Total de visualizações de página

quarta-feira, maio 23, 2012

Sagri coleta quase 20 mil sementes de mogno na Praça Batista Campos


                A Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri) realizou na manhã desta terça-feira (22) a coleta de sementes de mogno, na Praça Batista Campos, centro de Belém. A ação teve o apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), do Corpo de Bombeiros e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).
                As cerca de 20 mil sementes coletadas serão plantadas e transformadas em mudas de mogno, para doação a produtores rurais interessados em reflorestamento e para qualquer morador de Belém. A coleta das sementes despertou a curiosidade de muitas pessoas que passaram pela praça. Para fazer a coleta, dois funcionários da Semma ficaram suspensos a quase 20 metros do chão, por um caminhão munck. Além de autorizar a retirada, a Semma também cedeu o caminhão munck e funcionários para a realização do trabalho.
Resultado - O gerente da Área de Produção Florestal da Sagri, engenheiro florestal Altevir Resende, que coordenou a ação, considerou o resultado positivo. “Foi um sucesso”, avaliou o técnico, que aproveitou a ocasião para lançar a ideia da campanha: “Gostas de sombra? Então planta uma árvore!”, que a Sagri deverá desenvolver para incentivar o plantio de árvores na Região Metropolitana de Belém e em municípios do interior. A ideia de coletar frutos de mogno na praça, segundo ele, partiu do secretário de Agricultura, Hildegardo Nunes, que viu durante anos as sementes caírem no chão, nesta época do ano, e se estragarem.
                Todo o material coletado será levado para o Laboratório de Sementes da Embrapa, onde será classificado e tratado, até ficar pronto para o plantio. As sementes são do tipo aladas recalcitrantes, de difícil conservação, pois se estragam rapidamente, daí a necessidade de uma coleta tecnicamente orientada e um imediato tratamento, para facilitar a reprodução.
“Eu achei uma boa ideia, principalmente aqui na Amazônia, onde estão destruindo tudo, acabando com a natureza. Tem que fazer é isso mesmo”, disse o vigilante Pedro Lobato. A engenheira agrônoma Janaína de Araújo considerou a ideia “muito interessante. Gostei muito, e a natureza agradece”.
Na Praça Batista Campos há 10 pés de mogno brasileiro (Swietenia macrophylla), mas nem todos estão produzindo sementes.

Texto:
Raimundo Sena-Sagri

Postar um comentário

REVISTAS MEDIUNIDADE

JESUS: "Choro por todos os que conhecem o Evangelho, mas não o praticam...”

Ofuscado pela grandeza do momento, começou a chorar. Viu, porém, que Jesus chorava também... E, Eurípedes, falou – Senhor, por que ch...