Total de visualizações de página

quinta-feira, agosto 15, 2013

NA SEGUNDA TEM DATA LIMITE PARA RENOVAÇÃO DO IPVA DOS CARROS





Governador entrega revitalização do Ophir Loyola















As obras de revitalização e higienização do segundo pavimento do Hospital Ophir Loyola, em Belém, foram entregues nesta quarta-feira, 14, pelo governador Simão Jatene, que visitou o espaço acompanhado do vice-governador, Helenilson Pontes, dos secretários de Saúde, Hélio Franco, e de Comunicação, Ney Messias, e do diretor geral do HOL, Vitor Moutinho. Resultado de uma obra orçada em quase R$ 2 milhões, o andar passou por uma reforma total para garantir mais comodidade aos pacientes oncológicos e passa a ser um dos maiores espaços para internação da unidade.
Com mais de quatro mil metros quadrados, o andar abriga nove clínicas, sendo oito na área de Oncologia, somando 95 leitos e ainda, bloco cirúrgico, Centro de Terapia Intensiva (CTI), Hospital Dia e Nutrição Enteral. Para revigorar o ambiente e proporcionar um atendimento mais moderno e humanizado aos pacientes, o espaço passou por uma reforma total que incluiu pintura geral, troca de forros, pisos e portas deteriorados, instalação elétrica, instalação de barras para portadores de necessidades especiais nos banheiros e climatização geral.
“Foi um processo de revitalização de uma área de que era crítica aqui no Ophir Loyola, onde inclusive nós temos um centro cirúrgico. Quem recorda sabe como esse lugar era antes, escuro e fechado, com poucas condições de trabalho. Esse processo, que não foi fácil, reflete um esforço do Governo do Estado em melhorar a qualidade do atendimento oferecido à população. Aqui temos sete salas de cirurgia, e esse foi justamente o nosso maior desafio, porque a reforma precisava ser feita sem que nenhuma delas parasse. Foi um processo longo e muito trabalhoso, por isso também quero agradecer o empenho de todos que participaram desse processo, em especial os pacientes, que já enfrentam tantos problemas. Mas é justamente para que eles tenham a melhor assistência que fizemos tudo isso”, afirmou o governador.
A massoterapeuta Kátia Vasconcelos, que há dois anos acompanha a mãe Ione Vasconcelos, 79, no tratamento contra o câncer, aprovou as novas instalações. Para ela, o espaço oferece mais comodidade tanto para os pacientes quanto para os acompanhantes. “Está mais limpo e organizado. A gente se sente mais acomodado”, observou, enquanto aguardava o resultado da segunda cirurgia feita pela mãe desde que recebeu o diagnóstico de câncer. Para assegurar o tratamento, mãe e filha precisam se deslocar de Macapá para Belém. “Lá não temos centros de referência oncológicos. Então só tenho a agradecer à equipe do hospital por tudo o que fizeram até agora. Todos são muito cuidadosos conosco”, relatou.
De acordo com o diretor geral do Ophir Loyola, Vitor Moutinho, a reforma permitirá aumento de vagas para pacientes oncológicos. “Aumentamos as clínicas e isso, consequentemente, vai se refletir na diminuição da fila”, destacou. Segundo ele, atualmente existem cerca 200 pacientes aguardando leitos para internação, com dois a três meses de espera. “Acreditamos que as coisas possam fluir com mais rapidez. Nossa meta é iniciar o tratamento dos pacientes em no máximo até 60 dias após o diagnóstico”.
Além do segundo andar, Vitor Moutinho destacou outros investimentos no hospital. Até o final de agosto será concluído o trabalho de adequação para a instalação do equipamento para exames de hemodinâmica. E ainda este ano serão iniciadas as obras de instalação do novo equipamento de ressonância magnética que será adquirido pelo hospital, avaliado em R$ 2,5 milhões. “O hospital não para e as reformas têm que ser contínuas. Por isso, vários espaços já passaram por obras, como é o caso do quinto andar e do térreo, já concluídas”, ressaltou.
Valorização - Na ocasião, o governador também fez a entrega de 79 Cheques Moradia para servidores do Ophir Loyola. Os benefícios, concedidos através da Companhia de Habitação do Pará (Cohab) para construção, reforma e  adequação de moradias, totalizaram um investimento de mais de R$ 800 mil. A auxiliar operacional Wanda Alcântara, de 59 anos, foi uma das servidoras contempladas. “É um grande presente”, afirmou a servidora, que trabalha no HOL há 30 anos.
Segundo a presidente da Cohab, Noemia Jacob, desde que o Cheque Moradia foi criado, durante primeira gestão de Simão Jatene, já beneficiou 24 mil famílias. “Destas, 22 mil foram beneficiadas em gestões do governador Jatene”, acrescentou, ressaltando que a valorização do servidor é o principal objetivo do programa. “Com o tempo isso foi ganhando outras proporções, e hoje ele é mais do que um programa habitacional, é um instrumento de inclusão social”, destacou.

Texto:
Amanda Engelke-Secom


Projeto do Mangal das Garças estimula a consciência ambiental
O grupo de palhaços da Trupe de Bubuia apresenta neste domingo (18), no Mangal das Garças, dentro do projeto Teatrinho do Mangal, uma história educativa que se passa na Ilha de Caratateua. O espetáculo “Passeando no Outeiro” começa às 10h30, no entorno do Memorial Amazônico da Navegação. A entrada é franca.
Na história, os amigos Rubilota, Jojoca, Pierierieca e Chorona resolvem ir à praia, mas no meio do caminho aparecem muitos problemas. “Eles vão enfrentar um trânsito terrível. O ônibus vai estar lotado, e quando eles finalmente conseguem chegar, encontram uma praia toda suja”, conta o ator Joécio Lima.
“Todos resolvem tomar banho, mas ao entrarem na água, sentem que a sujeira ali é muito grande também. Neste momento, eles começam a falar sobre as consequências de não cuidar da natureza”, diz o ator. É com esta proposta que os artistas vão abordar a questão do meio ambiente e a consciência ambiental.
O Teatrinho do Mangal ocorre quinzenalmente, aos domingos, no Mangal das Garças, tendo como principal missão a educação ambiental. O projeto é coordenado pela organização social Pará 2000, que administra o Mangal. A programação completa pode ser vista pelo site www.mangalpa.com.br e nas redes sociais.
Serviço: A Trupe de Bubuia apresenta “Passeando no Outeiro”, neste domingo (18), a partir das 10h30, no entorno do Memorial Amazônico da Navegação, no Mangal das Garças (passagem Carneiro da Rocha, s/n, Cidade Velha). Entrada franca. Informações: (91) 3242-5052.

Texto:
Fernanda Scaramuzzini-Pará 2000


IPVA com descontos para finais de placa 49 a 69 deve ser pago até segunda-feira
A próxima segunda-feira (19) é o último dia para pagar com descontos o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), para proprietários de carros com finais de placas 49 a 69. No Departamento de Trânsito do Pará (Detran), a data final para o licenciamento dos veículos com estas terminações é 13 de setembro.
O pagamento integral do IPVA dois meses antes do prazo final do licenciamento, para veículos que não têm multas de trânsito, garante o benefício do IPVA Cidadão. Os descontos são de 15% sobre o valor do imposto para quem está há dois anos sem multa; 10% para quem não recebeu multas no ano passado, e 5% nas demais situações. O desconto não é cumulativo.
O proprietário tem, ainda, a opção de antecipar o pagamento do IPVA em três parcelas, sem o desconto. Caso o contribuinte receba a notificação de multas de trânsito, referentes aos exercícios 2011 ou 2012, após o recolhimento em cota única com o benefício, perderá os descontos.
No Portal de Serviços da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa) é possível consultar as  datas de pagamento e os valores atuais, e optar pelo pagamento integral ou parcelado, além de emitir o Documento de Arrecadação Estadual (DAE), item IPVA Antecipação.
O pagamento do DAE é feito na rede bancária autorizada - Banco do Estado do Pará (Banpará), Banco da Amazônia, Bradesco, Banco do Brasil, Itaú e Caixa Econômica Federal - e nas casas lotéricas. Quando não há antecipação do recolhimento do imposto, o IPVA será  pago no boleto de licenciamento anual do Detran.
Mais informações são fornecidas pelo call center da Sefa, 0800-725-5533, ou pelo site da Secretaria (www.sefa.pa.gov.br), área do Manual de Atendimento.

Texto:
Ana Márcia Pantoja-Sefa


Secom tem novo endereço e telefones
A Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) estará funcionando em novo endereço a partir desta segunda-feira, 19. O novo prédio está localizado à Travessa Apinagés, nº 270, entre Rua dos Tamoios e Mundurucus, no bairro de Batista Campos, e o telefone geral de contato é (91) 3349-3533.


Primeiro grupo de concursados da Cosanpa toma posse em setembro
A Companhia de Saneamento do Pará tem um prazo de até dois anos para chamar os aprovados no concurso público realizado este ano. Mas a expectativa da comissão organizadora do certame é enviar, já na semana que vem, uma correspondência de convocação aos aprovados. Os primeiros concursados devem tomar posse nos cargos em setembro. A previsão é que até janeiro de 2014 todos os aprovados estejam exercendo suas funções. O concurso público 01/2013 da Cosanpa foi validado e a relação dos 588 aprovados - incluindo-se os classificados e o cadastro de reserva - publicada na edição de 09 de agosto de 2013 do Diário Oficial do Estado.
O Conselho de Administração da Cosanpa disponibilizou 174 vagas, em 45 cargos distintos e distribuídos pela Região Metropolitana de Belém e interior do estado. Dos 17.692 inscritos no concurso, apenas 588 foram aprovados em todas as etapas de classificação, que incluem desde a prova objetiva de múltipla escolha até provas de redação e de títulos para cargos de nível superior. Os 133 candidatos aprovados e classificados devem aguardar a convocação para contratação durante o prazo de validade do concurso . Dessa forma, ainda restam 41 vagas, a serem preenchidas com a realização de um novo concurso público.
A Comissão organizadora já prepara o edital do novo concurso, que ainda não tem data marcada para acontecer. O objetivo, em princípio será preencher as vagas que sobraram, mas a diretoria da empresa ainda definirá se novas vagas serão disponibilizadas. O número de candidatos aprovados, mas não classificados, é de 455, que a partir da homologação do concurso no Diário Oficial constitui-se no cadastro de reserva da Cosanpa.

Texto:
Andrea Cunha-Cosanpa
Fone: (91) 3202-8426 / (91) 8883-1147



O AUMENTO DA TARIFA DE ENERGIA
  Nicias Ribeiro

 Na quarta-feira passada, 07/08/2013, O Liberal noticiou, na primeira página do caderno “Poder”, que a tarifa de energia elétrica estava mais cara a partir daquela data, por decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), devido ao elevado custo da geração da energia proveniente das usinas termoelétricas, que, recorrentemente, têm sido utilizadas por causa do baixo nível de água nos reservatórios das usinas hidrelétricas. O reajuste, de que trata a notícia, é da ordem de 11,52% para os consumidores residenciais e de 4,36% para os consumidores de alta tensão, que é o comércio e a indústria.
 É claro que essa decisão da ANEEL causará um duplo impacto à população, e nisso concordo plenamente com o Departamento Intersindical de Estudos Sócio-Econômicos (Dieese/Pa): o primeiro pelo próprio reajuste da tarifa nas contas residenciais, bem acima da inflação; e o segundo, pela inflação que irá causar nos preços dos produtos, graças ao repasse que, por certo, ocorrerá nos reajustes do setor industrial e comercial. E, como era de se esperar, esse aumento da tarifa de energia repercutiu na Assembleia Legislativa do Estado, que, mais do que de depressa, convidou os diretores da CELPA para um debate a respeito, ocasião em que o seu presidente, Nonato Castro, teve a oportunidade de esclarecer que a CELPA não aumenta a tarifa de energia elétrica, ela apenas cobra a tarifa que é fixada pela ANEEL, que, par a quem não sabe, é um órgão do Governo Federal. E, adiante, deu as razões para essa decisão, que, como já dito, foi em razão do acionamento das termoelétricas, “que geram energia quatro vezes mais cara que as hidrelétricas”.
 Mas, em face das críticas de alguns Deputados em relação aos chamados eletro-intensivos, como a Albrás e a Alunorte, registre-se que os mesmos não são atendidos pela CELPA e sim pela Eletronorte. E quanto ao subsídio concedido pelo Governo Federal, à época dos governos militares, e que é superior a 50%, lamentavelmente foi renovado pelo ex-Presidente Lula, ainda, em seu primeiro mandato.
 Mas, voltando ao reajuste da tarifa da energia elétrica, que, aliás, será pago pelo consumidor já na próxima conta de luz, perguntamos: será que ainda tem algum paraense que, ainda, se diga contrário a construção de hidrelétricas na Amazônia, e em particular no Pará?...
 Percebam que a justificativa da ANEEL, para o aumento da tarifa da energia elétrica, é a utilização das usinas termoelétricas para gerar a energia que o Brasil precisa, cujo custo de geração é quatro vezes maior que o das nossas tão combatidas hidrelétricas, obviamente, por causa do uso de combustíveis fósseis, como o gás natural, óleo diesel e carvão mineral, que, além de serem altamente poluentes, são demasiadamente caros e que, por óbvio, reflete na tarifa.
 Será que, agora, os contestadores de plantão, poderão mudar de idéia a respeito da necessidade de se aproveitar os fantásticos potenciais hidrelétricos do Pará, para gerar a energia elétrica de que o Brasil tanto precisa para crescer economicamente e se desenvolver socialmente? E a um custo financeiramente mais barato?...
 Alguns dirão que até poderiam concordar, desde que a legislação tributária fosse mudada e o Pará seja remunerado pelo serviço prestado, de gerar energia para o Brasil. E por que não? Aliás, essa deve ser a luta de todos os paraenses.
 Nada de “choramingar” pedindo compensação. Não! Temos de exigir que o Pará seja remunerado pela energia que gere para o sistema interligado nacional, seja na forma de recolhimento do ICMS na geração; seja na forma de royalties, a exemplo do que ocorreu com o petróleo. E não confundir esse royalties da geração de energia, que ora aventamos, com os royalties ambientais que, este sim, funciona como compensação pelos danos ambientais que os reservatórios de acumulação causam à região do seu entorno.
Essa é a luta de todos aqueles que amam o Pará, até porque não há como impedir a União Federal de implantarhidrelétricas, uma vez que a Constituição estabelece que todo potencial hidrelétrico é de sua propriedade, cabendo a ela o seu aproveitamento, de forma direta ou por meio de concessão, permissão ou autorização.


Museus, Estação e Mangal das Garças são opções de lazer no feriado prolongado
Os espaços vinculados ao Sistema Integrado de Museus (SIM), da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), funcionam normalmente nesta quinta-feira (15), feriado alusivo à Adesão do Pará à Independência. O público pode conferir gratuitamente as exposições no Museu do Círio e do Museu da Imagem e do Som (MIS), que funcionam no Casario da Rua Padre Champagnat, na Cidade Velha.
O Memorial Amazônico da Navegação, sediado no Parque Ambiental Mangal das Garças; o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, o Museu do Forte do Presépio e o Museu de Arte Sacra (MAS), todos no Complexo Feliz Lusitânia, também na Cidade Velha; o Museu de Gemas do Pará, no Espaço São José Liberto, e o Museu Histórico do Estado do Pará (MHEP), no Palácio Lauro Sodré, também estão abertos para visitação durante o feriado prolongado, de quinta-feira (15) a domingo (18), das 10 às 14 h – exceto o Museu de Gemas, que acompanha o horário de funcionamento do São José Liberto.
Outras boas opções de lazer para quem vai ficar em Belém são espaços como a Estação das Docas e o Mangal das Garças. Nesta quinta-feira, a Estação funciona das 09 h à meia-noite.
Já o Parque Ambiental Mangal das Garças está aberto no horário normal, das 09 às 18 h. O acesso ao parque é gratuito. Só são cobrados ingressos para os locais monitorados – Borboletário, Farol de Belém, Viveiro das Aningas e Memorial Amazônico da Navegação -, no valor de R$ 4,00, com meia-entrada para estudantes.
O Espaço São José Liberto, onde funcionam o Museu de Gemas do Pará, o Polo Joalheiro e a Casa do Artesão, funciona na quinta-feira das 10 às 18 h, mesmo horário do domingo. Na sexta-feira e no sábado o funcionamento é das 09 às 19 h.

Texto:
Bruna Campos-Secom



Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...