Total de visualizações de página

segunda-feira, janeiro 23, 2012

@ CORREIO JURUNENSE e o resumo das notícias desta manhã de segunda, dia 23 de janeiro

Bloco de carnaval leva
milhares de pessoas às
ruas da Cidade Velha

Fantasias de todos os tipos e pessoas de várias idades com o mesmo objetivo, dançar ao som das mais conhecidas marchinhas de carnaval. Foi o que se viu na tarde deste domingo (22), em frente ao Palácio Antônio Lemos, sede do poder municipal, onde o bloco “Jambu do Kaveira” passou e arrastou milhares de foliões pelas ruas do bairro da Cidade Velha.
Quem curtiu a noite de folia se divertiu relembrando os carnavais de época. Uma das brincantes foi a dona de casa de 56 anos, Alcenira Melo. Segundo ela, a cada ano que passa, o carnaval de rua renasce. “Estou gostando muito. Como sempre esses carnavais de rua fazem renascer um pouco da história que estava desaparecendo. Um pouco da minha história e principalmente, faz renascer um pouco da história da nossa querida Belém”, afirmou.
Quem compartilha da mesma opinião é o grupo de amigas, Ângela, Flávia, Viviane e Evelyn. Fantasiadas de bruxa, enfermeira, vampira e diabinha, as meninas sabiam grande parte das musicas que eram entoadas. “É a nossa segunda vez aqui. Pelo segundo ano consecutivo viemos em grupo para aproveitar e relembrar como é bom comemorar o carnaval”, disse Flávia.
Segundo o organizador do bloco, André Kaveira, o carnaval de rua é uma conquista para os belenenses. “A festa de hoje é uma conquista da cidade de Belém como um todo, porque faz com que os cidadãos de todas as classes venham participar, venham brincar um carnaval legítimo, o carnaval a moda antiga. E se torna muito importante porque a Prefeitura de Belém está engajada nisso também. Porque um dos grande legados do governo Duciomar Costa foi ter apoiado durante esses últimos sete anos o carnaval de rua. Graças ao nosso prefeito, o carnaval cresceu e nos colocou no cenário nacional. Hoje nem temos duvidas de que esse é um dos melhores carnavais de rua do Brasil, ainda mais por acontecer no nosso belíssimo centro histórico”, comentou.
O público que se fez presente participou da 3° eliminatória do concurso para escolher o Rei Momo do Pará, a escolha do folião mais feio, a careca mais charmosa e o banguela mais simpático. “O nosso principal objetivo é resgatar a batalha de confetes, trazendo de volta aqueles programas de auditório, onde os foliões interagem como platéia e reúne jovens, crianças, idosos numa grande catarse coletiva”, completou André Kaveira.
A programação do carnaval na Cidade Velha vai acontecer durante os domingos, até o dia 12 de fevereiro, sempre tendo início às 16h e se estendendo até as 21h, horário estabelecido pelo TAC (Termo de Ajuste de Conduta), assinado entre os representantes dos blocos, junto a Prefeitura Municipal de Belém (PMB), Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), Secretaria Municipal de Economia (Secon), Companhia de Trânsito (CTBel), Policia Militar e Departamento de Trânsito do Estado (Detran-Pa).
Texto: Edson Oliveira / Fotos: Roberta Brandão
Pará terá Seminário
para discutir
controle do câncer
Realizar, fomentar e subsidiar ações de prevenção ao câncer no Estado do Pará, esse é o papel da Rede Paraense de Controle ao Câncer- RPCC. Coordenada tecnicamente pelo Hospital Ophir Loyola. A rede promoverá no dia 27 de janeiro, um Seminário Central no auditório Luiz Geolás. O objetivo é informar sobre a reativação e conquistar novas parcerias para a luta de controle da doença.
A rede conta com parceiros de diversos setores da sociedade, incluindo órgãos públicos e entidades do Terceiro Setor (ONGs), para implantar ações educativas que ajudem a transformar os hábitos da população paraense, em busca de uma melhor qualidade de vida. O projeto envolve parceria entre as Secretarias de Saúde e Educação. Assim pretende-se também alcançar a comunidade escolar, que hoje tem um público de 6 a 60 anos que terá na escola a oportunidade de refletir e aprender sobre o tema câncer, sobretudo chamar a atenção para o método de combate mais eficaz: a prevenção.
De acordo com dados do INCA o Pará terá 9.670 novos casos em 2012. Os de próstata e estômago serão os mais incidentes no sexo masculino. Já as mulheres serão mais acometidas por câncer de colo de útero e mama. A reativação da RPCC é relevante como instrumento capaz de promover uma parceria entre os setores de saúde, educação e sociedade civil organizada na promoção de ações educativas que visem alertar a população sobre os fatores de risco do câncer, os sintomas, a importância do diagnóstico precoce e as formas de tratamento da doença, contribuindo para a prevenção e controle, bem como diminuir a taxa de mortalidade pela doença.
Segundo Noêmia Maués, membro da comissão executiva da RPCC, a estratégia é sensibilizar a comunidade para o desenvolvimento do espírito voluntário no sentido de que possam ser formados núcleos da RPCC em cada um dos municípios paraenses. “O trabalho desses núcleos será baseado na prevenção ao câncer através da educação. Nosso objetivo é mudar o comportamento das pessoas para que, tendo hábitos mais saudáveis, previnam o câncer, que é o nosso foco, entretanto ao preveni-lo estaremos prevenindo outras doenças, promovendo a qualidade de vida”, frisou.
Durante o primeiro e mais importante ciclo de trabalho da RPCC, compreendido entre os anos de 2003 a 2006, mais de 2.500 mil pessoas participaram de treinamentos nos quais receberam informações para atuar como agentes multiplicadores no controle ao câncer. Foram formados 17 núcleos no Estado produzidos e reproduzidos diversos tipos de materiais educativos (CD-ROM interativo, vídeos, cartazes, folders, livretos, DVD), que foram disseminados para 91 municípios. Também foram realizadas três edições do Salão da Vida, único salão de arte no mundo cujas obras são construídas a partir do tema câncer.
É um projeto que envolve a Secretaria Estadual de Saúde do Pará- SESPA e, portanto segue os critérios da Política Nacional de Atenção Oncológica do Ministério da Saúde. “Mas procuramos não perder de vista o enfoque paraense e amazônico que nos caracteriza. Toda a produção de material educativo segue aspectos regionais de forma que, ao ter acesso a esses documentos, o paraense possa identificar-se com ele. Essa identificação facilita a compreensão do conteúdo e o entendimento de que a mensagem é sobre ele e para ele”, enfatizou.
Leila Cruz- Ascom Hospital Ophir Loyola
Santa Casa terá Residência
Multiprofissional
                O Pará é um dos estados que mais tiveram aprovações para pagamento de bolsas de Residências do Brasil, concedidas por meio do Programa Nacional de Apoio à Formação de Médicos Especialistas em Áreas Estratégicas, do Ministério da Saúde e da Universidade do Estado do Pará (UEPA).
                A Fundação Santa Casa foi a instituição paraense contemplada com o maior número: são 62 bolsas. As de Residências Médicas já estão em andamento e foram distribuídas nas especialidades de Anestesiologia (02), Clínica Médica (10), Cirurgia Geral (06), Ginecologia/Obstetrícia (10), Medicina Intensiva Pediátrica (05), Neonatologia (05), Pediatria (04) e Radiologia e Diagnóstico por Imagem (02).
                A novidade deste ano é o Programa de Residência Multiprofissional, com 18 vagas ofertadas, sendo uma para Terapia Ocupacional, duas para Nutrição, oito para Enfermagem, duas para Fisioterapia, uma para Serviço Social, duas para Farmácia e Bioquímica e duas para Psicologia. O curso funcionará em horário e dedicação integral, com módulos teóricos e práticos. A residência acontecerá em Belém, mas poderá ser realizada também em outro município, se for necessário para o desenvolvimento da formação do residente. O período do programa é de dois anos e o edital que vai selecionar os futuros Residentes Multiprofissionais está em fase de finalização, para então ser aprovado e publicado.
Texto:
Alessandro Borges-Santa Casa
Documentário conta
histórias de carimbó
                O saudoso mestre de carimbó Verequete pregava que carimbó nunca morre. Para comprovar a máxima a TV Cultura do Pará vai mostrar a história de pessoas envolvidas com o mais paraense dos ritmos no documentário “Pau e Corda: Histórias de Carimbó”, que tem direção de Robson Fonseca e será exibido pela TV Cultura do Pará, em março, na faixa Cultura.DOC. O documentário foi estruturado em uma espécie de road movie musical filmado com tecnologia de alta definição (HD), em quatro cidades do nordeste paraense, onde a equipe foi atrás das histórias de grupos de carimbó. Para cada grupo, o diretor propôs a gravação de um vídeoclipe.
                As gravações aconteceram em Belém, Santarém-Novo, Curuçá e Marapanim. Em Curuçá, a equipe foi recebida pelo grupo “Sabiá”, da vila de Araquaim. Em Santarém Novo, foi a vez dos “Quentes da Madrugada” serem os anfitriões. “O Uirapuru” encantou a equipe em Marapanim. E, em Belém, o “Sancari” fez a festa na rua Álvaro Adolfo, no bairro da Pedreira.
                O documentário não busca contar a história antropológica do carimbó, mas sim, mostrar histórias de uma gente que mantem acesa a chama dessa cultura tão rica e singular na sua diversidade. “E como eu já tenho essa familiaridade com a linguagem do vídeoclipe, pensei que produzir vídeos com os grupos seria uma forma de homenageá-los e registrar a beleza das suas criações”, acresce Robson Fonseca.
                Os personagens são pessoas simples como pescadores, lavradores, catadores de mariscos e crustáceos, camponeses, trabalhadores urbanos, devotos, ou seja, mostra uma cena múltipla e encantada pelos tambores. Além dos bate-papos, depoimentos e vídeoclipes, foram produzidos pequenos vídeos sobre temas diversos, vez ou outra conectados com o contexto dos depoimentos, que trazem experiências e visões alternativas sobre a cultura do carimbó.
“Um dos filmetes apresenta o “carimbó de exportação” em um passeio turístico pela orla de Belém, outro evidencia o carimbó como fonte de pesquisa para outras linguagens artísticas, outro aborda a pesquisa do inventário do Carimbó, e por aí vai, de acordo com o contexto onde são inseridos”, explica o diretor.
“Pau e Corda: Histórias de Carimbó” é o primeiro documentário dirigido por Robson Fonseca, que dirige e apresenta o programa “Invasão”, da TV Cultura. A equipe dirigida por Robson tem André Mardock na direção de fotografia, Felipe Cortez na produção executiva, Gilberto Bessa na iluminação e Luis Fabiano no suporte de transporte.

Texto:
Ronaldo Quadros-Funtelpa
Governador Simão Jatene
recebe presidente
da Martinica
Às 17h desta segunda-feira (23), no Palácio dos Despachos, o governador Simão Jatene recebe o presidente da Martinica, Serge Letchimy, para uma reunião que terá como tema a Cooperação Econômica Técnico e Cultural entre o departamento ultramarino insular francês e o Estado do Pará. Na ocasião, o presidente deverá anunciar o interesse que a Martinica tem em importar biomassa do Pará.
Internos recebem certificado
de conclusão do
Projovem Prisional
                Setenta e um detentos do Projovem Prisional concluíram as atividades educativas de ensino nas unidades prisionais da Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado do Pará (Susipe) e vão receber os certificados de conclusão do curso nesta terça-feira, 24, às 9h; e quinta-feira, 26, também às 9h. No dia 24, a certificação será dos detentos custodiados no Presídio Estadual Metropolitano II – PEM II; e no dia 26, será a vez dos internos do Centro de Recuperação Penitenciário do Pará I – CRPP I.
                As aulas do Projovem iniciaram em outubro de 2009, encerraram em dezembro de 2011 e foram ministradas nos Presídios Estaduais Metropolitanos I e II (PEM I e II), Centro de Recuperação Penitenciário do Pará I e II (CRPP I e II), Colônia Agrícola Heleno Fragoso (CAHF) e Centro de Recuperação do Coqueiro (CRC).
                O Projovem faz parte do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), conta com a parceria da Secretaria Nacional de Juventude, do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e da Susipe. Tem o objetivo de escolarizar, por meio da educação básica, os jovens privados de liberdade com idades entre 18 e 29 anos, além da qualificação profissional na atividade de marcenaria. Os alunos que cumpriram 75% de frequência e as atividades previstas receberam um incentivo mensal de R$ 100. A iniciativa fez parte de um projeto piloto desenvolvido em três estados: Pará, Acre e Rio de Janeiro. A partir destes resultados vão ser criadas novas políticas públicas para a educação prisional no Brasil.
                A cerimônia de certicação dos internos acontecerá nos dias 24 (quarta-feira), às 9h no Presídio Estadual Metropolitano I (PEM I) e 26 (quinta-feira), às 9h no Centro de Recuperação Penitenciário do Pará I (CRPP I), localizado na Rodovia  Br 316, Km 53 - Santa Isabel.
Semad anuncia mudanças
na seleção para Agentes
de Serviços Urbanos
O Processo Seletivo Simplificado para o preenchimento de 1.500 vagas de Agente de Serviços Urbanos(Gari) da Secretaria Municipal de Administração, teve o prazo de inscrições prorrogado até o dia 25 de janeiro e o valor da taxa reduzido de R$ 40,00 para R$ 25,00.
Além disso, foi retirada a exigência de 01 ano de experiência profissional como requisito para investidura no cargo.
A Semad orienta quem pagou a taxa de inscrição no valor de R$40,00 para que compareça pessoalmente, ou envie representante legal munido de Procuração, ao Pólo de Atendimento do Centro de Extensão,Treinamento e Aperfeiçoamento-Cetap, na Av. Presidente Vargas, nº 158 – Sala 501, no período de 24 a 27 de janeiro de 2012, no horário das 08:00 às 12:00 e das 14:00 às 17:00, apresentando o respectivo documento de identidade oficial listado no edital do certame, para restituição da diferença do valor pago (R$ 15,00). O candidato também pode requerer o ressarcimento do valor total da taxa, ficando assim fora do Processo Seletivo Simplificado.

Ascom Semad
Novos concursados se
integram às atividades
da Fundação Curro Velho
                Novos concursados aprovados no concurso público C-140, realizado em 2008 para a Fundação Curro Velho, estão há 10 dias no quadro de colaboradores das atividades da instituição. Um dos convocados foi o administrador Cláudio Henrique Pipolos de Oliveira. Ele foi aprovado para a vaga de Técnico em Administração e Finanças. Cláudio Oliveira informou que, no decorrer do período que ficou esperando ser chamado para a Fundação, foi aprovado em outro concurso, da Prefeitura de Ananindeua. “Fiz o concurso da Fundação em 2008, com o tempo passei em outro concurso público que foi o da Prefeitura de Ananindeua, estava atuando na Secretária de Saúde, mas continuei esperando ser chamado aqui na Fundação Curro Velho, por ser um órgão do Estado”, disse o administrador.
                Cláudio de Oliveira ressaltou ainda a importância da instituição. “Antes de fazer o concurso eu já conhecia o trabalho social de inclusão com a comunidade, já havia, inclusive, feito oficina de redação e literatura na Casa da Linguagem, e isso me ajudou também nos concursos”, disse o novo técnico em Administração e Finanças da Fundação Curro Velho.
                Outro novo integrante da Fundação é o piauiense Thyago Guedelha de Oliveira que veio para Belém exclusivamente para fazer o concurso público. “Na verdade, eu estava morando no Piauí, pois toda minha família é de lá”, disse o rapaz que estava desempregado quando foi chamado para assumir o cargo de Assistente Administrativo. Thyago Guedelha ficou sabendo que foi chamado para a posse através da carta de notificação que foi enviada para a casa de sua avó que mora em Belém há 28 anos.
“Foi uma alegria saber que fui chamado e vim de imediato assumir meu cargo aqui na Fundação”, comemorou Thyago Guedelha.
                Joilson Rosa também assumiu seu cargo de Auxiliar Operacional (PNE). Os demais concursados que foram chamados, ainda estão sendo aguardados para assumirem seus postos.

Texto:
Andreza Gomes-FCV
Ministério da Saúde
contempla Santa Casa
com 62 bolsas de Residência
                O Pará, por meio do Programa Nacional de Apoio à Formação de Médicos Especialistas em Áreas Estratégicas do Ministério da Saúde e da Universidade do Estado do Pará (UEPA), é um dos estados que mais tiveram aprovações para pagamento de bolsas de Residências do Brasil. A Fundação Santa Casa foi a instituição paraense contemplada com o maior número: são 62 bolsas divididas nas especialidades de Anestesiologia (02), Clínica Médica (10), Cirurgia Geral (06), Ginecologia/Obstetrícia (10), Medicina Intensiva Pediátrica (05), Neonatologia (05), Pediatria (04) e Radiologia e Diagnóstico por Imagem (02). A novidade é a Residência Multiprofissional com 18 vagas para Terapia Ocupacional (01), Nutrição (02), Enfermagem (08), Fisioterapia (02), Serviço Social (01), Farmácia e Bioquímica (02) e Psicologia (02).
Projeto proporciona
reinclusão social a
egressos do Sistema Penal





                Proporcionar a ressocialização, por meio da capacitação profissional, de egressos e albergados do Sistema Penal do Estado é o objetivo do projeto “Cultivando Flores e Vidas”, promovido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Casa Civil da Governadoria e Superintendência do Sistema Penal (Susipe). Na manhã desta segunda-feira, 23, foi dado início ao segundo módulo do curso, que acontece na Central de Abastecimento do Pará (Ceasa), outra parceira do projeto. Nesta etapa os alunos recebem aulas de empreendedorismo.
                Com duração de um ano, o curso é divido em quatro módulos. O primeiro, sobre cidadania e postura profissional, terminou no dia 16. A capacitação segue nos próximos 11 meses, ainda com aprendizados sobre manejo e mercado de flores. “O objetivo é qualificar mão de obra para o mercado de flores em nível nacional. Ao final serão fornecidos produtos a sociedade, como flores e plantas ornamentais, além de serviços de jardinagem e paisagismo”, explica a coordenadora do projeto pela Emater, Sandra Filgueiras.
                Aos alunos, o superintendente da Susipe, tenente coronel André Cunha, destacou que a floricultura é um mercado em potencial no Estado. “Nós temos toda a estrutura para receber grandes eventos, mas somos carentes de alguns insumos, dentre eles de decoração. Esse é um mercado com grandes oportunidades. Mas é preciso vontade e foco ao longo desse período de treinamento e de produção para que depois vocês possam continuar por conta própria”, afirmou.
                Alecsandro Cordeiro, 27 anos, está cumprindo pena no regime semi-aberto e vê no projeto uma forma de garantir o sustento da família. “Essa é uma ótima oportunidade, ainda mais para quem, como nós, está saindo agora do sistema (penal) e infelizmente ainda é muito discriminado na hora de ingressar no mercado. Essa capacitação nos proporciona uma forma honesta de trabalhar e sustentar nossas famílias”, afirmou.
                Assim como ele, Luiz Figueiredo também cumpre o regime semi-aberto. Aos 27 anos, Luiz é pai de duas crianças e sonha em montar seu próprio negócio. “Minha expectativa é poder ter uma fonte de renda. Não só eu, mais como todos meus colegas que estão aqui, estamos motivados e vendo essa qualificação como uma forma de mudar de vida”, disse.  

 
Texto:
Amanda Engelke-Secom
Mulheres artesãs debatem
políticas públicas
                Quarenta mulheres rurais estarão reunidas no município de Concórdia do Pará, nos dias 24 e 25 deste mês, para discutirem avanços no acesso às políticas públicas numa perspectiva de gênero. Esta oficina de capacitação, desenvolvida pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), é parte da chamada pública – lançada pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) – que busca atender mulheres rurais e grupos de produção do Território da Cidadania do Nordeste Paraense, que compreende os municípios de Aurora do Pará, Bujaru, Concórdia do Pará, São Domingos do Capim e Tomé-Açu.
                Segundo a responsável pela chamada pública – que está prevista para terminar em março deste ano -, a economista da Emater Adda Ellen Silva, o objetivo geral da atividade será de sociabilizar experiências, desenvolver habilidades para superação das desigualdades entre homens e mulheres do campo. “Dentre as ações da Emater está determinada a valorização e o protagonismo das mulheres rurais e esta chamada pública busca justamente isso, o fortalecimento da cadeia produtiva do artesanato e o papel feminino neste contexto”, esclareceu.
                Na programação está previsto o debate do papel da mulher, o papel do Estado e as políticas públicas com enfoque na mulher rural. No dia 25, as participantes poderão se perceber enquanto interventoras na construção das políticas públicas. “Nós queremos levantar a discussão em torno do trabalho em que a mulher executa no dia-a-dia. É preciso que essas agricultoras reflitam e discutam velhas questões, como o trabalho doméstico e de cuidados” e complementou, “nesta atividade, o ponto alto será o empoderamento da mulher e a construção de uma nova identidade”, afirmou a socióloga. A totalização da oficina de capacitação, com o atendimento de 160 mulheres artesãs, se dará no próximo mês com a execução de mais três encontros, nos municípios de Capanema, São Miguel do Guamá e Rondon do Pará, sociabilizando com 40 mulheres em cada localidade.
Prefeitura implanta sistema
de rastreamento
para coleta de entulho


Um novo sistema de monitoramento via satélite que utiliza a tecnologia do GPS para a coleta de entulhos começou a funcionar em Belém nesta segunda-feira, 23. A iniciativa faz parte de uma série de ações colocadas em prática pela Prefeitura Municipal de Belém (PMB) visando dar mais eficiência ao serviço prestado à população.
Para o prefeito de Belém, Duciomar Costa, as ações para inibir o depósito desordenado de resíduos sólidos têm sido uma batalha constante. “Sempre buscamos trabalhar com a conscientização para que a população não viesse a depositar o entulho em locais inapropriados. Que pudessem esperar o dia que o caminhão da coleta vai passar, ou agendar uma coleta programada. Mas chegamos a conclusão de que apenas ações de caráter educativo não estavam suprindo os efeitos desejados”, ressaltou.
A partir de agora, com a implantação do novo sistema, os pedidos da comunidade através do número 0800 095 3560 serão recebidos e terão acompanhamento on line até a conclusão do serviço. A Central de monitoramento para coleta de entulho funciona na Secretaria Municipal de Saneamento – Sesan, e recebe cerca de 50 pedidos de retirada por dia.
“Esse sistema de monitoramento passa a nos permitir que todos os 120 caminhões de coleta enviem para nossa central, através da tecnologia do GPS, sua posição em tempo real. Isso nos dá autonomia para enviar o caminhão que estiver mais próximo para a demanda de coleta solicitada”, garantiu Ivan Santos, Secretário Municipal de Saneamento.
A ferramenta poderá também traçar o roteiro dos caminhões, gerando um relatório completo sobre o serviço executado. É o sistema mais moderno e eficiente disponível atualmente, e que permite mais agilidade e fiscalização na operação, evitando eventuais falhas nos roteiros pré-estabelecidos.
A Central conta com auxilio de uma câmera de vídeo instalada no canal da Pedro Miranda com Antonio Baena, local estratégico onde já se detectou grande incidência de depósito desordenado de entulhos. Ainda esta semana outras quatro câmeras serão instaladas na Rua Yamada, no Benguí. Ao ser verificada ação de depósito de resíduos às margens de canais, por exemplo, a equipe de fiscalização mais próxima é acionada para fazer a intervenção.
A Sesan já fez um levantamento dos carrinheiros, pessoas que fazem o transporte de resíduos para os depósitos irregulares, e iniciou um trabalho de conscientização para que eles adotem procedimentos padrões para dar destino adequado aos resíduos. Galpões para acondicionamento e triagem de resíduos sólidos já começaram a ser implantados à proximidade do Canal São Joaquim, e já podem servir de destino final ao lixo transportado por esses coletores.
“Fazemos constantemente o trabalho educativo com esses carrinheiros. Mas quando ocorre reincidência de procedimentos inadequados damos auto de apreensão dos carros utilizados para o transporte dos resíduos”, acrescentou o secretário.
A Sesan, além de combater a ação irregular, montou uma equipe para o contato direto com a população. De porta em porta é feito um trabalho de educação ambiental, além de pesquisar os principais problemas relacionados ao depósito desordenado de entulhos.
Texto: Lauro Lima
Fotos: João Gomes
Sespa lança campanha
contra a hanseníase
nesta sexta
                Com o objetivo de intensificar as ações de prevenção e controle da hanseníase no Pará, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) lança na sexta-feira, 27, a partir das 10 horas, na Câmara Municipal de Marituba, a Campanha de Combate à Hanseníase 2012, que traz o slogan “Hanseníase tem Cura! É hora de Combater!".
                Alusiva ao Dia Mundial de Combate à Doença (29 de janeiro), a campanha contém o Plano de Metas para 2012 elaborado pela Coordenação Estadual de Dermatologia Sanitária que, entre outras diretrizes, quer pontencializar as estratégias para ampliar a proporção de cura, reduzir os índices de abandono de tratamento, ampliar o controle do aparecimento de novos casos e intensificar a prevenção às incapacidades físicas das pessoas acometidas pela hanseníase.
                "Para qualificar as ações, vamos continuar a capacitação de profissionais da Atenção Primária no interior do Estado, no intuito de dar prosseguimento à descentralização do atendimento inicial aos suspeitos, incluindo também a busca ativa de novos casos", explica o coordenador Estadual de Controle da Hanseníase, Luiz Augusto.
                Até o momento, 3.439 novos casos de hanseníase no Estado foram confirmados em 2011, dos quais 377 acometeram pessoas com menos de 15 anos de idade. O quantitativo evidencia uma queda gradual, se comparado aos indicadores epidemiológicos de 2005 a 2010, quando o número de doentes variou de 5.572 a 3.573, com média de 4.569 no período.
                Para fazer frente aos novos casos, a interiorização do tratamento inicial da doença continua sendo um dos desafios da Sespa, que em 2011 promoveu treinamentos sobre hanseníase para 606 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, bioquímicos, agentes comunitários de saúde e operadores do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde.
                Atualmente, todas as unidades básicas de saúde do Estado possuem orientações sobre como agir em caso de sintomas suspeitos, mas só 57% dos municípios paraenses mantêm o Programa Estadual de Controle da Hanseníase (PECH) instalado, ou seja, capaz de concluir o diagnóstico da doença e iniciar o imediato tratamento clínico do paciente.
                A hanseníase é uma doença infectocontagiosa, de evolução lenta, que se manifesta principalmente por lesões na pele. Essas lesões apresentam sempre alteração de sensibilidade e podem ser manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou acastanhadas, em qualquer área do corpo. Na consistência, podem ser lisas ou elevadas.
                A doença se transmite de uma pessoa para a outra, por meio de gotas eliminadas no ar pela tosse, fala ou espirro. Ela pode atingir cidadãos de qualquer idade ou sexo. Segundo levantamentos do Ministério da Saúde, pelo menos 47 mil casos de hanseníase são detectados a cada ano - 8% deles em menores de 15 anos.
                Outros sintomas da hanseníase são caroços avermelhados ou acastanhados, áreas da pele que formigam ou pinicam e vão ficando dormentes, com diminuição ou ausência de dor, de sensibilidade ao calor, ao frio e ao toque. Os locais de maior incidência são no rosto, orelhas, costas, braços, nádegas e pernas. A doença é de fácil diagnóstico, além de ter tratamento e cura. Mas, se for descoberta tardiamente, pode trazer graves consequências aos portadores e seus familiares, principalmente pelas lesões.
                De acordo com Luiz Augusto, o tratamento da hanseníase, conhecido como poliquimioterapia (PQP), combina o uso de medicamentos antibióticos e é fornecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). "Logo que a pessoa inicia o tratamento, ela deixa de transmitir a doença. Por isso não há necessidade de mantê-la isolada, afastada do trabalho ou de suas atividades cotidianas. O tratamento pode durar de seis a 12 meses, dependendo da gravidade de cada caso", explica.
                Os indicadores no Pará também atestam que a taxa de abandono do tratamento (7,9%) está de acordo com o mínimo de 10% já determinado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Contudo, o Plano de Metas da Sespa quer ampliar a taxa de cura para mais de 80%.
                A Campanha Estadual de Controle da Hanseníase se estenderá por todo o primeiro quadrimestre de 2012, com as ações sendo realizadas em parceria com os 13 Centros Regionais de Saúde da Sespa, Secretarias Municipais de Saúde, instituições de Educação, AIFO, Unidades Especializadas Marcelo Cândia e Demétrio Medrado, Sociedade Brasileira de Dermatologia, Liga Acadêmica de Hanseníase do Pará (Lahanpa), Sociedade Paraense de Pediatria, Rádio Margarida, Universidade Federal do Pará (UFPA), Uepa, IFPA, Cesupa, Esamaz, Unama, Celpa, Cosanpa, Morhan, Pastoral da Criança, OMS e Ministério da Saúde.
                De acordo com Luiz Augusto, neste período espera-se mais empenho dos gestores municipais e, especialmente, da população. “Nosso trabalho acompanha as determinações do Ministério da Saúde, que prioriza a prevenção desta doença. Por isso, estamos mobilizando nossos gestores, para que usem maciçamente todo e qualquer meio de comunicação para alertar os paraenses da importância de se diagnosticar previamente a hanseníase. Somente assim poderemos mantê-la sob controle”, enfatiza.
Serviço: Lançamento da Campanha "Hanseníase tem Cura! É hora de Combater!", nesta sexta-feira, 27, às 10 horas, na Câmara Municipal de Marituba- Rua João Paulo II, Antiga Colônia, bairro Dom Aristides.

Texto:
Mozart Lira-Sespa
Sesma realiza controle
de caracol e
desratização de feira
A Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), através do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) iniciará nesta terça-feira (24) o trabalho de controle do caracol gigante africano, que tende a se proliferar durante a época de chuva.
Além da ação de controle de caracol, o CCZ também iniciou no último dia 17 o trabalho de desratização de feiras e mercados. A 1ª etapa da ação será realizada até final do mês de abril.
Segue cronograma do trabalho de Controle de Caracol e Desratização de Feiras e Mercados:
CONTROLE DE CARACOL
24/01 – Canal da Leal Martins (Angustura até a Vileta)
25/01 – Canal da Vileta ( João Paulo II até a Acatauassú Nunes)
26/01 – Canal da Timbó (João Paulo II até a Acatauassú Nunes)
27/01 – Canal da Mundurucus (Tucunduba até a Teófilo Condurú)
30/01 – Canal da Visconde  (Timbó até Pedro Miranda)
31/01 – Canal da Visconde (Timbó até Pedro Miranda)
01/02 – Canal da Generalíssimo (Caripunas até Quintino)
02/02 - Canal da 14 de Março (Conselheiro até Caripunas)
03/02 - Canal da Quintino (Fernando Guilhon até a Bernardo Sayão)
06/02 – Canal da Perebebuí (Canal da Pirajá até a Pedro Miranda)
07/02 – Canal da Água Cristal  (Rua Anchieta até a Júlio Cezar)
08/02 – Canal da Água Cristal   (Rua Anchieta até a Júlio Cezar)
09/02 - Canal da São Joaquim (Júlio Cézar até a Arthur Bernardes)
10/02 - Canal da São Joaquim (Júlio Cézar até a Arthur Bernardes)
13/02 – Canal do Galo (Arthur Bernardes até o Acampamento)
14/02 – Canal da Dalcídio Jurandir (IML até o Bengui)
15/02 – Canal da Pirajá
16/02 – Canal da Bernardo Sayão (Completo)
17/02 – Canal da Bernardo Sayão (Completo)
**CRONOGRAMA DE DESRATIZAÇÃO DE FEIRAS EMERCADOS
24/01 - Complexo do Jurunas, Complexo de São Brás, Feira da Batista Campos
16/02 - Feira da Cremação, Porto da Palha, Porto do Sal
23/02 - Complexo do Ver-o-Peso, Feira do Açaí, Mercado de ferro
28/02 - Mercado de Santa Luiza, Feira do Telégrafo, Mercado da Sacramenta
22/03 - Feiras e Mercado de Mosqueiro
27/03 - Feira da 8 de Maio, Feira da Campina, Mercado de Icoaraci
29/03 - Hortomercado do Bengui, Feira do parque União,
24/04 - Feira da Providência, Feira da Tavares Bastos, Mercado da Marambaia
26/04-Feira da Cabanagem, Feira do Entroncamento,Feira do Panorama XXI
Secretaria Municipal de Saúde (Sesma)
Plantão telefônico da Ascom/Sesma(8733-2339)
Anaiza Nobre (8832-0493)
Denise Silva (8145-0084)
Fernando Diniz (8174-1219)
Renata Reis (8125-9757)
Visite nosso site:
www.belem.pa.gov.br
Uepa aprova Residências
Multiprofissionais em Saúde
                O Estado do Pará teve seus projetos para a implantação da Residência Multiprofissional em Saúde aprovados pelos Ministérios da Educação e da Saúde no último dia 18 de janeiro. A partir de agora, a Universidade do Estado do Pará (Uepa), em conjunto com os Hospitais Ophir Loyola, Fundação Santa Casa de Misericórdia, Metropolitano de Urgência e Emergência e Hospital de Clínicas Gaspar Vianna vai ofertar 66 vagas para os cursos de pós-graduação, divididas nas seguintes especialidades: Estratégia Saúde da Família; Atenção à Saúde Mental; Atenção à Saúde Cardiovascular; Urgência e Emergência no Trauma; Oncologia - Cuidados Paliativos e Saúde da Mulher e da Criança.
                O edital que vai selecionar os futuros residentes está em fase de finalização, para então ser aprovado e publicado. Entretanto, a coordenadora da Comissão de Residência Multiprofissional em Saúde (Coremu), Ana Gracinda Ignácio da Silva, adianta que poderão participar da seleção enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, assistentes sociais, fonoaudiólogos, farmacêuticos e nutricionistas, oriundos de instituições reconhecidas e que atendam os critérios previstos no edital.
“O Programa funcionará em horário e dedicação integral com módulos teóricos e práticos, tendo como maior característica o treinamento em serviço. Portanto, a maior carga horária será a de estágio, da prática. A residência acontecerá em Belém, mas poderá ser realizada também em outro município, se for necessário para o desenvolvimento da formação do residente. O período do programa é de dois anos”, explica Ana Gracinda.
                Segundo a professora, o fato de o Pará ter sido aprovado com 66 bolsas, o maior número em todo o País, é consequência de um esforço interdisciplinar e interinstitucional de profissionais comprometidos com a qualidade do Ensino e da saúde, que se uniram e construíram os projetos, acreditando que poderia dar certo. “Significa uma aproximação salutar e fundamental do ensino e serviço, um compromisso político do Estado, da Universidade e dos hospitais envolvidos, que serão as instituições parceiras da Uepa neste grande empreendimento”, afirma.
                Para Marília Xavier, reitora da Uepa, somada à ampliação e interiorização das residências médicas, a residência multidisciplinar é o caminho para elevar a qualidade da assistência e da formação em saúde. Dessa forma, a Uepa, articulada com a Sespa e os hospitais de ensino, cumpre seu papel na formação em saúde e isso só foi possível graças ao compromisso e dedicação da equipe que escreveu o projeto”, acredita Marília.
                Os residentes serão qualificados para atuar na atenção a saúde pública ou privada e na prevenção e promoção da saúde, de acordo com as Diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). O conhecimento e a experiência dos residentes nas áreas e programas de gestão em saúde trarão, garante a coordenadora, um cuidado mais humanizado, competente, eficaz e eficiente para os cidadãos paraenses.
Estrangeiros de curso da
Emater visitam Feira da
Produção Familiar
de Bragança
                Os 17 estrangeiros que participam da Capacitação em Metodologias de Assistência Técnica e Extensão Rural (Training em Methodologies for Technical Assistance and Rural Extension), o primeiro curso internacional promovido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), conheceram, na manhã de sábado, 21, a Feira da Agricultura Familiar de Bragança, município do nordeste do estado onde estão hospedados e onde as aulas do treinamento acontecem.
                A capacitação se concentra na Unidade Didático-Agroecológica do Nordeste Paraense (UDB) da Emater, mas inclui visitas a propriedades atendidas pela Empresa, eventos de sentido cultural e práticas externas outras. A iniciativa toda tem a parceria do Ministério das Relações Exteriores (MRE), por meio da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), e da Associação Brasileira das Entidades de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer).
                Realizada de 6h às11h de todos os sábados e vésperas de feriados, a Feira reúne 22 famílias de 20 comunidades, que expõem e comercializam produtos agroecológicos (principalmente derivados de mandioca e hortaliças) em um espaço de 480 m² cedido pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) no centro de Bragança. A organização da Feira também tem o apoio do escritório local da Emater, da entidade Cáritas, ligada à Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e da Escola Agrícola Municipal de Bragança (EAM).
                Além de ter sido parceira na concepção e execução das primeiras edições da Feira, a Emater atende regularmente os produtores e pesquisa semanalmente os preços no mercado geral do município, orientando uma tabela que determina valores pelo menos 20% mais baratos do que os identificados entre outros vendedores de Bragança.
“A própria Feira é um método previsto na nossa programação didática e expresso no livro Metodologias de Ater e Pesquisa com Enfoque Participativo, cuja terceira edição [trilíngue] foi lançada pela Emater justamente no curso: a organização social, o ambiente de comercialização, a capacitação em gestão de negócios e empreendorismo – entre outros aspectos que nos subsidiam no aprendizado e discussão.  Nesta mesma circunstância, estamos aplicando também outros três métodos: a excursão, o intercâmbio e a entrevista semiestruturada, dos extensionistas em relação aos agricultores”, explica o engenheiro agrônomo Antônio Carlos Macedo, que faz parte da coordenação do curso.
                Os estrangeiros circularam livremente na Feira, aplicando as ferramentas de pesquisa e diagnóstico entre maços de cariru, pepinos, garrafas com tucupi e sacos de farinhas diversas. Os que não falam português tiveram a ajuda dos tradutores profissionais Ari Maciel e Aldemir Oliveira Jr, colaboradores da ABC. “Todos chegaram à Feira com a trajetória planificada: o que fazer e como fazer. No caso da entrevista semiestruturada, há um formulário-padrão, como possibilidade de perguntas e respostas complementares, decididas e conduzidas por cada entrevistador”, diz a pedagoga da Emater Ivanete Alves.
                Na volta à UDB, os grupos de trabalho sistematizaram e apresentaram a experiência. “Achei muito importante ver de perto como o agricultor estabelece valor de exposição e venda para os seus produtos e como o consumidor usufrui dessa oferta e sentimento”, resumiu o doutor em geografia indonésio Mahammad Gamal.
                Já a bióloga moçambicana Maria Isabel Omar, mestre em aquicultura, criticou um modelo de feira do qual a comercialização dos produtores fosse dependente: “Não acho que o produtor tenha que se preocupar com os detalhes da comercialização. Acho que o produtor tem que se especializar e se profissionalizar cada vez mais na produção. Isso não significa ser contra feiras de contato direto entre produtores e consumidores, até porque creio que seja essa uma ocasião de convivência, conversa e troca de experiência; só defendo que, em vez de perder um dia na roça atrás de uma banca de vendas, o produtor consiga se organizar socialmente de modo a exigir preços justos de atravessadores, por exemplo”, contextualiza.
Feira
                Iniciada em 2009, a Feira ainda apresenta algumas dificuldades de divulgação e logística. “Porém, nosso objetivo primordial, de capacitação contínua social e política dos produtores, vem se cumprindo”, comemora o agricultor e estudante de História Denilson Silva, representante da Cáritas. Além da concorrência forte da Feira Municipal, cujas tradição e diversidade acabam irresistíveis para a maior parte dos consumidores, os agricultores da feira de produção familiar enfrentam problemas para o transporte da mercadoria.
                Adilson Lima, por exemplo, da comunidade do Km 12 da Rodovia Dom Eliseu, pedala quilômetros com as hortaliças orgânicas na carga - “devidamente embaladinhas, senão estragam”, ressalta. “Mesmo assim, vale a pena. Aqui tenho lucro de 40% em relação aos custos da produção. Também acredito que o esforço desta Feira nos vá render frutos a longo prazo”, aposta.
                Já Rosana Nascimento, da comunidade do Km 20 do Montenegro, é frequente na feira vendendo farinha lavada e farinha comum acompanhada dos filhos Ariane, de 17 anos, e Anderson, 15. A família, que cultiva mandioca e beneficia por conta própria em uma casa de forno comunitária, fatura cerca de R$ 150 reais em cada dia da Feira. “Nosso plano é deixar de negociar com os atravessadores, conseguir comercializar tudo diretamente, porque nosso lucro com esses comerciantes é mínimo, quase zero”, diz ela.

Texto:
Aline Miranda-Emater
Estação das Docas vira
cenário para novela global

                O público que esteve na Estação das Docas no último sábado, 21, ficou surpreso com a movimentação de pessoas e equipamentos na orla, onde uma equipe da TV Globo gravou duas cenas para a novela “Amor Eterno Amor” que estreia no dia 5 de março próximo.
                Os atores André Gonçalves e Letícia Persiles protagonizaram as cenas que deverão ir ao ar no próximo mês de março. Além da Estação das Docas, o Mercado do Ver-o-Peso e o Aeroporto de Belém também receberam a equipe global para gravarem outras cenas.
                Na trama de Elizabeth Jhin, a atriz Letícia viverá Miriam, uma jornalista que investiga o sumiço do filho da amiga Verbena (Ana Lúcia Torres) e se apaixona pelo peão Carlos (Gabriel Braga Nunes). A Ilha do Marajó e Alter do Chão em Santarém também tiveram cenas da novela gravadas nesses dois polos turísticos do Pará.
                De acordo com a produção da novela “Amor Eterno Amor” a escolha da Estação das Docas para receber as gravações se deu principalmente por ser um ponto turístico com características peculiares e com uma relação direta com os rios da Amazônia.
Texto:
Isa Arnour -Pará 2000
Fundação Curro Velho
abre inscrições para
oficinas regulares
em 27 de fevereiro
                Desenho, fotografia, serigrafia, cartonagem, teatro, iniciação ao violão são algumas das oficinas que integram o primeiro módulo de oficinas regulares da Fundação Curro Velho, cujas inscrições estarão abertas a partir do dia 27 de fevereiro. Devido à grande procura por essas atividades, a divulgação está sendo feita com antecedência para assegurar que todos os interessados tenham tempo hábil para fazer as inscrições e garantir suas vagas.
“As oficinas da Fundação Curro Velho tem um caráter de iniciação artística, mas trabalharemos também com uma linha de produção. Ou seja, além das oficinas tradicionais - como desenho, pintura, gravura, fotografia e serigrafia - os objetos confeccionados nas oficinas de esculturas, por exemplo, serão direcionados para o Mercado do Curro Velho”, explica o diretor de oficinas da FCV, Raimundo Calandrino Júnior.
“Aqui os alunos aprendem a criar determinados objetos para ter, com isso, uma atividade externa que os auxilie na geração de renda, é o que chamamos de arte ofício. Os alunos passam pela iniciação artística e depois se profissionalizam no Núcleo de Produção,” conta Raimundo Calandrino Júnior.
                Para o primeiro módulo serão ofertadas em torno de 55 oficinas nas várias linguagens artísticas, como artes visuais, cênicas, musical, verbal e audiovisual. As inscrições serão realizadas no período 27 de fevereiro a 13 de março de 2012. As aulas do primeiro módulo de oficinas iniciam no dia 14 de março a 11 de abril. As inscrições são gratuitas para os alunos da rede pública de ensino, mas eles deverão apresentar a declaração de que estão matriculados na rede escolar. Aos demais é cobrada uma taxa de 20 reais.
                Profissionais – A Fundação Curro Velho também abre espaços para que artistas, arte-educadores e professores possam ministrar oficinas na instituição. Raimundo Calandrino orienta os profissionais interessados a fazerem um cadastro. "Eles devem procurar a nossa sede trazendo um breve currículo. Após preencherem o cadastro, os candidatos vão conversar com o gerente da área específica e oferecer a proposta de oficina para análise”.
Serviço: Inscrições para as oficinas regulares da Fundação Curro Velho
Período: 27 de fevereiro a 13 de março
Local: Fundação Curro Velho – Rua Professor Nelson Ribeiro, nº287 e Casa da Linguagem (Oficinas de Linguagem Verbal) – Avenida Nazaré, nº 31
Informações: 3184-9100

Texto:
Andreza Gomes-FCV
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...