Total de visualizações de página

domingo, março 11, 2012

Escola Barão do Rio Branco comemora 100 anos de fundação


A Escola Estadual Barão do Rio Branco completa, neste sábado, 10, um século de atividades. Para celebrar a data, a comunidade escolar participará de uma missa, às 8h30, na Basílica Santuário de Nazaré, e de uma programação especial na unidade de ensino. A programação comemorativa do centenário da escola começou, no ano passado, com uma contagem regressiva e está sendo celebrada com uma reforma e restauração do prédio histórico que abriga a instituição.
A comunidade escolar reuniu-se ao longo de toda esta semana para participar de atividades culturais e pedagógicas. O dia no aniversário da escola também contará com o lançamento do selo comemorativo dos Correios em homenagem à Escola Barão do Rio Branco, além de menções honrosas aos ex-diretores e personalidades que foram alunos da instituição e de um abraço simbólico no prédio da escola.
No dia 10 de março de 1912, o então Governador do Estado, João Antônio Luís Coelho, nomeou o antigo 5º Grupo Escolar de Grupo Escolar “Barão do Rio Branco”, em homenagem a José Maria da Silva Paranhos Júnior, instituindo a escola em um prédio, onde funciona até hoje, juntamente com um busto em homenagem ao Barão. A peça, que foi encomendada pelo pintor Theodoro Braga e esculpida pela artista plástica Julieta de França, ainda encontra-se na escola.
Tombada pela Secretaria de Estado de Cultura (Secult), ao longo das décadas o prédio do grupo escolar passou por poucas intervenções, nem sempre com os devidos cuidados em relação aos traços arquitetônicos. A primeira reforma geral e restauração, anunciada no início deste mês pelo governador Simão Jatene, pretende recuperar e preservar as linhas originais do prédio construído durante o ciclo da borracha.
O “Pé direito” de quatro a cinco metros, as colunas alongadas, os elementos decorativos, as escadarias, o porão alto do prédio, e o piso de acapú e pau amarelo, com desenhos geométricos, apresentando o estilo neoclássico e eclético, adotado na sua construção, são marcas de importantes construções do final do último milênio.
Com um investimento no valor de R$ 1,6 milhão, o trabalho de recuperação da escola vai partir de uma pesquisa de reconhecimento de seus elementos arquitetônicos originais: documentos e a realização de prospecções, com pesquisas pictoriais para buscar a tonalidade da cor original do prédio.
A unidade de ensino é destaque no atendimento de estudantes com deficiência, com um Programa de Inclusão, tendo em seu alunado crianças e adolescente com deficiência visual e auditiva, autistas e portadores de síndromes como Down e Asperger, entre outras deficiências. Entre as ações da escola, tornou-se referência a Classe Hospitalar do Ophir Loyola, que em 2005, passou a funcionar em um anexo da Barão do Rio Branco.
A escola conta com cerca de 100 funcionários e aproximadamente 600 estudantes matriculados nos Ensinos Fundamental e Médio, Educação de Jovens e Adultos (EJA), com destacada atuação na Educação Especial. A instituição chega ao seu centenário com muitas experiências e com o desafio de adaptar a realidade atual à sua estrutura e tradição. “O nosso desafio agora é manter a tradição que temos e estar de acordo com as referências atuais de um ensino de qualidade”, explicou a diretora Ana Célia Monteiro de Souza.
O corpo técnico da escola, informou, está se preparando para fazer uma reformulação pedagógica para este ano letivo. “Todas as atividades deste ano são voltadas para o centenário. Queremos desfilar no dia 7 de Setembro e levar para avenida toda a história do Barão do Rio Branco. Queremos fazer com que o aluno preserve mais esse patrimônio público e a expectativa de toda a comunidade é ver como tudo vai ficar depois dessa restauração”, acrescentou a diretora.

Texto:
Mari Chiba-Seduc
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...