Total de visualizações de página

quarta-feira, maio 23, 2012

Livro fará alerta sobre males do cigarro nas escolas da rede estadual

                As secretarias de Estado de Saúde Pública (Sespa) e Educação (Seduc) promoveram, nesta terça-feira (22), na Escola Estadual Carlos Guimarães, bairro Nova Marambaia, o lançamento do livro “Um tirano chamado fumo”, que será usado nas ações educativas de prevenção e controle do tabagismo nas escolas. O evento teve a presença do autor do livro, o músico Vangi Souza, e da madrinha da obra, a atriz e cantora Zezé Motta.
                O livro é destinado ao público infanto-juvenil e traz ilustrações dos cartunistas Ziraldo, Chico Caruso e Jair Fernandes. O lançamento em Belém faz parte da programação alusiva ao Dia Mundial Sem Tabaco, comemorado dia 31 deste mês. A iniciativa da Sespa em adotar o livro em ações educativas nas escolas paraenses partiu da constatação, em pesquisas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), de que 90% dos fumantes iniciam o consumo de cigarros antes dos 18 anos de idade.
                A Sespa adquiriu 50 mil exemplares do livro, cuja contracapa traz mensagem do secretário de Estado de Saúde, Helio Franco, direcionada aos jovens. O livro será trabalhado, primeiramente, nas escolas da capital e, em seguida, no interior do Estado. Helio Franco disse que a obra, com texto leve e atraente, é uma importante ferramenta de educação para controle do fumo, já que o cigarro mata cerca de 200 mil pessoas por ano no Brasil e é a primeira causa de câncer no país.
                O secretário ressaltou que, além da informação, é preciso convencer as pessoas a mudar o comportamento. Para ele, a escola é o local ideal para esse tipo de ação, pois é onde a criança desenvolve a sociabilidade física e mental. A representante da Seduc, Aldeíse Queiroz, disse que o projeto do livro começará em 25 escolas e se estenderá para as demais do Estado.
                Segundo Vangi Souza, a ideia de fazer o livro surgiu do sentimento de perda de pessoas próximas devido ao fumo. “Eu quis fazer alguma coisa para que crianças e jovens cresçam conscientes dos males provocados pelo cigarro”, reforçou ele, para quem a escola é o melhor local para trabalhar o tema do tabagismo, pois a criança é a melhor difusora do controle do mal. “O livro é mais um material para somar com os que já existem para serem usados nas ações de controle do tabagismo. Quero apenas dar a minha contribuição”, observou.
                Zezé Motta disse que tem muito orgulho e se sente honrada e privilegiada em ter sido convidada por Vangi para ser madrinha do livro. Para ela, os artistas têm uma responsabilidade social, já que as pessoas sempre param para ouvir o que dizem e valorizam a sua fala. Ela parabenizou o Governo do Pará pela iniciativa de adotar o livro nas ações de controle do tabagismo nas escolas.
“Vocês têm o privilégio de estar sendo informados sobre os malefícios do cigarro, pois muitas pessoas morrem porque não tiveram orientação na idade certa, então aproveitem bem as informações”, disse. Em seguida, a atriz cantou a música “Minha missão”, em homenagem a todos os envolvidos no trabalho de prevenção na escola.
Vítimas – A coordenadora estadual de Controle do Tabagismo, Raquel dos Anjos, enfatizou a importância do projeto para controlar a prevalência do problema. Segundo a última pesquisa do Vigitel/ Ministério da Saúde, 13% da população acima de 18 anos são fumantes, e entre os escolares, 19% fazem consumo de tabaco. Raquel também alertou que o fumo é a porta de entrada para outras drogas, como crack, que hoje faz muitas vítimas.
                Ela explicou que hoje o Estado trabalha com três frentes: prevenção, para evitar que indivíduos se tornem fumantes; promoção do tratamento, para quem precisa; e proteção do não fumante com os ambientes livre do tabaco. Por fim, lembrou que o tema deste ano do Dia Mundial Sem Tabaco é “Fumar faz mal para você, faz mal para o planeta”, que será trabalhado em todo o Brasil.
                A programação incluiu ainda uma dramatização sobre alcoolismo feita por alunos da Escola Cabanagem, que participam da oficina de teatro, atividade desenvolvida pelo projeto Mais Educação, do Ministério da Educação. Na oficina são abordados temas transversais, como a saúde. O evento foi encerrado com autógrafos de Vangi Souza e Zezé Motta.

Texto:
Roberta Vilanova-Sespa
Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...