Total de visualizações de página

terça-feira, outubro 01, 2013

SANTA CASA COM NOVA DIREÇÃO





Uepa abre inscrições para o mestrado em ciências ambientais
O mestrado em ciências ambientais da Universidade do Estado do Pará (Uepa) inscreve até 7 de novembro para o processo seletivo 2014. São ofertadas doze vagas, abertas aos graduados em qualquer área de conhecimento. Os interessados devem acessar o endereço eletrônico www.fadesp.org.br, preencher o formulário online e emitir o boleto de pagamento da taxa de inscrição.
No dia 14 do mesmo mês, será divulgada a relação das inscrições homologadas na Secretaria do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e nos sites www.uepa.br e http://www.uepa.br/paginas/pcambientais. A seleção terá três fases: prova escrita e prova de proficiência em inglês; análise do curriculum lattes e do pré-projeto de pesquisa; e entrevista. No edital da seleção está disponível a bibliografia básica para a prova escrita e as fichas de avaliação do curriculum lattes e da entrevista.
Todas as etapas do processo seletivo ocorrerão no Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT) da Uepa, localizado na travessa Enéas Pinheiro, 2.626, no bairro do Marco. Será admitido recurso, escrito em formulário específico, relativo ao resultado das provas aplicadas no processo seletivo. O prazo para interposição dos recursos é de dois dias úteis, sempre de 9 horas ao meio-dia, a contar da publicação do resultado da prova. O formulário para recurso está disponível no site e na secretaria do programa.
O resultado final da seleção será divulgado dia 28 de janeiro de 2014, nos endereços eletrônicos da universidade. A matrícula será feita na secretaria do programa, no período de 11 a 12 de fevereiro, e será renovada semestralmente, na coordenação. O início das aulas está marcado para 10 de março.
O mestrado está estruturado em uma área de concentração denominada “Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Brasileira” e em duas linhas de pesquisa: “Meio Ambiente e Sustentabilidade” e “Estudos de Ecossistemas Amazônicos”. As atividades acadêmicas serão desenvolvidas em tempo integral. O edital também está disponível no endereço http://www.uepa.br/paginas/pcambientais, e os contatos podem ser feitos pelo telefone (91) 3131-1914 ou pelo e-mail:pcambientais@hotmail.com.

Texto:
Ize Sena-Uepa


Presidente da Cosanpa detalha investimentos na rede de esgoto sanitário
O presidente da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), Eduardo Braga, falou sobre “Sistema de tratamento de esgoto sanitário em Belém”, em evento promovido pelo Ministério Público Federal (MPF), nesta quarta-feira (2). Braga apresentou o trabalho da Cosanpa e as perspectivas de investimentos em longo prazo.
Eduardo Braga destacou as soluções de esgotamento sanitários existentes e os bairros da zona central que têm o serviço e os bairros da zona de expansão. O presidente da Cosanpa falou ainda sobre o Plano Diretor de Esgotamento Sanitário para Belém e os investimentos previstos.
A Cosanpa opera cinco estações de tratamento de esgoto, que são as localizadas nos bairros da Marambaia, Bengui e Coqueiro, além do conjunto Sideral e da Vila da Barca. A companhia faz ainda os tratamentos primário e terciário, com reator, leito de secagem do lodo e desinfecção efluente.
Do total de volume de esgoto coletado de janeiro a agosto deste ano, segundo Eduardo Braga, a Cosanpa tratou 31%, na média nacional, que é de cerca de 37%. Além da Cosanpa, a Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan) e a Companhia de Habitação do Pará (Cohab) executam e viabilizam projetos e obras de esgotamento sanitário no município de Belém, totalizando investimentos de
R$ 324,2 milhões.
O presidente da Cosanpa falou ainda sobre os desafios para a universalização dos serviços de esgotamento sanitário no município de Belém, que não são poucos, mas afirmou que a Cosanpa está empenhada em atingir esta meta a longo prazo.
No caso do município de Ananindeua, considerado o pior em pesquisa do Instituto Trata Brasil sobre saneamento básico, a Cosanpa executada atualmente a obra de ampliação e melhorias do sistema isolado de abastecimento de água no bairro Águas Lindas, com investimento de R$ 15,4 milhões, que somam recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) II e governo do Estado.
A obra vai atender, com abastecimento de água, uma população de 30 mil pessoas, que moram nos limites dos municípios de Belém e Ananindeua e no entorno do lixão do Aurá.

Texto:
Andrea Cunha-Cosanpa


Conferência de Defesa Agropecuária reúne representantes de 22 Estados
Foi aberta na última terça-feira (1º), com a presença de representantes de 22 Estados, a IV Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária, um evento que reúne, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, profissionais que atuam na defesa animal e vegetal em todo o país e um público estimado em mais de mil participantes.
As palestras de abertura, ministradas pelo secretário de Estado de Agricultura, Hildegardo Nunes, e pelo secretário da Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Carlos Alberto Batista, falaram, respectivamente, sobre “Erradicação da Mosca da Carambola e reconhecimento como área livre de febre aftosa com vacinação – impacto da melhoria de status sanitário para o agronegócio do Pará e do Brasil” e “A política de defesa agropecuária versus a logística brasileira no século XXI”.
O primeiro evento paralelo foi a reunião do Fórum Nacional de Executores de Sanidade Agropecuária (Fonesa), que abriu o período da IV Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária, em Belém. A programação continuou nesta quarta-feira (2), com palestras e mesas redondas que abordaram diversos temas e fizeram a troca de informações sobre “Produção de alimentos e  sustentabilidade” e “O serviço brasileiro de defesa agropecuária”, entre outros.
Haverá nesta quinta-feira (3) o seminário sobre a “Cadeia produtiva do açaí e o II Encontro de Mestrados Profissionais em Defesa Agropecuária”. A programação segue até sexta-feira (4), quando serão abordados temas como “O exercício da sustentabilidade no desenvolvimento das atividades agropecuária e florestal”, “Implementação e fortalecimento da carreira de fiscal agropecuário” e “Fauna de interesse zootécnico na Amazônia como alternativa à pecuária tradicional”, entre outros.
Para encerrar a programação, será feita a entrega dos melhores trabalhos apresentados nas sessões de pôsteres. O encerramento da conferência ocorre ao meio-dia, no auditório do Hangar. Com o tema “Defesa Agropecuária e Sustentabilidade”, o evento é um momento para marcar posição nacional no setor agropecuário, pautando temas da Amazônia e suas especificidades, frisou o diretor geral da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), Mário Moreira.
“É um grande momento para o Estado, que está se credenciando cada vez mais entre os grandes produtores do Brasil. Esse evento vem coroar um trabalho repleto de êxitos junto à defesa agropecuária de todo o Brasil”, finalizou.
“Estamos debatendo as diretrizes norteadoras para crescermos economicamente com foco na produção com sustentabilidade voltada para a área de defesa agropecuária. É o momento de deliberarmos e pautarmos as necessidades e especificidades da nossa região”, disse o diretor operacional da Adepará, Sálvio Freire.
A IV Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária está sendo vista como um marco na história do agronegócio paraense.  O titular da Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri), Hildegardo Nunes, disse que o setor está em expansão, e o evento torna-se uma ferramenta imprescindível para avançar ainda mais, principalmente para a abertura de novos mercados.

Texto:
Christina Hayne-Adepara


Santarém ganhará lei de incentivo à doação de sangue e órgãos
A Câmara Municipal de Santarém, no oeste do Pará, votou nesta quarta-feira (2) a votação do projeto de lei que visa incentivar a doação de sangue, medula óssea, tecido e múltiplos órgãos. A proposição, de autoria do vereador Dayan Serique, autoriza o Poder Executivo Municipal a instituir a isenção de taxas em concursos públicos a doadores, usando a doação como critério de desempate para vaga em seleções públicas.
Atualmente, em Santarém, mais de 260 pacientes crônicos renais aguardam por um rim. O transplante devolveria a qualidade de vida aos pacientes, que não precisariam mais dispor de até doze horas semanais interligados em uma máquina de diálise nos hospitais municipal e Regional do Baixo Amazonas. Com a aprovação do projeto de lei e a sanção do prefeito de Santarém, Alexandre Von, o município passa a ter uma lei especifica para incentivo à doação de sangue, medula óssea, tecidos e múltiplos órgãos.
“Hoje o Hospital Regional trabalha a sensibilização e faz a captação de órgãos, e nada mais justo que o governo dê incentivos para que as pessoas façam essas doações voluntárias e tenham benefícios, como a isenção da taxa de concursos. Queremos, no futuro, oferecer outros benefícios, como descontos no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU)”, disse o vereador, cujo projeto foi votado e aprovado por unanimidade, em primeira e segunda votação.
Em Santarém, o Hospital Regional do Baixo Amazonas faz, desde abril de 2012, a captação de múltiplos órgãos para transplantes, por meio da Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes, que futuramente atuará como Organização à Procura de Órgãos, com abrangência em Santarém e toda a região do oeste do Pará.
“A interiorização das políticas públicas de transplantes na região Norte é uma novidade, e o Pará é pioneiro. Precisamos muito da parceria com instituições públicas e privadas para poder sensibilizar e incentivar a doação de órgãos”, declarou o enfermeiro Renê Pimentel, vice-coordenador da comissão.
Durante o mês de setembro, ocorreu em Santarém uma programação alusiva ao mês de doador voluntário de órgãos e tecidos para transplantes, programação que culminou com a I Caminhada de Sensibilização sobre a Doação de Órgãos no dia 27, Dia do Doador Mundial e também Nacional. Na data, ocorreu o primeiro transplante de fígado da região Norte. O órgão foi captado em Santarém, de um doador local.
De 2012 até setembro de 2013, já foram feitas seis captações de múltiplos órgãos, doações que só são possíveis graças à sensibilização de familiares que autorizam a doação, e às parcerias, que oportunizam os procedimentos.
“A Câmara de Vereadores está de parabéns pela iniciativa, que oportunizou a criação da lei de incentivo à doação de sangue, medula óssea, tecido e múltiplos órgãos. Futuramente, o Hospital Regional será um polo para transplantes, mas não existe transplante se não houver doador. Sei que este é um momento de dor, mas também é um momento que representa o renascimento para milhares de brasileiros que estão na fila à espera de um transplante”, concluiu o diretor do Hospital Regional do Baixo Amazonas, Hebert Moreschi.

Texto:
Amarildo Sena-Hospital do Oeste do Pará


Exportação de grãos do Pará deve crescer quatro vezes em 10 anos
O Pará pode superar a média nacional de exportação de grãos, com a implantação de políticas públicas voltadas para o escoamento da produção no Estado anunciadas pelo secretario da Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Carlos Alberto Batista. O anuncio foi feito durante o primeiro dia da IV Conferencia Nacional de Defesa Agropecuária, na ultima terça-feira (1º).
Com estrutura prevista para ser instalada no prazo de até dez anos, o Estado estará com capacidade para escoar mais de 40 milhões de toneladas de grãos (soja e milho), produzidos nos principais mercados brasileiros, superando os dez milhões da atual media nacional. “O Pará tem um potencial hidroviário e uma localização geográfica impar na logística nacional. Com toda a infraestrutura prevista para ser instalada, vai sozinho quadriplicar o escoamento de produção da media nacional atual”, disse o secretário.
Para isso, estão sendo abertas licitações que atendam as demandas de infraestrutura nas rotas de exportação da região Norte, como a ampliação do porto de Itacoatira, no Estado do Amazonas. No Pará, o projeto contempla a construção do Terminal de Fertilizantes e a ampliação do Porto de Santarém, além da implantação do Terminal Portuário de Outeiro e de outros portos, como o de Vila do Conde, em Barcarena.
Será fornecido também, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal, recurso para reconstrução e manutenção de rodovias, segundo relatou o secretario durante a palestra “A política de defesa agropecuária versus a logística brasileira no século XXI”.
Os avanços são possíveis graças à atual política nacional que consiste em inverter o curso da logística do escoamento da produção agrícola, que, desde a década de 1950, centralizava no modelo modal rodoviário, com a construção apenas de estradas. A atual política vai desenvolver a região Norte, melhorar a receita de quem produz grãos e desafogar as estradas e portos das regiões Sul e Sudeste do país, que estarão livres para focar na industrialização.
“Desde 1950, o modelo de governar era construir estradas, gestão centralizada no modal rodoviário, encarecendo o custo de quem produzia no setor agrícola. Agora, a gente já vislumbra os portos às proximidades da linha do Equador, no Norte e Nordeste, pois estão próximo do Canal do Panamá, que esta sendo ampliado, e do porto holandês de Roterdã, o maior da Europa. Assim, será possível escoar a produção dos nossos principais mercados, como a do Estado do Mato Grosso. O projeto vai contribuir para ajudar o Brasil de ponta a ponta”, explicou Carlos Batista.
Tirando boa parte do escoamento da produção do modal de transporte rodoviário, o produtor de grãos do Mato Grosso, por exemplo, vai ter um custo logístico 35% mais barato, podendo faturar ate R$ 6 por saca de milho e soja. Isso vai implicar na geração de emprego e renda, pontuou o secretário.
O diretor da Agencia de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), Mario Moreira, dise que o investimento contribuirá com a produção do sul paraense, que é a nova fronteira agrícola do Estado. “A região tem potencial para produção de grãos. Santana do Araguaia hoje planta 50 mil hectares de grãos, entre soja e milho. Para o próximo ano, com certeza chegaremos a 100 mil hectares, e em cinco anos, poderemos chegar a 300 mil hectares de produção de soja e milho. O sul do Pará será um importante polo de produção de grãos, que logo terá destaque nacional”, concluiu.

Texto:
Claudiane Santiago-Adepara


Hospital de Clínicas faz fórum para discutir atendimento psiquiátrico
A Clínica Psiquiátrica da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna enfrenta momentos difíceis em função da demanda excessiva de pacientes. O hospital é o único de referência em psiquiatria no Pará, com 60 leitos, 30 no Serviço de Internação Breve e 30 na Emergência Psiquiátrica. A média de atendimentos no setor, em 2012, ficava entre 800 a 900 pacientes por mês. Em 2013, o número de atendimentos cresceu, chegando a 1.144 somente em abril.
Para tratar do assunto, O Hospital de Clínicas promoveu na última terça-feira (1º) fórum para discutir os processos assistenciais. Foram discutidas também outras ações que visam resolver os problemas relacionados à rede de saúde mental no Pará, além de ações junto ao Tribunal de Justiça do Estado (TJE), com a finalidade de dar suporte técnico às demandas judiciais, impedindo que pacientes permaneçam internados sem que haja indicação médica. A proposta é elaborar um protocolo de atendimento para os profissionais que atuam na Clínica Psiquiátrica.
Durante a abertura do fórum, a gerente assistencial, Renata Alves, disse que o evento prevê que as equipes que atuam na clínica reavaliem os protocolos assistenciais de acordo com conhecimentos científicos e com as necessidades do serviço. “Precisamos fazer os ajustes necessários para melhorar o atendimento, mas é preciso que todos sigam o protocolo”, defendeu.
A gerente fez um relato de todas as providências que a direção da fundação está tomando para solucionar os problemas relacionados não apenas à Clínica Psiquiátrica, mas a todo o hospital. O chefe do Ambulatório do Hospital de Clínicas e presidente do Conselho Regional de Enfermagem (Coren), Mário Antônio Vieira, fez recomendações aos profissionais que atuam no setor de emergência psiquiátrica. “Todo processo de emergência gera riscos tanto para os pacientes quanto para os profissionais que prestam atendimento nesses casos”, ressaltou.
Segundo ele, o Coren está presente no fórum para orientar a instituição a tomar medidas para resolver os problemas relacionados aos processos de trabalho na psiquiatria. “É necessário fazer o diagnóstico das necessidades emergenciais do setor e tomar medidas corretivas”, frisou.
O chefe da Clínica Psiquiátrica, Carlos Teixeira, disse que problemas internos e externos afetam o atendimento. Segundo ele, os problemas externos estão relacionados à rede de saúde mental, pois os postos de saúde e os Centros de Apoio Psicossocial (Caps), que deveriam atender pacientes estáveis e com problemas menos graves, encaminham esses pacientes para o Hospital de Clínicas, o que acaba aumentando a demanda e dificultando o atendimento.
Os problemas internos estão relacionados à falta de estrutura e de pessoal para atender a demanda. Para ele, o fórum é o momento para rever os processos e a maneira de lidar com os pacientes. “Devemos ter uma discussão ampla para melhorar não apenas o atendimento ao paciente, mas também proporcionar satisfação aos funcionários”, enfatizou.
Os profissionais que atuam na Clínica Psiquiátrica vão se reunir mensalmente com a direção do hospital para continuar a discutir possíveis soluções para os problemas do setor. A previsão é que o próximo fórum ocorra em 7 de novembro.

Texto:
Felipe Gillet-HC


Adepará alerta produtor para período de proibição do cultivo de soja
Produtores de soja de Santarém, Itaituba, Rurópolis, Trairão, Altamira e Paragominas, e das regiões Bragantina e Guamá, no nordeste paraense, devem ficar atentos à segunda etapa do vazio sanitário de soja, que começou terça-feira (1º) e vai até 30 de novembro. No período, está proibido o cultivo da soja. Também não é permitido manter ou permitir fase de desenvolvimento no campo e em beira de estrada.
A praga ferrugem asiática da soja, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi, é capaz de causar prejuízo de até 70% de perda na produção. Para controlá-la, é necessário o uso de agrotóxico, que pode causar prejuízo ao meio ambiente e também ao produtor.
O território do Pará tem uma situação confortável, devido ao clima, e o vazio sanitário reforça a segurança. Como existem as diferenças climáticas, foram estabelecidas no programa estadual duas etapas de vazio sanitário. A primeira foi no período de julho a setembro. A intenção é matar a praga, já que, sem planta em campo, o fungo presente não tem como se alimentar.
O Pará é dividido em três polos de soja, nos municípios de Paragominas, Santarém e Redenção. O Estado é o 14º produtor de soja no Brasil e o 12º a instituir o vazio sanitário, desde 2008. O produtor que descumprir a lei deve pagar multa de mais de R$ 20 mil. Também é obrigatório o cadastro, que deve ser atualizado anualmente em qualquer unidade da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará). A multa para o produtor que não for cadastrado vai de R$ 163 a R$ 1.623, dependendo da área.
O cadastro é necessário para que a Adepará possa ter o controle sobre os produtores atuantes e para fazer o trabalho de inspeção fitossanitária e fiscalização. “Alguns produtores ainda temem em fazer o cadastro, mas é importante para fortalecer o trabalho. A cada ano, aumentam o número de produtores no Estado e as áreas de plantio de soja”, diz a coordenadora do Programa Estadual Fitossanitário da Cultura da Soja da Adepará, Alice Thomas.
Segundo o diretor geral da Adepará, Mário Moreira, é importante fazer o manejo das pragas e doenças, para quebrar o ciclo das pestes de cada vegetal. “O trabalho técnico e de orientação se dá pelos cursos que são ministrados pelos servidores da Adepará. A ação prevê a melhoria e o aumento da produção no Estado do Pará”, diz.
Os primeiros sintomas da ferrugem asiática aparecem na forma de pequenas pontuações angulares, de coloração cinza-esverdeada, na face superior das folhas, as quais podem ser observadas contra o sol. Na face inferior, observam-se pequenas pontuações salientes, de coloração castanho claro a castanho escuro. A identificação da praga é facilitada pelo uso da lupa de bolso (com aumento de 20 vezes).

Texto:
Andréa Ferreira-Adepara


Seas promove encontro com quilombolas e pescadores de Salvaterra
A Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas) iniciou nesta quarta-feira (2), em Salvaterra, na ilha do Marajó, o Encontro de Inclusão Socioprodutiva e Fortalecimento de Ações de Autoconsumo e Sustentabilidade em Comunidades Quilombolas. O objetivo é fortalecer o pequeno produtor e aprimorar a gestão das políticas de segurança alimentar e nutricional e de assistência social no Estado.
O encontro segue até quinta-feira (3) e tem a participação de famílias de comunidades quilombolas e de pescadores, além de gestores e técnicos das secretarias municipais de assistência social, agricultura, saúde e educação e do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (Conseans).
A diretora de Segurança Alimentar e Nutricional da Seas, Suely Barros, ressaltou a importância do encontro para as famílias de comunidades quilombolas e de pescadores. "Esse momento é importante, pois vai esclarecer as famílias sobre os programas de governo voltados para garantia de alimentação, renda e cidadania, além de tirar dúvidas sobre os projetos de inclusão socioprodutiva e de fortalecimento de ações de autoconsumo e sustentabilidade em comunidades quilombolas, que se encerram este ano", destacou.
Dados do Cadastro Único revelam que mais de quatro mil famílias de Salvaterra estão cadastradas, mas nenhuma está identificada como quilombola. "Sabemos que vocês ainda são invisíveis para o governo federal, mas nosso objetivo aqui é justamente esclarecê-los sobre como devem se identificar no cadastro", ressaltou a diretora de Renda, Cidadania e Combate à Pobreza, Leila Machado.
A técnica da Seas Helena Cláudia Gomes explicou que as famílias, no momento em que forem se cadastrar, devem se identificar como quilombola. "Essa identificação faz toda a diferença na hora de inseri-los nos programas de governo voltados para essas comunidades", ressaltou.
"Esse encontro demonstra o interesse do governo estadual em mostrar para as famílias de populações tradicionais que existem diversos programas, além do que já estamos inseridos, que podem nos ajudar a melhorar nossa renda", destacou o representante da comunidade quilombola de Siricari, João Figueiredo.
Para a representante da comunidade pesqueira de Água Boa, Dalva dos Santos, “o encontro está sendo muito produtivo, pois está ajudando a esclarecer muitas dúvidas sobre o projeto de inclusão socioprodutiva, além dos serviços oferecidos na área da assistência social", frisou.
Garantias – O projeto de fortalecimento de ações de autoconsumo e sustentabilidade em comunidades quilombolas de Salvaterra beneficia 131 famílias nas comunidades de Siricari, São Benedito, Boa Vista, Mangueiras, Caldeirão e Providência. O objetivo é promover a segurança alimentar e nutricional por meio da produção de alimentos para o autoconsumo, além da comercialização do excedente de produção com vistas à sustentabilidade dessas comunidades. As atividades produtivas são: horta comunitária, criação de peixe em cativeiro (tanque escavado), criação de pato e de galinha caipira.
Outro projeto que já está gerando resultados é o de inclusão socioprodutiva, que objetiva inserir as famílias em ações produtivas de modo a organizá-las em cooperativas. A Seas já executou em Salvaterra a segunda etapa do projeto, que é a capacitação dos produtores, para melhorar a qualidade da produção, além do incentivo aos subprodutos. Em Salvaterra, as cadeias produtivas são de pesca e açaí.

Texto:
Inara Soares-Seas


Governo lança carteira de nome social para travestis e transexuais
O governo do Estado começa a emitir nesta quinta-feira (3) a carteira de nome social para travestis e transexuais do Pará. O documento, que garante e reconhece o exercício pleno da cidadania à comunidade LGBT, será lançado em cerimônia marcada para as 17 horas, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, mas antes, a partir das 15 horas, começa a emissão para pessoas previamente cadastradas.
A carteira de nome social permitirá o reconhecimento de transexuais e travestis pelo nome com o qual se identificam. O documento será válido para tratamento nominal nos órgãos e entidades do Poder Executivo do Pará. O direito foi assegurado pelo Decreto nº 726, publicado no último mês de maio no Diário Oficial do Estado.
O documento, que virá com o número do Registro Geral (RG), será emitido pela Polícia Civil. O projeto que deu origem à carteira foi aprovado no último mês de novembro, pelo Conselho Estadual de Segurança Pública (Consep), e está em consonância com a Portaria 362/ 2012, que disciplina o tratamento dispensado a travestis e transexuais por policiais civis nas delegacias.
A diretora de Atendimento a Grupos Vulneráveis da Polícia Civil, Simone Machado, destaca que o primeiro Estado brasileiro a adotar a carteira de nome social para travestis e transexuais foi o Rio Grande do Sul, mas apenas como documento auxiliar ao RG. Sendo assim, o Pará é pioneiro ao assegurar no documento os dados civis. “Substituímos o RG pela carteira de nome social, ao contrário do Rio Grande do Sul, onde ela é valida apenas mediante a apresentação da carteira de identidade”, frisa.
O primeiro passo para ter a carteira de nome social é solicitar uma Declaração de Identidade de Gênero à Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh). É necessário também apresentar certidão de nascimento original, duas fotos 3x4 recentes e comprovante de residência atual. Com todos os documentos reunidos, basta ir até o Posto Central de Identificação, na Delegacia Geral da Polícia Civil. O documento é emitido no mesmo dia.
A carteira de nome social tem, além do nome social, foto de identificação, o número do RG e órgão expedidor. Também estão inseridos data de nascimento, filiação, CPF e profissão. O documento é válido em todo o Estado.
A Delegacia Geral da Polícia Civil fica na Avenida Magalhães Barata, 209, em Nazaré. Funciona de segunda a sexta-feira, de 8 às 18 horas. A Sejudh fica na Rua Vinte e Oito de Stembro, 339, bairro Campina, e funciona de 9 às 16 horas, também de segunda a sexta-feira.

Texto:
Aycha Nunes-Polícia Civil


Polícia Civil captura em Marabá casal foragido da Justiça do Amapá
A Polícia Civil prendeu em Marabá, no sudeste do Pará, na última terça-feira (1º), Benevaldo Santos do Amaral e Kátia de Araújo Vieira, foragidos do Estado do Amapá. O casal estava com mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça amapaense. Eles foram presos pelo crime de tráfico de drogas no Estado do Amapá e lá cumpriam pena.
O mandado de prisão foi decretado pelo juiz Almiro do Socorro Alevar Deniu, titular da 1ª Vara de Execução Penal de Macapá. Benevaldo e Kátia, no entanto, fugiram da prisão. Eles foram localizados na Folha 12, bairro Nova Marabá, onde receberam voz de prisão e foram encaminhados à 21ª Seccional Urbana da cidade.

Texto:
Walrimar Santos-Polícia Civil


Seminário em Belém vai discutir gestão das águas
Será nesta quinta-feira, 3, o Seminário sobre Gestão de Recursos Hídricos, coordenado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) do Pará, em Belém. O evento visa capacitar membros do Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CERH), das Câmaras Técnicas, do Conselho, e técnicos das Unidades Regionais da Sema no que diz respeito à gestão dos Recursos Hídricos, a partir das reflexões sobre conceitos e experiências brasileiras no assunto.
No primeiro momento, turno da manhã, serão apresentadas palestras sobre aspectos legais e institucionais na gestão de recursos hídricos no Brasil, pelo especialista Marco Antonio Amorim, da Agência Nacional de Águas (ANA), e no Estado do Pará, pela diretora de Recursos Hídricos da Sema, Verônica Bittencourt; prioridades do Plano Nacional de Recursos Hídricos e a importância da elaboração do Plano Estadual, pela representante do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Adriana Lustosa.
À tarde, será abordada a experiência brasileira na implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos, Aspectos legais da Fiscalização em Recursos Hídricos, pela ANA; e A experiência do Conselho Nacional de Recursos Hídricos, pelo MMA.


“Joias de Nazaré 2013”: exposição comemora uma década com programação especial
A exposição “Joias de Nazaré” comemora 10 anos e será aberta nesta quinta-feira, 3, às 18 horas, com programação na Capela e no Jardim da Liberdade do Espaço São José Liberto, onde as joias ficarão expostas para visitação até o dia 31 de outubro. A inspiração para as 63 joias artesanais criadas por designers e microempresários do Programa Polo Joalheiro foi o tema “O Povo do Círio: Arte, Cultura, Vida e Fé”. Objetos que emocionam, comunicam fé, cultura e a magia da criação, as joias da nova coleção são obras de arte inspiradas em representações que envolvem a devoção de quem acompanha o Círio.
Com entrada franca, uma celebração religiosa e apresentação de duo de violinos marcarão a programação da solenidade de abertura da exposição, que também conta com um projeto especial de ambientação. A iniciativa é do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), com apoio do Curso de Licenciatura em Música da Universidade do Estado do Pará (Uepa).
Do clássico ao contemporâneo, o conteúdo representado pelo grupo de designers nas peças da nova coleção revela o conceito de atemporalidade presente na joia religiosa, caracterizada por inscrições, utilização de muitas gemas, correntes grandes, cravação de diamantes e variações de desenhos sobre mantos vazados.
Com criatividade, utilização de matéria-prima regional, técnicas especiais e design inovador, as joias mostram ícones representativos da festividade em homenagem à padroeira dos paraenses, Nossa Senhora de Nazaré. São anjos barrocos, mantos, berlindas, a corda (e sua simbologia) e fitas de promesseiros, além de imagens e ex-votos - expressão que significa “por um voto alcançado”, representada em barcos, tijolos, chaves e casas, que fazem referência aos objetos oferecidos em agradecimento à santinha.
Inspirção
A emoção marcou o processo de criação e produção das joias da nova coleção, que remetem à participação do “povo do Círio”: pessoas que vibram, vivem, acompanham, comemoram e demonstram sua fé durante a festividade em homenagem à Virgem de Nazaré. Designers, microempresários, ourives, lapidários, cravadores e demais profissionais do Polo Joalheiro do Pará criaram peças em metais nobres, ouro e prata, que, além do design, destacam-se pela cravação de gemas minerais, como ametista, citrino, turmalina, quartzo, diamante, granada e rubi.
A designer Lídia Abrahim criou o pingente “Promessas”, a partir da inspiração em uma graça alcançada. Em forma de santa, o pingente em prata com fitas coloridas lembra as fitas usadas pelos promesseiros e realça a incrustação paraense, técnica que confere colorido especial às joias. “Eu já fiz promessa com a fita, passei uns três anos com ela no meu braço e, quando alcancei a graça, fui pagar de joelhos lá na Basílica”, revela Lídia, explicando que o fato ocorreu quando ela era adolescente e que o motivo da promessa foi uma operação na vista que sua mãe realizou.
“Casa de Plácido” foi o pingente criado pela designer Celeste Heitmann. A peça remete à origem da festa do Círio e à lenda do aparecimento da imagem da santa, encontrada às margens do rio Murucutu, há 221 anos atrás, em Belém, pelo pescador Plácido José de Souza, que a denominou de “Nossa Senhora de Nazareth”.
Celeste diz que a inspiração também teve relação com a Casa de Plácido, criada em 2009 no térreo da Basílica de Nazaré, onde funciona como local de acolhida aos romeiros que vêm pagar promessas. O pingente em forma de relicário e confeccionado em prata com lolita e diamantes, segundo ela, homenageia a fé do caboclo Plácido e dos promesseiros do Círio.
“Promessa Fluvial”, “Rainha da Amazônia”, “Chamas de Amor” e “Pagando Promessa” foram as joias criadas pela designer Ivete Negrão, que criou maxicolares, pingentes, anéis e brincos, utilizando madeira, fios de seda e diversas gemas minerais. No colar “Rainha da Amazônia”, ela utilizou ouro, prata e as gemas Green gold, citrino, água marinha e crisoprázio.
Já o colar “Berlinda Marajoara”, uma das joias assinadas pela designer Helena Bezerra para a exposição, foi confeccionado em ouro amarelo com jade em formato cabochão e ametista rose france – a gema central do pingente, que se destaca pelo grafismo marajoara, técnica desenvolvida pela lapidária Leila Salame.
A inspiração, segundo ela, nasceu da tradição de acompanhar a procissão que antecede o Círio, a Trasladação. “Todo ano eu acompanho e faço questão de ir ao lado da berlinda. Sempre vou às lágrimas. Esse ano eu consegui fazer um trabalho que lembrasse a água molhando a berlinda. Chorei de novo com o trabalho pronto”, revela a designer.
Uma das novidades desta edição são joias com inscrições no sistema braile (forma de comunicação utilizada por pessoas com deficiência visual). Criados pela designer Laise Lobato, os pingentes reproduzem em prata as palavras paz, amor, perdão e fé. “O momento do Círio já é muito emotivo porque as pessoas ficam com as emoções à flor da pele. Quem tem deficiência visual usa muito os outros sentidos e tem muita sensibilidade nas mãos”, explica a designer, lembrando que testou o pingente com a sua vizinha, que tem deficiência visual e aprovou a criação.
Também em prata, Laise Lobato criou o pingente “Fé”, que simboliza a mão do promesseiro na corda e pode ser usado com várias opções de fitas de promesseiros. Também em homenagem aos promesseiros da corda, o designer Fábio Monteiro idealizou o pingente “Força da Fé”, produzido em prata, com rubi, esmeralda e citrino.
Entre os designers, microempresários e empresas participantes estão, ainda, Rosa Castro, Selma Montenegro, Rosáurea Simões, Marcilene Rodrigues, Camilla Amarall, Clarisse Fonseca, Joseli Limão, Vânia Sabat, Ivam Silva, Antônio Tavares, AmazonArt Joias, DaNatureza, HS Criações & Design, Ourogema e Amorimendes.
Comemoração
Desde a sua primeira edição, “Joias de Nazaré” conta com o apoio e a parceria da Secult. Uma das organizadoras da exposição é Anna Cristina Resque, pesquisadora e diretora do Museu de Gemas do Pará, ligado ao Sistema Integrado de Museus (SIM) da Secult e que funciona no Espaço São José Liberto desde o ano de sua inauguração, 11 de outubro de 2002.
“A exposição Joias de Nazaré começou de uma forma ‘tímida’ e cresceu junto com o Programa Polo Joalheiro. Hoje, ela faz parte do calendário nacional de exposições temáticas e a Secult comemora junto com o São José Liberto o sucesso e o crescimento dessa iniciativa”, revela Anna Cristina.
Para a designer Ivete Negrão, que participou de todas as versões do evento, a data tem fortes significados. “Falar de 10 anos é falar de uma longa caminhada que o Polo tem nos proporcionado. Criar joias para o Círio é um momento muito especial e de alegria porque são peças que não se repetem. Eu sinto que é uma devoção muito grande; é Deus que nos guia para criar essas belezas em homenagem à santinha”, revela.
Na opinião de Rosa Helena Neves, diretora do Espaço São José Liberto e do Programa Polo Joalheiro, comemorar 10 anos do evento traduz o resultado do trabalho do Espaço, desenvolvido em parceria com os designers de joias, microempresários do setor joalheiro e com o apoio institucional do Governo do Estado, Seicom, Secult, Museu de Gemas, Casa das 11 Janelas, Museu de Arte Sacra do Pará, Paratur, Setur, Uepa, imprensa em geral, que “sempre divulgou a coleção religiosa Joias de Nazaré, que se tornou patrimônio cultural do Estado, tendo em vista as caracterizações desta joia”, entre outros parceiros.
Ambientação
Rosa Helena Neves observa que, nesta edição, os “diálogos entre os setores criativos” ficaram mais evidentes com a participação de artistas renomados. “Além da beleza e daqualidade das joias que compõem esta coleção, destaco na exposição de 2013 o projeto visual e de ambientação dos artistas plásticos Emanuel Franco e Armando Queiroz, bem como os displays (suportes) criados pelo artesão Luiz Guilherme Santos, cujo material é a farinha de tapioca”, adianta a diretora, referindo-se a 10 peças coloridas em resina com farinha de tapioca que servirão de suporte para as peças.
“Conseguimos, em um único projeto expositivo, possibilitar o diálogo de quatro setores criativos: design, joia, artes visuais e artesanato. A Secult e o Sistema de Museus colaboraram de maneira significativa para este diálogo”, completou a diretora.
Durante a celebração e alguns dias do evento, o público também poderá apreciar uma réplica da imagem peregrina da padroeira dos paraenses, símbolo central do Círio de Nazaré, que é considerado o maior evento católico do mundo, reunindo anualmente cerca de dois milhões de pessoas no segundo domingo de outubro. A imagem foi ofertada ao Papa Francisco durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ).
Criada pelo artesão Max Santos, a imagem também será coberta com a réplica do manto e do broche doados ao pontífice pela Setur, Paratur e Arquidiocese de Belém. A gemóloga e lapidária Leila Salame e o ourives Francisco de Assis Cardoso, que fazem parte do Programa Polo Joalheiro, também integraram a equipe responsável pela criação e confecção da réplica da imagem.
A direção de criação artística da exposição é de Rosângela Gouvêa Pinto, especialista em Educação e Designer de Joias, mestre em Meio Ambiente e professora do curso de Bacharelado em Design da Universidade do Estado do Pará (Uepa). Em julho de 2013, ela ministrou o workshop de geração de produtos Joias de Nazaré 2013, onde os participantes tiveram uma visão geral sobre a criação de peças religiosas inspiradas na festividade do Círio e foi definido o tema desta edição.
O Espaço São José Liberto e o Programa Polo Joalheiro do Pará são mantidos pelo Governo do Estado, por meio da Seicom, sendo gerenciado pela organização social Igama.
Serviço:
A abertura da exposição Joias de Nazaré 2013, “O povo do Círio: Arte, Cultura, Vida e Fé”, será realizada no dia 3 de outubro, às 18 horas, na Capela e no Jardim da Liberdade do Espaço São José Liberto (Praça Amazonas, s/n. Jurunas). A exposição segue até o dia 31 de outubro no horário especial de funcionamento do Espaço no mês de outubro: de segunda a sábado, das 09 às 19h, e aos domingos e feriados, das 10 às 18h. A exposição não abrirá no dia 13 (Círio) e no dia 28 (Recírio). Entrada gratuita.
Programação:
17h30 – Celebração religiosa em homenagem à Virgem de Nazaré, com a presença da réplica da imagem doada ao papa Francisco pela Setur, Paratur e Arquidiocese de Belém.
18h – Solenidade de abertura da exposição, com pronunciamento dos organizadores e de autoridades
19h – Coquetel com apresentaçãomusical do “Duo de Violinos”, com os violinistas Pedro Teixeira e Igor Amaro, da Uepa
Contatos: Luanna Alysse, gerente do Núcleo de Desenvolvimento Tecnológico e Organizacional (NDTO) do Espaço São José Liberto: (91) 3344-3557 e 3344-3518.

Texto:
Luciane Barros-São José Liberto


Violência Sexual é debatida no Salão do Livro em Paragominas
A exploração sexual contra crianças e adolescentes foi tema do Papo Cabeça, promovido pelo II Salão do Livro, em Paragominas. O assunto foi abordado pela psicóloga Werlane Pereira, que ressaltou mudanças importantes ocorridas recentemente na lei. “Se antes o estuprador respondia somente por atentado violento ao pudor, agora ele pode ser sentenciado com uma pena que pode chegar a até 15 anos de reclusão”, disse.
Dados colhidos junto ao Disque Direitos Humanos (Disque 100) registraram, no ano passado, 130.029 denúncias de violência contra crianças e adolescentes – um crescimento de 58,3% em relação ao ano anterior (82.117 denúncias). Por isso, esse foi um dos temas escolhidos para ser debatido durante o evento. Durante a conversa com a plateia, formada predominante por estudantes, a psicóloga pediu a ajuda do público para definir esse tipo de crime. Os adolescentes e jovens presentes mostraram que estão ‘antenados’ com o tema, dando diversos exemplos de abusos cometidos contra crianças e adolescentes, como estupro e pedofilia.
Segundo a psicóloga, é difícil de identificar quem sofreu abuso ou violência sexual, mas há sintomas, por isso os adultos devem ficar atentos a esses sinais. “Quem sofre violência tem dificuldades de relacionamento, é inseguro, tem baixo rendimento escolar, não tem confiança em adultos e medo do sexo oposto, além de terem comportamento agressivo”, descreveu. Outros exemplos de problemas enfrentados por quem sofre abuso sexual são a gravidez e as doenças sexualmente transmissíveis.
A psicóloga falou, ainda, das mudanças recentes ocorridas na lei contra quem comete abuso sexual contra crianças e adolescentes, entre elas a tramitação do processo judicial independente da vontade da vítima ou de seu representante. “Mesmo a vítima querendo retirar a queixa, não pode mais. Uma vez que denuncia, o processo seguirá no Judiciário”, explicou a especialista.
Werlane Pereira falou ainda sobre as diversas formas de violência, no caso, a física, psicológica, moral, patrimonial e sexual. Para facilitar o entendimento da plateia, Werlane Pereira utilizou vídeos educativos e exemplos do dia a dia, próximos da realidade de todos, como agressões, bullying e dano ao patrimônio. Ela ressaltou que entre as piores formas de violência está a psicológica. "O desrespeito para com o outro é muito comum na escola e até dentro de casa. “Quando alguém na escola chama o outro de gordo, feio ou burro está cometendo uma violência psicológica. Em casa também há muitos pais que fazem isso com os filhos, principalmente na hora em que o rendimento escolar da criança é baixo”, exemplificou a psicóloga.
O Papo Cabeça com Werlane Pereira foi mediado pelo escritor Daniel Leite. Nesta quarta-feira, 2, quem participará do evento é Renato Cortez, que falará sobre “Privacidade nas mídias sociais”.

Texto:
Alexandra Cavalcanti-Secult


Pará vai ofertar mais de 100 mil hectares para concessão florestal
Até o final do ano, o Estado do Pará licitará mais uma área para concessão florestal. Esse foi um dos pontos da pauta da reunião da Comissão Estadual de Florestas (Comef), nesta terça-feira, 1º, no auditório Ferradura da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) Amazônia Oriental, em Belém. A Comissão é presidida pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal do Estado do Pará (Ideflor) e entre os membros estão representantes do poder público, de instituições de pesquisa, da classe empresarial, extrativistas, quilombolas, entre outros.
A expectativa é que nos próximos meses o Ideflor lance um edital de licitação pública disponibilizando aproximadamente 108 mil hectares de área da Floresta Estadual (Flota) Paru, na região da Calha Norte. A área está localizada no município de Monte Alegre. A primeira concessão realizada na Flota Paru disponibilizou seis Unidades de Manejo Florestal (UMFs), um total de 326.184 hectares, nos municípios de Almeirim e Monte Alegre. Essa será a terceira concessão florestal realizada no âmbito estadual no Pará, a primeira foi no conjunto de glebas Mamuru-Arapiuns, no Baixo Amazonas.
Aos membros da Comef ainda foi apresentado o Projeto de Desenvolvimento Local (PDL) Portel, que tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento sustentável de Povos, Comunidades Tradicionais e Agricultores Familiares (PCTAFs) localizados nas glebas públicas estaduais do município de Portel, através do ordenamento fundiário e ambiental e incremento de renda a partir do uso sustentável da floresta e implantação de sistemas agroflorestais.
“O PDL é realizado pelo Ideflor, mas conta com parcerias para as ações. Aqui vamos mostrar o que já está sendo feito em Portel, município que tem um dos menores IDH do estado”, comenta o engenheiro florestal do Ideflor, Daniel Francez, que coordena o PDL Portel e faz referência ao Índice de Desenvolvimento Humano do município.
Conforme estabelece o Decreto nº 335/2007, dentre as atribuições da Comef está a de assessorar, avaliar e propor diretrizes para gestão de florestas públicas do Estado e manifestar-se sobre o Plano Anual de Outorga Florestal (Paof), documento de planejamento da gestão florestal no Pará. Nele estão identificadas e descritas as áreas florestais de domínio estadual que poderão ser submetidas ao processo de concessão em 2013.

Texto:
Flávia Ribeiro-Ideflor


Imprensa Oficial e Susipe assinam parceria para beneficiar Livro Solidário
Um convênio assinado na manhã desta quarta-feira, 2, entre a Imprensa Oficial do Estado (IOE) e a Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe) vai beneficiar cerca de 3,5 mil crianças, jovens e adolescentes atendidos nos seis Espaços de Leitura do Livro Solidário, projeto do governo do Estado, coordenado pela IOE. A parceria, que tem como objeto a produção de mesas e cadeiras para as salas de leitura, vai incentivar a ressocialização dos detentos do regime fechado do Sistema Penal. São eles que irão produzir os móveis que serão distribuídos pelos seis espaços já implantados pelo projeto. Eles trabalharão oito horas diárias e, para cada três dias de trabalho, terão um descontado da pena, conforme previsto na Lei de Execução Penal. Além disso, os internos serão remunerados por meio do convênio.
Segundo o presidente da Imprensa Oficial, Cláudio Rocha, a parceria representa a otimização de recursos públicos para promover a educação e a reintegração, à sociedade, de pessoas em regime de cumprimento de pena. “Com a iniciativa, todos ganhamos: o público do projeto Livro Solidário, que poderá usufruir de mais comodidade nos espaços de leitura; e os presos, que trabalharão com a certeza de que estarão contribuindo para a formação moral e intelectual de centenas de crianças e adolescentes”, avaliou.
A diretora do Diário Oficial do Estado e coordenadora do Livro Solidário, Carmen Palheta, também avalia que a união dos dois projetos sociais vai ao encontro das necessidades da comunidade, “haja vista que, no cerne de ambos os projetos, tanto do “Amigos do Saber”, da Susipe, quanto do Livro Solidário, existe a percepção de que, ao aliar esforços, boa vontade e bons projetos, podemos obter ainda mais e melhores resultados das ações do governo”.
De acordo com o superintendente da Susipe, coronel André Cunha, a instituição tem se empenhado para investir cada vez mais na profissionalização dos presos. “Nossas marcenarias estão mais modernas e com mais capacidade de prestar um trabalho com qualidade e profissionalismo. Entendo que mais ações como estas devam ser provocadas e espero que o Estado se torne nosso principal cliente para que, assim, possamos promover com mais rapidez e eficiência a ressocialização dessas pessoas”, salientou.
A partir da assinatura do Termo de Cooperação, a Susipe terá seis meses para entregar o mobiliário aos espaços. A ideia é que os internos responsáveis pela produção também possam participar do momento de entrega dos móveis.
Ações
Além do convênio oficializado hoje, o Projeto Livro Solidário já doou acervo de livros para sete bibliotecas do "Projeto Arca da Leitura", desenvolvido pela Superintendência do Sistema Penitenciário. Atualmente, cerca 20 mil pessoas são beneficiadas, direta e indiretamente pelas ações do Livro Solidário por meio da implantação de seis espaços de leitura na Região Metropolitana de Belém. O projeto também atendeu ao Hospital Ophir Loyola, doando 700 livros para pacientes e acompanhantes que ficam hospedados na Casa Ronald McDonald, e contemplou com doações a Biblioteca Itinerante Hospitalar, da classe hospitalar da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna.
Serviço: As doações podem entregues na sede da IOE, localizadao à Travessa do Chaco, 2271, bairro do Marco. A cada cinco livros de literatura infanto-juvenil ou 10 gibis usados, a pessoa recebe, em troca, um livro editado pela IOE. Mais informações: (91) 4009-7847 e 4009-7800.

Texto:
Keila Rodrigues-IOE


PM terá 3.600 policiais na operação "Círio Seguro 2013"
Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta quarta-feira, 2, no auditório do Comando Geral, a Polícia Militar divulgou a Operação Círio Seguro 2013. Ao todo, 3.600 policiais militares trabalharão a partir do dia 11 de outubro, especificamente para o atendimento e segurança por ocasião da maior festa religiosa do país, na operação que segue até a romaria do Recírio, na segunda-feira, 28.
Sob a coordenação do coronel PM Evandro Cunha, subcomandante Geral da PM e contando com a presença dos coronéis Roberto Campos, comandante do policiamento da capital; Éder Rribeiro, comandante do policiamento especializado; Roberto Damasceno, comandante do policiamento na Trasladação e tenente coronel Romualdo Marinho, comandante do policiamento na romaria do domingo do Círio, foram apresentados os dados e respondidos os questionamentos da imprensa.
Para a segunda maior operação do calendário anual paraense, perdendo apenas para a operação Verão, a Polícia Militar trará como novidade neste ano, o trabalho de guarnições, em número médio de 4 a 6 integrantes, cujo comando será equipado com mochilas conhecidas como “pirulito”, em alusão à identificação vertical, facilmente percebida pela população e, consequentemente, maior facilidade de acionamento, em caso de necessidade, potencializando a mobilidade em mais de 40 pontos distribuídos pelas vias ligadas à festa, com ênfase nos pontos turísticos e de maior concentração de romeiros.
Para a segurança no arraial, que permanece ativo durante todo o período da quadra nazarena e ainda conta com shows de artistas locais e grande fluxo de pessoas, cantores e bandas católicas, a PM disponibilizará um efetivo específico, que contará ainda com o reforço de 100 policiais que virão do interior do Estado.
O coronel Evandro Cunha alerta a população para a segurança pessoal, evitando, sempre que possível, levar e exibir, durante as romarias, e principalmente, na grande romaria do segundo domingo de outubro, joias, equipamentos eletrônicos de alto valor e mesmo objetos que podem despertar a cobiça de oportunistas, uma vez que mais de 2 milhões de pessoas são esperadas para a festa, que terá diversas procissões: rodoviária, fluvial, motoromaria, cicloromaria, romaria da juventude e outras formas de homenagens à “padroeira dos paraenses”.
A Operação Círio Seguro 2013 conta, ainda, com a integração dos demais órgãos do sistema de segurança pública e defesa social, por meio de efetivo e equipamentos e a parceria com órgãos da Prefeitura de Belém e parceiros da justiça estadual.

Texto:
Leno Carmo-Polícia Militar


Workshop de Educação do bairro do Tapanã
Com o tema “Construindo o Pacto Pela Educação do bairro do Tapanã”, a 10 ª Unidade Seduc na Escola (Use) promove nesta sexta-feira, 4, às 9h, na Escola Estadual Márcio Ayres, localizada na Rodovia do Tapanã, o I Workshop de Educação do bairro do Tapanã. O objetivo é contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas por resultados, promovendo a melhoria na qualidade da educação, elevando o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) no bairro do Tapanã, através do diálogo entre a comunidade escolar, a sociedade civil, as organizações não governamentais (Ong's), empresas e os diferentes órgãos estaduais e municipais responsáveis pela garantia dos direitos do cidadão.
O evento é destinado a gestores, técnicos, professores, servidores, alunos e representantes governamentais. Na ocasião serão discutidos os seguintes temas: rede física e reordenação da oferta de vagas, indicadores de qualidade da educação básica, cultura de paz e os desafios das escolas, Conselho Escolar, programas e projetos, Educação Profissional e Tecnológica adequadas às demandas da comunidade. Além disso, haverá o chamado “Espaço Vitrine”, em que as escolas, empresas e parceiros poderão mostrar seus projetos, produtos e informações.


Palestra do titular da Sagri abre Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária
A programação da IV Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária, que acontece no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia até o próximo dia 04, conta com várias atividades, entre elas palestras como a ministrada na última terça-feira, 01, pelo secretário de Estado da Agricultura, Hildegardo Nunes, sobre a ‘Erradicação da Mosca-da-Carambola e reconhecimento como área livre de Febre Aftosa com vacinação – impacto da melhoria de status sanitário para o agronegócio do Pará e do Brasil’. Moderador do paneil, o diretor geral da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), Mário Moreira, destacou a importância do debate. "Esses temas versam sobre duas questões que geram grandes prejuízos econômicos, pois atingem respectivamente às áreas vegetal e animal", justificou.
“No caso da Mosca da Carambola, que atinge vários frutos, o Pará trabalha para impedir a disseminação dessa praga no Brasil. Já o debate sobre a aftosa foi mais amplo, visto que o Pará agora é área 100% livre de febre aftosa com vacinação, mas faz fronteira com estados como o Amapá e o Amazonas, consideradas regiões de alto risco. Por conta disso, o governo estadual vem fazendo investimentos em vigilância, manutenção e implantação de postos de fiscalização, apesar de o governo federal ter suspendido o convênio plurianual de quatro anos”, relatou Mário Moreira.
De acordo com Hildegardo Nunes, as articulações de governo nas ações de defesa agropecuária são o único caminho para se construir um sistema confiável e eficiente. “Não se pode ficar na dependência dos contingenciamentos e dos potes orçamentários, em que o planejamento das ações de defesa agropecuária sucumbe por uma queda repentina do volume de recursos alocados, mas, sim, ter recursos garantidos que façam o planejamento de médio em longo prazo serem executados”, frisou Hidegardo Nunes. Para o coordenador técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), Márcio Nagaishi, convidado do evento, a abordagem do secretário põe em evidência a situação do Pará, principalmente no que diz respeito aos esforços em combater a febre aftosa e a mosca da carambola.

Texto:
Andréa Ferreira-Adepara


José Maria Vilar lança "Poemário" no IAP
O escritor paraense José Maria Vilar lança nesta quinta-feira, 3, o 9º livro de sua carreira. Intitulado “Poemário”, trata-se de uma coletânea com 42 poemas escritos a partir de 1977, todos inéditos. Será no Instituto de Artes do Pará, às 19h.
Com 72 anos de idade, José Maria Vilar nasceu na “Terra do Carimbó”, a cidade de Marapanim, no nordeste do Pará. Mestre em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais, com especialização pela Universidade de Tel Aviv em Israel, o escritor se diz aposentado como economista, mas não como poeta. “Este novo livro veio para atender pedidos de alguns leitores, que há tempos me cobravam por novos escritos. Resolvi, então, resgatar poesias antigas e organizá-las em forma numerada, um poemário”, explica o poeta.
Os 42 poemas falam sobre inquietações pessoais, amores e sua intensa vivência amazônica. Mesmo com o ineditismo da obra, “Poemário” é também um passeio pela memória do autor, refletido por exemplo no poema que atende pelo número 34, que começa com: “Um baú com nebulosas memórias as arrastou pela cozinha, corredor, quartos e sala. Se instalou no terreno, tranquilamente deserto, onde abriu suas comportas e fez jorrar lembranças em descanso”. São essas as lembranças, agora recordadas, que o poeta apresenta ao público.
Serviço:
Lançamento do livro “Poemário” de José Maria Vilar, nesta quinta, 3 de outubro, às 19h, no Instituto de Artes do Pará

Texto:
Dani Franco-IAP


Palestra sobre Mosca da Carambola e Febre Aftosa abre IV CNDA
A programação da IV Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária, que acontece no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia até o próximo dia 04, conta com várias atividades, entre elas palestras como a ministrada na última terça-feira, 01, pelo secretário de Estado da Agricultura, Hildegardo Nunes, sobre a ‘Erradicação da Mosca-da-Carambola e reconhecimento como área livre de Febre Aftosa com vacinação – impacto da melhoria de status sanitário para o agronegócio do Pará e do Brasil’. Moderador do paneil, o diretor geral da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), Mário Moreira, destacou a importância do debate. "Esses temas versam sobre duas questões que geram grandes prejuízos econômicos, pois atingem respectivamente às áreas vegetal e animal", justificou.
“No caso da Mosca da Carambola, que atinge vários frutos, o Pará trabalha para impedir a disseminação dessa praga no Brasil. Já o debate sobre a aftosa foi mais amplo, visto que o Pará agora é área 100% livre de febre aftosa com vacinação, mas faz fronteira com estados como o Amapá e o Amazonas, consideradas regiões de alto risco. Por conta disso, o governo estadual vem fazendo investimentos em vigilância, manutenção e implantação de postos de fiscalização, apesar de o governo federal ter suspendido o convênio plurianual de quatro anos”, relatou Mário Moreira.
De acordo com Hildegardo Nunes, as articulações de governo nas ações de defesa agropecuária são o único caminho para se construir um sistema confiável e eficiente. “Não se pode ficar na dependência dos contingenciamentos e dos potes orçamentários, em que o planejamento das ações de defesa agropecuária sucumbe por uma queda repentina do volume de recursos alocados, mas, sim, ter recursos garantidos que façam o planejamento de médio em longo prazo serem executados”, frisou Hidegardo Nunes. Para o coordenador técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), Márcio Nagaishi, convidado do evento, a abordagem do secretário põe em evidência a situação do Pará, principalmente no que diz respeito aos esforços em combater a febre aftosa e a mosca da carambola.

Texto:
Andréa Ferreira-Adepara


Idesp seleciona recém formados para bolsas de pesquisa
Nesta quinta-feira (3), o Instituto de Desenvolvimento Econômico Social e Ambiental do Pará (Idesp) abre inscrições para a seleção de dois bolsistas que atuarão no projeto Idesp/Fundação Ford de “Apoio à Estruturação da Comissão Estadual de Políticas para Comunidades Remanescentes de Quilombos”, o qual está vinculado a Diretoria de Estudos e Pesquisas Ambientais do Idesp.
As duas vagas serão destinadas para graduados (recém-formados) em Ciências Sociais, História, Pedagogia, Economia, Direito e Geografia. O prazo de duração da bolsa é de sete meses. As inscrições serão feitas no Idesp, localizado na rua Municipalidade n° 1461. O formulário de inscrição e maiores detalhes sobre a seleção encontram-se no edital na área de notícias do site www.idesp.pa.gov.br.



Livro relata prisão e fuga de político brasileiro nos tempos da ditadura militar
Nesta sexta-feira (4), Belém recebe o lançamento do livro "Florestas do meu Exílio", um relato da fuga e do exílio do senador e escritor João Capiberibe, perseguido e preso, em Belém, nos tempos da ditadura militar. O evento terá atrações musicais e será realizado no Espaço São José Liberto, a partir das 19h, sendo aberto ao público. A realização é organizada pela Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves.
Já realizado em cidades como Brasília, São Paulo e Macapá, o lançamento do livro "Florestas do Exílio" terá, em Belém, espetáculo com os cantores Alba Maria, Lia Sophia, Lucinnha Bastos, Mahrco Monteiro, Nilson Chaves, Olivar Barreto e Zé Miguel, além da presença do ator Mário Rêgo. Um detalhe do evento em Belém é o local: a festa acontece no antigo presídio São José, lugar onde Capiberibe ficou preso durante um ano nos tempos da ditadura militar, aventura que é a temática da obra.
O livro conta a trajetória de João Alberto Rodrigues Capiberibe, natural do município de Afuá, no Marajó, que, durante os anos de 1970 a 1974 foi preso pela ditadura militar por filiação à Aliança Libertadora Nacional, de Carlos Marighella. O atual senador foi detido e torturado aos 23 anos, no antigo presídio São José, na Praça Amazonas, por quase um ano.
Para ver a filha recém-nascida, o jovem decidiu fazer greve de fome, o que levou a um quadro de perda de peso e doença, sendo então transferido para a Santa Casa de Misericódia, de onde fugiu disfarçado de médico, com a ajuda do médico Almir Gabriel, que depois seria governador do Pará.
Durante a fuga, Capiberibe e a mulher e a filha viajaram clandestinamente pelos rios da Amazônia até chegar à Bolívia. Durante o exílio, viveu ainda no Peru, no Chile (deste tendo que sair após o golpe que derrubou o presidente Salvador Allende), no Canadá e em Moçambique. Retornou ao Brasil em 1979 após a anistia no governo de Figueiredo.
Além do relato da fuga e do exílio, o livro procura mostrar o contexto histórico da vida política da segunda metade do século XX, com os embates de milhares de jovens contra as ditaduras que se estabeleciam ao longo da América Latina.
Serviço:
O lançamento do livro "Florestas do Exílio", do senador e escritor João Capiberibe, será realizado nesta sexta-feira (4), às 19h, no Espaço São José Liberto. O evento terá shows musicais e cênico e é aberto ao público. Mais informações: 3202 - 4349 e 3202 – 4352.
Obs: Capiberibe chega na madrugada desta sexta-feira (4) a Belém e estará disponível para entrevistas a partir das 9h desse dia. O telefone direto do senador é (61) 8224-0333

Texto:
Luiz Flávio-FCPTN


Parque Estadual de Monte Alegre comemora Dia da Árvore
“Espécies vegetais do Parque Estadual Monte Alegre (Pema)” foi o tema do evento em comemoração ao Dia da Árvore, realizado neste mês nas comunidades que compõe a Área de Proteção Ambiental (APA) Paytuna, gerenciada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). Com objetivo de mostrar a importância de conservar a natureza e levantar questões importantes como a responsabilidade ambiental e a sustentabilidade, a atividade mostrou espécies típicas da região existentes no parque, como Rabo de Arara, Ipê e Cacto, esclarecendo características e funções de cada uma.
Alunos das comunidades de Santana, Paytuna, Lages, Ererê, Maxirá e Maxirazinho mostraram seus conhecimentos e participaram das dinâmicas. A ação atendeu aproximadamente duzentas pessoas, entre alunos, professores e comunitários. “A presença de todos nas ações promovidas pela Sema tem sido de grande relevância, pois os alunos, professores e comunidade têm a oportunidade de aprimorar seus conhecimentos e a equipe de conhecer um pouco das experiências de cada um. É uma troca”, concluiu o professor Wilson Macedo, da comunidade de Maxirá.


Governo do Estado realiza oficina para estimular exportações
A Vitrine do Exportador (VE) divulga as empresas brasileiras e seus produtos no mercado internacional. É uma importante ferramenta e possibilita, ao exportador, acesso à “Vitrine Virtual”, onde é possível customizar a página em português, inglês e espanhol. Com o recurso, torna-se viável, por exemplo, que importadores estrangeiros interessados em fazer negócios enviem propostas diretamente às empresas participantes.
A VE é uma das ferramentas que estão sendo apresentadas nesta quarta-feira (2), durante oficina na Escola de Governo (EGPA), realizada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração do Pará (Seicom), em parceria com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), e que acontece até as 17h30.
A programação inclui, ainda, para um público de 30 pessoas, informações sobre os programas "Radar Comercial" e "Aliceweb" e é destinada a instituições interessadas em estimular as exportações e representantes de microempresas ou empresas de pequeno porte pertencentes a setores com potencial para exportador.
Por outro lado, o "Radar Comercial" possibilita consulta e análise de dados a respeito do comércio exterior, para auxiliar na seleção de mercados e produtos que apresentam maior potência no incremento das exportações brasileiras. "A ferramenta também permite identificar produtos e países que representem oportunidades comerciais no mercado externo, com elementos básicos para a prospecção de mercados e a formulação de estratégias de promoção comercial, investimento e negociação", informa a diretora de Mercados e Atração de Investimentos da Seicom, Lorena Passos.
Já o "Aliceweb" é um sistema com capacidade para modernizar o acesso e disseminação dos dados estatísticos das exportações e importações brasileiras. Gratuito e disponível na internet, garante, por meio de consulta às estatísticas das exportações e importações brasileiras, a pesquisa detalhada de dados por mercadoria, bloco econômico, país de destino ou origem, porto, via de transporte e Unidade da Federação e Municípios.
A oficina tem o apoio da EGPA, da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil), do Centro Internacional de Negócios (CIN-Fiepa), do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-PA) e Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

Texto:
Sergio Augusto-Seicom


Caso não esteja visualizando corretamente esta mensagem, acesse este link.
Descrição: http://www.psdb.org.br/logo_tucano_nova.jpg
Entrevista coletiva do senador Aécio Neves
Data: 02-10-13
Local: Brasília – DF
Assuntos: orçamento impositivo, investimentos federais, criação de novos partidos, Rede, PSDB

Descrição: aecio neves foto George Gianni PSDB
O orçamento impositivo agora fica na gaveta até semana que vem?
É um avanço. Tenho defendido dentro do PSDB, com outros partidos, que o orçamento impositivo ocorra, mas deve ser direcionado para aquelas prioridades estabelecidas na Lei de Responsabilidade Fiscal. Já é um avanço. Há hoje uma discriminação no momento do pagamento das emendas, sempre prejudicando, preterindo os parlamentares de oposição e privilegiando parlamentares da base do governo. Se tivesse havido até agora um tratamento mais republicano por parte do governo na execução orçamentária, tanto melhor. Mas o orçamento impositivo tem algumas virtudes que não estão sendo tratadas hoje. Por exemplo, o orçamento da segurança pública não estaria sendo tratado apenas em parte, como acontece hoje. E uma parte menor que aquela que vem sendo aprovada. Orçamento de obras extremamente importante no Brasil, mesmo contidas no PAC, têm sido executadas também muito abaixo daquilo que seria absolutamente razoável. Em relação às emendas, o que defendo é que sejam pagas isonomicamente, mas que possam ser direcionadas para prioridades estabelecidas na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), notadamente nas áreas de educação, saúde e segurança pública.
Senador, termina no próximo sábado o prazo para os parlamentares trocarem de partido. Está na hora dessa prática acabar?
Isso tem que acabar urgentemente. Houve uma decisão, que já disse e repito, equivocada do Supremo Tribunal Federal, ao permitir a portabilidade do tempo de televisão e da parcela do fundo partidário quando o parlamentar vai para um partido novo. E o governo se apropriou disso para desidratar as oposições, fazer a migração de parlamentares da oposição para partidos da base do governo sob sempre a promessa de verbas, liberação de emendas, favores do governo.
Então, é o Estado, a população brasileira, pagando pela migração de parlamentares da oposição para a base. Houve a  criação de um partido que não nasceu na órbita do governo, mas já está sendo cooptado também em parte pelo governo. Isso depõe contra a democracia, não ajuda que as pessoas se identifiquem e se aproximem da política, porque não veem nenhuma vinculação delas com os partidos que deveriam representá-las.
Vamos propor o retorno da cláusula de barreira para que os partidos políticos, para ter o funcionamento parlamentar, direito ao tempo de televisão e a fundo partidário tenham uma conexão mínima com a sociedade, representem um segmento mínimo da sociedade. Hoje, como está acontecendo, temos um grande mercado no Congresso Nacional. Parlamentares se juntam, criam um partido político, o fundo partidário eles dividem e o tempo de televisão, na hora da campanha, eles vendem. Isso é lamentável para a democracia.
Seria importante viabilizar o partido da ex-senadora Marina?
Espero que sim. Ajudamos no que pudemos, demos a ela toda a nossa solidariedade. Companheiros ajudaram inclusive na coleta de assinaturas. Esperamos que ela possa, realmente cumprindo as exigências legais, estar no jogo político. Para o Brasil seria muito importante ter a oportunidade de uma opção de candidatura presidencial como a da Marina, que agrega valores, agrega temas importantes no debate eleitoral. Mas mais uma vez o governo usa da sua força, como tentou usar aqui, no Congresso Nacional, através de projeto de lei, para inibir a criação do partido.
Nesse troca-troca, o PSDB ganha ou perde?
Para nós é nulo. Talvez o surgimento de um desses partidos, ao final, possa até agregar à oposição alguma força. Mas perde a democracia, porque as pessoas, cada vez mais, não se veem representadas pelos atuais partidos políticos. Você ter 32 partidos políticos no Brasil é um acinte, algo absolutamente inviável. Até do ponto de vista do funcionamento do Parlamento. Quando você vai fazer negociações sobre temas que interessam a vida das pessoas, a questão previdenciária, por exemplo, ou o financiamento da saúde, ao invés de você fazer negociações com partidos políticos, os parlamentares tendo respeito ao programa do partido, tendo que caminhar na direção do acordo feito, você tem que fazer um acordo individual, sabe-se lá a que preço.
O governo federal é o grande responsável pelo avanço desses partidos porque não trabalha em um governo de coalizão. Hoje, o governo federal tem um governo de cooptação. A cada novo partido criado, e que tem alguns segundos de televisão a oferecer, o governo oferece ministérios, cargos públicos. Infelizmente, às custas do dinheiro público o governo vai construindo sua base de apoio pensando não no Brasil, mas apenas nas eleições do ano que vem.
Seu partido recebeu parlamentar de outro partido?
Esse jogo vai acontecer. Você não está vivendo em outro planeta, estamos vivendo nesse mesmo planeta. Isso vai acontecer, como dois ou três do PSDB migraram para outros partidos. O que deveria é haver um impedimento não do parlamentar se movimentar, isso é legítimo, essa liberdade deve ser dada, mas que ele não leve consigo, quase como moeda de troca, o tempo de televisão e o fundo partidário. Obviamente, alguns vão ter perdas, outros vão ter ganhos. Mas a democracia, a meu ver, perde com essa movimentação.
Senador, o que muda com a permanência de José Serra?
Uma grande vitória do PSDB. Serra é um nome extremamente qualificado, tem enorme capital político, enorme capital eleitoral e vai estar ao nosso lado para encerrarmos esse ciclo do PT. Estou extremamente feliz, foi com muita alegria que recebi ontem dele próprio a notícia de que fica no PSDB. Na verdade, nunca tive outra expectativa. Temos um objetivo comum: permitir que o Brasil volte a ter, após a derrota do PT, governos éticos, eficientes e que coloquem o Brasil no caminho do desenvolvimento e do crescimento econômico, o que, infelizmente, não vem acontecendo hoje. 
PSDB - Comissão Nacional - Avenida L2 Sul, quadra 607,
Edifício Metrópolis, cobertura 2 - CEP 70200-670 - Brasília-DF
Fone: (0xx61) 3424-0500 - Fax: (0xx61) 3424-0515 - tucano@psdb.org.br


Amazônia Jazz Band abre a temporada 2013 da programação “Nazaré em Todo Canto”
Começa oficialmente nesta quinta-feira, 3, a temporada 2013 da programação “Nazaré em Todo Canto”, uma série de eventos artísticos que tem como foco principal o Círio de Nossa Senhora de Nazaré. De 3 a 25 deste mês, a programação estará em vários locais de Belém e até em Castanhal, sempre com entrada gratuita. Quem abre a série é a Amazônia Jazz Band (AJB), que se apresenta nesta quinta-feira, às 20h, no Theatro da Paz. Os ingressos para a apresentação devem ser retirados na bilheteria do teatro, no dia do espetáculo, a partir das 9 horas.
A programação “Nazaré em Todo Canto” é uma promoção do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e terá, entre outras atrações, o concerto em homenagem ao bicentenário de nascimento dos compositores Wagner (alemão) e Verdi (italiano), no dia 8, às 20h, com a Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP), sob a regência do maestro paulista Marcelo de Jesus, tendo como solista a soprano paraense Adriane Queiroz. A cantora Fafá de Belém recebe como convidados especiais a cantora portuguesa Teresa Salgado (ex-vocalista do grupo Madredeus) e o pianista mineiro Wagner Tiso, no show “Fado Tropical”, na sexta-feira, dia 11, às 21h. Os dois eventos terão como palco o Theatro da Paz. A programação também estará na Estação das Docas, no teatro Maria Sylvia Nunes, no Parque da Residência e em Castanhal.
Jazz - Sempre buscando ser o mais eclética possível e assim satisfazer o seu público, a Amazônia Jazz Band começa o concerto desta quinta-feira com um arranjo de Dave Tanner para o primeiro movimento da “Quinta Sinfonia,” de Ludwig Van Beethoven, buscando uma levada de funk que promete contagiar o público. É o que promete o regente da AJB, Nelson Neves. “Esse arranjo nunca foi executado em Belém. A composição é conhecida mundialmente e tem uma extensão musical que permitiu esse tipo de arranjo. Penso que se Beethoven ainda fosse vivo, aprovaria esta versão”, disse o maestro.
Dessa maneira, a AJB retoma o exercício de unir o jazz ao erudito, como já fora feito pela orquestra no espetáculo “Quando o Jazz encontra a Ópera”, no ano passado, dentro do Festival de Ópera do Theatro da Paz, e que será reprisado no dia 25 (sexta-feira), em Castanhal, com a participação especial do Coro Lírico do Festival de Ópera. Além da “Quinta Sinfonia”, a AJB vai tocar um repertório com obras bem conhecidas do público. “A AJB é eclética por natureza. Transitamos do carimbó ao erudito, passando pelo pop, samba, rock e outros sons. Podemos assim dizer que a ‘Amazônia’ é pop”, enfatiza Nelson Neves.
No concerto de hoje, a orquestra vai tocar também o samba “Gosto Importa!”, inédito em Belém, e que foi um presente para AJB do compositor americano Eric Richards, e ainda executará um blues e uma salsa.
Dançante - O repertório entra, então, num momento bem pop, executando peças como baladas e standards (temas de jazz muito conhecidos) que o público vai reconhecer aos primeiros acordes. Para esta parte, a AJB recebe como convidado especial o cantor barítono paraense Daniel Araújo, que já cantou com AJB, mas que pela primeira vez será regido por Nelson Neves, à frente da orquestra. “Minha vida musical sempre esteve muito próxima a do maestro Nelson Neves, que me acompanhava nas apresentações eruditas. Mas no concerto de hoje teremos a oportunidade de mostrar a nossa capacidade de improvisação nos temas jazzísticos, e afirmo, com toda certeza, que é um grande prazer poder cantar dessa forma”, afirmou Daniel.
Para Daniel é um momento de mostrar uma nova faceta dele. “Com o jazz tenho a oportunidade de mostrar meu lado mais popular, e não apenas o do canto lírico. Acho muito importante poder fazer esse tipo de música aqui na cidade, já que em Belém não temos muitos lugares onde se pode ouvir jazz”, avaliou o cantor.
Daniel será solista em sete músicas. Ele cantará “The lady is a tramp”, “More”, “For Once in My Life”, além das conhecidíssimas “My way” e “Fly me to the moon”, que foram imortalizadas na voz de Frank Sinatra. Num segundo momento, Daniel volta para interpretar “Fantasy” e “September”, músicas do grupo americano Earth, Wind & Fire, que são pops e muito dançantes. Para estas músicas, Daniel terá o apoio nos banking vocal de Suelene Oliveira e Nicinha Vicari, duas das mais respeitadas cantoras paraenses, e que cantaram por muitos anos no grupo Warilou. “Queremos ver o público dançando. A batida é de um swing contagiante, justamente pra ninguém ficar parado”, aposta Nelson Neves.
A AJB tem ao todo 21 músicos que tocam instrumentos como saxofones, trompetes, trombones, guitarra, contrabaixo, percussão e bateria, sendo que neste último, dois músicos se revezam nas baquetas.
Serviço: Programação “Nazaré em Todo Canto” apresenta Amazônia Jazz Band, dia 3 (quinta-feira), às 20h, no Theatro da Paz. Entrada gratuita, com retirada de ingressos na bilheteria do teatro, no dia do espetáculo, a partir das 9 horas. Informações: (91) 4009-8750

Texto:
Dede Mesquita-Theatro da Paz


Emater qualifica artesãs para pintura em vidro em Ananindeua
Segue até na próxima sexta-feira, 4, a oficina de “Pintura em Vidro” que a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) oferece para  25 artesãs das comunidades de Águas Lindas, Curuçambá (em Ananindeua) e 19 de abril e Marimari (em Mosqueiro). A capacitação, que acontece no bairro do Curuçambá das 14h às 17h30, conta com a parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).
A oficina faz parte de uma ação contínua de organização social da Emater junto a um grupo de mulheres no município de Ananindeua e do distrito de Mosqueiro. O trabalho que vem sendo desenvolvido há quatro anos visa a geração de renda e inclusão social por meio da qualificação. “Com mais esse curso damos continuidade ao atendimento e garantimos aumento de renda para esse público”, afirma a socióloga da Emater, Regina Herrera.
Um outro aspecto da atividade de qualificação é a educação ambiental. O material utilizado para a produção das peças é o vidro - coletado, em grande parte, em quintais e ruas, onde pode se tranformar em focos de doenças, como a dengue, ou provocar acidentes – o grupo que participa da oficina já trabalha também com a conscientização e a preservação ambiental. “Essa atividade trabalha com a reciclagem, ou seja, a reutilização de vidros, que retirados da natureza - onde podem levar até um milhão de anos para se decompor - deixam de poluir o meio ambiente”, ressalta a técnica.
O atendimento dado pela Emater em Ananindeua ao grupo tem possibilitado várias alternativas de geração de renda. Com a proximidade do Círio de Nazaré, as artesãs têm trabalhado com a produção e comercialização de camisas alusivas à data. São peças padronizadas com técnicas de pintura, pedraria, crochê, bordado em fitas, com preços que variam entre R$ 25 a R$ 30. A atividade acrescenta pelo menos 30% a mais na renda das famílias.

Texto:
Iolanda Lopes-Emater


Paraense integra grupo brasileiro que desbrava a Pororoca Chinesa
Um grupo formado por quatro surfistas brasileiros embarcou no dia 25 de setembro para um dos maiores desafios do esporte: surfar na Silver Dragon, conhecida como a pororoca chinesa. A equipe, composta pelo paraense Noélio Sobrinho e os cearenses Adilton Mariano, Marcelo Bibita e George Noronha, partiu para o rio Qiantang, na província chinesa de Hangzou. O local é foco da mídia internacional pelas suas grandes ondas provocadas por tufões e tempestades. Eles começam a participar do desafio nesta quinta-feira, 3, até o dia 7 de outubro.
A viagem, apoiada pela Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), também servirá como um mapeamento da pororoca do Rio Qiantang para um projeto da Associação Brasileira de Surf na Pororoca (Abraspo), que pretende colocar o Brasil dentro do Circuito Mundial de Surf na Pororoca, nos mesmos moldes do circuito nacional criado pela entidade no ano de 1999.
Há poucos anos a China iniciou o processo de abertura para que suas ondas pudessem ser desbravadas por surfistas de outros países. Por isso, as informações ainda são escassas, já que o número de pessoas que teve contato com a pororoca chinesa é bem reduzido. “Isso aumenta a emoção e as expectativas do surf na pororoca chinesa, por não sabermos ao certo o que vamos encontrar e como vamos superar todos os desafios”, afirmou Noélio antes do embarque. “Tudo ainda é muito novo e as informações muitas vezes são desencontradas. Mas acreditamos que se conseguimos surfar no meio da selva amazônica, também conseguiremos domar a Silver Dragon”, ressaltou.
No currículo, Noélio possui 137 expedições às ondas de maré de 25 diferentes locações do Brasil e da França. Marcelo Bibita foi o primeiro recordista de permanência em onda. Adilton Mariano foi o detentor do recorde mundial de permanência em uma onda durante mais de uma década, com a marca de 37min8seg obtida no Rio Araguari (AP). Além disso ele possui 6 títulos nacionais e é o atual Campeão Brasileiro de Surf Profissional na Pororoca.
Já o surfista George Noronha é o mais jovem do grupo e participou das pororocas do Rio Mearim, no município de Arari (MA); do Rio Amazonas, no Arquipélago das Cavianas, na Ilha de Marajó (PA) e do Rio Araguari (AP). “O Pará atravessou o mundo e chegou na China. Através do nosso surfista, vamos estender a bandeira paraense e mostrar para o oriente que temos força no esporte”, comentou o secretário da Seel, Vitor Miranda.
A Expedição Abraspo China 2013 conta também com o apoio da Prefeitura de Belém, Governo do Estado do Ceará e Indústria Brasileira de Artefatos Plásticos (Ibap).

Texto:
Liandro Brito-Seel


Paragominas recebe oficinas do Projeto Choro do Pará da Fundação Curro Velho
Cerca de 35 alunos entre crianças, jovens e adultos participam até a próxima sexta-feira, 4, das oficinas de música do projeto Choro do Pará, realizado pelo Governo do Estado por meio da Fundação Curro Velho. As oficinas são de violão, cavaquinho, percussão e instrumentos solos como flauta, saxofone, trompete, entre outros. No encerramento das oficinas será apresentado o resultado da formação dentro da programação do II Salão do Livro de Paragominas.
Luíz Carlos Souza, 30 anos, toca saxofone e é um dos integrantes da Orquestra Municipal professor Daniel Nascimento. O músico está entusiasmado com a oportunidade de aprender uma nova linguagem musical, o Choro. “Sou veterano na Orquestra e ouvia choro raramente. Essa oficina deu um 'upgrade' para nós músicos. Fiquei muito curioso em aprender a linguagem do Chorinho. Estou adorando a oportunidade e espero ainda formar um grupo de Choro aqui em Paragominas”, revela o aluno.
E o choro não atraiu somente adultos. Ávila Rebeca Oliveira tem 10 anos é aluna da Escola de Música professor Daniel Nascimento, em Paragominas. O nome da escola é uma homenagem à memória do professor de música que implementou o projeto de musicalização na cidade. Rebeca Oliveira toca violão e aprovou a oportunidade de conhecer o Chorinho. “Eu participo das aulas de música aqui na escola. Já tinha escutado o Chorinho, estou gostando muito, é fácil a linguagem. Com muita dedicação é que se aprende”, afirma a aluna.
A realização das oficinas de música em Paragominas é uma ação da Diretoria de Extensão, por meio da Gerência de Interiorização, que desenvolve nos municípios paraenses, comunidades quilombolas e indígenas, oficinas de arte e ofício. As oficinas de Choro do Pará receberam o apoio da Secretaria de Cultura de Paragominas e da Escola de Música Professor Daniel Nascimento.
Para a coordenadora pedagógica da Escola de Música de Paragominas, Tirza Gonçalves, as oficinas da Fundação Curro Velho no município irão formar multiplicadores da Linguagem do Choro. “Para essas oficinas de música, além dos alunos da escola, convidamos os músicos populares de Paragominas. Queremos capacitar os músicos para que possam tocar o gênero com a formação de grupos de Choro”, finaliza Tirza Gonçalves.

Texto:
Andreza Gomes-FCV


Curso capacita profissionais sobre o uso estratégico de patentes
Nesta sexta-feira, 4, profissionais do setor farmacêutico do Pará poderão participar do curso “Busca, análise e uso estratégico de patentes com foco no setor farmacêutico”, que será realizado no auditório do Centro de Excelência em Eficiência Energética da Amazônia (Ceamazon), das 9h às 16h30. A capacitação busca compartilhar conhecimentos práticos sobre o uso estratégico de patentes, além de apresentar, detalhadamente, ferramentas, fontes de informações e táticas específicas para o setor abordado.
Com apoio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), a capacitação é uma iniciativa da Axonal Consultoria Tecnológica e da Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio da sua Agência de Inovação Tecnológica (Universitec). O conteúdo do curso destina-se aos profissionais que precisam decidir, ou apoiar o processo de decisão, em projetos envolvendo tanto produtos genéricos como inovações incrementais ou de novas plataformas.
O curso será ministrado pelo farmacêutico bioquímico e sócio diretor da Axonal, Henry Suzuki, que, durante a dinâmica da capacitação, fará uma revisão de fundamentos sobre patentes e sua aplicação prática em negócios, assim como apresentará fontes, sistemas de busca e análise de informações com foco na área farmacêutica. Não será exigido conhecimento prévio para participar do curso.
As inscrições são gratuitas, mediante disponibilidade de vagas e pré-aprovação pela comissão organizadora do curso. Não serão distribuídos materiais didáticos impressos. Apostilas e outros materiais em formato eletrônico estão disponíveis para download no endereço eletrônico: www.axonal.com.br/capacitacao_info.php?id=89. Para mais informações e inscrições, acesse o site: www.axonal.com.br/inscricoes.php?evento=89.
Serviço:
Curso “Busca, análise e uso estratégico de patentes com foco no setor farmacêutico”, nesta sexta-feira, 4, das 9h às 16h30, no auditório do Centro de Excelência em Eficiência Energética da Amazônia (Parque de Ciência e Tecnologia do Guamá. Avenida Perimetral 2651, Prédio 01). Inscrições pelo site www.axonal.com.br/inscricoes.php?evento=89. Informações adicionais: (91) 3201-8023 / E-mail: universitec@ufpa.br.

Texto:
Igor de Souza-Secti


Cursos e oficinas e integram a programação técnica do Flor Tapajós
Interessados em aprender técnicas de produção de adubos orgânicos e arranjos florais podem se inscrever para participar de cursos e oficinas oferecidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), durante a realização da I Exposição de Flores e Plantas Ornamentais (Flor Tapajós) de Santarém, no oeste paraense, que será realizado a partir desta quinta-feira (3), até o domingo (6), no Espaço Pérola do Tapajós.
Para as atividades técnicas, as inscrições podem ser realizadas gratuitamente no local do evento até uma hora antes das capacitações, que ocorrem de quinta-feira (3) a domingo (6), a partir das 9h da manhã. Para as oficinas de produção de substrato e minhocultura estão abertas 30 vagas, com duração de duas horas.
Durante o mini-curso, com carga horária de 8h, será demonstrado o cultivo de flores tropicais, com estudo de caso sobre Benevides, na Região Metropolitana de Belém (RMB), maior produtor de espécies tropicais do Pará. A oficina, que será ministrada pela engenheira agrônoma da Emater, Soraya Araújo, será oferecida apenas para técnicos.
A ideia da oficina é motivar o corpo técnico na região para a importância socioeconômica e ambiental da floricultura. “Cultivar flor tropical é economicamente rentável, o retorno financeiro para o floricultor é de pelo menos 30%, exige pouca mão de obra, além de ser uma terapia”, disse Soraya.
Durante o Flor Tapajós também serão oferecidas quatro oficinas de arranjos florais utilizando frutas nativas, sementes, cipós, fibras e musgos, elementos naturais que podem ser coletados na floresta, agregando valor à produção.

Texto:
Iolanda Lopes-Emater


Harley Dolzane participa de Encontro Literário em Paragominas
O poeta Harley Farias Dolzane, autor do livro “I-Nome-Nada”, obra com a qual ganhou o Prêmio IAP de Literatura em 2011, do Instituto de Artes do Pará, foi um dos destaques do Encontro Literário realizado dentro da programação do II Salão do Livro da Região do Capim, no município de Paragominas, promovido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), em parceria com a prefeitura local.
Mediado pelo também escritor paraense Daniel Leite, o encontro com Dolzane foi pontuado por emoção e discussões apaixonadas sobre o fazer poético. Ao ser indagado sobre como define a poesia, o escritor disse que é a ação fundamental do homem, que está perto de todos e que, por isto mesmo, há dificuldades em percebê-la no dia a dia, além de servir à reflexão, ao pensamento e às questões da vida.
“Não sabemos quem somos. É neste vazio que a poesia surge e você começa a construir sentido para a sua vida. É na mancha do papel que o escritor faz uma tentativa de falar desse vazio e tenta se encontrar como ser humano”, explicou Dolzane, que também integra o Núcleo Interdisciplinar Kairós: pensamento da arte e da linguagem, da Universidade Federal do Pará.
Sobre a importância do trabalho do escritor, ele o comparou a um oleiro, que pega o barro e molda objetos com sua própria mão. “Assim como há o vazio nesses objetos, que serão preenchidos por algo, os vazios existenciais que há no que escrevemos criam as possibilidades para que o pensamento seja habitado”, discorreu o escritor.
Em certo momento da mediação, o escritor Daniel Leite descreveu o trabalho de Dolzane como algo que vai além da escrita. “Ele não só trabalha com a palavra expressa, mas com as imagens invisíveis e com o silêncio da página”. A descrição levou o diretor da Biblioteca Pública Municipal de Paragominas, Eduardo Cassiano Souza, a agradecer a participação de Dolzane por mostrar que, para fazer poesia, não é necessário a métrica e a rima. “Creio que muitos que estão aqui hoje não mais se se limitarão e farão seus poemas”, disse o educador.
Na obra I-Nome-Nada, o doutor em Ciência da Literatura, Antônio Máximo Ferraz, disse no prefácio que este livro “é um vasto percurso pelas questões que se dirigem ao homem no seu modo de ser e se realizar, mas sempre tendo como horizonte e força catalisadora a questão da linguagem. A obra não fala sobre a linguagem, ela põe em obra a essência da linguagem”.
Sobre o assunto, durante o Encontro Literário, Harley Dolzane, que em sua essência traz consigo a contradição inerente aos seres humanos, afirmou que a linguagem apaga o mistério das palavras e que o trabalho de todo escritor é o de “resgatar o que está no silêncio das coisas”.
Ele terminou sua participação no evento pedindo aos pais que presenteassem os filhos com livros. “Deixem eles ficarem à beira desse abismo que é a literatura. É um caminho perigoso, mas é isto que faz alguém voar com as palavras. A queda nos é inerente, mas é através dela que aprendemos a voar”, poetizou o escritor. Depois do Encontro Literário, o escritor participou da Sessão de Autógrafos no estande da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), que está promovendo o II Salão do Livro da Região do Capim, em parceria com a prefeitura municipal de Paragominas.

Texto:
Alexandra Cavalcanti-Secult


Piscicultores de Capitão Poço vão receber curso de capacitação da Sepaq
Piscicultores do município de Capitão-Poço serão beneficiados com cursos de capacitação técnica da Secretaria Estadual de Pesca e Aquicultura (Sepaq), entre os dias 12 e 16 de novembro de 2013. “A ideia é levar qualidade para as atividades de criação de peixes em cativeiro, que já existem nas comunidades do município”, explica o diretor de Aquicultura da Sepaq, Flavio Augusto. A data dos cursos foi definida durante a visita de uma comitiva da Sepaq ao município. O grupo foi recebido pelo secretário de Agricultura do município, Jadilson Gonçalves Magalhães. Eles percorreram algumas comunidades da zona rural, onde foram levantadas as necessidades de cada piscicultor.
Com base nesse levantamento, a Sepaq vai elaborar o curso de capacitação técnica, que terá aulas práticas e teóricas. “Nosso objetivo é aumentar a produção de peixes em cativeiro e garantir renda para as famílias que vivem dessa atividade”, conclui Flavio. A visita em Capitão Poço contou com a participação dos coordenadores da Sepaq, Luiz Carlos Lopes e Ediano Souza, e dos vereadores de Capitão Poço Raimundo Morais Mota e Tico Caneta.


ARTIGO
Nícias Ribeiro
SINUCA DE BICO

Graças ao artigo “Parabéns ao povo do baixo Amazonas”, de 11/09/2013, que trata da conclusão do Linhão Tucuruí-Manaus, bem como sua energização e início de operação, em agosto passado, temos recebido vários e-mails reagindo quanto ao fato de o Pará exportar a energia de Tucuruí para outros Estados, neste caso o Amazonas, em detrimento dos municípios paraenses que, ainda, dependem de grupos geradores, como é o caso dos da “Calha Norte” que, a rigor, vêem esse linhão passar por sobre suas cabeças, levando energia para Manaus, sem atender a nenhum desses municípios que, por serem do Pará, consideram-se esbulhados no seu direito de serem atendidos com prioridade, no que, por óbvio, concordamos plenamente.
No entanto, e isso é importante ressaltar, se o Sistema de Transmissão Tucuruí-Manaus/Macapá não fosse construído, jamais poderíamos sonhar com a possibilidade real de, algum dia, chegarmos com a energia de Tucuruí a todos os municípios paraenses da margem esquerda do rio Amazonas.
Hoje, a partir da implantação e operação do Linhão Tucuruí-Manaus, é possível, sim, sonharmos e acreditarmos na chegada da energia de Tucuruí em Oriximiná, Óbidos, Alenquer e Monte Alegre; por linhas de 138 Kvolt. E, depois, em Faro, Terra-Santa, Curuá e Prainha; por linhas de 34,5 Kvolt; além de Almeirim, que receberá energia direto da subestação de Juruparí, na Serra da Velha Pobre. E do mesmo modo, em dezembro, quando for concluído o linhão de Macapá,será possível, também, sonharmoscom a possibilidade real de levarmos a energia de Tucuruí até Monte Dourado, indo da subestação de Laranjal do Jari.
Como se vê, o fato de concordarmos com a implantação do Sistema de Transmissão Tucuruí-Manaus/Macapá; bem como aplaudirmos e festejarmos a conclusão e o início de operação do Linhão Tucuruí-Manaus, não é bondade e nem “abestagem”, como dizem os nossos caboclos. Na verdade,é graças a esse linhão que, agora, temos a possibilidade, real,de eletrificarmos todos os nossos municípios do Baixo-Amazonas. Do contrário, apenas continuaríamos a reclamar e a chupar dedos.
Portanto, em vez de nos revoltarmos e maldizer a exportação da energia de Tucuruí para Manaus, devemos, sim, dar graças á Deus, pelo fato de os rios amazonenses não terem grandes potenciais hidrelétricos, que pudessem gerar a energia elétrica necessária para atender a Zona Franca de Manaus, o que levou à decisão de se construir esse Sistema de Transmissão, cujos estudos, aliás, começaram em meados dos anos90, ainda, no primeiro governo do Presidente Fernando Henrique Cardoso.
É evidente que ao parabenizarmos o povo do Baixo-Amazonas, pela conclusão do Linhão Tucuruí-Manaus, o fizemos porque, agora, a energia de Tucuruí já está do outro lado do rio Amazonas, e o “ponto de entrega” da energia rebaixada, em 138 Kvolt, já está disponibilizada à CELPA na Subestação de Oriximiná, que, também, já está concluída e energizada.
Agora, a partir desse “ponto de entrega”, cabe a CELPA construir as linhas de transmissão e de distribuição que levarão a energia de Tucuruí a todos os municípios da Calha Norte. O problema é como fazê-lo, em face da extinção da Reserva Global de Reversão (RGR), que, a rigor, era a fonte financiadora das concessionárias, para a construção de linhas de transmissão e de distribuição de energia. Sobre este assunto, aliás, no artigo “Os custos e os preços da energia”, de 23/05/2011, alertamos os nossos representantes nas diferentes Casas Legislativas quanto aos riscos que representava o fim da RGR, especialmente em relação à construção dos linhões no Pará.
Infelizmente, porém, a Medida Provisória nº 759, de 2012, foi aprovada e convertida na Lei nº 12.783, de 11/01/2013, sem nenhum dispositivo que garanta o financiamento das obras de implantação das linhas de distribuição que integram o Sistema Tucuruí-Manaus/Macapá e que atenderão os municípios da Calha Norte. O que fazer, agora? Principalmente se considerarmos que a CELPA é uma empresa que está, ainda, em processo de “recuperação judicial” e tem dificuldade de acesso ao Sistema Bancário, inclusive, ao BNDES? Eis ai,como dizia meu pai, uma bela “sinuca de bico”. Mas... Vamos à luta!


Presidente nacional do PSDB, Aécio Neves,
Anuncia a permanência de José Serra no partido

“José Serra é uma figura indispensável ao PSDB, de tal forma que sempre foi difícil para mim conceber nosso partido sem ele.

Sua história de vida, seu papel na luta pela liberdade e na construção da democracia no Brasil, a exemplaridade com que exerceu seus mandatos, tudo isso faz dele credor da nossa estima e detentor de justo prestígio político e eleitoral.

Assim, o protagonismo de José Serra no processo político, agora e nas eleições presidenciais que se avizinham, é um fato absolutamente natural e desejável não apenas aos meus olhos, como aos daqueles que buscam uma alternativa ao governo petista.

Tenho me dedicado no exercício da presidência do PSDB, ao lado dos companheiros da direção do partido, a percorrer o país dialogando com os brasileiros, a reforçar nossa organização, a estreitar laços com aliados, a formular propostas concretas para superar os problemas que afetam a vida do nosso povo e comprometem seu futuro.

Ainda não é o momento de definir a candidatura presidencial do PSDB e do conjunto de forças que se dispuserem a marchar conosco. A presença de José Serra em nossas fileiras fornece a nós, tucanos, e aos partidos aliados uma opção de grande dimensão política a ser avaliada no momento e segundo critérios adequados para o sucesso da luta comum.

O que é certo é que estamos e estaremos juntos.”

Senador Aécio Neves
​Presidente Nacional do PSDB


Encontro reúne comitês regionais do Pacto pela Educação do Pará
Membros dos doze comitês gestores regionais do Pacto pela Educação do Pará reuniram-se nesta quarta-feira (2), na Federação das Indústrias do Pará (Fiepa), em Belém, para o primeiro encontro estadual com parceiros e comitês regionais. Também participaram da reunião a representante do Instituto Synergos, Wanda Engel, e o secretário de Estado de educação, Cláudio Ribeiro.
O objetivo do encontro foi dar andamento aos primeiros passos dos comitês após sua formalização. Cada comitê é composto por dois representantes do Estado, um secretário municipal de educação, um secretário municipal de assistência social, um representante de empresa parceira do pacto, um representante da sociedade civil e um representante da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).
Cada membro de comitê tem um caderno de informações sobre a situação das escolas estaduais da região, a fase de implantação de cada um dos 34 programas e projetos do pacto no ano de 2013 e o que está previsto para o ano de 2014, inclusive reformas e construções de novas escolas.
Entre as prioridades apontadas para os comitês regionais, estão o treinamento técnico do comitê com esclarecimentos sobre as metas, funcionamento e projetos do pacto; a mobilização e o envolvimento dos seus membros junto aos municípios de cada região, sobretudo aqueles com o menor Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), a mobilização dos municípios para adesão ao Sispae (Sistema Paraense de Avaliação Educacional); e o estabelecimento fluxos e de canais de comunicação entre os comitês regionais.
Ao longo do mês de setembro, foram instalados comitês nas regiões de integração Baixo Amazonas, Carajás, Lago de Tucuruí, Marajó, Metropolitana, Tapajós, Tocantins, Rio Caetés, Rio Capim, Rio Guamá e Xingu. No próximo dia 4, o último comitê regional será instalado, em Rio Maria, sede do comitê da região do Araguaia.
Os comitês são responsáveis, entre outras ações, por acompanhar a implementação de programas e projetos do pacto - que prevê um investimento de quase R$ 1 bilhão na rede estadual de ensino até 2017 - nas escolas estaduais localizadas em cada região, identificar pontos de atenção e tem comunicação direta com o Comitê Estadual do Pacto.
“Estamos na expectativa de avançar na divulgação do pacto para os municípios. Tivemos a instalação do pacto como um primeiro momento agora em setembro e a ideia é nos organizarmos para garantir o controle social do pacto. A gente sabe que são muitos projetos e o investimento é muito grande. Por isso é fundamental darmos funcionamento do comitê”, afirmou a presidente do comitê gestor do Marajó, polo Breves, Benedita Cirino.
Para a representante da sociedade civil no Comitê da Região do Capim, Janice Silva, é importante que a sociedade esteja envolvida nas ações do Pacto. “É importante que as informações sobre o Pacto cheguem as escolas e que toda a sociedade de cada município da região faça também sua adesão ao Pacto e acompanhe o que está acontecendo”, defendeu.
Lançado em 26 de março deste ano, o pacto é um esforço liderado pelo governo do Estado e conta com a integração de diferentes setores e níveis de governo, da comunidade escolar, da sociedade civil organizada, da iniciativa privada e de organismos internacionais, com o objetivo de promover a melhoria da qualidade da educação no Pará, tendo como principal meta elevar o Ideb do Pará em 30% até o ano de 2017.

Texto:
Mari Chiba-Seduc








Médica Ana Conceição Pessoa é a nova presidente da Santa Casa
A médica Ana Conceição Matos Pessoa é a nova presidente da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. Ela substitui a nutricionista Eunice Begot, que deixou o cargo para assumir função na Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A cerimônia de posse ocorreu nesta terça-feira (1º), na sala de treinamento do hospital. A apresentação do Coral Saúde e Vida, um dos projetos de humanização mantidos pela instituição, emocionou a nova gestora, cuja nomeação foi publicada no Diário Oficial desta terça-feira.
Ana Conceição agradeceu aos servidores pelo acolhimento e disse que o trabalho em equipe será uma das estratégias de sua gestão. A médica, que é especialista em ginecologia e obstetrícia, afirmou ainda que está comprometida com umas das metas prioritárias do governo: trabalhar em prol de um planejamento que acrescente qualidade à saúde da população.
"Meu objetivo é elevar o nome da Santa Casa. Para isso, quero deixar claro que ninguém faz nada sozinho. Trabalharemos de mãos dadas, vestiremos a mesma camisa. Podem ter certeza que a porta do gabinete estará sempre aberta a todos", enfatizou, dirigindo-se aos servidores do hospital.
Assumir a administração da maior maternidade do Pará é um dos maiores desafios da carreira da médica, sobretudo em função do momento de transição do prédio centenário para a Unidade Materno-Infantil Dr. Almir Gabriel, dotada de uma estrutura moderna e funcional. "É gratificante. Sei da imensa importância da Santa Casa. Estou extremamente disposta a trabalhar para a comunidade", enfatizou.
A atual diretoria da Santa Casa, representada pela diretora técnica, Cynthia Pires, presenteou a nova presidente com um jaleco. "Estamos aqui para ajudá-la sempre. É o desejo da diretoria e de todas as gerências". A secretária adjunta da Sespa, Heloísa Guimarães, destacou a importância do trabalho dos servidores neste momento de fortalecimento da Santa Casa. "A porta da Sespa está aberta. Sabemos o quanto é gratificante colaborar", ressaltou.

Texto:
Nilson Cortinhas-Santa Casa


Teatro Waldemar Henrique recebe o espetáculo "Encantados S. A."
Pelo terceiro ano, o espetáculo “Encantados S. A.” volta aos palcos de Belém. As apresentações ocorrem de quinta-feira (3) a domingo (6), sempre às 20 horas, no Teatro Experimental Waldemar Henrique. Domingo, haverá uma sessão extra, às 10 horas. Os ingressos antecipados custam R$ 8, e na hora do espetáculo, R$ 20, com meia-entrada.
“Encantados S. A.” narra a vida do garoto Noque, que, aos 13 anos de idade, ainda brinca com o boneco Gigy, seu brinquedo preferido e único amigo. É com ele que o menino compartilha descobertas, angústias e vivências. Ele começa a perceber, porém, que coisas estranhas estão acontecendo. O professor de química uiva como um lobo. Uma senhora oferece maçãs para as pessoas na rua. Uma criança caminha como se fosse um pato.
Noque e seu melhor amigo passam a investigar esses fatos até encontrarem a chamada Organização Secreta dos Seres Encantados Aliados Pela Proteção da Fantasia ou Simplesmente Encantados (Osseapeprofosoe). O encontro muda a vida de Noque para sempre.
O dramaturgo Haroldo França afirma que a peça é diversão garantida para crianças e adultos. “É uma metáfora do crescimento. Uma homenagem às crianças que todos já fomos e que, de alguma forma, ainda somos. O espetáculo tem um humor incrível e é especial”, diz.
A diretora da peça, Bárbara Gibson, pontua que cada temporada tem novidades e que o público nunca pode esperar um mesmo espetáculo. "A a gente muda bastante coisa no espetáculo, do corpo de atores a cenas inusitadas. É uma peça que está atenta ao seu tempo e se renova. E não será diferente agora. Todos já visitamos mundos encantados quando crianças", completa.

Texto:
Hélio Granado-FCPTN


Paratur fará receptivo a participantes dos Jogos Escolares da Juventude
Parceria firmada entre o Núcleo de Esporte e Lazer, da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), e a Companhia Paraense de Turismo (Paratur) vai garantir um receptivo especial aos cerca de cinco mil jovens, entre 15 e 17 anos, que participarão em Belém dos Jogos Escolares da Juventude, em novembro deste ano.
Reunião entre representantes da Paratur, Seduc e Secretaria de Esporte e Lazer (Seel) definiu detalhes desse receptivo, que será marcado, principalmente, com visita aos principais pontos turísticos de Belém. Um river tour também será oferecido aos cerca de 20 observadores internacionais e 30 jornalistas que participarão do evento, que ocorre de 7 a 17 de novembro.
A professora Glória Guerreiro, coordenadora do Núcleo de Esporte e Lazer e intermediadora das ações do governo do Estado com a equipe técnica do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), explicou que o evento é uma grande oportunidade para que o Estado apresente suas ações além das modalidades esportivas previstas.
"Estamos preparando uma programação especial para esse período. Uma delas é uma evolução, que envolverá 420 estudantes. A partir de coreografias, eles vão apresentar nossas lendas, floresta, danças e outros aspectos da cultura paraense. O repertório terá Fafá de Belém, Waldemar Henrique e outras músicas significativas para a Amazônia”, detalhou.
Belém será a primeira cidade da região Norte a receber a competição, criada em 1969 e que ano passado ocorreu em Cuiabá (MT). O presidente da Paratur, Marcelo Mendes, confirmou o apoio ao evento, que considera de valor imensurável para fortalecer o turismo.
"Além de apresentarmos as opções de turismo em Belém, seja na área urbana, seja na região das ilhas, também vamos criar estratégias para mostrarmos a esses jovens, turistas em potencial, que o Pará é a obra-prima da Amazônia. A ideia é recebê-los com a excelência do nosso receptivo turístico para que, após os jogos, retornem ao Pará e sejam multiplicadores do nosso turismo”, disse.
O receptivo especial aos jovens estudantes e aos observadores que virão de 20 países incluirá passeios diários, de 7 a 16 de novembro, a espaços como o Ver-o-Peso, Complexo Feliz Lusitânia, Mangal das Garças, Polo Joalheiro, Estação das Docas e Museu Goeldi, entre outros.
Na próxima segunda-feira (7), às 16 horas, a comitiva responsável pelo receptivo vai apresentar, aos dirigentes do COB, a proposta de roteiros turísticos e de receptivo que será executada durante os jogos.

Texto:
Benigna Soares-Paratur


Caravana Pro Paz Cidadania faz mais de 100 mil atendimentos no Marajó
Após 36 dias oferecendo serviços de cidadania e saúde para os moradores de dez municípios do Marajó, os 130 profissionais que participaram da Caravana Pro Paz Cidadania desembarcaram na manhã desta terça-feira (1º) no píer da Estação das Docas. A caravana, que terminou domingo (29), no município de Afuá, fez ao todo 104.379 atendimentos, garantindo o acesso da população mais carente a serviços que não são ofertados na região.
A Caravana Pro Paz percorreu os municípios de Soure, Salvaterra, Ponta de Pedras, Muaná, São Sebastião da Boa Vista, Curralinho, Breves, Melgaço, Anajás e Afuá. Entre os serviços ofertados para a população na área da cidadania, estava a emissão de carteira de identidade, que foi o mais procurado, com 6.721 novos documentos expedidos. A caravana também fez a emissão de carteira de trabalho, CPF e fotografias para documentos, além do encaminhamento para a emissão de certidão de nascimento. No atendimento jurídico, foram 28.646 atendimentos.
Segundo a coordenadora da caravana, Dulce Venturieri, que acompanhou durante 26 dias os atendimentos, o que mais chamou a atenção foi a grande procura pelas consultas nas áreas de pediatria, ginecologia e clínica geral. “Víamos nos rostos das pessoas atendidas a satisfação pelo serviço oferecido. Saber que estamos levando um atendimento de saúde especializado e documentos de identificação para uma população tão carente e ainda por cima ser reconhecido pelos próprios moradores não tem preço”, afirmou.
Na área de saúde, a população contou pela primeira vez com especialidades como urologia – com 1.513 atendimentos –, auxiliando no combate ao câncer de próstata. Uma das consultas médicas mais procuradas foi a de ginecologia, que fez 5.055 atendimentos. Também foram feitos consultas médicas nas áreas de pediatria, cardiologia e dermatologia e testes rápidos de hepatite B e C e de HIV. Foram feitos também exames laboratoriais e a distribuição de medicamentos, totalizando 75.733 atendimentos na área de saúde.
Assistência – A Caravana Pro Paz Cidadania também possibilitou que os servidores estaduais que atuam na capital conhecessem a realidade dos moradores do Marajó, além de ajudá-los a garantir sua cidadania. É o caso de Keila Oliveira, que integrou a equipe da caravana e, durante 36 dias, acompanhou de perto as características da população local.
“Anteriormente, tive a oportunidade de visitar o Marajó apenas a passeio. Sempre gostei da região e fiquei muito feliz em voltar. Agora que fui a trabalho, percebi o quanto a população precisava dos nossos atendimentos de saúde. Nesses dias, além de conhecer a realidade dos moradores, tive a oportunidade de me aproximar deles e conhecer como vivem na região, uma experiência gratificante”, disse ela, que fez a triagem dos pacientes atendidos.
Para a coordenadora do Pro Paz Cidadania, Cláudia Vinagre, o saldo da caravana foi positivo, pois em todos os municípios que receberam os atendimentos a população compareceu em grande número. “Conseguimos atingir a meta, tanto na área da saúde como na de cidadania. Na saúde, por exemplo, superamos em 8% a meta de fazer 700 atendimentos por dia”, informou.
Ainda segundo Cláudia Vinagre, todos os pacientes que foram atendimentos pela caravana e que precisam continuar em tratamento médico foram cadastrados e encaminhados para hospitais da capital e do município de Breves. “Os pacientes que foram atendidos e que precisarão de um acompanhamento médico mais específico, ou cirurgia, estão com exames marcados em Belém e no Hospital Regional de Breves. Assim podemos garantir uma atendimento integral para todos”, pontuou.
A Caravana Pro Paz também ofereceu uma programação cultural, com mostras de cinema nos municípios promovidas pelo Instituto de Artes do Pará (IAP). A ação é uma iniciativa do Programa Pro Paz, em parceria com a Defensoria Pública do Estado, secretarias de Estado de Saúde Pública (Sespa) e de Assistência Social (Seas), polícias Civil e Militar e IAP.

Texto:
Tiago Furtado-Pro Paz





Hemopa descentraliza coleta de sangue e vai até os doadores
A Fundação Hemopa prossegue com a campanha externa de doação de sangue feita com o apoio da unidade móvel de coleta, que está posicionada na Avenida Presidente Vargas à esquina da Rua Santo Antônio, no centro comercial de Belém, onde ficará até a tarde desta quarta-feira, 2. O objetivo é elevar o número de doações de sangue para atendimento satisfatório da demanda transfusional da rede hospitalar. A ação faz parte de um cronograma de coletas que se estenderá até o final deste mês, em parceria com diversas instituições. Nos dias 15 e 16, a unidade móvel retorna para a Avenida Presidente Vargas, desta vez em frente ao prédio do Banco do Brasil, para realização de coletas no período das 8h às 15h.
Doadora há sete anos, Fernanda Oliveira, 31, foi atendida pela primeira vez na unidade móvel. “Vim resolver algumas coisas no centro e avistei a unidade móvel, então decidi fazer a minha doação”, comentou, ressaltando que é muito bom poder ajudar o próximo com um gesto aparentemente simples. “Me sinto muito bem em saber que com isso, estou ajudando a melhorar a vida de outras pessoas“, diz.
No dia 22, das 10h às 19h, haverá uma outra ação em parceria com o Shopping Center Castanheira. No dia 24, as equipes do Hemopa estarão na Faculdade da Amazônia (FAMAZ), localizada na Avenida Doca de Souza Granco, das 15h às 20h. No dia 25 quem recebe a unidade móvel de coleta é a sede da Rede Celpa, na Rodovia Augusto Montenegro, de 8h as 16h. Nos dias 30 e 31, a campanha acontece em parceria com o Hospital Metropolitano, em Ananindeua, de 8h as 17h.
Quem pode doar sangue: Candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos; peso acima de 50 kg. É necessário apresentar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três. O doador deve estar bem alimentado.
Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou mulher saudáveis, com idades entre 18 e 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto.
Serviço: O Hemopa espera por você na Tv. Padre Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h, e aos sábados, das 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 0800 280 8118, de 2ª a 6ª-feira, das 8h às 18h; e aos sábados, até as 17h.

Texto:
Vera Rojas-Hemopa


Nota Fiscal Cidadã entrega prêmios aos consumidores sorteados
Quando foi avisada que havia ganhado R$ 20 mil no Programa Nota Fiscal Cidadã, a servidora pública estadual Margareth de Oliveira pensou que era trote. Só acreditou quando entrou no site e viu que o seu bilhete fora premiado. Para ela, além da satisfação de receber um valor não esperado, há o compromisso de cidadã em pedir o documento fiscal e garantir o recolhimento dos impostos. “O programa é muito importante, porque é um direito nosso pedir o documento fiscal, e sobretudo porque ajuda a combater a sonegação fiscal”. Margareth é servidora da Secretaria de Saúde (Sespa) há nove anos.
Nilzete Parente representou o marido, o motorista Mauro André Silva Parente, na premiação. Ele ganhou R$ 12 mil. Ela conta que o casal sempre pediu e guarda as notas fiscais e por isso ele se inscreveu no Programa. “Ganhar um dinheiro que não estava programado é ótimo e falamos para as pessoas que peçam as notas com CPF e participem do sorteio”. Victor Espíndola Martins, analista de sistema que ganhou R$ 5 mil, vai realizar um investimento com o valor.
A entrega simbólica dos prêmios do quarto sorteio do  Programa Nota Fiscal Cidadã, de estímulo à cidadania fiscal, aconteceu nesta terça-feira, (1º) no auditório da Secretaria da Fazenda, em Belém. Os prêmios totalizam R$ 222,6 mil. Foram 2.970 ganhadores de 39 municípios e 3.145 prêmios, distribuídos da seguinte forma: um prêmio de R$ 20.000,00; um prêmio de R$ 12.000,00; um prêmio de R$ 5.000,00; 14 prêmios de R$ 500,00;  55 prêmios de R$ 200,00;  279 prêmios de R$ 100,00 e  2.794 prêmios de R$ 50,00. O sorteio foi dia 18 de setembro.
A premiação é depositada na conta corrente ou poupança dos consumidores cadastrados no Programa cerca de 12 dias depois que os dados são enviados ao sistema bancário.
Para a coordenadora do Programa, Rutilene Garcia, o programa atrai cada vez mais consumidores interessados em participar dos sorteios e também atraídos pelas ações de cidadania. O programa tem mais de 106 mil consumidores cadastrados. Em quatro sorteios o valor da premiação totalizou R$ 746,5 mil, com 8. 818 consumidores premiados.
“A relação fiscal do Governo com o cidadão, de forma transparente, com instrumentos e informações disponíveis, facilita a construção da cidadania fiscal e de um sistema tributário socialmente mais justo e economicamente mais eficiente, além de garantir maior qualidade na prestação dos serviços públicos”, disse Garcia.
A secretária adjunta do Tesouro, Adélia Macedo, afirmou que o Programa é exitoso e importante para o Governo. “Estamos cada vez mais estabelecidos, sentimos isso nas ruas, no contato com as pessoas que nos procuram”, resumiu ela. O evento teve a participação do Grupo de dança Mirai, dançando o Rap do Cidadão, e do Coral Fazend’arte, que cantou o jingle do Programa.
Para participar do Programa Nota Fiscal Cidadã basta pedir notas e cupons fiscais com CPF e se cadastrar no site do Programa na internet. Para maiores informações visite o site www.sefa.pa.gov.br/nfc ou fale com o call Center 0800 725 5533.

Texto:
Ana Márcia Pantoja-Sefa





Mangal das Garças recebe exposição “Harmonia” a partir desta quarta-feira
Os visitantes do Parque Zoobotânico Mangal das Garças, no período de 2 de outubro a 3 de novembro, conhecerão de perto algumas imagens que expressam os olhares dos japoneses na exposição fotográfica “Harmonia – Hikaru Nagatake e crianças do projeto Wonder Eyes do Japão”, no Memorial Amazônico da Navegação.
A exposição, que acontecerá pela primeira vez em Belém é uma realização do Consulado Geral do Japão em Belém e Fundação Japão que conta com o apoio da Amazônia Típica, Organização Social Pará 2000 e Secretaria de Estado de Cultura (Secult). Dezoito imagens estarão expostas na parede de exposições do Memorial.
Crianças entre 12 e 15 anos, assistidas pela ONG NoOlhar, irão participar do workshop de fotografia, ministrado pela a fotógrafa Hikaru Nagatake, um desdobramento do evento que contará com uma aula prática no Mangal. “Escolhemos o parque para a realização do workshop e da exposição por ter muitas paisagens naturais, dentro de Belém. Paisagens estas que poderão participar de outras exposições da fotógrafa em outros países e no Japão”, explica a assessora do Consulado Geral do Japão, Rosa Kamada.
“Os espaços do Hangar, Mangal e Estação, administrados pela Pará 2000, estão abertos para parcerias que fomentem a cultura, como é o caso de ‘Harmonia’ em que a fotógrafa irá mostrar para todos o seu olhar e ainda ensinar a arte de fotografar para crianças, usando o Mangal como um grande cenário a céu aberto”, ressalta a gerente de Marketing da OS, Isa Arnour.
Serviço:
A abertura da Exposição Fotográfica do Japão “Harmonia – Hikaru Nagatake e crianças do projeto Wonder Eyes do Japão” acontecerá na próxima quarta-feira, 2 de outubro, às 17h30, no Memorial Amazônico da Navegação. A visitação ficará aberta até o dia 3 de novembro, no Memorial Amazônico da Navegação – Mangal das Garças, de terça a domingo, das 9 horas às 18 horas.

Texto:
Fernanda Scaramuzzini-Pará 2000


Adepará destaca importância de cadastro para o controle das pragas do abacaxi
Produtores de abacaxi devem ficar atentos para fazer o cadastro anual na agência de defesa agropecuária mais próxima do seu município, para controle da produção e de pragas no plantio. Segundo a coordenadora do Programa Fitossanitário da Cultura do Abacaxi, Marluce Bronze, o fruto leva 18 meses para atingir a maturação, portanto, a cada plantio é obrigatório ao produtor rural se cadastrar para garantir as medidas fitossanitárias, o que é feito gratuitamente. “Esse cadastro é justamente para que possamos ter um mapa de quantos produtores há no estado e quais são os mecanismos que devemos utilizar para levarmos as informações até eles”, informou.
O município de Floresta do Araguaia, no sudeste paraense, é o segundo maior produtor de abacaxi do Brasil, por isso o risco de pragas nessa região é alto. Ano passado um dos produtores de Salvaterra, na região do Marajó, teve a plantação vitimada pelo ataque da praga conhecida como Broca. Morador da comunidade Condeixa, seu Ângelo tinha 80 mil frutos em período de colheita e teve um prejuizo estimado em R$ 42 mil.
No Pará existem três tipos de pragas:
- Broca, provocada por uma lagarta que corrói internamente a fruta formando espécies de galerias que vão da polpa à casa, por onde é liberada uma resina de coloração marrom-escura, com mau cheiro e que pode causar perdas de 90% na produção;
- Fusariose, causada por um fungo capaz de contaminar toda a planta - desde a base das folhas até os frutos - e, principalmente, as mudas. Com o passar do tempo, as partes doentes encolhem e os frutos ficam deformados, com perdas estimadas em 30%.
- Cochonilha, associada à murcha-do-abacaxi, as plantas apresentam a ponta das folhas avermelhadas, com margens amareladas e o centro com tom rosa vivo. Com o passar do tempo, as plantas podem morrer, provocando perdas de 70% da produção.
“A fusariose é a principal doença que ocorre na região de Conceição do Araguaia, necessitando de estratégia de controle por meio de inspeções na lavoura, mudas sadias e erradicação de plantas doentes, devido às formas de disseminação do fungo, que ocorre pelo vento, chuva e por objetos contaminados”, explicou a coordenadora do Programa. Para minimizar incidência de doenças, a Adepará proíbe que o plantio seja abandonado, pois o lugar vira foco de pragas. O Programa trabalha com dezoito municípios, entreos quais Conceição do Araguaia, onde estãom 50 produtores cadastrados no órgão; Floresta do Araguaia, com mais de 30 cadastrados, e Salvaterra, que tem cerca de 50 agricultores contemplados pelo órgão.
A Adepará tem promovido palestras educativas no interior do Estado, além de cursos para controle e prevenção da praga. Na última, administrada no município de Salvaterra por técnicos da Agência Embrapa, Ministério da Agricultura e Secretaria da Agricultura do Estado (Sagri), contou com a participação de 71 produtores rurais. Já em Conceição do Araguaia, 26 produtores participaram do treinamento sobre reconhecimento e controle de pestes. Durante a capacitação, profissionais da área apresentaram o Programa, que aborda a legislação vigente; as pragas alvo; monitoramento; controle das pragas e o cadastramento obrigatório dos produtores.
“É um trabalho que não conhecia. Daqui pra frente vou procurar seguir as normas e fazer a minha parte para acabar com essa doença”, comentou o produtor João Machado sobre o trabalho da Adepará. Para o produtor Antônio Alexandre, o treinamento “valeu a pena, pois a região tem forte tradição na cultura”, destacou. Em caso de suspeita de ocorrência de uma dessas pragas no plantio, a Adepará orienta os agricultores a comunicarem imediatamente o órgão.

Texto:
Andréa Ferreira-Adepara


Seduc premia gestão de escolas estaduais
A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) realizou nesta terça-feira (1º), no auditório do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), a cerimônia de premiação das quatro escolas vencedoras em nível estadual do Prêmio de Gestão Escolar 2013. O Prêmio é organizado pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e tem como objetivo reconhecer projetos inovadores e gestões competentes na educação básica do ensino público brasileiro.
A premiação tem como meta estimular que escolas públicas mostrem o desenvolvimento de suas gestões, além de incentivar o processo de melhoria contínua na escola, pela elaboração de planos de ações, tendo como base uma autoavaliação. As escolas paraenses finalistas são as Escolas Estaduais Yolanda Chaves, do município de Bragança; São Francisco, de Abaetetuba; São Pedro, de Belém e Frei Othmar, de Santarém.
A Escola Estadual São Francisco Xavier, da cidade de Abaetetuba, foi a vencedora do estado. A escola tem 47 anos de fundação e está ganhando pela segunda vez o prêmio, em 2003 foi destaque nacional e ficou entre as primeiras colocadas no país e este ano foi a vencedora no Pará. A instituição ganhou um prêmio no valor de R$ 6.000,00 e o gestor da escola foi contemplado com uma viagem de intercâmbio aos Estados Unidos da América para conhecer as práticas pedagógicas do país.
Para o diretor Manoel Carlos Guimarães esta premiação é um momento muito importante para a escola e para a educação do estado. "Nossa escola faz a diferença na gestão do ensino. Nós trabalhamos juntos, os pais participam ativamente dos eventos e programas. Realizamos um trabalho que ultrapassa o muro da escola e envolve a comunidade escolar. É preciso acreditar no potencial dos nossos alunos e professores com uma gestão participativa”, disse ele.
A Escola Estadual Yolanda Chaves, do município de Bragança, conquistou o segundo lugar; a Escola Frei Othmar, de Santarém, ficou com o 3º lugar e a Escola São Pedro, do distrito de Icoaraci, conquistou a 4ª colocação. Essas escolas receberam da empresa Maqmóveis, representada por Rui Cohen, o valor de R$ 5.000,00, cada uma delas, para investimento em projetos.
A Coordenadora Estadual do Prêmio Gestão Escolar 2013, Mabel Bastos, explicou que as escolas se inscreveram pelo site do Consed, fizeram uma autoavaliação de sua gestão e elaboraram um plano de ação para melhorar e desenvolver o ensino. “Estão sendo reconhecidas pelo excelente trabalho que realizam, com boas ações de gestão e mostrando que possuem ótimos projetos”, afirmou ela.
De acordo com Adeise Queiroz, que chefia a Diretoria de Educação Diversidade, Inclusão e Cidadania (Dedic), esta premiação é muito importante para o ensino público e a Seduc tem a honra de entregar estes certificados. “Todas as escolas aqui presentes, estão de parabéns por terem alcançado os primeiros lugares, os diretores estão mostrando os seus trabalhos. Isso tudo mostra que a escola pública é de qualidade sim, principalmente quando o gestor faz o trabalho acontecer”, enfatizou ela.

Texto:
Eliane Cardoso-Seduc





Curso treina profissionais que operam o Sistema Ouvidor SUS
A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) promove até sexta-feira, 4, na Escola de Governo do Pará (EGPA), mais um ciclo de treinamento sobre o Sistema OuvidorSUS nível I, destinado a 19 servidores da Sespa e de municípios que atuam como ouvidores das secretarias municipais de Saúde. A capacitação é ministrada pelos consultores técnicos do Departamento de Ouvidoria Geral do Sistema Único de Saúde (Doges), Danielle Pires e Rafael Caliari, e pelas ouvidoras da Sespa, Andréa Costa e Lia Borges.
O OuvidorSUS funciona como ferramenta para o recebimento, tratamento e monitoramento das reclamações, sugestões, solicitações, denúncias e elogios dos cidadãos, além da disseminação de informações em saúde. Criado exclusivamente para atender as ouvidorias do SUS, o serviço foi regulamentado pela Portaria n° 8, de 25 de maio de 2007, com a finalidade de ser uma ferramenta de descentralização de informação em saúde, para agilizar o processo de recebimento, encaminhamento, acompanhamento e respostas das manifestações recebidas, com gerenciamentos que auxiliem na melhoria contínua do serviço.
Segundo Andréa Costa, o objetivo de mais esse treinamento é qualificar os profissionais para atuarem no sistema de forma prática e eficiente, além de fortalecer os serviços, visto que a Sespa tem apoiado os municípios para que isso se torne realidade. Para tanto, já foram implantadas as ouvidorias nos Hospitais Regionais Abelardo Santos e Cametá.
Uma das ministrantes do treinamento, Danielle Pires, explica ainda que o sistema é resultado das experiências do Doges e da necessidade de se criar uma ferramenta para otimizar o processo de tratamento das demandas oriundas dos cidadãos – por isso a necessidade contínua de se treinar profissionais, uma vez que as gestões municipais sofreram mudanças em 2013 e novos atores surgiram para conhecer o sistema com mais afinco. Do ponto de vista do Ministério da Saúde, o OuvidorSUS é a principal ferramenta para a descentralização das Ouvidorias do Sistema Único de Saúde, conforme as diretrizes da Política Nacional de Gestão Estratégica e Participativa no SUS (ParticipaSUS).
Ouvidora da Fundação Santa de Misericórdia, a assistente social Ana Cleide considera o treinamento essencial para que o ouvidor permita detalhar a manifestação do cidadão - o que, consequentemente, qualifica melhor os relatórios da Ouvidoria, pois contém informações importantes para a leitura de gestão e controle social. Só em 2012, a Santa Casa registrou 1.080 manifestações formais e, em 2013, mais de 650.
No decorrer dos próximos dias do treinamento, uma das ouvidoras da Sespa, Andréa Costa, sugeriu aos participantes que elaborem propostas que favoreçam a articulação dos ouvidores em capacitação, como forma de ampliar o conceito de canal democrático de atendimento, acolhimento e escuta do cidadão às demandas, que são registradas, analisadas, classificadas, tipificadas e encaminhadas pela equipe da Ouvidoria. Cabe também ao órgão acompanhar o desenrolar das demandas até a resposta ao cidadão e finalização das demandas.
Participam do treinamento, realizado na sala de informática da EGPA, os servidores dos 5º, 6º e 9° Centros Regionais de Saúde da Sespa, das Fundações Hemopa e Santa Casa e das secretarias de Saúde dos municípios de Marabá, São Félix do Xingu, Bragança, Aurora do Pará, Tailândia, Ananindeua, Barcarena, Santana do Araguaia, Dom Eliseu, Paragominas, Belém, Marituba e Tucuruí.

Texto:
Mozart Lira-Sespa


Orquestras trazem brilho especial à programação “Nazaré em Todo Canto”
Nesta quinta-feira, dia 3, começa em Belém o evento “Nazaré em Todo Canto”, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e a Amazônia Jazz Band (AJB) e Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP) fazem parte da programação. Na quinta-feira, às 20h, no Theatro da Paz, a AJB faz um concerto, tendo como solista o cantor Daniel Araújo. Na terça-feira, dia 8, às 20h, a OSTP realiza o concerto em homenagem ao bicentenário de nascimento dos compositores Wagner e Verdi, com regência do maestro paulista Marcelo de Jesus e como solista a soprano paraense Adriane Queiroz. Entrada é gratuita, com retirada de ingressos na bilheteria do teatro, nos dias dos espetáculos, a partir das 9 horas.
No dia 15, às 20h, na igreja de Santo Alexandre, na Cidade Velha, haverá o concerto da Série de Câmara, com a OSTP, com execução de peças escritas para cordas e flautas; e encerrando a temporada das orquestras no “Nazaré em Todo Canto”, no dia 25 (sexta-feira), a AJB volta a se apresentar, desta vez em Castanhal, às 20h30, na praça dos 12 Apóstolos, em frente à catedral Santa Maria Mãe de Deus, reprisando o concerto “Quando o Jazz encontra a Ópera”, com regência do maestro Nelson Neves e participação do Coro Lírico do Festival de Ópera do Theatro da Paz. As duas apresentações têm entrada gratuita. Informações: 4009-8750.


Encontro reúne membros dos 12 comitês regionais do Pacto pela Educação do Pará
Membros dos 12 comitês gestores regionais do Pacto pela Educação do Pará se reúnem, nesta quarta-feira (2), na Federação das Indústrias do Pará (Fiepa), em Belém, para o primeiro encontro estadual com parceiros e comitês regionais.
O objetivo do encontro é dar andamento aos primeiros passos dos comitês após sua formalização. Cada membro de comitês possui um caderno de informações sobre a situação das escolas estaduais da região, a fase de implantação de cada um dos 34 programas e projetos do Pacto no ano de 2013 e o que está previsto para o ano de 2014, inclusive reformas e construções de novas escolas.
Ao longo do mês de setembro, foram instalados comitês nas 12 regiões de integração: Araguaia, Baixo Amazonas, Carajás, Lago de Tucuruí, Marajó, Metropolitana, Tapajós, Tocantins, Rio Caetés, Rio Capim, Rio Guamá e Xingu. Os Comitês são responsáveis, entre outras ações, por acompanhar a implementação de programas e projetos do Pacto - que prevê um investimento de quase R$ 1 bilhão na Rede Estadual de Ensino até 2017 - nas escolas estaduais localizadas em cada região, identificar pontos de atenção e tem comunicação direta com o Comitê Estadual do Pacto.
Cada comitê é composto por dois representantes do Estado, um secretário municipal de educação, um secretário municipal de assistência social, um representante de empresa parceira do Pacto, um representante da sociedade civil e um representante da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).
Lançado no dia 26 de março deste ano, o Pacto é um esforço liderado pelo Governo do Estado e conta com a integração de diferentes setores e níveis de governo, da comunidade escolar, da sociedade civil organizada, da iniciativa privada e de organismos internacionais, com o objetivo de promover a melhoria da qualidade da educação no Pará, tendo como principal meta elevar o Índice de Educação Básica (Ideb) do Pará em 30% até o ano de 2017.


Pará é destaque no 3° Fórum Multilateral de Negócios do Mercosul
A entrada na Venezuela como membro pleno no bloco econômico que congrega estados das regiões Norte e Nordeste do Brasil deverá gerar emprego e renda ao Pará, com a consequente aplicação de investimentos em diversos setores de economia. A informação foi confirmada nesta terça-feira, 01, durante a abertura da terceira edição do Fórum Multilateral de Negócios do Mercosul, promovido pela Federação de Câmaras de Comércio e Indústria Venezuela-Brasil. O governador do Estado, Simão Jatene, foi representado na ocasião pelo titular da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração do Pará, David Leal.
O Fórum é um evento itinerante que acontece até esta terça-feira, 01, no Hilton Belém, e a programação é dividida em ciclo de conferências e encontro de negócios. Colocar as organizações da região em plano especial, na pauta de desenvolvimento do Brasil e no circuito de oportunidades em nível mundial é o objetivo do encontro, que tem entre seus participantes autoridades, empresários e investidores com projeto de atuar, ou que já atuam, na região, já considerada por especialistas e consultores um corredor de desenvolvimento e mercado consumidor.
“A entrada da Venezuela (em julho último) representa uma série de alterações positivas nas relações comerciais do Mercosul e vai estreitar os laços de negócios com os empresários do Norte e Nordeste, incentivando parcerias e investimentos”, informou o presidente da Federação de Câmaras de Comércio e Indústria, João Francisco Marcondes.
Importância - A aproximação do Pará, que teve destaque no evento - por sua riqueza e posição geográfica privilegiadas - com os países do bloco econômico, por meio de integração econômica das cadeias produtivas, indústrias e agropecuárias, é um sinal da importância do estado nos cenários economico e comercial, como ressaltou o secretário David Leal.
Diante de uma plateia de empresários, investidores, industriais e autoridades locais, nacionais e internacionais, Leal mencionou o potencial logístico e a localização estratégica dos portos paraenses - já existentes e previstos para serem implantados - como atrativos para a dinamização das relações com o Mercosul. "Colocamos o governo do Pará à disposição desse Fórum, para construirmos uma agenda proativa de contatos comerciais. Temos certeza de que todas as áreas que estarão em debate nesta agenda serão alavancadas", acrescentou David Leal.

Texto:
Sergio Augusto-Seicom


Segurados do Iasep comemoram o Dia Internacional do Idoso
Dança, música, relatos de vida e vários momentos emocionantes marcaram a primeira parte das comemorações pelo Dia Internacional do Idoso, realizada pelo Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Pará (Iasep). Cerca de 500 pessoas participaram do evento, aberto com um café da manhã para participantes do Programa Vitalidade, de prevenção e qualidade de vida.
“Em um ano de atividade, os resultados do Programa Vitalidade são extremamente positivos para os mais de dois mil segurados inscritos. 70% deles estão conseguindo fazer o controle da pressão arterial e do diabetes, 45% iniciaram atividade física e 38% conseguiram uma efetiva redução de peso”, disse o presidente do Iasep, Kleber Miranda, na abertura do evento. Segundo ele, 61% dos segurados do Vitalidade reduziram efetivamente as idas ao pronto-socorro.
Contadora aposentada, dona Cleonice Maria Viana Bentes, 68 anos, está fazendo acompanhamento geriátrico e controle de pressão arterial. “O Vitalidade foi criado com muito amor e está sendo muito bem aceito por nós. Estou muito feliz, participo do grupo de carimbó, do Coral e já estou me inscrevendo no grupo de seresteiros”, diz ela.
“O programa Vitalidade busca promover a saúde e o bem estar de forma diferente”, ressalta Heitor Pinheiro, titular da Secretaria de Assistência Social (Seas). Assim como ele, o secretário estadual de Saúde, Hélio Franco, reconheceu como extremamente positivas as atividades do Iasep. “Hoje eu queimei a língua. Sempre falo que os planos não fazem programa de prevenção, mas duas mil pessoas beneficiadas é um número que não se pode ignorar, isso é sensacional”, afirmou Franco.
Da programação do evento, que encerra às 17h, constam ainda palestras sobre nutrição, mesa redonda com psicólogos, workshop de Fisioterapia e apresentações de dança, do Coral de 70 vozes e do grupo Seresteiros do Vitalidade, composto por 40 pessoas. Além dos titulares da Seas e Sespa, o médico Yuji Ikuta, representante da Unimed, elogiou a iniciativa do governo do Estado em desenvolver efetivamente uma política de prevenção entre os idosos.
Responsável por diversas iniciativas sócio-culturais do programa, a médica oftalmologista Cintya Charone garante que “o segredo do Vitalidade é justamente a qualidade de vida que ele assegura. "Quem usa mais, precisa menos. Ou seja, quem mais participa do programa, menos fica doente”. A ao lado do geriatra Vasco Vieira, Charone é uma das prestadoras de serviços que coordena as equipes multidisciplinares de atendimento aos idosos.

Texto:
Ettiene Angelim-IASEP





Hemopa divulga calendário de campanha externa
A unidade móvel de coleta de sangue do Hemopa estará nesta quarta-feira (2), de 8h às 16h, na avenida Presidente Vargas, em frente ao Banco do Brasil. A ação tem o objetivo de elevar o número de doações de sangue para atendimento da demanda transfusional da rede hospitalar. A ação faz parte de um cronograma de coletas que se estenderá até o final deste mês, em parceria com diversas instituições. De acordo com a programação, nos dias 15 e 16, a unidade móvel de coleta de sangue retorna para a avenida Presidente Vargas, em frente ao prédio do Banco do Brasil, de 8h às 15h.
No dia 22, de 10h às 19h, haverá ação em parceria com o Shopping Center Castanheira. No dia 24, de 15h às 20h, na Faculdade da Amazônia (Famaz), na avenida Doca de Souza Franco, 72. Dia 25, na unidade da Rede Celpa, de 8h às 16h, na rodovia Augusto Montenegro, Km 8. Nos dias 30 e 31, será realizada campanha em parceria com o Hospital Metropolitano, 8h às 17h, na BR-316, Ananindeua.
Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Menores de 18 com autorização dos pais ou responsáveis. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.


Fiocruz fala sobre Doença de Chagas no Laboratório Central
Doença de Chagas por transmissão oral foi o tema de uma reunião ocorrida nesta terça-feira, 1º, no Laboratório Central do Estado (Lacen), entre profissionais desta instituição e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ocasião em que os paraenses aprofundaram mais seus conhecimentos a respeito da doença. O diretor do Lacen, Sebastião Licínio Lira, que abriu o encontro, destacou o nível dos convidados da Fiocruz.
Licínio fez questão de destacar que o Laboratório Central é referência na Região Norte e ressaltou o nível de competência e comprometimento dos profissionais que formam a equipe do Lacen. Já a pesquisadora adjunta da Fundação Oswaldo Cruz e diretora do Laboratório de Doenças Parasitárias do Instituto, Ângela Cristina Junqueira, ressaltou a importância da parceria entre as duas instituições. “O Lacen do Pará foi escolhido entre os nove da região amazônica por estar sempre de portas abertas para novas propostas e novos projetos”, disse a pesquisadora, que alertou para a necessidade de sempre ser feita a notificação da Doença de Chagas, que existe em vários estados brasileiros.
“Amazônia brasileira. Uma nova fronteira para saúde e educação” foi o tema abordado durante o encontro pelo médico José Rodrigues Coura, Pesquisador Titular Emérito, chefe do Laboratório de Doenças Parasitárias do Instituto Oswaldo Cruz e Pesquisador 1A do CNPQ. Segundo ele, grandes problemas são detectados na Amazônia, como a ocupação desordenada, a migração de pessoas de diferentes culturas, a cobiça internacional, entre outros.
Doutor Coura, como é conhecido no seu meio de pesquisa, falou ainda sobre a situação da Amazônia brasileira e o trabalho que a Fiocruz vem desenvolvendo desde 1910 na região, que se caracteriza pelas doenças prevalentes. 
Graduada em Ciências Biológicas, com mestrado em Biologia Celular e Molecular e doutorado em Biologia Parasitária, a Pesquisadora Adjunta da Fundação Oswaldo Cruz, Juliana de Meis, falou sobre a “Infecção oral pelo Tryponsoma cruzi”. Disse ela que os surtos de infecção oral de Doença de Chagas no Brasil ainda são muito frequentes e alertou para “uma nova versão da Doença de Chagas por via oral”.

Texto:
Demétrio Beltrão-Sespa


Decreto proíbe serviços do Estado em áreas desmatadas ilegalmente
O Diário Oficial do Estado publicou, no último dia 25, decreto do governador Simão Jatene que proíbe os órgãos e entidades da administração estadual de conceder licenças, autorizações, serviços, benefícios ou incentivo público aos empreendimentos e atividades situados em áreas desmatadas ilegalmente no Estado. A restrição abrange, por exemplo, a alienação ou concessão de terras públicas estaduais feitas através do Instituto de Terras do Pará (Iterpa); emissão de Guia de Trânsito Animal (GTA); financiamento pelo Banco do Estado do Pará (Banpará), Programa Pará Rural, Banco do Produtor ou por outro órgão estadual e quaisquer incentivos fiscais.
Para o cumprimento do decreto, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) divulgará, periodicamente, as atividades ou empreendimentos que estarão sujeitos à proibição, assim como as respectivas áreas onde foi detectada a ocorrência do desmatamento ilegal. Serão levados em consideração parâmetros e critérios técnicos definidos pela Sema em conjunto com a Coordenação do Programa Municípios Verdes, a partir do tamanho da área desmatada, dominialidade do imóvel rural, categoria da área protegida, período ou ano da ocorrência do desmatamento, regiões ou municípios críticos para o combate ao desmatamento.
A medida não se aplica aos seguintes casos: desmatamentos ocorridos antes de 22 de julho de 2008; quando da apresentação de licença ou autorização que permitia a supressão de vegetação na área; quando da comprovação pelo interessado da inexistência do dano ambiental ou quando constatada a recuperação do dano ambiental.

Texto:
Elck Oliveira-Secom


Abertura da exposição Harmonia, no Mangal
Os japoneses, desde os tempos antigos, possuem a cultura de amar e contemplar a natureza. Às vezes, as forças naturais os surpreendem pela sua intensidade. Mas o desejo de estar em harmonia com a natureza será sempre presente nas suas vidas, e o retrato dessa realidade vai ser ocupado em 18 imagens expostas na parede de exposições do Memorial Amazônico da Navegação.
Apoiar iniciativas como esta do Consulado Geral do Japão faz parte da diretriz da Organização Social Pará 2000, que administra o Mangal das Garças, em promover cultura com acesso gratuito. Além da exposição fotográfica “Harmonia – Hikaru Nagatake e crianças do projeto Wonder Eyes do Japão”, a ação irá envolver a participação de crianças de 12 a 15 anos, que terão a oportunidade de fazer um workshop de fotografia com a Hikaru Nagatake, utilizando o Mangal como grande cenário e inspiração para as imagens.
O workshop acontece no dia 2 de outubro de 8h30 às 11h e de 15h às 17h30. A abertura terá início às 17h30 no Memorial Amazônico da Navegação e contará coma a presença de integrantes do Consulado do Japão. A exposição que acontecerá pela primeira vez em Belém é uma realização do Consulado Geral do Japão em Belém e Fundação Japão que conta com o apoio da Amazônia Típica, Organização Social Pará 2000 e Secretaria de Estado de Cultura (Secult).
O Parque Naturalístico Mangal das Garças, criado pelo Governo do Pará em 2005, é resultado da revitalização de uma área de cerca de 40.00m² às margens do rio Guamá. O que antes era uma área alagada com extenso aningal transformou-se em mais um belo recanto de Belém. A transformação foi cuidadosa. O pré-requisito era o aproveitamento máximo das condições paisagísticas da área. A ideia, representa as diferentes macrorregiões florísticas do Pará: as matas de terra firme, as matas de várzea e os campos, com sua fauna.


Segup lança projeto piloto do Programa de Redução da Criminalidade
A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) deu início, nesta segunda-feira (30), ao Projeto Piloto 2013 do Programa de Redução da Criminalidade, durante uma cerimônia realizada no auditório do Comando Geral da Polícia Militar, em Belém. O evento foi aberto com a apresentação do projeto piloto, realizada pelo tenente coronel BM Luiz Fernando Cajango, diretor do Núcleo de Gestão por Resultados da Segup.
O oficial falou para uma plateia que reuniu os gestores do Sistema de Segurança Pública do Pará, delegados da Polícia Civil e oficiais da Polícia Militar. O Projeto Piloto 2013 do Programa de Redução da Criminalidade (PREC/PP-2013) visa estabelecer e regular o modelo de gerenciamento para a redução da criminalidade na Região Metropolitana de Belém (RMB), a ser operacionalizado pelas instituições diretamente envolvidas no programa (Segup, Polícia Militar e Polícia Civil). O PREC/PP-2013 abrange as 1ª e 2ª Regiões Integradas de Segurança Pública (RISP) e suas respectivas Áreas Integradas de Segurança Pública (AISP).
O programa cria as coordenadorias colegiadas das RISPs e AISPs, formadas por um representante da PM e da PC, e se baseia em metas de redução de crimes (Indicadores de Criminalidade) previamente fixadas e estabelecidas para cada Área Integrada de Segurança Pública (AISP), com responsabilidade compartilhada pelas Polícias Militar e Civil, por meio das coordenadorias colegiadas.
“O programa permite uma maior integração e sinergia entre as forças policiais, uma vez que as metas são relativas aos crimes e não para as forças policiais de segurança individualmente”, explicou o tenente coronel Cajango. Segundo ele, “cada coordenadoria colegiada das AISPs vai elaborar, semanalmente, os planos operacionais de suas respectivas áreas e a metas serão acompanhadas diariamente. Este permanente monitoramento permitirá o desenvolvimento de ações que possam manter as metas definidas em níveis desejáveis, favorecendo, desta forma, o alcance dos objetivos estabelecidos”, acrescentou o oficial.
Durante a solenidade de lançamento do projeto, foram assinados a Portaria número 059/2013, que institui e regulamentao Projeto Piloto 2013, do Programa de Redução da Criminalidade e o seu Acordo de Resultados, com a pactuação de metas para a redução da criminalidade. O Acordo de Resultados foi assinado pelos titulares da Segup, PM e PC e vai vigorar de 30 de setembro até 31 de dezembro de 2013, conforme o calendário de atividades que serão desenvolvidas.
Integram o Comitê Gestor do Programa o titular da Segup, Luiz Fernandes Rocha; secretário adjunto de Gestão Operacional, da Segup, coronel PM Mário Solano; secretário adjunto de Inteligência e Análise Criminal da Segup, delegado de PC Cláudio Galeno; comandante geral da Polícia Militar, coronel PM Daniel Borges Mendes; delegado geral de Polícia Civil, Rilmar Firmino de Sousa.

Texto:
Lene Alves-SEGUP


PM divulga resultado da avaliação de títulos em concurso público
A Polícia Militar do Estado do Pará (PM) divulgou na manhã desta terça-feira (1º), no Diário Oficial do Estado (DOE), o resultado definitivo da avaliação de títulos, em ordem alfabética, mediante as condições estabelecidas no edital do concurso público (001/2012 - PMPA). A listagem foi divulgada com a descrição do cargo, inscrição, nome, localidade e pontuação do candidato. As vagas são destinadas à área de saúde.
Na lista constam os candidatos ao Curso de Adaptação de Oficiais (Cado) nas funções de Assistente Social; Cirurgião-Dentista Clínico, Endontia, Odontopediatria e Buco-Maxilio; Enfermeiro; Farmacêutico; Fisioterapeuta; Fonoaudiólogo; Médico Clínico Geral, Dermatologista, Traumatologista, Veterinário; Psicólogo e Terapeuta Ocupacional, para os municípios de Abaetetuba, Altamira, Belém, Castanhal, Itaituba, Marabá, Redenção, Santarém e Tucuruí. Também consta na relação o resultado de candidatos na condição sub judice.
O concurso público para provimento de vagas efetivas da Polícia Militar ofertou 2.180 vagas, com salários que variam de R$ 622 a R$ 4.083,69. A previsão em cronograma da Secretaria de Estado de Administração (Sead) é que estes novos policiais sejam admitidos ainda no início de 2014.

Texto:
Renan Malato-Sead


Imprensa Oficial do Estado incentiva ressocialização de detentos
Imprensa Oficial do Estado (IOE) e Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe) assinam nesta quarta-feira, 2, um termo de cooperação para a confecção de mesas e cadeiras para os espaços de leitura do Projeto Livro Solidário, coordenado pela IOE. Cerca de 3,5 mil pessoas serão beneficiadas pelo convênio, além disso, a parceria irá, por meio do trabalho, incentivar a ressocialização de detentos do regime fechado do Sistema Penal do Pará. Eles trabalharão 8h diárias e, para cada três dias de trabalho, um será descontado da pena. Os apenados também serão remunerados pela IOE para a prestação do serviço.


Polícia Civil desarticula laboratório de preparo de drogas dentro de motel em Santarém
A Polícia Civil, em operação de combate ao tráfico de drogas, desarticulou, em Santarém, oeste do Pará, um esquema de venda de entorpecentes que acontecia no interior de um motel no município. Um dos quartos era usado como laboratório de preparo de drogas por uma dupla formada por pai e filho, que eram responsáveis pelo comércio ilegal de cocaína.
Os consumidores eram os próprios clientes do estabelecimento, que mantinham contato com os traficantes por meio de telefone celular e até pela internet. O flagrante foi resultado de investigações iniciadas após denúncias recebidas pela equipe de policiais civis da região, sobre ações de pessoas que estavam utilizando motéis da cidade para manipular drogas e a venda fracionada dos entorpecentes dentro dos estabelecimentos.
Sob coordenação do delegado Gilberto Aguiar, superintendente da Polícia Civil na região do Baixo e Médio Amazonas, a operação policial foi realizada no quarto de número 6 do motel denominado "K-Rícia", localizado na avenida Curuá-Una, no bairro Urumari, em Santarém. No local, foram flagrados Jean Carlos Assunção Batista, 36 anos, paraense, e o filho dele, Juan Carlos Lacerda Baraúna, 18, amazonense.
Os dois foram autuados por tráfico de drogas pelo delegado Domingos Pereira, da 16ª Seccional Urbana de Santarém, com base nos artigos 33 e 35 da Lei 11.343/2006. As investigações mostraram que eles usavam o quarto do motel como laboratório para manipulação de drogas. Foram apreendidas substâncias químicas usadas no processamento do material entorpecente, matéria-prima para produção da droga e objetos que auxiliavam na prática do crime, como telefones celulares e computadores, equipamentos utilizados para manter contato telefônico e para enviar e receber mensagens de texto dos compradores.
Redes sociais
As investigações mostraram que os consumidores das drogas eram pessoas que frequentavam o motel e que ali faziam consumo das substâncias ilegais. A Polícia Civil investiga que outras formas, por meio eletrônico, foram usadas pelos acusados para traficar no motel. Há informações de que o acesso às drogas era realizado também através da internet, por meio das redes sociais.
"Tudo está sendo analisado para avaliar a extensão da rede de negócios e o tipo de conexão que era mantida pelos acusados, que transferiram sua base de ação da residência particular para locais itinerantes, na tentativa de fugir da ação policial. Mesmo assim, foram surpreendidos em situação flagrancial e autuados na forma da Lei", destaca o delegado Gilberto Aguiar.
Jean Carlos e o filho, Juan Carlos, já agiam há mais de um mês. Neste período, eles entravam no motel como se fossem clientes, pagando adiantado a estadia. Os dois permaneciam no interior do motel de 6h da manhã até 16 horas. Aos policiais, funcionários do motel alegaram que não desconfiavam das atividades criminosas. Eles serão ouvidos no inquérito para apurar se há envolvimento de algum funcionário no crime.
Ainda, conforme os policiais, já havia informações de que os dois traficavam drogas na casa em que residem, na rua Osvaldo Coelho, bairro Aeroporto Velho, e que para despistar a ação policial, teriam saído em busca de outro local para produzir as drogas. A operação foi realizada pelo setor de Operações da 16ª Seccional Urbana de Santarém, com integração do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI) do oeste paraense e setor de Polícia Administrativa da Superintendência Regional do Baixo e Médio Amazonas.

Texto:
Walrimar Santos-Polícia Civil


Posse de Tradutor Juramentado na Jucepa
A Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa) contará com mais um tradutor juramentado. Na reunião plenária dos Vogais desta terça-feira, 1º, estará sendo empossado João Ítalo Calderaro Miléo, Tradutor Juramentado e Intérprete Comercial, no Idioma Espanhol, aprovado em concurso público, cuja prova final oral foi realizada em 24 de maio de 2013 e o resultado definitivo, publicado no Diário Oficial do Estado edição nº 32.483, de 18 de setembro de 2013. No total, agora são 46 novos tradutores e intérpretes comerciais aprovados em concurso público da Junta Comercial do Pará (Jucepa), em oito línguas estrangeiras, que atuam na tradução de documentos e registro de atos que exigirem essa habilidade.




Sespa entrega material didático sobre acidentes no trânsito para escolas de Belém
O Departamento de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) realizou, nesta segunda-feira, 30, no auditório do Comando Geral da Polícia Militar, a entrega de kits com material didático sobre educação no trânsito, para professores de escolas públicas da rede de ensino de Belém. A cerimônia de entrega teve a participação de representantes das Secretarias Municipais de Saúde e de Educação de Belém, além do coordenador de Planejamento do Detran, Carlos Valente e do secretário de Estado de Saúde Pública, Helio Franco.
A iniciativa faz parte das ações do projeto “Vida no Trânsito”, que tem o objetivo de promover uma articulação entre os órgãos governamentais e não governamentais buscando qualificar e integrar as ações de prevenção às lesões e mortes causadas por acidentes no trânsito. Segundo a diretora do Departamento de Vigilância Epidemiológica da Sespa, Ana Lúcia Ferreira, a ideia é estimular o debate sobre a educação no trânsito dentro da sala de aula, além de tornar os alunos multiplicadores da cultura de paz.
Serão distribuídos 2 mil kits para todas as escolas da rede municipal de ensino de Belém, sendo 35 unidades de educação infantil, 69 escolas públicas de ensino fundamental e 50 unidades pedagógicas. O material é composto por três livros dinâmicos, que trazem informações importantes e histórias sobre o trânsito.    “O material será uma ferramenta de fundamental importância para os professores destas escolas, pois dará subsídio ao educador em cada uma de suas aulas”, disse o coordenador do projeto Vida no Trânsito na Sespa, Emílio Moraes.
Para Helio Franco, os acidentes no trânsito são considerados um dos problemas mais graves enfrentados no Brasil. Segundo o secretário, só no ano passado morreram 46 mil pessoas vítimas da violência no trânsito em todo o país.  No Pará, foram 2.826 óbitos decorrentes de vários tipos de acidentes, sendo que destes, 199 envolveram motocicletas.
“Mais de 60% dos acidentes no trânsito têm relação com o uso de drogas ou de bebida alcoólica. A maioria das vítimas fica tetraplégica permanentemente, isso causa custos previdenciários e danos sociais à família. É preciso disseminar a cultura de prevenção e proteção da saúde também nas escolas. Estes alunos serão peças fundamentais neste processo, pois quando conseguimos fazer a criança participar de forma cooperativa, mais vidas serão salvas”, afirmou.
No Pará, as discussões em torno do projeto “Vida no Trânsito” têm sido desenvolvidas de forma integrada pelos seguintes órgãos: Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Secretaria Municipal de Saúde de Belém (Sesma), Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Autarquia de Mobilidade Urbana de Belém (Amub), Secretaria Municipal de Urbanismo (Seurb), Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan) e Universidade do Estado do Pará, além de representantes das Prefeituras de Belém, Ananindeua, Marituba e Benevides.

Texto:
Edna Sidou-Sespa


Programa "Oportuniza Pará" é lançado com entrega das carteiras de nome social
O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) lançará nesta quinta-feira (3), a partir das 15h, o programa "Oportuniza Pará", no Hangar. O evento é destinado ao público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) e vai permitir, entre outras coisas, que as pessoas adquiram o seu "Registro de Identidade Social".
O programa foi criado para garantir os direitos da comunidade LGBT. As ações visam combater a discriminação, violência e desemprego causado pela opção sexual. A iniciativa pretende, ainda, proporcionar acesso à educação, saúde e lazer por meio de práticas de cidadania e inclusão social. O "Oportuniza Pará" percorrerá vários municípios do Estado, através de caravanas. Na ocasião, travestis e transexuais poderão emitir sua carteira de nome social. A Carteira Trans já é uma das ações concretas do Oportuniza.
A carteira de nome social é um documento que permite que eles sejam reconhecidos em todo o território paraense pelo nome com o qual se identificam. No dia do lançamento será feito o cadastro para emissão da carteira. Para isso é necessária a apresentação da certidão de nascimento, carteira de identidade, CPF, duas fotos 3X4 e comprovante de residência atual.
Após o lançamento em Belém, os interessados deverão comparecer até a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos para fazer o atendimento dos pré-requisitos necessários para a emissão do documento (análise com psicóloga e/ou assistente social). Com a declaração em mãos emitida pela Sejudh, em seguida, o interessado deverá se direcionar à Delegacia de São Braz, onde será confeccionado o documento.

Texto:
Leba Peixoto-Sejudh


Mostra de Resultados do Circuito das Artes valoriza patrimônio da Terra Firme
A noite de sábado (28) na Terra Firme, em Belém, foi um momento de valorização do patrimônio cultural do bairro, com as atrações da Mostra de Resultados do projeto Circuito das Artes. A programação teve contação de histórias, apresentações de teatro, dança de rua e DJs, além da exibição de um documentário produzido pelos alunos da oficina de audiovisual, que promoveu o resgate da história do bairro. Os shows do DJ Morcegão e do grupo Arraial do Pavulagem encerraram a noite na Praça Olavo Bilac.
Em outubro, o circuito chega à Cidade Velha, atendendo a comunidade do Beco do Carmo. Na edição da Terra Firme, a programação teve nove oficinas, algumas delas inéditas no projeto, como desenho, violão popular e DJ. Além de incentivar a cultura, os cursos ofertados no bairro também levam à inclusão social e à valorização social dos participantes.
Na oficina de audiovisual, a técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) Carla Cruz proferiu palestra para nortear o trabalho dos jovens. Com entrevistas a moradores antigos e pesquisas documentais, o audiovisual produzido pelos alunos da oficina mostrou a capacidade técnica e criativa dos jovens, além de reforçar a importância do patrimônio do bairro.
"A ideia do patrimônio veio após a palestra, daí a gente pensou logo no nosso bairro. E foi bem legal, porque até aí eu não sabia o que era o patrimônio. Aprendemos que o patrimônio é o domínio que a pessoa tem, que o governo guarda. Isso foi legal porque conhecemos o bairro mais e mais. Até então eu não sabia qual foi o primeiro centro comunitário do bairro. Aprendi que foi o Bom Jesus", disse o estudante Felipe Henrique Cardoso, um dos participantes da oficina, aluno do 9º ano do ensino fundamental na escola Brigadeiro Fontenelle.
A valorização dos moradores do bairro englobou também a terceira idade, em oficinas como a de reciclagem de resíduos sólidos, que teve a participação de 15 alunas. "A oficina teve um lado social e de valorização da comunidade. Elas se sentem valiosas por agora saberem fazer a arte com as garrafas PET. Algumas delas nem se conheciam. Moravam no mesmo bairro, mas se conheceram a partir da oficina. Agora elas já podem trabalhar juntas, estando mais próximas", explicou o instrutor, Clayderson Freire.
Uma das participantes do curso, Edinalva do Nascimento, contou que a oficina realçou ainda o aspecto ambiental, já que estimulou o recolhimento das garrafas PETs das ruas. "Trabalhamos em muita união, e é bom podermos usar as garrafas, ao invés delas ficarem na rua. Vai ter muito proveito, muita gente gosta da arte. Ainda vai dar pra ganhar um 'troquinho' com certeza, se colocarmos criatividade na arte. Além de ajudar a natureza, já que estamos trabalhando para isso também", relatou.
Na edição da Terra Firme do Circuito das Artes, foram oferecidas as oficinas de audiovisual, DJ, caixa mágica, fotografia artesanal, dança urbana, desenho, violão popular e reciclagem de resíduos sólidos.  Os locais contemplados foram as escolas Brigadeiro Fontenelle, Virgílio Libonat e Solerno Moreira, a Associação Cultural Casa Preta e o Centro Sócio Cultural São Domingos de Gusmão.
O projeto Circuito das Artes é promovido Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, Secretaria Especial de Promoção Social e Ministério da Cultura, com o patrocínio da Vale e Banpará, sob a chancela da Lei Rouanet.

Texto:
Hélio Granado-FCPTN


Uepa divulga gabarito preliminar do concurso para auditor e fiscal da Sefa
A Universidade do Estado do Pará (Uepa) divulgou nesta segunda-feira (30) os gabaritos preliminares e os boletins de questões das provas de conhecimentos gerais, básicos e específicos do concurso público para os cargos de auditor e fiscal de receitas estaduais da Secretaria Estadual da Fazenda (Sefa).
Segundo a coordenação do certame, a prova de conhecimentos básicos para o cargo de auditor apresenta retificações na sequencia da ordem alfabética, nas questões 17, 37 e 38. A mesma situação ocorreu com a questão 59, da prova de conhecimentos básicos para o cargo de fiscal.
As provas foram aplicadas na tarde do último sábado (28) e ao longo deste domingo (29), nos municípios de Altamira, Belém, Marabá, Redenção e Santarém. Nos cinco municípios, foram 17 os locais de prova, dez somente na capital.
Recursos podem ser interpostos nos dois dias seguintes, com pedido protolocado na Diretoria de Acesso e Avaliação da Uepa (Rua do Una, 156, Telégrafo), de 8 às 14 horas), em envelope A4, devidamente lacrado e etiquetado com o nome completo e CPF do candidato. Em caso de envio por Sedex, o documento deve ser remetido para: Protocolo da DAA/ Uepa - Concurso Sefa (Recursos), Rua do Una, 156, Telégrafo, CEP 66050-540, Belém, Pará.
A Sefa oferta 200 vagas, divididas igualmente entre os cargos de auditor e fiscal de receitas estaduais, que exigem ensino superior e oferecem vencimento-base de R$ 5.772,64 e R$ 4.560,38, respectivamente, fora as gratificações.
Será considerado aprovado nas provas objetivas o candidato que, entre outros critérios, tenha obtido, no mínimo, 40% dos pontos em cada uma das disciplinas que integram as três provas objetivas e tenha obtido, no mínimo, 60% do somatório dos pontos do conjunto de todas as provas objetivas.
Segundo o cronograma do concurso, a previsão é que o resultado final seja divulgado em 19 de novembro. A jornada de trabalho para os dois cargos é de 30 horas, e o concurso terá validade de um ano, podendo ser prorrogado uma única vez por igual período.

Texto:
Ize Sena-Uepa


Santa Casa transfere pacientes da pediatria para a nova unidade
Aos poucos, o novo prédio da Fundação Santa Casa do Pará vai sendo ocupado. As alas reservadas à maternidade e pediatria foram as primeiras a receber pacientes. Cerca de 140 pessoas já usufruem da nova e moderna estrutura. O processo de transferência da pediatria ocorreu nesta segunda-feira (30).
Jelene dos Reis, ao lado da filha de 10 anos, já está em um leito do sexto andar da Unidade Materno-Infantil Dr. Almir Gabriel. Ela mora em São Sebastião da Boa Vista, na ilha do Marajó. Há quatro dias no hospital e sem previsão de alta, Jalene e a criança aprovam a nova estrutura. "Está tudo bem. Agora teremos mais privacidade", disse a mãe.
As enfermarias têm dois ou três leitos no máximo. Em cada um, existe um sistema eletrônico para chamar o servidor que estiver no posto de enfermagem. Há um banheiro e uma televisão em cada apartamento. A privacidade e o conforto representam um ganho no atendimento, segundo a gerente da pediatria, Ana Cristina Alves. "Nossos pacientes e os acompanhantes que precisam ficar mais tempo internados ganham um novo ânimo com esta estrutura qualificada", ressaltou.
O sexto andar é exclusivo para o atendimento da pediatria, com 62 leitos em duas alas. Na ala Santa Ludovina, funciona a pediatria clínica; na ala São Francisco, fica a cirurgia pediátrica. A Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) da pediatria funciona no sétimo andar do novo prédio.
O filho de Luciana Sobrinho também ocupava um dos leitos reservados à pediatria. Segundo ela, a estrutura é confortável e tem uma vista inspiradora. "Gostei muito dessa vista. Aqui teremos mais tranquilidade para passar por este momento", frisou.

Texto:
Nilson Cortinhas-Santa Casa






Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...