Total de visualizações de página

quinta-feira, janeiro 05, 2012

A Diretora da DEAM, Alessandra Jorge, fala sobre os números da violência...




Levantamento da DEAM mostra
que as mulheres estão
denunciando mais os
casos de violência

O número de atendimentos registrados pela Divisão Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), da Polícia Civil, no ano passado se manteve o mesmo em relação ao ano de 2010 na Região Metropolitana de Belém (RMB). No total, foram 7.663 ocorrências policiais. A diferença observada pelo levantamento realizado pela Deam fica por conta dos registros feitos pela Delegacia Virtual, que em 2011 superou com 225 denúncias a mais a estatística do ano anterior.
 Na avaliação da diretora da Deam, delegada Alessandra Jorge, os números são positivos e mostram que as vítimas de violência doméstica estão se sentindo mais seguras para denunciar o seu agressor. “Além da Lei Maria da Penha, que este ano completa seis anos e continua gerando bons resultados, há também a infraestrutura que o Estado oferece à mulher. Por isso a gente vê com bons olhos o grande número de ocorrências, pois mostra a atenção que damos às vítimas”, afirma.
 O número de ocorrências seria maior, segundo a delegada, se as vítimas prosseguissem com o inquérito policial, mas muitas procuram a delegacia apenas para garantir apoio jurídico, psicológico e social. “No ano passado, em 2011, nós tivemos 10.834 atendimentos, dos quais apenas 7.663 se tornaram procedimento policial. Um número bem expressivo. O restante dos casos foram apenas registrados como atendimento e as mulheres, que preferiram não seguir com um inquérito, foram encaminhadas para a rede de serviços”. Ela ressalta que a partir do inquérito policial a mulher tem acesso a outros direitos, como abrigo, proteção policial e a prisão do seu agressor.
 Apesar de muitas mulheres optarem por não registrar queixa contra o seu agressor, em 2011 a Deam realizou mais prisões em flagrante, em relação a 2010. Alessandra Jorge explica que isto se deve à instalação da Central de Flagrantes, da Polícia Civil, que atende de segunda a sexta-feira até as 18h, na capital. “Depois desse horário, todos os casos de flagrante são encaminhados para a Deam, onde realizamos o atendimento e encaminhamos a mulher para a rede de serviços”, informa a delegada.
 Para denunciar ou ter acesso aos seus direitos, a vítima de violência doméstica pode procurar a Deam, em Belém, a Delegacia Virtual (www.virtualmulher.pa.gov.br), lançada em 2006, pioneira no Brasil, ou qualquer outro órgão que faz parte da rede de serviços de apoio à mulher agredida. Fazem parte dessa rede os centros Maria do Pará (Belém, Santarém, Tucuruí, Capanema, Ananindeua, Abaetetuba, Itaituba, Jacundá, Xinguara), a Defensoria Pública, a Promotoria de Violência Doméstica Contra a Mulher e as Varas especiais na comarca de Belém.
Em breve, revelou a diretora da Deam, a delegacia disponibilizará total apoio às mulheres com um núcleo do Pro Paz Mulher. O programa funcionará no espaço ocupado antes pelo abrigo para mulheres, na própria delegacia. No local, além de passar por perícia - que por enquanto só é realizada no Centro de Perícias Renato Chaves - e as mulheres também receberão apoio psicológico.
Serviço: Divisão Especializada de Atendimento à Mulher – DEAM. Travessa Vileta, entre Primeiro de dezembro e Almirante Barroso, nº 2914 - Bairro do Marco. Telefone: (91) 3246-6803.

Texto:
Thiago Melo – Secom
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...