da Fundação Cultural do Pará
Nesta quinta-feira (27), às 19h, será inaugurada a mostra “A Cidade”, que reúne cerca de 15 fotografias em cores do artista visual uruguaio Martin Perez. A exposição é resultado do Prêmio de Pesquisa, Experimentação e Difusão Artística da Fundação Cultural do Pará (FCP) e pode ser vista até 11 de novembro, no horário de 9h às 17h, de segunda a sexta-feira, na Galeria Ruy Meira, da Casa das Artes (Praça Justo Chermont, 236, Nazaré). A entrada é gratuita.
“Por meio da encenação em fotografia, trabalhando em colaboração com artistas cênicos, se constroem diversas situações que dialogam com nossas vivências, memórias e experiências a respeito da cidade”, diz o artista sobre a exposição. “A ficção aparece aqui como uma estratégia para falar da realidade, da cidade que habita em nós e que habitamos”, completa.
Participam do projeto os artistas cênicos Ramon Rivera, Cecília Moreno e Carol Magno. “Este trabalho é parte do recorte de uma pesquisa mais ampla de mestrado que estou fazendo. A intenção é tornar a cidade como cenário, como construção poética, para trabalhar, no cotidiano, diferentes pessoas e diferentes situações das pessoas. A partir da bolsa, trabalhei com três artistas cênicos em colaboração. Apresentamos ideias, conceitos, pessoas, memórias sobre a cidade”, pontua Martin Perez.
O artista uruguaio mora no Pará há um pouco mais de um ano. Ele sempre foi apaixonado pela fotografia brasileira. Ao chegar a Belém, ficou impressionado com o trabalho dos fotógrafos Miguel Chikaoka, Alexandre Siqueira e Mariano Klautau. “Foi um grande achado a fotografia de Belém. Para mim, fazer um mergulho nesse campo foi ótimo. Comecei a olhar o processo e participei de projetos como Fotoativa e o Prêmio Diário de Fotografia Contemporânea”, enumera.
Sobre a participação no Programa Seiva de Incentivo à Arte e à Cultura por meio dos editais, Martin Perez diz que foi um grande incentivo. “Para mim foi uma oportunidade a bolsa de pesquisa, que possibilitou desenvolver o projeto com uma liberdade no que diz respeito à produção. É importante caminhar para a profissionalização das artes com a produção que há em Belém de artes visuais. É uma coisa que me faz muito feliz”, diz o artista visual.
Martin Perez nasceu em Montevidéu, em 1984. Mestrando em Artes no PPGArtes da Universidade Federal do Pará (UFPA), é bacharel em Artes pela Udelar, de Montevidéu. A produção fotográfica do artista centra-se no trabalho com artistas cênicos, com os quais elabora diferentes atividades na órbita da ficção. Em Belém participou das exposições “Belém: ressaca de heranças”, no marco do VII Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, e “Alfabeto de Ficções”, no núcleo de pesquisa da Associação Fotoativa, no marco do projeto “A Palavra e o Limite”.
A exposição "A Cidade" inicia a Mostra Seiva de Arte e Cultura, que vai divulgar todos os projetos contemplados nos editais 2016 lançados pela Fundação Cultural do Pará. Serão três meses de programação, com ações e atividades culturais nos espaços da FCP, como Casa das Artes, Oficinas Curro Velho, Casa da Linguagem e Centur, entre outros.
Texto:
Andreza Gomes

Café com Planejamento aborda política sobre drogas no Estado

O Café com Planejamento, programa de formação continuada e proposta mensal da Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan), tem como tema para a edição de outubro a “Gestão da política sobre drogas no Pará: aspectos legais, intersetorialidade e avaliação crítica de seus impactos”. A programação receberá a assistente social Elayne Romário e o delegado Ricardo dos Santos Caçapietra como palestrantes. A dinâmica prevê exposição do assunto seguido por perguntas e respostas com participação dos presentes.
Elayne Romário é coordenadora de Prevenção, Tratamento e Redução de Danos de Consumo de Drogas (Cenpren) da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh). O delegado Ricardo dos Santos Caçapietra é diretor do Núcleo de Projetos Corporativos da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup). Eles vão abordar os objetivos da política de drogas, os indicadores usados na avaliação, os resultados alcançados na segurança pública e os impactos gerados na sociedade. O Café com Planajamento começa às 9h desta quinta-feira (27) no auditório da Seplan.
Texto:
Maria Christina

Termo de parceria visa descarte correto de medicamentos vencidos
O Ministério Público do Estado (MPE), as secretarias de Estado da Fazenda (Sefa) e de Saúde Pública (Sespa) e a Secretaria Municipal de Saúde de Belém (Sesma) assinaram nesta terça-feira (25) termo de parceria visando colocar em prática uma alternativa segura para fazer o descarte ambientalmente correto de medicamentos com prazo de validade vencido. A ideia é oferecer recipientes, denominados descartômetros, nas unidades de saúde e hospitais públicos da capital, para que a população possa depositar os remédios que não serão mais usados, ao invés de jogá-los no lixo comum, como ocorre atualmente.
MPE, Sespa e Sesma se comprometem a colocar, nos hospitais e unidades de saúde, os descartômetros. Depois que estiverem com a capacidade completa, esses recipientes serão lacrados, em conformidade com os dispositivos vigentes para abrigo de resíduos sólidos, e serão levados para incineração. Além de coletar o material, os estabelecimentos também vão alertar o consumidor, por meio de cartazes e placas, sobre o que deve ser feito com os medicamentos vencidos.
A promotora de Justiça de Meio Ambiente Ângela Balieiro explicou que o documento assinado nesta terça-feira formaliza a parceria entre os órgãos públicos. Ela destacou ainda que o Ministério Público está se mobilizando para disciplinar a forma de descarte. “Todas as pessoas que compareceram aqui vieram de livre e espontânea vontade, mas sabemos que precisamos normatizar essa conduta em lei, por isso já oficiamos a Câmara dos Vereadores e Assembleia Legislativa, para que seja elaborado um projeto de lei tornando essa conduta obrigatória para todas as farmácias e hospitais públicos e privados, inclusive postos de saúde”, destacou.
A promotora de Meio Ambiente alertou ainda que jogar medicamentos no lixo comum pode ser prejudicial a outras pessoas e ao meio ambiente. Medicação com prazo de validade vencido, descartada de forma errada, pode ocasionar, por exemplo, o uso inadvertido por outras pessoas, resultando em reações adversas graves e intoxicações. Já o meio ambiente é agredido com a contaminação da água, do solo e dos animais. O descarte de medicamentos pelo esgoto e pelo lixo comum faz com que as substâncias químicas contidas neles cheguem aos rios e córregos, podendo contaminar as fontes da água.
O secretário da Fazenda, Nilo Noronha, participou do encontro. A Sefa é a responsável pela emissão de documento fiscal correspondente à operação de remessa dos medicamentos descartados para incineração. “Será uma operação totalmente isenta, justamente para fomentar e incentivar a população e as farmácias a fazerem esse descarte de medicamento, portanto, não haverá custo nessa operação”, disse.
A ideia da parceria é garantir que hospitais, unidades de saúde, farmácias e drogarias forneçam os descartômetros, facilitando o descarte do medicamento com prazo vencido. A Sespa informou que vai produzir, inicialmente, 19 descartômetros. “O Estado é colaborador dessa ideia. Além de distribuir os descartômetros, vamos incentivar nossos hospitais a fazerem esclarecimentos à população, a fim de proteger o cidadão da contaminação acidental, e também o meio ambiente”, informou a secretária adjunta da Sespa, Heloisa Guimarães.
Participaram do encontro, na sede do Ministério Público, representantes de farmácias e distribuidores de medicamentos, que deverão aderir ao projeto, após avaliar a proposta feita pelo Ministério Público. (Com informações da Ascom MPE)
Texto:
Ana M. Pantoja

Sead entrega a partir desta quarta-feira os kits da Corrida e Caminhada do Servidor
Evento alusivo ao Dia do Servidor, comemorado em 28 de outubro, a V Corrida e Caminhada do Servidor já encerrou a fase de inscrições. Os kits serão entregues nesta quarta-feira (26) e na quinta (27). As mil vagas ofertadas, divididas em 800 para a corrida e 200 para a caminhada, foram preenchidas rapidamente. A prova está marcada para o sábado (29), com largada às 7 horas no Portal da Amazônia. O percurso terá 10 quilômetros de corrida e quatro de caminhada.
Para retirar o kit o servidor precisa doar 3 quilos de alimentos não perecíveis e apresentar o comprovante de inscrição e a cópia do último contracheque, na sede da Secretaria de Estado da Administração (Sead), em Belém, das 09 h às 16 h. O kit, com chip de cronometragem na modalidade corrida, inclui camisa e sacola. Os alimentos arrecadados serão doados a instituições filantrópicas.
“Tivemos uma grande adesão por parte dos servidores, que a cada ano buscam se inscrever o mais rápido possível. Inclusive tivemos uma procura muito expressiva de servidores das esferas municipal e federal, além do público externo. Quem não conseguiu se inscrever pode prestigiar a prova como ‘pipoca’ (só acompanhando), o que serve como um treino para o próximo ano”, informa Sandra Henderson, titular da Diretoria de Gestão da Política de Saúde Ocupacional do Servidor da Sead.
A corrida é dividida entre masculino e feminino, por faixa etária – 20 a 29 anos, 30 a 39, 40 a 49, 50 a 59 e 60 anos em diante – e deficientes visuais. Todos os participantes receberão medalhas, e os primeiros colocados ganharão troféu, medalha e premiação no valor de R$ 1 mil (para o primeiro colocado), R$ 600,00 (segundo) e R$ 300,00 (terceiro).
Esquema de segurança - Também nesta quarta-feira, às 15 h, no auditório da Sead, os organizadores se reunirão para definir o esquema de segurança do evento. Serão tratados temos como fechamento de vias e ações preventivas durante o percurso, com a participação de representantes do Departamento de Trânsito do Estado (Detran), polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros Militar e Federação Paraense de Atletismo (Fpat).
O regulamento da corrida e caminhada está disponível no site da Sead(http://www.sead.pa.gov.br) e pelo telefone (91) 3194-1084. O evento tem o patrocínio do Banco do Estado do Pará (Banpará) e apoio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social (Segup), Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Imprensa Oficial do Estado (Ioepa), Centrais de Abastecimento do Pará (Ceasa), Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Pará (Iasep) e Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), além da Fpat.
A Sead fica na Travessa do Chaco, 2.350, esquina com a Avenida Almirante Barroso.
Texto:
Mário Costa

ivisão Estadual vai intensificar o combate ao narcotráfico no Pará
A Polícia Civil inaugura na tarde desta terça-feira, 25, as instalações da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), nova unidade policial localizada no bairro do Telégrafo, em Belém. As obras no prédio, onde antigamente funcionou a delegacia do bairro, são resultado de um investimento superior a um milhão de reais feito pelo Governo do Pará.
A Denarc terá atuação em nível estadual, voltada à prevenção e à repressão ao tráfico e consumo de entorpecentes no Estado. O novo prédio está localizado na avenida Coronel Luís Bentes próximo à avenida Pedro Álvares Cabral. A Divisão Estadual de Narcóticos traz o conceito de centralização, que se ajusta à uma diretriz nacional.
“Reforçamos a estrutura, com o aumento do efetivo, e passamos a ser muito mais organizados na questão da coleta de dados sobre o narcotráfico em todas as divisas do Pará. Eu entendo que a entrega da Denarc à população paraense cria a perspectiva de construir uma atuação mais eficiente não só no combate ao tráfico, mas traz reflexo também no enfrentamento a outras demandas que estão relacionadas a ele, tais como crime contra o patrimônio e homicídios”, disse o delegado Silvio Maués, diretor da Diretoria de Polícia Especializada da Polícia Civil do Pará.
 A Denarc vai encampar a atual Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), que a partir de agora passa a se chamar Delegacia de Repressão às Drogas e terá um efetivo e estrutura maiores, com novas diretrizes nas coletas de informações e com uma visão mais qualificada na repressão. A DRE trabalhava no enfrentamento direcionado ao grande traficante. Agora, essa linha será mantida dentro da estrutura da Delegacia de Repressão às Drogas e com a Denarc, será fortalecida uma linha de atuação voltada ao chamado tráfico de varejo, que é aquele que atinge os traficantes que atuam nos bairros.
 A partir desta quarta-feira, 26, a Divisão Estadual de Narcóticos atuará em regime de expediente, com dois delegados, dois escrivães e 12 investigadores. Mas a partir de segunda-feira, 31 de outubro, o funcionamento será em plantão de 24 horas, com 20 investigadores, cinco escrivães e cinco delegados.
O imóvel da Divisão Estadual de Narcóticos vai contar com espaços amplos, inclusive um auditório para a realização de atividades educativas voltadas à prevenção do uso das drogas. Será a intensificação  da campanha educativa "Sou Careta: Não Uso Drogas", desenvolvido pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes. “A Denarc vai trabalhar junto a outras secretarias para trazermos escolas, tanto públicas quanto particulares, estimulando a vinda de estudantes para a exibição de filmes e palestras a partir do início do ano que vem, com a volta do calendário escolar”, destacou o Delegado Silvio Maués.
Combate
Desde 2011, o enfrentamento ao narcotráfico se tornou uma das prioridades da segurança pública do Pará. Isso tem proporcionado um aumento significativo no volume de apreensões e prisões ligadas a esse tipo de crime. Em 2015, os agentes do sistema de segurança pública do Estado fizeram 958 operações de combate ao tráfico de drogas no Pará, com apreensão de 1.626 quilos de maconha e 326 quilos de cocaína. Essas operações resultaram em 4.996 prisões – o equivalente a 416 prisões por mês, ou 14 traficantes presos por dia no Pará durante todo o ano de 2015.
Somente no primeiro semestre de 2016, foram apreendidas quase 200 toneladas de maconha e derivados, o equivalente a mais de mil quilos por dia, além de 46 prisões efetuadas e 235 denúncias de tráfico de drogas recebidas pelo disque – denúncia e atendidas pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE).
Texto:
Syanne Neno

Inscrições para eleição do Conselho da Igualdade Racial foram prorrogadas até sexta-feira (28)
Todas as entidades representativas da população negra, com no mínimo dois anos de atuação, podem participar do processo de escolha dos membros do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Connepir/Pará), para o biênio 2016/2018. As inscrições foram prorrogadas e se encerram nesta sexta-feira, 28. O edital de chamada para a eleição do Connepir foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) no dia 28 de setembro. 
Os interessados devem procurar a Gerência Estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, na Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), para realizar a inscrição.
Além do período mínimo de atuação, é obrigatória a apresentação de cópia do RG, título de eleitor, estatuto, ata de eleição e comprovação de legalidade jurídica da entidade. O formulário de inscrição está disponível no site da Sejudh (www.sejudh.pa.gov.br).
A eleição para a escolha dos 12 membros titulares e suplentes do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial será realizada no próximo dia 8 de novembro de 2016.
Criado pelo governo estadual em 2008, o Connepir/Pará é um órgão colegiado de caráter consultivo, que integra a estrutura da Sejudh. Sua principal finalidade, segundo o decreto de criação, é acompanhar no Estado a implementação de políticas de promoção da igualdade racial, com ênfase na população negra, a fim de combater o racismo, o preconceito e a discriminação racial, além de reduzir as desigualdades raciais, inclusive nos aspectos econômico e financeiro, social, político e cultural.
Texto:
Leba Peixoto

Projeto promove capacitação sobre trabalho escravo
O projeto “Escravo, nem pensar!”, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc), em parceria com a Organização Não Governamental Repórter Brasil, iniciou nesta terça-feira (25), a fase de capacitação de cerca de 60 gestores das Unidades Regionais de Educação (UREs) e Unidades Seduc na Escola (USEs), que terão a missão de difundir o assunto nas instituições de ensino e municípios onde trabalham. O projeto conta com o apoio das Secretarias de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) e Extraordinária de Integração de Políticas Sociais (Seeips).
As capacitações serão realizadas até esta quinta-feira (27), de 8h às 18h, no auditório da Escola Técnica Magalhães Barata, localizada no bairro do Telégrafo, em Belém. No encontro, estão sendo debatidos o tema central do trabalho escravo e outros assuntos correlatos, como trabalho infantil, tráfico de pessoas, migração e exploração sexual. São distribuídos materiais didáticos e instruções didático-pedagógicas para a multiplicação desses temas nas escolas gerenciadas pelas UREs.
Por meio das capacitações, a meta é alcançar com o projeto, até o ano que vem, 70% dos alunos matriculados na rede estadual pública de ensino, o equivalente a mais de 360 mil alunos. Para isso, a equipe da ONG Repórter Brasil, coordenada pelo jornalista Leonardo Sakamoto, capacitará agentes multiplicadores, que posteriormente vão repassar os conhecimentos a professores e monitores.
Na sala de aula, os professores incluirão o trabalho escravo contemporâneo no conteúdo programático das disciplinas que já integram a grade curricular. De acordo com a jornalista e cientista social Natália Suzuki, coordenadora da iniciativa, “a ideia desta etapa é formar educadores, para que eles possam se tornar agentes multiplicadores da temática do trabalho escravo na rotina da sala de aula”.
A secretária de Educação, Ana Cláudia Hage, destacou a importância do projeto para a garantia de uma formação que vai além do conteúdo. “Não adianta aprender a ler a escrever, a decorar os assuntos, se a gente não instigar o aluno a pensar, a ser crítico, a olhar ao seu redor. A escola precisa ser esse local em que, mais do que qualquer coisa, o estudante aprenda a ser um cidadão consciente. Com este projeto, damos mais um passo nessa caminhada”, afirmou.
Para o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Michell Durans, o "Escravo, nem pensar!" é um projeto inovador e chega para somar às outras iniciativas voltadas aos direitos humanos que estão em execução nas escolas estaduais. “Esse projeto inova ao criar espaços de discussões especificamente sobre a questão do trabalho escravo, que continua muito atual na realidade de nossa região”, afirmou.
A gestora Darilene Melo está participando das capacitações do projeto ao longo destes três dias. Para ela, “a escola precisa cumprir sua função social e discutir temas que influenciam e sejam relevantes para a sociedade, como é o caso do trabalho escravo”.
A coordenadora da Comissão Pastoral da Terra Regional Pará (CPT/PA), Geuza Morgado, afirma que a educação paraense ganha com a ampliação desse projeto. “Esse projeto, em parceria com a CPT, tem feito coisas fantásticas de levantamento de dados sobre os índices de trabalho escravo no Pará. Nós dividimos com eles as denúncias de violações de direitos humanos no campo e ampliamos o alcance de nosso trabalho. O Pará só tem a ganhar com a execução desse projeto a nível estadual”, disse.
Lucilena Magalhães, diretora da Escola Técnica Magalhães Barata, afirmou que “as discussões de um tema como este são fundamentais para que a sociedade se conscientize de que o trabalho escravo ainda não é um problema superado no Pará. Nossa escola está de portas abertas para apoiar e receber iniciativas como essa”.
O projeto “Escravo, nem pensar!” foi criado pela ONG Repórter Brasil em 2004, com o objetivo de disseminação da temática para a rede de Educação. Sua criação foi motivada pelas demandas do Plano Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo, documento elaborado por representantes do poder público, de entidades sociais e órgãos internacionais. Nos últimos 12 anos, o programa se incorporou às políticas públicas nas esferas municipal, estadual, regional e nacional.
Com colaboração de George Miranda – Ascom Sejudh
Texto:
Leba Peixoto

Detentas participam de encontro sobre gestação e aleitamento materno
Detentas custodiadas na Unidade Materno Infantil (UMI) da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe), participaram, no sábado, 22, do primeiro de uma série de encontros com o Grupro Ishtar, que trabalha no apoio à gestantes e lactantes que fazem parte da unidade, com o objetivo de auxiliá-las no processo do parto, pós-parto e amamentação.
No encontro, seis internas receberam orientações quanto a fisiologia do corpo e o processo de gestação, desde a concepção até o momento do parto, além da fase de amamentação e cuidados com o bebê.
O grupo Isthar é formado por quatro coordenadoras que atuam de forma voluntária, com palestras ministradas, quinzenalmente, em uma academia desportiva, em Belém, e decidiram realizar a ação com internas da UMI, com o objetivo de orientá-las no processo da maternidade e da amamentação.
"No convívio com essas mulheres grávidas, percebíamos a necessidade de um complemento das orientações que já dávamos acerca da gestação e da amamentação. A partir de então, buscávamos algum grupo que pudesse nos auxiliar neste processo, com orientações mais especificas e embasadas de forma científica. Desta forma, chegamos ao Isthar e esperamos que elas possam tirar as suas dúvidas e se sentirem mais seguras, no processo que envolve a maternidade", explicou a gestora em exercício da Unidade Materno Infantil (UMI), Sidicléia Tavares.
A coordenadora do grupo Ishtar, Lia Leite, destacou a importância das reuniões que visam a interação entre gestantes e lactantes, possibilitando a troca de experiências, além de estabelecer uma relação de confiança para que possam dividir dúvidas e inseguranças no processo de gestação.
"Nosso interesse é passar para essas mulheres conceitos científicos com uma linguagem acessível, para que elas possam se sentir acolhidas e informadas na gestação. Para nós é muito gratificante estarmos aqui. Queremos criar uma relação de empatia e confiança, e assim, poder ajudá-las com conhecimentos sobre o funcionamento do corpo durante o processo de trabalho de parto, com o pós-parto e a amamentação", afirma.
A interna Juliana Santos, grávida de oito meses do segundo filho, nunca havia tido orientações quanto a necessidade do pré-natal tanto para a mãe quanto para o bebê. "Essa será a primeira vez que vou saber o que acontece com o meu corpo no processo de gravidez. Na primeira vez que fui mãe, não tive acompanhamento algum. Aqui estou tendo esse acompanhamento e está sendo bem diferente. Fico ansiosa em saber quando vai acontecer, se já está na hora ou não, se será parto normal ou cesárea" diz a interna.
"É muito importante para elas o conhecimento e aprendizado, quanto ao funcionamento do corpo, no processo de trabalho de parto. Para nós que lidamos com a ansiedade e com o medo delas, esse aprendizado é fundamental para que possam identificar a hora exata do parto, sem que isso gere um alvoroço e angústia maior do que já acontece, em uma situação como a que elas irão ter que passar, por se tratar de um momento inevitável", destacou a coordenadora administrativa do Centro de Reeducação Feminino (CFR), Kelly Fiel.
As reuniões do Grupo Isthar serão realizadas um sábado por mês na UMI da Susipe, em Ananindeua. Serão abordados temas relacionados à maternidade, aleitamento materno e criação dos filhos.
Texto:
Timoteo Lopes

Cerimônia especial marcará a inauguração do Instituto Confúcio no Pará
O governador Simão Jatene recebeu o convite para participar da cerimônia de instalação oficial do Instituto Confúcio no Pará, que será realizada nesta terça-feira, 25. O convite foi entregue pelo reitor da Shandong Normal University (SDNU), Tang Bo, e pelo reitor da Universidade Estadual do Pará (Uepa), Juarez Quaresma, instituições parceiras na instalação do instituto, que visa o ensino do idioma e a difusão da cultura chinesa em diversos países.
Para o governador Simão Jatene, a implementação do instituto no Pará – primeiro e único estado das regiões Norte e Nordeste do Brasil a sediar uma unidade do gênero –, além do desenvolvimento educacional e cultural, significa uma aproximação entre instituições e Estados. “Essa possibilidade de termos o instituto aqui estreita os laços entre o Brasil e a China, entre o estado do Pará e a província de Shandong. A instalação do instituto pode ser o primeiro passo dessa aproximação”, reiterou Jatene.
O governador destacou que as diferenças culturais e sociais entre Brasil e China podem se complementar e beneficiar a  ambos. “Se tivermos a sapiência de utilizar o conhecimento milenar que a China possui com a disponibilidade de recursos naturais que o Pará tem, poderemos promover desenvolvimento sustentável, que é o grande desafio global da atualidade”, defendeu Simão Jatene, que falou da alegria de presenciar paraenses falando mandarim, nos próximos anos.
Tang Bo, reitor da Shandong Normal University, localizada em Jinan, capital da província de Shandong, agradeceu o empenho do Governo do Pará e o apoio da Uepa para a instalação do instituto. “Sem contar com essa estrutura, nós não teríamos conseguido iniciar o trabalho esse ano. Nós consideramos muito importante o papel da educação para as gerações futuras e acreditamos que podemos contribuir com isso”, afirmou o reitor da universidade chinesa.
Juarez Quaresma, reitor da Universidade Estadual do Pará, contou que o instituto já está em funcionamento, e que as três primeiras turmas tiveram as vagas preenchidas em menos de uma hora, após a abertura das inscrições. “Já estamos em pleno funcionamento. Novas vagas serão ofertadas através de edital para o próximo ano. Diante das relações comerciais que o Pará tem com a China, o ensino do mandarim é muito importante para preparar os profissionais daqui para esse espaço no mercado”, avaliou Quaresma. Inicialmente serão oferecidas 15 bolsas para estudantes da Uepa, de graduação, mestrado e doutorado.
A parceria envolvendo a Uepa já vinha sendo discutida entre o Governo do Pará e representantes do Instituto Confúcio há cerca de quatro anos, quando o governador Simão Jatene esteve na China, em 2012, para fortalecer as relações comerciais com aquele país. A medida foi efetivada em 2014, quando o Governo Federal e o presidente da China, Xi Jinping, assinaram um acordo para a instalação de sedes do Instituto no Brasil.
Por se tratar de um convênio firmado entre Instituições de Ensino Superior, a cooperação internacional acadêmica será fortalecida, abrindo novas portas para o intercâmbio de alunos, professores e pesquisadores da Uepa com importantes instituições de ensino chinesas. A sede do Instituto Confúcio será no prédio da Editora da Uepa (Eduepa). As aulas das primeiras turmas iniciarão em junho de 2017.
Também participaram da reunião o ministro da Embaixada da República Popular da China no Brasil, Wang Wei; o  vice-diretor do Instituto Confúcio, Pang Hui; o diretor de cooperação internacional da SDNU, Zhou Lianyong; o diretor do departamento pessoal da SDNU, Kong Xiangyun; o professor e responsável pela divisão de Ciência e Tecnologia da SDNU, Bi Hualin; o secretário da SDNU, Wang Jinshan; e a coordenadora de Relações Internacionais do governo do Pará, Larissa Chermont.
A cerimônia do lançamento oficial do Instituto Confúcio terá dois eventos: o primeiro, no prédio onde funcionará o Instituto, às 15h30, e o segundo no Teatro Maria Sylvia Nunes, na Estação das Docas, às 18h, com uma ampla demonstração da cultura chinesa. Serão nove apresentações de dança, música e artes marciais, entre as quais solos de instrumentos típicos da Província de Shandong, como o Er Hu e o Sheng, e até mesmo uma dança intitulada “A Imagem da América”, mostrando como os chineses vêem a América do Sul.
Texto:
Dani Filgueiras

Abertas inscrições para oficina de Teatro de Rua e Perna de Pau da Companhia Brasileira de Mystérios
A Companhia Brasileira de Mystérios e Novidade chega a Belém para apresentar o espetáculo “Uirapuru, o cantor das florestas” na Casa das Artes, nesta quinta-feira (27), às 9h e 17h; Oficinas Curro Velho, na sexta-feira (28), às 17h, e na Praça Caranaduba – Ilha de Mosqueiro, no sábado (29), às 10h.
Contemplado com o Prêmio Myriam Muniz, o espetáculo reúne performances de dança, teatro e música e é apresentado com os personagens em pernas-de-pau, fortalecendo a narrativa poética realizada pelos atores. O espetáculo explora as danças dramáticas e o imaginário indígena em suas múltiplas manifestações.
“Uirapuru” é inspirado nas operetas populares amazônicas sobre pássaros, encenadas na época das festas juninas e presta homenagem a D. Noêmia Pereira, compositora paraense que assinou quase 50 operetas de pássaros. A peça é fundamentada na pesquisa das manifestações populares encontradas especialmente no Norte do Brasil, bem como na musicalidade indígena, africana e europeia.
“É uma tradição local do Pará. Os pássaros voam por lá desde o tempo da borracha, quando os serviçais viam as grandes montagens europeias nos teatros e decidiram fazer seu próprio teatro também. Nasceu a peça musicada, que representa o imaginário popular amazônico”, registra a diretora artística da Cia, Lígia Vigia.
Além das apresentações, a Cia. ministrará a oficina “Teatro de Rua e Perna de Pau”, na sexta-feira (28), a partir das 9h, nas Oficinas Curro Velho, com entrada franca e inscrições no portal da FCP. 
Serviço:
Espetáculo “Uirapuru, o cantor das florestas” na Casa das Artes, nesta quinta-feira (27), às 9h e 17h, Oficinas Curro Velho, na sexta-feira (28), às 17h, e na Praça Caranaduba – Ilha de Mosqueiro, no sábado (29), às 10h. Oficina “Teatro de Rua e Perna de Pau”, sexta-feira (28), às 9h, nas Oficinas Curro Velho.
Texto:
Andreza Gomes

'O Monstro de Mil Cabeças' entra na programação do Cine Líbero Luxardo
O longa-metragem “O Monstro de Mil Cabeças” (2015) entra na programação do Cine Líbero Luxardo, da Fundação Cultural do Pará (FCP), a partir desta quarta-feira (26). A sessão de estreia será às 20 horas, com entrada gratuita para estudantes que apresentarem carteira estudantil, por meio do Projeto Plateia. O filme fica em cartaz até o dia 6 de novembro.
Com direção de Rodrigo Plá, a produção mexicana conta a história de Sonia, uma mulher que luta desesperadamente para conseguir o tratamento médico necessário ao marido doente em estágio terminal. Sonia então recorre à companhia de seguros para garantir a ele o melhor tratamento, mas tem os recursos negados. Cansada de ouvir alegações burocráticas, ela é tomada por um instinto primitivo de sobrevivência e decide confrontar violentamente aqueles que se recusam a ajudá-la.
Serviço:
“O Monstro de Mil Cabeças”, no Cine Líbero Luxardo, entre os dias 26 e 30 outubro, com sessão às 20 horas, e entre os dias 2 e 6 de novembro, com sessão às 18 horas. Ingressos nos valores de 12 reais (inteira) e 6 reais (meia-entrada).
Texto:
Andreza Gomes

Dupla de músicos da Guiana Francesa ministra masterclass no Instituto Estadual Carlos Gomes
A Aliança Francesa de Belém e a Direção dos Negócios Culturais da Guiana Francesa apresentam, nos dias 26 e 27 de outubro, no Instituto Estadual Carlos Gomes, o Master Class “Composição musical dedicada às artes visuais”. As aulas serão ministradas por Louis Chabaud, diretor de ensino no Conservatório de música, dança e teatro da Guiana Francesa e pelo guitarrista Fabien Domergue.
Os dois trabalham na criação de trilhas sonoras inéditas e originais em cima de curtas metragens experimentais. Essa pode ser uma oportunidade imperdível da dupla estreitar os laços de amizades no âmbito artístico-cultural na identificação de novos talentos, a fim de promover um intercâmbio entre os dois países.
As inscrições são gratuitas e limitadas. Estão abertas a professores, estudantes, músicos amadores ou profissionais de nível intermediário (pelo menos quatro anos de prática musical), de qualquer instrumento, além dos ouvintes, que podem realizar inscrições na secretaria da Aliança Francesa e no Conservatório Carlos Gomes.
As aulas serão realizadas na quarta e quinta-feira, das 14h às 17h, na Sala Ettore Bosio, no Instituto Carlos Gomes. No final, os participantes apresentarão o resultado das criações desenvolvidas durante o Master Class, no Salão Cultural da Aliança Francesa, dia 29 de outubro, às 17h20, com entrada franca e aberto ao público em geral. Para maiores informações e programação completa, é só acessar: http://www.afbelem.com
Convidados
Vindos da Guiana Francesa, Louis Chabaud, diretor artístico do conservatório de Cayenne, e Fabien Domergue, guitarrista de bandas de pop rock francês são especialistas na criação musical para artes visuais, abrangendo estilos musicais diversos, do Jazz à música contemporânea, passando pela música clássica e também pelas músicas tradicionais do Norte da América latina. Durante suas apresentações, os artistas criam espaços onde os sons possam acompanhar, de forma harmoniosa e original, as produções cinematográficas.
Louis toca clarinete e saxofone enquanto Fabien assume a guitarra elétrica, o baixo e outras máquinas eletrônicas. Os dois costumam fazer suas apresentações em filmes curtos, de acordo com a originalidade e qualidade cinematográficas das produções selecionadas por eles mesmos. A dupla estará em Belém, de 26 a 29 de outubro, para uma programação inédita e totalmente gratuita.
Confira programação completa:
I. Master Class para a produção de Cine Concerto
Dias: 26, 27 e 29/10
Local: Auditório do Instituto Carlos Gomes (26, 27/10) e Aliança Francesa de Belém (29/10).
Horário: 14h às 17h.
Programação MasterClass:
Quarta-feira, 26 de outubro/14h – 17h, Instituto Carlos Gomes
Apresentação do Master Class; escolha e entendimento dos filmes; análise das imagens; criação de grupos de participantes/repartição por filmes, criação das músicas;
Quinta-feira 27 de outubro/ 14h – 17h, Instituto Carlos Gomes
Trabalhos em grupo. Improvisação à imagem / música ao vivo para artes visuais (filmes experimentais).
Nível recomendado: intermediário e/ou avançado (estudantes e professores), pelo menos quatro anos de prática do seu instrumento. Serão trabalhados todos os tipos de músicas e instrumentos. Aulas baseadas na improvisação, mas quem nunca experimentou a improvisação também poderá participar.
II. Show The Link!
Data: 27/10/2016
Local: Cosanostra (Tv.
Benjamin Constant, 1499)
Horário: 21h
III. Apresentação Cine Concerto na mostra da 15ª Edição da Fête Du Cinema D'Animation
Data: 28/10
Local: Sesc Boulevard
Horário: 18h
Após a exibição um bate-papo exclusivo com a dupla Louis Boyera e Fabrice Delpierre.
IV. Apresentação dos músicos e alunos que participarem do Master Class em formato de Cine Concerto
Data: 29/10
Local: Salão Cultural da Aliança Francesa de Belém.
Horário: 17h20
Texto:
Rosa Cardoso

Hospital Galileu é reconhecido com selo Green Kitchen
Um dos grandes diferenciais do Hospital Público Estadual Galileu (HPEG) é a qualidade da comida oferecida aos seus usuários e colaboradores diariamente, prova disso veio com o selo de aprovação Green Kitchen, certificação que reconhece restaurantes e serviços de alimentação promovido pela Fundação para a Pesquisa em Arquitetura e Ambiente (Fupam). Além da qualidade dos alimentos, o hospital também demonstra uma grande preocupação com a produção sustentável e o destino adequado dos restos alimentares. 
A certificação veio após uma avaliação padrão de 49 questões relacionadas a alimentação saudável, sustentabilidade e ambientação natural, feita junto ao trabalho desenvolvido pelo Serviço de Nutrição Dietética (SND), que diariamente oferece cardápios equilibrados e saudáveis, priorizando alimentos com valores nutricionais agregados e utilizando produtos industrializados de forma reduzida.  No total, a unidade hospitalar obteve 27 pontos, valor acima da média para obtenção do certificado. 
Segundo a coordenadora do SND do hospital, Thatyelle Pantoja, além da qualidade dos alimentos, a equipe preza pela sustentabilidade na produção e destinação dos alimentos. “Já estamos trabalhando a consciência de uso sustentável dos alimentos, reduzindo os custos com o desperdício. Outro fator relevante é a opção de destino consciente dos resíduos orgânicos, também em atividade no hospital, como a segregação adequada e correta do óleo usado nas preparações, a segregação dos resíduos inorgânicos para reciclagem. Além disso, já estamos em fase inicial de desenvolvimento da compostagem dos resíduos orgânicos”, enfatizou a nutricionista, referindo-se a um trabalho de redução das sobras de alimentos e de reciclagem de resíduos gerados diariamente, por meio da aplicação de técnicas para controlar a decomposição de materiais orgânicos.
Thatyelle destaca ainda a importância da certificação Green Kitchen para o serviço de alimentação oferecido em uma unidade hospitalar que atende 100% ao Sistema Único de Saúde (SUS). “Reflete, principalmente, o padrão de qualidade aprimorado no sentido de buscar melhorias em conjunto. Outro pilar que vem sendo trabalhado este ano no Galileu: o princípio da sustentabilidade. A certificação é um reconhecimento das ações que estamos desenvolvendo em nosso ambiente de trabalho”. 
A sustentabilidade, avaliada pelo programa Green Kitchen, é um dos princípios organizacionais do Hospital Galileu, como ressalta o diretor Geral da unidade, Saulo Mengarda. “Temos como objetivo explicar aos nossos usuários, acompanhantes e colaboradores que a sustentabilidade não é só meio ambiente, mas que existe também o lado econômico e social”, considerou. “Este selo Green Kitchen reconhece isso no âmbito da nossa produção de alimentos” explicou. 
O Hospital Público Estadual Galileu (HPEG) realiza um trabalho humanizado, prezando pelo bem-estar e segurança dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). O Hospital é público, pertencente ao Governo do Pará, tendo sua gestão feita pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A unidade tem o certificado de qualidade da Organização Nacional de Acreditação (ONA) que o qualificou como ONA 1 – Acreditado.
Texto:
Izabelle de Mesquita

Meritocracia é o destaque do 9º Prêmio Servidor Nota 10
As comemorações da Semana do Servidor Público terão como ponto alto a cerimônia de entrega do 9º Prêmio Servidor Nota 10, programada para a manhã desta quinta-feira, 27, a partir das 9h, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, Auditório Marajó. O evento presta uma homenagem ao funcionalismo público, premiando os servidores que se destacaram pelo trabalho desempenhado nos órgãos da administração direta e indireta do Estado.
Assiduidade, disciplina, iniciativa, produtividade e responsabilidade foram os critérios em que se destacaram os 60 escolhidos como Servidores Nota 10 deste ano. A premiação é uma realização do Governo do Estado, por meio da Escola de Governança Pública do Estado do Pará (EGPA), como forma de reconhecimento e valorização do servidor público, sob o critério da meritocracia.
Na solenidade, os eleitos de cada órgão/entidade serão premiados com um certificado assinado pelo governador Simão Jatene e um cheque simbólico no valor de R$ 500,00. Após a homenagem, haverá ainda um sorteio que definirá quem é o Servidor Nota 10 do Estado, a ser premiado com um cheque no valor de R$ 5.000,00.
Para disputar o prêmio, os servidores se inscreveram espontaneamente ou foram indicados pelo órgão/entidade de origem no decorrer do ano. O reconhecimento é aberto a servidores públicos efetivos, estatutários não estáveis e os empregados da Administração Pública do Estado do Pará. Em cada órgão, entidade ou unidade regional do Executivo foi criada uma Comissão Interna de Avaliação, responsável por observar e pontuar o desempenho das funções, elegendo, por merecimento, os melhores. A avaliação considerou toda a vida funcional do servidor.
Texto:
Livia Alfaia

Herbário da Uepa recebe menção honrosa em evento internacional
A equipe de pesquisa do herbário Profª Drª Marlene Freitas da Silva, da Universidade do Estado do Pará (Uepa), foi premiada com menção honrosa junto aos cinco trabalhos que se destacaram entre 12 apresentados por especialistas de todo o Brasil e de outros países, na quinta-feira, 20, durante o I Seminário Internacional da RedesFito.
O prêmio foi pelo trabalho intitulado “Centros depositórios de plantas medicinais: herbários como instrumento de gestão da biodiversidade”, que apresentou a Coleção de Plantas Medicinais da Amazônia do Herbário Marlene Freitas da Silva, destacando o sistema integrado de informação e organização dos dados das espécies, localidades e usos tradicionais, como instumento que contribui para a documentação de patrimônios da biodiversidade.
O evento, organizado pela RedesFiro junto ao Instituto Senai, trouxe pesquisadores do mundo todo para discutir o tema “Inovação e Biodiversidade na Perspectiva da Sustentabilidade” por meio de palestras e mesas redondas com especialistas e pensadores internacionais e nacionais.
O e-poster do trabalho premiado esta disponível no site do evento http://redesfito.far.fiocruz.br/index.php/seminariointernacional e o artigo será publicado na próxima edição da revista Fitos. Para maiores informações sobre o herbário visite o site http://paginas.uepa.br/herbariomfs/
Texto:
Fernanda Martins

Inauguração da Divisão Estadual de Narcóticos

Serão inauguradas, nesta terça-feira, 25, às 15 horas, as instalações da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), nova unidade da Polícia Civil, localizada no bairro do Telégrafo, em Belém. As obras no prédio, onde antigamente funcionou a Delegacia do bairro, foram concluídas semana passada.
As novas instalações receberam mobílias novas e climatização. Resultado de um investimento superior a R$ 1 milhão feito pelo Governo do Pará, o prédio da Denarc vai substituir a atual Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE). A Divisão terá atuação em nível estadual voltada à prevenção e à repressão ao tráfico e consumo de entorpecentes no Estado. 
Localizada na Travessa Coronel Luís Bentes próximo à avenida Pedro Álvares Cabral, a Denarc conta com espaços amplos, para a realização de atividades educativas voltadas à prevenção do uso das drogas, com foco nos estudantes de escolas públicas e privadas. Com a Denarc, o trabalho preventivo por meio de palestras e distribuição de material informativo dentro da campanha "Sou Careta: Não Uso Drogas" será intensificado.
Com dois pavimentos, o novo prédio dispõe de sala de atendimento ao público, recepção, auditório, estacionamento, depósito de apreensões, sala de Chefia de Operações, entre outros setores. Quando estiver em funcionamento, a Denarc será um avanço para as atividades da atual DRE, vinculada à Diretoria de Polícia Especializada, que hoje atua para debelar o problema do tráfico de drogas, em coordenação com a Diretoria de Polícia do Interior (DPI) e a Diretoria de Polícia Metropolitana, com apoio da Polícia Militar.
Texto:
Walrimar Santos

Inscrições abertas para o vestibular 2017 na Uepa
Iniciam nesta terça-feira, 25, as inscrições para o Processo Seletivo (Prosel) 2017 da Universidade do Estado do Pará (Uepa). O procedimento é realizado online e o candidato deve acessar o site www.uepa.br/daa para efetuar sua inscrição até o dia 7 de novembro. Candidatos oriundos de escolas públicas do Pará terão isenção total na taxa de inscrição e concorrerão às vagas reservadas, que este ano chegam a 50% do total ofertado. Já os inscritos no Programa de Ingresso Seriado (Prise) têm até amanhã para confirmar a inscrição.
Os candidatos do Prosel que declararem, no ato da solicitação de inscrição, serem de escolas localizadas em território paraense, sejam elas públicas ou privadas, terão ainda uma bonificação de 10% sobre as notas alcançadas no Enem. A medida aumenta as chances de candidatos paraenses no certame, que vem sendo cada vez mais procurado por estudantes de outros estados.
As inscrições para o Prosel 2017 serão realizadas até 7 de novembro, exclusivamente via internet, pelo site da instituição. A taxa de inscrição é de R$ 60 e deverá ser paga até 8 de novembro em qualquer agência bancária. No ato da inscrição, o candidato deverá preencher o cadastro com os dados pessoais e ao final será gerado um número de protocolo da solicitação de inscrição. O Cadastro de Pessoa Física (CPF) é documento obrigatório no ato da inscrição, além de um endereço de e-mail válido.
A listagem dos inscritos no Prosel será divulgada em 21 de novembro. A partir dessa data, até 29 do mesmo mês, os candidatos poderão comunicar sobre problemas na inscrição e solicitar a correção de dados.
O primeiro Exame Habilitatório de Música dos inscritos no Prosel está marcado para 11 de dezembro, e o segundo para 18 de dezembro. O resultado sai em 5 de janeiro. Os exames são avaliados por profissionais da área e ocorrerão em Belém, Santarém e mais um município entra nos Processos Seletivos 2017, Vigia.
O quadro de vagas é dividido igualmente entre Prise e Prosel. Cada modalidade do certame oferece 773 para os campi de Belém e 1.078 vagas para o interior. O Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE) é o que oferta o maior número de vagas, 1.075. Em seguida, vem o Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), com 403 vagas, e o Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT), com 373 vagas.
Prise
A listagem dos inscritos no Prise foi divulgada na sexta-feira, 21, e está disponível no site dedicado ao Processo Seletivo. Até esta quarta-feira, 26, os candidatos poderão comunicar sobre problemas na inscrição para corrigir possíveis erros nos dados. As provas do Habilitatório de Música do Prise ocorrerão em 13 de novembro.
Tanto no Prosel quanto no Prise, somente os candidatos que optam por Licenciatura em Música têm, no ato da inscrição, a chance de escolher uma segunda opção de curso. Caso sejam reprovados nos Habilitatórios, não são eliminados da disputa antes de obterem o resultado nas provas objetivas. Os editais com todos os detalhes dos processos seletivos já estão disponíveis no site da Uepa.
Texto:
Fernanda Martins

Hospital Público Galileu inicia atendimento a pacientes que precisam de traqueoplastia
Uma boa notícia esperava pelo trabalhador autônomo Adriano Félix de Souza Silva, morador do município de Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém, na manhã do último sábado (22). No Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), na capital paraense, ele fará no próximo mês a cirurgia de traqueoplastia, para recuperar a capacidade de respirar normalmente.
“Quando cheguei ao hospital eu não imaginava que já sairia daqui com a data da minha cirurgia. Graças a Deus, eu estou muito feliz e cheio de planos. Um deles é poder aproveitar mais a infância da minha filha”, disse Adriano, 24 anos, que em 2013 foi vítima de acidente com arma de fogo, e acabou adquirindo estenose de vias aéreas após ter ficado um mês e 15 dias entubado. Ele se submeteu a uma traqueostomia, a abertura de um orifício na traqueia e colocação de uma cânula para a passagem de ar.
Assim como Adriano, outras sete pessoas estiveram na manhã do último sábado no Hospital Galileu para a primeira avaliação cirúrgica. A partir de agora, todos os sábados, pelos próximos seis meses, a instituição atenderá, desde a primeira consulta até o procedimento cirúrgico, pacientes que precisam de traqueoplastia. A cirurgia é o tratamento definitivo para a estenose de via aérea, pois permite que os pacientes respirem sem a necessidade da cânula de traqueostomia.
Quem também saiu do hospital feliz com a notícia foi o caminhoneiro Fabrício da Silva Correa, que em 2013 sofreu um acidente de moto. “Graças a Deus estou cada vez mais perto do dia da cirurgia, e de enfim voltar a ter uma vida normal, sem precisar de tantos cuidados, e principalmente, voltar a falar normalmente”, declarou, após ser avaliado pelos médicos, marcar a cirurgia para o início de novembro e ainda fazer todos os exames pré-operatórios. “Foi tudo em apenas uma manhã. Agora é só esperar o grande dia”, afirmou.
Segundo o cirurgião torácico Marco Antônio F. Tavares, que faz parte da equipe responsável pelo atendimento especializado no Hospital Galileu, a estenose de via aérea geralmente é desenvolvida em pacientes que sofreram algum traumatismo e precisaram de via aérea artificial para continuar respirando. “Geralmente, o paciente que foi entubado tende a desenvolver estenose, que quer dizer o estreitamento da via aérea. Muitos não desenvolvem, mas aqueles que sim, são submetidos à traqueostomia para que continuem respirando e tenham uma vida relativamente normal”, explicou o cirurgião.
Autoestima - A traqueoplastia consiste na reconstrução da via aérea, proporcionando ao paciente a respiração natural. Além da melhoria na qualidade de vida, a cirurgia também ajuda na elevação da autoestima e autoconfiança. “Em todo esse tempo que uso a cânula já passei por diversas situações, desde o preconceito na busca de emprego, como também de pessoas me olhando diferente por acharem que eu tenho alguma doença contagiosa”, contou Adriano Félix de Souza Silva.
Segundo Saulo Mengarda, diretor geral do Hospital Galileu, o procedimento oferecido pela instituição vai mudar a vida dessas pessoas. "Com o início deste serviço proporcionamos a estes pacientes uma melhora da qualidade de vida. Um benefício tão grande que não pode ser medido, pois estamos falando de convívio familiar, em sociedade e até de trabalho. É gratificante fazer parte de mais essa etapa, que pode ser executada graças à parceria da Sespa (Secretaria de Estado de Saúde Pública) com a Pró-Saúde (organização social que gerencia o hospital)”, ressaltou.
A equipe responsável pelo atendimento é formada pelos cirurgiões torácicos Ajalce Janahu, Roger Normando e Marco Antônio F. Tavares. Todos são membros titulares da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica (SBCT) e do Colégio Brasileiro de Cirurgiões (CBC), e atuam sob a direção técnica do médico Lucas Geralde.
O Hospital Público Estadual Galileu é uma unidade de retaguarda, que realiza atendimento médico de baixa e média complexidade em cardiologia, traumato-ortopedia e clínica médica. É mantido pelo governo do Estado e gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Sespa. A unidade tem o certificado da Organização Nacional de Acreditação ONA 1 – Acreditado.
Texto:
Izabelle de Mesquita

Detentos participam de feira com alimentos orgânicos no Museu Goeldi
A primeira edição da Feira Livre no Museu Emílio Goeldi, com produtos orgânicos produzidos por detentos da Colônia Agrícola de Santa Isabel, no Projeto Nascente, ocorreu no último sábado (22), numa parceria entre a Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) o Pro Goeldi. Foram comercializados hortaliças, frutas, farinha, tucupi e plantas ornamentais, medicinais e aromáticas, além de utensílios de madeira e artesanatos – tudo produzido pelos presos.
Todos os produtos são livres de agrotóxicos. O Projeto Nascente capacita os internos da Colônia Agrícola de Santa Isabel para o trabalho com agricultura familiar. Além de alimentos mais saudáveis, a feira também ofereceu produtos em média 20% mais baratos em relação a feiras e supermercados da cidade. O consumidor encontrou produtos como coentro, alface, couve, abóbora, chicória, melancia, banana e mais de 80 mudas.
A feira também comercializou artigos de marcenaria produzidos por internos do Centro de Recuperação do Coqueiro (CRC) e artesanatos feitos pelas detentas da Cooperativa de Arte Feminina Empreendedora (Coostafe), do Centro de Reeducação Feminino (CRF).
Para quem pratica atividades físicas em torno do museu, a feira foi uma oportunidade para comprar alimentos saudáveis. "Caminho todos os dias aqui. Achei ótimo encontrar produtos orgânicos produzidos por presos. Muitas vezes consumimos os produtos e não sabemos, ao certo, a procedência. Desta forma, sabemos de onde eles vêm e de que forma são produzidos. Também ajudamos um projeto social dessa relevância", afirmou Denise Farah.
A farmacêutica Carla Rodrigues mora nas proximidades do museu. Ela aguardava por uma iniciativa dessa há bastante tempo. "Essa feira tem tudo a ver com a história do museu, e ele merecia um espaço como esse. Os produtos oferecidos aqui são bonitos e de ótima qualidade. Gostei muito de conhecer os projetos em que os presos são inseridos. Fico muito feliz em contribuir de alguma forma para o incentivo ao trabalho e à produção deles", afirmou.
A coordenadora de Comunicação e Extensão do Museu Emílio Goeldi, Maria Emília Sales, avaliou de forma positiva a primeira edição da feira de orgânicos. "Nossa expectativa foi superada pela grande presença do público. Percebemos que as pessoas gostaram bastante dos produtos oferecidos. Estamos muito satisfeitos com a parceria da Susipe, pois entendemos a necessidade de reeducação e ressocialização da pessoa presa. Com essa feira, estamos contribuindo para que essas pessoas possam voltar de forma melhor ao convívio em sociedade", destacou.
"Mas uma meta cumprida, dentro dessa programação, em comemoração aos 150 anos de fundação do Museu Emílio Goeldi. Como esperávamos, o público em volta do museu compareceu, prestigiou os produtos oferecidos e conheceu os projetos que executamos. Estamos muito felizes com o resultado desta primeira edição e temos certeza que as próximas feiras serão um sucesso ainda maior", afirmou o superintendente da Susipe, André Cunha.
Polo agroindustrial que surgiu da reestruturação da Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel – unidade que custodia presos do regime semiaberto da Susipe –, o Projeto Nascente visa aumentar a oportunidade de trabalho para os internos, por meio de capacitação técnica em atividades laborais no campo da agropecuária.
Os internos também cultivam plantas ornamentais, tubérculos, frutas e plantas tropicais. Trabalham ainda com criação de patos, compostagem (produção de adubo orgânico), meliponicultura (criação de abelhas sem ferrão) e olericultura (produção de hortaliças).
Texto:
Timoteo Lopes

Pará Rural e SEPLAN realizam Feira da Agricultura Familiar
Em comemoração à Semana do Servidor Público, o Pará Rural e a Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan) promovem na quarta-feira (26), de 7h30 ao meio-dia, a Feira da Agricultura Familiar, no estacionamento da Seplan (Rua Boaventura da Silva, 401/ 403, Reduto). O evento terá a participação de produtores de diversos municípios do Estado, que vão comercializar produtos como hortifrúti, laticínios, mel, licores, farinha, tucupi e artesanato.
Texto:
Andréa Veiros

Ideflo-bio leva curso de manejo de açaizais a comunidades rurais de Afuá
O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Pará (Ideflor-bio) promove nesta segunda-feira (24) em Afuá, na Ilha do Marajó, em três comunidades do entorno do Parque Estadual Charapucu, um curso de manejo de açaizais. O objetivo é mudar a forma de exploração na região, que atualmente sofre com a retirada indiscriminada de palmito sem o manejo adequado, o que prejudica a cadeia ecológica.
A ação vai até sábado (29) e tem parceria da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater). Os participantes do curso recebem cartilhas, doadas pela Emater de Macapá. O Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), da Polícia Militar, também está presente no trabalho.
A gerência do Parque Charapucu, na companhia do secretário municipal de Meio Ambiente de Afuá, Décio Quintas, visitou no domingo (23), na Ilha Camaleões, o projeto Quelônios da Amazônia, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). A iniciativa visa a preservação das tartarugas da Amazônia, principalmente as da espécie Podocmenis expansa.
Texto:
Denise Silva

Servidor do Estado recebe salário de outubro a partir de quarta-feira
Os funcionários públicos estaduais, da administração direta e indireta, começam a receber os salários de outubro a partir da próxima quarta-feira (26). Segundo o cronograma da Secretaria de Estado de Administração (Sead), serão pagos os vencimentos, primeiramente, dos inativos civis e militares, pensionistas civis e militares e dos pensionistas especiais da Sead. O calendário de pagamento termina no dia 31, com os servidores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) da capital e do interior.
Datas da folha de outubro:
Dia 26 (quarta-feira) – Inativos militares e pensionistas militares, inativos civis, pensionistas civis e pensionistas especiais da Sead;
Dia 27 (quinta-feira) – Auditoria Geral, Casa Civil, Casa Militar, Defensoria Pública, Gabinete da Vice-Governadoria, Procuradoria Geral, Sedap, Sectet, Sead, Sefa, Seplan, Semas, Secult, Seel, Sedeme, Sejudh, Sedop, Sespa, Seaster, Setran, Secom e Setur, NGTM, NEPMV, NGPR E NAC;
Dia 28 (sexta-feira) – Corpo de Bombeiros, Polícia Civil, Polícia Militar, Segup, Adepará, Arcon, Asipag, Codec, Ceasa, Cohab, CPC Renato Chaves, Detran, EGPA, Emater, FCG, FCP, Fasepa, Funtelpa, Fapespa, Hospital de Clínicas, Hospital Ophir Loyola, Hemopa, Imetropará, Iasep, Igeprev, Imprensa Oficial do Estado, Iterpa, Jucepa, Prodepa, Santa Casa, Susipe, Uepa, Ideflor-Bio, CPH e Fundação Pro Paz;
Dia 31 (segunda-feira) – Seduc (capital e interior).
Texto:
Mário Costa

Ophir Loyola e Instituto Avon levam ação do Outubro Rosa à Praça da República
Dicas de saúde, alimentação saudável, distribuição de material informativo, serviço de maquiagem, caminhada e orientações sobre os exames de rastreamento e fluxo de atendimento do câncer de mama marcaram a ação educativa do Hospital Ophir Loyola em parceria com o Instituto Avon, que apoia causas importantes para as mulheres em todo o mundo, realizadas neste domingo (23), na Praça da República.
Cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados por medidas como alimentação saudável, prática de atividade regular e manutenção do peso ideal, conforme dados do relatório de Incidência do Câncer no Brasil, elaborado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca). Por esse motivo, os profissionais saíram dos muros do hospital para fazer o alerta sobre os fatores que protegem contra as neoplasias, principalmente contra o câncer de mama, o segundo mais incidente no Pará.
Rosário Fernandes, que é coordenadora da Divisão de Educação Continuada e Prevenção do Câncer, explicou que como Centro de Alta Complexidade em Oncologia e Hospital de Ensino, o Ophir Loyola qualifica os profissionais e acadêmicos para a promoção de ações de educação em saúde.
“Ainda existe as dificuldades de acesso à informação e aos serviços de saúde na nossa região, por isso é imprescindível ser orientado por um profissional de saúde para aprender a prática do autoexame, da prevenção para reduzir o índice de mortalidade e contribuir para que as pacientes cheguem ao hospital com diagnóstico precoce para receber a cura”, informou Rosário.
Entre 1996 e 2014 foram a óbito 2.851 mulheres vítimas de câncer de mama no Pará, conforme os dados do Departamento de Informática (Datasus) do Ministério da Saúde. Até o final do ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca) são esperados 830 casos novos da doença entra as mulheres paraenses.
Somente o Ophir Loyola já atendeu 425 casos novos, de janeiro até agosto. O hospital dobrou o número de mastectomias (cirurgia para a retirada da mama doente), para alcançar 60 mulheres por mês e até dezembro serão realizados cinco mutirões de cirurgias mamárias.
Gerssiane Carvalho é uma das pacientes do hospital e fez questão de comparecer à programação para ajudar no trabalho de combate à doença. Há três anos, ela perdeu um dos seios e realizou a cirurgia de reconstrução no mesmo dia. “Nós queremos evitar que mais mulheres passem por este sofrimento, alertando para que se toquem cada vez mais cedo e façam exames periódicos de mamografia e ultrassonagrafia. À época, estava acima do peso e não conseguia tocar o nódulo e apenas a ultrassom mamária identificou o câncer”, alertou.
Um dos parceiros da campanha do Outubro Rosa é o Instituto Avon, uma organização ligada a uma empresa privada, que financia projetos de combate à mortalidade por câncer de mama que já beneficiaram mais de dois milhões de mulheres no mundo. O Instituto fez a doação de um mamógrafo digital com Sistema Senograple Essential Stereotaxyc, um dos mais modernos do Norte do país, para o hospital. O equipamento já está realinhado com área elétrica, física, controle de imagem e tem previsão para funcionar até o final do ano.
“O Instituto  defende duas grandes causas, uma é a prevenção contra o câncer de mama e a segunda é a luta contra a violência doméstica. Neste mês, estamos mobilizados para conscientizar todas as mulheres a fazer o autoexame e a prevenção. Nós ficamos muito orgulhosos e felizes com a doação do mamógrafo para o Ophir Loyla, que é um centro de tratamento de referência não só para o Pará, mas para outros estados, e com isso contribuir para salvar vidas”, disse Ricardo Morbach, gerente divisional do Instituto Avon.
A programação do Outubro Rosa, destinada a conscientizar sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama, prossegue até o final do mês com mutirões de cirurgias. No próximo dia 26, das 9h às 12h, com o tema “Nem todas as princesas usam coroas, as nossas usam lenços”, haverá uma programação especial voltada para autoestima das pacientes com a apresentação do grupo de teatro – Wilson Trindade, apresentação de aula de Zumba com as pacientes, aula de dança do ventre, oficina de lenços, manicure, maquiagem, design de sobrancelhas, entrega de lenços e um momento de reflexão.
Texto:
Leila Cruz

Aprovado projeto que incentiva a inovação, pesquisa científica e tecnológica no Pará
Na Sessão Ordinária realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), nesta  terça-feira, (25/10), os deputados aprovaram vários projetos de autoria do Poder Legislativo, do Poder Executivo e do Tribunal de Justiça do Estado...

Leia o texto completo no site. Clique aqui. 
Texto:
Mara Barcellos

Trabalho escravo é tema de formação de professores da rede estadual de ensino

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) realizará, por meio do Centro de Formação de Profissionais da Educação Básica do estado do Pará (Cefor), em parceria com a ONG Repórter Brasil, Ministério do Trabalho, Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) e Secretaria Extraordinária de Estado de Integração de Políticas Sociais (SEIPS), uma formação sobre o tema “Escravo, nem pensar” destinada a professores da rede estadual de ensino. A formação acontecerá no período de 25 a 27 de outubro, de 8 as 18h, no auditório da Escola de Ensino Técnico Magalhães Barata, localizada na TV Municipalidade, entre Djalma Dutra e José Pio.
A Repórter Brasil foi fundada em 2001 por jornalistas, cientistas sociais e educadores com o objetivo de fomentar a reflexão e ação sobre a violação aos direitos fundamentais dos povos e trabalhadores no Brasil. Devido ao seu trabalho, tornou-se uma das mais importantes fontes de informação sobre trabalho escravo no país. Suas reportagens, investigações jornalísticas, pesquisas e metodologias educacionais têm sido usadas por lideranças do poder público, do setor empresarial e da sociedade civil como instrumentos para combater a escravidão contemporânea, um problema que afeta milhares de pessoas.
A ONG tem como missão identificar e tornar públicas situações que ferem direitos trabalhistas e causam danos socioambientais no Brasil visando à mobilização de lideranças sociais, políticas e econômicas para a construção de uma sociedade de respeito aos direitos humanos, mais justa, igualitária e democrática.
Nos três dias de formação serão abordados os seguintes assuntos: migração, aliciamento e trabalho escravo; ação da sociedade civil sobre o combate ao trabalho escravo; ação do Estado; trabalho infantil; tráfico de pessoas; ação do estado e da sociedade civil; abordagem de experiências escolares; abordagem de experiências escolares, entre outros.
Texto:
Eliane Cardoso

Fundação Cultural do Pará promove workshop de Interpretação no Canto Popular Brasileiro
Entre os dias 31 de outubro e 5 de novembro, a Casa das Artes, da Fundação Cultural do Pará (FCP), promove um workshop de Interpretação no Canto Popular Brasileiro. A Atividade será ministrada pelo cantor paulista Zé Luiz Mazziotti. As inscrições já estão abertas para as turmas da manhã e da tarde e o valor é 20 reais.
A atividade tem o propósito de proporcionar a cantores iniciados e experientes, músicos profissionais, técnicas de interpretação que trabalhem a expressão vocal e a emoção do intérprete nas canções. Serão oferecidas duas turmas com 20 vagas em cada horário. Das 10h às 12h, e das 15h às 17h, de segunda a sexta-feira, e no sábado, as duas turmas no horário das 15h às 17h. Ao final das atividades, haverá um pocket show com todos os alunos do workshop.
“O que vemos no cenário artístico da MPB de hoje é um punhado de cantoras e cantores sem muita expressão. A escola de interpretação até hoje foi feita por cantoras como Dalva de Oliveira, Isaurinha Garcia, Elizeth Cardoso, Elis Regina, Maysa e que cantavam com a alma, que emocionavam o público com suas 'histórias' tão bem contadas, que cada um de seus ouvintes acreditava ser sua própria história”, diz o compositor Zé Luiz Mazziotti.
Zé Luiz Mazziotti é um cantor paulista, nascido em Rio Claro, cantou com grandes nomes da MPB como Elizeth Cardoso, Ângela Maria, Zezé Gonzaga e Jamelão, tendo participado de grandes projetos, como o “Pixinguinha”, no Rio de Janeiro. Em 1979 gravou seu primeiro LP, "Zé Luiz", com arranjos de Gilson Peranzzetta e Dori Caymmi e participação de Nana Caymmi. Seu segundo álbum é de 1981, "Sinais", seguido de "...E o Amor Falou", produzido por Nana Caymmi.
Em 1994, lança o CD "Zé Luiz Mazziotti" (Perfil Musical), com produção da cantora Leny Andrade. Em 2009 ingressou na Escola de Música do Estado de São Paulo, onde leciona aulas de interpretação do canto popular.
Colaboração de Yves Gabriel - estagiário de Comunicação Social
Texto:
Andreza Gomes

Artistas e público aprovam Arena Guilherme Paraense
Fafá de Belém, Pinduca, Nilson Chaves, Liah Soares. Esses foram alguns nomes dos artistas que subiram ao palco móvel da Arena Guilherme Paraense – Mangueirinho, na noite deste domingo (23), durante a programação que marcou a inauguração do espaço multiuso.
Com capacidade para receber 12 mil pessoas, a Arena permite a realização de eventos esportivos e culturais. Foi o que aconteceu neste domingo, com a apresentação de artistas regionais em um grande show de tributo à cultura paraense. O acesso à Arena foi gratuito mediante apresentação de ingressos, que foram distribuídos nas bilheterias da Arena Guilherme Paraense e no Theatro da Paz.
"A Arena ficou nota dez. Está maravilhoso. Ter uma obra dessa qualidade no nosso estado é motivo de orgulho. É a valorização do esporte e também da nossa cultura. Merecemos demais”, relatou Pinduca, animado, momentos antes do show.
Nos bastidores do evento, enquanto os últimos ajustes eram feitos no figurino, maquiagem e instrumentos musicais, a cantora Fafá de Belém já comemorava a inauguração da praça esportiva. “Esperamos muito tempo por essa Arena, que é um marco. Ela será um polo de esporte e cultura e, consequentemente, de melhoria na vida das pessoas. Fazer parte desse momento com o povo da minha terra é uma honra e isso faz com que eu fique nervosa como se fosse me apresentar pela primeira vez”, afirmou a cantora que iniciou o show interpretando o hino do Pará.
Um pouco antes de entrar no palco, Keila Gentil, disse que espera que o espaço seja conservado para que sonhos sejam construídos. “Agora, que temos um espaço como esse, devemos cuidar. A população terá acesso ao esporte e cultura, e isso é importante. Preservar esse ambiente e sonho é fundamental”, destacou.
Público - Ana Clara Maia, 45, assistiu aos shows acompanhada de sete amigos e gostou muito do que viu. “Estou impressionada. É bem sinalizada, limpa e confortável. O som é muito bom também. Obras dessa qualidade valorizam a área e isso é ótimo para quem mora nas proximidades”, reiterou.
"É importante destacar que a Arena Guilherme Paraense foi feita para construir sonhos esportivos e culturais de modo que o povo paraense seja o grande beneficiado. Hoje, estamos tendo a primeira experiência cultural e o potencial que percebemos é do tamanho que a Arena tem. Nada mais justo que fazer esse tributo à nossa cultura em um local que receberá muitos outros grandes eventos”, complementou o governador Simão Jatene, que participou da programação.
Segundo a organização do evento, cerca de 6 mil estiveram presentes nas arquibancadas da Arena para acompanhar as seguintes apresentações musicais: Fafá de Belém, Pinduca, Ximbinha, Almirzinho Gabriel, Keila Gentil, Lia Sophia, Liah Soares, Manoel Cordeiro, Felipe Cordeiro, Edilson Moreno, Nilson Chaves, Lucinnha Bastos, Arthur Espíndola, Kim Marques, Arraial do Pavulagem, Andreia Pinheiro, Paulo José Campos de Melo, Paulo André Barata, Banda Fruto Sensual, Mahrco Monteiro, Banda Xeiro Verde, Viviane Batidão, Juninho Pop e Grupo de Dança Trilhas da Amazônia. 
Texto:
Sérgio Moraes

Abrigo Estadual é porto seguro de mulheres vítimas de violência no Pará
Mesmo sendo o “homem da casa”, o trabalhador que paga as contas, o pai dos seus filhos, isso não lhe dá o direito de também ser o seu agressor. Esse quadro é visível em muitas famílias, por isso a escolha por mudar a realidade da violência doméstica não é fácil de ser tomada. Não é fácil porque os vínculos estabelecidos entre o agressor e as vítimas passam por questões psicológicas, sociais e familiares. Muitas delas não recebem apoio da família nem do grupo social a que pertencem e se veem isoladas e obrigadas a permanecer nessa situação.
O Abrigo Estadual de Mulheres, vinculado à Secretaria Estadual de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), surgiu como um refúgio para as vítimas de violência doméstica que têm suas vidas ameaçadas. No Pará, existem quatro unidades: Belém, Santarém, Altamira e Marabá. A localização é sigilosa para garantir a segurança das mulheres que passam pelo local.
“As mulheres que são encaminhadas para cá têm que registrar o boletim de ocorrência. Na delegacia, a equipe verifica se existe ameaça de morte, e nos casos em que há, é dada a opção dessa mulher ser acolhida no abrigo”, explica a gerente da unidade de Belém, Maricely Bassalo.
O prazo do acolhimento pode ser estendido por 90 dias ou mais, em alguns casos específicos. As mulheres direcionadas para o abrigo recebem acompanhamento psicológico e só deixam o local com as medidas judiciais que garantem sua integridade. “A maioria delas traz também os filhos consigo, por isso temos brinquedoteca, berços e tudo que é necessário para acolher também as crianças”, informa Maricely.
Além dos filhos de até 14 anos de idade, as mulheres também podem levar consigo parentes do sexo feminino que também estejam na condição de ameaça. Outro trabalho importante que é realizado pela equipe do local é o resgate dos vínculos familiares dessas mulheres. “Muita delas brigam com a família para ficar com os agressores e, quando rompem o laço com ele, têm dificuldade de serem aceitas pela família. Mas elas precisam do apoio desses familiares nesse momento, por isso nesses casos são realizadas visitas técnicas com o intuito de restabelecer essa conexão”, explica a psicóloga do abrigo, Maria Elizabete Coelho.
Vítima - Por 15 longos anos, uma das mulheres atendidas pelo Abrigo foi alvo de agressões cometidas pelo homem que acreditava que seria seu parceiro por toda vida. A diarista conta que até os cinco anos de relacionamento tudo ocorreu normalmente, mas depois disso ele começou a espancá-la com frequência. “A maioria dos meus irmãos não queria que eu ficasse com ele, mas a minha mãe gostava dele e dizia sempre: ‘volta com ele, porque ele é trabalhador’”, relata.
A última agressão sofrida por ela foi após o fim de semana do Círio. Ela trabalhou sábado e domingo na casa de uma família. Durante os dois dias que ficou fora, seu marido ligou diversas vezes, porque não acreditava que ela estivesse trabalhando. “Quando eu cheguei em casa, ele estava me esperando e perguntou onde eu estava. Eu disse que estava trabalhando e ele já veio para cima de mim com uma foice”, relembra.
Pode parecer absurda a ideia de que a mãe da vítima apoiasse a permanência da filha ao lado do homem que a agredia, mas essa história é mais comum do que se imagina. Além disso, o fato dela ter filhos com o ex-companheiro também influenciou na decisão de suportar a violência que sofria. “Eu não tinha para onde ir com os meus três filhos pequenos. Eu tinha medo também, então acabava voltando para ele”, explica.
Maria da Penha - Instituída em 7 de agosto de 2006, a Lei Maria da Penha garante muito mais do que punições à quem comete agressões contra mulheres. Ela também “estabelece medidas de assistência e proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar”. Além disso, a lei também garante direitos na área trabalhista. O capítulo II, artigo 9° diz que “o juiz assegurará à mulher em situação de violência doméstica e familiar, para preservar sua integridade física e psicológica: (...) manutenção do vínculo trabalhista, quando necessário o afastamento do local de trabalho, por até seis meses.”
Texto:
Inara Soares

Show com artistas regionais tem ingressos disponíveis na Arena Guilherme Paraense
Os ingressos para o tributo à cultura paraense que será feito na Arena Guilherme Paraense - Mangueirinho, neste domingo (23), a partir das 18h, ainda estão disponíveis.
Para ter acesso ao evento, o público deve se dirigir às bilheterias da Arena, que fica na Av. Augusto Montenegro, ao lado do Estádio Olímpico do Pará, e solicitar os bilhetes, entre 14h e 18h deste sábado (22) e a partir das 10h deste domingo (23). A entrada será gratuita.
A Arena conta com amplo estacionamento, sistemas de áudio, vídeo, vigilância e climatização de última geração, que garantirão o conforto dos presentes durante este e todos os outros eventos realizados no local. Além disso, o público contará com 24 banheiros (oito para pessoas com deficiência), oito bares e lanchonetes.
Grandes shows marcarão o domingo no ‘’Mangueirinho’’. As atrações serão Fafá de Belém, Pinduca, Ximbinha, Almirzinho Gabriel, Keila Gentil, Lia Sophia, Nilson Chaves, Liah Soares, Manoel Cordeiro, Felipe Cordeiro, Edilson Moreno, Lucinnha Bastos, Arthur Espíndola, Kim Marques, Arraial do Pavulagem, Andreia Pinheiro, Paulo José Campos de Melo, Paulo André Barata, Banda Fruto Sensual, Mahrco Monteiro, Banda Xeiro Verde, Viviane Batidão, Juninho Pop e Grupo de Dança Trilhas da Amazônia. 
Texto:
Sérgio Moraes

Estado combate o Bulling e Cyberbulling nas escolas
"Eu fui vítima de cyberbulling. Fui agredido por calúnias que fizeram contra mim na internet. A experiência é perturbadora’’. Este relato é de uma vítima de cyberbulling, prática ofensiva disseminada na internet que tem se tornado comum no Brasil. No Pará, crimes deste tipo são combatidos pela Delegacia de Crimes Tecnológicos, da Polícia Civil, com apoio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Fundação Pro Paz, que atuam em escolas.
Segundo a vítima, que estuda em um colégio estadual de Belém, o caso começou quando uma aluna da escola em que estudam demonstrou comportamentos homofóbicos. "Ela compartilhou mentiras sobre mim porque sou homossexual. Histórias constrangedoras que me feriram. No início de tudo, quis ser transferido para outra escola, mas a direção me deu o apoio que precisei, então, resolvi ficar, já que eu sonhava estudar aqui", lembra.
A ação conjunta dos três órgãos é resultado de um projeto-piloto chamado “Formação para Prevenção e Combate da Prática do Bullying e Cyberbullying e Demais Crimes Virtuais nas Escolas’’, promovido pelo Núcleo de Pacificação e Prevenção da Violência (Nuprev) da Polícia Civil, que tem a missão de conscientizar educadores, pais e alunos sobre os malefícios de práticas dessa natureza.
Segundo a assistente social da Polícia Civil, Ângela Campos, atualmente, 37 escolas estaduais e 16 privadas contam com o Sistema Integrado de Combate ao Bulling, Cyberbulling e Demais Crimes Virtuais para prevenir intercorrências. "Capacitamos para educar e educamos para não punir. Trabalhamos com a prevenção. Caso seja necessário intervir, os menores e maiores de idade responderão como a lei determina", explica.
Ação preventiva
A professora e formadora do Núcleo de Tecnologia Educacional da Seduc, Dalva Guedes, destaca a importância da iniciativa que atende a Lei n°13.185, instituída em novembro de 2015. "O projeto nos dá a oportunidade de nos aproximarmos do núcleo familiar dos jovens para fazer um acompanhamento continuado. A intenção não é combater casos isolados, mas prevenir a partir da conscientização sobre o respeito. A empatia é fundamental para que possamos coexistir".
Campos conta como funciona a parceria entre os órgãos. "A parceria com a Seduc se concentra em casos que tenham acontecido em âmbito escolar. A atuação, que é feita em conjunto com o Pro Paz, visa coibir casos que tenham cunho de violência sexual, tanto dentro como fora da escola. A Polícia Civil está atenta a todos os casos junto com a Defensoria Pública do Estado e Ministério Público Estadual".
A titular da Delegacia de Prevenção e Repressão a Crimes Tecnológicos da Polícia Civil, Vanessa Lee, conta que exemplos de casos reais são usados para conscientizar os estudantes. “Nós mostramos a eles como o bullying e cyberbulling afeta as vítimas e as consequências deste ato criminoso para os agressores. Esclarecemos, principalmente, a questão da consequência, algo que muitos adolescentes não percebem ao praticarem algum ato deste tipo dentro ou fora da internet’’.
Perfis
A delegada aponta que as maiores vítimas do bulling e cyberbulling são meninas, negros, pessoas de baixo poder aquisitivo, deficientes físicos ou mentais e homossexuais. A intolerância por aqueles que são diferentes ou não se encaixam em algum padrão é um dos maiores motivos. Além da conscientização das vítimas, Lee fala da importância de evitar a “plateia”, que seria caracterizada por aqueles que estimulam, riem e concordam com os atos do agressor.
A delegada destaca o perfil dos agressores como pessoas que geralmente querem ser sempre o centro das atenções. "Na maioria dos casos possuem algum tipo de problema familiar, principalmente relacionado a violência doméstica. Como consequência eles tentam o poder de dominação e intimidação em suas outras esferas de relacionamento, como a escola, tentando de alguma maneira compensar a falta de poder e atenção que possuem em casa. Identificar e avaliar cada situação é essencial para cuidar de forma adequada deste tipo de pessoa, que pode precisar desde um momento de orientação ou até mesmo a intervenção policial’’.
De acordo com a delegada, a investigação dos casos é feita a partir dos rastros deixados na rede. "É possível seguir todo o comportamento do agressor pelos rastros deixados na rede, que servem como prova. Não há como se esconder, os responsáveis sempre serão identificados. Nada passa despercebido", esclarece.
Texto:
Sérgio Moraes

Uepa vai sediar Instituto Confúcio no norte do Brasil
A Universidade do Estado do Pará (Uepa) lançará em Belém, na próxima terça-feira (25), o Instituto Confúcio. Fruto de uma parceria com a Universidade de Shandong, na China, o Instituto ofertará cursos de mandarim (considerado o idioma oficial da República Popular da China) e bolsas para alunos da instituição, além de estreitar laços com o país que registra o maior índice de crescimento econômico atualmente. A cerimônia de lançamento terá dois eventos: o primeiro, no prédio onde funcionará o Instituto, às 15h30, e o segundo na Estação das Docas, às 18h.
A sede do Instituto Confúcio será no prédio da Editora da Uepa (Eduepa). As aulas das primeiras turmas iniciarão em junho de 2017. O objetivo é difundir a língua e a cultura chinesas ao redor do mundo, à medida que a importância econômica e estratégica da China aumenta. A Uepa será a primeira instituição de ensino superior a sediar o Instituto no norte do Brasil.
Uma comitiva de chineses virá a Belém participar do lançamento, incluindo dois representantes da Embaixada da China no Brasil; dois jornalistas; o reitor da Universidade de Shandong, Tang Bo, além de diretores, pró-reitores e um grupo de 22 alunos e professores do Departamento de Artes do Instituto, que farão apresentações de danças típicas durante a cerimônia. Todos eles participarão dos dois eventos inaugurais, e incluirão na agenda uma visita à Reitoria da Uepa, às 9h.
Intercâmbio - O grupo promete uma ampla demonstração da cultura chinesa na Estação das Docas. Serão nove apresentações de dança, música e artes marciais, entre as quais solos de instrumentos típicos da Província de Shandong, como o Er Hu e o Sheng, e até mesmo uma dança intitulada “A Imagem da América”, mostrando como os chineses vêem a América do Sul.
“Essa troca de conhecimentos é muito importante para nós e para eles. Os chineses vêm trabalhando fortemente essa difusão da sua cultura, e cada parceria é muito celebrada por eles. Além disso, a China é um mercado forte e em expansão, e essa interação será muito benéfica para os alunos da Uepa”, afirma o diretor do Instituto, Antônio Carlos Silva. 
Inicialmente serão oferecidas 15 bolsas para estudantes da Uepa, de graduação, mestrado e doutorado. Para a professora do Instituto, Xu Mengze, as bolsas construirão pontes entre as instituições. “Além do ensino da língua e da difusão da cultura, o objetivo é estabelecer parcerias entre universidades. No próximo ano, vamos mandar estudantes nossos para estudar e os estudantes brasileiros poderão frequentar cursos na nossa universidade, na China. Vamos oferecer bolsas, que incluam residência e alojamento”, informa Xu Mengze.
Potencial - O vice-diretor do Instituto Confúcio, Pang Hui, acredita que as parcerias com o Brasil são importantes pela proximidade de interesses entre os dois países. “China e Brasil são dois países muitos grandes e com potência econômica muito forte. Através dessa relação acadêmica e institucional vamos estabelecer cooperações econômicas, nas ciências e em outras áreas. No norte do Brasil nós somos o único Instituto Confúcio. Ligamos dois países, duas universidades, duas cidades”, reitera.
O reitor da Uepa, Juarez Quaresma, afirma haver potencial nessa parceria, sobretudo para o desenvolvimento da região. “Esse acordo de cooperação é de interesse do Estado do Pará. Cada vez mais os negócios com a China têm se expandido no Brasil, e o Pará tem vários interesses comuns com a China. Esse Instituto nos interessa para o desenvolvimento do nosso estado, por meio do ensino da língua e da cultura chinesa, com o objetivo de estreitar os laços entre os dois países”, afirma o reitor.
A parceria envolvendo a Uepa já vinha sendo discutida entre o Governo do Pará e representantes do Instituto Confúcio há cerca de três anos. O acordo foi efetivado em 2014, quando o Governo Federal e o presidente da China, Xi Jinping, assinaram um acordo para a instalação de sedes do Instituto no Brasil.
Texto:
Fernanda Martins





Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...