Total de visualizações de página

terça-feira, dezembro 27, 2011

Belém está entre as 13 capitais brasileiras que mais geraram empregos formais em 2011

.Da Redação
Agência Pará de Notícias
Nova pesquisa sobre a trajetória dos postos de trabalho no setor formal da economia em Belém mostra que a capital do Pará está na 13ª posição entre as capitais que mais geraram empregos nos 11 primeiros meses de 2011, em todo o Brasil. O novo relatório também revela a movimentação dos empregos nas outras capitais do Norte e de todo o Brasil, considerando novembro de 2011, os 11 primeiros meses de 2011 e os últimos 12 meses (dezembro/2010 a novembro/2011).
O material, divulgado pela Secretaria de Estado do Trabalho, Emprego e Renda (Seter) e o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), foi elaborado com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. Faz parte do Observatório do Trabalho do Estado do Pará, uma parceria entre o Governo do Estado, por meio da Seter, e o Dieese-PA.
Em novembro de 2011 foram feitas 9.128 admissões contra 7.663 desligamentos em Belém - saldo positivo de 1.465 postos de trabalho e crescimento de 0,57% na geração de empregos formais. No mesmo período de 2010, a capital paraense também apresentou saldo positivo de empregos formais, só que um pouco menor que o deste ano: 9.075 admissões contra 7.823 desligamentos - saldo positivo de 1.272 postos de trabalho e crescimento de 0,52%.
Em novembro de 2011, o setor econômico que teve o maior destaque em Belém foi o comércio: 972 postos de trabalho. Foi seguido pelo de serviços (636 postos) e serviços de indústria e utilidade pública (179 postos). Nesse mês, o destaque negativo foi a indústria de transformação (menos 203 postos) e a agropecuária (menos 75 postos). Ainda em novembro deste ano, a maioria das sete capitais da Região Norte apresentou saldos positivos de empregos formais. O destaque foi Manaus (AM) - saldo positivo de 1.571 postos de trabalho. Em segundo lugar ficou Belém (1.465 postos). Já o destaque negativo foi Porto Velho (RO), com a perda de 1.303 postos de trabalho.
Nos 11 primeiros meses de 2011, foi registrado crescimento do emprego formal em todas as capitais brasileiras. Em Belém, foram feitas 105.817 admissões contra 92.482 desligamentos - saldo positivo de 13.335 postos de trabalho e crescimento de 5,39% na geração de empregos. Segundo a nova pesquisa, nesse período, a grande maioria dos setores econômicos de Belém apresentou saldos positivos. O destaque foi Serviço - saldo positivo de 8.748 postos de trabalho. Depois, vieram a construção civil (2.873 postos) e o comércio (2.023 postos). O destaque negativo foi serviço da indústria e utilidade pública: menos 233 postos de trabalho. Em segundo lugar na perda de empregos ficou a agropecuária (menos 139 postos).
Sobre o crescimento do emprego formal nas capitais da região Norte, nos 11 primeiros meses de 2011, Manaus foi o maior destaque - saldo positivo de 44.689 postos de trabalho. Belém veio em segundo lugar (13.335 postos) e, em seguida, Macapá (5.582 postos).
Com base nos dados oficiais do Caged, o Dieese-PA analisou o comportamento do emprego formal nas capitais dos 27 Estados da Federação em 2011(janeiro a novembro). Todas apresentaram crescimento e o maior destaque foi São Paulo (SP) - geração de 236.093 postos de trabalho. Depois, vieram o Rio de Janeiro (RJ), com 107.153 postos; Belo Horizonte (MG), com 64.070 postos; Manaus (AM), com 44.689 postos; Curitiba (PR), com 41.864 postos, Fortaleza (CE), com 40.018 postos; Brasília, com 36.265 postos; Recife (PE), com 34.701 postos; e Porto Alegre (RS), com 31.140 postos. Manaus foi a maior geradora de empregos nesse período - 44.689 postos de trabalho. Em seguida, Belém (13.335 postos) - a 13ª capital com a maior geração de postos de trabalho formais no Brasil - e Macapá (5.592 postos).

Texto:
Rusele Mendes – Seter
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...