Total de visualizações de página

quinta-feira, março 08, 2012

SALVE 8 DE MARÇO: Em nome Delas, saúdo todas as Mulheres pelo seu Dia











AÇÕES GOVERNAMENTAIS EM
PROL DAS MULHERES NO
DIA DE HOJE, 8 DE MARÇO

Dona Onete recebe homenagem
da Assembleia Legislativa da Pará

A bancada do PMDB na Assembleia Legislativa do Pará escolheu a cantora paraense Dona Onete para ser homenageada pelo Dia Internacional da Mulher. A menção honrosa será nesta quinta-feira, 8, às 9h, durante sessão especial da Alepa dedicada às mulheres. A escolha de Dona Onete foi sugerida pela deputada Simone Morgado.

Diva do carimbó chamegado, Ionete da Silveira Gama, ou Dona Onete, como ficou cnhecida, é natural de Cachoeira do Arari. Ela passou a infância em Belém e depois mudou-se para Igarapé-Miri, onde teve contato com os ritmos da região, como o carimbó e o bangüê. Foi professora de História e Estudos Paraenses, mas também organizou grupos folclóricos, cordões de pássaros e agremiações carnavalescas, compondo um sem-número de canções.

De volta a Belém há pouco mais de dez anos, foi descoberta pelo Coletivo Rádio Cipó e passou a se apresentar com o grupo e viajar pelo Brasil. Na capital paraense, abriu shows de artistas como Otto, Vanessa da Mata e Naná Vasconcelos. “Amor Brejeiro”, música que não pode faltar em seus shows, está na trilha sonora do filme “Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios”, de Beto Brant, rodado em Santarém.

Texto:
Ronaldo Quadros-Funtelpa

Hemopa homenageia mulheres
funcionárias e doadoras

A Fundação Hemopa preparou comemoração alusiva ao Dia Internacional da Mulher para funcionárias, doadoras de sangue e de medula óssea, com a campanha “Ninguém melhor para dar vida. Mulher dom da vida”, nos dias 8, 9 e 10, com a finalidade de elevar a coleta de sangue no segmento feminino, que é responsável por 29% das doações efetivadas na hemorrede estadual. A meta da ação estratégica é de 100 coletas/dia.

Para as servidoras, a direção do hemocentro vai comemorar com “brunch” e distribuição de brindes. As mulheres representam 70% da força de trabalho no quadro funcional. A homenagem que se dará às 12h, na sala de estar, contará ainda com apresentação do coral do hemocentro, composto unicamente por servidores. Já sobre a mobilização para coleta de sangue, a gerente de Captação de Doadores do Hemopa, a assistente social Juciara Farias, convida a população em geral para aderir à campanha e manter estoque de sangue, tendo em vista que historicamente o mês de março se caracteriza por intensas chuvas, o que acaba dificultando acesso ao hemocentro, provocando redução no número de coletas.

A campanha tem foco voltado para estímulo à doação feminina. Por isso, a assistente social sugere que as mulheres, neste mês, aproveitem para realizar suas doações voluntárias, especialmente, as que estão com familiares e /ou amigos precisando de transfusão. “É uma forma inversa de presentear com a vida as pessoas queridas, através da sua doação de sangue”.

Com programação versátil, o hemocentro vai oferecer nesta quinta-feira, 8, apresentação do Coral do Hemopa. Dia 10, oferta de serviços de beleza e a técnica de massoterapia, ministrada pelo prof. Mailson, da emprsa “Mãos que curam”. Os três dias de campanha com lanche especial. Tudo isso para parabenizar e agradecer antigas e novas doadoras de sangue. “A presença feminina no processo da doação voluntária de sangue aumenta a cada dia. Saímos de 13% para os atuais 29%, mostrando que mulher é sangue bom”, destacou.

A campanha contará com apoio da Força Sindical da Mulher, da Associação de Mulheres de Carreira Jurídica de Ananindeua, Comunidade Fé em Deus; e escola de Enfermagem D.N.A, de Ananindeua.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.

Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou  mulher  saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto
Serviço:
O Hemopa funciona na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Horário para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118

Texto:
Vera Rojas-Hemopa

Praça Dorothy Stang será
entregue à população em abril




As obras da Praça Dorothy Stang, localizada no Complexo Viário Júlio César, estão em fase de conclusão. A praça deverá ser entregue à população em abril próximo. As obras começaram em 2010, mas foram paralisadas em função de uma auditoria. O Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), no atual governo, assumiu a obra, promoveu a auditoria e reformulou o projeto, reduzindo custos – de R$ 3 milhões para R$ 1,8 milhão - e ampliando o projeto original.

O logradouro, que integra o Complexo Viário Júlio César, é um espaço destinado a atividades de lazer, esportivas e culturais. Como anexo do elevado Daniel Berg, a praça está localizada entre as avenidas Pedro Álvares Cabral, Júlio César e Senador Lemos, no bairro da Sacramenta.

Em função de um decreto do governador Simão Jatene, em atendimento à recomendação da Auditoria Geral do Estado (AGE) para que todas as obras que estavam em andamento passassem por uma auditoria, as obras foram paralisadas para permitir o trabalho dos auditores.

O diretor do NGTM, Cláudio Conde, informa que durante a auditoria foram verificados desde a captação, origem e utilização dos recursos, até o processo de licitação, orçamento e os demais aspectos da obra.

A auditoria foi feita entre os meses de abril e outubro de 2011. Em dezembro, a AGE concluiu o relatório, permitindo que técnicos do NGTM começassem a analisar o estado em que se encontravam as obras da praça. “Foi chamada a  empresa e, com negociação, se chegou à redução de quase 50% no valor do saldo contratual a pagar”, explica Cláudio Conde. As obras foram retomadas em fevereiro, e 90% já estão concluídos. “Até abril nós finalizaremos e entregaremos a praça à população”, afirma o diretor.

Vandalismo - Estão faltando apenas a revitalização dos prédios da praça, já que nos meses em que as obras ficaram paralisadas houve um desgaste natural dos pisos e instalações elétricas e hidráulicas. Ações de vândalos também resultaram em pichações e destruição das instalações. “Mas nada vai afetar o nosso calendário para a entrega da praça”, garante Cláudio Conde.

Inicialmente formada por ginásio de esportes, anfiteatro, três quiosques para lanches, pista de skate, um infocentro do Programa Navegapará e três quadras de areia, a praça também terá espaço para eventos promovidos pelos centros comunitários do entorno.

A praça tem aproximadamente 5 mil metros quadrados e duas passarelas metálicas para a travessia de pedestres. A primeira passarela fica na Avenida Júlio César, e a segunda na Avenida Pedro Álvares Cabral.

Nas passarelas o NGTM realiza serviço de recapeamento dos pisos e terraplenagem no canteiro central, onde serão colocados equipamentos para o lazer das crianças, que não estavam incluídos no projeto original.

Texto:
Marcio Flexa-Secom

Polícia Civil homenageia
servidoras com flores
e show de humor





O auditório central da Delegacia Geral de Polícia Civil receberá o show da comediante Denise Rodrigues, conhecida nacionalmente pela personagem “Felizmunda”, nesta quinta-feira (8), a partir das 16h, em homenagem às servidoras da instituição, no Dia Internacional da Mulher.

A programação faz parte da Semana da Mulher, promovida pela Polícia Civil. Nesta quarta-feira (7), foram distribuídas rosas vermelhas às policiais civis e servidoras da área administrativa, das Seccionais Urbanas, Divisões Especializadas e Delegacias, na Região Metropolitana de Belém. As flores foram entregues por funcionárias da Delegacia Geral, durante a manhã. Duas equipes percorreram as unidades policiais e surpreenderam as servidoras com a homenagem.

“Tomei um susto com a chegada de tanta gente, mas depois achei ótimo, porque ajudou a descontrair o ambiente”, disse a delegada Dilcinéia Batista, diretora da Seccional Urbana de Marituba. “Uma simples lembrança”, disse ela, “ajuda a quebrar a rotina. Sempre é importante lembrar essas datas”.

Segundo o delegado César Noronha, da Seccional Urbana de Ananindeua, onde as servidoras também ganharam flores, “isso representa um reconhecimento pelo esforço de todo dia”.

Texto:
Walrimar Santos-Polícia Civil

Mulheres de Canaã dos Carajás
vão debater autonomia
financeira e cidadania

Mulheres do campo e da zona urbana de Canaã dos Carajás, município do sudeste do Pará, serão capacitadas em organização e gênero, e organização produtiva, que envolve temas como assistência técnica, crédito para trabalhadoras rurais e mercado. A iniciativa, que acontece no próximo sábado (10),  é uma promoção da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTR), Prefeitura de Canaã e Grupo de Economia Solidária do município.

As relações sociais de gênero e a discussão dos papéis da mulher e do homem é o tema central da palestra, que será ministrada pela socióloga Margarida Negreiros, da Emater. O objetivo é fazer uma retrospectiva da história de organização da mulher e a conquista de espaços na sociedade, enfatizando principalmente a autonomia financeira, o respeito e o reconhecimento como cidadã que participa do processo produtivo na agricultura.

O evento terá como destaque o incentivo à qualidade e à regularidade da produção em caráter coletivo. “O caráter associativista é um dos grandes temas trabalhados pela Emater, visando fortalecer a iniciativa produtiva das mulheres e a inserção no mercado com maior poder de valorização”, frisou Margarida Negreiros. 

Canaã dos Carajás já tem um exemplo de organização das mulheres em torno da economia solidária, com um polo de artesanato que aproveita até resíduos sólidos.

Outra iniciativa de sucesso com mulheres apoiada pela Emater, no sudeste do Pará, é o grupo de quebradeiras de coco babaçu, que envolve 150 mulheres dos municípios de Brejo Grande do Araguaia, Palestina do Pará, São João do Araguaia e São Domingos do Araguaia. Elas produzem óleo de babaçu e outros derivados do produto, como sabonetes. A produção, gerenciada pelo sistema de cooperativa, é comercializada em feiras livres da região, em outros Estados e no Distrito Federal.

Texto:
Iolanda Lopes-Emater



Estado amplia atenção às
mulheres vítimas de violência



 A Região Metropolitana de Belém (RMB) registrou um aumento de 84,5% no número de prisões dos agressores de mulheres. O número de flagrantes desses crimes também aumentou 105%, assim como o de ocorrências enquadradas na Lei Maria da Penha, que chegou a pouco mais de 7%. Os dados são de 2011, em comparação a 2010, e são considerados positivos pelo Governo do Estado, pois revelam a ampliação da infraestrutura de prevenção à violência doméstica e de proteção à mulher, garantindo a presença do Estado e segurança para a vítima denunciar a agressão. Em coletiva na Secretaria de Estado e Segurança Pública e Defesa Social (Segup), nesta quarta-feira, 7, véspera do Dia Internacional da Mulher, o balanço foi divulgado pelas autoridades da Segurança Pública, com o apoio técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

De acordo com o coordenador do Dieese, Roberto Sena, o aumento do número de ocorrências se dá pelo fato de as mulheres confiarem mais na estrutura de proteção que o Estado oferece. “Elas passam a confiar mais na Polícia, na estrutura em geral do Estado, na Lei Maria da Penha. Se você oferece mecanismos de segurança pública para manter a integridade das vítimas, terá o aumento do número de denúncias, aumentando também, as prisões, os flagrantes, etc”, ressaltou.

Segundo os dados divulgados pela Divisão Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), da Polícia Civil, na Região Metropolitana da capital, em 2010 foram 1.976 crimes enquadrados na Lei Maria da Penha, enquanto que em 2011 foram 2.117, marcando o aumento de 7,14%. Os flagrantes, em 2010, foram 111, já no ano seguinte, com aumento de 105%, foram 228. As prisões tiveram o crescimento também expressivo em 2011, sendo 84,5% maior em relação ao ano anterior: 129 em 2010, e 238 no ano passado. Na avaliação do Dieese, que analisou os dados fornecidos pela Deam, a maioria das prisões ocorreram nos meses de festa, como janeiro, fevereiro, julho, agosto e dezembro.

O secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Estado, Luiz Fernandes, afirmou que vários fatores favorecem o aumento da presença do Estado no combate à violência doméstica. Entre os fatores está o cumprimento de vários mandados de prisão nos últimos meses e operações para investigar crimes violentos como estupro, por exemplo. Além da repressão, o Estado atua com ações educativas, realizando oficinas e palestras sobre a violência doméstica, repassando informação para as mulheres em diversos municípios sobre a Lei Maria da Penha, sobre como denunciar. “É muito importante o desenvolvimento dessas políticas públicas, garantindo não apenas a estrutura de repressão, mas também de prevenção, repassando informação para a sociedade”, disse o secretário, que ressaltou que com a recente alteração na Lei Maria da Penha, com a qual a vítima não mais poderá desistir da denuncia na Justiça, o combate à essa violência é fortalecido.

A diretora da Deam, delegada Alessandra Jorge, disse que a mulher está cada vez mais segura para buscar ajuda contra a violência. “Existe uma demanda reprimida esperando para denunciar. Isso acontece por vários motivos, sejam eles culturais, socioeconômicos, etc. Isso mostra que a violência não é apenas um problema de polícia, por isso é preciso dar a relevância que o problema merece, com políticas públicas e ações integradas, direcionadas”, destacou a delegada.

Além do aumento da infraestrutura de segurança e de apoio às vítimas, o Dieese afirma que a participação da mulher no mercado de trabalho também está favorecendo o aumento das denúncias. Em 2011, 30% das vagas foram preenchidas por mulheres. O Pará foi o Estado, segundo os dados do departamento, que mais empregou mulheres na região Norte. “O aumento de oportunidades diminui a desigualdade, e, por seguinte, a violência. Se você oferece essas oportunidades, políticas públicas, a mulher não se sente mais tão dependente da relação”, disse Roberto Sena.

Atendimento integrado no combate à violência

Entre as políticas públicas que o Estado está implementando contra a violência doméstica está o Pro Paz Mulher. O serviço compreende unidades de atendimento integrado, onde a vítima terá acesso à Polícia, apoio jurídico, psicológico e perícia, agilizando o seu processo, e facilitando a denúncia.  Os centros já estão sendo implantados em seis cidades do Estado, incluindo a capital. Nesta quinta, dia 8, Santarém, no oeste, receberá a primeira unidade. Altamira, Marabá, Tucuruí, Breve e Belém também serão contempladas.

O Estado, por meio do programa Pro Paz, também coordenou no ano passado 13 encontros regionais para discutir políticas para as mulheres. Os encontros atingiram 94 municípios, e pelo menos 2 mil mulheres. As discussões resultaram na implantação de 25 conselhos da mulher, que devem ser multiplicados para mais 60 este ano. Eles vão ajudar a compor o Plano Estadual de políticas públicas para as mulheres.      

Serviço:

Qualquer pessoa pode denunciar a violência contra mulher pelo número 180, ou na Divisão Especializada de Atendimento à Mulher – DEAM. Travessa Vileta, entre Primeiro de dezembro e Almirante Barroso, nº 2914 - Bairro do Marco. Telefone: (91) 3246-6803.


Texto:
Thiago Melo – Secom



Viva Minha Sogra pelo Dia da
Mulher. E você foi uma super
mulher e Super Mãe


Não é porque você subiu e está sentada ao lado de Deus Pai Todo Poderoso, há uma semana, que a gente já vai esquecer de você, minha veinha. Pelo contrário, ontem na Igreja de Santa Teresinha, no Jurunas, aconteceu a missa de 7º Dia, aliás, muito bonita, com direito a coral de primeira qualidade. A missa foi encomendada pelo seu grande e eterno primo e irmão do coração, João Guilherme Rufino, do ‘Rufino’s Recepções’.
Apesar de você não está presente em matéria, estás presente em espírito, que, aliás, será assim daqui pra frente, até o seu total aperfeiçoamento e reencarnação conforme a vontade de Deus.
Portanto, Feliz Dia das Mulheres a você também, que certamente saberá destas homenagens, já que certamente no mundo espiritual, tem com certeza uma informática muito mais atualizada e eficaz do que aqui na Terra, senão com certeza, nossos anjos da guarda não poderiam nos localizar aqui e ali, e Deus que detém o controle de tudo, colocou em nossos corações, um super chipp, que sabe de tudo, o antes, o atual e o depois.
Parabéns a você também minha sogra e querida irmã, Maria Auxiliadora por este dia.



Mulheres de Curralinho
trabalham, criam filhos
e alimentam sonhos





Ser mulher no Arquipélago do Marajó é vivenciar dificuldades, mas sempre com a oportunidade de ser feliz. É o caso de Alice Oliveira, 66 anos, Sebastiana Pereira, 54, e Raika Bitencourt, 27, que moram em Curralinho, um dos 16 municípios marajoaras. As três garantem ser felizes, apesar dos problemas enfrentados diariamente.

Alice Oliveira tem sete filhos, 60 netos e 15 bisnetos, e mora numa comunidade localizada às margens do Rio Canaticu, a três horas de viagem da sede do município. A maior dificuldade, afirma Alice, é ter de criar todos os filhos e fazer com que fiquem próximo dela, mesmo depois de adultos. Todos os filhos já casaram, mas continuam morando ao lado da casa da mãe. “Hoje em dia até que tá mais fácil. Tive de roçar muito terreno para poder criar os meus filhos e netos”, diz ela.

Alice foi à sede de Curralinho em busca de atendimento médico, oferecido pela Caravana Pro Paz Cidadania Presença Viva, que está no Marajó levando serviço médico, atendimento jurídico, emissão de documentos, cultura e cidadania. Alice levou junto as noras e os netos para as consultas. “Eu dou sempre um conselho para as mulheres mais novas: que sejam mais cuidadosas com seus maridos e saibam tratar bem seus filhos e filhas, sempre trabalhando muito”, declara.

Sebastiana Pereira reclama das barreiras que enfrenta para sobreviver na comunidade Nossa Senhora das Graças, onde mora. Ela viajou 24 horas de barco para ser atendida na Caravana Pro Paz, e aproveitou a viagem para levar os frutos que planta em sua comunidade para vender na cidade.

“É assim que faço para sobreviver e criar meus filhos. Planto muita mandioca, pupunha e açaí, e sou muito feliz”, garante Sebastiana, que tenta passar para as filhas mais novas o segredo da felicidade que sente ao lado do marido, com quem é casada há mais de 40 anos.

Sonho – Para Raika Bitencourt, que trabalha como balconista em uma loja de confecções na orla de Curralinho, o sonho é fazer um curso superior. Casada e mãe de uma menina, ela quer estudar Pedagogia, desejo adiado pelo casamento e os cuidados com a filha. Raika concluiu o ensino médio, e diz que sua única dificuldade é concretizar o sonho de se formar em um curso superior.

No Dia Internacional da Mulher, ela diz que é uma pessoa feliz, mas seria muito mais se pudesse concluir os estudos. No próximo ano, Raika pretende procurar um campus da Universidade do Estado do Pará (Uepa) no Marajó, para preencher a lacuna que a impede de ser mais feliz.

Curralinho tem mais de 22 mil habitantes e fica na microrregião Furos do Marajó, tendo como limites ao norte o município de Breves, ao sul o Rio Pará e a Baía das Bocas, e a leste São Sebastião da Boa Vista.

Texto:
Marcio Flexa-Secom


Funcionárias da Ceasa
são homenageadas

A promoção da qualidade de vida e da saúde da mulher foi o tema abordado na manhã desta quinta-feira (8), na Central de Abastecimento do Pará (Ceasa), em comemoração ao Dia Internacional da Mulher. As 40 funcionárias tiveram a oportunidade de conhecer os direitos das mulheres, em palestra ministrada pela especialista em Atendimento de Vítimas de Violência Doméstica e Sexual, Mary Alves, que atualmente é ouvidora do Hospital Regional Abelardo Santos. "Sabemos a dificuldade em levar uma dupla jornada, de trabalho e doméstica, porém temos sempre que estar com a auto estima elevada, para contornar as adversidades”, ressaltou. Como parte das homenagens, as funcionárias receberam brindes e flores.


Música, flores e reconhecimento
marcam Dia da Mulher
em órgãos estaduais

A homenagem às servidoras públicas estaduais mudou a rotina na maioria dos órgãos nesta quinta-feira (8), Dia Internacional da Mulher. Programações especiais foram realizadas para destacar a importância da presença feminina no serviço público, e em todos os segmentos da sociedade.

Com rosas e música as servidoras da sede da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) foram recepcionadas pela manhã, e participaram de um ciclo de palestras, promovido pela Gerência de Assistência ao Servidor (GAS). Na Seduc trabalham mais da metade das servidoras do Estado - quase 30 mil mulheres.

Entre os temas discutidos estavam a violência doméstica e a prevenção ao câncer do colo do útero e de mama. As informações foram repassadas por técnicos da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) e do Hospital Ophir Loyola.

A programação, explicou a gerente da GAS, Claudivani Soares, segue as diretrizes do Programa de Valorização do Servidor, que visa melhorar a qualidade de vida no trabalho. “Planejamos orientações médicas, cuidados com a beleza e palestras para fomentar a discussão de temas que estão no universo feminino”, informou.

Para Ângela Pastana, membro do coral, que trabalha como auxiliar técnica, há 22 anos, na Coordenação de Descentralização (Codes), “é muito bom vermos a Seduc nos valorizando”.

Há 28 anos servidora da Seduc, a técnica da 20ª Unidade “Seduc na Escola” (USE 20), Sônia Queiroz, recitou uma poesia que destaca as qualidades femininas. Para ela, a sensibilidade e a paciência das mulheres ajudam no dia a dia. “Estamos sempre prontas e bem atentas para o trabalho. Têm coisas que só nós conseguimos perceber”, frisou.

Seicom - As servidoras da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seeicom) foram homenageadas ao som de clássicos de Chico Buarque de Holanda, interpretados pelo músico Fabrício dos Anjos, e por versos da poeta portuguesa Florbela Espanca.

As servidoras participaram de sorteio de brindes e receberam rosas e cumprimentos do titular da Secretaria, David Leal, e da secretária adjunta, Maria Amélia Enríquez.

“Hoje, a Seicom tem 32 funcionárias. Esse dia é importante para confraternizar toda a equipe”, ressaltou David Leal.

Seop – A Secretaria de Estado de Obras Públicas (Seop) surpreendeu suas servidoras ao oferecer no auditório serviços de estética. Em parceria com a franquia Água de Cheiro/Belém e o cabeleireiro Jaime Andrade, a Seop proporcionou acesso à maquiagem, escova e corte de cabelo.

“Toda mulher gosta de se ir ao salão e nós resolvemos trazer o salão até o trabalho, para que ficassem mais bonitas no dia de hoje. Foi uma forma de homenageá-las e agradecer pela dedicação que têm com a Secretaria”, destacou o titular da Seop, Joaquim Passarinho.

 “Surpreendeu de forma bem positiva. Foi uma parada que não prejudicou o andamento do trabalho. Tudo em nome da beleza”, disse a arquiteta Vânia Lúcia Alves, diretora técnica da Seop.

A servidora Maria Augusta Padre deu uma pausa no trabalho no gabinete para conferir os serviços ofertados. “Fazia tempo que não me maquiava, e me senti muito bem. Gostei também do cabelo. De vez em quando a gente precisa dessas coisas”, declarou.
Uepa - Uma programação organizada pela Coordenação de Desenvolvimento de Pessoas proporcionou às servidoras da Universidade do Estado do Pará (Uepa) exames ambulatoriais, como verificação de pressão arterial e taxa de glicose, realizados no ambulatório do Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE), no bairro do Telégrafo.

No auditório da Reitoria, elas receberam desde massagens relaxantes a sessões de drenagem linfática, peeling de cristais e maquiagem. Nesta sexta-feira (09), acontecerá uma caminhada no Bosque Rodrigues Alves, ao lado do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS).

Maria José Vasconcelos, servidora do Planetário "Sebastião Sodré da Gama", aproveitou as massagens. "Impossível não sair relaxada. Estou adorando esse dia. Adorando o fato de a Universidade proporcionar isso para nós", declarou.

Segundo o responsável pela Coordenação de Desenvolvimento de Pessoas, Carlos Perea, "todas as ações têm uma razão de ser. Se antes das massagens as servidoras passam por medição de glicose e pressão arterial, é porque queremos saber como anda a saúde delas, e assim criar campanhas de prevenção, seminários, palestras e outros momentos. A gente quer que, além de relaxar e desfrutar das homenagens, que a mulher possa refletir sobre seu próprio estilo de vida e todos os outros fatores que possam contribuir para a qualidade do seu dia a dia", ressaltou.

Defensoria - Palestras e música marcaram o Dia Internacional da Mulher na Defensoria Pública do Estado do Pará. No auditório foi realizado o seminário “Mulher: desafios e conquistas para uma cidadania plena”, organizado pela Gerência de Gestão de Pessoas e pelo Psicossocial. A programação foi direcionada às defensoras, demais servidoras e mulheres assistidas pela Defensoria.

O seminário começou com a mesa redonda sobre o tema “As Atividades Desenvolvidas pelo Naem na Defesa e Orientação Jurídica da Mulher em Situação de Violência Doméstica”, coordenada pela defensora pública e coordenadora do Núcleo Especializado de Atendimento à Mulher (Naem), Janice Costa da Silva.

O economista e conselheiro do Conselho Regional de Economia, Oberdan Duarte, proferiu a palestra “Planejamento Orçamentário Familiar”. “A educação financeira é essencial para manter um controle no orçamento de nossas famílias”, destacou o palestrante, que distribuiu a cartilha “Educação Financeira”.

Também foram ministradas as palestras “Educação Alimentar: mitos e verdades”, pela coordenadora Estadual de Nutrição da Secretaria de Estado de Saúde Pública, Rahilda Brito Tuma, e “Dependência Afetiva”, pela professora do curso de Psicologia da Universidade Federal do Pará, Silvia Canaan Stein.

O seminário “Mulher: desafios e conquistas para uma cidadania plena” continuará nesta sexta-feira (09), com serviços na área de saúde e estética.

Jucepa - A comemoração pelo Dia Internacional da Mulher na Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa) foi marcada pelo reconhecimento do papel feminino na instituição. Hoje, a Jucepa funciona com quase 120 mulheres. Em reconhecimento a essa contribuição, todas as servidoras receberam pen drivers, que auxiliarão no esforço para diminuir o uso de papel na Junta Comercial.

O presidente da Jucepa, Arthur Tourinho, destacou o processo de modernização do órgão, que inclui a revitalização da sede, a digitalização de documentos, a realização do concurso para recomposição do quadro funcional, e após 30 anos, a realização de um processo seletivo para tradutores e intérpretes e outras atividades.

A técnica do Registro Mercantil Dilma Menezes, há mais de 30 anos na Jucepa, disse que "hoje trabalho num excelente ambiente físico e acolhedor. Minha trajetória na Jucepa foi motivo de crescimento pessoal e profissional, e motivador de contínuo aprendizado".

Polícia Civil - Distribuição de flores nas ruas, show de humor e café da manhã, entre outras atividades, marcaram as homenagens ao Dia Internacional da Mulher nas unidades da Polícia Civil, na capital e no interior do Estado.

Em Belém, pela manhã, um grupo de policiais civis saiu às ruas da Região Metropolitana para fazer uma espécie de “blitz” no trânsito. No entanto, ao invés de uma revista de rotina em condutores de veículos, os agentes entregaram rosas vermelhas às mulheres. À tarde, no auditório central da Delegacia Geral, houve o show da humorista paraense Denise Rodrigues, mais conhecida como Felizmunda. O espetáculo de comédia lotou o auditório. Nas unidades policiais, como Delegacias, Divisões Especializadas e Seccionais, as servidoras foram homenageadas com café da manhã e flores.

Foram distribuídas rosas na Avenida Pedro Miranda, bairro da Pedreira; Avenida João Paulo II com Travessa Vileta, bairro do Marco; Rua Gama Abreu, próximo à Travessa Padre Eutíquio, bairro da Campina, e Rodovia BR-316, bairro da Guanabara, no limite entre Belém e Ananindeua. Cerca de duas mil flores foram entregues durante a programação.

De acordo com o delegado geral adjunto da Polícia Civil, Rilmar Firmino, que acompanhou a atividade, o evento é importante para marcar a presença feminina na instituição policial. “Há 40 anos, não havia uma mulher na Polícia Civil. Hoje, as mulheres já representam 25% do total de policiais civis. Já o efetivo administrativo conta com cerca de 55% de mulheres, ou seja, a maioria”, informou.

Em Marabá, município da região sudeste, as mulheres foram homenageadas na Superintendência Regional do Sudeste do Pará, com café da manhã em um hotel da cidade. Participaram do evento delegadas, escrivães, investigadoras e agentes do setor administrativo. (Com informações das Assessorias de Imprensa da Seduc, Seicom, Seop, Uepa, Defensoria Pública, Jucepa e Polícia Civil).


Ações do Pro Paz beneficiam
mais de 600 mulheres no
CRF de Ananindeua

O governo do Estado proporcionou um dia especial às internas do Centro de Recuperação Feminino (CRF), localizado no município de Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém. Alusivo ao Dia Internacional da Mulher, o evento iniciou na última terça-feira (06), e culminou nesta quinta-feira (8), com a ação “Pro Paz Cidadania Presença Viva”, beneficiando 604 mulheres com emissão de documentos, orientação jurídica, atendimento médico e programação cultural.

A ação garantiu a emissão de certidões de nascimento, cartões do Sistema Único de Saúde (SUS), Cadastros de Pessoa Física (CPF), e carteiras de identidade e profissional. Na área de saúde houve consultas com ginecologistas, dermatologistas e outros profissionais. Foram disponibilizados, ainda, exames de glicemia, verificação de pressão arterial e Preventivo do Câncer do Colo de Útero (PCCU), além de vacinação contra tétano, rubéola, difteria e febre amarela.

A diretora Estadual de Direitos Humanos, Maysa Almeida; o superintendente do Sistema Penitenciário, coronel André Luiz Cunha; o defensor Público Geral, Antônio Cardoso, e a integrante do Programa Pro Paz, Kátia Scalzo, participaram da programação, assim como a primeira dama do Estado, Ana Jatene. “Essas mulheres precisam de amor, carinho e cuidados”, destacou ela, acrescentando que “queria compartilhar este dia tão especial com vocês, mulheres, e espero que todas estejam aproveitando este momento”.

Atividades lúdicas também fizeram parte da programação. Integrantes da Fundação Curro Velho promoveram oficinas de estamparia, e houve atividades nas salas de leitura e em outros ambientes destinados às artes e a ações na área de estética.

A psicóloga Elaine Farias reiterou a importância dessas atividades. "Ações como essa fazem parte do processo de reeducação, de reinserção social dessas mulheres. As atividades estão colaborando, e muito, para elevar a auto estima delas", afirmou.

Necessidades - A diretora do CRF, Lygia Cipriano, disse que o projeto surgiu após a identificação de algumas demandas. "Esses serviços vieram, justamente, para suprir necessidades. Inicialmente, seria uma ação simples, mas tomou proporções bem maiores, e hoje temos este belo resultado", ressaltou a diretora, informando que "todas que precisarem de maior atenção e tratamentos médicos serão devidamente encaminhadas a profissionais adequados”.

Ainda segundo Lygia Cipriano, até a tarde da última quarta-feira (7), 1.601 atendimentos foram realizados. A interna C.S., 32 anos, foi uma das beneficiadas. "Estava precisando ir ao dentista, mas ele que veio até aqui", disse ela, que aproveitou a oportunidade para se consultar com o dermatologista e fazer o teste de HIV.

"O meu corpo está preso, mas minha mente é livre e eu posso continuar a sonhar. Agora sabemos que temos de abraçar todas as oportunidades que nos são oferecidas. A ação de saúde é mais um presente. Por isso, agradeço a todas que fazem parte deste projeto”, destacou, emocionada, a interna Cristina Ferreira, que entregou um CD à primeira dama. “Esse é o primeiro resultado das nossas aulas de música. Neste CD há um louvor escrito por mim, em homenagem ao nosso governador, Simão Jatene”, informou. Ana Jatene agradeceu o presente e afirmou que o Estado trabalha pelo bem estar de todos. “Queremos ser instrumentos para fazer o melhor para vocês”, completou.

A parceria firmada entre o Programa Pro Paz, a Susipe, Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Fundação Curro Velho, Defensoria Pública do Estado, Instituto de Artes do Pará (IAP), Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) e o Grupo Embeleze propiciou a programação. “Nunca houve uma ação com esta magnitude aqui no CRF. Essas mulheres podem encontrar assistência à saúde, ação de cidadania, atendimento jurídico e diversas oficinas”, destacou o coronel André Cunha.

A apresentação das cantoras paraenses Cleide Moraes e Gigi Furtado animou as internas. O evento encerrou com o concurso para escolha da Miss CRF/Ananindeua, e com a distribuição de rosas e brindes para todas as internas.

Leitura - Nesta sexta-feira (09), das 9 às 12h, a equipe da Gerência de Promoção à Leitura, da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, continua a programação especial alusiva ao Dia Internacional da Mulher no Centro de Recuperação Feminino.

Serão atendidas 604 internas, com informações sobre a Lei Maria da Penha, direitos da mulher, o valor da figura feminina na sociedade e outros temas, como a origem do Dia Internacional da Mulher. Também haverá debates sobre livros como “Mulheres que correm com os lobos”, uma coletânea de contos sobre o instinto de sobrevivência feminino.

As internas terão acesso a alguns exemplares do acervo da Fundação Tancredo Neves e à contação de histórias com fantoches, realizada pela equipe de Promoção à Leitura. Será encenada uma peça sobre uma catadora de sucata, que passou no vestibular estudando em livros que recolheu do lixão.

“Para nós, promotores da leitura, é uma satisfação realizar uma programação dessa natureza. Grandes mulheres da história leram seu primeiro livro presas. O poder da leitura transforma vidas”, ressaltou a técnica em Gestão Cultural, Iva Rothe.

Durante o dia as internas receberão ainda a visita dos filhos. Por isso, haverá contação de histórias e atividades para as crianças e as mães. (Com informações da Assessoria de Imprensa da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves).

Texto:
Ellyson Ramos-Sejudh


Presidente da Santa Casa é
homenageada com
medalha pela Alepa

Em solenidade realizada nesta quinta-feira (08), a  Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) homenageou 12 personalidades femininas em comemoração ao Dia Internacional da Mulher. A entrega da Medalha Isa Cunha fez parte da programação, que teve entre as homenageadas a presidente da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, Maria Eunice Begot.

A sessão especial foi aberta pelo presidente da Alepa, Manoel Pioneiro, que repassou os trabalhos às deputadas Ana Cunha e Josefina Carmo. Para Ana Cunha, “é na essência humana que a mulher faz a diferença. Nós precisamos fazer o nosso espaço, e isso vem sendo conquistado”.

Segundo a deputada Josefina Carmo, a importância da mulher para a sociedade é imprescindível, o que pode ser retratado nas inúmeras atribuições da mulher. “Hoje, a mulher tem que se desdobrar para dar conta de seu recado, e isso precisa ser compreendido por toda a sociedade”, ressaltou.

Josefina Carmo também destacou que as mulheres devem ocupar mais vagas nos Parlamentos. Atualmente, das 41 vagas de deputados na Assembleia do Pará, apenas sete são ocupadas por mulheres.

O Dia Internacional da Mulher é comemorado oficialmente pela Assembleia Legislativa desde 1984. O processo de escolha das homenageadas é feito pelas bancadas dos partidos. A Medalha Isa Cunha já é uma homenagem à historiadora Isa Cunha, fundadora da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos e do Movimento de Mulheres da Cidade e do Campo. Isa faleceu em 2003.

Para Eunice Begot, presidente da Fundação Santa Casa do Pará, a Medalha Isa Cunha é um reconhecimento profissional e, principalmente, “da dedicação ao trabalho em prol de uma sociedade mais igualitária”. Segundo ela, o dia 8 de Março é uma conquista marcada por lutas sociais.

Além de Eunice Begot, a Alepa concedeu a medalha a Carmem Foro, Graciete Castro, Honorata Andrade, Ionete Gama, Socorro da Cunha, Mary Cohen, Regina Oliveira, Rita Santos, Rosa de Souza, Sinei Andrade e Telma da Cruz. (Com informações da Assessoria de Imprensa da Alepa).

Texto:
Samuel Mota-Santa Casa


Casa Civil homenageia servidoras
com palestras e exibição de filme

Palestras, exibição de filme, técnicas de maquiagem, massagem terapêutica, serviço de cidadania e um almoço marcaram a programação da Casa Civil da Governadoria em homenagem às servidoras nesta quinta-feira (8), Dia Internacional da Mulher. As servidoras participaram de diversas atividades, promovidas com o objetivo de valorizar a presença feminina no serviço público estadual. O evento teve a participação da primeira dama do Estado, Ana Jatene.

A diretora do Cerimonial do Governo do Estado, Catharina Vale, iniciou as atividades com a palestra "Mulher: o desafio de ser feliz", abordando os desafios de ser mulher no mundo atual, devido às várias tarefas que fazem parte da rotina feminina. "Temos que entender que o importante é aprender a ser feliz do jeito que a gente é, sem perseguir a perfeição e sem culpas", ressaltou.

A subchefe da Casa Civil, Lucila Serique, destacou a conquista do reconhecimento e da valorização da mulher ao longo dos anos. "A mulher foi conquistando o seu espaço não só como profissional, mas como um ser único, que consegue desempenhar múltiplos papéis", afirmou.

As servidoras da Casa Civil aprovaram a programação e participaram de todos os eventos. Uma atenção especial foi dedicada às técnicas de maquiagem, ensinadas pela consultora e multiplicadora na região Norte da empresa Contém 1g, Vânia Martins.

A consultora explicou os passos para uma maquiagem correta, principalmente para quem trabalha durante todo o dia e precisa ficar com a aparência impecável. "Mostrei principalmente como é possível valorizar os traços, porque cada mulher é única e a maquiagem difere para quem tem olhos pequenos e olhos grandes, uma pele mais madura e outra mais jovem", explicou.

A servidora Neuza Freitas, 42 anos, que trabalha no Setor Financeiro da Casa Civil, disse que "esse tipo de programação nos motiva, valoriza a servidora que dedica a maior parte do seu dia ao trabalho. Ao reservar um dia inteiro para nos homenagear, o governo do Estado mostra sua preocupação com o servidor público", afirmou Neuza, que trabalha há 22 anos na Casa Civil da Governadoria.

A programação encerrou à tarde, com a palestra da psicóloga Patrícia Santos Martins, do Hospital Ophir Loyola, abordando a prevenção do câncer do colo do útero e do câncer de mama, e a exibição do filme brasileiro "Se eu fosse você 2".

Texto:
Janise Abud-Casa Civil


Hemopa festeja o Dia da
Mulher com rosas

A Fundação Hemopa dedicou esta quinta-feira para homenagear suas funcionárias e as doadoras de sangue, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher. As servidoras foram recebidas com rosas e as candidatas a doação de sangue tiveram oportunidade de assistir apresentação do coral do Hemopa, na sala de lanche. A campanha, que se estenderá até este sábado (10), tem o objetivo de elevar a coleta feminina no Pará, que não chega a 30%, como determina o Ministério da Saúde (MS). A meta é de 100 doações/dia.

“Toda mulher fica emocionada ao receber uma rosa. Me sinto valorizada enquanto servidora e agradecida como mulher”, comentou a funcionária Carolina Queiroz, que agradeceu a homenagem recebida. Para Luciana Maradei, a comemoração reforça o apreço pelas funcionárias da hemorrede, que garantem atendimento digno e respeitoso aos usuários do serviço.

A campanha tem foco voltado para estímulo à doação feminina. Por isso, a assistente social enfatiza que as mulheres têm as mesmas condições de doação que os homens. “Os únicos impedimentos temporários são nos períodos gestacional e de amamentação”, explicou.

A campanha foi aberta às 10h, com apresentação do coral do Hemopa, na sala do lanche do doador. Dia 10, haverá oferta de serviços de beleza e técnica de massoterapia, ministrada pelo prof. Mailson, da empresa “Mãos que curam”. Nos três dias de campanha haverá lanche especial. Tudo isso para parabenizar e agradecer antigas e novas doadoras de sangue. A campanha contará com apoio da Força Sindical da Mulher, da Associação de Mulheres de Carreira Jurídica de Ananindeua, Comunidade Fé em Deus; e escola de Enfermagem D.N.A, de Ananindeua.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg. Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.

Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou  mulher  saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto.

Serviço:O Hemopa espera por você na Tv. Pe. Eutíquio, 2109. Funcionamento para coleta: de segunda a sexta-feira, de 7h30 às 18h, e aos sábados de 7h30 às 17h. Maiores informações pelo fone: 08002808118

Texto:
Vera Rojas-Hemopa


Mulheres da Sema
recebem rosas vermelhas

Foi com um sorriso no rosto e um cartão de felicitações que as servidoras da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) foram recebidas ao chegarem ao trabalho na manhã do Dia Internacional da Mulher. Modelos profissionais receberam as funcionárias na entrada dos prédios da Sema e desejavam a elas um dia feliz. Para o modelo Leonardo Rezende, não é só nesse dia que se deve tratar bem uma mulher, mas em todos os outros. “Tenho muita gratidão, respeito e admiração por todas as mulheres”, declarou.

A coordenadora de Gestão de Pessoas, Edielen Lopes, responsável pela organização da homenagem, diz que o dia de hoje marca várias conquistas das mulheres como a liberdade, o respeito e a inserção no mercado de trabalho. “Falando em mercado, podemos nos orgulhar de que hoje, na Sema, 65% dos gestores são do sexo feminino. É uma secretaria comandada por maioria de mulheres”, comemora a coordenadora. Em coro com Edielen, a coordenadora de Fiscalização da Sema, Simone Linhares garante que no setor que ela trabalha, as mulheres conquistaram espaço e estão presentes desde a área administrativa até as atividades de campo. Trabalhando em prédio diferente da esposa – no Parque do Utinga e ela na sede da Sema - o agente de fiscalização Marco Aurélio, aproveitou o dia para mandar um recado para a mulher de sua vida: “Sabrina, você faz meus dias mais alegres e completos”, declarou. Ao som do coral Cantando a Vida, as homenagens foram recebidas com muita alegria por todos os presentes.


Hemopa Castanhal inicia
campanha em
homenagem às mulheres

A direção do Hemocentro Regional de Castanhal (HRC) está promovendo campanha de doação de sangue e cadastro de doadores voluntários de medula óssea em homenagem ao Dia internacional da Mulher. A ação estratégica começou nesta quinta-feira e se estenderá até o dia 10, com a meta de 100 coletas.

Durante toda a campanha haverá distribuição de flores, lanche especial e sorteio de brindes doados por instituições parcerias. O ambiente do hemocentro contará com música ao vivo para comemorar a data e descontrair o público feminino.

Segundo a responsável técnica pela unidade, dra. Sandra Lobato, sua equipe de captação de doadores sempre busca novas alternativas para sensibilizar a população local e da região para o ato da doação de sangue. “As estratégias de captação devem ser reinventadas diariamente para garantir o atendimento de qualidade à demanda transfusional da nossa região”, destacou, informando que as funcionárias do Hemopa castanhal também darão exemplo de cidadania, doando sangue.

Quem pode doar sangue: candidatos com boa saúde; idade entre 16 anos completos e 67 anos. Peso acima de 50 kg . Necessário portar documento de identidade original e com foto. Não precisa estar em jejum. Com a doação são realizados exames para diversas doenças, entre elas: Aids, Sífilis, Doença de Chagas, Hepatites, HTLV I e II, além de tipagem sangüínea. O homem pode doar a cada dois meses e a mulher a cada três meses. O doador deve estar bem alimentado.

Quem pode fazer cadastro de doação de medula óssea: Homem ou  mulher  saudáveis e com faixa etária de 18 a 55 anos. Necessário portar documento de identidade original e com foto

Serviço:
O Hemopa Castanhal funciona coleta de sangue de segunda a sexta-feira de 7h às 13h,  e neste sábado funcionará, excepcionalmente, de 8h às 17h. O Hemocentro Regional de Castanhal funciona na Alameda Rita de Cássia c/1, b2, em frente ao supermercado Líder.

Texto:
Vera Rojas-Hemopa


Procura por exames preventivos
do câncer ainda é baixa
entre as mulheres

Em pleno século XXI, a falta de informação e de uma cultura de prevenção ainda é um dos principais empecilhos ao diagnóstico precoce de neoplasias malignas no Brasil. Em 2008, o câncer de mama tirou a vida de quase 12 mil mulheres, enquanto o câncer de colo de útero vitimou mais de cinco mil brasileiras em 2009. Para 2012, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima 18 mil novos casos de câncer de colo de útero e 52 mil de câncer da mama, o segundo tumor mais incidente na Região Norte.

Segundo o Inca, as taxas de mortalidade pelas doenças continuam elevadas. Chamado de “câncer da ignorância” por alguns especialistas, o câncer de colo do útero pode ser evitado e diagnosticado precocemente através do exame preventivo, o Papanicolau, que deve ser feito em todas as mulheres com vida sexualmente ativa, pelo menos uma vez ao ano. Quanto ao câncer de mama, o diagnóstico precoce, por meio da mamografia, aumenta em quase cem por cento as chances de cura. No entanto, a realidade é outra.

Em 2011, através do Hospital Ophir Loyola, 621 mulheres paraenses foram diagnosticadas com câncer de colo de útero e 483 com a neoplasia na mama. Somente em janeiro desse ano, 56  mulheres com câncer de útero e 45 com de câncer de mama deram início ao tratamento no HOL, a maioria em estágio avançado da doença. Segundo o coordenador da Rede Paraense de Combate ao Câncer (RPCC) e oncologista Antenor Madeira, qualquer doença, sem exceção, está relacionada com fatores de risco, mas quanto mais cedo a pessoa se tratar, melhor o resultado. Ele chama atenção para a importância da informação, pois o câncer de colo de útero, por exemplo, pode demorar anos para se desenvolver.

“A mulher instruída é a aquela que procura ler, se informar, que percebe a importância do uso de preservativos e realiza os exames periodicamente. Antes mesmo do câncer se instalar podem ser detectadas alterações nas células através do exame preventivo. Apesar de estar disponível nas unidades básicas de saúde, muitas mulheres, principalmente as de menor poder aquisito, deixam de fazer o procedimento”, avalia. Ana Maria Siqueira, 64, é moradora do município do Acará. Integrante de uma comunidade ribeirinha que vive da produção de açaí, ela descobriu a neoplasia maligna no útero há mais de um ano através do exame preventivo. Ela conta a reação que teve ao saber do diagnóstico. “Não sentia dores, não sangrava, não entendo como fui ter essa doença. Senti muito medo, é isso que a gente sente diante do desconhecido, medo. Não sabia o que pensar”, diz.

Fatores de risco - Segundo o especialista, o câncer de mama está relacionado com a obesidade, dieta pobre em fibras e rica em gordura saturada, fumo e álcool. Também se manifesta em mulheres que amamentaram pouco ou não amamentaram. Já o câncer de colo uterino, o mais incidente no Pará, está associado ao baixo nível econômico das mulheres. “Ter tido muitos filhos, muitos parceiros sexuais, baixo consumo em alimentos ricos em vitaminas A e C, o não uso da camisinha por falta de dinheiro ou por que os parceiros não acham importante, tudo isso facilita a transmissão por HPV (papiloma vírus humano), isso também acontece pela falta de acesso à vacina contra o vírus”, explica.

Para mudar esse quadro, entidades públicas e privadas constituíram a Rede Paraense de Controle ao Câncer (RPCC), com o intuito de conscientizar a população. A iniciativa pretende alcançar também a comunidade escolar, promovendo a conscientização sobre hábitos saudáveis, prevenção e diagnóstico precoce. A RPCC busca, principalmente, mudar a realidade do atendimento oncológico, em que os pacientes já chegam a Hospitais de referência no atendimento no estágio avançado da doença, e as chances de cura são minimizadas.

A Rede tem como objetivo formar núcleos nos diversos municípios paraenses, a fim de “diminuir”, a distância geográfica e cultural, orientando, principalmente, pacientes do interior do Estado, sobre como terem acesso ao atendimento. Em parceria com o Hospital Ophir Loyola , Secretaria de Educação (Seduc) e Secretaria de Saúde (Sespa), a RPCC promove no próximo dia 9 de março, às 8 horas, no salão do Beira Rio Hotel, o Seminário Estadual de Controle ao Câncer. O evento em alusão ao Dia Estadual de Combate ao Câncer (10 de março), visa mobilizar profissionais de saúde e de educação, além da sociedade civil, o desenvolvimento de um trabalho voltado para o controle do câncer no Estado do Pará. A programação trará a participação da oncologista, Letícia Casado, do Instituto Nacional do Câncer.

Texto:
Leila Cruz-Ofir Loyola


Imetropará entrega rosas a servidoras

As servidoras do Instituto de Metrologia do Pará (Imetropará) foram homenageadas na manhã desta quinta-feira, 8, Dia Internacional da Mulher. Cada uma das cerca de 30 servidoras - sejam efetivas, terceirizadas ou estagiárias - receberam uma rosa vermelha e um cartão alusivo à data, entregue pessoalmente pelo presidente do órgão, Luiziel Guedes. Guedes percorreu cada um dos setores do Imetropará para fazer o que definiu como "singela homenagem" às funcionárias do órgão.

"Costuma-se dizer que há um dia da mulher porque os demais são dos homens, mas digo que na verdade todos são das mulheres e que escolhemos um em especial para prestar essa homenagem. E as rosas que entregamos representam o respeito que temos por todas vocês", disse o presidente. "Muito também se fala que as rosas têm espinhos. Mas vejo que são os espinhos que representam esse nosso mundo complicado, que possuem rosas, que são todas as mulheres", concluiu.


Rede Cultura homenageia
servidoras pelo Dia
Internacional da Mulher

Para comemorar o dia dedicado às mulheres, a Rede Cultura de Comunicação, composta pela TV, Rádio e Portal Cultura, preparou uma programação especial na manhã desta quinta-feira, 8, com entrega de rosas tropicais, sorteio de brindes, limpeza de pele e maquiagem, seguido de um coquetel. “As mulheres ocupam postos de destaques na Rede Cultura de Comunicação. Da presidência ao setor de logística, são chefiadas por mulheres, muito competentes”, destacou a diretora de comunicação integrada, Bety Dopazzo, que representou a presidente da emissora, Adelaide Oliveira, que não pode estar presente por motivo de viagem.

A diretora administrativa e financeira, Lícia Rosendo, falou em nome de todas as colaboradoras da Cultura, ressaltando a presença da mulher na sociedade. “Deus não nos deu a força física” ressaltou, “mas Ele nos presenteou com outros atributos. E o nosso dia são todos os dias”, destacou, parabenizando todas as mulheres pela passagem desse dia dedicado ao gênero feminino. A jornalista Michelle Maia disse que é muito importante ser lembrada e “acarinhada” pela empresa em que trabalha. “Eu amei. Achei uma delicadeza muito grande essa lembrança”, contou.


Mulheres fazem a diferença
durante caravana do Pro Paz

Um sorriso no rosto. Um olhar atento. E no coração a certeza que de todos são especiais. É desta maneira que dezenas de mulheres estão, há pelo menos 12 dias, longe de seus filhos, maridos e parentes dedicando todo seu amor e profissionalismo a milhares de pessoas na região do Marajó, durante a caravana Pro Paz Cidadania Presença Viva. Elas representam 80% da tripulação.

Este é o caso da servidora Marta Jandra Silva Pinto. Ela atua na Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) há 21 anos e atualmente está lotada no Laboratório Central do Estado (Lacen), onde trabalha no setor de citologia oncótica (prevenção de câncer de colo de útero). Somente no programa Presença Viva, ela já está desde 2005 e conta uma de suas maiores motivações. “As mulheres que trabalham viajando precisam se desprender de muita coisa para seguir viagens como esta, pois não é fácil. Mas fazemos isso por amor a profissão e por saber da carência destas comunidades ribeirinhas”, frisou Marta.

Walnira Lamela, dentista há 27 anos, fala da tristeza de ficar longe de casa, somente superada por sua alegria em se dedicar à profissão. “A dor todo mundo sabe qual é [...], mas a alegria, ah! Esta sim é fruto de um trabalho feito com carinho. É a própria realização pessoal. Sentimos algo muito especial a cada atendimento, a cada agradecimento, a cada sorriso”, destacou a doutora Walnira, que durante todos estes anos precisou, por muitas vezes, afastar-se de sua família, para acolher com as mãos abertas milhares de pacientes em todos os cantos deste Estado.

Texto:
Cora Coralina-Secom


Homenagem para 
mulheres no NGTM

As mulheres do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), ligado a Secretaria Especial de Infraestrutura e Logística para o Desenvolvimento Sustentável (Seinfra), foram homenageadas na manhã desta quinta-feira, dia 8, quando se comemora o Dia Internacional da Mulher. A homenagem, celebrada com um breakfaste e mensagens, foi preparada pelos homens do Núcleo que surpreenderam as colegas com o carinho.


Servidoras da Sead ganham
dia "Só para Elas"

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher a diretoria de Administração e Finanças da Secretaria de Estado de Administração (Sead), através do Serviço de Atenção Psicossocial, realizou durante toda manhã desta quarta-feira (7) um dia “Só para Elas”. A programação especial em homenagem as mais de 240 servidoras da secretaria teve direito a corte de cabelo,  depilação, limpeza de pele, massagem relaxante e maquiagem. Além da comemoração pelo Dia Internacional da Mulher o principal objetivo da programação foi também a valorização do bem-estar e elevação da autoestima das servidoras. “É muito bom poder contribuir, a custo zero,  com a elevação da autoconfiança e também da motivação dessas mulheres que compõem o maior capital humano da Sead ”, salientou a psicóloga da DAF, Maricelia Cunha.

Um dia como esse representa ainda a retribuição de todo o esforço, trabalho e dedicação das servidoras para com a Secretaria de Administração. “Dentro do Programa de Qualidade nós buscamos essa parceria com os produtos e serviços mais solicitados pelas mulheres, a fim de elas tirassem um pouquinho do seu tempo para cuidar do visual e afastar o estresse do dia-a-dia”, enfatizou Ricardo Nunes, integrante do setor Eventos da Sead. De acordo com a servidora Vânia Ladeiro cada vez mais as mulheres estão se destacando, principalmente no mercado de trabalho, e, algumas vezes, com um dia repleto de tarefas acabam não cuidam de si próprias. “Já fiz limpeza de pele e maquiagem e estou achando tudo maravilhoso. A gente tem um dia tão corrido que acabamos esquecendo um pouquinho da nossa vaidade”, disse.


Detentas encontram no
cárcere oportunidades
para recomeçar

A aliança na mão direita simboliza o compromisso firmado dentro do cárcere. Orgulhosa com o pedido de noivado, Ardenise Avis Pinheiro, de 33 anos, exibe o acessório reluzente, dado pelo companheiro em uma das visitas de finais de semana. Ela é uma das 630 internas do Centro de Recuperação Feminino do Coqueiro e assim como a maioria das detentas, também tem o sonho de constituir uma família, mesmo cumprindo a pena que lhe foi imputada.

Ardenise também se iguala à maioria na codificação do crime que a levou ao Sistema Penal: o tráfico de drogas. A história dela não é muito diferente das demais. Após a prisão do companheiro, para sustentar os dois filhos menores, hoje com 6 e 11 anos, a jovem, então com 28 anos, entrou para o mundo do crime. O tempo na criminalidade foi curto, mas o suficiente para lhe render mais de 20 anos de condenação. “A pior parte mesmo é ficar longe dos meus filhos. Minha família não acha o ambiente do presídio adequado, então dificilmente eles vêm aqui”, conta.

Para driblar a saudade, Ardenise viu na música um consolo. Aprendeu a tocar violão dentro da penitenciária e também faz parte do coral do CRF. Os planos para o futuro já estão sendo traçados. Ela pretende terminar o Ensino Médio ainda durante o cumprimento da pena e quando estiver em liberdade, mesmo que condicional, quer trabalhar honestamente. “Essa é a parte em que mais vou precisar de apoio. Tudo o que eu quero é conseguir um emprego e viver com meus filhos e meu marido em paz. Eu sei que vai ser difícil, mas não é impossível”, diz.

Assim como ela, Roberta Sandreli, de 27 anos, tem a esperança de ter uma vida normal fora do cárcere. Condenada a 33 anos e seis meses de prisão, a jovem perdeu ao mesmo tempo a filha, o marido e a liberdade. Roberta aprendeu dentro da cadeia o sentido da palavra reconstruir. A filha, hoje com 8 anos, visita a mãe semanalmente e é para ela que Roberta faz questão de mostrar o que aprendeu. “Eu toco e canto pra ela, porque ela é a minha vida. O sonho de viver ao lado da minha filha me dá forças para me transformar numa pessoa melhor a cada dia”, diz emocionada.

Sonhos à parte, a realidade dentro do CRF é de ressocialização. Além das oficinas de musicalização e dança, as detentas também tem acesso à educação. Muitas chegam à casa penal analfabetas e conseguem, durante o cumprimento da pena, avançar nos níveis escolares. Hoje, além da alfabetização, as presas têm acesso ao Ensino Fundamental e Médio e, segundo a diretora do CRF, Lygia Cipriano, a procura é grande. Este ano já temos 80 mulheres matriculadas nas turmas de alfabetização e 280 nas demais séries do Ensino Fundamental e Médio, um indicativo bastante positivo para quem quer começar uma vida nova. “Não é apenas uma sala de aula. É um espaço cultural onde elas têm acesso a novas oportunidades. No ano passado eram apenas 120 estudantes, hoje são 280, sem contar as alunas do letramento. É um avanço que vai contar muito para o futuro dessas mulheres”, destaca Lygia.

O estímulo profissional às detentas também faz parte das medidas de reinserção social, ainda durante o cumprimento da pena. Através de convênios de trabalho externo, as presas do regime semi-aberto têm oportunidades de emprego. Atualmente 20 mulheres trabalham nas agencias dos Correios, através do projeto “Começar de Novo”, do Conselho Nacional de Justiça, e na Computer Store, uma parceria entre a iniciativa privada e a Superintendência do Sistema Penal. “Antes essa reinserção era feita após elas ganharem o direito à liberdade. Agora o trabalho é realizado com elas ainda no cárcere, ampliando as perspectivas de futuro dessas mulheres”, explica Lygia Cipriano.

Texto:
Danielle Ferreira-Secom


Internas do CRF são
homenageadas pelo
Pro Paz no dia
Internacional da Mulher

O Governo do Estado, por meio dos Programas Pro Paz e Presença Viva, realiza no dia 8 de março, ação em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, no Centro de Reeducação Feminina, da Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe). A ação será para as 620 mulheres custodiadas, que receberão atendimentos médicos (clínica geral, ginecologia, cardiologia, dermatologia, psiquiatria, oftalmologia e odontologia), emissão de documentos (primeira e segunda vias), atividades de artesanatos, carro biblioteca, oficinas de bijuterias e apresentação de danças indígenas e confecções de roupas indígenas, além de cursos de grafitagem e pintura para as internas.

Durante a programação as internas terão, ainda, a oportunidade de passar por uma transformação, serão oferecidos corte de cabelo, escova, maquiagem e manicure para as internas. Para finalizar o dia com uma grande festa, haverá doação de cesta com produtos femininos e apresentação da pianista Eliana Cutrim e da Banda Quero Mais.


Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...