Total de visualizações de página

segunda-feira, janeiro 23, 2012

Dioe fecha balanço com 182 prisões efetuadas ao longo do ano passado

                A Divisão de Investigações e Operações Especiais (Dioe), da Polícia Civil do Pará, fechou o ano passado com um saldo positivo de quase 200 prisões de criminosos. Foram exatas 182 capturas que resultaram do trabalho intenso de investigação que levaram a operações policiais para o combate a fraudes, estelionato, falsidade ideológica, uso de falsos documentos, entre outros tipos de delitos cuja investigação é de atribuição funcional da Divisão. O número de prisões representa um aumento de 55,56% em comparação com o ano anterior. Do total, 89 pessoas foram presas em flagrante. Ao todo, 34 mandados judiciais de prisão foram cumpridos pela Dioe. De acordo com o relatório de atividades da Dioe, só no ano passado, oito operações policiais foram realizadas pela equipe policial da divisão fora do Estado, atingindo São Paulo, Goiás, Piaui, Pernambuco e Ceará.
                Em uma delas foi presa a quadrilha responsável pela falsificação de documentos bancários que tentava obter elevadas quantias em dinheiro em quatro Estados brasileiros. As prisões foram realizadas em Belém, Brasília e em São Paulo. Na capital do Pará, a Dioe e o Geproc (Grupo Especial de Prevenção e Repressão às Organizações Criminosas), do Ministério Público Estadual, estiveram à frente da operação. Foram presos em Belém dois empresários e um advogado.
                Em setembro de 2011, a equipe da Dioe prendeu uma quadrilha de golpistas em Belém e Dom Eliseu, no Pará; e nos Estados do Piaui; Maranhão; Ceará; Pernambuco e Goiás. Todos são acusados de aplicar golpes em 15 Estados do Brasil, atuando no chamado “Conto do Vigário”. Os golpistas recrutavam pessoas que ficavam responsáveis por indicar vítimas, apelidadas no esquema criminoso de “fregueses”, com objetivo de aplicar o golpe. O integrante da quadrilha conhecido por “arrastador” era responsável em arregimentar as vítimas. Ele apresentava a vítima ao integrante do bando conhecido por “Doutor” - fabricante de notas falsas - e este lhe oferece a proposta para ganhar dinheiro.
                A Dioe, por meio da Delegacia de Ordem Social (DOS) esteve presente em ações de cumprimento de reintegrações de posse de propriedades rurais, na capital e interior do Estado. Um dos casos foi na fazenda Mutamba, em Marabá, sudeste do Pará. No relatório, o diretor da Dioe, delegado Neyvaldo Silva, destaca ainda dois inquéritos. Em um deles foram apuradas as causas e apontados os responsáveis por três mortes ocorridas com o desabamento de um prédio em construção, no bairro de São Braz, em Belém. Em outro, a Dioe, por meio de sua Delegacia de Ordem Administrativa (DOA), investigou as denúncias do esquema de fraudes de documentos para obter empréstimos consignados por meio de uma ex-funcionária da Assembleia Legislativa do Pará.
Pirataria
                O combate às falsificações também é uma das atribuições da Dioe, por meio da Delegacia do Consumidor (Decon). Apenas em 2011, foram apreendidos 41.150 produtos falsificados, de procedência desconhecida e de consumo inapropriado. Do total, 6.129 produtos falsificados, como roupas, calçados e bolsas. Mais de 28 mil mídias “piratas” foram recolhidas das ruas ou apreendidas em depósitos clandestinos. Um dos destaques no combate à “pirataria” ocorreu com a apreensão de cerca de 20 mil peças de vestuário; 10 máquinas de costura e duas máquinas de bordar, em uma fábrica ilegal de artigos esportivos, em Marituba. O dono do imóvel foi preso para responder por violação de Direito Autoral e crimes contra o consumidor. Mais de 90 caixas com produtos contrabandeados foram apreendidos, em operação da Decon, no bairro da Terra Firme, em Belém. Três pessoas foram presas em flagrante.
                Em junho, duas pessoas que comercializavam um plano de saúde que não existia foram presas em flagrante, no bairro da Pedreira. Panfletos, banners e documentos para contratos foram apreendidos com os acusados. Trinta pessoas foram lesadas pelos golpistas apenas na capital paraense. No relatório, o delegado destaca a operação “CDF” que desarticulou um esquema para fraudar o vestibular da universidade “Centro Universitário do Pará” (Cesupa), em Belém. Oito pessoas naturais dos Estados de Goiás, São Paulo e Tocantins foram presas em flagrante enquanto se passavam por candidatos do vestibular para o curso de Medicina.
Contrabando
                A Dioe também efetuou o combate aos pontos de venda clandestina de gás de cozinha, fechando dezenas de locais na Região Metropolitana de Belém (RMB) e apreendendo botijões de gás nesses locais. Em outro trabalho de investigação, em novembro, uma embarcação foi apreendida com toneladas de produtos falsificados e contrabandeados. Em novembro e dezembro, a operação “Faraday”, coordenada pela Delegacia de Combate a Crimes Contra Concessionárias de Serviços Públicos, outra unidade vinculada à Dioe, reprimiu os desvios de energia elétrica, os chamados popularmente de “gatos”. Doze pessoas foram detidas para responder pelo crime. Em novembro, dois falsos dentistas foram presos em flagrante, em Belém, durante operação efetuada em conjunto com o Conselho Regional de Odontologia e Vigilância Sanitária. Ambos respondem por exercício ilegal de profissão.
                Outra ação que teve ampla repercussão foi a criação da Delegacia Especializada no Atendimento ao Idoso (Deai), em dezembro. A nova unidade passou a funcionar após a conclusão da reforma completa do prédio da Dioe, que também passou a contar com a Delegacia de Crimes Discriminatórios e Homofóbicos. No mesmo mês, uma idosa foi resgatada de uma casa no bairro de São Braz, onde vivia em condições desumanas e tinha a aposentadoria desviada pelos três filhos. As ações resultaram ainda nas apreensões de 327 medicamentos vendidos de forma irregular em estabelecimentos e em feiras e de mais de 25 quilos de carne bovina e suína vendidos ilegalmente no ano de 2011.

Texto:
Walrimar Santos-Polícia Civil
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...