Total de visualizações de página

sexta-feira, novembro 04, 2011

CULTURA: destaque para Funtelpa transmite Festival de Ópera


Fundação Curro Velho e
revista promovem oficina
de criação literária
A Fundação Curro Velho e a revista “Polichinello” promovem, no período de 7 a 11 deste mês, a oficina de criação literária na Casa da Linguagem. O evento é destinado a professores, artistas, estudantes e escritores. O editor da publicação, Nilson Oliveira, informa que o objetivo é proporcionar aos estudantes e interessados em geral uma experiência teórico-prática com a escrita literária.
“A experiência diz respeito a um encontro com o universo literário a partir das suas várias expressões: poesia, prosa e crítica”, destaca Nilson Oliveira. Durante os cinco dias de atividades, no horário de 9 horas ao meio-dia, o público vai participar de um “exercício de criação poética e narrativa com jogos e práticas que estimulam o exercício do pensamento e o ato de escrever”, ressalta o editor da “Polichinello”.
A oficina de criação literária vai abordar os temas “O que é escrever? A prática da poesia, a prática da prosa” e “Qual o sentido da crítica?”. Nilson Oliveira adianta que no fim da oficina será publicada uma antologia de textos que reúne a produção elaborada durante os trabalhos na Casa da Linguagem. Os interessados podem se inscrever na Casa da Linguagem, na avenida Nazaré, 31.
Andreza Gomes – Fundação Curro Velho
Xxxxx
Funtelpa transmite
Festival de Ópera
Belém entra no circuito de apresentação dos grandes espetáculos cênicos com a realização do X Festival de Ópera do Theatro da Paz, programação que composta a encenação de duas óperas - ‘Tosca’, de Giacomo Puccini, e ‘Carmina Burana’, de Carl Orff - marcando a reabertura da centenária casa de espetáculos paraense. As apresentações começam na próxima terça-feira, 8, às 20h, com transmissão ao vivo pela Funtelpa (Fundação de Telecomunicações do Pará).
A TV Cultura do Pará vai transmitir as duas óperas nos dias 8 e 26, respectivamente, com legenda, e também o espetáculo de encerramento, no dia 3 de dezembro. A apresentação será da jornalista Renata Ferreira, que estará acompanhada do músico Salomão Habib e vai ambientar os telespectadores, informando-os de todos os detalhes que envolvem a produção de uma ópera. Cerca de 60 profissionais da emissora estarão envolvidos na transmissão. Oito câmeras, no total, estarão estrategicamente posicionadas no Theatro da Paz para mostrar toda a grandiosidade do espetáculo.
Segundo o diretor da TV Cultura do Pará, o jornalista Tim Penner, os espetáculos serão transmitidos para 106 municípios paraenses que recebem o sinal da emissora. A Rádio e o Portal Cultura também transmitirrão o festival. Para acompanhar a programação pelo Portal Cultura (www.portalcultura.com.br) basta clicar no ícone 'TV Ao vivo', e para ouvir pela rádio online é só clicar no ícone 'Rádio ao vivo' ou sintonizar a 93,7 MHZ.
Este ano o Festival de Ópera completa uma década de existência e o diretor da TV Cultura acredita que a emissora teve uma participação fundamental na sedimentação do evento ao longo dos últimos 10 anos, renovando o gosto do público paraense pela boa música. Para Tim Penner, o sucesso do evento se mede pela procura do público, que todos os anos lota o Theatro da Paz para acompanhar os espetáculos.
“Mas quando esse público não pode estar presente a gente leva os espetáculos até sua casa por meio das nossas transmissões. A TV Cultura tem sim, uma boa participação na formação desse público que todos os anos acompanha o festival”, aposta.
Ronaldo Quadros Ascom Funtelpa
Oficina de Lutheria recupera
instrumentos de corda
na Fundação Curro Velho

Instrumentos de corda como violão, cavaquinho, banjo e similares estão sendo recuperados na Oficina de Lutheria  promovida pelo Governo do Estado, por meio da Fundação Curro Velho. Todos foram doados para a instituição durante uma campanha de arrecadação permanente de instrumentos de corda lançada em abril de 2011. Ao todo, mais de 40 violões foram entregues à FCV.
Em agosto, um show com 20 violonistas realizado durante a Feira da Beira, marcou o lançamento do projeto da Lutheria. O gerente de Música da Fundação Curro Velho, Paulo Moura, informa que o CD com o show de violões - reunindo grandes nomes da música como Salomão Habibi, Bob Freitas e Trio Paraense de Violões, entre outros - já está disponível.
Moura também avalia a arte da Lutheria. "O Luthier é um profissional que trabalha em um espaço pequeno, porém com um equipamento que não é tão caro. É uma profissão promissora para qualquer pessoa. E a oficina da Fundação Curro Velho que dar oportunidade para que muitas delas tenham uma profissão”.
Durante a oficina estão sendo produzidos dois violões e um cavaquinho. “Os instrumentos que estão sendo fabricados terão o selo do aluno Paulo Nunes, bem como o desenho da mão dos violões e do cavaquinho, que vai simbolizar o prédio da Fundação Curro Velho”, informa o gerente.
O instrutor Márcio Luthier conta que o resultado da oficina é bastante positivo. “Já recuperamos e restauramos mais de 20 violões e paralelamente à reforma estamos fabricando instrumentos de corda, para que os alunos vejam como se faz um instrumento musical. Todos os participantes estão bem empenhados e dedicados em aprender”.
O músico Jefferson Araújo comemora a oportunidade de se tornar um Luthier. “Eu vi uma oportunidade aqui no Curro Velho, com o Márcio Luthier. Como músico, sempre tive vontade de aprender e todo músico tem o interesse de saber como funciona o seu instrumento. Estou muito feliz e pretendo levar isso como uma profissão, porque está dentro do ramo da música, que é o que eu gosto”.
Andrezza Gomes - Ascom/FCV
Grupo Moara mostra o
autêntico carimbó
no São José Liberto
Um trabalho voltado à valorização dos autênticos ritmos regionais é o que o Grupo Parafolclórico Moara apresentará neste domingo (6), a partir das 18h, no Coliseu das Artes, no Espaço São José Liberto. O show integra a programação de novembro do projeto Ritmos do Pará, realizado no início e no final de cada mês pelo Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), com entrada franca. O “Moara” se dedica a divulgar a cultura do Pará por meio das danças e músicas que caracterizam as mais autênticas manifestações do folclore regional.
Os integrantes foram buscar na língua Tupi o nome do grupo – Moara é a palavra indígena para definir liberdade -, e adotaram o sol e um pássaro como símbolos. “Queremos mostrar a liberdade em expressar os valores culturais, através das músicas e danças do folclore amazônico”, dizem os músicos e dançarinos. O grupo existe há 35 anos, e durante todo esse tempo desenvolve um trabalho pedagógico, a fim de repassar às novas gerações as manifestações do folclore paraense. Paralelamente, se apresenta em eventos e espaços culturais de Belém, no interior do Pará e em outros Estados. O grupo foi uma das atrações do XXXIII Encontro Nacional de Folguedos do Piauí, onde se apresentou no Palco das Tradições, levantando o público com o melhor do carimbó paraense.
Exposição
Além do projeto Ritmos do Pará, que no final do mês apresentará o grupo Muiraquitã, o Espaço São José Liberto oferece a seus visitantes a exposição “Futuro Brilhante”, composta de anéis de formatura, pingentes, brincos e prendedor de gravata. Criada e produzida pelo grupo Elos da Amazônia, com apoio do Igama e governo do Estado, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), a exposição traz ao público peças tradicionais, mas com design inovador. A mostra pode ser visitada até o próximo dia 13 de novembro, das 9 às 19h, de terça a sábado, e de 10 às 19h, aos domingos.
Serviço: Projeto Ritmos do Pará, apresentação do Grupo Parafolclórico Moara. Domingo (6), às 18h, no Espaço São José Liberto (Praça Amazonas, s/n, bairro Jurunas). Entrada franca. Mais informações: (91) 3344-3517. Ascom/Igama
Ascom Igama
 “Jabutigão” conta histórias
 infantis na Estação
O personagem “Jabutigão”, criado há 14 anos pelo escritor Luiz Peixoto, apresenta neste domingo, 6, no projeto Por do Sol da Estação das Docas, a peça “Jabutigão no mundo da Amazônia” para o público infantil. Além da peça teatral, Jabutigão vai contar diversas historinhas infantis voltadas para a temática dos personagens da floresta e a importância da conservação do meio ambiente no planeta Terra.
“Nossa apresentação trazendo o personagem Jabutigão acontecerá pela primeira vez na Estação. Através das histórias contadas vai incentivar na criança o hábito da leitura e da conservação da Amazônia”, conta o criador do “Jabutigão”, Luiz Peixoto.
Segundo ele, “Jabutigão” é uma analogia a um jabuti velho que através de história, música e dança envolve as crianças no mundo mágico da fantasia dos personagens da floresta. “Estarei vestido do personagem Jabutigão e vamos fazer um momento descontraído e de aprendizagem para todas as crianças que forem no domingo para a Estação”, frisa Peixoto.
Serviço:
Espetáculo: Jabutigão no mundo da Amazônia
Data: Domingo, 6 de novembro
Horário: A partir das 17h30
Local: Orla do Armazém 3 – Estação das Docas
Entrada Franca
Isa Arnour - Ascom OS Pará 2000

Por Isa Arnour/ Ascom OS Pará 2000
 Conservatório Carlos Gomes
promove Feira Instrumental
Com o objetivo de despertar interesse e incentivar vocações, o Conservatório Carlos Gomes vai realizar nesta sexta-feira (4) a "Mostra de Instrumentos Musicais" ou "Feira Instrumental”, atividade voltada aos alunos que terminam o Curso de Musicalização e que deverão fazer opção pelo instrumento que irão estudar nos próximos anos.
O evento envolve cerca de 450 alunos e mais de 40 professores que se dividem em várias salas do Conservatório, propiciando mais um momento de contato com os instrumentos – é a culminância de uma ação desenvolvida entre abril e setembro, em que professores visitam os alunos falando e mostrando a gama de instrumentos para ajudá-los nos testes de aptidão ao final do programa, ainda no mês de dezembro. A Mostra funcionará no horário de 9 às 12h para os alunos do turno da manhã e de 15 às 18h para aqueles que estudam de tarde.


Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...