Total de visualizações de página

sábado, setembro 22, 2012

XVI Feira Pan-Amazônica faz do Pará o centro das atenções da arte literária






 
 

Até o dia 30 de setembro, o Pará pode ser considerada o centro das atenções do universo literário. O governador do estado, Simão Jatene, e o embaixador de Portugal, Francisco Ribeiro Telles, abriram nesta sexta feira (21), a XVI Feira Pan Amazônica do Livro. A cerimônia, realizada no auditório Benedito Nunes, contou com a presença de autoridades, convidados e o público da feira. Nesta edição, o maior evento literário da região norte tem como país homenageado Portugal e o maestro santareno Wilson Fonseca, o Mestre Isoca, como patrono. 
A solenidade teve início com a apresentação da Amazônia Jazz Band executando o hino do Brasil. Em seguida o cantor português Vitor Castro interpretou o hino de Portugal, e por fim, a cantora lírica paraense Carmen Monarcha, acompanhada pelos músicos Luiz Pardal e Jacinto Kahwage, mais o Trio Manari, entoou o hino do Pará.
Com o tema “A minha pátria é a língua portuguesa”, frase do poeta lusitano Fernando Pessoa, a décima sexta edição da feira promete reunir nos dez dias de programação um público estimado em 450 mil pessoas.  A relação Brasil Portugal vai estar presente em todas as atividades da feira. Em 2012, se comemora o ano do Brasil em Portugal e vice versa. Por conta disso, o evento não poderia ter outro país homenageado senão Portugal.
A estreita relação entre os dois países também foi destaque no discurso do embaixador de Portugal no Brasil, Francisco Ribeiro Telles. O diplomata elogiou a recepção de boas vindas e agradeceu a homenagem do Governo do Estado em convidar escritores e artistas portugueses para apresentarem seus trabalhos no evento literário. Segundo Telles, em Belém a influência portuguesa pode ser percebida na arquitetura, na gastronomia e na cultura paraense. “A ligação luso brasileira é muito presente em diversas áreas e em Belém podemos sentir isso de forma mais evidente. Esse evento literário vem firmar ainda mais esses laços”, destacou. 
A consolidação da parceria entre Brasil e Portugal também foi observada pelo governador Simão Jatene. Além de uma relação histórica entre os dois países, a influência portuguesa na região norte, em especial no Pará, pode ser percebida não só na capital como também em cidades do interior.
O governador também agradeceu o trabalho de todas as pessoas que contribuíram para a realização de mais uma edição da feira e a participação do público, que todos os anos prestigia o evento. “Essa feira não é um evento do estado. É um evento da população, que todos os anos participa e contribuiu para o sucesso da feira. Eu quero agradecer a todos que ajudaram a tornar possível mais esta edição da feira, aos técnicos, a coordenação, aos funcionários, aos convidados, palestrantes escritores, enfim, todos que tornaram este desafio possível”, finalizou o governador.
Após o discurso das autoridades a Amazônia Jazz Band voltou ao palco para uma apresentação especial, que incluiu, além do repertório tradicional do grupo, a composição “Amazônia”, do maestro Wilson Fonseca. Após o termino da cerimônia, como de costume, o governador Simão Jatene visitou as instalações da feira, cumprimentando expositores e público.
Entre os destaques da programação deste sábado (22), na Feira Pan Amazônica está a escritora portuguesa Lidia Jorge, no Encontro Literário, às 19h, no auditório Dalcídio Jurandir. O publicitário Pedro Galvão é o convidado do Encontro dos Escritores Paraense. Mais cedo, às 11 horas o governador Simão Jatene participa do Encontro Literatura e Sustentabilidade, do qual participam também os escritores Ricardo Abramovay, Sergio Besserman, Sergio Abranches e a jornalista Miriam Leitão. Nelson Mota é o convidado do Encontro de Literatura e Música, programação que acontece, às 16h, na Sala Pará. Outro destaque neste sábado é o escritor infantil Maurício de Sousa, na sessão de autógrafos.

Texto:
Danielle Ferreira-Secom

Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...