Total de visualizações de página

sábado, janeiro 07, 2012

Defesa Civil apresenta plano de ação para o período de chuvas

O Pará é um dos Estados da região amazônica mais afetados com as fortes chuvas do chamado inverno amazônico, entre os meses de dezembro a junho. Segundo dados dos últimos cinco anos apresentados pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil do Estado, anualmente, mais de 34 mil famílias são atingidas por desastres naturais, o correspondente a cerca de 150 mil pessoas. Deste número, 90% das ocorrências atendidas são feitas durante o período das chuvas.
 Para garantir suporte aos municípios impactados por enchentes, alagamentos e enxurradas, um plano de contingência será posto em prática pela Defesa Civil do Pará neste período. A apresentação do planejamento aos mais de 30 órgãos das esferas federal, estadual e municipal envolvidos na grande ação acontece em reunião na próxima quinta-feira (12). Antes, terça-feira (10), a coordenadoria da Defesa Civil se reúne com as regionais estaduais para que o plano possa receber os últimos ajustes.
 Segundo o coordenador adjunto da Defesa Civil do Estado, José Augusto Almeida, o plano contempla ações de prevenção, preparação, resposta e reconstrução voltadas para atender a população desses municípios. Ele explica que a primeira unidade a atuar deve ser o município, mas a Defesa Civil está pronta para dar o suporte necessário quando acionada.
 “Apenas quando o município esgota suas possibilidades, ela aciona o Estado e a União, para que, então, o sistema todo passa atuar, dependendo do nível de gravidade do desastre, tanto aqueles que geram situação de emergência, quanto os de calamidade. Estamos agora na fase de preparação, quando visitamos os municípios para ficar a par dos trabalhos que estão sendo feitos por eles e avaliarmos se essas ações atendem as necessidades”, explica.
 Durante o período crítico, de março a junho, todos os municípios situados no entrono dos rios Amazonas, Araguaia, Tapajós, Tocantins e Xingu deverão receber atenção especial da Defesa Civil. “Dos 143 municípios do Estado, a média é de 30 municípios atingidos por ano. Mas é importante ressaltar que esse não é nosso parâmetro. Esse número vem reduzindo. Em 2011 nós tivemos 19 afetados”, avalia.
 O plano está dividido em quatro etapas, que começaram a serem postos em prática em dezembro, com a apresentação do planejamento e atuação preliminar nas áreas e regiões do entorno das bacias hidrográficas do Estado. Neste mês foi dada início a segunda etapa, em que equipes técnicas visitam os municípios para visualizar seus planejamentos in loco.
 A terceira etapa, que deverá ter início em março, quando o nível dos rios atinge a cota de alerta e a Defesa Civil fica a postos para atender a qualquer chamado dos municípios das áreas de risco. A última etapa tem início quando as famílias já começam a retornar às suas residências, com a diminuição das chuvas e dos alagamentos, em consequência ao retorno do nível normal dos rios. Nesta etapa será feita a reconstrução das áreas destruídas e a intensificação o auxílio às famílias afetadas.

Texto:
Amanda Engelke – Secom
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...