Total de visualizações de página

quinta-feira, janeiro 05, 2012

Comitiva do Governo visita Colônia Agrícola Heleno Fragoso e anuncia projetos para o local





Transformar a Colônia Heleno Fragoso em um estabelecimento exemplar de cumprimento de pena em regime semiaberto a ser seguido no país. Esta é uma das metas do projeto de reestruturação do Polo Penitenciário de Santa Izabel, que começou a dar os primeiros passos na manhã desta quarta-feira, 4, com a presença de uma comitiva formada por representantes da Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), Casa Civil (representando a primeira dama, Ana Jatene), Empresa de Assistência Técnica de Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-Pará), Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri) e Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), na colônia agrícola.
Durante a visita, que iniciou por volta das 9h, os representantes das secretarias conheceram todos os espaços da colônia e verificaram de perto como funcionam as áreas de hortaliça, horticultura, fruticultura, além da criação de patos e porcos. “Potencializar a produção das hortaliças e leguminosas a fim de tornar o sistema penitenciário autosuficiente em abastecimento para as unidades prisionais, possibilitando a comercialização de alguns produtos de forma sistêmica e com melhores instrumentos de controle e avaliar os projetos existentes na colônia definindo viabilidades ecológica, econômica e financeira, são alguns dos objetivos que queremos alcançar a partir desta integração dos demais órgãos do estado com o sistema penal”, explicou o superintendente da Susipe, André Cunha.
A colônia Heleno Fragoso abriga 385 internos e possui uma área total de 150 hectares, mas atualmente apenas 1/3 deste espaço tem sido aproveitado com projetos que permitem o desenvolvimento de atividades pela população carcerária. “As duas maiores reivindicações dos presos giram em torno da falta de ocupação dentro da colônia e as questões processuais. Garantir trabalho e renda para eles com certeza trará uma transformação radical”, disse o diretor geral da colônia, major Cláudio Gifoni. Segundo ele, a cada três dias trabalhados na colônia, o interno ganha um dia de remição de pena.
A ideia é fazer com que o espaço volte a ser referência na produção de hortas e na criação de búfalos e cabras, como um dia a colônia Heleno Fragoso já foi. “Nós já tivemos aqui os melhores búfalos, os melhores vegetais e as melhores frutas da região. Mas, por falta de incentivos isso acabou. Agora, com essa iniciativa do governo, uma esperança volta a renascer para todos nós de que dias melhores virão”, comentou Mariano Cardoso, que trabalha como técnico agrícola no lugar há 9 anos.
O superintendente da Susipe fez questão de reunir com os internos e explicar a eles as mudanças que pretendem ser implantadas na colônia. “Estamos com um mutirão institucional aqui para fazer um estudo técnico e saber o que pode ser potencializado nesta área. Muitas mudanças virão e posso garantir que até o final deste ano, a Colônia Heleno Fragoso terá outra cara”, ressaltou.
Ao final da visita, diversas sugestões e iniciativas surgiram entre os representantes das secretarias. “Temos um espaço enorme com muitas potencialidades. Temos mão de obra necessária e o mais importante que é o interesse do governo em transformar esta realidade. Com certeza dará para fazer um trabalho ecológico e econômico nesta área”, disse Jorge Soares, engenheiro agrônomo da Sagri. Novos encontros entre a comitiva e a Susipe devem acontecer nos próximos dias para dar continuidade na execução do projeto.

Texto:
Bruna Campos – Secom




Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...