Total de visualizações de página

segunda-feira, setembro 03, 2012

Ver-o-Peso é palco do lançamento oficial da Semana do Peixe no Pará


“Pescado: dá água na boca e faz bem para a saúde”. Este é o slogan da campanha da Semana do Peixe 2012, lançada nesta segunda-feira (3) em Belém, às 6h, no mercado Ver-o-Peso. A campanha, que é promovida pelo Ministério da Pesca e Aquicultura, segue até o dia 17 com ações de incentivo ao consumo de pescado no país. Dentro da programação alusiva à Semana do Peixe, a Secretaria de Pesca e Aquicultura do Pará (Sepaq) irá realizar três Feiras do Peixe Popular.
A primeira será neste sábado (8), em Ananindeua, no Ginásio João Paulo II (Abacatão), das 8h às 12h. As outras duas serão realizadas em Belém no dia 15 de setembro, das 8h às 14h, na Fundação Tancredo Neves (Centur) e na quadra coberta da Paróquia de São Domingos Gusmão, localizada no bairro da Terra Firme. As feiras, como de costume, trarão o pescado a um preço cerca de 10% mais barato que praticado pelo mercado.
O lançamento oficial, em âmbito nacional, foi realizado pelo ministro Marcelo Crivella, da Pesca e Aquicultura, no dia 1° de setembro, no Mercado São Pedro, em Niterói (RJ). Durante a Campanha, o ministro visitará regiões do País para mobilizar a população. A Semana do Peixe traz este ano algumas novidades. A Campanha, na televisão e na internet, terá a participação de Thiago Pereira, medalhista olímpico. Eventos gastronômicos e mobilizações serão promovidos nos Estados e no Distrito Federal.
No site do Ministério (www.mpa.gov.br), as pessoas poderão enviar receitas saborosas de pescado para divulgação e obter o cartaz da Campanha. Na rede também será possível imprimir a cartilha com dicas para manipulação de pescado, além de orientações sobre como verificar a qualidade do produto na hora da compra, e diversas receitas regionais. Um aplicativo permitirá que esse conteúdo possa ser acessado, a todo o momento, pelo celular.
Alimentação saudável
Entre as refeições campeãs quando o assunto é nutrição saudável, o peixe está, sem dúvida, entre as indicadas. Porém, no Brasil, mesmo com uma produção de pescado viável, a população consome o alimento menos que o recomendado. O consumo de peixe no país por pessoa é de aproximadamente nove quilos por ano, enquanto a recomendação é de 13 quilos neste mesmo período. Isso se dá pela falta de tradição, indisponibilidade de um produto de qualidade e ao fator socioeconômico do consumidor. É o que acredita o nutricionista Bruno Morais. “Esses elementos são o que nos deixam atrás de diversos países, mesmo com o nosso litoral e a diversidade de espécies que temos”, destacou.
Segundo o engenheiro de pesca da Sepaq, João Terra Trindade, o Pará é um privilegiado na produção de peixe. “O Pará sempre produz muito peixe. A produção é que varia durante o ano, bem como as espécies. Mas o ano todo temos as principais espécies comercializadas, tais como pescada amarela, filhote, tambaqui, tucunaré e pirarucu. Elas só sofrem diminuição na produção conforme o período de defeso e a reprodução das mesmas”, contou.
Neste período de muito sol no Pará é preciso atenção redobrada na alimentação. “É muito importante verificarmos a qualidade da nossa alimentação no verão, uma vez que ficamos mais suscetíveis à desidratação. É nessa hora que devemos agir e fazer com que consigamos balancear essa circunstância com a ingestão de alimentos mais leves e saudáveis”, explicou Bruno Morais. Porém, é preciso buscar um pescado de qualidade. “A maior preocupação é com a procedência deste produto, pois o peixe é um alimento de fácil deterioração e por isso a sua perecibilidade é muito alta”, ressaltou o nutricionista.
O peixe pode ser consumido tanto no almoço quanto no jantar, pelo menos uma vez por semana. Por possuir fácil digestão, ele será absorvido quase que na sua totalidade e não dará a sensação de empachamento. “Devemos aproveitar se estivermos em locais litorâneos, pois peixes de água salgada contém uma quantidade significativa de ômega 3, substância responsável pelo controle da pressão arterial, doenças cardiovasculares e índices de triglicerídeos no corpo humano, assim como vitaminas e muitos minerais como o sódio, potássio, ferro, magnésio, flúor e etc.”.
As espécies de peixes que ocorrem no Pará, por sua vez, são na sua totalidade mais leves, por possuírem um teor menor de lipídeos e uma quantidade significativa de gorduras poliinsaturadas, consideradas muito benéficas, ao contrário da carne bovina, que apresenta maior quantidade de gorduras saturadas, de poucos benefícios. “O que devemos atentar é o índice de gordura de um pescado para o outro. Peixes com a carne branca (a exemplo do bacalhau, corvina, dourado) são menos gordurosos que peixe com a carne mais escura (atum, salmão, sardinha)”, acrescentou Bruno Moraes.
A forma de preparo também é muito importante. “Devemos dar preferência para assados, grelhados e cozidos sempre. Isto serve para todos os alimentos. Para termos a certeza de estarmos consumindo um alimento de boa qualidade devemos dar preferência a peixes frescos, com odores leves e agradáveis, o corpo rígido e arqueado, os olhos claros e brilhantes e as escamas bem aderentes à pele. Isto fará com que tenhamos uma segurança microbiológica maior e consequentemente o seu valor nutricional conservado”.
Texto:
Anna Carla-Sepaq
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...