Total de visualizações de página

terça-feira, novembro 22, 2011

Emater defende crédito rural em sessão do Congresso de Sistemas Agroflorestais

Dentro da programação do VIII Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais, que se realiza em Belém esta semana, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) debaterá, na tarde de quinta-feira (24), a importância do crédito rural para a implantação de projetos de produção integrada.
De 14h30 às 16h30, no auditório do Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMC) da Universidade Federal do Pará (UFPA), no campus do Guamá, o coordenador técnico da Emater, Paulo Lobato, engenheiro agrônomo e mestre em solos e nutrição de plantas, participará da sessão temática “Estratégias de Políticas Públicas para uma Maior Adoção de Safs [sistemas agroflorestais]” junto com especialistas do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).
“O crédito rural é uma ferramenta fundamental para a viabilização de projetos de safs, até porque a agricultura familiar típica do Pará é ‘descapitalizada’ em sua origem. Os safs, por sua vez, representam não só aproveitamento produtivo das propriedades e atividades para recomposição de passivo ambiental e recuperação de áreas alteradas, mas também geração de renda e valorização regional a partir do resgate de espécies nativas da Amazônia”, explica Lobato. As principais espécies indicadas pela Emater na constituição dos safs são frutíferas, como açaí e cupuaçu, e essências florestais, como mogno e teca.
Outros 10 técnicos da Emater participam do Congresso, que iniciou dia 21 e se estende até sexta-feira, dia 24. O evento acontece no Centro de Convenções Benedito Nunes, localizado no campus principal da UFPA.
Aline Miranda - Ascom Emater
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...