Total de visualizações de página

sexta-feira, janeiro 13, 2012

BELÉM 396 ANOS: Mostra no Cine Líbero Luxardo celebra o aniversário de Belém

                Para celebrar o aniversário de Belém, que completa 396 anos nesta quinta-feira (12), o Cine Líbero Luxardo, da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves, preparou uma programação de curtas e filmes de diretores paraenses. A mostra “Belém 396 anos” acontece de 12 a 22 deste mês, às 19 horas, com entrada franca.
“É preciso dar um espaço devido ao cinema paraense. A programação valoriza as produções da região e serve de estímulo para novos cineastas”, diz a gerente do Cine Líbero Luxardo, Patrícia Lio. O cineasta iniciante Pedro Tobias acredita que a programação é uma forma de estimular novos talentos e divulgar essas obras para o público que gosta de cinema. “O Líbero é um espaço que formou parte do meu gosto por cinema e é importante que as pessoas conheçam a produção daqui”, diz.
                Serão exibidas obras como “Brutos inocentes”, “Um dia qualquer” e “Belém do Pará”, de Líbero Luxardo; “Ver-O-Peso”, de Januário Guedes; “Ribeirinhos do asfalto”, “Belém, cidade das águas” e “Invisíveis prazeres”, de Jorane Castro; “Miguel, Miguel”, de Roger Elarrat; “O mundo de Célia”, de Ronaldo Rosa; “Belém aos 80”, de Alan Kardec Guimarães; e “Muragens”, de Andrei Miralha.
                Também na mostra estão “Matinta”, de Fernando Segtowick; “Chupa, Chupa”, de Adriano Barroso; “O engano”, de Lorenna Montenegro; “Açaí com Jabá”, de Alan Rodrigues; “A onda, festa na pororoca”, de Cássio Tavernad; “Brega S/A”, de Vladimir Lima; “Veronika não deita”, da Caiana Filmes; e “Na canoa para aprender”, de Dani Franco.
                Serviço: “Mostra Belém 396 anos”, de 12 a 22 de janeiro, às 19 horas, com entrada franca, no Cine Líbero Luxardo (Centur).

Texto:
Hélio Granado-FCPTN
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...