Total de visualizações de página

sexta-feira, janeiro 13, 2012

Telas de Cláudia Cruz estão expostas até fevereiro no Centur

                Dedicada à pintura desde os 11 anos, Cláudia Cruz desenvolve um trabalho que enfatiza elementos da natureza e a ação do tempo nos objetos. Até o dia 27 de fevereiro, o público de Belém poderá ver os traços desta artista na exposição "Olhar de Arco Íris", no Espaço Edyr Proença, no 4º andar da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (Centur). Com entrada franca, a mostra está aberta das 8 às 17h.
                Cláudia Cruz demonstra em suas telas a preocupação com a sustentabilidade e a experimentação. Em suas buscas artísticas, já usou terra e borra de café nos trabalhos. Segundo ela, a expressão “Olhar de Arco Íris” foi criada por seu avô, ainda na infância da artista, e está retratada no cenário multicolorido que ela apresenta aos apreciadores de sua arte.
                A mostra é composta por 20 telas e vários objetos com diferentes formas, feitos com papelão e técnica de pintura em acrílico. As obras trazem reflexões sobre a infância e a preservação da natureza. O que poderia virar lixo, nas mãos de Cláudia vira arte. “Fico triste em ver o papel desperdiçado de maneira absurda. Meu trabalho tem muito da natureza e do meu amor por ela”, declarou.
                A curadoria de “Olhar de Arco Íris” é de Armando Queiroz, que, segundo Cláudia, trouxe uma visão diferente para a exposição devido à experiência acumulada em anos de carreira. “Tenho certeza que Armando enriqueceu a minha exposição”, ressaltou Cláudia Cruz.
Serviço: Exposição “Olhar de Arco Íris”, de Cláudia Cruz, no Espaço Edyr Proença, no 4º andar da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (Centur). Visitação até 27 de fevereiro, das 8 às 17h. Entrada franca.

Texto:
Hélio Granado-FCPTN
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...