Total de visualizações de página

segunda-feira, abril 09, 2012

Curso capacita agentes da Segurança Pública na capital e no interior





Delegado Geral,
Nilton Athayde

Servidores da área de Segurança Pública do Estado estão sendo qualificados a partir do curso de Isolamento e Preservação de Local de Crime promovido pelo Instituto de Ensino de Segurança do Pará (Iesp). As aulas foram retomadas nesta segunda-feira, 9, na sede do instituto, em Marituba, com uma novidade: três polos do interior – Capanema, Tucuruí e Paragominas – também assistem simultaneamente ao curso, via internet. Até setembro, pelo menos 900 agentes serão capacitados na Região Metropolitana de Belém e em outros 10 municípios.
A coordenadora de ensino profissional do Iesp, major Alyne Macedo, da Polícia Militar, explica que o curso é direcionado a todos os agentes da Segurança Pública do Estado. “O objetivo é capacitar policiais militares, civis, bombeiros, agentes da Polícia Rodoviária Estadual, guardas municipais e até agentes prisionais. Dessa forma teremos um resultado muito melhor na preservação do local de crime e na investigação”, diz Alyne.
A partir do curso, os agentes conhecem os processos básicos relativos ao isolamento e preservação dos vestígios em locais de crimes, periciais e laudos, garantindo a não violação dos indícios que ajudarão na investigação. De acordo com Alyne, “o curso traz benefícios para toda a sociedade, pois a partir do isolamento e da preservação do local de crime é possível desenvolver com mais agilidade o trabalho da perícia e, logo, a solução da investigação será mais rápida”, ressalta a major.
Ainda de acordo com a coordenadora, a sociedade também faz parte deste processo de preservação do local de crime. “Geralmente, quem primeiro chega ao local do crime são populares. Então é muito importante que esse local não seja violado, e a população precisa colaborar com a Segurança Pública neste sentido”, ressalta. Pensando nisso, o Iesp está ofertando um curso para líderes comunitários, no qual se promove o conceito de polícia comunitária.
O policial militar Luciano Beltrão está participando da turma que começou nesta segunda. Para ele a qualificação melhora o trabalho de todos que fazem a Segurança Pública. “A Polícia Militar está na linha de frente, é a corporração que normalmente chega primeiro no local de crime. Em seguida vem os peritos e, depois, a Polícia Civil. Se o trabalho for bem sucedido, a resposta para a sociedade será bem mais eficiente”, afirma.

Texto:
Thiago Melo-Secom
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...