Total de visualizações de página

quarta-feira, novembro 14, 2012

Seminário aponta pesquisa como o caminho para regularização de produtos regionais




Uma ação conjunta de várias entidades com foco na atividade agrícola, para apontar um caminho de pesquisas que vise à regularização, padronização e o aumento da produção de produtos regionais paraenses, foi o tema principal das discussões do seminário “Sabores do Pará”, realizado pela Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri) na terça-feira, 13, em sua sede em Belém.
O seminário é parte do projeto Sabores do Pará, desenvolvido pela Sagri, em parceria com a Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Universidades Federais do Pará (UFPA), Rural da Amazônia (Ufra) e do Estado do Pará (Uepa), Federação da Agricultura do Pará (Faepa) e representantes do setor gastronômico.
No início do evento, o secretário de Estado de Agricultura, Hildegardo Nunes, deu as boas-vindas aos presentes e aos representantes do Ministério Público Estadual, Marco Aurélio Nascimento; da Ufra, Lauro Itó; e da Secretaria Estadual de Turismo (Setur), Álvaro Espírito Santo, que compuseram a mesa de abertura.
Hildegardo destacou que o tema dos produtos alimentícios artesanais paraenses já vem sendo debatido em reuniões preliminares e que isso resultou em uma dimensão maior que a esperada. “Nossas preocupações quanto à questão da regularização de produtos, como mandioca, jambu, pimenta de cheiro e o queijo do Marajó, agora fazem parte da agenda do Ministério Público Estadual, por exemplo, que entende que o setor necessita ser regulamentado”, lembrou o secretário.
O secretário enfatizou também o caso do queijo do Marajó, que após muitas discussões obteve, por meio de Lei Estadual, uma certificação de produto a ser comercializado dentro do Pará. A meta, agora, é negociar junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para que o queijo possa obter a certificação que permita essa negociação em nível nacional.
Para Álvaro do Espírito Santo, da Setur, a gastronomia deve buscar algo que seja singular e isso é possível no Pará. “A culinária amazônica, ao lado da chinesa e da peruana, atualmente, é uma tendência internacional, porque é única. Para que isso se torne uma realidade maior, é necessária uma ação de estado integrada, com atos inovadores para mostrar o enorme potencial do segmento gastronômico do Pará”, avaliou.
Na palestra “O mercado de produtos regionais: limites e possibilidades”, a empresária Joana Martins, do Instituto Paulo Martins, destacou que a preocupação com a regularização dos produtos regionais começou com o pai dela, o chef Paulo Martins, e se consolidou com o evento “Ver-o-Peso da Cozinha Paraense”, que traz a Belém chefs renomados no Brasil e exterior.  
“A singularidade da matéria prima local aponta para um rico mercado a ser trabalhado. Ao perceber esse segmento procuramos a Sagri, que acolheu a nossa demanda, e passou a nos orientar especialmente em relação aos padrões de produção e conhecimento nutricional, tendo foco no pequeno agricultor”, disse Joana.
Ao abordar o tema “Tecnologias Agroindustriais”, os pesquisadores da Embrapa Raffaella Mattietto e Marcus Vasconcelos disseram que 80% das pesquisas da entidade são focados no melhoramento genético dos produtos. Além das pesquisas em curso com açaí, cupuaçu, acerola e outros, a Embrapa está pesquisando frutas como o camu-camu, rica em vitamina C, e também as cascas de frutas de maracujá e bacuri, além da pesquisa de uma farinha à base de pupunha.
Outra pesquisadora presente ao seminário, Eliza Cunha, da Embrapa, concorda que o melhoramento genético é o caminho para a obtenção de produtos melhores. Ela destaca também a troca de experiência entre os produtores de municípios paraenses distantes entre si, mas que buscam, na pesquisa, o melhor para seus produtos. Pesquisa é o que a Ufra faz e tem potencial para isso, disse o pesquisador Lauro Itó. A universidade tem parcerias com Uepa e UFPA que priorizam as pesquisas sobre os produtos locais. “A Ufra não tem como fazer certificação, mas tem o aparato laboratorial para tal, para dar condições ao Estado de ser uma espécie de catalisador de ações de pesquisa”, argumentou.

Texto:
Dede Mesquita-Sagri
Fone: (91) 4006-1210 / (91) 9146-6681 - 8883-1339
Email: dedemesquita@gmail.com



Atletas com paralisia cerebral participam do Brasileiro de Futebol de Sete
O esporte paralímpico paraense está ganhando cada vez mais destaque no Brasil, assim como a participação de atletas paraenses em importantes eventos nacionais e internacionais. A Seleção Paraense de Futebol de Sete – PC (paralisia cerebral) viaja ainda nesta semana para participar do XIV Campeonato Brasileiro da modalidade, que será disputado de 18 a 24 de novembro, em Belo Horizonte (MG).  Alguns atletas estiveram na sede da Secretaria de Estado Esporte e Lazer (Seel) para acertar os últimos detalhes da viagem, que será custeada com o apoio do apoio do Governo do Estado.
O atleta paralímpico Carlos Eduardo Casanova, 35 anos, que fez parte da equipe da Seleção Brasileira de Futebol de Sete em 2004, falou sobre a importância da participação paraense na competição. “Representar o Pará sempre é uma alegria muito grande e nós faremos de tudo para obter uma performance similar à da campanha de 2006, quando a seleção paraense ficou em terceiro lugar”, frisou.
A competição será acompanhada por 'olheiros' e técnicos da Seleção Brasileira, que iniciou um novo trabalho, já visando as Paralimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. “Já tive esse gostinho de participar da seleção brasileira e o nosso grupo vai em busca de bons resultados e, quem sabe, tenhamos a sorte de ter algum dos nossos atletas convocado”, disse.
Enéas Palheta, que também faz parte da delegação paraense, falou da dificuldade em participar de competições fora do Estado por conta da ausência de parceiros para apoiar essa prática. “Competimos por amor ao esporte, mas precisamos de apoio e isso nós encontramos na Seel. Nossas dificuldades são grandes, mas nunca deixamos de acreditar”, concluiu.

Texto:
Angela Bazzoni-Seel
Fone:  / (91) 8883-5649
Email: ascomseel22@gmail.com



Uepa reabrirá cadastro para prestação de serviços nos Processo Seletivos 2013
Os servidores da Universidade do Estado do Pará (Uepa) interessados em prestar serviço durante os Processos Seletivos 2013 têm mais um chance para se cadastrar. Neste sábado, 17, e domingo, 18, o sistema será reaberto para receber as inscrições dos servidores efetivos, contratados, prestadores de serviços, de cargos comissionados, estagiários ou monitores com vínculo na universidade. As provas da 1ª, 2ª e 3ª etapas dos Processos Seletivos 2013 da Uepa ocorrerão, respectivamente, nos dias 2, 3, e 16 de dezembro.
A partir das 18h da próxima terça-feira, 20, o servidor poderá conferir o seu local de lotação. O treinamento acontecerá no dia 24, às 9h, onde o servidor estiver lotado. O cadastro é feito pelo site http://sistemas.uepa.br/pagamentos.  Na primeira tela o interessado escolherá a opção “Cadastro para eventos” e em seguida “Processo Seletivo 2013”. O sistema pedirá que o interessado informe o CPF. Caso o servidor já esteja cadastrado, o sistema solicitará a data de nascimento. Um formulário será aberto com todos os dados pessoais. Se estiverem incorretos será possível alterar.
Se for a primeira vez de serviços prestados, o servidor deverá preencher uma ficha eletrônica com os dados pessoais. O próximo passo é confirmar a inscrição preenchendo os dados até o fim.  O endereço deve ser residencial. Tanto para quem tem ou não os dados no sistema, o cargo e a conta bancária devem estar atualizados. O servidor deve escolher a opção de pagamento.

Texto:
Ize Sena-Uepa
Fone: (91) 3244-5201 (91) 3299-2221 / (91) 8112 0744
Email: ascom.uepa@gmail.com / ascom@uepa.br


Pesquisa vai traçar diagnóstico da rede de atendimento à mulher no Pará
Com o objetivo de melhor atender as mulheres em situação de violência, a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) vai preparar um diagnóstico da rede de proteção existente em 16 municípios do Estado do Pará. A pesquisa será executada por empresa ou organização contratada por meio de licitação, na modalidade pregão eletrônico. O aviso de licitação foi publicado na edição desta quarta-feira, 14, do Diário Oficial do Estado. A licitação será aberta no dia 28 deste mês, às 10h.
A pesquisa abrangerá os quatro eixos do Pacto Nacional de Enfrentamento a Violência contra a Mulher. São eles: implementação da Lei Maria da Penha e fortalecimento dos serviços especializados de atendimento; proteção dos direitos sexuais e reprodutivos e enfrentamento da feminização da Aids; combate à exploração sexual de meninas e adolescentes e ao tráfico de mulheres; e promoção dos direitos humanos das mulheres presas. Além da pesquisa, a instituição contratada vai auxiliar na elaboração do Planejamento Integral Básico 2012/2015.
O levantamento será desenvolvido nos municípios de Belém, Ananindeua, Abaetetuba, Santarém, Castanhal, Marabá, Breves, Itaituba, Paragominas, Parauapebas, Redenção, Tucuruí, Xinguara, Altamira, Capanema e Jacundá. O diagnóstico será realizado na rede de serviço de atendimento à mulher de cada município, especializado ou não, incluindo delegacias, centros de referência, promotorias, varas criminais, serviços de saúde, assistência social, abrigos e outros inseridos neste contexto.
Dados da Delegacia da Mulher de Belém indicaram que em 2011 houve cerca de 9 mil registros de violência contra a mulher, com destaque para os crimes previstos na Lei Maria da Penha. Quanto ao atendimento nos Centros de Referência da Mulher, nos municípios de Belém e Ananindeua, em 2011 foram atendidas 968 mulheres. No entanto, ainda não se sabe a real dimensão da problemática no Estado como um todo, devido às precárias fontes de sistematização de dados.
O diagnóstico visa preencher esta lacuna e fornecer indicadores como números da violência, números de atendimentos à mulher em situação de violência, serviços existentes e o funcionamento, número de notificações nos serviços de saúde, situação socioeconômica das mulheres, eficiência e eficácia dos serviços, entre outros pontos.
A implantação dos Centros Integrados de Atendimento a Mulher (Pro Paz Mulher) é um dos compromissos do Governo do Estado do Pará para fomentar as políticas públicas para as mulheres. O primeiro destes centros foi inaugurado em Santarém e há previsão para lançar outros três.
Atualmente, o Estado do Pará possui 11 centros de referência de atendimento à mulher em situação de violência, nos municípios de Breves, Parauapebas, Capanema, Abaetetuba, Xinguara, Santarém, Itaituba, Jacundá, Tucuruí, Belém e Ananindeua. A rede de atendimento inclui ainda quatro casas abrigos, nos municípios de Belém, Marabá e Parauapebas; 12 Delegacias Especializadas de Atendimento a Mulher (Deam) nos municípios de Belém, Marabá, Altamira, Abaetetuba, Santarém, Castanhal, Breves, Parauapebas, Itaituba, Paragominas, Redenção e Tucuruí; quatro promotorias especializadas em Belém; um Núcleo Especializado de Atendimento a Mulher – Defensoria Pública em Belém; seis varas especializadas em Violência Doméstica nos municípios de Belém, Altamira, Santarém e Marabá; uma equipe multidisciplinar de Atendimento à Família em Situação de Violência do Tribunal de Justiça do Estado; um Serviço de Aborto Legal na Santa Casa de Misericórdia em Belém; um posto de orientação e atendimento à pessoa em trânsito para o Suriname e Guiana Francesa em Belém; duas Casas de Saúde da Mulher nos municípios de Santarém e Belém; e um CREAS Temático de Atendimento à Família em Situação de Violência em Belém.
O contrato com a organização vencedora da licitação terá vigência de quatro meses, a contar da data de sua assinatura. O edital completo está disponível no endereço http://www.compraspara.pa.gov.br/mural/mural.cfm (SEJUDH - Pregão Eletrônico Nº 036/2012).

Texto:
Carlos Gondim-Secom
Fone:  / (91) 8415-6866
Email: chgmidia@gmail.com
 
 
 
 
 
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...