Total de visualizações de página

quinta-feira, março 29, 2012

Pará põe em prática ações para enfrentar desastres naturais no período chuvoso



As regiões do Baixo Amazonas, sudeste e sudoeste do Pará são as que mais sofrem com o período chuvoso, o chamado “inverno amazônico”, que vai de dezembro a junho. As fortes chuvas e o aumento do nível dos rios provocam enchentes, alagamentos e enxurradas, que isolam e até desabrigam parte da população. A média anual de pessoas atingidas pelas chuvas é de 34 mil ao ano, segundo estudo feito pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), que analisou os dados dos últimos cinco anos.
Neste ano, 635 famílias já foram atingidas, sendo 482 em Marabá, 107 em Altamira e 46 em Trairão. Destas, 351 estão desabrigadas.
Apesar de o Rio Tocantins ter atingido 10,59 metros acima do nível normal, e ter deixado o município de Marabá em Estado de Alerta, a previsão é de diminuição do nível do rio, o que já vem acontecendo desde a última terça-feira (27). O mesmo não acontece com os rios Tapajós e Amazonas, que manterão a tendência de aumento do nível fluviométrico, segundo os boletins informativos da Rede Estadual de Previsão Climática e Hidrometeorológica do Pará (RPCH). O Tapajós deverá alcançar a cota de 7,51m, e o Amazonas, 7,28m no próximo domingo (31). Santarém, Óbidos, Oriximiná e outros 11 municípios da região estão vulneráveis ao elevado índice de subida dos rios.
O Plano de Contingência para desastres naturais, visando a prevenção, preparação, resposta e reconstrução da Defesa Civil do Estado, já está em prática. “Todo o Pará está sendo monitorado. O sistema de análise meteorológica não indica nenhuma previsão que fuja da normalidade do nosso inverno, como aconteceu em 2009. Mas estamos preparados, com todos os meios de gerenciamento de desastres mobilizados, para enfrentar qualquer situação que possa vir a acontecer”, informou o coordenador da Defesa Civil, coronel José Augusto Almeida.
Os municípios de Marabá, Tucuruí, Alenquer e Trairão estão em Estado de Alerta, enquanto Altamira e São João do Araguaia solicitaram o Estado de Emergência e aguardam a resposta do Ministério da Integração Nacional, responsável pelo reconhecimento dos casos.
O município de Santana do Araguaia já teve o Estado de Emergência decretado por causa do isolamento das comunidades, decorrente da impossibilidade de tráfego nas estradas, pontes e vicinais. “O Estado de Emergência é decretado quando o município não tem mais recursos para arcar com despesas de auxílio às famílias ou reconstrução das estradas, por exemplo. Não temos registro de nenhuma família em situação de risco em Santana do Araguaia, mas não se pode negar que as dificuldades de escoamento de produção, acesso às escolas e hospitais, causam grande prejuízo econômico e social ao município”, ressaltou José Augusto Almeida.

Texto:
Dani Filgueiras-Secom
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...